Você está na página 1de 82

TEMA 3

Capítulo 1 – Métodos para o estudo do interior da Geosfera


Capítulo 2 – Vulcanologia
Capítulo 3 – Sismologia
Capítulo 4 – Modelo e dinâmica da estrutura interna da Geosfera
TIPOS DE VULCANISMO

Primário Secundário
•Caracteriza-se pela ocorrência
de erupções vulcânicas

Central Fissural
•Ocorre ao longo de fraturas da superfície
terrestre; originam vastos planaltos de
Aparelho vulcânico acumulação vulcânica
•Característico dos riftes

VULCÃO
Cratera
Cone vulcânico

Chaminé
vulcânica
Cone
secundário

Rocha encaixante

Câmara
magmática

I
Cone vulcânico – elevação típica, normalmente em forma cónica,
resultante da acumulação dos materiais expelidos pelo vulcão.

Cratera – abertura do cone vulcânico que permite a


comunicação com o exterior. Através da cratera são
libertados os materiais vulcânicos.

Chaminé vulcânica – fratura principal, através da qual o


magma ascende até à superfície.

Câmara magmática – zona do interior da Terra onde se


acumula o magma.
Efusiva Explosiva

I
FATORES QUE INFLUENCIAM A
ATIVIDADE VULCÂNICA

•Composição do magma
•Temperatura
•Quantidade de gases dissolvidos

Magma- é formado por uma mistura de silicatos fundidos, por


cristais em suspensão e por diversos gases, que se designam,
globalmente, por substâncias voláteis.
Classificação do magma em função da percentagem
em sílica (SiO2)

Basáltico Riolítico
Classificação da lava em função da
viscosidade

Maior resistência ao fluxo Flui facilmente em forma de


escoadas
Gases

Cinzas
Lapilli

Bombas

Cone
vulcânico Lava

I
Gases:

Os materiais gasosos frequentemente


libertados são:
 Vapor de água;
 Amoníaco;
 Monóxido de carbono;
 Dióxido de carbono;
 Sulfureto de hidrogénio.
Bombas:
Fragmentos sólidos expelidos
pelos vulcões, de dimensões
superiores a 50 mm
(aproximadamente).

17 cm
Lapilli

Fragmentos sólidos expelidos


pelos vulcões, de dimensões
entre 2 mm e 5 cm
(aproximadamente).
4 cm
Cinzas
Fragmentos sólidos expelidos pelos vulcões,
de dimensões menores que 2 mm
(aproximadamente).
1 cm
Lava
Magma desgaseificado expelido pelos vulcões, em
estado de fusão.

Lavas em almofada (Cyana, ao largo do


México, à profundidade de 2624 m)
Lava encordoada
Gasosos Sólidos Em fusão
Gases Piroclastos Lava

Podem ser classificados,


quanto às dimensões, em:

cinzas lapilli bombas


(< 2 mm) (2 mm – 5 cm) (> 5 cm)
Exercício de Aplicação
Tipos de vulcanismo Efusivo Explosivo
Características

Lava Viscosa x
Características Lava fluida x
físicas da lava
Formação de rios de lava x
Forma dos Cones acentuados e de flancos x
Cones inclinados
vulcânicos Cones baixos e de flancos suaves x

Emissão de piroclastos x
Produtos
libertados Formação de nuvens ardentes x

Explosões violentas x
Efusiva Explosiva

 Lava mais fluida  Lava mais viscosa


 Não há emissão de piroclastos  Explosões violentas
 Formação de rios de lava  Formação de nuvens ardentes
 Cones baixos e de flancos suaves  Cones elevados e de flancos
inclinados
géiseres

fumarolas
nascentes termais
I
géiseres

emissão intermitente
de jatos de água
quente, sob pressão,
através de fendas no
solo
Géiser Strokkur (Islândia)
fumarolas

Emissão de gases
de temperaturas
entre 100 e 800º C,
nomeadamente
vapor de água,
através de fendas
no solo
Sulfataras – gases emitidos são ricos
em enxofre

Fumarolas Mofetas – gases emitidos são ricos


em dióxido de carbono e monóxido
de carbono.
nascentes termais

Emissão de água
rica em sais
minerais,
frequentemente
com interesse
medicinal

Nascentes termais (S. Miguel, Açores)


Nascentes termais (S. Miguel, Açores)
Lamas quentes (S. Miguel, Açores)
Lamas quentes (Yellowstone, Estados Unidos)
Bordos divergentes (expansão) Distribuição das principais placas tectónicas em que
se encontra atualmente dividida a superfície da
Bordos convergentes (subdução)
Terra, assim como os movimentos entre elas.
Vulcões
I
Vulcões dos rifts Vulcões das zonas Vulcões dos
de subdução pontos quentes

I
Exemplos

Dorsal média-oceânica Linha de costa


Ilha a ser
formada por um
vulcão ativo

Ilha
vulcânica

Plataforma Magma
continental

Fossa oceânica
Oceano Atlântico

Surtsey
Islândia

América do
Norte
Europa

Açores
Portas da Cidade (Ponta
Delgada, S.Miguel)

Igreja Matriz de Santa


Cruz (Santa Cruz da
Graciosa)

Igreja Matriz (Terceira)


