Você está na página 1de 2

1

Coordenação do Curso de Psicologia


Psicoterapia breve
Período Letivo: 6º - 1/2017
Professor: Ana Rosa Amor
Aluno: Ludhy Mila de Freitas Mendes Araújo Matrícula:11510291

_____________________

A PRIMEIRA ENTREVISTA EM PSICOTERAPIA BREVE

Como já vimos anteriormente a primeira entrevista é algo crucial para o bom andamento

da terapia, pois essa primeira entrevista muitas das vezes possui um papel decisivo para a

continuidade ou abandono do tratamento. Não há necessariamente uma regra de como deve ser

a primeira entrevista, mas há algumas regras para o bom andamento, como a questão do

enquadre e a coleta de dados. A função da entrevista é que deve haver um papel terapêutico e

deve ser evidenciadas as investigações, não deve-se exercer apenas um efeito placebo, mas

dados devem ser coletados para que se faça intervenções adequadas.

A estrutura da nossa entrevista deve ter traços que as diferenciem dos outros tipos de

contatos iniciais, de acordo com Fiorini (2008), para que a entrevista seja eficaz deve-se cumprir

algumas tarefas, sendo seis tópicos em que: o diagnostico deve ser a partir dos dados que o

paciente fornece, esclarecimento da queixa inicial e a orientação para o diagnostico dessa

problemática, elaboração conjunta, obter acordos gerais sobre objetivos para que a relação

terapêutica seja algo dual, a questão do contrato de trabalho, e antecipações de como será

conduzida as tarefas. O diagnóstico deve ser estabelecido em três planos fundamentais, deve

ser clinico e psicodinâmico, destacando os sintomas principais, questão do grupo familiar,

relação sucesso e fracasso e aspectos interacionais do comportamento do paciente na entrevista;

o diagnóstico da motivação e das aptidões do paciente para a psicoterapia, pois, muitas vezes o

conceito de motivação não tem em nosso meio a atenção que merece, deve ser abordado o

comportamento do paciente, suas expectativas de cura, a disposição e ser um indivíduo ativo;


2

o diagnóstico das condições de vida do paciente, ou as condições que vinculam a possibilidade

de que o paciente inicie a mantenha a regularidade do tratamento.

De início deve-se haver o esclarecimento do problema e reforço da motivação, conhecer

dados da doença, saber o que o paciente pensa acerca do seu transtorno e suas expectativas em

relação ao tratamento; a confrontação entre as expectativas do paciente e a perspectiva do

terapeuta, os dois devem ir em busca de acordos e reajustes para o bom andamento da terapia.

No que se diz o diagnóstico e fundamental que o terapeuta mesmo com as limitações de dados,

uma visão panorâmica da doença, para que tenha um motivo para a busca da consulta; o

essencial na primeira entrevista é instalar o vínculo e esclarecer o significado e como será o

andamento da terapia. Compreender o comportamento do paciente é uma espécie de tarefa focal

do processo terapêutico.