Você está na página 1de 9

AULA 8 - CONTRATAÇÃO E INTEGRAÇÃO DE MEIOS DE

PAGAMENTO
Uma das questões mais delicadas de um e-commerce são justamente
as formas de pagamento a serem utilizadas e a segurança destas opções.
Cartões de crédito direto com operadoras, soluções terceirizadas como
PagSeguro, Bcash e PayPal. Vantagens e desvantagens de tais sistemas e
seus custos reais. Sistemas antifraude e segurança nas transações on-line.
Como evitar o charge back (cancelamento de compra por cartão), além da
questão da segurança no e-commerce que é essencial para seu
funcionamento. Você conhecerá as principais ameaças à segurança do sistema
e processos de pagamento e quais as ferramentas disponíveis para garantir o
correto funcionamento do seu negócio.
1. VISÃO GERAL DOS MEIOS DE PAGAMENTO E SEU
USO NO E-COMMERCE
Quando estamos falando de dinheiro todo cuidado é pouco, por isso
um dos pontos mais relevantes dentro do planejamento de um e-commerce é
sem dúvida o levantamento das possibilidades de pagamento e a escolha das
formas de pagamento que irá oferecer aos seus consumidores em sua loja
virtual.
É importante destacar que quanto mais formas de pagamento forem
ofertadas ao cliente maiores serão as chances da compra acontecer,
impactando diretamente na taxa de conversão. Entretanto dependendo do
seguimento, tamanho do empreendimento e da operação da loja virtual nem
sempre é viável ou possível disponibilizar todas as formas de pagamento
existentes hoje para serem implantadas no comércio eletrônico. Cabe então
uma análise criteriosa e um estudo de custo benefício.
Além de se tratar de uma questão de segurança, as formas de
pagamento disponíveis nos remete ao que já estudamos sobre usabilidade,
confiabilidade e profissionalismo do negócio.
Certamente nenhum consumidor de sua loja virtual quer ter problemas
na hora de pagar, visto que a parte mais difícil você já conseguiu realizar que é
a venda, o encantamento, a decisão de compra por parte do consumidor. Note
a importância de um sistema de pagamento rápido e simples, nenhum cliente
quer comprar um produto e na hora de pagar ter que realizar o processo de
pagamento várias vezes porque o sistema adotado é ineficiente, ou tem que
preencher muitos dados ou o pior, porque não confia no sistema adotado para
pagamento, logo evite situações desagradáveis neste momento.
Assim, dentro das possibilidades procure tornar disponíveis várias
bandeiras de cartão, sistemas integrados de pagamento, descontos para
pagamento à vista, cupons de desconto, parcelamento, boleto bancário etc. A
ideia é tornar o processo simples e funcional onde o cliente sinta-se seguro,
satisfeito e com confiança em realizar uma nova compra em sua loja virtual.