Exemplos

Placa oceânica Placa continental

Linha de costa

Fossa oceânica

O magma
ascende do
manto
formando
vucões
Erupção vulcânica (Etna)
Antes da erupção de 1980
Durante a erupção
de 1980
Após a erupção de 1980
Nuvem ardente (Sta. Helena, 1980)
Nuvem ardente
(Ngauruhoe, Nova
Zelândia)
Nuvem ardente (Tavurvur, Nova Guiné, 8 Agosto 1996)
Exemplos
At.p.
164/165
Ilhas com cones vulcânicos extintos

Vulcão ativo
formando uma nova
ilha sobre um ponto
quente
A placa
desloca-se
para Norte

Ponto quente
Proposta de soluções:

1 – No manto profundo, nas proximidades do


núcleo, pode iniciar-se a formação de plumas
térmicas – colunas de rocha sobreaquecida,
deformável – que ascendem para níveis
superiores do manto; aqui, pode ocorrer fusão
destes materiais com formação de magmas. A
libertação destes magmas origina pontos
quentes com atividade vulcânica (de tipo central
ou fissural).
2 – O vulcão V1 é o mais antigo e o V5 o mais
recente. Devido ao movimento da placa, os
vulcões são afastados do ponto quente,
extinguindo-se e formando uma cadeia linear de
vulcões.

3 – À medida que se vão afastando do ponto


quente, os vulcões mais velhos vão sendo
erodidos, acabando por submergir sob as águas
do oceano, passando pelo estado de atol e de
guyot.
Kilauea
movimento
Oceano pacífico da placa do
Pacífico

5 Ma

3 Ma
tempo
1,5 Ma

Actualidade
Kilauea (Hawai)
Lagos de lava

(Kilauea, Junho
1989)
Pormenor da lava, sólida
à superfície e ainda
fundida interiormente
(Kilauea)
Vulcões dos rifts Vulcões das zonas Vulcões dos
de subducção pontos quentes

I
Importância agrícola

Importância turística e medicinal

Importância energética

I
Importância agrícola

Campos agrícolas (Açores)


Importância turística
e medicinal

Islândia

Teide (Tenerife) Japão


Importância energética

Ver quadro p.
161

Central geotérmica (Açores)


MINIMIZAÇÃO DE RISCOS
VULCÂNICOS

PREVISÃO E PREVENÇÃO
Proposta de soluções: (Exercícios do
manual pág.171-173)

1.2 – Forma-se por acumulação de lava e


de piroclastos, na sequência de diversos
episódios eruptivos.

1.3 – A lava forma-se a partir de magma,


por perda de gases.
2 – As caldeiras correspondem a antigos
aparelhos vulcânicos do tipo central. O
esvaziamento, total ou parcial, da câmara
magmática torna o aparelho vulcânico
instável, por falta de apoio do cone,
induzindo assim o seu abatimento, e a
formação de caldeiras. A retenção de águas
3 – Distingue-se pelo tipo de manifestação:
erupção, no vulcanismo primário, e emissão
de gases/vapor de água, no vulcanismo
secundário.
5 – No vulcanismo secundário, o magma em
arrefecimento não tem condições
geotectónicas que permitam a sua libertação
para a superfície da geosfera, apenas os
materiais por ele originados (gases, água),
sob diversas formas (fumarolas, nascentes
termais, géiseres) atingem a superfície.
6 – O potencial geotérmico dos gases e
vapor de água libertados nas manifestações
secundárias de vulcanismo podem ser
rentabilizadas, por conversão, na produção
de energia elétrica, por exemplo.
A riqueza das águas termais em sais
minerais permite a sua utilização para fins
medicinais.
7.1.1 – O seu baixo teor em sílica e a sua
elevada temperatura indiciam um magma
muito fluido. A erupção será efusiva, com
formação de grandes escoadas de lava.

7.1.2 – A elevada percentagem em sílica e a


sua baixa temperatura indiciam um magma
muito viscoso. A erupção será explosiva,
possivelmente com libertação de nuvens
ardente e formação de agulhas ou domos.
7.2.1 – Vulcão de cone baixo e de vertentes
suaves – devido à sua fluidez, a lava afasta-
se da cratera.

7.2.2 – Vulcão de cone alto e de vertentes


ingremes – devido à sua viscosidade, a lava
acumula-se em torno da cratera.

7.3.1 – Vulcanismo de vale de rifte ou


intraplaca.

7.3.2 – Vulcanismo de subdução.


u
8.1 – Erupção do tipo explosivo.

8.2 – Cinzas e gases.

8.3 – Espessas camadas de cinzas podem


permanecer em suspensão na atmosfera
durante anos reduzindo a radiação solar
que penetra na atmosfera.
9.1 - Cinzas vulcânicas.

9.2 – A elevada viscosidade do magma


conferiu à explosão um forte caráter
explosivo, com capacidade de reduzir a
cinzas os piroclastos emitidos.
9.3 - A reconstituição da história eruptiva de um vulcão
activo permite estimar o seu comportamento futuro,
nomeadamente a duração dos seus períodos de
repouso. Esta reconstituição tem em conta diversos
aspetos:
- Estudo da génese e evolução do magma;
- Identificação das fases eruptivas e dos mecanismos eruptivos;
- Evolução morfológica e estrutural do aparelho vulcânico;
- Avaliação dos perigos vulcânicos e identificação dos riscos
associados.
Nota: A reconstituição da história eruptiva de um
vulcão pode ser complementada com dados técnicos
que tornam as previsões vulcânicas mais
sustentadas, tais como:
- Estabelecimento de redes sísmicas locais (visando a
deteção de sismos vulcânicos);
- Vigilância geoquímica dos campos fumarólicos;
- Controlo hidroquímico de poços, nascentes, furos,…