Você está na página 1de 81

EHP7 for SAP ERP

6.0
Abril 2014
Português

SAP Best Practices


Baseline Package
Definição do escopo

SAP AG
Dietmar-Hopp-Allee 16
69190 Walldorf
Alemanha
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Copyright
© 2014 SAP AG or an SAP affiliate company. All rights reserved.

No part of this publication may be reproduced or transmitted in any form or for any purpose without the express
permission of SAP AG. The information contained herein may be changed without prior notice.

Some software products marketed by SAP AG and its distributors contain proprietary software components of
other software vendors.

National product specifications may vary.

These materials are provided by SAP AG and its affiliated companies ("SAP Group") for informational purposes
only, without representation or warranty of any kind, and SAP Group shall not be liable for errors or omissions
with respect to the materials. The only warranties for SAP Group products and services are those that are set
forth in the express warranty statements accompanying such products and services, if any. Nothing herein should
be construed as constituting an additional warranty.

SAP and other SAP products and services mentioned herein as well as their respective logos are trademarks or
registered trademarks of SAP AG in Germany and other countries. Please see http://www.sap.com/corporate-
en/legal/copyright/index.epx#trademark for additional trademark information and notices.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Ícones

Ícone Significado
Cuidado

Exemplo

Nota

Recomendação

Sintaxe

External Process

Business Process Alternative/Decision Choice

Convenções tipográficas

Estilo de letra Descrição


Texto de exemplo Palavras ou caracteres que aparecem na tela. Estes incluem nomes de
campo, títulos de telas, botões e nomes de menus, caminhos e opções.
Referências a outra documentação.
Texto de exemplo Palavras ou frases em destaque no corpo do texto, títulos ou gráficos e
tabelas.
TEXTO DE EXEMPLO Nomes de elementos no sistema. Estes incluem nomes de relatórios,
nomes de programas, códigos de transações, nomes de tabelas e
palavras-chave individuais de uma linguagem de programação, quando
rodeadas por corpo de texto, por exemplo, SELECT e INCLUDE.
Texto de exemplo Saída na tela. Isto inclui nomes e caminhos de arquivos e diretórios,
mensagens, código fonte, nomes de variáveis e parâmetros, assim
como nomes de ferramentas de instalação, atualização e banco de
dados.
TEXTO DE EXEMPLO Teclas do teclado, por exemplo, teclas de função (como F2) ou a tecla
ENTER.

Texto de exemplo Entrada exata do usuário. Estas são palavras ou caracteres que você
entra no sistema exatamente como aparecem na documentação.
<Texto de exemplo> Entrada variável do usuário. Estes colchetes indicam que estas
palavras e caracteres devem ser substituídos pelas entradas
adequadas.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Índice

1 Objetivo.............................................................................................................................................. 9
2 Abrangência das funções – Processos empresariais ou cenários suportados..................................9
2.1 Contabilidade financeira externa.............................................................................................. 9
2.1.1 Razão.................................................................................................................................. 9
2.1.2 Contabilidade de clientes................................................................................................... 10
2.1.3 Contabilidade de fornecedores.......................................................................................... 12
2.1.4 Administração de caixa...................................................................................................... 13
2.1.5 Análise de custos de vendas............................................................................................. 14
2.1.6 Reporting do segmento...................................................................................................... 15
2.1.7 Partição online................................................................................................................... 15
2.2 Contabilidade do imobilizado................................................................................................. 16
2.2.1 Contabilidade do imobilizado............................................................................................. 16
2.2.2 Aquisição do imobilizado por meio de capitalização direta................................................17
2.2.3 Aquisição do imobilizado em Contrução............................................................................18
2.3 Planejamento......................................................................................................................... 19
2.3.1 Planejamento de receita.................................................................................................... 19
2.3.2 SOP por transferência de planejamento de longo prazo para LIS/PIS/Capacidade..........20
2.3.3 Planejamento de preços do material comprado.................................................................21
2.3.4 Planejamento geral de centros de custo............................................................................22
2.3.5 Planejar centro de custo de produção...............................................................................23
2.3.6 Planejamento de R&D de ordem interna (177)..................................................................24
2.3.7 Ordem interna para marketing e outros planejamentos de custos indiretos......................25
2.3.8 Cálculo de custos standard................................................................................................ 26
2.3.9 Plano trimestral – Previsão de quantidades de vendas com CO-PA.................................27
2.3.10 Cálculo de custos de referência e de simulação................................................................28
2.4 Encerramento do período e lançamentos reais.....................................................................28
2.4.1 Encerramento do período no centro geral.........................................................................28
2.4.2 Avaliação de estoque para encerramento do exercício.....................................................31
2.4.3 Controlling real dos custos indiretos..................................................................................32
2.4.4 R&D real de ordem interna................................................................................................ 32
2.4.5 Ordem interna para marketing e outros custos indiretos reais...........................................33
2.4.6 Contabilidade financeira de encerramento do período......................................................34
2.5 Vendas e distribuição............................................................................................................. 35
2.5.1 Fornecimento direto a terceiros com aviso de entrega......................................................35
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.5.2 Administração de créditos.................................................................................................. 36


2.5.3 Processamento de ordem do cliente: venda no depósito..................................................36
2.5.4 Fornecimento gratuito........................................................................................................ 37
2.5.5 Devoluções e reclamações................................................................................................ 37
2.5.6 Cotação............................................................................................................................. 37
2.5.7 Processamento da ordem do cliente potencial..................................................................37
2.5.8 Fornecimento direto a terceiros sem aviso de entrega......................................................37
2.5.9 Vendas de item comprado................................................................................................. 38
2.5.10 Processamento de nota de débito.....................................................................................38
2.5.11 Processamento de exportação e comércio exterior...........................................................38
2.5.12 Venda em Consignação..................................................................................................... 38
2.5.13 Processamento de embalagens retornáveis......................................................................39
2.5.14 Processamento da ordem do cliente interempresarial*......................................................39
2.5.15 Processamento da ordem do cliente com adiantamento...................................................39
2.5.16 Preparativos para o encerramento SD...............................................................................40
2.5.17 Processamento de notas de crédito..................................................................................40
2.5.18 Processamento do bônus: bonificação em mercadoria.....................................................40
2.5.19 Processamento da ordem do cliente com faturamento coletivo.........................................41
2.6 Administração de materiais.................................................................................................... 41
2.6.1 Warehouse Management enxuto.......................................................................................41
2.6.2 Cotação de suprimento...................................................................................................... 41
2.6.3 Compra de bens de consumo............................................................................................ 41
2.6.4 Suprimento sem QM.......................................................................................................... 42
2.6.5 Administração de estoque: processamento posterior, refugo, bloqueio, desvalorização
43
2.6.6 Contrato de suprimento..................................................................................................... 43
2.6.7 Transferência de estoque com entrega.............................................................................43
2.6.8 Transferência de estoque sem entrega.............................................................................44
2.6.9 Devolução ao fornecedor................................................................................................... 44
2.6.10 Inventário físico/Contagem do inventário físico e ajuste....................................................44
2.6.11 Subcontratação.................................................................................................................. 44
2.6.12 Suprimento e consumo de estoque em consignação........................................................45
2.6.13 Processamento de Comércio Exterior Importação............................................................46
2.7 Planejamento e controle de produção....................................................................................46
2.7.1 Planejamento logístico....................................................................................................... 46
2.7.2 Produção para estoque – Manufatura discreta..................................................................46
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.7.3 Produção para estoque – Indústria de processo...............................................................47


2.7.4 Produção sob encomenda com configuração de variante.................................................48
2.7.5 Produção sob encomenda sem configuração de variantes...............................................49
2.7.6 Produção repetitiva............................................................................................................ 49
2.7.7 Subcontratação PP (Processamento externo)...................................................................49
2.7.8 Processamento posterior (Material manufaturado do estoque).........................................50
2.7.9 Processamento posterior (Material em processo).............................................................51
2.8 Logística geral/QM/PLM......................................................................................................... 51
2.8.1 Administração de lotes....................................................................................................... 51
2.8.2 Retirada do lote................................................................................................................. 51
2.8.3 Administração de qualidade para suprimento com avaliação de fornecedores.................51
2.8.4 Desenvolvimento de produtos internos (com PS)..............................................................52
2.9 Serviço................................................................................................................................... 53
2.9.1 Ordens de serviço para encerramento do período............................................................53
2.9.2 Administração de viagens.................................................................................................. 53
2.9.3 Manutenção interna........................................................................................................... 53
2.9.4 Consultoria de transação de divisas à vista com faturamento a preço fixo (194)..............53
2.9.5 Ordem de venda com preço fixo e faturamento baseado em T&M....................................54
2.9.6 Projeto com preço fixo e faturamento T&M........................................................................54
2.9.7 Projeto interno................................................................................................................... 54
2.9.8 Serviço com faturamento baseado em Tempo e Material..................................................54
2.9.9 Contrato de serviços com faturamento periódico...............................................................55
2.9.10 Serviço com faturamento a preço fixo................................................................................55
2.9.11 Encerramento do período dos projetos..............................................................................56
2.9.12 Suprimento externo de terceiros........................................................................................ 56
2.9.13 Serviços de suprimento externo........................................................................................ 56
2.9.14 HCM / Registro de horas................................................................................................... 56
2.9.15 Serviços planejados........................................................................................................... 57
2.9.16 Reparo no terminal............................................................................................................ 57
2.10 Localização Brasil.................................................................................................................. 57
2.11 Descrições e relatórios de geração de dados mestre............................................................58
2.11.1 Descrições de geração de dados mestre...........................................................................58
2.11.2 Sistema de relatórios do SAP ERP....................................................................................60
3 Abrangência das funções – Funções............................................................................................... 64
3.1 Financials............................................................................................................................... 64
3.1.1 Contabilidade financeira.................................................................................................... 64
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.1.1.1 Razão............................................................................................................................ 65
3.1.1.2 Contabilidade de clientes.............................................................................................. 65
3.1.1.3 Contabilidade de fornecedores......................................................................................65
3.1.1.4 Contabilidade de imobilizados.......................................................................................65
3.1.1.5 Contabilidade de estoques............................................................................................ 65
3.1.1.6 Contabilidade tributária.................................................................................................. 66
3.1.1.7 Balanços financeiros..................................................................................................... 66
3.1.2 Contabilidade interna......................................................................................................... 66
3.1.2.1 Contabilidade de ordens internas e centro de custo......................................................66
3.1.2.2 Contabilidade de projetos.............................................................................................. 66
3.1.2.3 Cálculo de custos de produtos......................................................................................66
3.1.2.4 Controlling de vendas e resultados...............................................................................67
3.1.2.5 Determinação do preço interno.....................................................................................67
3.2 Funções analíticas................................................................................................................. 67
3.2.1 Funções analíticas operacionais........................................................................................ 67
3.2.1.1 Planejamento de vendas............................................................................................... 68
3.2.1.2 Funções analíticas de suprimento.................................................................................68
3.2.1.3 Funções analíticas de administração de estoque e depósito........................................68
3.2.1.4 Funções analíticas de produção....................................................................................68
3.2.1.5 Funções analíticas de vendas.......................................................................................68
3.2.1.6 Funções analíticas de atendimento ao cliente...............................................................68
3.2.2 Fornecimento de serviços ao usuário final: funções da SAP.............................................68
3.3 Human Capital Management................................................................................................. 69
3.3.1 Administração de empregado............................................................................................ 69
3.3.2 Horas e presença.............................................................................................................. 69
3.4 Execução de suprimento e logística......................................................................................69
3.4.1 Suprimento........................................................................................................................ 69
3.4.1.1 Requisições................................................................................................................... 69
3.4.1.2 Processamento de requisição de compras....................................................................70
3.4.1.3 Processamento do pedido............................................................................................. 70
3.4.1.4 Entrada de mercadorias................................................................................................ 70
3.4.2 Administração de estoques e depósitos............................................................................71
3.4.2.1 Armazenamento............................................................................................................ 71
3.4.2.2 Inventário físico............................................................................................................. 72
3.4.3 Logística de entrada e de saída......................................................................................... 72
3.4.3.1 Processamento de entrada........................................................................................... 72
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.4.3.2 Processamento de saída............................................................................................... 73


3.5 Processo de produção........................................................................................................... 73
3.5.1 Planejamento da produção................................................................................................ 73
3.5.2 Execução da produção...................................................................................................... 73
3.5.2.1 Administração de documentos......................................................................................75
3.6 Vendas e serviços.................................................................................................................. 75
3.6.1 Gerenciamento da ordem do cliente..................................................................................75
3.6.1.1 Processamento de contas............................................................................................. 75
3.6.1.2 Processamento de cotações......................................................................................... 75
3.6.1.3 Processamento da ordem do cliente.............................................................................76
3.6.1.4 Processamento do contrato........................................................................................... 76
3.6.1.5 Faturamento.................................................................................................................. 76
3.6.1.6 Administrar embalagens retornáveis.............................................................................77
3.6.1.7 Consignação.................................................................................................................. 77
3.6.1.8 Gestão de contratos de serviço.....................................................................................77
3.6.1.9 Atendimento e suporte ao cliente..................................................................................77
3.6.1.10 Gerenciamento de reclamações e garantia...................................................................77
3.6.2 Fornecimento de serviços profissionais.............................................................................78
3.6.2.1 Processamento de cotações......................................................................................... 78
3.6.2.2 Processamento da ordem do cliente.............................................................................78
3.6.2.3 Execução do projeto...................................................................................................... 78
3.6.2.4 Horas e presença.......................................................................................................... 78
3.6.2.5 Administração de horas e presença do empregado......................................................78
3.6.2.6 Contabilidade de projetos.............................................................................................. 79
3.6.2.7 Faturamento por recursos utilizados.............................................................................79
3.6.2.8 Faturamento.................................................................................................................. 79
3.7 Corporate Services................................................................................................................ 79
3.7.1 Contabilidade de projetos.................................................................................................. 80
3.7.2 Administração de viagens.................................................................................................. 80
3.7.3 Administração de qualidade............................................................................................... 80
3.7.3.1 Engenharia de qualidade............................................................................................... 80
3.7.3.2 Garantia/Controle de qualidade.....................................................................................81
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

1 Objetivo
Esta definição de escopo fornece uma síntese dos processos e funções abrangidos pelo SAP Best
Practices Baseline Package para o Brasil. Ela descreve as funções e explica seus objetivos
empresariais.
Na seção Abrangências das funções – Processos empresariais ou cenários suportados, você
encontrará uma visão de funções baseada no cenário. Na seção Abrangência das funções –
Funções, você encontrará uma visão elaborada de acordo com os grupos de funções e baseada no
SAP Solution Map relevante.

A definição do escopo não fornece explicações técnicas sobre a utilização das funções.
Para mais informações sobre este tópico, consulte os documentos de Procedimento do
processo empresarial.

2 Abrangência das funções – Processos


empresariais ou cenários suportados
2.1 Contabilidade financeira externa
2.1.1 Razão
Objetivo
A principal tarefa da contabilidade do Razão é fornecer uma visão abrangente da contabilidade e das
contas externas. Registrar todas as transações comerciais (lançamentos primários, bem como
liquidações da contabilidade interna) em um sistema de software que esteja completamente
integrado a todas as outras áreas operacionais de uma empresa assegura que os dados contábeis
estejam sempre completos e exatos.
A Contabilidade Financeira SAP FI tem as seguintes características:

 Escolha livre de nível: empresa ou grupo de empresas

 O lançamento automático e o registro simultâneo de todos os itens do livro auxiliar nas


contas apropriadas da Contabilidade Financeira (contas de conciliação)

 Atualização simultânea da Contabilidade Financeira e áreas de contabilidade de custo

 Avaliação em tempo real do sistema de relatórios nos dados contábeis atuais, em forma de
exibições de contas, balanços financeiros com estruturas do balanço/DRE diferentes e outras
análises.

Resumindo, a Contabilidade Financeira atua como um registro completo de todas as transações


comerciais. É a referência centralizada e atualizada para a prestação de contas. As transações
individuais reais podem ser verificadas a qualquer momento no processamento em tempo real por
intermédio da exibição de documentos originais, partidas individuais e movimentação no período em
vários níveis, como:
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Informações da conta

 Diários

 Totais/movimentação no período

 Balanço/avaliações de lucros e perdas

Fluxo do processo
 Lançar documentos da conta do Razão
 Exibir o diário de documentos
 Exibir balanços do Razão (Lista)
 Executar lançamentos periódicos
 Atualização da conta: compensação automática e manual

Pontos-chave
 Fornece um quadro abrangente de contabilidade financeira e contas externas.
 Registra todas as transações comerciais em um sistema de software totalmente integrado
 Garante que os dados contábeis estejam sempre completos e precisos
 O lançamento automático e o registro simultâneo de todos os itens do livro auxiliar nas
contas apropriadas do Razão (contas de conciliação)
 Atualização simultânea do Razão e áreas de contabilidade de custo
 Avaliação em tempo real e relatórios sobre dados contábeis atuais
 Balanços financeiros com diferentes versões e outras análises
 As transações individuais reais podem ser verificadas em qualquer momento no
processamento em tempo real

2.1.2 Contabilidade de clientes


Objetivo
Este componente aborda o lançamento de dados contábeis para clientes na contabilidade de
clientes. Como resultado, os dados são classificados por cliente e disponibilizados para outras áreas,
como o sistema de vendas e distribuição. Quando você lança dados na contabilidade de clientes, o
sistema cria um documento e passa os dados entrados para o Razão. As contas do Razão (lucros e
perdas) e as contas de cliente são, então, atualizadas de acordo com a transação correspondente (a
receber, adiantamento, nota de crédito e assim por diante) nas atividades de pagamento do cliente.
Todas as transações comerciais são lançadas e gerenciadas por meio de contas e, por isso, são
criados registros mestre de cliente. Clientes ocasionais são usados para evitar a formação de
grandes volumes de dados mestre.
O Processo empresarial Contabilidade de clientes enfoca as seguintes atividades:
 Lançar solicitação de adiantamento
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Lançar adiantamento manualmente


 Lançar fatura do cliente
 Lançar nota de crédito com referência à fatura
 Lançar pagamentos usando o programa de pagamento
 Lançar pagamentos manuais
 Compensação automática de partidas em aberto nas contas do cliente
 Compensação manual de partidas em aberto nas contas do cliente
 Processar extrato manual da conta
 Reprocessar um extrato da conta
 Sistema de advertência
 Cálculo de juros sobre o saldo
 Lançamentos em conta ocasional
 Definir um limite de crédito
 Sistema de relatórios de controle de crédito

Processos empresariais gerais: neste documento, você pode encontrar algumas transações que
cobrem os processos empresariais gerais:
 Exibir um documento contábil
 Exibir e modificar partidas individuais
 Exibir saldos
 Estornar um documento
 Estornar um documento – Estorno individual
 Estornar um documento – Estorno em massa

Fluxo do processo
 Lançar solicitação de adiantamento manualmente
 Lançar fatura de cliente
 Lançar nota de crédito com referência à fatura
 Lançar pagamento utilizando o programa de pagamento
 Lançar pagamento manual
 Compensação automática de partidas em aberto em contas do cliente
 Compensação manual de partidas em aberto em contas do cliente
 Processar extrato manual de conta
 Reprocessar um extrato da conta
 Sistema de advertência
 Cálculo de juros sobre o saldo
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Lançamentos em conta ocasional


 Configurar relatório de limite e controle de crédito

Pontos-chave
 Ao lançar dados na contabilidade de clientes, o sistema cria um documento e passa os dados
para o Razão
 Contas de resultado, perda e contas do cliente são atualizadas de acordo com as atividades de
pagamento do cliente relacionadas à transação
 Todas as transações comerciais são lançadas nas contas
 Todas as transações comerciais são gerenciadas por meio das contas e para isso são criados
registros mestre para o cliente.
 Clientes ocasionais são usados para evitar a formação de grandes volumes de dados mestre.

2.1.3 Contabilidade de fornecedores


Objetivo
Este cenário aborda o lançamento de dados contábeis para fornecedores na contabilidade de
fornecedores. Como resultado, os dados são classificados por fornecedor e disponibilizados para
outras áreas, como o sistema de compras. Quando você lança dados na contabilidade de
fornecedores, o sistema cria um documento e passa os dados entrados para o Razão. As contas do
Razão e as contas de fornecedor são atualizadas de acordo com a transação correspondente
(pagável, adiantamento, nota de crédito e assim por diante) nas atividades de pagamento do
fornecedor. Todas as transações comerciais são lançadas e gerenciadas por meio de contas. Por
esse motivo, são criados registros mestre de fornecedor. One time vendors are used to avoid
building up of huge master data volume.
O processo empresarial Contabilidade de fornecedores enfoca as seguintes atividades:
 Solicitação de adiantamento/compensação
 Lançar adiantamentos usando o programa de pagamento
 Lançar fatura de fornecedor
 Down payment clearing
 Entrar nota de crédito do fornecedor
 Revisar e liberar faturas bloqueadas
 Selecionar faturas para pagamento
 Revisar e bloquear faturas para pagamento, conforme necessário
 Lançar pagamento usando o programa de pagamento
 Criação de meios de pagamento com o Payment Media Workbench (Alternativa 1)
 Criação de meios de pagamento com o programa Classical Payment Medium
(Alternativa 2)
 Pagamento manual
 Processar extrato manual de conta
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Exibição de documentos lançados

Fluxo do processo
 Lançar documentos de contabilidade de fornecedores
 Compensação manual e automática de itens em aberto
 Lançar adiantamentos usando o programa de pagamento
 Lançar saídas de pagamento manual e automático.