2. INTEGRAÇÃO COM A PLATAFORMA DE E-COMMERCE

Muitas plataformas oferecem integração com intermediadores de


pagamento, e aqui encontramos um problema na escolha da plataforma, é fato
que nem todas oferecem todos os tipos de integração, plataformas mais
robustas oferecem mais opções para pagamento, plataformas mais simples
terão menos opções de integração. Não deixe de avaliar esta importante
informação antes de escolher a plataforma para e-commerce onde a loja virtual
será montada. De qualquer forma quase que na totalidade delas as formas de
pagamento através de intermediadores está presente, o que já é uma grande
vantagem operacional. Vamos conhecer os principais intermediadores de
pagamento para e-commerce no Brasil.
Bem, saibamos que a maioria das compras feitas pela internet é paga
através de cartão de crédito, esta é a forma preferida pelos consumidores
digitais brasileiros, logo é imprescindível disponibilizar esta forma de
pagamento para o consumidor de sua loja virtual.
Antes de tratarmos das opções que temos vamos entender alguns
conceitos:
Bandeiras de cartão: de forma resumida bandeiras de cartão de crédito
como Mastercard, Visa e American Express, determinam as regras de
utilização do cartão de crédito e também de débito, regras como quantidade de
parcelas em que a compra será paga, onde e quais lojas a bandeira é aceita e
a amplitude, se pode ser uado nacionalmente ou internacionalmente.
Bancos emissores: Os bancos emissores são instituições financeiras
autorizadas a emitir os cartões com suas respectivas bandeiras, podem ser
instituições sediadas como CAIXA, BANCO DO BRASIL, ITAÚ, ou instituições
financeiras digitais como ORIGINAL, INTER e NUBANK.
Adquirentes: Empresas como Cielo e Rede tem o papel de liquidar
transações realizadas por meio dos cartões de crédito e débito, realizando a
comunicação com as bandeiras e com as instituições financeiras emissoras,
recebendo assim do consumidor e repassando o valor ao vendedor deduzindo
a taxa de operação dentro de um prazo pré-determinado. Iremos detalhar
melhor esta forma de pagamento no próximo tópico.
Subadquirentes: o subadquirente faz a intermediação entre todas as
partes envolvidas, adquirente, emissores e bandeiras, Estes são os mais
comuns presentes nas plataformas e-commerce, destacando-se os maiores
subadquirentes no mercado nacional encontram-se PagSeguro, PayPal, Moip
e Mercado Pago.
Para quem está iniciando sua operação no comércio eletrônico esta é a
melhor forma de garantir o acesso a todas as bandeiras de cartão disponíveis,
pois estas empresas já tem o cadastro com os adquirentes, além de contar
com serviços de gateway e antifraude o que permite oferecer uma transação de
pagamento completa e segura para os consumidores de sua loja virtual.
Obviamente que como qualquer serviço prestado existe vantagens e
desvantagens, entre as vantagens destacam-se a velocidade na contratação,
garantia de recebimento, segurança, possibilidade de parcelamentos amplos,
confiabilidade e recebimento rápido, porém a vantagem a ser mais considerada
é o custo variável da transação, ou seja, somente haverá pagamento se houver
operação.
Quanto às desvantagens em geral as taxas variáveis são altas,
dependendo do valor da transação, o valor das taxas são sempre sobre este
valor, o parcelamento sem juros para o cliente, entretanto do empresário os
juros são cobrados em caso de parcelamentos, existe a necessidade de que o
cliente tenha uma conta já cadastrada nos subadquirentes ou que realize este
processo durante a compra, o que pode dificultar um pouco do ponto de vista
de usabilidade. Pode-se correr o risco do cliente abandonar a compra quando é
redirecionado para a página do subadquirente, é fundamental deixar esta
transição entre a loja e o site do subadquirente o mais imperceptível possível.
3. INTEGRAÇÃO DIRETA COM AS ADMINISTRADORAS
Quando a loja virtual já tenha amadurecido em número de vendas e
representatividade no mercado é hora de pensar em uma solução mais
robusta, na verdade é a extinção do subadquirente e passar a trabalhar
diretamente com o adquirente, pois além de ser mais fácil para o consumidor
proporcionando um pagamento mais simples e rápido existem outras
vantagens relacionadas às taxas por exemplo. Todavia é importante destacar
que neste modelo de pagamento as transações são mais vulneráveis caso não
sejam adotadas políticas e sistemas de análise de risco, por isso precisamos
considerar suas vantagens e desvantagens.
No que tange as vantagens, destacam-se principalmente, o custo
variável por operação bem mais baixo, custo menor nos juros em caso de
parcelamento, maior facilidade na realização do pagamento e antecipação de
recebíveis.
As desvantagens que mais se manifestam são a demora na
contratação por conta da burocracia e a existência de custo fixo por período e o
investimento inicial relativamente alto dependendo da plataforma onde o
sistema de pagamento será implantado.

4. GATEWAYS DE PAGAMENTO
O gateway processa o pagamento no momento de finalizar a compra,
seja por cartão de crédito, débito ou através de um subadquirente, que ira
verificar se os dados estão seguros e se há valor disponível para a compra.
A vantagem de utilizar um gateway, é que o valor da venda vai direto
para a conta do empreendedor sem precisar ser intermediado por terceiros, e
também alterasse aqui a forma de cobrança do adquirente que passa a ser por
número de transações e o custo fixo de manutenção.
Os pontos positivos estão ligados ao maior controle sobre as
transações e melhoria na usabilidade da loja virtual sem redirecionamento,
parcelamentos com ou sem juros, pagamentos em cartão de crédito mesmo
sem CNPJ; e a própria plataforma analisa o crédito evitando o Chargeback.

