Você está na página 1de 1

A função do psicólogo na Estratégia de Saúde da Família

– para-além da saúde mental

Lucas Nápoli dos Santos


Psicólogo; Mestrando em Saúde Coletiva (UFRJ)

Introdução O psicólogo pode atuar, por exemplo, junto ao médico e ao enfermeiro no


Desde o início da implantação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família acompanhamento de pacientes que apresentam doenças orgânicas,
(NASF), o psicólogo vem sendo parte integrante da equipe multidisciplinar fornecendo uma escuta diferenciada que seja capaz de identificar e
que atua no Programa de Saúde da Família (PSF). Sua função principal tem analisar a interface entre o padecimento somático e as condições
sido a de atuar na promoção de saúde mental junto a pacientes que psicológicas do doente. Através desse acompanhamento, o psicólogo pode,
apresentam demandas de cuidado psicológico por meio de entrevistas, inclusive, instruir o próprio médico e enfermeiro para que eles mesmos
técnicas de dinâmica de grupo e sessões de psicoterapia, entre outras possam oferecer uma escuta semelhante. Nesse sentido, o trabalho do
atividades. psicólogo auxiliaria no ultrapassamento do reducionismo organicista
Na medida em que o PSF está no nível da atenção primária à saúde, o característico da formação da maior parte dos profissionais de saúde.
trabalho do psicólogo também é o de fazer um processo de triagem para os Outra possibilidade de atuação do psicólogo é a formação de grupos de
serviços mais especializados como os Centros de Atenção Psicossocial pacientes que apresentam doenças orgânicas crônicas como diabetes e
(CAPS) para os quais são encaminhados os casos mais graves que hipertensão. O encontro do doente com pessoas que sofrem de um mal
demandam assistência continuada e/ou atenção psiquiátrica. semelhante ao dele pode ajudá-lo no enfrentamento das dificuldades
Não obstante, ainda que o campo principal de trabalho do profissional da inerentes ao padecimento da doença e no compartilhamento de
Psicologia seja a saúde mental, o corpo de conhecimentos psicológico informações sobre auto-cuidado. O encontro em grupo também pode ser
possui aportes teóricos que podem ser úteis também no setor da saúde relevante ao constituir-se como um espaço de expressão de conteúdos
física. Todavia, para que o psicólogo faça uso desses conhecimentos e emocionais decorrentes da doença e que, de algum modo, podem
intervenha junto a pacientes com as chamadas “doenças orgânicas” é interferir na permanência ou agravamento do quadro patológico.
preciso que tanto ele quanto os demais profissionais do PSF atuem no São conhecidos os casos de pacientes que sempre retornam ao posto de
sentido de eliminar as fronteiras entre os campos da saúde física e da atendimento do PSF mesmo tendo sido atendidos anteriormente – são os
saúde mental. Obter-se-ia, então, a idéia de uma saúde psicossomática na chamados “poliqueixosos”. Muitas vezes a razão pela qual tais pacientes
qual corpo e psiquismo seriam pensados como duas dimensões imbricadas retornam reside justamente na utilidade da doença enquanto forma de
e interdependentes. Algumas atividades passíveis de serem exercidas pelo vinculação do sujeito à instituição que, em última instância, representa o
psicólogo no PSF junto a pacientes com doenças “físicas” possuem como Estado. Em outros casos, o retorno recorrente pode significar a insistência
fundamento essa relação de mútua dependência entre o somático e o na tentativa de ter seu sofrimento de fato escutado pelo profissional de
psíquico. saúde. Muitos médicos, por exemplo, restringem sua atuação à
administração de medicamentos sem sequer ouvir o que o paciente tem a
dizer sobre seus próprios sintomas. O psicólogo seria justamente o
Objetivo profissional que, a partir de sua leitura, poderia identificar esses
Caracterizar as possibilidades de atuação do psicólogo junto a pacientes determinantes subjetivos da situação e comunicá-los aos demais
que apresentam doenças “orgânicas”. profissionais da equipe multidisciplinar.

