Você está na página 1de 14

A.

Apoio à Família
Relatório e Plano de Intervenção

Documento inserido no âmbito do Estágio de Mestrado em


Reabilitação Psicomotora da Faculdade de Motricidade Humana
2012

Elaborado por:
Estagiária Hélia Canudo

Supervisão:
Prof. Dr.ª Teresa Brandão
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Perturbações do Espectro do Autismo


As Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) são Perturbações Globais do
Desenvolvimento que podem envolver dificuldades de comunicação e interação social, bem
como défices no funcionamento cognitivo e no comportamento adaptativo que farão com que o
modo de aprendizagem seja um pouco diferente do das restantes pessoas.
Os primeiros sinais do Autismo surgem por volta dos 2/3 anos, sendo que vai evoluindo
progressivamente durante o segundo ano de vida. Algumas crianças com PEA mostram
indícios de futuros problemas nos primeiros meses de vida. Noutras, os sintomas podem
aparecer após os 24 meses ou mais tardiamente. Algumas crianças com PEA aparentam ter
um desenvolvimento normal até aos 18/24 meses de idade e, repentinamente, param de
adquirir competências e/ou começam a perder algumas já adquiridas.
Esta perturbação caracteriza-se por alterações em três domínios fundamentais: nas
capacidades de comunicação (verbal e não verbal), nas interações sociais e no
comportamento, a nível dos interesses e das atividades. Mas isto não significa que todas as
crianças com autismo tenham grandes défices em todas estas áreas. Para além disto muitos
dos sintomas que surgem inicialmente podem ir melhorando ao longo do tempo.
As crianças com PEA desenvolvem-se, entre si, de forma diferente em diferentes
áreas, podendo o diagnóstico variar entre ligeiro a severo. Podem ter um atraso na linguagem
e nas competências sociais e de aprendizagem e, no entanto, ter um desenvolvimento motor
igual ao dos seus pares. Podem ser muito boas a construir puzzles ou a resolver problemas no
computador e, apesar disso, ter problemas na vida social, por exemplo a fazer amigos.
Estas crianças podem também conseguir adquirir competências de desenvolvimento
difíceis para a sua idade, enquanto que algumas competências mais fáceis de aprender se
podem apresentar mais complicadas (ex.: a criança pode ser capaz de ler frases e não ser
capaz de dizer qual o som de uma letra).
Principalmente a nível da comunicação, tanto verbal como não-verbal, esta poderá ser
desviada dos padrões habituais, existindo um atraso no surgimento da linguagem, podendo,
ainda, apresentar certas particularidades como um jargão próprio ou a ecolália (eco do que é
dito).
No domínio da interação social, a criança autista poderá manter-se distante, não
procurando entrar em contacto nem chamar a atenção do outro, já o seu olhar normalmente
não fixa o do outro e poderá parecer vazio e ausente. Daí advém as dificuldades em ajustar o
comportamento ao contexto social, que muitas vezes caracterizam estas crianças.
Já no domínio dos comportamentos, interesses e atividades, os autistas apresentam
alguma resistência às mudanças. Os hábitos ou rituais geralmente dominam a vida quotidiana.
Se estão habituados a acordar a uma determinada hora, tomar o pequeno-almoço e depois
brincar, não gostam de trocar a ordem das atividades. Gostam de seguir rotinas, que são
sempre iguais. É a maneira que encontraram de se organizar. E quem diz a rotina, diz também
a forma como os objetos ou brinquedos devem ser arrumados. A existência de mudanças no
ambiente e acontecimentos inesperados poderão despoletar na criança reações de angústia ou

Página 1 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

de agressividade. Este tipo de manifestações pode também sobrevir como resposta à