Pontos-chave
 Ao lançar dados na contabilidade de clientes, o sistema cria um documento e passa os dados
para o Razão
 Contas de resultado, perda e contas do cliente são atualizadas de acordo com as atividades de
pagamento do cliente relacionadas à transação
 Todas as transações comerciais são lançadas nas contas
 Todas as transações comerciais são gerenciadas por meio das contas e para isso são
criados registros mestre para o cliente.
 Clientes ocasionais são usados para evitar a formação de grandes volumes de dados
mestre.

2.1.4 Administração de caixa


Objetivo
A Administração de caixa no SAP ERP Financials fornece três funções básicas:
 Transfere com rapidez e segurança todas as informações relevantes ao caixa de fontes
internas e externas para o sistema de administração de caixa (dados de entrada)
 Analisa e gera sistemas de relatórios de fluxos de caixa atuais e futuros para ajudá-lo a
tomar decisões da previsão de tesouraria (análise e decisão)
 Comunica-se com bancos e outros parceiros de negócios com base nos resultados do
processo de decisão (dados de saída)
A síntese da posição do caixa fornece informações sobre o balanço financeiro atual das contas
bancárias. É o ponto de partida para a concentração de caixa, onde os saldos de várias contas
bancárias estão concentrados em uma conta de destino, considerando os saldos mínimos e a
otimização de pagamento via bancária.

Fluxo do processo
 Análise de status de administração de caixa
 Concentração de caixa

Pontos-chave
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Lançamento de uma fatura de fornecedor em moeda interna e estrangeira


 Lançamento de uma fatura de cliente em moeda interna (a partir de uma ordem do cliente)
 Lançamento de itens de planejamento e registros individuais
 Execução do relatório mostrando a posição do caixa e a previsão de liquidez.
 Após lançar um extrato manual da conta, o fluxo entre os níveis de tesouraria será mostrado.
 Arquivamento automático de registros individuais
 A função de concentração de caixa identifica os valores relevantes e os transfere de uma
conta para outra.
 Atividades de encerramento do período
o Posição do caixa e previsão de liquidez

2.1.5 Análise de custos de vendas


Objetivo
A análise de custo de vendas compara as receitas de vendas de um período contábil com os custos
de produção da atividade. As despesas são alocadas para as áreas funcionais comerciais (produção,
vendas e distribuição, administração, etc.). As despesas e as receitas que não podem ser atribuídas
às áreas funcionais são registradas em outros itens de lucro e perdas, classificados de acordo com o
tipo de despesa e receita.
Esse tipo de agrupamento ajuda a análise de custos de vendas a identificar a origem dos custos de
uma empresa. Portanto, representa o propósito comercial das despesas.

Fluxo do processo
 Área funcional no plano de contas
 Área funcional na chave de lançamento
 Tipos de centro de custo
 Sistema de relatórios de partida individual (reatribuição do objeto de custo)
 Balanços e demonstrações de resultados
 Análise de custos de vendas – Demonstrações de resultados

Pontos-chave
 Compara a receita de vendas de um período contábil aos custos de produção da atividade
 A análise de custo de vendas identifica a origem dos custos em uma empresa
 A análise de custo de vendas representa o objetivo comercial da despesa
 As despesas são alocadas para as áreas funcionais comerciais (produção, vendas e
distribuição, administração, etc.).
 Despesas/receitas que não podem ser atribuídas a áreas funcionais são informadas em
outros itens de lucro e perda
 Atividades de encerramento do período
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

o Relançamento de área funcional não atribuída

2.1.6 Reporting do segmento


Objetivo
O objetivo do reporting do segmento é tornar transparente a situação de lucro e risco de áreas
empresariais individuais (segmentos).

Fluxo do processo
 Lançar documentos de conta do Razão com segmentos diferentes
 Alocação de segmento não sujeito a alocação no fim do período
 Balanços e demonstrações de resultados
 Análise de custos de vendas – Demonstrações de resultados
 Contas a receber e a pagar por segmento

Pontos-chave
 De acordo com o IAS/IFRS, o reporting do segmento é necessário para área empresariais
relacionadas ao produto.
 Tornar a situação de lucro e risco de áreas empresariais individuais transparentes.

2.1.7 Partição online


Objetivo
A partição de documentos possibilita uma exibição complexa dos documentos. Garante que você
possa formular balanços financeiros completos para as dimensões selecionadas em qualquer
momento.
Usando o procedimento de partição de documento, você também pode criar uma exibição (parcial)
segmentada de um balanço, de acordo com um diretriz (por exemplo, IAS), ou de acordo com áreas
de responsabilidade.
O campo Segmento é um campo standard na tabela de totais da Contabilidade geral nova
(FAGLFLEXT). As novas funções do relatório de lista expandida FI permitem a criação de balanços
financeiros de segmento. A partição de documentos é relevante apenas para o Razão e não precisa
estar visível nos livros auxiliares.

Fluxo do processo
As funções a seguir são fornecidas para suportar este building block:

 Partição passiva: durante a compensação (durante um pagamento, por exemplo),as


atribuições de conta dos itens a serem compensados são herdadas nas partidas individuais
de compensação (como partidas individuais a pagar).
 Partição ativa (baseada em regra): o sistema particiona documentos com base nas regras de
partição de documentos (fornecida ou personalizada). As regras de partição de documentos
podem ser configuradas.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Linhas de compensação ou formação de saldo igual a zero: o sistema cria linhas de


compensação automaticamente para obter uma partição. Você pode controlar esse processo
com o "indicador de saldo igual a zero".

Pontos-chave
 Extensibilidade e flexibilidade – para adicionar novos campos, você pode criar relatórios de
gerenciamento, balanços suplementares e demonstrações de resultado e perda para fins
específicos da empresa ou do setor.
 Qualidade de dados aprimorada – os resultados da partição do documento estão visíveis no
próprio documento. Isso elimina a necessidade de etapas de verificação adicionais em listas
alternativas e aprimora a qualidade dos dados.
 Encerramento acelerado – a eliminação de outros programas de repartição periódica acelera
significativamente os preparativos do encerramento.

2.2 Contabilidade do imobilizado

2.2.1 Contabilidade do imobilizado


Objetivo
As funções da Contabilidade do Imobilizado permitem ilustrar e documentar o desenvolvimento do
imobilizado para fins contábeis.
A contabilidade do imobilizado é um livro auxiliar do Razão e é utilizado para administrar e
documentar detalhadamente os movimentos do imobilizado. Na contabilidade geral, é possível
atualizar a depreciação e modificações nos valores do imobilizado na contabilidade do imobilizado.
Além disso, é possível efetuar diversas classificações contábeis para a contabilidade de custos para
essas operações.
Como resultado da integração no SAP ERP, a contabilidade do imobilizado (FI-AA) transfere dados
diretamente para e de outros componentes do SAP ECC, por exemplo, lançamentos do componente
Administração de materiais (MM) diretamente no FI-AA. Ao comprar um ativo ou produzir um ativo
próprio, você pode lançar diretamente a entrada de faturas ou a entrada de mercadorias, ou a
retirada do depósito para imobilizado, no componente Contabilidade do imobilizado. Ao mesmo
tempo, você pode transferir a depreciação e os juros diretamente para os componentes
Contabilidade financeira (FI) e Contabilidade de custos (CO). A partir do componente Manutenção
(PM), atividades de manutenção que necessitam de incorporação ao imobilizado estarão disponíveis.
Para lidar com bens materiais, estão acessíveis as funções empresariais dos seguintes componentes
de sistema:
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Componente Funções
Contabilidade Financeira (FI) Integração com o Razão e outros livros auxiliares
Contabilidade do Imobilizado Avaliação dos imobilizados e liquidação de imobilizados em
(FI-AA) andamento
Contabilidade de Custos (CO) Lançamento de depreciação calculada

Fluxo do processo
 Aquisição com fornecedor
 Aquisição com lançamento de contrapartida automático
 Baixa com receita
 Baixa com receita sem clienteIncorporação posterior
 Reavaliação de ativos
 Liquidar imobilizados em andamento
 Solicitação de adiantamento para imobilizados em andamento
 Execução de lançamento de depreciação
 Lançar valores de custos de aquisição e de produção
 Previsão da depreciação/planejamento de custos primários

Pontos-chave
 Toda a duração do ativo, desde o pedido ou a aquisição inicial (possivelmente administrado
como um imobilizado em andamento) até a baixa.
 Avaliar para depreciação e juros
 Previsão da depreciação

2.2.2 Aquisição do imobilizado por meio de capitalização direta


Objetivo
Para adquirir um investimento de imobilizado que não tenha uma fase de imobilizado em andamento
(IeA), é necessário capitalizar o imobilizado diretamente na contabilidade do imobilizado. Sendo
necessário um novo imobilizado, ele é solicitado e aprovado pelo responsável pelo centro de custo,
comprado pelo departamento de compras; os custos associados ao pedido são capitalizados por
ocasião do processamento da fatura do fornecedor.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Fluxo do processo
 Criar cotação para item de produção para estoque
 Converter cotação em pedido
 Recolher e enviar itens
 Faturar ao cliente
 Receber pagamento

Pontos-chave
 A compra de um investimento de ativo que não possui uma fase de imobilizado em
andamento pela incorporação direta do ativo
 A necessidade de um novo ativo é solicitada e aprovada pelo responsável pelo centro de
custo
 O ativo comprado pelo departamento de compras
 Os custos associados ao pedido são incorporados quando a fatura do fornecedor é
processada
 Atividades de encerramento do período
o Fatura da ordem (Imobilizados em andamento)
o Previsão/Execução da depreciação
o Lançar valores de custos de aquisição e de custo do produto
o Abrir e encerrar período do FI-AA
o Recalcular valores
o Mudança de exercício
o Reconciliação de contas
o Contabilidade do imobilizado do encerramento do exercício.

2.2.3 Aquisição do imobilizado em Contrução


Objetivo
Os imobilizados contrução (IeA) são uma forma especial de bens materiais. Eles são exibidos,
normalmente, como um item de balanço separado e, por isso, necessitam da determinação de conta
e das próprias classes do imobilizado. Durante a fase de construção de um imobilizado, todos os
lançamentos reais são atribuídos ao IeA. Após a conclusão do imobilizado, é feita uma transferência
para o imobilizado final.
A recomendação do uso de ordens de investimento para capturar os custos dos ativos do IeA durante
o processamento no fim do período e do mês irá “liquidar” os custos da ordem de investimento do
IeA. Isso é feito para que as informações de orçamento possam ser entradas para o IeA e seja
executado o rastreamento de real para orçamento. Após a conclusão do IeA, o imobilizado final é
criado na classe do imobilizado apropriada e a ordem de investimento é definida como “concluída”
para que a próxima liquidação transfira o valor do imobilizado IeA para o imobilizado concluído.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Fluxo do processo
 Criar ordem de investimento com ativo em andamento
 Criar orçamento para um ativo
 Liberar ordem de investimento
 Lançar fatura para ordem de investimento
 Monitorar ordem
 Liquidação de ativo em andamento
 Ordem concluída

Pontos-chave
 Visão transparente de um ativo para aquisição
 Processamento automatizado eficiente

2.3 Planejamento
2.3.1 Planejamento de receita
Objetivo
Um fabricante de vários grupos de produtos utiliza um sistema da SAP em uma organização de
vendas. A organização tem um departamento de Controlling central que calcula e planeja as receitas
e as quantidades de vendas.

Fluxo do processo
 Planejamento de receita com base em dados históricos
 Cálculo de custos
 Transferência SOP

Pontos-chave
 Integração entre Vendas, Financials, Controlling e Produção
 Uso de funcionalidade automatizada para planejamento
 Os dados podem ser planejados em planilha eletrônica
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.3.2 SOP por transferência de planejamento de longo prazo


para LIS/PIS/Capacidade
Objetivo
As empresas normalmente têm um exercício de planejamento anual conhecido como Planejamento
operacional anual (AOP). Nesse planejamento, todos os aspectos da empresa são planejados,
nomeadamente: receita, produção, suprimento de materiais direto e indireto, capacidade e custos
indiretos/do produto.
O planejamento AOP também é, algumas vezes, chamado de orçamento anual. O plano é preparado
para o exercício seguinte e a coleta de dados para o plano/orçamento é normalmente iniciado no
último trimestre do exercício corrente.
O exercício de AOP normalmente começa com a previsão das quantidades de vendas e receita para
o próximo exercício fiscal.
Os gerentes de vendas revisam e ajustam as quantidades de vendas com base em suas informações
e julgamento. Os planos das quantidades de vendas revisadas são carregados no CO-PA. As
quantidades de vendas são novamente revisadas, ajustadas manualmente se necessário e, em
seguida, avaliadas. Isso resulta em receita e custo de vendas avaliados para as quantidades de
vendas planejadas.
A descrição do processo empresarial atual lida com as etapas do processo começando nesse ponto
do processo de AOP.
As quantidades de vendas aceitas são, em seguida, transferidas para Planejamento de vendas e
operações (SOP). No SOP, o planejamento global de capacidade das quantidades de vendas do
orçamento ocorre para verificar se as mercadorias a serem vendidas podem passar pelos recursos-
gargalo da empresa, necessários para produzir essas mercadorias.
Depois de o plano de produção ter sido provado viável pelo SOP, ele será transferido para um
cenário de planejamento no módulo Planejamento a longo prazo (PLP) criando necessidade
independente prevista (NIP), o que reflete o plano de produção gerado pelo SOP.
Com base nesses NIPs, o planejamento dos requisitos de materiais (MRP) é executado em um modo
simulado para criar e revisar requisitos planejados para todos os materiais (componentes, matérias-
primas) e todos os recursos necessários para executar o plano de produção criado no SOP. A
simulação do MRP também permite revisar as capacidades dos centros. A nivelação de capacidade
pode, então, ser realizada para reduzir gargalos de capacidades.
Depois de ter executado o MRP conforme descrito acima, os pré-requisitos são fornecidos para
executar um dos principais objetivos da parte logística do AOP: calcular a utilização total dos tipos de
atividades atribuídos aos centros de trabalho de produção alocados pelo plano de produção. A
utilização é baseada no consumo dos tipos de atividades definidos nos roteiros dos produtos (semi-
acabados e acabados) gerados do plano de produção.
A utilização agregada dos tipos de atividades do centro de trabalho é a base para o processo de
elaboração do orçamento dos centros de custo da produção.

Fluxo do processo
 Criar plano de vendas e transferência do planejamento de vendas e operações (SOP)
 Comparação aproximada de quantidades de vendas planejadas e recursos de produção no
SOP
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Criar cenário de planejamento em “Planejamento a longo prazo” para simular planejamento


de produção para as quantidades de vendas planejadas
 Fundamentado em dados de produção simulada e dados operacionais (listas técnicas,
roteiros), capacidade de centros de trabalho e necessidades de material são calculadas
 Usar necessidades de material para AOP – planejamento de preço de material de compra
 Usar capacidade de centro de trabalho no AOP – planejamento de centro de custo geral

Pontos-chave
 Previsão de quantidade de vendas e receita
 Os gerentes de venda revisam e ajustam as quantidades de vendas
 Os planos de quantidade de vendas são carregados no CO-PA e transferidos para o
Planejamento de vendas e operações
 Comparação aproximada de quantidades de vendas planejadas e recursos de produção no
SOP
 Criar necessidades independentes previstas
 Com base em NIPs, o Planejamento da necessidade de material é simulado para criar e
verificar necessidades planejadas para materiais e recursos.
 Cálculo da utilização total dos tipos de atividade atribuídos aos centros de trabalho de
produção necessários para produzir as quantidades de vendas planejadas

2.3.3 Planejamento de preços do material comprado


Objetivo
Os custos standard para materiais comprados precisam ser revistos e atualizados periodicamente, se
necessário, para corresponder às condições de mercado atuais e aos preços negociados.
Este processo começa com a transferência das quantidades de materiais exigidos para planejamento
de longo prazo e com o download dos preços de compra atualizados. Os requisitos de materiais
avaliados com preços de compra atualizados são revistos pelos compradores e comparados aos
padrões atuais.
Os compradores atualizam a planilha eletrônica com os preços que consideram como novos preços
standard. Os preços atualizados são carregados como novos preços planejados. Esses preços
planejados são usados pela execução de cálculo de produtos para avaliar os produtos semi-
acabados e acabados para atender o custo standard de mercadorias vendidas para os produtos
finais.

Fluxo do processo
 Transferir o cenário de planejamento de longo prazo para o sistema de informações de
compra.
 Fazer o download de materiais comprados para atualização de preços de compra para fins
de orçamento
 Rever dados e negociar com fornecedores
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Modificar preço 1 de material planejado (mestre de materiais)

Pontos-chave
 Transferência das quantidades de material necessárias do planejamento a longo prazo
 Download dos preços de compras mais atuais
 Necessidades de material avaliadas com os preços de compras mais atuais
 Preços planejados usados pela execução de cálculo de custos do produto para avaliar as
mercadorias produzidas com custo standard
 Custos standard são usados como os novos preços planejados

2.3.4 Planejamento geral de centros de custo

Objetivo
Durante o processo de elaboração de orçamento anual, os gerentes de centros de custo não-
operacionais, como vendas, marketing, administrativo, pesquisa e desenvolvimento, etc. planejam os
custos de diversos tipos/classes de custo para seus respectivos centros de custo. Normalmente, o
desenvolvimento desses planos têm como ponto de partida os dados reais do exercício
corrente/anterior.
Nesse processo, as despesas reais do exercício anterior destes centros de custo são copiadas em
uma versão de orçamento do planejamento operacional anual (AOP) na contabilidade do centro de
custos. Como alternativa, os dados do orçamento do exercício anterior também podem ser usados
como ponto de partida para o exercício. O download dos dados desta versão é feito nas planilhas
eletrônicas de acordo com a classe e centro de custos. Os respectivos gerentes dos centros de custo
revisam e atualizam os valores do orçamento de acordo com suas necessidades e planos. Em
seguida, esses planos são carregados novamente no sistema da SAP. Os planos no sistema da SAP
são revisados e finalizados.
A depreciação planejada dos imobilizados é transferida separadamente para a versão do plano do
centro de custo. O sistema calcula a depreciação planejada dos ativos por centro de custo com base
nos montantes dos ativos lançados nos centros de custo. Se os centros de custo tiverem
equipamento, a depreciação será planejada com base no centro de custo e no tipo de atividade.

Fluxo do processo
 Copiar quantidades confirmadas ou orçamento do exercício anterior como base para o
planejamento
 Transferir depreciação planejada de ativos
 Efetuar download de classes de custo para planilha eletrônica para orçamento de
rendimento/despesas
 Atualizar valores de orçamento de rendimento e despesas excluindo operações
 Efetuar upload de classes de custo de rendimento e despesas excluindo operações
 Planejar custos calculados, índices estatísticos, avaliações
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Confirmar orçamento de centro de custo inativo


 Copiar versão AOP para versão real 0 e bloquear ambas para planejamento

Pontos-chave
 Copia as despesas reais do exercício anterior para os centros de custo para uma versão de
orçamento AOP
 Modificação de dados copiados
 Depreciação transferida separadamente no AOP
 Download de dados em planilhas eletrônicas por cada classe de custo e centro de custo
 Upload dos dados ajustados no sistema da SAP
 O planejamento do centro de custo no sistema da SAP é revisado e finalizado (custos
calculados, índices estatísticos, avaliações)
 Ativação dos dados planejados da versão AOP

2.3.5 Planejar centro de custo de produção


Objetivo
Durante o processo do orçamento anual, os responsáveis dos centros de custo de produção
planejam os custos dos diversos tipos/classes de custo de seus respectivos centros. Normalmente, o
desenvolvimento desses planos têm como ponto de partida os dados reais do exercício
corrente/anterior.
Nesse processo, as despesas reais do exercício anterior destes centros de custo são copiadas em
uma versão de orçamento do planejamento operacional anual (AOP) na contabilidade do centro de
custos. Como alternativa, os dados do orçamento do exercício anterior também podem ser usados
como ponto de partida para o exercício. O download dos dados desta versão é feito nas planilhas
eletrônicas de acordo com a classe e centro de custos. Os respectivos gerentes dos centros de custo
revisam e atualizam os valores do orçamento de acordo com suas necessidades e planos. Esses
planos são então enviados por upload novamente para o sistema. Os planos do sistema são
revisados e finalizados.
A depreciação planejada dos imobilizados é transferida separadamente para a versão do plano do
centro de custo. O sistema calcula a depreciação planejada dos ativos por centro de custo com base
nos montantes dos ativos lançados nos centros de custo. Se os centros de custo tiverem
equipamento, a depreciação será planejada com base no centro de custo e no tipo de atividade.
As necessidades de recursos, em forma de quantidades de atividade planejada, são transferidas do
planejamento de vendas e operações para os centros de custo, como consumo de atividade
planejada. É executada então a reconciliação do plano entre as necessidades da atividade de SOP e
as necessidades planejadas manualmente nos centros de custos operacionais. Logo que as
quantidades de atividade e os valores do orçamento forem finalizados, os preços da atividade
planejada são calculados no sistema.