5. PSP, O FUTURO DOS MEIOS DE PAGAMENTO.


O PSP, provedor de serviços de pagamento, é a combinação de
gateways com subadquirentes, tornando o processo de integração mais
simples e aumenta suas chances de venda e conversão. O mais conhecido é o
PAGAR.ME, que tem vários atrativos em comparação com as demais formas
de pagamento como: antecipação de parcelas, split-payment e uma conversão
superior a 90%.
Assim, entender os pontos positivos e negativos de cada forma de
pagamento e como todo esse processo funciona é fundamental. Escolha bem
quando for adicionar as formas de pagamento em sua loja uma que atenda a
necessidade do negócio e proporcione uma boa experiência de compra para os
consumidores.

6. CERTIFICADOS DE SEGURANÇA
É fundamental compreender que o mercado digital, ainda que facilite
em muito a vida dos consumidores, existem riscos durante a operação de
compra, e cada vez mais estes consumidores estão cientes que este risco
existe, logo se o cliente digital não observar que a loja virtual oferece um
ambiente seguro para que a transação comercial aconteça certamente ele não
compra, ou ainda pior que isso, ele pode comprar e acabar sendo prejudicado,
tendo seus dados utilizados por terceiros por falha na segurança da loja virtual.
Então para vender não basta uma plataforma com usabilidade, design
navegação simples e que ofereça várias formas de pagamento, o cliente digital
precisa sentir-se seguro e confiante que a compra irá ocorrer de forma
tranquila.
Para que uma loja virtual seja segura devemos entender algumas
situações. Vejamos alguns pontos fundamentais para garantir a segurança de
sua loja virtual.
A utilização do certificado digital SSL é o primeiro passo para garantir a
segurança dos dados de seus clientes, é de responsabilidade do
empreendimento garantir que estes dados sejam devidamente guardados e de
caráter sigiloso.
A existência do protocolo HTTPS indica que aquele ambiente possui o
Certificado Digital SSL instalado. O SSL garante que os dados inseridos pelo
consumidor digital serão criptografados. Existem várias empresas que
fornecem o Certificado SSL, e existem vários certificados diferentes, SSL, SSL
EV e SSL Wildcard.
O SSL (simples) realiza somente a criptografia das informações
inseridas no site protegendo estas informações. Já o SSL EV além de
criptografar os dados é capaz de validar informações como CNPJ e endereço
da empresa, deixando visível para o cliente que o ambiente é seguro
agregando valor à sua loja virtual em relação à segurança. O SSL
Wildcard trabalha de forma mais ampla, para comércios eletrônicos possui
vários domínios. Lembre, este processo é obrigatório, mas vai, além disso, se a
sua loja não for segura pode ter certeza que também não irá vender.