frustração, a uma proibição ou a uma tentativa insistente do adulto de entrar em contacto. As
crianças com autismo podem, ainda, ter alguns comportamentos estereotipados como o bater
palmas ou repetir as mesmas palavras sem parar, ou brincar sempre e apenas com o mesmo
brinquedo.
Nestas crianças também pode existir alguma alteração a nível do mundo sonoro, por
exemplo, relativamente aos ruídos sociais, a criança pode não responder quando é chamada,
por outro lado, alguns ruídos podem suscitar reações de medo, principalmente quando
surpreendem a criança. A mesma estranheza pode existir no domínio gustativo, com uma
afetação alimentar com gostos exclusivos e muitas vezes raros, ou no domínio visual, pela
atração, por exemplo, por uma cor, um brilho, uma forma ou um reflexo.
Acima de tudo é importante não esquecer que cada criança se desenvolve no seu ritmo
próprio sendo, por isso, difícil dizer a altura de aquisição de cada competência. Muitas crianças
com autismo podem mesmo vir a crescer e a viver a sua vida de forma quase autónoma.
A intervenção no Autismo tem como objetivo principal ajudar a diminuir os
comportamentos indesejados e tornar o sujeito o mais independente possível em todas as
áreas.

A Psicomotricidade nas Perturbações do Espectro do Autismo


A Psicomotricidade fortalece os laços entre o corpo e a atividade mental, sendo capaz
de melhorar a capacidade de adaptação, ao envolvimento, das crianças. Tem, assim, como
objetivo contribuir para a superação de problemas de maturação, desenvolvimento,
aprendizagem e comportamento, utilizando para isso uma intervenção por mediação corporal.
A intervenção psicomotora nas Perturbações do Espectro do Autismo, através do
trabalho corporal, vai permitir abrir os canais de comunicação, possibilitando à criança
conhecer-se, e estimular a interação desta com o ambiente. Através das atividades lúdicas
deve procurar, sobretudo, provocar o desejo de comunicar através do corpo, estruturando as
bases para o desenvolvimento da linguagem, cognitivo, social e afetivo da criança. A
psicomotricidade ajuda, também, a reduzir as estereotipias e os comportamentos estranhos,
através da orientação das atividades espontâneas para outros centros de interesse.
O objetivo fundamental da intervenção neste tipo de crianças baseia-se em fazer com
que estas alcancem aquisições fundamentais para se adaptarem ao mundo externo. A
intervenção deve basear-se em situações que permitam ultrapassar os bloqueios existentes e
promover uma libertação, através de uma atmosfera permissiva, segura e lúdica.
Especialmente no Autismo, a intervenção deve ser bem estruturada e adaptada a cada criança.
Neste tipo de intervenção a comunicação, tanto verbal como não-verbal, é fundamental
e, em poucas palavras é uma prática educativa centrada na aprendizagem e no
desenvolvimento através da brincadeira, sendo o terapeuta apenas uma ajuda na organização
do pensamento.

Página 2 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Em resumo, pode-se afirmar que a Psicomotricidade utiliza o movimento, o agir, a


experiência e o investimento corporal, de modo a que as pessoas que necessitem de
comunicar e organizar o pensamento possam evoluir melhor.

Relatório de Avaliação Informal


A avaliação que se segue teve por base uma observação cuidada do A., no seu
contexto natural de sala, durante os meses de Novembro e Dezembro de 2011, em que o A.
tinha 4 anos, e foca-se nos vários domínios do seu desenvolvimento.

Motricidade Global
A Motricidade Global é a área de desenvolvimento em que o A. apresenta melhores
resultados, apresentando competências adequadas para a sua idade, como é o caso do subir e
descer as escadas com alternância dos pés e do correr.
O A. apresenta bastantes dificuldades em se manter sentado no mesmo lugar durante
algum tempo, atira-se para o chão quando lhe é pedido algo que não seja do seu agrado e,
quando não se sente confortável, tende a envolver-se em comportamentos repetitivos que se
caracterizam por abrir e fechar portas.
A marcha do A. caracteriza-se, maioritariamente, por se tratar de uma marcha em bicos
de pés o que provoca, muitas vezes perdas de equilíbrio. Quanto ao saltar o A. apresenta
algumas dificuldades na coordenação dos movimentos, conseguindo, no entanto, levantar os
dois pés do chão. É ainda de referir que apresenta bastante interesse por atividades que
envolvam música e dançar.
Importa ressalvar que, apesar de conseguir realizar a maioria dos movimentos em
geral, estes caracterizam-se por alguma brusquidão.

