Você está na página 1de 7

UNIVERSIDADE ESTUDAL DO NORTE DO PARANÁ

CARLOS DANIEL DUTRA

RESENHA DO LIVRO A ARTE DE ARGUMENTAR

JACAREZINHO
2018
CARLOS DANIEL DUTRA

RESENHA DO LIVRO A ARTE DE ARGUMENTAR

TRABALHO APRESENTADO A DISCIPLINA DE


OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL -
UENP/CLCA - JACAREZINHO (PARANÁ)
DOCENTE: FERNANDO MORENO DA SILVA

JACAREZINHO
2018
A ARTE DE ARGUMENTAR: GERENCIANDO RAZÃO E EMOÇÃO

Carlos Daniel Dutra

ABREU, Antônio Suárez. A arte de argumentar: Gerenciando


Razão e emoção. 4. ed. Cotia/São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

Apreciação geral sobre o livro

O livro, escrito por Antônio Suárez Abreu, teve sua primeira edição
publicada em 1999, pela editora Ateliê Editorial, hoje está em sua 13º
edição (ISBN 85-85851-81-3). O livro em estudo é a 4º edição, contém
64 páginas, compondo-se de 42 itens (apresentados em seu sumário) a
serem apontados e explicados, conclusão e palavras finais.

A obra, funcional e didática, trata das principais técnicas e recursos


argumentativos, explicando as condições para argumentar. O livro aborda
e esclarece conceitos básicos para construir uma boa argumentação,
explicando os processos para argumentar, convencer e persuadir seu
público. Dentre as técnicas abordadas pelo autor, uma das mais
significativas é a Hierarquia de Valores, que define qual é a melhor forma
de utilizar seus recursos de acordo com o auditório e modo que seus
valores podem ser hierarquizados.

Sobre o autor

Antônio Suárez Abreu é professor titular de linguística e língua


portuguesa na UNESP, campus de Araraquara. Trabalha na área de
gramática e Retórica. É formado em letras Neolatinas pela PUC –
Campinas. Tem especialização em Língua e Literatura Portuguesa pela
Universidade Clássica de Lisboa; mestrado, doutorado e livre-docência
em linguística pela USP, onde lecionou por quase 15 anos. Fez pós-
doutorado em Linguística na UNICAMP, em 2008.

Síntese do livro

O livro “A arte de argumentar: Gerenciando Razão e Emoção”, de


Antônio Suárez Abreu, tem por objetivo auxiliar as pessoas a como
argumentar de forma correta, para possuírem eficácia na vida profissional
e pessoal. Essa conquista não depende apenas da formação e do
conhecimento das pessoas, mas também, e principalmente, de suas
habilidades de comunicação, dispondo de uma boa argumentação. Essa
resenha tem por finalidade apresentar como Abreu faz uso dessas técnicas
de argumentação, de forma coesa e prática. Demonstrando como
argumentar e persuadir o público, adequando sua linguagem ao leitor.

Na primeira parte do livro, o autor surge com uma questão que, no


decorrer do texto será respondida, que é “por que aprender a
argumentar?”, e explica que argumentar é “saber integrar-se ao universo
do outro”. O autor aborda, também, um conceito prático sobre
argumentar, convencer e persuadir e, em seguida, faz uma distinção entre
elas:

Argumentar é, pois, em ultima


análise, a arte de, gerenciando
informação, convencer o outro de alguma
coisa no plano das ideias e de,
gerenciando a relação, persuadi-lo, no
plano das emoções, a fazer alguma coisa
que nós desejamos que ele faça. (p.9)

Abreu começa fazendo um passeio histórico para esclarecer o


surgimento da argumentação, falando sobre a Grécia antiga, sobre como
eles valorizavam a retórica do discurso. A retórica se valia do uso de
variados pontos de vista ou paradigmas, aplicados sobre objetos de seu
estudo.