Fluxo do processo
 Download do orçamento do centro de custo em planilhas eletrônicas, revisão pelos gerentes
de centro de custo e upload de dados revisados
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Transferência de necessidades de atividade planejadas da produção (SOP)


 Conclusão manual de dados planejados
 Cálculo de preços de atividades planejadas (entrada para Cálculo de custo standard AOP)

Pontos-chave
 Copia as despesas reais do exercício anterior para os centros de custo para uma versão de
orçamento AOP
 Modificação de dados copiados
 Depreciação transferida separadamente no AOP
 Download de dados em planilhas eletrônicas por cada classe de custo e centro de custo
 Upload dos dados ajustados no sistema da SAP
 O planejamento do centro de custo no sistema da SAP é revisado e finalizado (custos
calculados, índices estatísticos, avaliações)
 Ativação dos dados planejados da versão AOP

2.3.6 Planejamento de R&D de ordem interna (177)


Objetivo
Diversos projetos internos consomem recursos e incorrem em custos ou despesas. Estes projetos
normalmente são executados no desenvolvimento futuro de produtos. As linhas de produtos
geralmente podem ser determinadas para estes projetos. Os custos desses projetos precisam ser
rastreados para diversos fins, como controle de custos, cálculos de retorno sobre o investimento,
sistema de relatórios fiscal, etc.
Este processo usa a funcionalidade de ordem interna do sistema da SAP para rastrear custos e
status. Para cada projeto realizado, uma ordem interna é criada com o tipo de ordem de pesquisa e
desenvolvimento (R&D) (Y100). O planejamento de custos é realizado nesta ordem. Uma vez
aprovado o projeto, a ordem é liberada. Os custos incorridos no projeto podem ser posteriormente
lançados na ordem. Periodicamente, os custos coletados na ordem são liquidados no CO-PA (se
ativado) ou no centro de custo de pesquisa e desenvolvimento atribuído. Uma vez que o projeto
estiver concluído e completamente liquidado, a ordem é concluída com a definição do status
adequado.

Fluxo do processo
 Ordem interna de pesquisa e desenvolvimento
 Definir perfil do planejador
 Planejar custos para ordem de pesquisa e desenvolvimento
 Liquidar custos planejados para ordem interna de pesquisa e desenvolvimento
 Confirmar liquidação correta
 Sistema de relatórios
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Pontos-chave
 Para cada projeto uma ordem interna é criada
 O planejamento de custos é executado nesta ordem.
 Os custos planejados também podem ser liquidados para o centro de custo de pesquisa e
desenvolvimento ou para o CO-PA

2.3.7 Ordem interna para marketing e outros planejamentos de


custos indiretos
Objetivo
Diversos projetos internos consomem recursos e incorrem em custos ou despesas. Estes projetos
normalmente são executados no desenvolvimento futuro de produtos. As linhas de produtos
geralmente podem ser determinadas para estes projetos. Os custos desses projetos precisam ser
rastreados para diversos fins, como controle de custos, cálculos de retorno sobre o investimento,
sistema de relatórios fiscal, etc.
Este processo usa a funcionalidade de ordem interna do sistema da SAP para rastrear custos e
status.
No caso de projetos de marketing, é criada uma ordem interna usando o tipo de ordem de marketing.
As ordens de marketing são criadas como ordens estatísticas. Isto significa que os custos são
lançados para o centro de custo atribuído e também com custos estatísticos para a ordem interna. A
ordem não precisa de liquidação, pois os custos reais são atribuídos ao centro de custo.
No caso de outros projetos com custos indiretos, as ordens internas podem ser criadas usando o tipo
de ordem de custo indireto. Neste caso, é atribuído um centro de custo responsável. As ordens
internas serão liquidadas nesse centro de custo.

Fluxo do processo
 Criação de ordens internas
 Planejamento de classe de custo sobre ordens internas
 Liquidação de ordens internas (custos planejados)

Pontos-chave
 Após criar a ordem interna, defina um perfil do planejador e custos de planejamento na
classe de custo. As receitas também podem ser planejadas se a ordem tiver receitas.
 Também é possível atribuir orçamentos a uma ordem interna. Orçamentos são taxas fixas
não divididas em classes de custo.
 Após verificar as regras de liquidação, execute a liquidação dos custos planejados para os
recebedores.
 Use relatórios standard para confirmar a liquidação correta e os orçamentos atribuídos às
ordens.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Os custos reais e planejados desses projetos podem ser rastreados para diversos fins, como
controle de custos, cálculos de retorno sobre o investimento, sistema de relatórios fiscais,
etc.

2.3.8 Cálculo de custos standard


Objetivo
Anualmente, os custos standard de produtos são atualizados como parte do planejamento de
operações anual (AOP). Isso é necessário para refletir as modificações nos preços de peças
adquiridas, trabalho e custos indiretos, além de modificações em listas técnicas e operações
necessárias na produção de produtos acabados e semi-acabados.
Depois que os preços planejados das peças adquiridas forem atualizados e os preços das atividades
planejadas forem calculados, uma execução de cálculo de custos é feita para calcular os novos
preços planejados standard dos materiais. Os preços standard calculados são verificados. As
pessoas responsáveis são solicitadas a fazer as correções adequadas, por exemplo, nos dados
mestre. Quando os cálculos são considerados corretos, os preços são atualizados como custos
planejados futuros nos respectivos registros mestre de material.
Quando o ano corrente é encerrado, as estimativas de custo do mercado são divulgadas. Isso resulta
em uma reavaliação do estoque existente para os novos preços standard.

Fluxo do processo
 Criar e executar cálculo de custos
 Analisar preços standard propostos
 Repetir cenários de planejamento operacional anual
 Editar execução de cálculo de custo e executar
 o custo de receita AOP de transferência de vendas
 Criar execução de cálculo de custo congelado / Executar cálculo de custo
 Marcar como preço planejado futuro
 Liberar cálculo de custos standard e reavaliar estoque no exercício novo

Pontos-chave
 Os custos standard de produtos são atualizados como parte do planejamento operacional
anual.
 A execução do cálculo de custo é feita para calcular os novos preços standard planejados
dos materiais
 É solicitado às pessoas responsáveis que façam as correções necessárias
 Os preços são atualizados como custos planejados futuros nos registros mestre de materiais
 Quando o exercício corrente é encerrado, o cálculo de custos planejados marcado é
divulgado.
 Reavaliação do estoque existente com os novos preços standard
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Atividades de encerramento do período


o Execução de cálculo de custos

2.3.9 Plano trimestral – Previsão de quantidades de vendas com


CO-PA
Objetivo
Um fabricante de diversos grupos de produtos utiliza um sistema da SAP em uma organização de
vendas. A organização tem um departamento de Controlling central que calcula e planeja as receitas
e as quantidades de vendas.

Fluxo do processo
 Planejamento da quantidade de vendas com base na data real
 Transferência SOP
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.3.10 Cálculo de custos de referência e de simulação


Objetivo
Cálculo de custos de referência e de simulação é uma ferramenta de planejamento de custos e
configuração de preços, com a qual você entra manualmente os itens de cálculo de custos do cálculo
de custos unitário no formato de planilhas eletrônicas.
Com esse componente você pode criar cálculo de custo por componente. Um cálculo de custo por
componente é um objeto de referência de Planejamento de custos do produto que pode ser criado no
Cálculo de custos de referência e de simulação, para planejar custos de um novo produto ou serviço
e simular modificações nos cálculos de custo existentes. Se você planejar um novo produto para o
qual não existem dados mestre no SAP ERP, será possível executar projeções iniciais de custo e
planejamento ao criar um Cálculo de custo por componente usando o Cálculo de custos de
referência e de simulação. Com esse método, você planeja manualmente os custos de um item.
Quando os primeiros dados mestre de materiais são criados no SAP ERP, você pode usar o Cálculo
de custos do material sem Estrutura quantitativa para planejar manualmente os custos de produção e
de produtos vendidos. Você pode usar o cálculo de custo do objeto base como referência. Dois
métodos estão disponíveis para o planejamento de cálculo de custos do material sem estrutura
quantitativa, cálculo de custo unitário multinível e cálculo de custo unitário de nível único. O cálculo
de custo unitário multinível permite planejar custos no nível da montagem sem exigir listas de
materiais de produção.

Fluxo do processo
 Criar e calcular o custo por componente
 Analisar resultados
 Modificar o cálculo de custo por componente
 Relatório do sistema de informação

Pontos-chave
 Cálculo de custos de referência e de simulação
 Cálculo de custo por componente
o Após a criação e o cálculo de custos, o componente pode ser monitorado e
analisado.
 Sistema de relatórios do sistema de informação
o Monitoração do componente

2.4 Encerramento do período e lançamentos reais

2.4.1 Encerramento do período no centro geral


Objetivo
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Os preparativos para o encerramento do centro são realizados para assegurar que todos os
lançamentos financeiros sejam feitos para representar a atividade do(s) centro(s) no período. A
atividade diária no centro lança diversos documentos financeiros no Razão e no módulo de controle
de custo. Esse processo assegura que todas as atividades no centro sejam mostradas corretamente
e que nenhum lançamento financeiro seja omitido. Alguns dados (valor total do estoque, estoque
total, classe de avaliação, código de controle de preço e unidade de preço) são administrados por
período. Para que esses valores e movimentos de mercadorias sejam registrados no período correto,
o período deve ser definido sempre que um novo período for iniciado. O Management reporting
precisa receber informações do centro com referência a variações, WIP e refugos para a geração
correta de relatórios desses números. As ordens de produção/processo que não estiverem mais
ativas devem ser marcadas como encerradas para impedir lançamentos futuros. Este processo
termina ao ser direcionado para os preparativos do encerramento central que conclui a prestação de
contas da empresa.
O encerramento do período no centro “geral” cobre o encerramento do controlling de custo do
produto por período e por ordem. Os procedimentos do Controlling de produto por ordem são os
mesmos, não importando se um fabricante usa ordens de processo ou ordens de produção.

Fluxo do processo
 Executar ciclo de rateio dos custos de controle de qualidade
 Assegurar que os movimentos de mercadorias e as transações de produção estejam
concluídas
 Abrir novo período MM
 O encerramento do período por ordens de produção (custos indiretos, determinação WIP,
determinação de desvio, liquidação de ordens de produção)
 Fechar ordens de produção concluídas
 Transferência de dados para hierarquia de compactação (sistema de relatórios)
 Executar rateio de dados reais de todos os centros de custo para análise de rentabilidade
(COPA)
 Executar relatório de resultado

Pontos-chave
 Executar ciclo de rateio dos custos de controle de qualidade
 Assegurar que os movimentos de mercadorias e as transações de produção estejam
concluídas
 Abrir novo período MM
 O encerramento do período por ordens de produção (custos indiretos, determinação WIP,
determinação de desvio, liquidação de ordens de produção)
 Fechar ordens de produção concluídas
 Transferência de dados para hierarquia de compactação (sistema de relatórios)
 Executar rateio de dados reais de todos os centros de custo para análise de rentabilidade
(COPA)
 Executar relatório de resultado
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.4.2 Avaliação de estoque para encerramento do exercício


Objetivo
Este componente abrange o processo de avaliação de estoque – avaliação do balanço no fim do
exercício. Ele fornece aos usuários finais um exemplo de descrição do processo que pode ser usado
como modelo em seus próprios processos de avaliação.
O procedimento do processo empresarial inclui as seguintes etapas:
 Avaliação do material, uso do princípio de valor mínimo para matéria-prima, material de
embalagem e produtos comercializáveis
 Desvalorização adicional por rotatividade
 Cálculo de custos do inventário para produtos finais e semi-acabados de acordo com o
princípio de valor mínimo
 Relatório de valor do estoque na forma de análise comparativa
 Registro manual de ajuste de valor do estoque no componente contabilidade financeira
Esses procedimentos do processo empresarial podem ser usados por todas as empresas que
executam o SAP ERP, que integra os componentes administração de materiais (MM), planejamento
da produção (PP), contabilidade financeira (FI) e controlling (CO).
O cálculo de custos do estoque calcula preços fiscais ou comerciais para produtos finais e semi-
acabados. Depois que o custo do estoque é calculado, os resultados do custo são transferidos para o
mestre de materiais como preços fiscais e comerciais.
A avaliação de estoques é executada de acordo com a legislação local (como o Código comercial
alemão), incluindo configurações para o esquema de custos suplementares, variante de avaliação e
avaliação do material com desvalorização baseada na rotatividade.

Fluxo do processo
 Avaliação do material, uso do princípio de valor mínimo para matéria-prima, material de
embalagem e produtos comercializáveis
 Desvalorização adicional por rotatividade.
 Cálculo de custos do inventário para produtos finais e semi-acabados de acordo com o
princípio de valor mínimo.
 Relatório de valor do estoque na forma de análise comparativa.
 Registro manual de ajuste do valor do estoque no componente contabilidade financeira.

Pontos-chave
 Avaliação de estoque para matérias-primas, material de embalagem e produtos
comercializáveis baseados no valor mais baixo
 Avaliação de estoque para materiais acabados e semi-acabados, com base nas
necessidades locais de abordagens de avaliação
 Ajuste do valor do estoque
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.4.3 Controlling real dos custos indiretos


Objetivo
Esta seção descreve os lançamentos reais baseados na operação, geralmente utilizados no
controlling dos custos indiretos.
Consulte o capítulo Encerramento do período para obter uma explicação das atividades geralmente
executadas no fim do período.

Fluxo do processo
 Lançamento real para um centro de custo
o O centro de custo relacionado é lançado nos custos primários
o Atualização do centro de custo com os valores corretos
o Registro de índices estatísticos
 Tarefas periódicas e de fim do exercício
o Comparação entre custos planejados e reais para o centro de custo
o Alocação de custos primários e secundários usando uma classe de custo de rateio
o Lançamento mensal de delimitações para custos dos benefícios da folha de
pagamento
o Atualização da versão de controlling
o Período de bloqueio

Pontos-chave
 Processar um documento do Razão para diversos fins
 Etapas necessárias para preparação de tarefas periódicas e de fim do exercício

2.4.4 R&D real de ordem interna


Objetivo
Diversos projetos internos consomem recursos e incorrem em custos ou despesas. Esses projetos
normalmente são executados no desenvolvimento futuro de produtos. As linhas de produtos
geralmente podem ser determinadas para esses projetos. Os custos desses projetos precisam ser
rastreados para diversos fins, como controle de custos, cálculos de retorno sobre o investimento,
sistema de relatórios fiscal, etc.
Este processo usa a funcionalidade de ordem interna do sistema da SAP para rastrear custos e
status. Para cada projeto realizado, uma ordem interna é criada com o tipo de ordem de pesquisa e
desenvolvimento (R&D) (Y100). O planejamento de custos é realizado nesta ordem. Uma vez
aprovado o projeto, a ordem é liberada. Os custos incorridos no projeto podem ser posteriormente
lançados na ordem. Periodicamente, os custos coletados na ordem são liquidados no CO-PA (se
ativado) ou no centro de custo de pesquisa e desenvolvimento atribuído. Uma vez que o projeto
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

estiver concluído e completamente liquidado, a ordem é concluída com a definição do status


adequado.

Fluxo do processo
 Criar uma ordem interna de R&D
 Compra de bens de consumo
 Registrar saída de mercadorias para ordem interna de pesquisa e desenvolvimento
 Liquidar ordem interna

Pontos-chave
 Visão transparente de pedidos pendentes, remessa e estoque
 Processamento automatizado eficiente

2.4.5 Ordem interna para marketing e outros custos indiretos


reais
Objetivo
Diversos projetos internos consomem recursos e incorrem em custos ou despesas. Esses projetos
normalmente são executados no desenvolvimento futuro de produtos. As linhas de produtos
geralmente podem ser determinadas para esses projetos. Os custos desses projetos precisam ser
rastreados para diversos fins, como controle de custos, cálculos de retorno sobre o investimento,
sistema de relatórios fiscal, etc.
Este processo usa a funcionalidade de ordem interna do sistema da SAP para rastrear custos e
status.
No caso de projetos de marketing, é criada uma ordem interna usando o tipo de ordem de marketing.
As ordens de marketing são criadas como ordens estatísticas. Isso significa que os custos são
lançados para o centro de custo atribuído e também como custos estatísticos para a ordem interna. A
ordem não precisa de liquidação, pois os custos reais são atribuídos ao centro de custo.
No caso de outros projetos com custos indiretos, as ordens internas podem ser criadas usando o tipo
de ordem de custo indireto. Nesse caso, é atribuído um centro de custo responsável. As ordens
internas serão liquidadas nesse centro de custo.

Fluxo do processo
 Criar ordem interna
 Lançar conta do Razão
 Verificar regra de liquidação
 Verificar liquidação
 Verificar orçamento real
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Pontos-chave
 Este processo usa a funcionalidade de ordem interna do sistema da SAP para rastrear
custos e status.
 Oferece uma visão transparente de uma ordem interna
 Permite processamento automatizado eficiente

2.4.6 Contabilidade financeira de encerramento do período


Objetivo
Os preparativos para o encerramento são tarefas periódicas e podem ser subdivididas em FI do
seguinte modo:
 Encerramento do dia
 Encerramento do mês
 Encerramento do exercício
O componente de preparativos para o encerramento ajuda a preparar e executar as atividades
necessárias para encerramento de dia, mês e exercício. O sistema fornece para este fim uma série
de relatórios standard que podem ser utilizados para gerar avaliações e análises diretamente a partir
de todos os saldos de conta lançados. O sistema ajuda a executar o seguinte:
 Criar o balanço e as demonstrações de resultado
 Documentar os dados contábeis

Nenhum lançamento adicional é necessário para o encerramento do dia.


É possível usar as seguintes avaliações para o encerramento do dia e para documentar os dados
contábeis:
 Diário compacto de documentos
 Avaliação dos documentos que não foram lançados

Para executar os preparativos para o encerramento na contabilidade geral, é necessário primeiro


executar os preparativos nas áreas de contabilidade auxiliar que você está utilizando. Esses incluem:
 Contabilidade de clientes e fornecedores
 Re-classificação
 Contabilidade de estoques
 Contabilidade do imobilizado

O encerramento do exercício está dividido em duas fases:


 No início do exercício novo você abre novos períodos contábeis e transfere os saldos do
exercício anterior.
 Depois você prepara e cria os balanços financeiros e documenta as transações comerciais
usando a escrituração de contas
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

O sistema da SAP oferece diversos relatórios com os quais você pode transferir saldos para o
exercício novo. Durante este processo, as contas de lucros e perdas são transferidas para uma ou
mais contas de resultado transportado. Os saldos das contas do balanço são simplesmente
transferidos para o novo exercício. Não é necessário criar balanços financeiros iniciais especiais.
Qualquer lançamento efetuado no exercício anterior ajusta automaticamente o saldo de
transferência relevante. Não é necessário encerrar o exercício anterior nem executar os lançamentos
de encerramento antes de abrir o exercício novo.
Assim como no encerramento do mês, você pode criar todos os relatórios externos necessários,
documentar os dados contábeis e transferir as avaliações internas.

Fluxo do processo
 Encerramento do dia
 Encerramento do mês
 Encerramento do exercício

Pontos-chave
 Atualizar taxas de câmbio
 Lacunas na atribuição de números de documento
 Números de faturas alocados duas vezes
 Exibir o diário compacto de documentos

2.5 Vendas e distribuição


2.5.1 Fornecimento direto a terceiros com aviso de entrega

No processamento de fornecimento direto a terceiros, sua empresa não fornece os itens solicitados
por um cliente. Em vez disso, você encaminha a ordem para um fornecedor terceirizado que, depois,
envia as mercadorias diretamente ao cliente e fatura sua empresa. A ordem do cliente standard cria
automaticamente uma requisição de compra para os materiais que devem ser fornecidos pelo
fornecedor terceirizado.
Neste cenário, o fornecedor envia um aviso de entrega. Depois disso, uma entrada estatística de
mercadorias é registrada. A quantidade faturada é atualizada pelo recebimento da fatura do
fornecedor, de forma que o documento de faturamento do cliente só possa ser criado após a entrada
da fatura do fornecedor.
.

