Você está na página 1de 16

14/03/2014

Evolução histórica
Período Período Período
1200 - 1750 1760 - 1950 1960 – 2010...

- - Contabilidade
Gerencial

- Contabilidade de Contabilidade de
Custos Custos

Contabilidade Contabilidade Contabilidade


Financeira Financeira Financeira

Registro Mensuração - Fisco Eficiência - Gestão

Evolução histórica

Contabilidade Financeira Contabilidade e Gestão de Custos

Praticada desde os primórdios da humanidade. Surgiu com a modernização dos processos


produtivos.
Respeita postulados, princípios e convenções.. Extrapola os princípios contábeis aceitos.

Cumpre obrigações impostas pelo fisco e Foca a realidade operacional.


legislações locais emitidas.
É exigida por legislações específicas. É facultativa, mas recomendada num mercado
competitivo.
Presta informações econômicas e gerenciais. Presta informações econômicas e gerenciais.

Emite Demonstrações obrigatórias. Emite Demonstrações e relatórios para a gestão


dos negócios.

1
14/03/2014

Terminologias Terminologias

Investimento Ativo

No ambiente contábil existem termos técnicos


aplicados para denominar procedimentos, situações, Despesa DRE

condições, efeitos e demonstrativos. O uso destes


termos (denominações) facilita a comunicação
profissional e permitem maior identificação de Gasto Custo Ativo

conceitos e eventos, motivo pelo qual é necessário


nos familiarizar com algumas destas nomenclaturas.
Perda DRE

Desembolso Desembolso Desembolso


(Antes) (A Vista) (Depois)

Terminologias Terminologias

GASTOS: Obtenção de produtos, bens, serviços ou benefícios mediante CUSTOS: Sacrifícios econômicos e/ou financeiros do ativo que
sacrifício financeiro ou econômico de um ativo, podendo conforme sua objetivam a produção de outros bens ou serviços de acordo com o
aplicação e natureza ser classificado como. objetivo social da empresa. Conforme sua origem os custos são
classificados em:
DESEMBOLSO: Sacrifício financeiro do ativo originado de um gasto.
Pode ocorrer, antes, durante ou depois da ocorrência do gasto. São CUSTOS DE VENDA: São custos que surgem da transferência de bens ou serviços a terceiros
(Clientes). A ocorrência de custos de venda afeta os estoques de produtos acabados,
pagamentos que afetem as disponibilidades da organização. mercadorias para a revenda ou a conta onde se registram os serviços em execução e
simultaneamente a redução destes ativos acontece sua apropriação ao resultado que também
é reduzido pela CMV – Custo da Mercadoria Vendida, CPV – Custo do Produto vendido ou
INVESTIMENTOS: Trata-se de um gasto com geração imediata de um CSP – Custo do Serviço Prestado.
outro ativo. Esta ativação do investimento ocorre pela vida útil ou
capacidade de geração de benefícios futuros. Sua classificação pode ser CUSTOS DE PROCUÇÃO: São custos que surgem para a formação ou transformação dos
no Circulante, Não circulante ou Permanente, contudo sua futura estoques em produtos ou serviços acabados. Os custos de produção ocorrem ao longo do
realização converterá os investimentos em outras modalidades de processo produtivo, mas não afetam o resultado das organizações pois apenas contribuem
para o acabamento dos serviços e produtos em elaboração. Todos os custos de produção são
gastos. estocados e conforme sua evolução e dinâmica são classificados em Diretos, Indiretos, Fixos
e Variáveis.

