Você está na página 1de 4

EEIFM DR.

PEDRO SÁTIRO
Aluno: Nº:
Ano/Turma: Bimestre: Data: ___/___/_____
Professor(a): Disciplina: HISTÓRIA
“Boa prova!” Valor: 10.0 Nota Final:

1 – (UERJ)

Nós, marinheiros, cidadãos brasileiros e republicanos, mandamos esta honrada mensagem para que Vossa
Excelência faça aos marinheiros brasileiros possuirmos os direitos sagrados que as leis da República nos
facilitam. Tem Vossa Excelência 12 horas para mandar-nos a resposta satisfatória, sob pena de ver a
Pátria aniquilada.

(Adaptado do memorial enviado pelos marinheiros ao presidente Hermes da Fonseca, em 1910. In:
MARANHÃO, Ricardo e MENDES JUNIOR, Antônio. Brasil história: texto e consulta. São Paulo: Brasiliense,
1983.)

Os participantes da Revolta da Chibata (1910-1911) exigiam direitos de cidadania garantidos pela


Constituição da época.

As limitações ao pleno exercício desses direitos, na Primeira República, foram causadas pela permanência
de:

a) hierarquias sociais herdadas do escravismo.


b) privilégios econômicos mantidos pelo Exército.
c) dissidências políticas relacionadas ao federalismo.
d) preconceitos étnicos justificados pelas teorias científicas.

2 – (UERJ)

A Guerra de Canudos, de 1896 a 1897, foi um dos


principais conflitos que marcaram o início do período
republicano no Brasil. Os prisioneiros retratados na
foto são sobreviventes dessa guerra, sertanejos vítimas
de exclusão social e política.

Os fatores responsáveis por essa exclusão, naquele


contexto, foram:

a) êxodo rural – voto de cabresto c) crise agrícola – sincretismo religioso

b) desemprego – reação monarquista d) concentração fundiária – coronelismo


3 – (UNESP 2008) Observe a fotografia dos habitantes de Canudos aprisionados pelas tropas federais de
1897.

Caracterize as circunstâncias sociais de formação do arraial


de Canudos e o contexto histórico de sua destruição.

4 – (PUC RS)
A Guerra de Canudos é objeto de análise de Euclides da Cunha, em sua obra “Os Sertões”. Ao descrever o
desfecho do movimento, o autor afirma:

Concluídas as pesquisas nos arredores, e recolhidas as armas e munições de guerra, os jagunços reuniram
os cadáveres que jaziam esparsos em vários pontos. Decapitaram-nos. Queimaram os corpos. Alinharam
depois, nas duas bordas da estrada, as cabeças, regularmente espaçadas, fronteando-se, faces volvidas
para o caminho. Por cima, nos arbustos marginais mais altos, dependuraram os restos de fardas, calças e
dólmãs multicores, selins, cinturões, quepes de listras rubras, capotes, mantas, cantis e mochilas…
CUNHA, E. Os sertões. São Paulo: Abril Cultural, 1979. p. 255.

A Guerra de Canudos é considerada um movimento

a) monarquista, inspirado nas ideias de Benjamin Constant, já que sua principal luta era pelo retorno da
família real ao Brasil.

b) de cunho político-partidário, liderado por Padre Cícero no sertão baiano, tendo o intuito de combater a
fome e a miséria.

c) de cunho messiânico, liderado por Antônio Conselheiro, que conseguiu reunir cerca de 20 mil seguidores,
pregando a salvação da alma.

d) abolicionista, por isso refugiou grande contingente de ex-escravos, o que passou a prejudicar os
latifúndios por falta de mão de obra, ocasionando uma reação militar.

5 – Sobre a Revolta de Canudos, assinale a alternativa INCORRETA.

a) O seu principal líder foi Antônio c) Caracterizou-se como um e) Os revoltosos de Canudos


Conselheiro. movimento de caráter messiânico. receberam apoio incondicional dos
coronéis da região.
b) Os sertanejos de Canudos d) A Guerra de Canudos foi tema do
lutavam contra a injustiça e a livro “Os Sertões”, do
miséria persistente na região. escritor Euclides da Cunha.
6 – (G1 – ifce 2011)

A Revolta de Canudos (1893-1897) se insere no contexto das lutas populares da República Velha e se
caracteriza como movimento messiânico. Melhor caracteriza esta revolta:

a) movimento de rebeldia social que, sob o comando do cangaceiro Virgulino Ferreira – o Lampião – lutava
contra a opressão da vida nordestina.