Motricidade Fina
A nível da Motricidade Fina pode dizer-se que a forma como o A. explora alguns os
diferentes materiais e os seus aspetos sensoriais, por vezes, não é a mais adequada, por
exemplo, ao construir puzzles (algo que o A. consegue fazer corretamente) muitas vezes alinha
as peças, sem procurar encaixá-las nos locais corretos.
A sua atividade preferida neste domínio é a pintura com o pincel mas o A. ainda revela
algumas dificuldades no que toca a realizar pinça fina para pegar no mesmo. Para além disto,
no que toca a tudo o que se trata de movimentos mais minuciosos e de precisão, como é o
caso de cortar com a tesoura e de pintar dentro dos limites de um desenho, o A. também
apresenta bastantes dificuldades.

Página 3 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Cognição
A nível da Cognição o A. restringe muito a sua atenção às suas áreas de interesse,
como é o caso das atividades plásticas e de música, para além disto, revela bastantes
capacidades na construção de puzzles e noutros jogos em geral.
Apresenta, também, boa memória e uma certa obsessão por alguns brinquedos que,
no entanto, nem sempre explora de forma mais adequada, como é o caso de um comboio e de
um autocarro. No caso do comboio, pode-se dizer que a brincadeira preferida do A. é construir
uma linha de comboio com peças de lego e colocar o comboio a andar indefinidamente pela
mesma.
Por vezes, quando lhe são sugeridas atividades com que não se encontra tão
familiarizado, recusa. A nível da permanência na tarefa esta é bastante limitada uma vez que o
A. não se consegue manter sentado e concentrado durante muito tempo para além de
apresentar uma grande dificuldade em se organizar na própria tarefa. Muitas vezes, apesar de
possuir capacidades para tal, tem dificuldades em realizar uma tarefa sempre que a mesma
apresenta mais do que uma etapa (realiza apenas a primeira parte da tarefa corretamente).

Linguagem e Comunicação
Devido ao seu diagnóstico inserido nas PEA, a área da Linguagem e da Comunicação
é a área em que o A. apresenta mais dificuldades afetando todas as restantes áreas. De
acordo com isto, o A. foi inicialmente descrito como uma criança cujas capacidades básicas de
comunicação se encontravam de tal forma perturbadas que não revelava qualquer intenção
comunicativa, expressando apenas o desagrado.
Neste momento apesar de o seu discurso se caracterizar, maioritariamente, por gestos
e por um jargão próprio, o A. já demonstra alguma intenção de comunicação, dirigindo-se ao
adulto quando deseja algo que não consegue alcançar pelos seus próprios meios dizendo,
mesmo, algumas palavras com sentido.
Ainda não responde adequadamente a ordens verbais mas algumas das funções que
inicialmente se encontravam ausentes, começam agora a surgir, como é o caso da nomeação
de objetos em que o A. já nomeia alguns objetos e animais como pato, cão, maçã, entre outros.
Já começa, também, a construir frases de duas palavras como o “senta aqui” que utiliza
quando deseja interagir com o adulto.
Relativamente ao verbalizar as suas necessidades o A. ainda revela grandes
dificuldades e no que toca à atenção na tarefa, esta continua a ser bastante limitada
restringindo-se às atividades preferidas do A., como é o caso do comboio e do jogo de
encaixes.
Para além de tudo o que já foi dito, apresenta ecolália imediata respondendo, algumas
vezes, às perguntas que lhe são feitas com a última palavra presente nas mesmas, ou
repetindo o que o adulto lhe diz.

Página 4 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Em conclusão, as capacidades de compreensão e de expressão são aquelas em que o


A. apresenta mais dificuldades.

Competências Sociais
A nível das interações sociais o A. pode ser caracterizado como uma criança muito
doce, que gosta muito de mimos e não gosta de estar sozinho, no entanto, apesar da sua
grande capacidade para expressar os seus afetos, não existe uma resposta adequada para
com o outro, e a resposta que existe caracteriza-se pela pouca variação e por ser diferenciada
entre o adulto e os pares.
Relativamente ao adulto, o A. revela algum interesse nesta relação. Apesar de
inicialmente nem se deixar abraçar pelo mesmo, atualmente, procura o adulto em qualquer
situação de desconforto e cumprimenta dando um beijo ou um abraço, desde que com pedido
prévio, e já diz adeus com a mão por imitação. Quando o adulto se encontra perto de alguma
atividade de que gosta, procura-o.
Em contexto de brincadeira responde adequadamente a alguns gestos e repete ações,
após observação.
No que toca à relação com os pares o A. insere-se em brincadeiras de pequeno grupo
e tanto é procurado como procura os pares para as brincadeiras, no entanto, apresenta
frequentemente comportamentos agressivos em situações de confronto direto e quando algum
dos seus colegas interfere nalguma brincadeira que o A. goste de realizar sozinho, como é o
caso do comboio.
A nível do contacto ocular este é bastante raro e fugaz.
Para além disto, pode dizer-se que o A. gosta bastante sempre que recebe elogios e
reforços positivos ao seu comportamento.