7. ANÁLISE DE RISCO
A Blindagem de sua loja virtual visa mapear vulnerabilidades tais como:
derrubada da loja virtual causando transtornos e perda de público visitante e
clientes, acesso não autorizado ao banco de dados, acesso às informações
dos clientes, existência de vírus e arquivos maliciosos no script da loja entre
outros problemas de segurança.
Quando um e-commerce está blindado existe uma diminuição
considerável de chances de invasão, existem empresas especializadas neste
tipo de serviço, para isso é feito uma análise prévia da segurança existente e
posteriormente medidas são tomadas para que as chances de invasão
diminuam. Precisamos entender que é uma ferramenta que irá alertar sempre
que uma brecha de segurança for encontrada, e que pessoas más
intencionadas acessem sua loja de forma maliciosa e danosa. Esta ferramenta
funciona através de uma varredura na loja virtual de forma constante.
Embora não tenha caráter obrigatório é mais uma garantia para seus
consumidores e isso os torna clientes mais seguros durante a experiência de
compra.
Além da blindagem existe ainda o WAF (Web Application Firewall)
outra ferramenta ideal para proteger a loja virtual. Esta ferramenta atua de
forma proativa interrompendo qualquer atividade suspeita de invasão.
O empreendedor de e-commerce precisa ter em mente que o
investimento em segurança gera vendas, além de cumprir com seu papel
básico que é trazer segurança ao seu negócio.
Por isso deixe evidente em sua loja virtual que ela possui boas práticas
de segurança, isso aumenta as chances de venda. Todavia embora possa
auxiliar neste aspecto é importante ressaltar que segurança não tem caráter
comercial, tem como premissa melhorar o controle sobre a operação e evitar
transtornos para a empresa e para os clientes.
Invista na segurança de sua loja virtual, isso deve ser uma prioridade
do negócio, se for bem empregada pode ser utilizada como ferramenta de
marketing digital, pois podemos utilizar os selos de segurança no design da
loja.
8. ANÁLISE DE FRAUDES EM CARTÕES
Nenhuma loja virtual está imune a fraldes relacionadas a cartões de
crédito, isso pode ocorrer com qualquer empreendimento em qualquer
seguimento, sendo assim você deve ficar atento a situações desta natureza por
um único e simples motivo.
As fraudes fazem com que o seu comércio eletrônico perca dinheiro, e
ninguém gosta de perder dinheiro, esse motivo já basta para investir em
sistemas antifraude, além disso, se as fraudes são constantes o prejuízo
aumenta e o negócio perde a viabilidade e acaba por encerrar as atividades.
Estas fraudes geram o Chargeback, que nada mais é que o estorno do
valor recebido quando o cliente informa uma compra indevida, isso pode
ocorrer de formas diferentes, como por exemplo: cartões clonados, ou quando
o cliente compra e ao receber o produto informa que não reconhece a compra
ou ainda quando terceiros utilizam o cartão de crédito de alguém e o titular
solicita o estorno.
Existem algumas ferramentas para minimizar as fraudes em sua loja
virtual. Estas ferramentas fazem uma análise das informações e decidem de
forma autônoma se autorizam ou não a compra. Nestas ferramentas são
comuns a análise do código de segurança do cartão, rastreamento do
dispositivo que está realizando a compra, registros em banco de dados de
empresas onde os dados são confrontados e em caso de divergência a
transação é negada, verificação do endereço de entrega entre outras formas de
verificação.
Claro que mesmo tomando todos estes cuidados você ainda não está
livre de sofrer algum tipo de fraude, porém irá reduzir em muito se utilizar
ferramentas que tem como objetivo reduzir estes riscos.
Por este motivo o investimento em sistemas antifraude vale muito a
pena, se comparado ao prejuízo que a não utilização pode causar.

O QUE APRENDEMOS HOJE


Hoje aprendemos como funcionam as formas de pagamento para um
e-commerce, também aprendemos como nos precaver em caso de fraudes
além da importância de tornar a loja virtual um ambiente seguro para o
consumidor digital.

9. EXERCÍCIOS
1. Qual a importância da contratação e integração de meios de pagamento
para o correto funcionamento do e-commerce?
2. Disserte sobre a visão geral dos meios de pagamento e seu uso no e-
commerce:
3. Qual a forma correta de realizar a integração dos meios de pagamento
com a plataforma de e-commerce?
4. Como realizar a integração direta com as administradoras?
5. O que são gateways de pagamento?
6. Defina PSP, e porque este modelo é tido como o futuro dos meios de
pagamento:
7. O que são certificados de segurança?
8. O que significa realizar uma análise de riscos nos meios de pagamento?
9. Porque é tão importante conhecer e saber analisar fraudes em cartões?
10. Quais as implicações de um site não seguro?
1. ATIVIDADES
Pesquise algumas empresas que fornecem o serviço de segurança do tipo
SSL, preços e diferenças nas proteções oferecidas.

2. TDP – ETAPA 08
Já sabemos que precisamos de formas de pagamento para nosso e-
commerce, diversas plataformas já oferecem integração com várias formas de
pagamento, para isso crie suas contas nos mais comuns como MERCADO
PAGO e PAGSEGURO, estas formas de pagamento serão integradas à sua
plataforma e-commerce mais adiante no projeto.