2.5.2 Administração de créditos


Uma verificação do limite de crédito pode ser efetuada na criação ou modificação de documentos de
vendas. Essa verificação é realizada pelo sistema em uma área de controle de créditos. Se você
modificar quantidades ou valores em um documento, a verificação será repetida. Uma área de
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

controle de créditos consiste em uma ou mais empresas. Um documento de vendas pertence a uma
área de controle de créditos, dependendo da alocação da organização de vendas em uma empresa.
O sistema da SAP verifica o limite de crédito concedido ao cliente nessa área de controle de créditos.
As áreas de controle de créditos e o limite de crédito de um cliente são definidos no componente
contabilidade financeira e entrados no registro mestre do cliente. Durante a verificação, o sistema da
SAP totaliza as contas a receber, as partidas em aberto e o valor líquido da ordem do cliente de cada
item de um documento de vendas. As partidas em aberto consideram as obrigações de conta
previstas em contrato que não são registradas para fins de contabilidade, mas envolvem despesas
de diversas transações comerciais. Em seguida, o total é comparado ao limite de crédito. Se o limite
for excedido, o sistema responderá de acordo com o modo definido pelo usuário no menu de
configuração.
Nesta solução estamos usando o controle de crédito automático. Durante o controle de crédito
automático, é possível configurar uma reação do sistema (“A” advertência, “B” erro, “C” igual a A, +
valor pelo qual o limite de crédito é excedido e “D” – igual a B, + valor pelo qual o limite de crédito é
ultrapassado) quando o limite de crédito é excedido, escolhemos usar a opção “C” (advertência + o
valor pelo qual o limite de crédito é excedido).
O sistema fornece uma transação para listar todos os documentos de vendas bloqueados para
remessa, com informações sobre o que causou o bloqueio. A situação atual de crédito do cliente é
revisada manualmente pelo departamento de crédito e quando a ordem do cliente é aprovada, o
bloqueio da remessa é removido da ordem do cliente. Você pode pular da lista diretamente para um
documento individual.

2.5.3 Processamento de ordem do cliente: venda no depósito


Este cenário descreve toda a seqüência de processos de um processo de vendas standard com um
cliente (venda no depósito). O processo empresarial engloba todas as etapas, desde a criação da
ordem até a compensação da conta do cliente depois do recebimento do pagamento.
O processo começa com a criação de uma ordem do cliente standard. Dependendo do cliente e do
material, ocorrem vários eventos especiais durante a entrada da ordem, como determinação do
preço de cliente/material, concessão de descontos aplicáveis, verificação de disponibilidade de
materiais e verificação do histórico de créditos do cliente.
Também é verificado se há material suficiente no depósito requerido. Se não houver, ocorrerá um
movimento de estoque. Depois disso, as notas de picking são geradas para que os encarregados do
depósito disponibilizem os produtos para remessa ao cliente.
Após a realização do picking, a quantidade remetida fisicamente deve ser registrada no sistema para
garantir que não haja diferenças entre a ordem do cliente e o documento de remessa. No caso de
diferenças reais, elas também podem ser documentadas, assegurando lançamentos corretos.
Após a conclusão do picking, o encarregado do depósito precisará liberar o estoque
sistematicamente. Esse procedimento representa o registro real da quantidade física que está sendo
remetida ao cliente. Isso resulta no registro do custo de mercadorias vendidas no contabilidade
financeira.
Depois que o estoque é liberado, a remessa pode ser faturada e a receita e o custo de mercadorias
vendidas são registrados na contabilidade interna. Essa etapa significa o fim da transação comercial
em Vendas e distribuição.

2.5.4 Fornecimento gratuito


Este cenário descreve o processo de fornecimento de mercadorias a um cliente sem custo. É criado
um tipo único de ordem do cliente que não é relevante para faturamento. A ordem é confirmada com
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

base na disponibilidade das mercadorias. Depois, é criada uma remessa; as mercadorias passam
por picking, são confirmadas e entregues ao cliente.

2.5.5 Devoluções e reclamações


Este cenário descreve o processamento de devoluções da ordem do cliente. O processo inicia uma
ordem do cliente devolvida com referência à fatura original das mercadorias. Um documento RMA é
impresso e encaminhado ao cliente para ser anexado às mercadorias recebidas. As mercadorias são
retornadas, uma devolução é criada referente ao RMA e o material é recebido no estoque de
devolução. O local do estoque de devolução é definido como não relevante para MRP. As
mercadorias são inspecionadas, resultando em uma disposição para serem devolvidas ao estoque
ou sucatadas. Uma nota de crédito é criada a partir da execução do faturamento e lançada na conta
dos clientes.

2.5.6 Cotação
Este cenário descreve o processo de uma cotação standard. O processo começa quando uma
solicitação de cotação (RFQ) é recebida de um cliente. Uma cotação é criada no sistema da SAP em
resposta à RFQ do cliente. Depois, o cliente pode aceitar ou rejeitar a cotação.

2.5.7 Processamento da ordem do cliente potencial


Neste cenário, você processa documentos de ordens do cliente sem consultar primeiramente as
informações do cliente.
Um cliente dummy é utilizado quando os responsáveis pela ordem do cliente necessitam verificar
uma ordem sem consultar primeiramente o número da conta do cliente. A ordem do cliente pode ser
gravada, mas permanece incompleta até que um número válido de conta do cliente seja entrado na
ordem do cliente. Essa função é especialmente útil para empresas que recebem ordens por telefone.
Por exemplo, um cliente telefona e solicita a determinação do preço e informações sobre um item do
catálogo. O responsável pela ordem pode estruturar toda a ordem sem necessitar do número da
conta do cliente até o fim. Logo que o número da conta do cliente tenha sido entrado, todas as
informações específicas do cliente são transferidas do mestre de clientes e de outros registros
específicos do cliente.

2.5.8 Fornecimento direto a terceiros sem aviso de entrega


No processamento de fornecimento direto a terceiros, sua empresa não fornece os itens solicitados por
um cliente. Em vez disso, você encaminha a ordem para um fornecedor terceirizado que, depois, envia as
mercadorias diretamente ao cliente e fatura sua empresa. A ordem do cliente standard cria
automaticamente uma requisição de compra para os materiais que devem ser fornecidos pelo fornecedor
terceirizado.
A quantidade faturada é atualizada pelo recebimento da fatura do fornecedor, de forma que o documento
de faturamento do cliente só possa ser criado após a entrada da fatura do fornecedor.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.5.9 Vendas de item comprado


Neste cenário, um cliente solicita um material que não está em estoque no momento. Portanto, o
material é obtido de um fornecedor externo. Exemplo:

O cliente 100003 solicita 100 unidades do material H14 na organização de vendas 1000.
Não há material em estoque e ele deve ser fornecido por um fornecedor externo.
Ao criar a ordem do cliente, uma requisição de compra é gerada. Na etapa seguinte, a requisição de
compra é convertida em um pedido para o fornecedor 300000.
A entrada de mercadorias é criada em um estoque especial do cliente para o cliente 100003. A
entrega e a fatura ocorrem após essa operação. Por fim, é criada a revisão de faturas para a entrada
de mercadorias.
A administração de crédito é ativada para o cliente 100003.

2.5.10 Processamento de nota de débito


O processo de nota de débito é usado para aplicar um débito à conta de um cliente após a
determinação de que foi cobrado ao cliente um valor menor devido a um erro de determinação de
preços ou da taxa de IVA. Uma solicitação de aumento de fatura é criada com o montante a ser
debitado e é colocada em um bloqueio do documento de faturamento para revisão. Depois, ela deve
ser liberada para se tornar relevante para faturamento e ser exibida na lista de documentos de
faturamento. O processo de faturamento periódico cria uma nota de débito para ser enviada ao
cliente e lança um documento contábil.

2.5.11 Processamento de exportação e comércio exterior


À medida que os mercados se tornam cada vez mais globais e as estruturas empresariais ficam mais
complexas, aumenta a importância da precisão no tratamento das necessidades do comércio exterior
de uma empresa. Este cenário foi desenvolvido para ajudá-lo a atender aos requisitos de comércio
exterior em rápida transição de sua empresa.
Este cenário descreve os passos envolvendo os dados de exportação, gestão da documentação
alfandegária e dos formulários e como o sistema faz verificações de dados incompletos para se
certificar de que todas as informações essenciais estão no sistema.
O documento explica como é fácil encontrar as informações de comércio exterior, uma vez que você
tem mantido as configurações e os dados mestres necessários.

2.5.12 Venda em Consignação


Este cenário descreve como os produtos acabados e mercadorias são tratadas dentro de um
processo de venda em consignação, bem como quando os produtos expedidos para o cliente ainda
são de propriedade da empresa fornecedora até que sejam vendidos pelo cliente a um terceiro. Os
materiais, que são normalmente armazenados na loja ou no armazém do cliente, são lançados em
um estoque (estoque em consignação) que é atribuído ao cliente correspondente. Isso permite que o
estoque atual do cliente seja visualizado a qualquer momento.

2.5.13 Processamento de embalagens retornáveis


Os paletes standard pertencem ao fabricante e são tratados como mercadorias retornáveis ou como
embalagens. Este cenário mostra o transporte de paletes standard e respectivas devoluções.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Este cenário utiliza o palete L001 com o tipo de material LEIH, que é tratado como material
retornável.
A atividade inicial é criar uma ordem do cliente standard. Uma remessa será criada com base na
ordem do cliente inicial. Um palete (embalagem retornável) será adicionado à remessa durante as
etapas de picking e expedição do processo. A última etapa deste subprocesso é o faturamento e
impressão da nota fiscal.
Existem duas opções para devolução dos paletes:
 Ordem de devolução do palete com remessa e entrada de mercadorias de devolução de palete
 Uma solicitação de nota de débito pode ser feita no caso de o cliente não devolver os paletes.
Acionado pelo faturamento, o sistema emitirá uma nota de débito com base na solicitação de
nota de débito.
A última etapa é sincronizar a quantidade e o valor do estoque em consignação. Portanto, uma saída
de mercadorias manual é registrada para os paletes não devolvidos.

2.5.14 Processamento da ordem do cliente interempresarial*


Este cenário mostra o modo como as vendas são processadas no nível interempresarial.
Um cliente encomenda mercadorias da organização de vendas do seu fornecedor. O fornecedor tem
um centro de produção/depósito que pertence a uma empresa diferente. As mercadorias são
produzidas/armazenadas aqui e fornecidas diretamente pelo centro de produção/depósito ao cliente.
Foco:
 O centro fornecedor pertence a uma empresa diferente
 Fornecimento direto do centro produção/depósito ao cliente
 Fatura de cliente e documento de faturamento interempresarial
 Preços internos
O cliente 100009 envia um pedido à organização de vendas do seu fornecedor. É aqui criada uma
ordem standard com o centro de produção/depósito de outra empresa diferente da organização de
vendas.
As mercadorias são fornecidas diretamente pelo centro de produção/depósito ao cliente.
A remessa é faturada duas vezes: uma vez para criar a fatura do cliente e outra para executar o
cálculo de fatura interempresarial.

2.5.15 Processamento da ordem do cliente com adiantamento


Muitas vezes ao efetuar um processo de negócio, especialmente em um ambiente make-to-order, o
cliente pode ser obrigado a pagar um certo valor antes da entrega das mercadorias. Este processo é
usado para criar uma solicitação de adiantamento, registrar o recebimento desse adiantamento, criar
uma fatura final e receber o saldo remanescente.
Esse processo integrado permite um fluxo de documentos próprio a ser mantido entre a venda e as
transações financeiras.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.5.16 Preparativos para o encerramento SD


Este cenário descreve uma coleção de tarefas periódicas em Vendas e Distribuição, como tarefas de
fechamento diário.

2.5.17 Processamento de notas de crédito


O processamento de notas de crédito é usado para aplicar um crédito à conta do cliente após você
determinar que foi cobrado do cliente um valor maior devido a um erro de determinação de preços ou
de quantidade. Uma solicitação de nota de crédito é criada com o montante a ser creditado e
colocada em um bloqueio do documento de faturamento para revisão. Depois, ela deve ser liberada
para se tornar relevante para faturamento e ser exibida na lista de documentos de faturamento. O
processo de faturamento periódico cria uma nota de crédito a ser enviada ao cliente e lança um
documento contábil.

2.5.18 Processamento do bônus: bonificação em mercadoria


Este cenário descreve toda a seqüência de processos de um processo de vendas standard (venda
no depósito) com um cliente, inclusive bonificação em mercadoria. A bonificação em mercadoria é
inclusiva, o que significa que o cliente recebe a quantidade encomendada, mas paga somente por
uma parte da quantidade encomendada. O processo empresarial engloba todas as etapas, desde a
criação de uma ordem até a compensação da conta de um cliente após o recebimento do
pagamento.
O processo começa com a criação de uma ordem do cliente standard. Um registro de condição da
bonificação em mercadoria foi criado para o material usado. Portanto, o cliente recebe um
determinado montante de bonificação em mercadoria, dependendo da quantidade encomendada.
É verificado se há material suficiente no depósito requerido. Se não houver, ocorrerá um movimento
de estoque. Depois disso, as notas de picking são geradas para que os encarregados do depósito
disponibilizem os produtos para entrega ao cliente.
Após a realização do picking, a quantidade enviada fisicamente deverá ser registrada no sistema
para garantir que não haja diferenças entre a ordem do cliente e o documento de remessa. No caso
de diferenças reais, isso também pode ser documentado, assegurando lançamentos corretos.
Após a conclusão do picking, o encarregado do depósito precisará liberar o estoque
sistematicamente. Esse procedimento representa o registro real da quantidade física que está sendo
enviada ao cliente. Isso resulta no registro do custo de produtos vendidos na contabilidade financeira.
Depois que o estoque é liberado, a remessa pode ser faturada e a receita e o custo de produtos
vendidos são registrados na contabilidade interna. Essa etapa significa o fim da transação comercial
em vendas e distribuição

2.5.19 Processamento da ordem do cliente com faturamento


coletivo
Este cenário descreve como usar o processamento de vendas standard (venda no depósito) para
processamento em massa.
O processo começa com a criação de algumas ordens do cliente standard.
Em intervalos periódicos, todas as ordens devido ao fornecimento e com disponibilidade de material
são selecionadas e remessas são criadas. Para otimização dos custos de expedição, todas as
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

ordens do cliente, entregues ao mesmo cliente, são embaladas em um documento de remessa. Para
depósitos de WM enxuto, pedidos de transferência WM e documentos de picking são
automaticamente criados.
O material é coletado e o montante real do picking é notificado na remessa. As entradas de
mercadorias são registradas e as notas de remessa são criadas. Em background, a utilização das
mercadorias é registrada na contabilidade. O material pode deixar a empresa.
Em intervalos periódicos, todas as remessas são selecionadas para faturamento. Para otimização de
custos, todas as remessas, devido ao faturamento ao mesmo cliente, são embaladas em um único
documento de faturamento. Em background, a receita é lançada na contabilidade.

2.6 Administração de materiais


2.6.1 Warehouse Management enxuto
O Warehouse Management enxuto é usado para que o processo de transporte tenha um documento
de picking.
Um documento de picking é impresso quando uma remessa é criada para um local de
armazenamento atribuído a um depósito. Isso é feito automaticamente. Não há necessidade de um
usuário lidar com ordens de transporte na administração de depósitos.

2.6.2 Cotação de suprimento


O processo solicitação de cotação (RFQ) inicia com uma solicitação de materiais dos fornecedores.
O processo RFQ inclui uma comparação de preços para a seleção da melhor fonte. O comprador
avalia as respostas do fornecedor para determinar a melhor fonte de suprimento. A cotação aceita é
convertida posteriormente em um pedido e uma comunicação de recusa é enviada aos fornecedores
cujas cotações foram rejeitadas.
As informações específicas sobre o material, incluindo preço do fornecedor e tempo de espera desde
a cotação, são capturadas nos registros de dados mestre ERP.

2.6.3 Compra de bens de consumo


Este cenário lida com atividades de criação de pedido durante o processo de suprimento. Descreve
também outras etapas do processo de aprovação de um pedido, entrada de mercadorias de bens de
consumo, aprovação de folhas de registro de serviços e entrada de fatura por partida individual. Além
disso, o processo abrange o processamento relacionado de saída de pagamentos, preparativos para
o encerramento do centro e encerramento do período.
Bens de consumo (mercadorias ou serviços) são registrados sem número de material, mas com um
texto breve descritivo como a principal característica identificável. O pedido está sujeito à aprovação
com base em parâmetros predefinidos antes de ser emitido para um fornecedor.
Não há inventário no sistema para bens de consumo. Ao registrar a entrada de mercadorias, o valor
das mercadorias é debitado de um centro de custo ou de outra classe de custo.
Quando as faturas são recebidas do fornecedor, elas são entradas com referência a um pedido e
item, proporcionando uma correspondência tripla entre o valor do pedido, o valor da entrada de
mercadorias e o valor da fatura. Se houver alguma variação entre o valor da fatura e o valor do
pedido, a fatura será bloqueada e enviada ao comprador para aprovação. Os cheques para os
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

fornecedores são gerados com base na condição líquida refletida na fatura, derivada do mestre de
fornecedores. As variações devidas a desvios do preço standard são coletadas no centro de custos
de compras e alocadas no nível da linha de produtos com base em uma porcentagem predefinida.
O suprimento de um serviço de bens de consumo segue o mesmo fluxo geral. A diferença é que o
serviço de bens de consumo não é lançado com uma entrada de mercadorias, mas com uma folha
de registro de serviços. A fatura obedece às mesmas regras nos dois casos.

2.6.4 Suprimento sem QM


A operação de compra pode iniciar com uma solicitação de cotação pela qual um empregado de uma
organização de compras solicita uma cotação para o suprimento de materiais de um fornecedor. O
processo RFQ inclui comparações de oferta para selecionar a melhor fonte. O comprador avalia as
respostas do fornecedor e determina a melhor fonte de suprimento. O custo de material acordado é
capturado no mestre de materiais e forma parte da avaliação do estoque com base em um custo
standard liberado. Para trabalhar com cotações, execute a Cotação de suprimentos (128) do
Procedimento do processo empresarial.
Informações específicas do material, incluindo determinação do preço do fornecedor e tempo de
execução da cotação, são capturadas nos registros de dados mestre da SAP – por exemplo,
registros info – e podem ser vinculados a requisições transacionais e pedidos por uma pesquisa da
SAP, denominada lista de opções de fornecimento. Registros info e listas de opções de fornecimento
podem ter um ou mais fornecedores associados ao material; entretanto, um fornecedor pode ser
designado como principal fonte de material.
Uma requisição de compra é gerada através do processo de planejamento de necessidades de
material ou manualmente por um solicitante. Um comprador valida a precisão da requisição de
compra e a converte em um pedido. O pedido está sujeito à aprovação com base em um montante
predefinido antes de ser emitido para um fornecedor.
As mercadorias são enviadas do fornecedor e recebidas na ordem de compra referenciada no
documento do fornecedor. O inventário é recebido em um local, com base em parâmetros fixos
propostos no mestre de materiais, que podem ser modificados no momento da captura dos dados de
transação, ou seja, criação de pedido ou entrada de mercadorias.
A fatura é recebida do fornecedor. As faturas são entradas com referência a um pedido e item,
fornecendo uma correspondência tripla entre o valor do pedido, o valor de entrada de mercadorias e
o valor da fatura. Se houver alguma variação entre o valor da fatura e o valor do pedido, a fatura será
bloqueada e enviada ao comprador para aprovação. Os cheques para os fornecedores são gerados
com base na condição líquida refletida na fatura, predefinido no mestre de fornecedores. As
variações devidas a desvios do preço standard são coletadas no centro de custos de compras e
alocadas no nível da linha de produtos com base em um percentual predefinido como determinado
pela empresa.

2.6.5 Administração de estoque: processamento posterior,


refugo, bloqueio, desvalorização
Este cenário é acionado pelos seguintes diferentes processos:
 Devoluções do cliente
 Processamento posterior da produção
 Outros processos e motivos logísticos
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Desvalorização do material para outro número de material e execução do processamento


posterior no material desvalorizado

2.6.6 Contrato de suprimento


Geralmente, a criação de um contrato é acionada pela necessidade de assegurar um grande número
de fornecimentos e reduzir os custos de suprimentos. A criação de um contrato pode ser iniciada se
os seguintes assuntos tiverem sido resolvidos:
- Número/montante de material ou serviço
- Início da validade / fim da validade
- Condições de pagamento
- Quantidade de cada material/serviço de contrato
- Preço de cada posição no contrato
- Local de entrega das mercadorias/serviços.
Um contrato será assinado por um gerente de compras ou um comprador.
Após a criação de um contrato, requisições de compra e pedidos relacionados ao contrato podem ser
executados.

2.6.7 Transferência de estoque com entrega


O processo de transferência do estoque começa com um requisito para transferir material de um
centro para o outro dentro da mesma empresa. Essa solicitação, na forma de requisição de
transferência de estoque, pode ser criada no centro de suprimentos automaticamente por MRP ou
manualmente por um comprador.
Não há requisitos de dados mestre no mestre de materiais para oferecer suporte ao processo de
transferência de estoque. O mestre de materiais deve existir tanto no centro de suprimentos
(recebimento) como no centro de fornecimento (emissão). Além disso, os pedidos de transferência de
estoque não estão sujeitos à aprovação como outros pedidos.
Um comprador validará a precisão da requisição de compra de transferência do estoque e a
converterá em um pedido de transferência de estoque. Um encarregado do depósito no centro
emissor monitora os materiais que deverão ser transportados e cria remessas conforme necessário.
Depois de uma remessa ter sido criada, uma lista de picking será gerada para os materiais. Um
encarregado do depósito coleta o material e confirma as quantidades com picking. Depois de a
remessa ter sido concluída, as quantidades da remessa serão emitidas, a documentação adequada
será gerada e a remessa será enviada, finalizando o processo para o centro emissor.
Os produtos são recebidos no centro de recebimento, fazendo referência ao número de remessa nos
documentos de expedição. O inventário é recebido em um local, com base em parâmetros fixos
propostos no mestre de materiais, que podem ser modificados no momento da captura dos dados
transacionais, ou seja, criação de pedido ou entrada de mercadorias.