Autonomia
A nível da autonomia o A. pode ser caracterizado como uma criança relativamente
autónoma e sempre que deseja algo tenta alcançar pelos seus próprios meios. Vai à casa de
banho sozinho e, desde que largou as fraldas, comunica sempre as suas necessidades ao
adulto, controlando muito bem os esfíncteres.
Relativamente à alimentação, esta é um processo bastante complicado uma vez que o
A. se recusa a comer qualquer tipo de alimento que se encontre misturado, comendo apenas
um alimento de cada vez.
No que toca ao vestir-se e despir-se, o A. já descalça as meias e despe as calças,
sozinho.
Necessita de dormir a sesta e, para além disto, não aceita bem qualquer alteração da
sua rotina normal.

Página 5 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Plano de Intervenção

Objetivos
Os objetivos definidos, por domínios de desenvolvimento (em baixo), têm por base toda
a Avaliação Informal, anteriormente descrita, bem como as avaliações realizadas pelos
profissionais que acompanham o A., cujo acesso nos foi facilitado.
Os objetivos serão divididos e trabalhados em sessões de psicomotricidade,
organizadas em três fases distintas: fase inicial, fase de desenvolvimento e a fase final. Estas
fases são essenciais na rotina da criança autista, e cada um destes momentos tem objetivos
específicos: a fase inicial tem como foco principal restabelecer o contacto com a criança (pode
optar-se por estabelecer este contacto a partir de alguma atividade que se realize sempre no
início das sessões); a fase de desenvolvimento é o centro da sessão (é neste momento que um
maior trabalho é realizado pela técnica de modo a atingir os objetivos pretendidos); a fase final
é importante para que a criança se aperceba que está a chegar o fim da sessão e o momento
de separação.
As sessões iniciar-se-ão no dia 13 de Janeiro de 2012 e prevê-se que terminem no dia
30 de Maio do mesmo ano. Terão a duração de 1 hora, sensivelmente, às quartas-feiras das
11h00 às 12h00 e às sextas-feiras das 10h00 às 11h00, e serão organizadas tanto em sala de
aula como no espaço da biblioteca com que o A. já se encontra familiarizado.
Assim, teremos como objetivos para os próximos 2 meses, para o A.:

Motricidade Global
Marcha:
- Ser capaz de ficar em apoio unipedal durante 10 segundos, sem ajuda;
- Ser capaz de saltar a pés juntos.

Capacidades Manipulativas:
- Ser capaz de atirar uma bola para um alvo a 1 metro de distância, sem ajuda;
- Ser capaz de chutar uma bola para um alvo a 2 metros de distância, sem ajuda;
- Ser capaz de mover diferentes partes do corpo independentemente, sem ajuda.

Motricidade Fina
- Desenvolver a capacidade de utilizar as duas mãos cooperativamente;
- Ser capaz de realizar pinça fina, sem ajuda;
- Promover o desenho de linhas horizontais e verticais através de imitação;
- Ser capaz de pintar dentro dos limites;
- Ser capaz de fazer bolas de barro ou plasticina.

Página 6 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Cognição
- Ser capaz de construir puzzles com recortes, de 6 peças ou mais;
- Ser capaz de apontar 4 partes do corpo, sem ajuda;
- Ser capaz de apontar 4 cores diferentes, sem ajuda;
- Ser capaz de selecionar objetos pela sua função;
- Ser capaz de realizar associações e separar objetos por características;
- Ser capaz de imitar sequências de ritmos;
- Descrever ações em figuras (ex.: ao ver uma imagem de uma menina a comer dizer
que ela está a comer).

Linguagem e Comunicação
Linguagem Compreensiva:
- Parar o que está a fazer em resposta a um “para” ou um “não” do adulto, sem ajuda;
- Ser capaz de seguir instruções de uma só etapa, sem ajuda;
- Ser capaz de indicar a idade pelos dedos, quando lhe perguntam;
- Ser capaz de ouvir uma história durante 3 minutos.

