Você está na página 1de 2

O Constitucionalismo

1. Definição

É referido em dois sentidos:

a) Amplo: corresponde a existência de uma constituição dentro do


Estado. Não é utilizado nesse sentido... falar que constitucionalismo
se limita a existência de uma constituição não faz muito sentido, não
traz muitos benefícios, pq todo estado precisa de uma constituição
pra se estruturar, ou seja, todo estado tem uma constituição.

b) Estrito: geralemtnme o termo é usado neste sentido. Nesse sentido,


envolve duas ideias centrais: garantia de direitos e limitação do
poder.

Ele é a busca do homem pela limitação do poder absoluto, que existe


através das garantias.

Nesse sentido, o constitucionalismo se opõe ao absolutismo. Ele


exisge que o poder seja limitado e que haja uma justificação ética,
moral, espiritual para o exercício do poder.

Karl Loewenstein, diz que a história do


constitucionalismo “não é senão a busca pelo homem
político das limitações do poder absoluto exercido
pelos detentores do poder, assim como o esforço
de estabelecer uma justificação espiritual, moral ou
ética da autoridade, em vez da submissão cega à
facilidade da autoridade existente”.

Na sua evolução, o constitucionalismo passou por várias etapas (não só


as duas que os manuais trazes). Vamos estudar três etapas:

Constitucionalismo antigo

Constitucionalismo moderno

Constitucionalismo contemporâneo (ou neoconstitucionalismo)


Constitucionalismo antigo:

Caracterisitca principal: a existência de constituições baseadas nos costumes e


precedentes judiciais (conseutudinarias). Não havia ate o final do sec. 18 docuemntos
formais como vistos hoje. As constituições eram costumeiras, baseadas em normas
advindas do costume. Mas já era possível observar a garantia do direito e a limitação do
poder, por isso e possível se falar que mesmo antes das constituições escritas era
possível falar em constitucionalsimo.

Marco Inicial → Estado hebreu: foi a primeira experiencia constitucional. Os dogmas


religiosos limitavam os súditos, mas tbm os soberanos.

Grécia antiga: foi a segunda experiencia constitucional, a Grécia foi um estado politico
plenamente constitucional durante dois séculos, la se dotou a forma mais avançadas de
governo, a chamada democracia constitucional, que influenciou toda evolução ocidental
(ate hj influencia nossos ordenamentos jurídicos)

Roma: terceira experiencia, la não se adotou exatamente igual a grega, mas que refletia
de certa forma o que houve na grecia. La se desenvolveu modelos conceituais
mportantes, como a ideia de res publica. Iering diz que não houve nenhum outro direito
com um conceito de liberdade tão perfeito como o direito romano.

Inglaterra: quarta experiencia. A Inglaterra produziu documentos extremamente


importantes na idade media, que influenciaram os direitos fundamentais, embora não
tivesse uma constituição escrita.

Magna Charta (1215); Acordo entre João e seus suditos

Petition of Rights (1628); acordo entre parlamento

Habeas Corpus Act (1679);

Bill of Rights (1689) e

Act of Settlement (1701).