2.6.8 Transferência de estoque sem entrega


O suprimento interno de materiais é válido para vários centros pode ser executado em uma empresa
Esse processo pode ser tratado com funções standard, como planejamento de necessidades de
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

material, requisições de compra, pedidos de transferência de estoque, organização do transporte e


administração de remessas internas.
O processo de transferência do estoque começa com um requisito para transferir material de um
centro para o outro dentro da mesma empresa The stock transfer without a delivery can be
performed in one way:
Lançamento da transferência em um único passo movimentando o estoque imediatamente saindo do
estoque de uma planta e recebendo em outro centro. Isto é útil quando a distância entrea as duas
plantas é curta e quando não há necessidade de uma posição de estoque em trânsito
Não há requisites de dados mestres de materiais para apoiar esse processo. O mestre de materiais
deve existir tanto na planta fornecedora como na planta receptora.

2.6.9 Devolução ao fornecedor


O processo de devolução do fornecedor é iniciado à partir de uma necessidade de devolver um item
por qualquer motivo, como por exemplo, defeitos de qualidade. A atividade inicial é gerar uma nota
de crédito para o fornecedor. Depois de declarações fiscais terem sido feitas, o estoque é ajustado
por um tipo de movimento referente ao pedido de compras.
Após a confirmação de retorno, o departamento de expedição separa os itens a serem devolvidos e
enviam juntamente com a Nota Fiscal de devolução DANFE – Documento Auxiliar da Nota Fiscal
Eletrônica.

2.6.10 Inventário físico/Contagem do inventário físico e ajuste


Este cenário cobre o processo periódico dos ajustes necessários no estoque disponível após uma
conta física.
O processo é iniciado com a geração das folhas de contagem do inventário físico. Além disso, os
materiais podem ser bloqueados aqui para o lançamento durante o inventário físico. Quando as listas
do inventário forem impressas, a contagem real do inventário físico será efetuada nos materiais
determinados. Posteriormente, a contagem será entrada no sistema e as eventuais diferenças com
as quantidades do sistema serão revisadas. O inventário pode ser recontado até que as contagens
finais sejam aceitas e as diferenças do inventário lançadas.

2.6.11 Subcontratação
O processo de subcontratação de MM compreende o envio de componentes brutos para um
fornecedor dos processos de produção específicos e o recebimento do material acabado com valor
agregado no estoque.
Uma requisição de compra subcontratada é gerada por intermédio do processo Planejamento de
necessidades de material ou manualmente, por um solicitante. Um comprador valida a exatidão da
requisição de compra e a converte em um pedido. O pedido está sujeito à aprovação com base em
parâmetros predefinidos antes de ser emitido para um fornecedor.
O consumo dos componentes enviados é registrado mediante o recebimento do material acabado
com valor agregado. O fornecedor envia a fatura dos serviços prestados, que é paga durante o ciclo
normal de pagamento.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Um cliente solicita mercadorias de um fornecedor especificado (3000XX) como um subcontratado,


com base em um Plano de produção como um processo de Produção para estoque ou baseado em
um cenário de Planejamento de necessidades (cenário MRP).
No fornecimento de mercadorias,
o cenário enfoca as seguintes atividades:
 Criar pedidos com base em uma requisição de compra programada criada pela última
execução de MRP
 Opcional: criar pedido manualmente
 Aprovar pedido (se necessário)
 Criar documento de entrega
 Registrar saída de mercadorias para expedição e envio ao subcontratado.

Na entrada de mercadorias, o cenário se concentra nas seguintes atividades:


 Entrada de mercadorias com base no pedido entregue pelo subcontratado.
 Lançamento de reservas de componentes e consumo de quantidades de componentes
como provisão de material.
 Entrada de faturas por partida individual
 Revisão de faturas e validação de despesas de impostos.
 Processo de saída de pagamento.

2.6.12 Suprimento e consumo de estoque em consignação


Na administração de estoques em consignação, o fornecedor disponibiliza o material e o armazena
no local de consumo. O fornecedor continua sendo o proprietário legal do material até que ele seja
retirado do depósito de artigos em consignação. Somente então o fornecedor exige pagamento. O
vencimento da fatura tem períodos definidos, por exemplo, mensalmente. Além disso, os clientes
também podem fazer um acordo com o fornecedor, responsabilizando-se pelo material em
consignação restante após um determinado período.

A execução diária do MRP cria requisições de compra de categoria "K" para peças que serão
supridas em consignação.

2.6.13 Processamento de Comércio Exterior Importação


Este cenário descreve as etapas envolvidas em assuntos de comércio exterior, e como o sistema
realiza verificações de integridade para garantir que todas as informações essenciais do sistema.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.7 Planejamento e controle de produção


2.7.1 Planejamento logístico
O objetivo do planejamento de logística é garantir que a demanda futura possa ser atendida pelos
recursos disponíveis de sua empresa e apontar situações em que não seja possível atender à
demanda no prazo ou nas quantidades desejadas.
Esse processo, às vezes, é chamado de "Planejamento de vendas e operações". O processo
acontece, geralmente, em modo simulado e em nível agregado (grupo de produtos,
normalmente). Uma vez determinado um plano de produção viável que atenda à demanda, ele
pode ser usado como base para o planejamento de produção operacional (MRP e Planejamento
de capacidade detalhada).
Os cenários do Best Practices desta seção abrangem o seguinte workflow de planejamento:
 Planejamento/previsão de demanda futura
 Planejamento de produção agregada, inclusive verificação de capacidade para verificar,
em nível de grupo de produtos, se a demanda pode ser atendida (usando a
funcionalidade SOP).
 Transferência dos resultados para o Planejamento a longo prazo (usando o módulo PLP),
para possibilitar a simulação das necessidades de material, com base nos planos de
produção
 O planejamento acontece em versões de planejamento separadas (simuladas) no PLP
 Revisão e ajustes das quantidades planejadas, conforme a necessidade
 Uma vez aceitas as necessidades simuladas, a demanda (necessidades independentes)
é transferida para a gestão de demanda ativa, para MRP e Planejamento/Programação
de produção detalhados na versão ativa.

2.7.2 Produção para estoque – Manufatura discreta


O cenário Produção para estoque (MTS) se concentra nos seguintes pontos:
 Produção independente por ordem do cliente usando a produção para estoque (MTS) ou o
processamento da ordem de produção.
 Necessidades independentes previstas
 Produção acionada por um plano de produção
 Produção para estoque – produção em dois níveis para subconjunto e peça final
 Uso de versões de produção
 Ampliação opcional: número de série para produto final
 Ampliação opcional: processamento externo
 Ampliação opcional: processamento de administração de lotes
 Referências aos cenários de suprimentos diferentes para matérias-primas

O produto manufaturado de forma anônima e entregue ao depósito trata-se de uma Produção para
estoque de produto acabado.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.7.3 Produção para estoque – Indústria de processo


O cenário Produção para estoque – Indústria de processo se concentra nos seguintes pontos:
 Produção independente da ordem do cliente usando a Produção para estoque (MTS) ou o
processamento da ordem do cliente.
 O planejamento MRP com necessidades independentes previstas oferece ordens planejadas de
produção e requisições de compra para matéria-prima.
 As ordens planejadas são convertidas em ordens do processo
 Os componentes são disponibilizados no local de chão-de-fábrica.
 Os componentes de administração de lotes são lançados imediatamente no início da produção,
os produtos finais e semi-acabados são produzidos com a administração de lotes.
 A baixa por explosão é usada para o material de embalagem (sem administração de lotes) na
confirmação do produto final.
 A confirmação da ordem de processo inicia o controle e a apropriação de custos da ordem.

 Criação de necessidades independentes previstas


O processo pode ser iniciado de dois pontos de partida diferentes:
o inicie com o SOP (Planejamento de vendas e operações) → vá para o cenário XXX (AOP
– SOP PLP) e XXX (Planejamento logístico) e inicie XXX (Produção para estoque –
Indústria de processo) com a segunda etapa: Planejamento de necessidades de
material (MRP)
o inicie criando as necessidades independentes manualmente → prossiga para XXX
(Produção em estoque – Indústria de processo) com a primeira etapa
Independentemente do ponto de partida escolhido,você terá como resultado as necessidades
independentes do material do cabeçalho da lista técnica, usadas como entrada para o planejamento
MRP.

 Planejamento de necessidades de material (MRP)


A execução diária do MRP gera elementos de reabastecimento em cada nível MRP. O sistema gera
automaticamente requisições de compra para peças compradas dentro do período inicial de 3 meses
da ordem planejada. O sistema usa ordens planejadas para implementar elementos de entrada, que
são também necessários.
Em geral, o sistema também cria ordens planejadas para peças produzidas internamente. Quando a
data inicial planejada é alcançada, essas ordens planejadas são convertidas em ordens de produção
pelo planejador de produção. Sendo assim, o sistema reserva todos os componentes necessários.
Os requisitos de capacidade foram criados para ordens planejadas e ordens de processo, permitindo
a avaliação da capacidade dos recursos necessários em cada nível. As programações da ordem
podem ser modificadas em caso de sobrecarga, necessitando que MRP seja executado novamente
para reprogramar as necessidades de materiais dependentes.
Alguns materiais (por exemplo, o lote de matéria-prima 3 (R30)) são planejados com base no
consumo. Como esses materiais não têm restrições de armazenamento devido à administração da
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

data do vencimento, é possível armazenar no depósito quantidades maiores desse material. As


ordens de reabastecimento são acionadas assim que um ponto de reabastecimento é alcançado.

 Produção para estoque de produtos acabados e semi-acabados


O planejador de produção converte as ordens planejadas com seleção da data de início. Considera-
se que a disponibilidade do material no centro esteja assegurada devido ao planejamento MRP
anterior. Os componentes são geralmente armazenados na unidade gerencial de depósito geral e
disponibilizados em nível de chão-de-fábrica conforme o necessário para a produção diária.
Para garantir a consistência dos dados (os componentes administrados em lotes, como os materiais
utilizados, são emitidos com o mesmo número de lote fisicamente usado), a saída de mercadorias
com referência à ordem é lançada no início da produção. A baixa por explosão pode ser usada para
componentes não administrados em lotes, como materiais de embalagem.
Ainda durante a produção do material semi-acabado, ele já terá sido enviado à próxima linha como
material de entrada para o produto acabado. Por isso, os registros da entrada de mercadorias já são
feitos para quantidades parciais, permitindo o seu consumo imediato para a próxima etapa de
produção, assegurando também o rastreamento do lote.
Quando a produção do produto semi-acabado estiver concluída, a soma da quantidade produzida (e
também de outras quantidades de refugo) será transferida para a confirmação do pedido final. Em
geral, apenas a última fase da operação é confirmada, dessa forma confirmando as fases de
operação anteriores por meio da confirmação por marcos. Apenas em caso de exceções como
refugo não planejado é que as fases de operação anteriores poderão ser confirmadas por etapas.
A confirmação final atualiza automaticamente o status da ordem de processo, iniciando em seguida o
controle da produção. A análise de desvio e a apropriação de custos da ordem podem ser realizadas
distintamente para cada ordem concluída ou como parte do encerramento do período, dependendo
das necessidades do sistema de relatórios.

2.7.4 Produção sob encomenda com configuração de variante


O cenário MTO – Processamento da ordem do cliente com configuração de variantes demonstra o
processamento da ordem do cliente com materiais contendo valores característicos pré-selecionados
(variantes de material) e componentes produzidos de acordo com as quantidades de vendas
planejadas para essas variantes. Se a configuração da ordem do cliente não estiver disponível como
variante do material, o atendimento ao cliente poderá configurar o material na ordem selecionando os
valores de característica necessários. Uma estimativa de custos da ordem do cliente é criada ao
gravar a ordem subseqüentemente usada para avaliar os custos das mercadorias vendidas.
O processo é acionado quando uma ordem do cliente para material configurável é recebida. A ordem
do cliente é reconhecida na execução do MRP, resultando em ordem planejada para produção do
material. Se o estoque em depósito for insuficiente, serão criadas requisições de compra para a
matéria-prima necessária.
Quando a ordem de produção é criada, são calculados custos teóricos para o tamanho do lote da
ordem (cálculo de custos preliminar). Durante o processo de produção, os custos incorridos são
atualizados na ordem, o que permite que você acompanhe e compare os custos teóricos e custos
reais a qualquer momento.
São aplicadas atividades de encerramento do período à ordem. Isso inclui cálculo do Andamento do
trabalho e da determinação de desvios. Em seguida, o andamento do trabalho é calculado para a
contabilidade financeira e as desvios de produção são calculados para administração e contabilidade
financeira. Os desvios de produção são calculados para demonstração de resultados com a ordem
do cliente como uma das características.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.7.5 Produção sob encomenda sem configuração de variantes


Este cenário descreve toda a seqüência de processos para um processo de vendas
normal (Produção sob encomenda) com um cliente. O processo empresarial engloba
todas as etapas, desde a cotação do cliente até a compensação de uma conta de cliente
após o recebimento do pagamento.
O processamento da cotação é a primeira etapa do processo de produção. O cenário é iniciado com
uma solicitação de cotação de entrada. Uma cotação é criada no sistema da SAP em resposta à
RFQ do cliente. O cliente solicita uma mudança na cotação e uma cotação subseqüente é criada.
Finalmente, o cliente aceita a segunda cotação e uma ordem do cliente de referência é criada. Uma
confirmação da ordem é enviada ao cliente e o processo de produção é iniciado. Neste momento, o
cliente solicita uma modificação técnica. Desse modo, a ordem do cliente e a lista de técnica são
recalculadas. O processo é finalizado com a entrega e faturamento das mercadorias produzidas.
O processo pode ser aprimorado individualmente com a execução de etapas adicionais, como
criação de número de série, subcontratação, administração de qualidade na produção, administração
de créditos e encerramento de centro e empresa.

2.7.6 Produção repetitiva


A produção repetitiva é usada normalmente quando um processo de produção atende aos seguintes
critérios: Produtos iguais ou similares são produzidos em um período de tempo prolongado. Os
produtos não são fabricados em lotes definidos individualmente. Em vez disso, a quantidade total é
produzida em um determinado período a uma determinada taxa por peça/período. Os produtos
fabricados sempre seguem a mesma seqüência através de máquinas e centros de trabalho na
produção. Os roteiros tendem a ser simples e não variam muito.

2.7.7 Subcontratação PP (Processamento externo)


Durante o processo de produção, quando uma “Ordem planejada” para produção é convertida em
uma “Ordem de produção”, o sistema verifica se há operações de centro de trabalho ou roteiro que
requeiram processamento externo. O processamento externo ocorre quando existem etapas de
produção individuais, que são operações ou suboperações executadas fora da empresa por um
fornecedor. Esse tipo de processamento é particularmente importante para a subcontratação. Ele
também pode fornecer à empresa uma alternativa viável ao processamento interno, se houver
gargalos de capacidade.
Quando uma ordem de produção é programada, operações externas devem ser levadas em conta. A
duração de uma operação externa é calculada utilizando o prazo de entrega planejado ou os valores
standard. O sistema automaticamente cria uma requisição de compra para a operação ou
suboperação que requer processamento externo. O supervisor de produção deve informar ao
comprador que ele deve verificar a carga de trabalho das requisições que requerem processamento
externo.
Quando os dados são atualizados para uma atividade externa, uma classe de custo é especificada. A
classe de custo determina como a atividade externa será avaliada. Uma operação ou suboperação
pode ou não ser processada externamente. Essa decisão deve ser tomada por meio de sua chave de
controle. É determinada na chave de controle se as operações processadas externamente são
programadas com base em seus valores standard ou no prazo de entrega planejado. Essas
informações são necessárias para liquidar operações e suboperações processadas externamente
que tenham sido marcadas como relevantes para custo nas chaves de controle.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

A compra não deve converter a requisição de compra até que o processamento externo seja
necessário. Isso ocorre porque qualquer modificação da quantidade na ordem de produção atualizará
a requisição automaticamente.
Após a criação do pedido, ele é impresso e enviado ao fornecedor. O pedido informa ao fornecedor
sobre o serviço necessário.
A saída da ordem de subcontratação pela impressora/EDI normalmente é executada pelo
departamento de compras (no padrão SAP). Durante o avanço do processo de produção do produto
acabado (sem relevância de estoque), não é possível ter uma disponibilização de material pelo
gerente do depósito por meio de uma nota de remessa ou de um movimento de mercadorias no
sistema standard.
Se for necessário ter uma nota de remessa além da ordem de subcontratação, o
comprador/planejador/programador criará um documento manual de expedição e fornecerá as
informações ao departamento de expedição sobre quais componentes devem ser coletados para
processamento externo e enviará os componentes ao fornecedor.
Outra alternativa (que não é parte deste cenário) é a personalização de um outro tipo de mensagem
com um formulário de saída especial somente para operações dentro da chave de controle de
operação para processamento externo em ordens de produção. No formulário de saída, na forma de
uma nota de remessa da operação processada externamente, é útil colocar o número do pedido e da
ordem de produção.
Quando o fornecedor concluir o processamento externo, o material será enviado de volta. O
encarregado do depósito receberá as mercadorias processadas externamente no depósito. O serviço
do fornecedor é refletido na ordem de produção por meio de uma confirmação da operação. O
pedido e a ordem de produção mostram a quantidade recebida.

2.7.8 Processamento posterior (Material manufaturado do


estoque)
Esse processo aborda atividades de processamento posterior e lançamentos de material após a
execução da produção do material original (incluindo a entrada de mercadorias do produto), com
mais uma ordem de produção de retrabalho.
Em uma transação comercial real, os problemas provenientes do material produzido são observados
após seu lançamento no inventário. Para a realização desse processo, há várias possibilidades:
Uma ordem de produção é criada após a execução de um lançamento de transferência de material
do produto original para um material restaurado dedicado. Depois, o material restaurado é usado
como componente e o produto volta a ser material original. A avaliação do material restaurado deve
refletir o valor do produto final menos os custos de retrabalho. Os custos são recolhidos na nova
ordem de produção e liquidados no controlling como desvios de produção. Além disso, o lançamento
financeiro acionado na transferência de material aborda os custos médios de retrabalho.
Como nem sempre a transferência de material é aceita, não a utilizaremos neste cenário.
Neste cenário, o processo restaurado do material manufaturado do estoque é executado com a
criação de uma nova ordem de produção, usando o material que deve ser restaurado como entrada e
obtendo o mesmo material como saída. Os custos são recolhidos na nova ordem de produção e
liquidados no controlling como desvios de produção. É atribuído o mesmo número de material ao
componente e ao produto de entrada.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

2.7.9 Processamento posterior (Material em processo)


Este cenário tem como foco o processamento posterior na produção. Todas as atividades de
processamento posterior necessárias estão relacionadas à ordem-mãe de produção. Por isso, os
erros são reconhecidos e as correções iniciadas como entrada de operação de processamento
posterior na mesma ordem de produção. A operação de retrabalho adicional é confirmada e liquidada
na ordem de produção original, causando desvios de produção no controlling e diferenças de preços
para o produto dedicado.

2.8 Logística geral/QM/PLM


2.8.1 Administração de lotes
Se o material foi administrado em lotes, talvez seja necessário modificar os dados mestre do lote ou
descobrir onde o lote foi usado, por exemplo, para executar uma retirada do lote ou relatório para o
governo.

2.8.2 Retirada do lote


Neste cenário, um lote com defeito é identificado e deve ser retirado de clientes e de clientes
potenciais que o receberam.
É executado um programa para identificar todos os clientes que receberam um lote com defeito. O
usuário, então, seleciona os endereços das pessoas de contato apropriadas e o sistema imprime
uma carta standard para cada cliente para informá-los da retirada. As atividades subseqüentes para
cada cliente são armazenadas no sistema. Se necessário, as devoluções também são entradas e
documentadas.
Para garantir que você contate todos os clientes afetados por um lote com defeito, é necessário
identificar se os lotes subseqüentes foram afetados pelo lote com defeito. Para isso, você pode usar
a função do sistema standard Batch where-used list descrita em detalhes na documentação standard
do SAP ERP. Este cenário faz retirada de um lote de um produto final ou atacadista. Assim você
pode simplesmente localizar todos os clientes que receberam esses produtos. Entretanto, um
fornecedor pode informar que uma matéria-prima, material semi-acabado, comercializável ou outro
material usado na produção, não atende às normas de qualidade. Nesse caso, é necessário
determinar o material final ou comercializável produzido com esses lotes com defeito.