Linguagem expressiva:
- Responder à pergunta "o que estás a fazer?";
- Ser capaz de nomear 4 ou mais partes do corpo;
- Ser capaz de utilizar adjetivos comuns (grande, quente, etc.);
- Ser capaz de utilizar pronomes corretamente;
- Ser capaz de contar até 10.

Competências Sociais
- Ser capaz de aceitar e cumprir ordens;
- Ser capaz de dizer "por favor" e "obrigado" em contexto;
- Iniciar interação em situação de jogo em pequeno grupo;
- Ser capaz de partilhar brinquedos;
- Ser capaz de compreender emoções;
- Ser capaz de esperar pela sua vez;
- Diminuir as atitudes de oposição frequentes.

Autonomia
Higiene:
- Ser capaz de limpar as mãos sozinho;
- Ser capaz de lavar a cara sozinho.

Página 7 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Alimentação:
- Ser capaz de beber por um copo, sem ajuda;
- Ser capaz de comer com uma colher sem ajuda.

Vestuário:
- Ser capaz de ajudar a despir-se;
- Ser capaz de ajudar a vestir-se;
- Ser capaz de calçar as meias sem ajuda;
- Ser capaz de vestir uma camisola, sem ajuda.

Estratégias
O A. é uma criança que desde que entrou para o Jardim-de-infância apresentou uma
evolução extraordinária face à problemática apresentada. Como tal, e de modo a dar
continuidade a esta evolução, é adequado que o ambiente em que o A. se encontra seja um
ambiente bem estruturado, e que se baseie em rotinas e regras concretas para que ele se
consiga auto-regular e comunicar de uma forma mais adequada. Deste modo, o método
TEACCH parece ser bastante adequado para tal, pelo que já se encontra a ser aplicado na
sala do Jardim-de-Infância, podendo também, em alguma medida, ser transportado para o
ambiente em casa.
Este método caracteriza-se por ter como objetivo responder às necessidades das
crianças autistas, recorrendo aos melhores métodos e abordagens e proporcionando o maior
nível de autonomia a estas pessoas.
Este programa é um bom método de intervenção no autismo porque respeita e adequa-
se às características de cada criança, centra-se nas áreas fortes encontradas no autismo,
adaptando-se à funcionalidade e necessidades de cada criança e envolvendo a família e todos
os que intervêm no processo educativo. Diminui as dificuldades ao nível da linguagem recetiva
e aumenta as possibilidades de comunicação.
É um programa estruturado que combina diferentes materiais visuais para aperfeiçoar a
linguagem e reduzir comportamentos inapropriados. O espaço é dividido em diversas áreas
para que a criança saiba qual o local onde deve estar se pretende realizar certa atividade.
Este ambiente estruturado é bastante importante no dia-a-dia da criança autista, bem
como o uso de pistas visuais e o trabalho com base nas habilidades da criança, como é o caso
das imagens colocadas em cada uma das áreas que se repetem no horário de atividades, para
que a criança perceba que quando coloca o nome numa atividade com determinada imagem
tem de se dirigir para a área onde se encontra a mesma imagem.
Para além disto, é adequado que o programa terapêutico tenha uma característica mais
individualizada, procurar que o A. siga todas as etapas das tarefas com olhar e procurar que
todas as situações propostas sejam de curta duração (para que ele as consiga cumprir até ao
fim), e intercaladas com atividades que ele já domine e que sejam do seu interesse.

Página 8 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Os jogos que o A. já domina tornam possível trabalhar a relação com o adulto e com os
pares, bem como promovem a comunicação. No entanto, é muito importante que não se utilize
sempre os mesmos jogos para abrir o leque de interesses do A..

Por fim, a família deve participar o mais possível em todo este trabalho, aproveitando
as rotinas diárias e as atividades iniciadas pela criança para potenciar novas oportunidades de
aprendizagem e criando atividades planeadas para desenvolver outras.

Sugestões de Atividades
Como forma de dar continuidade ao trabalho que está a ser desenvolvido nas sessões
de Psicomotricidade, seguem-se algumas sugestões de atividades dirigidas à família e às
pessoas mais próximas do A., que têm como propósito ajudar o A. a alcançar os objetivos que
foram delineados.