2
14/03/2014

Terminologias Terminologias

DESPESAS: Bens ou serviços consumidos direta ou indiretamente para a


obtenção de receitas. Estão ligadas a manutenção e controle das
organizações e impactam o resultado ( DRE- Demonstração do Resultado RECEITAS: As receitas são benefícios econômicos ou financeiros capazes
do Exercício ) assim que ocorrem. As despesas podem surgir pela redução de gerar ativos sem passivos correspondentes, ou reduzir obrigações
de ativos sem redução de passivos correspondentes ou pelo aumento de passivas sem diminuir os ativos correspondentes. As receitas obedecem
passivos sem aumento de ativos correspondentes. OBS: Os custos de como as despesas, o principio da competência e contribuem para o
vendas comportam-se como as despesas reduzindo o resultado na DRE. aumento do resultado de um período. A contabilidade e Gestão de Custos
foca as receitas obtidas pela multiplicação do preço definido para venda
pela quantidade de bens ou serviços transferidos a terceiros (clientes).
PERDAS: São gastos caracterizados pelo consumo de bens ou serviços de
forma anormal e involuntária. As perdas afetam o resultado assim como as
despesas no momento em que ocorrem e prejudicam o resultado das RATEIO: São metodologias de distribuição dos custos indiretos de
empresas. Perdas relevantes carecem de laudos técnicos para sua produção de modo a locá-los a cada unidade do produto ou serviço
validação. Quando a perda possui características de previsibilidade ou elaborado no período. Os métodos de rateio utilizam-se de um critério
normalidade dentro do processo produtivo, esta deve ser incluída entre os muitas vezes arbitrário que determina uma base de rateio (proporção) para
custos de produção do período em que ocorrerem. a distribuição dos custos as unidades produzidas.

TERMINOLOGIAS

RESUMO DE GASTOS
1. INVESTIMENTOS (Novos Ativos)

2. DESPESAS (Administração e controle do negócio)

3. CUSTOS (Produção/formação de estoques ou serviços)

4. PERDAS (Imprevisível e Involuntário)

Os gastos se relacionam com desembolsos que podem ocorrer


antes, durante ou depois.

3
14/03/2014

Custos de Produção Custos de Produção

CUSTOS VARIÁVEIS: São custos que no total evoluem proporcionalmente


CUSTOS DIRETOS: São custos que podem ser atribuídos diretamente a
a quantidade das unidades produzidas por participarem diretamente do
uma unidade do produto específico com mensuração adequada.
serviço ou bem produzido. Geralmente são custos diretos que compõem a
Geralmente compõem o corpo físico do produto ou são alocados mediante
produção. Vale destacar que os custos variáveis unitários não se alteram
metodologia precisa que independa de critérios arbitrários de rateio. São
com a variação das quantidades produzidas.
geralmente denominados de CD - Custos Diretos (Matërias Primas e MOD)

CUSTOS FIXOS: São custos que no total não se alteram com a variação
CUSTOS INDIRETOS: São custos que embora contribuam para a produção
das quantidades produzidas, pois depois de definidos são rateados por
de um dado bem ou serviço, não podem ser facilmente alocados as
critérios diversos às unidades do serviço ou bem produzidos. São custos
unidades produzidas sem o uso de critérios de rateio definidos. São
indiretos que compõem a produção. Vale destacar que os custos fixos
geralmente denominados de CIF – Custo Indireto de Fabricação.
unitários se alteram de maneira inversamente proporcional a variação das
(Depreciação, Energia, Alugueis e outros)
quantidades produzidas.

Custos de Produção Custos de Produção

RESUMO DOS CUSTOS DE PROCUÇÃO


Os custos variáveis totais aumentam com o aumento da produção e reduzem se
a produção cair, logo se a produção triplicou os custos variáveis triplicarão. 1) FIXOS
Portanto OS CUSTOS VARIÁVEIS TOTAIS EVOLUEM PROPORCIONALMENTE AO
VOLUME PRODUZIDO. (Não se relacionam ao volume produzido/vendido).

Os custos variáveis unitários não se alteram com variações no volume


produzido, portanto, OS CUSTOS VARIÁVEIS UNITÁRIOS SÃO FIXOS, E
INDEPENDEM DO VOLUME PRODUZIDO. 1) INDIRETOS
(São alocados de forma indireta ao produto ou serviços com o uso
Os custos fixos totais não se alteram com a queda ou aumento da produção logo de rateios)
permanecerão constantes, portanto OS CUSTOS FIXOS TOTAIS SÃO FIXOS E
INDEPENDEM DO VOLUME PRODUZIDO.
2) VARIÁVEIS
Os custos fixos unitários são formados pela divisão(rateio) dos custos fixos (São proporcionais ao volume produzido/vendido)
totais pelo volume produzido, assim se a produção aumenta os custos fixos
unitários diminuem e vice-versa. Logo, OS CUSTOS FIXOS UNITÁRIOS SÃO 2) DIRETOS
INVERSAMENTE PROPORCIONAIS AOS VOLUMES PRODUZIDOS.
(São facilmente identificados/mensurados no produto ou serviço)

4
14/03/2014

CUSTOS FIXOS CUSTOS VARIÁVEIS

Custo Custo
$ $ CV

CF

Volume de Atividade Volume de Atividade

1) A Cia Rebelde Ltda. concluiu no mês de Outubro de 2009 uma


produção de 4.000 unidades de sua Bola de Futebol. Para isto incorreu
nos seguintes CUSTOS TOTAIS, abaixo relacionados.