Método Conclusão
Utilizar-se-á reflexão teórico-conceitual com base em pesquisa Essas são apenas três das muitas atuações possíveis do psicólogo junto a
bibliográfica. pacientes com doenças orgânicas. Como é possível notar, o eixo das três
ações está na inclusão de uma leitura subjetiva do adoecimento, isto é, um
Resultados olhar que está para-além da lesão corporal. Mais do que isso, é um olhar
Como foi dito na introdução, para que o trabalho do psicólogo possa ser que enxerga o indivíduo com sua doença e não a doença no indivíduo.
exercido para-além das fronteiras da saúde mental, é preciso adotar uma Aparentemente, este trabalho pode parecer uma apologia ao trabalho do
concepção de ser humano distinta do modelo cartesiano que considera psicólogo no PSF. No entanto, sua intenção caminha na direção exatamente
corpo e mente como duas substâncias distintas. No campo da Filosofia, um oposta. A extensão do trabalho do psicólogo ao campo da saúde física
autor que ultrapassa essa dicotomia é Spinoza, filósofo do século XVII, para pode fazer com que a equipe de saúde não fique mais dependente do
o qual o somático e o psíquico são duas modalidades de apresentação de profissional ao incorporar na atuação das demais disciplinas a leitura
uma mesma substância (SPINOZA, 2009). Para Spinoza (2009), a mente é subjetiva.
uma idéia do corpo, o que significa dizer que tudo o que ocorre no corpo Outro argumento para que o trabalho do psicólogo seja expandido ao
terá necessariamente um correspondente na mente. A adoção de um campo da saúde física reside em um dos próprios fundamentos do PSF e
paradigma spinozano em contraposição ao cartesiano, poderia ser um bom do SUS: o princípio da integralidade no atendimento. Com efeito, o
referencial teórico para fundamentar as ações do psicólogo junto a descarte da leitura e escuta psicológicas do adoecimento somático sinaliza
pacientes com doenças orgânicas. a persistência de um discurso que privilegia a especialização, não
Na Psicologia, temos dois autores que servem de referência para pensar a enxergando na doença um fenômeno que afeta o indivíduo em sua
imbricação entre corpo e psiquismo: Groddeck e Winnicott. O primeiro, totalidade e não apenas no registro biológico.
médico e psicanalista contemporâneo de Freud, estabeleceu a idéia de que
toda doença (seja ela física ou psíquica) porta um sentido, isto é, serve a Referências
alguma finalidade (GRODDECK, 1917/1992). Isso não significa que GRODDECK, G. Condicionamento psíquico e tratamento de moléstias
Groddeck postula uma determinação psicológica das doenças. O que o orgânicas pela psicanálise. In: ______. Estudos Psicanalíticos sobre
autor quer assinalar é que toda enfermidade está intimamente conectada Psicossomática. São Paulo: Perspectiva, 1992, pp. 9-28. (Original publicado
á história subjetiva de quem a padece. Para Groddeck (1926/1992), corpo e em 1917)
psiquismo são só dois modos de falar a respeito de algo único que é a GRODDECK, G. Sobre o absurdo da psicogênese. In: ______. Estudos
totalidade individual. Já Winnicott (2000) pensará a articulação entre corpo Psicanalíticos sobre Psicossomática. São Paulo: Perspectiva, 1992, pp. 125-
e psiquismo ao definir a psique como a elaboração imaginativa de partes, 126. (Original publicado em 1926).
funções e sensações corporais, o que significa pensar a dimensão psíquica
como intimamente depende do corpo. SPINOZA, B. Ética. Trad.: Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
Tais autores, portanto, servem de fonte para se pensar o trabalho do WINNICOTT, D. W. Da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 2000.
psicólogo no campo da saúde física. As possibilidades de trabalho são
muitas e podem variar de acordo com as atividades já realizadas pelos
demais profissionais no PSF.