Você está na página 1de 19

Mata Atlântica

Introdução

A Mata Atlântica é uma


formação vegetal que está presente em
grande parte da região litorânea
brasileira que cobriam originalmente
total ou parcialmente 17 estados
brasileiros e abrangiam uma área de
aproximadamente 1.300.000 km2.
Área total atual: aproximadamente
52.000 Km2.
A Mata Atlântica
encontra-se, infelizmente, em
processo de extinção. Isto
ocorre desde a chegada dos
portugueses ao Brasil (1500),
quando iniciou-se a extração
do pau-brasil, importante árvore
da Mata Atlântica.
Até hoje, ao longo do
bioma são exploradas inúmeras
espécies florestais madeireiras e
não madeireiras - como o caju,
o palmito-juçara, a erva-mate,
as plantas medicinais e
ornamentais, os cipós, entre
outras. Árvore de Pau-Brasil
As principais características da Mata Atlântica são:

- Presença de árvores de médio e grande porte,


formando uma floresta fechada e densa;

- Rica biodiversidade, com presença de diversas


espécies animais e vegetais; Cipós

- As árvores de grande porte formam um microclima


na mata, gerando sombra e umidade;

Encontramos também:

- Cipós e Briófitas.
Briófitas
BIODIVERSIDADE
Fauna
Dentro da riquíssima fauna existente
na Mata Atlântica, algumas espécies
possuem ampla distribuição, podendo ser
encontradas em outras regiões. O que mais
impressiona, no entanto, é a enorme
quantidade de espécies endêmicas, ou seja,
que não podem ser encontradas em nenhum
outro lugar do Planeta. São os casos das 73
espécies de mamíferos, entre elas 21 espécies
e subespécies de primatas.
No total, a Mata Atlântica abriga
quase mil espécies de aves, 370 espécies de
anfíbios, 200 de répteis, 270 de mamíferos e
cerca de 350 espécies de peixes.
Fauna
O mico-leão-dourado, por exemplo, vive apenas em
uma área específica da Mata Atlântica, situada no
estado do Rio de Janeiro; o macaco-prego-de-peito-
amarelo é restrito ao sul do estado da Bahia; o
mutum-do-nordeste só parece em Alagoas. Mas há
também espécies que aparecem em toda a área Mico-leão-dourado
coberta pela Mata Atlântica, como a onça pintada e
a suçuarana. No entanto, toda essa biodiversidade
está em risco. São muitas espécies que estão
ameaçadas.
Fauna - Animais com Risco de Extinção na Mata
Atlântica:
Mico-Leão-Dourado, Bugio, Tamanduá-bandeira,
Tatu-canastra, Arara-azul-pequena, Onça Pintada.
Suçuarana Onça pintada
Orquídea
Flora
A flora da Mata Atlântica conta com mais de
20 mil espécies de plantas. Destas, 8 mil são
endêmicas. Há grande diversidade de bromélias e
orquídeas.
A Mata Atlântica no sul da Bahia é destacada
pela grande diversidade da sua flora.
Seu solo é pobre e a topografia é bastante acidentada.
No interior da mata, devido a densidade da vegetação,
a luz é reduzida.

Bromélia Jacarandá
Hidrografia
É importante destacar a
existência de sete das nove maiores
bacias hidrográficas nesse bioma. Nele
estão os mananciais que abastecem de
água 70% da população brasileira. Os
rios e lagos que compõem essas bacias
estão em grande parte ameaçados pelo
desmatamento das matas ciliares ou de
galeria (estreitas faixas de árvores que
margeiam os rios) e consequente
assoreamento dos mananciais, pela
poluição da água e pela construção de
represas sem os devidos cuidados no
meio ambiente.
Pluviosidade

A pluviosidade da Mata Atlântica é muito alta chega a


aproximadamente á 2.200 mm por ano.
Na Mata Atlântica chove muito pois o clima na Serra do Mar (é
uma cadeia montanhosa do relevo brasileiro que se estende por
aproximadamente 1500 km ao longo do litoral do sul e sudeste) sofre a
ação de fatores mais localizados, que neutralizam os efeitos da descida
do ar seco nestas latitudes. O primeiro e mais importantes dele é a
proximidade do oceano atlântico.
As correntes Atlânticas que banham nossa costa são em sua
maioria provenientes do equador e consequentemente quentes. Por
causa delas o ar na costa brasileira é úmido mesmo a 30° de latitude sul.
Clima

O clima do Brasil na região da


Mata Atlântica está inserido na faixa de
transição entre o clima tropical e
subtropical. A proximidade do oceano, a
dinâmica atmosférica regional, e os
traços de relevo contribuem para tornar
o clima local predominantemente quente
e úmido, caracterizado por temperaturas
altas, nebulosidade no alto das
montanhas e umidade elevada. De um
modo geral, o período mais frio e seco
vai de abril a setembro (inverno) e o
mais quente e chuvoso de outubro a
março (verão).
Relevo

O Relevo da Mata Atlântica se apresenta ondulado, bastante montanhoso


(serra do Mar e serra da Mantiqueira).