Descrição do gasto: Total (R$)


Mão de Obra direta utilizada na produção $ 6.000,00
Matéria prima consumida na produção (Couro e Linhas) $16.000,00
Aluguel do galpão fabril $ 8.000,00
Depreciação linear dos maquinários da fábrica ( Corte) $ 2.000,00
EXERCÍCIO PRÁTICO Total de Custos no mês de Outubro $32.000,00
Sabendo que no mês de novembro a produção foi de 5.000
unidades, calcule:

O custo direto unitário da produção de novembro. _______________

O custo indireto unitário da produção de novembro. ______________

O total de custos no mês de Novembro: ______________

5
14/03/2014

Esquema básico de alocação dos custos

METODOLOGIAS DE CUSTEIO

1) CUSTEIO ABSORÇÃO
Para atendimento ao fisco e aos conceitos gerais de contabilidade
todas as empresas devem adotar o custeio absorção.

2) CUSTEIO VARIÁVEL
Para fins gerenciais é recomendado que as organizações utilizem
de forma complementar outras metodologias diferenciadas
como o Custeio Variável, que embora não seja aceito pelo fisco,
mas é uma boa ferramenta de gestão dos custos.

Esquema básico de alocação dos custos Esquema básico de alocação dos custos
Custeio absorção
1) Rateio dos CIFs aos produtos por meio de Base de Rateio Única
Absorção c/ rateio simples

CIF 1 Rateio Produtos 6 Custo Direto 2) Rateio dos CIFs aos departamentos e só depois aos produto
simples Estoque MD
MOD
3) Alocação dos CIFs as atividades com Base nos Direcionadores
Absorção c/ Departamentalização de Custos de Recursos
CIF 2 Departamento 2 Produtos 6 Custo Direto
ou Centro de Estoque MD
Custo MOD
4) Alocação dos custos das atividades aos produtos com base nos
Direcionadores de Custos de Atividades
Absorção c/ ABC

CIF 3 Atividades 4 Produtos 6 Custo Direto 5) Alocação do CIF total do mês no resultado da empresa sem
Estoque MD
MOD
alocação aos produtos

Custeio variável
6) Custos diretos com alocação direta aos produtos independente
CIF 5 Resultado Produtos 6 Custo Direto do método.
DRE Estoque MD
MOD

6
14/03/2014

CUSTEIO ABSORÇÃO CUSTEIO ABSORÇÃO

Empresas Prestadoras de Serviços


Para atendimento ao fisco

DESPESAS DESPESAS CUSTOS


CUSTOS

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS


ESTOQUE PRESTAÇÃO
DE RECEITA DE RECEITA
PRODUTOS CPV SERVIÇOS Custo Serviços Prestados
LUCRO BRUTO LUCRO BRUTO
DESPESAS DESPESAS
LUCRO OPERACIONAL LUCRO OPERACIONAL

Esquema básico de absorção dos custos

CUSTOS

INDIRETOS DIRETOS

RATEIO
PRODUTO A

PRODUTO B DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

RECEITA
ESTOQUE CPV
LUCRO BRUTO
DESPESAS
LUCRO OPERACIONAL

7
14/03/2014

Controle de estoques Controle de estoques


O Controle de estoques pode ser periódico Compras Data Quantidade Preço Total
(Inventários Físicos) ou permanente com uso dos
1 03/mai 70 R$ 10,00 R$ 700,00
seguintes métodos.
2 12/mai 120 R$ 15,00 R$ 1.800,00
UEPS : último a entrar, primeiro a sair ou, em inglês,
3 18/mai 100 R$ 20,00 R$ 2.000,00
LIFO, last in, first out. (legislação fiscal brasileira não
permite) 4 25/mai 60 R$ 30,00 R$ 1.800,00