2.8.3 Administração de qualidade para suprimento com


avaliação de fornecedores
Este cenário lida com atividades de controle de qualidade durante o processo de suprimento.
Um cliente solicita mercadorias do fornecedor especificado 300001. No recebimento das
mercadorias, é gerado um lote de controle de acordo com a especificação do material definido. Em
seguida, é tomada uma decisão quanto a aceitar ou recusar o material, com base no resultado do
controle (neste cenário, o material é rejeitado). Os processos subseqüentes, como notificação de
qualidade e avaliação do fornecedor, ocorrem.
Este cenário enfoca as seguintes atividades:
 Recebimento de mercadorias com base no pedido
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Entrada de defeitos do controle de qualidade


 Decisão de utilização após o controle
 Criação e fechamento da nota QM
 Devolução das mercadorias ao fornecedor e criação de devolução
 Processo de avaliação do fornecedor

2.8.4 Desenvolvimento de produtos internos (com PS)


Neste cenário, a empresa quer projetar um novo produto solicitado pelo departamento de marketing
interno em forma de uma especificação do produto. O departamento de design interno define uma
proposta de design para o novo produto.
Este cenário também apresenta a consolidação de administração de documentos no SAP ERP e
também o aplicativo SAP Easy Document Management.
A empresa usa a função de gerenciamento de projetos para coletar todos os custos e documentos
para o desenvolvimento do produto. O projeto fornece uma estrutura central para conjunto de custos
e administração da documentação.
O novo mestre de materiais e a lista técnica são criados no sistema back end. Mais tarde, o
departamento de planejamento da produção cria um roteiro como base para a produção e o cálculo
do produto.
Para verificar o nível de preço especificado no departamento de marketing para o novo produto, o
controlador de custos do produto calcula os custos do material usando a lista técnica e o roteiro. Uma
vez que o preço estimado excede o limite de preço especificado, um componente da lista técnica do
novo produto é permutado por um componente menos caro usando a administração de modificações.
O departamento de design gera um registro mestre de modificações de engenharia para coletar e
documentar todas as modificações, de acordo com o documento de especificação.
Adotando uma segunda execução de cálculo de custos (estimativa de custo), o preço atende ao
orçamento. Agora o status do desenvolvimento do novo produto pode ser definido atribuindo um nível
de revisão.
No fim do cenário, o departamento de design interno registra as atividades executadas durante o
projeto e finalmente conclui o projeto.
O fabricante cria uma lista técnica de produção ao copiar a lista técnica de engenharia (tipo de
utilização 2) para a lista técnica da produção (tipo de utilização 1).
 Administração de documentos (Easy Document Management)
o Atribuir um documento (KPR) aos mestres de material do produto final
 Gerenciamento de projetos
o Criar um projeto baseado em um modelo
 Administração dos dados do produto com ECM
o Criar um número de modificação para o projeto de desenvolvimento
o Exibir a lista técnica do novo produto
o Exibir novamente a lista técnica (efeitos do número da modificação)
o Administração de status da lista técnica
o Atribuir nível de revisão ao mestre de materiais do novo produto
 Controlling de custos do produto
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

o O cálculo de custos do material para o novo produto antes e depois das


modificações na lista técnica (os efeitos das modificações nos preços são exibidos)
o Cálculo do material
 Encerramento do projeto
o Registrar atividades de desenvolvimento (engenharia)

2.9 Serviço
2.9.1 Ordens de serviço para encerramento do período
Este cenário cobre os preparativos para o encerramento de ordens de serviço e ajuda você a
preparar e a executar as atividades necessárias.

2.9.2 Administração de viagens


O objetivo deste processo é fornecer uma administração completamente integrada de todas as
despesas de viagem incorridas – desde o estágio de planejamento/aprovação até o lançamento das
despesas de viagem na Contabilidade financeira e a alocação, de acordo com o motivo, na
Contabilidade de custos.

2.9.3 Manutenção interna


O cenário lida com a manutenção interna de um equipamento processada por um empregado.

2.9.4 Consultoria de transação de divisas à vista com


faturamento a preço fixo (194)
Este cenário empresarial aborda o compromisso da consultoria de transação de divisas à vista com
faturamento a preço fixo. A ordem do cliente é o ponto central do processo a medida que formaliza as
necessidades do cliente, coleta custos de trabalho e viagem e é usada como base para o
faturamento a preço fixo. Este cenário aplica-se geralmente a uma estipulação da consultoria de
curta duração onde o planejamento e execução de trabalho detalhados não são necessários.
O cenário começa com a criação de uma ordem do cliente.
Depois que os empregados envolvidos na estipulação da consultoria realizam seu trabalho, eles
registram as horas trabalhadas e o cálculo das despesas de viagem, considerando que a ordem do
cliente é o objeto de custo receptor. Finalmente, o cliente é cobrado em uma base de preço fixo.
Periodicamente, uma determinação dos resultados é executada na ordem do cliente e depois disso
os dados baseados em cálculos de custo são liquidados no CO-PA e FI.

2.9.5 Ordem de venda com preço fixo e faturamento baseado


em T&M
Este cenário empresarial aborda um ciclo de projeto desde a cotação até a conclusão onde uma
parte do faturamento é definida sobre um preço fixo base e a outra parte faturada é relacionada aos
recursos, ou seja, com base no trabalho real executado. O documento de vendas na forma de uma
ordem de vendas é o ponto central do processo e formaliza as necessidades do cliente, coleta custos
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

do trabalho e gera o faturamento baseado em tempo e material. Este cenário aplica-se geralmente a
um acordo da consultoria onde o detalhamento do planejamento e execução do trabalho não são
necessários.

2.9.6 Projeto com preço fixo e faturamento T&M


Este cenário empresarial aborda os processos empresariais comuns de uma empresa de desenho
industrial, consultoria ou serviços, que gerenciam projetos comerciais (um projeto comercial consiste
de uma estrutura de divisão de trabalho somente, ou seja, não exige as extensas capacidades
logísticas fornecidas por uma rede de projectos e actividades em rede).
O projeto é criado automaticamente a partir da ordem de venda usando um modelo de estrutura de projeto
pre-definido. O gerente do projeto termina a estrutura do projeto e atribui empregados a atividades
específicas com base em habilidades e disponibilidades. O faturamento é feito com base no preço fixo e
itens relacionados a recursos criados na ordem de vendas .

2.9.7 Projeto interno


Em qualquer empresa de serviços de assistência profissional, um tempo considerável é gasto com
trabalho interno, como proposta de trabalho, treinamento ou desenvolvimento de novas ofertas de
serviço. É desejável capturar tempo e despesas incorridos de tais tarefas com as mesmas
ferramentas usadas para o trabalho externo.
A configuração de códigos dos projetos internos pode ser diferente, já que uma ordem do cliente não
é obrigatória. A captura de dados deve seguir a mesma lógica que a dos trabalhos externos. O
tratamento subseqüente na contabilidade e no sistema de relatórios é diferente, mas deve resultar
em um quadro geral completo.
O processo aqui descrito abrange:
 Criação de código para coleta de custos
 Captura de custos (tempo, despesas, compras)
 Tarefas periódicas
 Encerramento do código para outros lançamentos

Faturamentos diversos de projetos internos para recuperação de custos indiretos também é possível,
mas não é abordado aqui.

2.9.8 Serviço com faturamento baseado em Tempo e Material


Ao documentar uma solicitação de cotação (RFQ) do cliente para serviços, é criada uma notificação
no sistema para documentar e classificar o trabalho necessário. Uma atividade opcional permite que
o responsável pelo serviço chame novamente o cliente para concluir as informações necessárias
para preparar a cotação.

A cotação é criada com referência à lista de serviços oferecidos pelo prestador de serviços. Isso é
representado por diversos produtos do serviço. Os preços oferecidos aos clientes pelos serviços
cotados são baseados em tempo e material. O processo de negociação conduz a modificações no
preço final. A cotação informativa final é enviada ao cliente para aprovação.

Se a cotação for recusada, o motivo da recusa será definido no documento de vendas para
prosseguir com o cancelamento e o processo será concluído. No caso de o cliente aceitar a cotação,
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

uma ordem do cliente é gerada e automaticamente é criada uma ordem de serviço. A ordem de
serviço conterá os recursos, o tempo e material incluídos nos serviços cotados.

A ordem do cliente é faturada uma ou mais vezes durante a execução dos serviços. O montante
faturado é determinado com base em tempo e material e o método de faturamento usado é o
faturamento por recursos relacionados. A receita real será determinada, nesse caso, pelo trabalho de
fato executado e pode ser diferente da estimativa de cotação.

Neste cenário, a liquidação na demonstração de resultados ocorre independentemente da ordem de


serviço (custos reais) e da ordem do cliente (receitas reais). A demonstração de resultados dos
serviços é executada no sistema de relatórios CO-PA.

Esta situação descreve o caso de serviços pequenos ou cotados (geralmente aqueles de acordo com
o catálogo de serviços) e que não precisam ser individualmente analisados em termos de lucro e
perda. Custos e receitas reais só correspondem no CO-PA e a análise ocorre em massa de acordo
com características como período, cliente, área de vendas, centro de custo do fornecedor, serviço ou
tipo de serviço fornecido, etc.

2.9.9 Contrato de serviços com faturamento periódico


Um prestador de serviço tem um contrato de serviço com um cliente.

O processo empresarial começa com uma notificação e uma ordem de serviço.

Os custos (taxa, peças de reposição e despesas de viagem) resultantes da ordem de serviço são
atribuídos à conta da ordem de serviço e faturadas ao cliente por Contrato com faturamento
periódico. Os serviços fornecidos são representados no contrato de vendas e na ordem do cliente por
unidades de serviço, portanto o serviço pode ser dividido e faturado em unidades distintas.

O preço da unidade de serviço não é calculado pelo sistema neste exemplo, mas atualizado
manualmente no contrato pelo prestador de serviços após negociação com o cliente.

Se necessário, as peças de reposição são solicitadas e compradas.

2.9.10 Serviço com faturamento a preço fixo


Ao documentar uma solicitação de cotação do cliente para serviços, é criada uma notificação no
sistema para documentar e classificar o trabalho necessário.

A cotação é criada com referência à lista de serviços oferecidos pelo prestador de serviços. Isso é
representado por diversos produtos do serviço. Os preços oferecidos ao cliente consideram preços
fixos para os serviços cotados. O processo de negociação conduz a modificações no preço final. A
cotação informativa final é enviada ao cliente para aprovação.

O cliente aceita a cotação, uma ordem do cliente é gerada e automaticamente e é criada uma ordem
de serviço. A ordem de serviço conterá os recursos, o tempo e material incluídos nos serviços
cotados.

A ordem do cliente é cobrada uma vez na entrega final dos serviços pelo montante total aceito na
cotação vinculada.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Neste cenário, a liquidação na demonstração de resultados ocorre independentemente da ordem de


serviço (custos reais) e da ordem do cliente (receitas reais). A demonstração de resultados dos
serviços é executada no sistema de relatórios CO-PA.

Esta situação descreve o caso de serviços pequenos ou cotados (geralmente aqueles de acordo com
o catálogo de serviços) e que não precisam ser individualmente analisados em termos de lucro e
perda. Custos e receitas reais só correspondem no CO-PA e a análise ocorre em massa de acordo
com características como período, cliente, área de vendas, centro de custo do fornecedor, serviço ou
tipo de serviço fornecido, etc.

2.9.11 Encerramento do período dos projetos


Este cenário cobre os preparativos para o encerramento de projetos e ajuda você a preparar e a
executar as atividades necessárias.

2.9.12 Suprimento externo de terceiros


O prestador de serviços precisa de um serviço de terceiros.
O processo empresarial começa com um pedido. É possível criar um pedido sem referência ou com
referência a uma requisição de compras.
A entrada de mercadorias é registrada com o fornecimento de entrada. A fatura é registrada com
referência ao pedido.

2.9.13 Serviços de suprimento externo


O prestador de serviços precisa de um serviço de terceiros.
O processo empresarial começa com um pedido. É possível criar um pedido sem referência ou com
referência a uma requisição de compras.
A entrada do serviço é registrada para confirmar o serviço prestado. A fatura é registrada com
referência ao pedido.

2.9.14 HCM / Registro de horas


A Folha de horas de trabalho (CATS) é a ferramenta usada para registrar as horas trabalhadas por
um empregado em uma determinada atribuição. O horário de trabalho pode ser registrado em uma
ordem do cliente, ordem interna, ordem de serviço ou projeto. Também é possível alternar para a
administração de viagens para reembolso e lançamento de despesas de viagem.

2.9.15 Serviços planejados


Um cliente assinou um contrato a longo prazo com seu prestador de serviços. O prestador de
serviços executa serviços freqüentemente. Geralmente, tais contratos são acordos de nível de
serviços entre o prestador de serviços e o cliente.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

O processo empresarial começa com um cliente que solicita serviços freqüentes ou permanentes de
um prestador de serviços. Então, um plano de manutenção é criado, subseqüentemente uma ordem
de serviço é gerada automaticamente e as peças necessárias são solicitadas.

Os custos (taxa, peças de reposição e despesas de viagem) resultantes da ordem de serviço são
entrados na ordem de serviço e faturados ao recurso utilizado pelo cliente, de acordo com o esforço
e as despesas correspondentes.

2.9.16 Reparo no terminal


Este cenário cobre o processamento de um caso de serviço desde o reporting inicial do problema
pelo cliente até o faturamento, quando as atividades do serviço são executadas no centro.
O processo empresarial começa quando um cliente reporta um problema por meio de uma lista de
notas. Um fornecedor de serviço cria uma nota de serviço no sistema. O número da nota de serviço
é usado como número de autorização de devolução de material (RMA) no restante do processo de
reparação. O fornecedor de serviços executa uma verificação de garantia na nota de serviço e cria
um contrato de serviços. O centro de prestação de serviços informa ao cliente que ele precisa
enviar a lista de notas para a central da prestação de serviços. O número da nota de serviço (RMA)
deve ser especificado nos documentos de expedição; senão a lista de notas será recusada pelo
centro de prestação de serviços. Se as peças de reposição necessárias não existirem no estoque,
deverão ser solicitadas. Uma ordem de reparação é criada da nota de serviço para que todo o
processo de reparação possa ser controlado e liquidado. Na ordem de reparação, a lista de notas
danificada é automaticamente atribuída pelos itens de devolução criados. Uma ordem de serviço é
automaticamente gerada por uma proposta de itens para permitir que os reparos sejam executados.
Depois que os reparos são executados, os custos (por taxas horárias e peças de reposição) são
confirmados para a ordem de serviço. A lista de notas reparada é entregue ao cliente e o status
final da reparação pode ser exibido. O centro de prestação de serviços cria uma solicitação de
faturamento. Isso é exibido na ordem de reparação como um outro item, e não é um documento
separado (diferentemente da solicitação de faturamento na operação de serviços on-site).
Subseqüentemente, a ordem de reparação é faturada. Periodicamente, custos e receitas incorridos
na ordem de serviço são liquidados para a ordem de reparação, onde podem ser avaliados.

2.10 Localização Brasil

Funcionalidades legais nesta versão SAP Best Practices:


 Cobertura de novas taxas (requerimentos específicos para a lei brasileira)
 ICMS, ICMS com exceções
 IPI , IPI com exceções
 Substituição Tributária, Substituição Tributária com exceções
 DIFAL
 MP135 / LC116 - (requerimentos específicos para a lei brasileira)
 ISS na ordem de compra e no processo de vendas
 ISS por item de serviço
 Imposto retido na fonte do PIS, COFINS, CSLL, IR e ISS
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) - Todos os processos de Logística são cobertos por este
requirimento Brasileiro
 NF-e Layout 2.0
 NF-e SCAN – SEFAZ Virtual
 Carta de Correção eletrônica (CC-e)
 TIPI – tabela NCM
 CFOP
 Gerenciamento de Serviços Externos
 CIAP cálculo automático da nova área de depreciação
 Plano de Contas de acordo com a lei Lei nº 11.638 (Padronização IFRS)
 PIS e Cofins na aquisição de Ativos Fixos
 Classes de Ativos Fixos – Intangível
 Ledger Fiscal e Ledger IFRS
 Relatórios Fiscais Brasileiros (veja a Documentação do Processo Empresarial 221)

2.11 Descrições e relatórios de geração de dados mestre


2.11.1 Descrições de geração de dados mestre
O SAP Best Practices Baseline Package abrange diversas descrições sobre como criar dados
mestre.
Essas descrições são:
 Criar contas e grupos de contas
 Criar ativos
 Atualização de segmentos e centro de lucro
 Atualização de áreas funcionais
 Criar centro de custo e grupos de centro de custo
 Atualizar hierarquia de centro de custo
 Criar classe de custo e grupo de classes de custo
 Criar coletor de custos
 Atualizar ciclos de rateio
 Criar custo standard para material individual
 Criar tipo/grupos de atividade
 Criar ordem interna
 Atualizar avaliação de fornecedores
 Criar mestre de fornecedores
 Criar registro info para compras
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Criar lista de opções de fornecimento


 Criar contrato de compra
 Criar mestre de clientes
 Criar condição de preço de venda
 Atualizar capacidade
 Criar centro de trabalho
 Atualizar hierarquia de centro de trabalho
 Criar recursos para indústria de processo
 Criar grupo de produtos
 Criar matéria-prima (ROH)
 Criar material de produto semi-acabado (HALB)
 Criar material de produto comercializável (HAWA)
 Criar material de produto acabado (FERT) (não configurável)
 Criar material de produto acabado (FERT) (configurável)
 Criar variante do material configurável
 Criar número da modificação de engenharia
 Criar versão de produção
 Atualizar extensão do centro do material
 Atualizar extensão do depósito do material
 Criar número de série/equipamento
 Atualizar extensão da organização de vendas do material
 Criar nova lista técnica
 Atualizar lista técnica - Link para material configurável
 Criar roteiro
 Criar lista de tarefas standard
 Atualizar programação de material por roteiro
 Criar receita mestre
 Anexar roteiro de variantes de material a roteiro de material pai
 Criar perfil de configuração
 Criar classificação de variante
 Carregar dependências da lista técnica
 Criar plano de estrutura de projeto standard (PEP)
 Criar rede standard
 Atualizar parâmetros de rede para pedido
 Criar condições de saída SD
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Criar condições de imposto SD


 Criar registro info para determinação do material
 Criar registro info para determinação de bonificação em mercadoria
 Atualizar catálogos – Criar grupos de códigos e códigos
 Atualizar catálogos – Criar conjuntos selecionados e códigos do conjunto selecionado
 Criar característica mestre de controle
 Atualizar especificação do material
 Criar classificação de lotes
 Atualizar extensões de mestre de materiais
 Criar empregado
 Criar representante de vendas
 Criar lista de tarefas
 Criar mestre de serviços
 Criar produto dos serviços
 Criar garantia
 Criar peça de reposição (DIEN)

2.11.2 Sistema de relatórios do SAP ERP


No SAP ERP diversos relatórios podem ser utilizados para monitorar e controlar os processos da
empresa. O SAP Best Practices se concentra nos seguintes relatórios:
Razão
 Documentos de lançamento periódico
 Extratos de conta do razão
 Balanço financeiro
 Balanço financeiro: comparação real/real
 Diário compacto de documentos
 Diário de partidas individuais
 Documentos de lançamento periódico
 Declaração recapitulativa
 Declaração prévia do IVA
 Plano de contas
Imobilizado
 Reporting do imobilizado por centro de custo
 Reporting do imobilizado por classe do imobilizado
 Inventários
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Movimentos do imobilizado
 Aquisições dos imobilizados
 Baixas do imobilizado
Contabilidade de classes de custo
 Documentos de contabilidade de custos: custos reais
 Ordens internas: relatório de dados mestre
Contabilidade de centros de custo
 Centros de custo: desvio real/planejado
 Intervalo: centros de custo
 Intervalo: classes de custo
 Centros de custo: síntese de planejamento
 Intervalo: compromissos/orçamento/real
 Centros de custo: tarifas do tipo de atividade
Ordens internas
 Ordens: partidas individuais reais
 Ordens: partidas individuais de compromisso
 Lista: ordens
 Ordens: desvio real/planejado
 Ordem: síntese de planejamento
 Lista: orçamento/real/compromissos
Cálculo de custos do produto
 Lista técnica multinível: valor / montante / status
 Elemento de custo
 Especificação do item
 Classes de custo
 Analisar/comparar cálculo de custo do material
 Analisar coletor de custos do produto
 Analisar pedido do produto
Demonstração de resultados
 Executar relatório
Sistema de informação
 Custos/receitas/despesas/recibos
 Custos/receitas reais
Relatórios Fiscais
 Livros Fiscais
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Histórico de Lançamentos – Livro Diário Oficial