As atividades propostas encontram-se divididas em três grandes grupos:


Atividades de Rotina: Envolvidas em situações que ocorrem regularmente,
onde estão incluídas as atividades do dia-a-dia, tais como o vestir e despir, as
refeições e a higiene. Estas atividades permitem à criança, adquirir novas
competências ou desenvolver competências que se encontram em
desenvolvimento.
Atividades Planeadas: Relacionadas com tarefas que, normalmente, não
acontecem sem a organização do adulto. Devem estar de acordo com os
interesses da criança e com os objetivos propostos.
Atividades Iniciadas pela Criança: Englobam tarefas que a criança inicia por
livre vontade, tendo em conta os seus interesses e motivações. O adulto pode
aproveitar estas situações para desenvolver os objetivos e promover novas
aprendizagens.

As atividades sugeridas serão assinaladas de acordo com a cor correspondente á área


de desenvolvimento que se pretendem trabalhar:
Motricidade Global - G Linguagem e Comunicação - L
Motricidade Fina - F Socialização - S
Cognição - C Autonomia - A

Atividades de Rotina
As atividades de vida diária são fundamentais para desenvolver capacidades e
competências no que diz respeito à autonomia.

Página 9 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Em qualquer uma das sugestões, poderá ser fornecida ajuda física quando o A.
evidenciar dificuldades, contudo sempre que se verificar adequado deverá reduzir-se essa
mesma ajuda.
Para além de ajuda física poderão ser dadas pistas verbais para as respostas
pretendidas.

Nos atos de higiene:


Ao lavar a cara, as mãos ou os dentes tentar diminuir a ajuda fornecida à
criança até que a mesma já não se mostre necessária. A
No banho, pedir ao A. para lavar algumas partes do corpo, nomeando essas
mesmas partes. Poderá ser criada uma sequência das partes do corpo pedidas
ao A., para que ele possa começar a antecipar qual será a parte seguinte e
ganhar uma certa rotina. Ao sair do banho, seguir a mesma sequência para a
secagem do corpo. A – G – C – L
Tentar prender a atenção da criança no espelho e incentivar o A. a imitar
expressões faciais (felicidade, tristeza, etc.). S

Às refeições:
Diminuir gradualmente a ajuda durante a alimentação. A
Deixar que seja o A. a pegar nos talheres e no copo sozinho, tendo o cuidado
de supervisionar os seus comportamentos. A – F
Poderá nomear-se tudo aquilo que é dado ao A. (ex.: bolachas, pão, água, etc.)
e insistir-se para que o menino repita ou tente verbalizar, sem ajuda, o nome
dos alimentos. A – C – L

Ao vestir e despir:
Ao vestir o A., pedir-lhe que ajude (ex.: ao vestir as calças, pedir-lhe que ponha
um pé de cada vez). A – G – C
À medida que se veste o A. pode nomear-se as partes do corpo por onde
passa a roupa. A – L

Ao deitar:
Contar uma história ao A.. Escolher livros que contenham imagens que se
prendam com os interesses da criança, de forma a prender a sua atenção. C
Tentar que o A. aponte algumas imagens à medida que são nomeadas. Se não
o fizer pode ser fornecida ajuda física, pegando-lhe na mão e apontando com o
seu dedo. C – F
Deve recorrer-se à criatividade e imitar os sons dos animais, dos transportes
ou de outros objetos que façam parte da história. C – L

Página 10 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Deve deixar-se que seja o A. a virar as páginas do livro e certificar-se de que


vira uma de cada vez. F
Realizar relaxamento com o A. deitado: colocar uma música calma e ir
passando uma bola nas partes do corpo, lentamente, ao som da música,
nomeando as partes que estão a ser tocadas. Isto irá permitir ao A. atingir um
estado de calma e ter um sono tranquilo. C

Em casa:
Mostrar álbuns de fotografias ao A., apontando e dizendo os nomes das
pessoas, e incentivando-o a olhar para as fotografias e apontar também. C – L
Incentivar o A. a dizer “obrigado” e “por favor” adequadamente. L – S
Após a brincadeira pedir ao A. que arrume os brinquedos no seu devido lugar.
S