350 R$ 6.300,00
PEPS : primeiro a entrar, primeiro a sair ou, em
inglês, FIFO, first in, first out. Preço médio R$ 18,00

Custo Médio Ponderado : pode ser móvel ou fixo. O Venda Quantidade Preço Total
custo a ser baixado representa uma média dos 1 27/mai 90 ? ?
custos de aquisição

Controle de estoques Controle de estoques


PEPS Quantidade Preço Total
70 R$ 10,00 R$ 700,00
20 R$ 15,00 R$ 300,00 Conforme exemplificação anterior o UEPS é o
Custo total baixado do estoque (CPV ou CMV) R$ 1.000,00 método que proporciona maiores custos de baixa
Estoque Final (Estoque Inicial - CPV) R$ 5.300,00
para os estoques (Custos atualizados) e
consequentemente impactam os resultados
UEPS Quantidade Preço Total provocando menores lucros.
60 R$ 30,00 R$ 1.800,00
30 R$ 20,00 R$ 600,00

Custo total baixado do estoque (CPV ou CMV) R$ 2.400,00


Menor lucro = menor base para tributação (IR e
CSLL) logo = UEPS é vedado pela legislação fiscal
R$ 3.900,00
brasileira.
Estoque Final (Estoque Inicial - CPV)

MPM Quantidade Preço médio Total


90 R$ 18,00 R$ 1.620,00

Custo total baixado do estoque (CPV ou CMV) R$ 1.620,00

Estoque Final (Estoque Inicial - CPV) R$ 4.680,00

8
14/03/2014

Controle de estoques

Conforme exemplificação anterior o PEPS é o


método que proporciona estoques a custos
atualizados. Como o CPV ou CMV neste caso ficam
menores (desatualizados), promovem maiores
lucros.

Maior lucro = maior base para tributação (IR e CSLL) EXERCÍCIO PRÁTICO
logo = PEPS é prejudicial quanto a legislação fiscal
brasileira.

A maior parte das empresas adotam a Média


Ponderada Móvel –MPM como método de controle de
estoques.

Controle de estoques (Exercício de Fixação) Controle de estoques (Exercício de Fixação)

Compras Data Quantidade Preço Total


Com base nas compras anteriores calculo o CMV e
1 05/fev 90 R$ 5,00 ?
Estoque final de mercadorias utilizando os três
2 10/fev 70 R$ 10,00 ? métodos de controles (PEPS, UEPS e MPM)
3 22/fev 40 R$ 25,00 ?

4 24/fev 100 R$ 40,00 ? a) PEPS = CMV: ____________________ EF:__________________


? ?

b) UEPS = CMV:_____________________ EF: __________________


Preço médio ?

Venda Quantidade Preço Total c) MPM = CMV:______________________ EF: _________________

1 26/fev 190 ? ?

9
14/03/2014

Controle de estoques – Esquema básico

Enquanto numa empresa comercial só temos


basicamente o estoque de mercadorias para revenda
com seu custo de aquisição, num processo
produtivo os componentes do custo de um produto
são adicionados em etapas ou estoques
diferenciados:

Estoque de matérias primas ou insumos


Estoque em elaboração ou processo
Estoque de produtos acabados

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL


Custeio variável Custeio absorção
CUSTOS DESPESAS Receitas 100 Receitas 100
(Custos variáveis totais) (60) Impostos sobre a venda (variaveis) (6)
(Despesas Variáveis totais) (10) Receita líquida 94
Margem de contribuição total 30 Custos totais (fixos e variáveis) (80)
FIXOS VARIÁVEIS FIXAS VARIÁVEIS (Custos fixos totais) (20) Resultado bruto 14
(Despesas fixas totais) (5) Despesas totais (fixas e variáveis) (9)
Resultado operacional 5 Resultado operacional 5

ESTOQUE
DE A formação do resultado operacional é diferente no custeio
PRODUTOS absorção e variável. Como no custeio variável os custos fixos
seguem integralmente para o resultado (DRE), a tendência é o
DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS resultado por este método ser menor. (Motivo para sua vedação
RECEITA LÍQUIDA pelo fisco)
VENDA CVPV
DV OBS. Apenas se a produção for totalmente vendida e não
MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO restarem estoques finais de produtos acabados o resultado
CDF será igual para os dois métodos.
LUCRO OPERACIONAL