Logística geral
 Lista MRP
 Exibir lista de requisições de compra
 Visão geral de estoques
 Monitor de entregas
Vendas e distribuição
 Lista de ordens do cliente
 Seleção de ordem do cliente
 Analisar ordens do cliente
 Partidas individuais de custos reais para documentos de vendas
 Lista de documentos de faturamento
 Liberar documentos de faturamento para contabilidade
 Documentos de vendas incompleto
 Documentos de vendas bloqueados para fornecimento
 Documentos SD incompletos
 Requisição de compra por classificação contábil
 Pedidos por classificação contábil
 Lista de cotações
 Cotações a expirar
 Cotações expiradas
 Cotações concluídas
 Síntese de crédito
 Clientes com dados de crédito em falta
 Notas de crédito
 Licença: documentos atribuídos
 Verificação do mestre de clientes relativo ao controle legal
 Ordens em atraso
 Monitor do suporte de vendas
 Devoluções
Suprimento e administração de materiais
 Análise geral: pedidos, contratos e programas de remessas, cotação
 Lista de notificações
 Análise do valor do pedido
 Pedido por material
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Pedido por fornecedor


 Pedido pelo número do documento
 Análise de grupo de compradores
 Liberar documentos de compras
 Atribuir e processar requisições de compras
 Lista de necessidades de armazenamento
 Monitorização do estoque de subcontratação para fornecedor
 Análise do fornecedor
 Ativação em massa de modificações planejadas para fornecedor
 Lista de documentos de material
 Exibir estoque em depósito do material
 Documentos contábeis para material
 Documentos de material com motivo do movimento
 Análise do lote
 Síntese de disponibilidades
 Análise do centro
 Análise do material
 Consignação e liquidação pipeline
 Conversão coletiva
Serviço
 Notas de serviço
 Ordens de serviço e manutenção
 Lista de equipamentos
 Análise de custos
 Síntese de datas da manutenção
Produção
 Sistema de informações de ordens de produção
 Sistema info de peças em falta
 Planejamento da capacidade
 Planejamento de capacidade a longo prazo
 Planejamento a longo prazo: lista MRP
 Modificar plano
 Avaliação de planejamento de grupo de produtos
 Seleção: desvio planejado/real
 Custos/receitas/despesas/recibos
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

 Desvio absoluto real/planejado/variação %


 Relatório sobre o andamento da ordem
 Exibir confirmação da ordem de produção

3 Abrangência das funções – Funções


O SAP Best Practices é a forma mais simples de configurar uma solução empresarial que forneça
possibilidade de escalamento ilimitada, as melhores funções existentes, integração completa e
colaboração simples para todos os negócios. Com o SAP Best Practices, você pode colher
rapidamente os benefícios empresariais e eliminar o maior número possível de riscos. Fornece os
benefícios combinados de uma solução eficiente e da experiência empresarial comprovada que
provém da colaboração entre a SAP e seus parceiros.
O SAP Best Practices Baseline Package (Brasil) transforma rapidamente o software da SAP em um
sistema produtivo que processa todas as necessidades específicas do negócio. Os cenários
empresariais pré-configurados ajudam a obter rapidamente benefícios empresariais sem uma
configuração detalhada. Use-os para avaliar sua solução empresarial específica e também para
implementar esta solução de forma a obter todos os seus benefícios mais rapidamente, com menos
esforço e com gastos mais reduzidos.
O SAP Best Practices pode ser utilizado por empresas de porte médio que necessitam de
implementação rápida, ou por grandes empresas que necessitam criar um modelo empresarial para
suas subsidiárias. Além disso, é de aplicação fácil às soluções de cliente existentes.
O SAP Best Practices foi desenvolvido para fácil utilização dos clientes. Nele estão incluídos três
componentes diferentes:
o Procedimento de implementação detalhado, por etapas, incluindo atividades automatizadas.
o Documentação amplamente reutilizável que pode ser usada por autodidatas, avaliação e
para treinamento da equipe de projetos e do usuário final.
o Definições pré-configuradas completas que fornecem tudo o que você necessita para
executar processos-chave integrados “prontos para serem usados” e de fácil instalação.
Toda a configuração está documentada, incluindo os processos empresariais pré-
configurados, a documentação do curso e as funções do usuário. Foi criado com tecnologia
de ponta para que possa ser adaptado de forma rápida e fácil.

3.1 Financials

3.1.1 Contabilidade financeira


O componente Contabilidade financeira suporta avaliação e sistema de relatórios do estoque,
conforme diferentes regulamentos.
O componente Ledger de materiais permite executar valores do estoque em mais duas
moedas/avaliações. Portanto, todos os movimentos de mercadorias no Ledger de materiais podem
ser executados em três moedas ou avaliações, no máximo. Os montantes em moeda são
convertidos em moedas estrangeiras com taxas de câmbio históricas no momento do lançamento.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

O cálculo de custo real suporta a determinação de custos reais (em comparação com os custos
standard) para materiais externos e materiais produzidos internamente. Pode ser usado para avaliar
estoques de material, assim como matérias-primas, produtos semi-acabados e produtos finais.
As seguintes metas e objetivos empresariais podem ser alcançados através da implementação dos
processos abaixo:
 Uma redução nos custos operacionais e um aumento do rendimento.
 Uma redução na administração e uma melhoria nos processos empresariais

3.1.1.1 Razão
Esta função fornece um quadro abrangente de contas e contabilidade financeira. Ela registra todas
as transações comerciais (registros principais, bem como liquidações da contabilidade interna) em
um sistema de software completamente integrado a todas as outras áreas operacionais de uma
empresa para assegurar que os dados contábeis estejam sempre completos e exatos.

3.1.1.2 Contabilidade de clientes


Registra e administra dados contábeis do cliente pelo componente Contabilidade de clientes (AR). A
função conecta o AR diretamente ao Razão através de uma conta de conciliação especial.

3.1.1.3 Contabilidade de fornecedores


Registra e administra dados contábeis do fornecedor pelo componente Contabilidade de
fornecedores (AP). A função conecta o AP diretamente ao Razão através de uma conta de
conciliação especial.

3.1.1.4 Contabilidade de imobilizados


Atualiza e analisa imobilizados de acordo com regras geralmente aceitas no país da empresa.
Fornece modelos do país com o sistema.

3.1.1.5 Contabilidade de estoques


Suporta avaliação e sistema de relatórios de estoque de acordo com diferentes regulamentações.
Transporta valores de estoque em outras duas moedas/avaliações pelo componente Ledger. Executa
todos os movimentos de mercadorias no Ledger de materiais em até três moedas ou avaliações. Os
montantes em moeda são convertidos em moedas estrangeiras com taxas de câmbio históricas no
momento do lançamento. Suporta determinação de custos reais (em comparação com os custos
standard) para materiais supridos externamente e materiais produzidos internamente. Avalia
estoques de material, assim como matérias-primas, produtos semi-acabados e produtos finais.

3.1.1.6 Contabilidade tributária


Suporta o cálculo e sistema de relatórios de IVA e imposto retido na fonte.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.1.1.7 Balanços financeiros


Como parte do encerramento do exercício ou do período, as empresas individuais criam balanços
financeiros de acordo com os regulamentos específicos do país.

3.1.2 Contabilidade interna


O componente Contabilidade interna fornece avaliação e registro de dados financeiros como base
para todos os relatórios relacionados a custos e receitas.
As seguintes metas e objetivos empresariais podem ser alcançados através da implementação dos
processos abaixo:
 Um aumento nas receitas
o Maximização do rendimento pelo cliente
 Uma redução de custos operacionais e um aumento do rendimento
o Uma redução no custo de produtos vendidos (CPV)
o Uma melhoria na visibilidade do estoque

3.1.2.1 Contabilidade de ordens internas e centro de


custo
Registra os custos incorridos durante as atividades da empresa atribuindo-os a centros de custo
(atribuídos a administradores ou a unidades organizacionais). Planeja, registra e analisa os custos
relacionados ao plano. Usa ordens internas para planejar, coletar e liquidar custos de serviços
individuais e tarefas. Monitora ordens internas em todo o seu ciclo de vida usando o sistema da SAP,
desde a criação inicial, passando pelo planejamento e lançamento de custos reais até a liquidação e
arquivamento final.

3.1.2.2 Contabilidade de projetos


Monitora o planejamento preciso de atividades detalhadas envolvidas em planejamento de larga
escala como, por exemplo, construir uma fábrica, e projetos de pequena escala, como organizar uma
feira de negócios. Ajuda o gerente de projeto a garantir que o projeto seja executado eficientemente,
na data prevista e dentro do orçamento – o que é alcançado garantindo que os recursos e fundos
necessários estejam disponíveis quando necessário.

3.1.2.3 Cálculo de custos de produtos


Ajuda uma empresa a conhecer os custos incorridos de seus produtos para administrar com sucesso
o portfólio do produto. Calcula os custos de produção (csts.prod.) ou os custos de produtos vendidos
(CPV) divididos por etapa do processo de produção. Também usa informações de custo coletadas
sobre o produto automaticamente em outros aplicativos da SAP.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.1.2.4 Controlling de vendas e resultados


Registra custos e receitas por segmento de mercado, que pode ser produto e grupos de produto,
clientes e grupos de clientes, ordens ou qualquer combinação dos anteriores ou unidades
estratégicas de negócio, como organizações de vendas ou divisões, para calcular a contribuição
marginal de cada segmento de mercado.

3.1.2.5 Determinação do preço interno


Administra preços internos, que oferecem suporte a organizações que dividem tarefas entre unidades
organizacionais diferentes, avaliando fornecimentos e serviços de permuta entre essas unidades.
Auxilia corporações particularmente grandes, geralmente divididas em diversos setores de atividades
ou empresas operacionais independentes que permutam grandes quantidades de mercadorias e
serviços entre elas. Também permite que os preços internos sejam usados para controle de unidades
corporativas, à medida que o setor de trabalho entre unidades operacionais aumenta
internacionalmente, as cadeias de valor agregado se tornam mais complexas e as responsabilidades
mais descentralizadas. Avalia a permuta de fornecimentos e serviços usando preços internos para
influenciar significativamente o sucesso real das divisões corporativas ou dos centros de lucro. Ajuda
os sistemas contábeis atuais a dar suporte a decisões que representam resultados operacionais de
diferentes pontos de vista, usando diferentes moedas.

3.2 Funções analíticas


O aplicativo SAP™ ERP é uma solução completa, integrada, para funções analíticas e de business
intelligence, incluindo gestão empresarial estratégica e funções analíticas financeiras, operacionais e
de pessoal. Ele permite que as empresas entendam claramente os drivers de lucro da empresa,
vinculem planos estratégicos ao desempenho operacional e ofereçam suporte a uma plataforma
analítica única para a empresa.

As principais funções incluem:

 As funções analíticas financeiras permitem definir alvos financeiros, desenvolver um plano de


negócios realista e monitorar custos e receitas durante a execução.
 As funções analíticas operacionais permitem compilar relatórios operacionais detalhados e
oferecer suporte ao processo decisório operacional informado.
 As funções analíticas de pessoal oferecem suporte ao desenvolvimento de políticas e
processo decisório da solução Human Capital Management.

3.2.1 Funções analíticas operacionais


O SAP ERP fornece funções analíticas operacionais que facilitam a compilação de relatórios
operacionais detalhados e oferecem suporte ao processo decisório operacional informado –
fornecendo à administração e aos empregados as informações que precisam para ampliar o insight
dos processos empresariais. Além disso, o planejamento de vendas pode permitir que as
organizações criem um quadro completo de toda a cadeia de suprimento, incluindo o impacto das
vendas nas operações.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.2.1.1 Planejamento de vendas


Planejamento de vendas é um aplicativo de planejamento para converter alvos empresariais em
estratégias concretas e coordenadas de marketing, vendas e serviços. Este aplicativo tem como
base um processo de planejamento de vendas top-down e bottom-up, ajudando a transformar a
visibilidade resultante em um processo decisório e de lucratividade aprimorado.

3.2.1.2 Funções analíticas de suprimento


Monitora operações de compra (por exemplo, quantas mercadorias foram recebidas para pedidos no
ultimo mês) usando diversos relatórios standard e análises e facilita a análise detalhada das
atividades de compras e dos processos de suprimento que ocorrem na empresa (por exemplo,
classificação dos fornecedores de acordo com os valores de compra).

3.2.1.3 Funções analíticas de administração de estoque e


depósito
O controlling de estoques fornece diferentes análises e relatórios standard e informa a situação real
do estoque de acordo com critérios baseados em quantidade e valores. Outros relatórios estão
disponíveis para monitoração periódica de características.

3.2.1.4 Funções analíticas de produção


Fornece diversas análises e relatórios standard para visualizar informações relacionadas à produção.

3.2.1.5 Funções analíticas de vendas


Permite que os vendedores entendam de forma rápida e fácil o status real e a eficiência global da
organização de vendas. Ajuda a obter os dados necessários para abordar de modo proativo as
tendências e medir o sucesso e as insuficiências de receita.

3.2.1.6 Funções analíticas de atendimento ao cliente


Fornece às organizações uma visão abrangente dos gráficos principais de todos os cenários
relacionados a serviço.

3.2.2 Fornecimento de serviços ao usuário final: funções da


SAP
O Fornecimento de serviços ao usuário final do SAP ERP permite o fornecimento de serviços ERP
com conteúdo empresarial para toda a organização e mais a custos reduzidos. Oferece aos usuários
finais diversas opções para acessar os serviços ERP de acordo com a situação, preferências e
contexto empresarial. Padronizando e automatizando processos empresariais, as empresas podem
implementar estratégias de serviço compartilhadas eficientes, estabelecer excelência de serviço e
promover inovação e crescimento.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

O SAP Best Practices fornece diversas funções predefinidas a serem usadas no SAP Netweaver
Business Client (NWBC) para garantir aos usuários finais um acesso eficiente ao sistema. Essas
funções podem ser usadas como fornecidas ou adaptadas às necessidades específicas da empresa.

3.3 Human Capital Management


Para atender às demandas da economia atual baseada em conhecimento, as empresas devem
maximizar o potencial e a produtividade de seus empregados. A maximização do capital humano é
crucial para o sucesso da empresa. .

3.3.1 Administração de empregado


Oferece recursos avançados para Administração de empregado, por exemplo, transferências ou
modificação de status do empregado. Fornece o repositório central para os dados do empregado na
solução SAP ERP HCM; os dados armazenados aqui são usados nessa solução. Integra totalmente
as informações de Administração de pessoal a outros aplicativos empresariais da SAP,
principalmente Financials e Logística.

3.3.2 Horas e presença


Otimiza os processos de planejamento, administração e avaliação de horários de trabalho e
atividades de empregados internos e externos pelos recursos de gerenciamento de tempos da
solução SAP ERP HCM. Fornece interfaces intuitivas, orientadas ao usuário, que oferecem suporte
ao gerenciamento centralizado e descentralizado de tempos.

3.4 Execução de suprimento e logística


Com a solução SAP ERP Operations, você pode gerenciar logística ponta a ponta para ciclos
empresariais completos. A solução permite uma ampla diversidade de atividades, desde requisições
self-service a processamento flexível de pagamentos, incluindo gerenciamento de fluxos de
materiais.

3.4.1 Suprimento
Suprimento – SAP ERP oferece suporte não apenas aos processos tradicionais como requisições,
administração de pedidos e verificação de faturas como também, a requisições de self-service
baseadas em catálogo para materiais e serviços MRO. A integração de catálogos foi ampliada para
operações de atualização e gerenciamento de projetos.

3.4.1.1 Requisições
Uma requisição de compra é uma solicitação ou instrução ao setor de compras para suprir certa
quantidade de materiais ou um serviço disponível em determinado momento.
Criação manual de carrinhos de compras
Habilita os funcionários a criar e administrar as próprias requisições de produtos ou serviços. Alivia o
departamento de compras da carga administrativa tornando o processo de suprimento mais rápido e
mais responsivo. O fornecimento de catálogos com os materiais solicitados com mais freqüência
assegura que os empregados possam administrar mais facilmente seus pedidos de acordo com as
regras da organização.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Quando o empregado encher o carrinho de compras, ele pode efetuar um pedido imediatamente ou
suspendê-lo para conclusão subseqüente. Os usuários podem verificar o status das compras em
qualquer momento na exibição gráfica.
Aprovação
Quando um carrinho de compras é liberado para gestão do pedido, o sistema verifica se é necessária
uma aprovação. Se o carrinho de compras precisar ser aprovado por um ou mais gerentes, por
exemplo, por ultrapassar certo valor, o sistema o enviará automaticamente para a caixa de entrada
respectiva.

3.4.1.2 Processamento de requisição de compras


O departamento de compras trabalha com a requisição de compras, decide se a solicitação dos
produtos pode ser coberta a partir do estoque ou se deve ser suprida externamente considerando
questões de otimização.

Fonte de atribuição de suprimento


 Conversão de demanda em pedidos
As requisições criadas e liberadas para suprimento (por exemplo, demandas de peças de reposição
vindas da manutenção, demandas de matéria-prima determinada em uma execução de planejamento
ou solicitações de material de escritório entradas por um funcionário) são transferidas para compras
como requisições de compras. Elas são apresentadas ao comprador em listas de trabalho
compatíveis com ele na conversão de requisições em pedidos. Os procedimentos de liberação estão
disponíveis para controle de processos de suprimento importantes.
.

3.4.1.3 Processamento do pedido


Quando um pedido é criado, diversas verificações e validações asseguram que o contrato certo,
desconto, preço, etc., sejam referenciados corretamente. O processamento do pedido também trata
da comunicação entre o pedido e o fornecedor.
Quando um pedido é criado, diversas verificações e validações asseguram que o contrato certo,
desconto, preço, etc., sejam referenciados corretamente.

3.4.1.4 Entrada de mercadorias


A entrada de mercadorias aborda a expedição real de mercadorias ou a execução dos serviços por
um fornecedor, o registro da entrada de mercadorias ou entrada do serviço no sistema e com as
atividades subseqüentes correspondentes, por exemplo, tratamento de devoluções.

 Entrada de mercadorias
A confirmação da quantidade recebida é criada centralmente e constitui a base do fluxo de
informações dos departamentos de planejamento e compras. Esses departamentos podem
considerar o novo estoque ou a situação da necessidade e visualizar a entrada no histórico de
ordens. Se a entrada for relevante para a administração do depósito, a confirmação da entrada será
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

vinculada ao processamento físico da entrada. A confirmação da entrada aciona automaticamente a


avaliação do material e a criação de documentos para a contabilidade. Também serão criados
documentos para o controlling, se for necessário.

 Tratamento de devoluções
Se as mercadorias fornecidas estiverem com defeito ou danificadas, você pode retornar toda a
quantidade ou quantidade parcial ao fornecedor. Se existir uma confirmação, você poderá retornar
peças de item ou todo o item ao fornecedor.

3.4.2 Administração de estoques e depósitos


Os processos na área da administração de estoque abordam o registro e rastreamento de materiais,
com base no valor e na quantidade. Isto inclui o planejamento, a entrada e a documentação dos
movimentos de estoque, bem como entradas de mercadorias, saídas de mercadorias, transferências
de estoque e os lançamentos de transferências, assim como o desempenho do inventário físico
(stocktaking). Os processos da administração de depósitos abrangem os movimentos internos do
depósito e a armazenagem de materiais.

3.4.2.1 Armazenamento
Processa movimentos internos de depósito e armazenamento de materiais.

Administração de estoques
Administra os estoques de uma empresa em quantidades e valores. Está integrado na contabilidade
da cadeia de suprimentos e é responsável pelas entradas e saídas de mercadorias e pela
administração de diferentes categorias de estoque (disponível, bloqueado, em garantia de qualidade,
etc.) e de estoques especiais (incluindo estoque em consignação, estoque para projeto, etc.).
Permite uma visão resumida dos estoques na cadeia de suprimentos.

Abastecimento da produção
O abastecimento de material de armazenamento na produção pode ser tratado pela Administração
de depósito do SAP. O picking de ordens de serviço é suportado por estratégias avançadas e
combinado com gerenciamento de unidades comerciais. É possível embalar uma ordem de serviço
específica.

Administração de estoques e depósitos


 Números de série
 Administração de lotes: Inclui administração de lotes e determinação de lote para picking
de fornecimento, abastecimento da produção ou processos internos de depósito.

3.4.2.2 Inventário físico


Administra o inventário físico para os estoques da sua organização ou para estoques especiais no
depósito.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

Fase de planejamento do inventário físico


O processo do inventário físico pode planejar quais materiais devem ser contados, em qual depósito
e em que data. Os estoques podem ser bloqueados para o movimento de mercadorias antes do
início da contagem, medição e pesagem.

Fase de contagem do inventário físico


Depois da entrada dos resultados, você pode monitorar as diferenças e acionar uma recontagem, se
for necessário. Se você lançar diferenças de quantidade para seus locais, uma atualização da
avaliação de material e da contabilidade financeira será automaticamente acionada.

Monitorização de atividades do inventário físico


Estão disponíveis funções detalhadas para monitorar a conclusão do inventário físico, o status de
atividades de inventário físico completo e pendente e os resultados das atividades do inventário físico
histórico. Você pode controlar as atividades no nível do material ou do local.