b) liderada por José Maria, cujo nome verdadeiro era Miguel Lucena Boaventura, reuniu mais de 20 mil
sertanejos e fundou com eles alguns povoados, a chamada “Monarquia Celeste”.

c) ocorrida no governo do presidente Rodrigues Alves, no Rio de Janeiro, contra as péssimas condições de
vida da população pobre, como epidemias, pobreza e desemprego.

d) movimento liderado por Antônio Conselheiro (Antônio Mendes Maciel), que fundou, no sertão da Bahia,
uma comunidade que congregava ex-escravos, sertanejos sem terra, gente perseguida pelos coronéis ou pela
polícia.

e) reuniu 2 mil marujos da Marinha brasileira, sob a liderança de João Cândido, que reivindicavam o fim
dos castigos físicos, da má alimentação e dos baixos soldos (salários).

7 – (UNIFOR CE)

Na noite de 22 de novembro de 1910, o marechal Hermes da Fonseca completava sua primeira semana
como presidente da República. Neste dia, no Rio de Janeiro, então capital do Brasil, marinheiros da Armada
brasileira protagonizaram o início de um movimento que defendia, entre outras coisas, o fim dos castigos
físicos aplicados aos graduados da Marinha.

Pode-se inferir que se trata da

a) Revolta da Chibata; c) Revolta das Forças Armadas;

b) Revolta da Marinha; d) Revolta da Vacina.

8 – “Conhecido como o navegante negro; Tinha a dignidade de um mestre-sala…”

O fragmento acima é da música de João Bosco e Aldir Blanc, “O mestre-sala dos mares”, numa homenagem
ao “Almirante Negro” que liderou a revolta dos marinheiros em 1910 contra os castigos físicos e a
discriminação por parte dos oficiais.

O líder e a revolta a que se refere o texto, são, respectivamente:

a) João Cândido e a Revolta da Chibata;


b) Osvaldo Cruz e a Revolta da Vacina;
c) o beato José Maria e a Revolta do Contestado;
d) Lampião e a Revolta de Juazeiro;
e) Giuseppe Garibaldi e as greves operárias de São Paulo.

9 – (PUC)
Durante a Primeira República (1889 – 1930), houve, na sociedade brasileira, revoltas que, a despeito das
diferenças, expressaram a insatisfação e a crítica de grupos populares quanto aos mecanismos de exclusão
social e política e às estratégias de expansão dos interesses oligárquicos, então vigentes. Assinale a
alternativa que identifica CORRETAMENTE revoltas dessa natureza:

a) Guerra de Canudos e Revolta da Vacina. c) Revolta da Vacina e Revolta da Armada.

b) Revolta Federalista e Guerra do contestado. d) Revolta da Chibata e Revolta Federalista.

10 – (Fei) “Não seria exagero dizer que a cidade do Rio de Janeiro passou, durante a primeira década
republicana, pela fase mais turbulenta de sua existência. Grandes transformações de natureza econômica,
social, política e ideológica, que se gestavam há algum tempo, precipitaram-se com a mudança do regime
político e lançaram a capital em febril agitação, que só começaria a ceder ao final da década.”

(CARVALHO, José Murilo de. OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI.
São Paulo: Cia. Das Letras, 1987)

Dentre os movimentos populares que agitaram o Rio de Janeiro no início do século, um destacou-se: aquele
que vinha contrariar a política de saneamento e de reurbanização da cidade, com a demolição dos cortiços e
quiosques do centro. Esse movimento foi:

a) a Revolta da Chibata d) a Revolta da Armada


b) a Revolta de Canudos e) a Revolta da Vacina
c) o movimento do Contestado

11 – A maioria dos presidentes desta época eram políticos de Minas Gerais e São Paulo. Estes dois estados
eram os mais ricos da nação e, por isso, dominavam o cenário político da república – prática conhecida
como:

a) Política dos Governadores


c) Política da Elite

b) Política do Café com Leite


d) Política Paulista Mineira

12 – A reforma urbana levada a cabo no Rio de Janeiro, nessa época, beneficiou toda a população carioca?
Justifique.

13 – Cite as principais características dos regimes nazifascistas.

14 – Descreva as condições de trabalho dos operários brasileiros no início do século XX.

15 – Que movimentos internacionais inspiraram as organizações operárias brasileiras?

16 – Que aspectos da sociedade brasileira no passado levaram as pessoas a se associar a líderes


messiânicos?