10
14/03/2014

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL


MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO GERENCIAL A margem ou sobra de contribuição é um importante aspecto a
ser avaliado em um produto ou mercadoria para decisões
gerenciais. Para conhecê-la é preciso considerar o preço
RECEITAS TOTAIS Preço x Volume vendido praticado e todos os gastos variáveis que envolvem sua
(-) CUSTOS VARIÁVEIS TOTAIS Custo de aquisição do combustível x Volume vendido comercialização como impostos, custos diretos de aquisição ou
(-) DESPESAS VARIÁVEIS TOTAIS Impostos e comissões s/ vendas produção, taxas, comissões e fretes.
= MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO TOTAL Sobra inicial na comercialização
(-) CUSTOS FIXOS TOTAIS Alugueis, depreciações, FOLPAG, Energia e outros Na ausência de outros fatores devemos nos orientar pela
(-) DESPESAS FIXAS TOTAIS Impressos, Honorários, Segurança, Telefones
margem para definirmos o mix de produção ou o foco de
= RESULTADO OPERACIONAL Sobra operacional no período
nossas estratégias de marketing.

A Margem de Contribuição Unitária – MCu quando multiplicada


Com este esquema é possível calcular indicadores importantes pela quantidade vendida em cada produto representa a Margem
do seu negócio de Contribuição Total – MCt que é a sobra financeira ou riqueza
gerada na empresa para pagar os gastos fixos do período.

CUSTEIO VARIÁVEL

Quanto me sobra a cada unidade vendida?

MC/u = Preço – (Custos Variáveis + Despesas variáveis)


EXERCÍCIO PRÁTICO

No calculo unitário devemos identificar os valores


unitários do custo (Aquisição, MP e MOD) e
despesas variáveis ( impostos, taxas e comissões)

11
14/03/2014

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL


1) Considerando a MCu. qual dos produtos é mais rentável para a 1) Calcule a MCu de cada produto na empresa:
empresa?
A B C D
A B C D Preço 80,00 150,00 30,00 8,00
Preço 1.000,00 3.000,00 500,00 400,00
Custo variável (MP) (56,00) (62,00) (12,00) (2,00)
Custo variável (MP) (350,00) (1.500,00) (70,00) (45,50)
Custo variável (MOD) (10,00) (15,00) (7,00) (1,00)
Custo variável (MOD) (120,00) (300,00) (50,00) (30,00)
Despesas variável impostos (27,25%) (21,80) (40,88) (8,18) (2,18)
Despesas variável impostos (27,25%) (272,50) (817,50) (136,25) (109,00)
Despesas variáveis comissões (5%) (4,00) (7,50) (1,50) (0,40)
Despesas variáveis comissões (5%) (50,00) (150,00) (25,00) (20,00)
Despesas variáveis taxas CC (2%) (1,60) (3,00) (0,60) (0,16)
Despesas variáveis taxas CC (2%) (20,00) (60,00) (10,00) (8,00)

Margem de Contribuição unitária (R$) 187,50 172,50 208,75 187,50 Margem de Contribuição unitária (R$)

Margem de Contribuição unitária (%) 18,8% 5,8% 41,8% 46,9% Margem de Contribuição unitária (%)

2) Aumentando o preço de venda qual o impacto para a MCu de um 2) Qual produto você deixaria de fabricar e vender?
produto? 3) Qual produto tem o melhor preço?
4) Qual produto você incentivaria na produção e venda?

3) Um produto pode ter MCu negativa?

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL


FATORES DE LIMITAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA FATORES DE LIMITAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA

Na existência de outros fatores de limitação da capacidade Em casos de associação de inúmeros fatores de limitação são
produtiva a Margem de Contribuição unitária não deve ser necessários softwares capazes de cálculos e análises mais
utilizada isoladamente como critério de decisão para o Mix de complexas, mas em casos mais simples podemos construir
produção ou venda. analises com base nos seguintes métodos:

Nestes casos são necessários estudos capazes de auxiliar os Quociente de Limitação = MCu / Fator de Limitação
gestores na melhor decisão a fim de otimizar os recursos
disponíveis na busca do melhor resultado. Quanto maior o quociente, melhor é o resultado obtido no ambiente
de limitação. Observe o exemplo:
Assim devemos identificar os fatores de limitação como
demanda, greves, falta de energia ou combustíveis, escassez de Informações sobre a produção e venda
Produto Preço/unid Custo/unid Mcu Horas/unid Couro/unid Botões/unid Zip/ unid Demanda
insumos ou MOD, restrições legais ou ambientais e mesmo a
capacidade produtiva da empresa. Posteriormente devemos Jaqueta 200 110 90 3 2 15 1 2800
calcular um novo parâmetro que é o Quociente de Limitação. Calça
Macacão
150
350
80
210
70
140
2
5
4
7
5
8
2
5
1400
800
Total 700 400 300 10 13 28 8 5000

12
14/03/2014

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL


FATORES DE LIMITAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA FATORES DE LIMITAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA

Nota 1) Pela tabela anterior percebemos que o produto de melhor Situação 1) O atual quadro de funcionários da Cia. só lhe permite 3.000
margem de contribuição é o “macacão” que proporciona uma horas produtivas que devem ser aplicadas da melhor maneira para
Mcu de $ 140 a cada unidade fabricada e vendida. Assim produção do mês. Considerando este limitador exclusivamente qual
concluímos que se as vendas fossem nas mesmas quantidades dos produtos deve ser privilegiado na produção? A demanda comporta
tal produção? Qual outro produto deve complementar a produção.
este é o produto que melhor contribuiria para os resultados da
empresa.
Fator de limitação 3.000 horas
Produto Mcu Fator de Quociente Produção Consumo MCt
Nota 2) Se a limitação estivesse na demanda do mercado, limitação conforme
percebemos conforme as pesquisas só seriam vendidas 800 unitário Demanda
Jaqueta 90 3 30 66 198 R$ 5.940,00
unidades e depois destas vendas produzir macacões não seria Calça 70 2 35 1400 2800 R$ 98.000,00
interessante pois, os mesmos permaneceriam estocados sem Macacão 140 5 28 0 0 R$ 0,00
Total 1466 2998 R$ 103.940,00
contribuir para o resultado da Cia.

Nota 3) A demanda é um importante fator pois produzir para não Como a demanda só consumiria 1.400 calças as horas remanescentes
vender é um grave erro de gestão quando não fizer parte da foram destinadas a produção de jaqueta.
estratégia.

CUSTEIO VARIÁVEL
FATORES DE LIMITAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA

Situação 2) Uma crise no mercado, reduziu a oferta de couro em seus


fornecedores , sendo que assim a empresa somente consegue adquirir
1.800 m de couro para sua produção de roupas. Considerando
exclusivamente esta limitação qual produto deve ter sua produção
privilegiada? O mercado comporta esta produção recomendada ?

Fator de limitação 1.800 metros de couro


Produto Mcu Fator de
limitação
Quociente Produção
conforme
Consumo MCt EXERCÍCIO PRÁTICO
unitário Demanda
Jaqueta 90 2 45 900 1800 R$ 81.000,00
Calça 70 4 17,5 0 0 R$ 0,00
Macacão 140 7 20 0 0 R$ 0,00
Total 900 1800 R$ 81.000,00

Como a demanda consumiria as 900 jaquetas possíveis, todo o couro


foi destinado a esta produção.

13
14/03/2014

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL


FATORES DE LIMITAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA FATORES DE LIMITAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA

Situação 3) Uma crise no mercado, reduziu a oferta de botões em seus Situação 4) Uma crise no mercado, reduziu a oferta de Zip em seus
fornecedores , sendo que assim a empresa somente consegue adquirir fornecedores , sendo que assim a empresa somente consegue adquirir
6.000 unidades para sua produção de roupas. Considerando 5.000 unidades para sua produção de roupas. Considerando
exclusivamente esta limitação qual produto deve ter sua produção exclusivamente esta limitação qual produto deve ter sua produção
privilegiada? O mercado comporta esta produção recomendada ?Qual privilegiada? O mercado comporta esta produção recomendada ?Qual
seria o próximo produto recomendado? seria o próximo produto recomendado?