Serra do Mar Serra da Mantiqueira


Habitantes

As variações dos ecossistemas da Mata Atlântica em diferentes


regiões do país ajudaram a estimular o aparecimento de inúmeros
grupos culturais, que acabaram por construir uma grande sócio
diversidade entre os atuais 110 milhões de habitantes do bioma.
Praieiros, jangadeiros, caipiras, sitiantes, pescadores artesanais, caiçaras,
açorianos, ribeirinhos, quilombolas e índios são os personagens mais
conhecidos desses grupos que têm uma ligação íntima com o meio
ambiente em seus modos de vida e culturas. Confira abaixo algumas
informações sobre os principais grupos.
Quilombolas
Desde a época de formação dos quilombos, as atividades
econômicas e a ocupação não-quilombola promovidas por fazendeiros,
madeireiros, mineradoras e garimpeiros foram avançando sobre as
terras das comunidades remanescentes. Esta situação motivou o
movimento negro a propor em 1988 o direito à propriedade da terra
para os quilombos, o que ficou assegurado pelo artigo 68 da
Constituição do Brasil.
A organização política dos quilombolas passou a ser um
instrumento fundamental para a defesa de seus direitos. Uma das
formas encontradas foi a criação de associações de quilombos, que
atuam no processo de seu reconhecimento coletivo como descendentes
de escravos e perpetuam sua ocupação do espaço segundo as
especificidades dos ambientes que habitam.
Índios
Os mais antigos ocupantes da Mata Atlântica já chegaram à casa dos
milhões de habitantes antes da colonização do Brasil. Atualmente somam 370
mil pessoas em todo o país, distribuídos em pouco mais de 200 povos, sendo
aproximadamente 70 em terras indígenas dentro da Mata Atlântica -
espalhados por inúmeras aldeias.
Os grupos indígenas mais numerosos no bioma são os Guarani,
presentes no Espírito Santo, no Mato Grosso do Sul, no Paraná, no Rio de
Janeiro e em São Paulo; e os Kaingang, no Paraná, em Santa Catarina, São
Paulo e no Rio Grande do Sul. Mas existem muitos outros grupos habitando a
Mata Atlântica, como os Krenak, os Pataxó, os Terena e os Xocleng.
Falando diferentes línguas e com costumes diversos, os povos
indígenas conseguiram, de um modo geral, reverter a curva descendente da
população que se desenhava até a década de 70 e passaram a reivindicar uma
série de direitos coletivos, como a demarcação de suas terras e a participação
sobre decisões políticas que afetam sua realidade.
Devastação

Em 1500 Mata Atlântica


cobria uma área superior a 1,29
milhão km2, cerca de 15% do país,
e estendia-se ao longo da costa
brasileira, em áreas de 17 Estados.
Hoje, estima-se que reste
menos de 8% de sua área original,
em situação crítica e ritmo
acelerado de devastação.
Os números impressionantes da
destruição do bioma demonstram a
deficiência da conservação ambiental em
nosso país e a precariedade do sistema de
fiscalização dos órgãos públicos.
Atualmente da segunda maior
floresta brasileira restam apenas cerca de 5
% de sua extensão original. Em alguns
lugares como no Rio Grande do Norte, não
há nem vestígios.

Hoje a maioria da área litorânea que era coberta pela Mata Atlântica é
ocupada por grandes cidades, pastos e agricultura. Porém, ainda restam manchas
da floresta na Serra do Mar e na Serra da Mantiqueira, no sudeste do Brasil.
Não deixe que esse
espetáculo de cores e formas
se extingue!
Pense nos seus filhos,
nos seus netos...Que futuro
você deseja para eles?
Deixe-os sentir o
cheiro da terra molhada e se
encantar com o jogo de luzes
do Sol expandindo-se pelas
folhas das árvores.
Dê a oportunidade de
eles verem a magia de uma
27 de maio - Dia Nacional da Mata Atlântica floresta que VOCÊ ajudou a
salvar!
Equipe Mata
Atlântica:

Fabiana Barroso
Lidiane
Matias Luz
Betuel Cardoso
Jeimilson Rodrigues
Jean Paulo
Celso Reis