A segunda parte desse capítulo remete sobre o senso comum, o


paradoxo e o maravilhamento. O senso comum está presente em todas as
classes sociais, ele não é um discurso articulado, mas sim fragmentos de
discursos articulados. Opiniões contrarias ao senso comum, o paradoxo
seria a técnica mais utilizada pela retórica em Atenas, o que leva ao
maravilhamento – também chamado, mais tarde, de estranhamento.
Posteriormente, Abreu expõe as condições de argumentação, das quais:
definir uma tese e saber qual problema ela responde; adequar sua
linguagem ao seu auditório; ter um contato positivo com esse auditório;
buscar a persuasão de forma honesta. Ademais, é preciso de uma tese de
adesão inicial, que seria fazer uma preparação do campo antes de expor
a tese inicial, para que assim, possa tentar convencer o público.

O autor também apresenta algumas “técnicas argumentativas”, que


se dividem em: argumento quase lógico e argumentos fundamentados na
estrutura do real. O primeiro pode ser compatibilidade e
incompatibilidade, mostrar a tese de adesão inicial, apresentando como
compatível ou incompatível. No segundo, os argumentos são
fundamentados em ponto de vista e não na descrição objetiva dos fatos.

Abreu indica, ainda, um bom recurso para persuasão, os recursos


de presenças que são de suma importância quando utilizados para ilustrar
a tese que será defendida. É necessário adequar-se aos valores do outro,
para conseguir emocioná-lo. A persuasão é responsável pela metade do
sucesso de um argumento. É também necessário, tornar-se sensível aos
valores do outro, levando em consideração que a outra pessoa deve ganhar
com aquilo.

No processo persuasivo, a escolha das palavras tem enorme


influência na argumentação. Para o autor, as figuras retóricas são
recursos linguísticos com poder persuasivo subliminar, com um caráter
funcional. As figuras retóricas são as figuras de som, de palavra, de
construção e de pensamento.
As figuras de som selecionam palavras que produzem efeitos
especiais de sentido dentro da argumentação. As figuras de palavra são:
a metonímia e a metáfora. As figuras de construção são: o pleonasmo, a
hipálage, a anáfora, a epístrofe e a concatenação. As figuras de
pensamento são: a antítese, o paradoxo e a alusão.

O autor ressalta que, por resultante à apresentação dessas técnicas


e esses recursos, mesmo que pareça complicado de início, com a prática
uma argumentação feita a partir desses poderá ser feita mais facilmente.

Opinião sobre o livro

O livro em evidência, é muito útil para pessoas que pretendem obter


aperfeiçoamento em suas técnicas de argumentação, ou até mesmo
aprender a argumentar. As dicas apresentadas são extremamente eficazes
e necessárias para poder argumentar com maior confiança. O texto está
adequado ao receptor, apresentando uma leitura de fácil compreensão e
com exemplos práticos facilitando o entendimento – ponto positivo para
a obra.

As distinções feitas entre persuadir e convencer são muito


interessantes. Sendo conceitos válidos e úteis, a partir do momento que
nos apresenta como fazer uso de cada uma delas.

Os exemplos evidenciados ao final da obra sobre os diferentes


recursos da retórica são, também, outro aspecto valioso. Para alguém que
pretende aperfeiçoar seu discurso e argumentação, é de suma importância
ter conhecimento acerca dos diferentes recursos retóricos. Obviamente,
que a leitura nessa parte do texto se torna mais sistemática e fatigante,
mesmo havendo uma quebra disso pelos exemplos expostos nas definições
dos recursos.

Consumando, o livro, apesar de pouco extenso, denota muitas


informações úteis e importantes. Apresenta, também, uma leitura
tranquila e proveitosa, que nos permite perceber novas perspectivas do
nosso discurso e, até mesmo, de nossas relações com as outras pessoas.

Referência

ABREU, Antônio Suárez. A arte de argumentar: Gerenciando Razão e


emoção. 4. ed. Cotia/São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.