Fator de limitação 5.000 Zips


Fator de limitação 6.000 botões
Produto Mcu Fator de Quociente Produção Consumo MCt
Produto Mcu Fator de Quociente Produção Consumo MCt
limitação conforme
limitação conforme
unitário Demanda
unitário Demanda Jaqueta
Jaqueta
Calça
Calça
Macacão
Macacão
Total
Total

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL


PONTO DE EQUILIBRIO CONTÁBIL E ECONÔMICO
Quanto devo vender para pagar os gastos fixos ?
Conhecendo os gastos fixos de um negócio é possível
determinar as quantidades à vender para que sejam obtidos os
resultados desejados.
PEC = Custos Fixos + Despesas Fixas
A quantidade necessária para que o resultado operacional pelo
MC/u
custeio variável seja zero, ou seja nulo, é conhecida como
Ponto de Equilíbrio Contábil - PEC.
Quanto devo vender para alcançar um lucro de X$ ?
A quantidade necessária para se obter um resultado
operacional positivo conhecida como Ponto de Equilíbrio
Econômico - PEE. PEE = Custos Fixos + Despesas Fixas + Lucro desejado
MC/u
O resultado positivo (lucro) pode ser determinado em valores
(R$) ou percentuais (%) exigindo metodologias diferentes para o
Ponto de Equilíbrio Econômico.

14
14/03/2014

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL

MARGEM DE SEGURANÇA
O PEE também pode ser definido com metas em
percentuais sobre o faturamento ou preço.
Determinado o PEC de um negócio, podemos identificar a sobra
Quanto devo vender para obter um ganho de X% ? percentual das vendas atuais em relação a este PEC.

A margem de segurança é na verdade o excesso percentual de vendas


PEE = Custos Fixos + Despesas Fixas em relação as vendas do PEC.
MC/u – (% de ganho x preço)
Na formula podemos utilizar as vendas em quantidades ou receitas (R$)

Qual a margem de segurança de minhas vendas?

MSO = (Vendas atuais – Vendas do PEC) x 100%


Vendas Atuais

CUSTEIO VARIÁVEL

GRAU DE ALAVANCAGEM OPERACIONAL

O Grau de Alavancagem Operacional - GAO revela a relação existente


entre as quantidades vendidas e o resultado operacional obtido.
Assim podemos defini-la por:

GAO = Variação % do Lucro/ Variação % na quantidade vendida.


EXEMPLO PRÁTICO

Qual a relação vendas / lucro do negócio?

GAO = Variação % do lucro


Variação % da quantidade vendida

15
14/03/2014

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL

EXERCÍCIO PRÁTICO EXERCÍCIO PRÁTICO


O Posto Alambique Ltda. vende exclusivamente gasolina aditivada ao Calcule a MC/u: (Quanto me sobra a cada litro ?)
preço de R$ 1,39/litro. Seu Custo de aquisição do combustível é de R$
1,20/litro e os impostos sobre a venda são de 5%. Como vende apenas
no cartão de crédito/débito tem ainda uma despesas de 2% em suas
vendas.
Calcule o PEC (Ponto de Equilibrio Contábil): (Quanto devo vender para
pagar os gastos fixos ?)
As vendas atuais são de 700.000 litros/mês e seus custos e despesas
fixas podem ser assim detalhadas:
Custos Fixos Despesas Fixas
Aluguel: 15.000 $ Telefone 1.500 $ Calcule a MSO (Margem de segurança Operacional): (Qual percentual
FOLPAG: 16.000 $ Internet 212 $ posso perder nas vendas sem ter prejuízo operacional ?)
Energia: 7.000 $ Contador 3.000 $
Depreciação: 8.000 $ Água/esgoto 1.200 $
Total: 46.000 $ Total 5.912 $

CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO VARIÁVEL

EXERCÍCIO PRÁTICO EXERCÍCIO PRÁTICO

Calcule o PEE (Ponto de Equilibrio Econômico): (Quanto devo vender Demonstre o resultado operacional atual do Posto no mês
para alcançar um resultado de ... R$ 30.000) (700.000 litros vendidos) e o seu resultado no PEC (560.000
litros vendidos):

Atual PEC
Calcule o PEE (Ponto de Equilibrio Econômico): (Quanto devo vender
para alcançar um resultado de.... 2% do faturamento) RECEITAS TOTAIS
(-) CUSTOS VARIÁVEIS TOTAIS
(-) DESPESAS VARIÁVEIS TOTAIS
= MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO TOTAL
(-) CUSTOS FIXOS TOTAIS
(-) DESPESAS FIXAS TOTAIS
= RESULTADO OPERACIONAL

16