3.4.3 Logística de entrada e de saída


O processo de entrada compreende todas as etapas do processo de suprimento externo que
ocorrem quando a mercadoria é recebida; o processo de saída abrange as atividades necessárias
para a preparação e expedição da mercadoria para o seu destino.

3.4.3.1 Processamento de entrada


Entrada de mercadorias
A entrada de mercadorias é uma atividade subseqüente de um pedido. Constitui a base para a
atualização dos registros financeiros e de inventário e pode acionar os processos da administração
de depósitos e da administração de qualidade.

Com o sistema da administração de depósitos, você pode controlar os processos de entrada e saída
de mercadorias em um nível físico. As entradas de mercadorias podem ser realizadas a partir do
pedido, dos recebimentos (avisos de entrega), dos pedidos de transferência de estoque ou das
ordens de produção. A entrada de mercadorias dá início ao processo de entrada em depósito, o qual
é suportado por diversas estratégias avançadas.

Determinação de demandas externas


Determina os dados com a descrição de uma demanda para um material suprido externamente.
Esses dados incluem a quantidade necessária, a data de liberação para o fornecedor da demanda e
a data da entrada de mercadorias para a entrega e o local para o qual o material deve ser enviado.

Aviso de entrega
Vem do fornecedor e contém o material, a quantidade e data de entrega exata referente ao pedido.
Este documento passa a ser o Recebimento na entrada de mercadorias

3.4.3.2 Processamento de saída


Saída de mercadorias
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

A entrega constitui a base para o registro de saída de mercadorias. Os dados necessários para o
registro da saída de mercadorias são copiados do documento de entrega para o documento da saída
de mercadorias. Quando você registra a saída de mercadorias para uma entrega, são executadas as
seguintes funções, com base no documento da saída de mercadorias:
 O estoque em depósito é reduzido pela quantidade da remessa.

 As modificações de valor são lançadas na conta do balanço na contabilidade de estoques.

 As necessidades são reduzidas pela quantidade da remessa.

 O status do número de série é atualizado.

 O registro de saída de mercadorias é gravado automaticamente no fluxo de documentos.

 A determinação do estoque é executada para o estoque em consignação do fornecedor.

 É gerada uma lista de trabalho para a confirmação de recebimento da remessa.


Depois de o registro da saída de mercadorias ter sido lançado para uma entrega, o escopo para
modificação do documento da remessa se torna muito limitado. Isto evita qualquer discrepância entre
o documento da saída de mercadorias e a entrega.

Processamento e distribuição da remessa


Controla o cumprimento real de ordens do cliente e pedidos, assim como dos pedidos de
transferência de estoque. A execução de tarefas logísticas é tratada aqui. No processamento da
remessa, as mercadorias são enviadas e os documentos relevantes são impressos. As necessidades
de vendas podem ser distribuídas em locais alternativos. O fornecimento pode ser enviado para o
cliente diretamente dos locais de cumprimento (mais de um fornecimento), ou a consolidação pode
ocorrer em um local antes que uma remessa completa seja transportada para o cliente final.

3.5 Processo de produção


Com a solução SAP ERP Operations você pode administrar engenharia e design, criar dados de
produto relevantes e planejar e executar operações de produção. A solução permite conectividade
com os sistemas de produção, conformidade às exigências de qualidade e aos regulamentos e
padrões relevantes.

3.5.1 Planejamento da produção


O SAP ERP usa técnicas MRP para criar planos de produção irrestritos em forma de ordens de
produção ou ordens planejadas.

3.5.2 Execução da produção


Compatível com o processo de capturar informações de produção atuais de chão-de-fábrica para
oferecer suporte ao controle de produção e processos de cálculo de custos.

Produção sob encomenda


Oferece suporte a planejamento e produção específicas da ordem do cliente e seu setor
correspondente. Suporta processos de montagem para produtos (não) configuráveis em um
ambiente de produção repetitivo ou a produção de produtos (não) configurados com ordens de
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

produção. Para ambos os processos, a visibilidade da ordem do cliente é importante. Isso é


alcançado com o uso de alertas dinâmicos e estruturas de pegging durante planejamento e
execução.

Produção repetitiva
É um sistema de controle da produção enxuta, baseado em taxa. Com base na produção e nas
linhas de montagem, o tempo do ciclo de trabalho é usado para programação. Um otimizador e
heurística estão disponíveis para planejamento de mix de modelos e balanceamento da linha.
Entrada e saída contínuas são consideradas durante a programação. A produção é executada sem
ordens para execução de quantidades de programação e versões de produto. Baixa por explosão de
trabalho e material em pontos do sistema de relatórios oferece suporte ao processo de execução
enxuto.

Produção por processos


Oferece suporte ao centro como uma instalação de vários processos. Administração de recurso e
receitas constitui a base para o planejamento e seqüenciamento de lotes ou lotes de produção. O
solucionador programa a seqüência da ordem do processo para evitar custos como limpeza ou
conversão. Isso pode ser alcançado com campanhas de produção, planejamento de blocos ou
programação detalhada com foco em recursos críticos. As ordens de processo são usadas para
programação, execução e cálculo de custos. A coordenação do processo coordena a troca de dados
entre o sistema de execução da SAP e os sistemas de controle do processo conectados. Esses
processos podem ser documentados e avaliados. A integração contínua com a administração de
qualidade garante o controle e a estabilidade do processo.

Administração de lotes
A administração de lotes atende às necessidades de administração e rastreamento de lotes ou lotes
de produção em todo o processo de produção. Em diversos setores industriais, especificamente na
indústria de processo, você terá de trabalhar com quantidades parciais homogêneas de um material
ou produto ao longo de toda a quantidade e cadeia de criação de valor. No sistema da SAP, um lote é
a quantidade ou a quantidade parcial de um determinado material ou produto produzido segundo a
mesma receita. Há diversos motivos para isto:
 Disposições legais, por exemplo, regras sobre a prática de produção de mercadorias (GMP)
ou regulamentos sobre substâncias perigosas.
 Rastreamento de defeitos, atividades de retirada e necessidade de recurso.
 A necessidade de uma administração de lotes diferenciada baseada em quantidades e em
valores, por exemplo, por meio das quantidades de resultado/rendimento heterogêneas ou
componentes desiguais na produção.
 Diferenças de utilização e respectiva monitorização no planejamento de material, vendas e
distribuição e produção.
 Necessidades técnicas ou de produção, por exemplo, cálculos da quantidade de material
com base em diferentes especificações do lote.

3.5.2.1 Administração de documentos


SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

SAP Easy Document Management


Permite o uso de administração de documentos como uma unidade virtual no Microsoft® Explorer
(por exemplo, usando a função arrastar e soltar para verificar entrada e saída de documentos). Você
também pode verificar entrada e saída de documentos diretamente de todas as aplicações do Office,
pesquisar documentos e adicioná-los a uma lista de trabalho, atualizar dados de classificação e criar
links de objetos.

3.6 Vendas e serviços


A área de vendas e serviços é dirigida ao cliente, centrando-se em processos como a venda de
produtos e serviços e fornecendo serviços de comércio de peças de reposição. Permite que as
organizações de vendas administrem o ciclo de vendas, vendas e ordens de serviço e as atividades
subseqüentes.

3.6.1 Gerenciamento da ordem do cliente


Fornece recursos que as empresas podem usar para criar solicitações e cotações, adquirir e entrar
ordens, configurar produtos, determinar preços, verificar a disponibilidade do produto, rastrear,
administrar e faturar ordens.

3.6.1.1 Processamento de contas


Permite que as empresas ofereçam uma visão detalhada sobre clientes e clientes potenciais.
Captura, monitora e rastreia informações como dados mestre e uma síntese dos relacionamentos
fundamentais.

3.6.1.2 Processamento de cotações


Permite criar e processar ordens, incluindo ordem de determinação de preço e programação para
cumprimento. O SAP ERP suporta muitas variantes de processo, por exemplo:

 Envio sob encomenda


 Produção sob encomenda
 Embalagens retornáveis (paletes)
 Processamento de lote
 Processamento de número de série
 Processamento de fornecimento terceirizado
 Tratamento de reclamações
 Devoluções
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.6.1.3 Processamento da ordem do cliente


Os recursos de administração de ordens permitem que os representantes de vendas configurem,
determinem preços e criem facilmente ordens para os clientes. Além disso, a administração de
ordens fornece a capacidade de executar a determinação e a substituição do produto, expandir
produtos estruturados em uma transação contábil para executar determinação de preço, verificações
de disponibilidade, transferindo as necessidades para a produção ou compras, para o produto de
cabeçalho ou para os componentes do produto e executar verificações de dados incompletos.

3.6.1.4 Processamento do contrato


Contratos em quantidade
Monitora contratos de uma determinada quantidade de produtos solicitada por um cliente durante um
período especificado. Abrange as seguintes funções:
 Criar contrato básico (contrato por quantidade)
 Criar requisição de compra
 Atribuir requisição e criar pedido
 Aprovação de pedidos
 Monitorização do contrato
 Entrada de mercadorias
 Entrada de faturas por partida individual
 Saída de pagamento

3.6.1.5 Faturamento
É a etapa final de processamento de uma transação empresarial em vendas e distribuição. As
informações sobre faturamento estão disponíveis em cada etapa do processamento da ordem e da
remessa.

Os documentos de faturamento como as faturas e notas de crédito ou débito só podem ser criados
com base na informação da ordem ou com base na informação da ordem e da remessa, em que a
quantidade a ser faturada é derivada da nota de remessa.

Durante o processamento da fatura, você cria, modifica e elimina os documentos de faturamento


como as faturas, notas de crédito e notas de débito. O cálculo flexível da liquidação ampliada de
bônus está integrado.

A integração com a contabilidade financeira consiste em encaminhar dados de faturamento em


faturas, notas de crédito e débito para a contabilidade financeira. O sistema registra lançamentos de
contrapartida nas contas adequadas (com a ajuda da classificação contábil e verifica se o FI
consegue reconhecer todos os documentos de faturamento que pertencem a uma transação contábil
(por exemplo, uma nota de crédito para uma fatura). A integração com o controlling consiste na
atribuição de custos e receitas aos livros auxiliares adequados.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.6.1.6 Administrar embalagens retornáveis


Embalagens retornáveis são compostas por materiais que estão armazenados na unidade gerencial
do cliente, mas que permanecem como propriedade do vendedor. O cliente só terá de pagar pela
embalagem retornável, se não a devolver dentro de um prazo específico.

3.6.1.7 Consignação
As mercadorias em consignação são mercadorias pertencentes à sua empresa, no entanto, são
armazenadas na unidade gerencial do cliente. Os clientes armazenam as mercadorias em
consignação em seus próprios depósitos. Eles não são obrigados a pagar por esta mercadoria
enquanto ela não for retirada do estoque em consignação. O cliente normalmente pode devolver as
mercadorias em consignação que não são necessárias.

3.6.1.8 Gestão de contratos de serviço


Crie e administre contratos de serviço com programas de faturamento relacionados, acordos e
condições de preço. Os contratos de serviço podem ser referenciados em processos de serviço
subseqüentes. Os planos de serviço permitem estratégias preventivas de manutenção contratual,
baseadas em tempo e desempenho.

3.6.1.9 Atendimento e suporte ao cliente


Gerenciar serviço de entrada, oferecer suporte a solicitações e identificar clientes com sua base
respectiva instalada. Com base nessas informações, garantias relevantes e contratos de serviço são
identificados. Tarefas para resolver questões de serviço podem ser planejadas com os recursos
necessários de trabalho e peças de reposição.
O processamento de devoluções determina, rastreia e credita devoluções de produtos dentro de um
serviço, incluindo a verificação de garantia da abrangência das funções, reconhecimento do motivo
da devolução e verificações de quantidade.
Documentos de faturamento como faturas, notas de débito ou crédito, podem ser criados com bases
em serviços prestados e/ou recursos consumidos.

3.6.1.10 Gerenciamento de reclamações e garantia


O Processamento da solicitação de garantia atende às necessidades de fabricantes, importadores ou
fornecedores de produtos complexos e seus fornecedores. Esse processamento oferece uma
solução que pode lidar com um grande número de solicitações de garantia e, quando possível,
automaticamente. Somente as reclamações que produzem resultados negativos nas verificações
automáticas são incluídas no processamento manual.
Registro de produto e garantia: Você pode criar garantias e atribuir objetos técnicos a essas
garantias.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.6.2 Fornecimento de serviços profissionais


Fornece um conjunto de qualificações projetadas para venda, planejamento, fornecimento e
faturamento de serviços baseados em projetos. Os projetos devem ser criados, estruturados e
atribuídos com os recursos apropriados, serviços complexos são fornecidos e os projetos associados
devem ser executados em um período determinado, com qualidade satisfatória e conforme os acordo
contratuais. Modificações na cronologia do projeto, escopo e pessoal devem ser administradas. Um
controle de projeto integrado é o suporte para muitos outros cenários. Os processos de
processamento da ordem acompanham o fornecimento dos serviços: Os contratos devem ser
definidos conforme os acordos com o cliente, as horas e despesas são registradas, calculadas e
faturadas ao cliente de diversas maneiras.

3.6.2.1 Processamento de cotações


Com esse processo empresarial você pode assegurar a seus parceiros de negócios que você
entregará uma determinada quantidade e configuração do produto em um horário e preço
específicos. Durante o processamento da ordem do cliente, o empregado de vendas pode usar
diversas funções de vendas e funções de cotação especiais.

3.6.2.2 Processamento da ordem do cliente


Este processo empresarial possibilita o fornecimento de uma configuração e quantidade de produto
específicas ou fornece um serviço em um momento determinado. Durante o processamento da
ordem do cliente,uma organização de vendas aceita o pedido do cliente e é responsável pelo
cumprimento do contrato.

3.6.2.3 Execução do projeto


Execução de um projeto com base no plano do projeto, incluindo criação de documentos, simulação
de estruturas e funções analíticas alternativas do projeto.

3.6.2.4 Horas e presença


Otimiza os processos de planejamento, administração e avaliação de horários de trabalho e
atividades de empregados internos e externos pelos recursos de gerenciamento de tempos da
solução SAP ERP HCM. Fornece interfaces intuitivas, orientadas ao usuário, que oferecem suporte
ao gerenciamento centralizado e descentralizado de tempos.

3.6.2.5 Administração de horas e presença do


empregado
Otimiza os processos de planejamento, administração e avaliação de horários de trabalho e
atividades de empregados internos e externos pelo gerenciamento de tempos no SAP ERP.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.6.2.6 Contabilidade de projetos


Monitora o planejamento preciso de atividades detalhadas envolvidas em planejamento de larga
escala como, por exemplo, construir uma fábrica, e projetos de pequena escala, como organizar uma
feira de negócios. Ajuda o gerente de projeto a garantir que o projeto seja executado eficientemente,
na data prevista e dentro do orçamento – o que é alcançado garantindo que os recursos e fundos
necessários estejam disponíveis quando necessário.

3.6.2.7 Faturamento por recursos utilizados


Horas e todos os tipos de despesas (por exemplo, despesas de viagem, despesas de terceiros)
podem ser faturadas a um cliente usando diversas regras. É possível filtrar horas e despesas e/ou
recusar ou adiar itens de faturamento.

3.6.2.8 Faturamento
É a etapa final de processamento de uma transação empresarial em vendas e distribuição. As
informações sobre faturamento estão disponíveis em cada etapa do processamento da ordem e da
remessa.
Os documentos de faturamento como as faturas e notas de crédito ou débito só podem ser criados
com base na informação da ordem ou com base na informação da ordem e da remessa, em que a
quantidade a ser faturada é derivada da nota de remessa.
Durante o processamento da fatura, você cria, modifica e elimina os documentos de faturamento
como as faturas, notas de crédito e notas de débito.
A integração com a contabilidade financeira consiste em encaminhar dados de faturamento em
faturas, notas de crédito e débito para a contabilidade financeira. O sistema registra lançamentos de
contrapartida nas contas adequadas (com a ajuda da “classificação contábil” e verifica se o FI
consegue reconhecer todos os documentos de faturamento que pertencem a uma transação contábil
(por exemplo, uma nota de crédito para uma fatura). A integração com o controlling consiste na
atribuição de custos e receitas aos livros auxiliares adequados.

3.7 Corporate Services


A solução SAP ERP Corporate Services suporta e agiliza os processos corporativos padrão para a
maioria das empresas – processos que suportam negócios fundamentais e que devem ser
executados com o máximo controle e eficiência.
Você pode adaptar a solução SAP ERP Corporate Services para atender às suas necessidades com
transparência e controle, e com risco ambiental e financeiro reduzido, nas seguintes áreas:

 Administração de viagens – A solução SAP ERP Corporate Services ajuda a reduzir custos,
agilizar os processos de administração de viagens, monitorar a conformidade com as
políticas de viagem e gerenciar modificações nos modelos de compensação e cálculo de
preço de fornecedores, sistemas de distribuição global e agências de viagem.
 Administração de qualidade – A solução SAP ERP Corporate Services permite uma
abordagem unificada para gestão de qualidade total, fornecendo eficiências resultantes de
menos devoluções de produtos e utilização aprimorada do ativo.
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

3.7.1 Contabilidade de projetos


Monitora o planejamento preciso de atividades detalhadas envolvidas nos projetos. Ajuda o gerente
de projeto a garantir que o este seja executado com eficiência, no prazo e dentro do orçamento.

Planejamento e rastreamento integrados


A integração detalhada traz as qualificações da solução SAP ERP Financials para o projeto, incluindo
elaboração de orçamento, planejamento de custo, confirmações de custos reais e compromissos de
diversas fontes.
Liquidação de dados financeiros
Transfere custos e receitas para a Contabilidade Financeira (FI), Contabilidade do imobilizado (CI),
Demonstração de resultados e análise de rentabilidade (CO-PA) e Controlling (CO) do ERP.

3.7.2 Administração de viagens


A administração de viagens fornece uma administração completamente integrada de todas as
despesas de viagem incorridas – desde o estágio de planejamento/aprovação até que as despesas
de viagem sejam lançadas na Contabilidade financeira e alocadas por causa na Contabilidade de
custos.

3.7.3 Administração de qualidade


A administração de qualidade é a solução abrangente que suporta a empresa ao longo do ciclo de
vida do produto e da cadeia de suprimentos. Oferece uma ampla quantidade de funções e serviços
colaborativos, os quais estão totalmente integrados no SAP ERP, de forma a assegurar e administrar
a qualidade dos produtos. Enfoca também a prevenção e a melhoria contínua do processo pela
colaboração e controle de qualidade constante.

3.7.3.1 Engenharia de qualidade


Planejamento de controle
Identifica as características de controle (testes) e métodos de controle (procedimentos) e os atribui a
diversas operações de controle de um plano de controle ou especificação do material. O SAP ERP
oferece ferramentas avançadas para o planejamento de controle e a administração de procedimentos
operacionais standard. Isso inclui o planejamento de especificações múltiplas para uma característica
de controle dependente de critérios definidos, por exemplo, países, cliente ou tolerância legal.

Administração de fornecedor
Garante que o produto do fornecedor será adaptado para uso com mínima ação de correção e
controle. De acordo com J. M. Juran, há nove atividades primárias necessárias: (1) definir exigências
de qualidade de produto e programa , (2) avaliar fornecedores alternativos, (3) selecionar
fornecedores, (4) realizar planejamento de qualidade conjunto, (5) cooperar com o fornecedor
durante a execução do contrato, (6) obter confirmação de conformidade às necessidades, (7)
certificar fornecedores qualificados, (8) realizar programas de melhoria de qualidade quando for
necessário e (9) criar e usar avaliações de qualidade de fornecedor. O SAP ERP suporta todos esses
fundamentos. Por exemplo, por meio de um set de dados relacionado ao fornecedor e ao material,
SAP Best Practices SAP Best Practices Baseline Package: definição do escopo

um relacionamento com o fornecedor pode ser iniciado, liberado ou bloqueado e acordos de garantia
de qualidade podem ser administrados.

3.7.3.2 Garantia/Controle de qualidade


Controle de qualidade
É utilizado para medir, examinar, testar e garantir uma ou mais características de um produto ou
serviço, comparando os resultados com as necessidades especificadas para determinar se há
conformidade em cada característica. Inclui lotes de controle de diversas origens. Fornece registro de
resultados e entrada de defeitos (também habilitado para Web). Inclui decisão de utilização e
liberação de estoque do controle de qualidade. Ações subseqüentes incluem classificação de lote e
cálculo de notas de qualidade.

Administração e rastreabilidade de lote


Necessárias, se os produtos variarem em qualidade ou se tiverem origem em execuções de
produção diferentes. O SAP ERP pode fornecer identificação, classificação e administração de
estoques para diferentes lotes de um material. Análises bottom-up e top-down são oferecidas para a
visualização de quais produtos finais um lote de matéria-prima se movimentou ou quais desses lotes
se movimentaram para um produto final. Pode ser necessário exibir o ciclo de vida de itens
individuais. Nesse caso, a rastreabilidade é alcançada pelos números de série. Além disso, os dados
do processo podem ser armazenados em um registro de ordem em um arquivo óptico (protocolo
eletrônico de produção).