Você está na página 1de 12
A_Prova LEITURA E EDUCACAO LITERARIA Os Lusiadas ; Portugués - 9° Ano eee Aspetos gerais (05 Lusiadas so um poema épico, que imita os modelos da antiguidade greco-latina. Caracteristicas de um poema épico Texto narrativo, em verso, pelo que respeita as categorias da narrativa (aco, personagens, espaco e tempo). Destina-se a celebrar feitos grandiosos de heréis fora do comum, reais ou lendérios, em estilo elevado e grandioso. Estrutura externa d’Os Lusiadas (estrutura formal) 10 CANTOS ESTROFES ‘VERSOS Correspondem a 10 partes, do Canto | a0 Canto X. s Lusfadas s40 compostos por 1102 estrofes, que recebem o nome de estancia. Cada estancia é uma oitava, isto é, tem oito versos. Cada verso tem dez sflabas métricas: Ex.:J4/ no/ lar/ga,o/ce/a/no/ na/ve/ga/(vam) 12304567 8 910 Os versos séo predominantemente heroicos, pois tém acento ritmico na 6.*e 10. silabas: As armas 0s barbes assinalados. © esquema rimatico éfixo, Arima é cruzada nos seis primeiros versos e emparelhada nos dois titimos: Asarmas e 0s barbes assinalados (Que da ocidental praia Lusitana Por mares nunca de antes navegados, Passaram ainda além da Taprebana, Em perigos e querras esforcados ‘Mais do que prometia a forca humana, Eentre gente remota edficaram "Novo Reino, que tanto sublimaram; Rima cruzada aa eecace ‘emparelhada Estrutura interna d’Os Lusiadas Obedecendo as regras do género épico, Os Lusiadas dividem-se em quatro partes: PROPOSIGAO —_O poeta apresenta o assunto do poema (Canto |, estanclas 13), INVOCAGAO —_O poeta invoca as ninfas do Tejo, pedindo-Ihes inspiracao para escrever o poema (Canto I, estancias 4 es) DEDICATORIA —_O poeta dedica o poema ao rei D, Sebastio (Canto |, estancias 6 a 18). NARRAGAO —_Narracdo da aslo (Canto | estrofe 19 até a0 final do poema);inicia-se in medias es, ou seja, no meio da a¢ao, uma vez que no comego da narracao as naus estao a meio da viagem, encontrando-se jé no aceano Indico; desenvolve-se em toro da viagem de descobrimento 440 camino maritimo para a indi; & narrada também a Historia de Portugal, Planos d’Os Lusiadas PLANOS ‘A obra organiza-se em quatro planos: + Plano da Viagem: onde se relata a viagem de Vasco da Gama; const do poema, associado ao plano mitologico; + Plano Mitolégico: onde intervém os deuses mitoldgicos; + Plano da Hist6ria de Portugal: onde se relatam factos da Histéria de Portugal; + Plano das Consideracdes do Poeta: momentos de reflexio do poeta, que surgem sobretudo. em finais de Canto, agao central Outros aspetos MITOLOGIA —_O poema integra diversos deuses mitolégicos, que intervém na a¢3o, o que se designa também PAGA por Maravilhoso pagao. PROFECIAS ‘Ao longo do poema, surgem varias profecias feitas por diversos intervenientes. NARRADOR A nnarrativa d'Os Lusiadas tem diversos narradores: o préprio poeta (narrador principal), Vasco da Gama, Paulo da Gama, Fernao Veloso e Moncaide (estes dois ultimos menos importantes) EPISODIOS, No interior do poema, surgem pequenas narrativas, que constituem momentos independentes. ‘S80 episddios d'Os Lus/adas (entre outros): Inés de Castro (Canto Ill); Batalha de Aljubarrota (Canto IV); Velho do Restelo (Canto IV); Adamastor (Canto V); A tempestade (Canto V).