Atividades Planeadas
Realizar algumas atividades com bolas. Sentar-se em círculo com as pernas
afastadas e passar a bola, junto ao chão, de uns para os outros. G – S
Colocar uma caixa de ovos sobre a mesa e disponibilizar objetos diferentes,
como botões, moedas, cereais, missangas, etc., numa pilha junto á caixa de
ovos. Inicialmente deverá ser colocado um objeto diferente em cada divisão da
caixa. Pedir ao A. para se sentar á mesa junto dos materiais e separar os
objetos pelas divisões correspondentes. Poderá falar-se com o A. sobre as
diferenças e semelhanças entre os diversos objetos (forma, cor, tamanho, etc.).
F–C–L
Utilizando molas de várias cores, deve mostrar-se uma mola à escolha e pedir
ao A. para apanhar todas as molas da mesma cor. Deverá nomear-se sempre
a cor da mola e pedir ao menino que repita, de modo a que o A. aquira a noção
de cor. G – F – C – L
Também utilizando molas, pode construir-se diferentes formas, com diferentes
tamanhos e incentivar o A. a imitar, dando reforço verbal para o nome das
formas (quadrado, triangulo, circulo, etc.) e para os tamanhos (grande e
pequeno). F – C – L
Reunir alguns objetos que sejam familiares ao A. (copo, colher, sapato,
cadeira, etc.), e pedir para que identifique os objetos pela função (ex.:
perguntar “o que serva para beber?” e o A. deverá apontar ou nomear o objeto,
neste caso o copo). F – C – L

Página 11 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Atividades Iniciadas pela Criança


Se a criança estiver a brincar com legos ou outros jogos de construção
incentivá-la a realizar construções o mais elaboradas possível. Podendo,
também, dentro desta atividade, incluir noções de cor e tamanho, pedindo ao
A., por exemplo, para pegar na peça maior, ou mostrar uma peça de
determinada cor e pedir que pegue numa peça de cor igual. F – C – L – S
Se o A. estiver a prestar atenção a alguma música em particular poderá
incentivar-se a que marche ao som da mesma ou acompanhe o ritmo da
música, por exemplo, com palmas. Existem músicas, como é o que das do
Panda, que o A. gosta bastante, que o poderão incentivar a movimentar
diferentes partes do corpo de diferentes formas. G – C – L – S

Em síntese…
É importante não esquecer que os recursos utilizados com o A. deverão ser simples e
de fácil compreensão para a criança. Como tal deverá utilizar-se linguagem simples, repetindo
as instruções sempre da mesma forma, pois cada vez que o adulto acrescenta algo, pode
parecer uma instrução diferente; e utilizar-se instruções explícitas, suportadas por pistas
visuais (apontando para o que se pretende ou mostrando um objeto referente à atividade que
se irá realizar, como é o caso da colher na hora das refeições).
Outra característica típica do A. é o facto de nem sempre parecer ouvir quando se fala
com ele, como tal, nestes momentos poderá utilizar-se o ato de “cantar” as palavras ou
sussurra-lhe ao ouvido de modo a chamar a sua atenção.
O A. deverá poder usufruir do tempo necessário para responder adequadamente ao
que lhe é pedido e realizar as tarefas propostas.
Como já foi dito, o espaço deverá ser o mais organizado possível e deverá conter
objetos que provoquem na criança a necessidade de comunicar ou pedir algo (ex.: colocar
objetos da sua preferência à vista mas fora do seu alcance), incentivando-o sempre a
verbalizar as suas necessidades.
A colocação de regras bem definidas na rotina de vida do A. é essencial, sendo
importante que a criança aprenda a lidar com a frustração.
Todas as oportunidades e iniciativas para ensinar e educar o A. devem ser
aproveitadas ao máximo sendo igualmente importantes para aprender com o mesmo.

Página 12 de 13
[RELATÓRIO E PLANO DE INTERVENÇÃO]

Para qualquer dúvida que possa surgir fica o meu contacto:


Email: heliapatriciac@gmail.com
Telemóvel: 939454574

Não deixe de contactar para qualquer dúvida ou situação que possa surgir, até porque,
é através de um trabalho contínuo e em equipa, que o A. irá desenvolver-se de uma forma
saudável e feliz.

__________________________________________

Página 13 de 13