Você está na página 1de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO)

Curso: Licenciatura em História - EAD


Polo: Miguel Pereira
Disciplina: História do Oriente
Aluno: Bruno de Sousa Carvalho
Matrícula: 16216090152
Avaliação à Distância 1 – AD1

Resenha do Filme Paradise Now

O filme objeto da presente resenha foi produzido no ano de 2005, trata-se de uma
produção palestina, dirigido por Hany Abu-Assad. A obra aborda a questão do conflito Israel e
Palestina, através da história de dois jovens amigos, Khaled e Said, funcionários de uma oficina
mecânica, que levam uma vida bem simples e comum, tomam chá, observam a cidade, inclusive,
Said tem interesse em uma jovem palestina.
Entretanto, as coisas mudam quando os dois jovens são convocados por um grupo radical
palestino para executarem um atentado suicida em Telaviv. Assim, podemos observar como estes
jovens que possuem uma vida bastante limitada em virtude da ocupação Israelense em seu
território, vislumbram um ataque suicida como uma forma de luta e resistência.
Entre dúvidas e questionamentos acerca de suas escolhas, o enredo se desenvolve sem
que o plano inicial do ataque consiga se concretizar, os dois acabam se separando um do outro sem
conseguir levar adiante o ataque terrorista incialmente planejado.
Deste modo, podemos observar os questionamentos e as motivações dos personagens,
como o jovem Said, que tenta através de seu ato de terrorismo compensar a história de seu pai, que
teria sido um colaborador dos colonos israelenses.
Assim, apesar dos conflitos, questionamentos e imprevistos, Said demonstra a vontade de
levar adiante o plano suicida, apesar da desistência do seu amigo e a insistência da jovem que lhe
desperta interesse em demovê-lo da ideia de praticar o atentado. O filme encerra com a cena de
Said dentro de um ônibus em Israel com marcante presença de soldados.
Nesta perspectiva, o filme de Hany Abu traz ao expectador uma visão muito mais
complexa sobre a questão palestina do que a maioria das reportagens ou o cinema Ocidental
aborda.
Neste sentido, o filem nos propõe uma narrativa bem diferente da qual estamos
acostumados, uma vez que a televisão e o cinema, na maioria das vezes, nos apresentam aquela
visão estereotipada e hegemônica de um terrorista, simplesmente como um sujeito violento e
bárbaro.
Por outo lado, ao apresentar esses dois jovens como pessoas comuns, com seus medos,
suas dúvidas, sua rotina de dificuldade e os percalços que a ocupação Israelense gera sobre a
população Palestina, podemos compreender sob uma outra perspectiva este conflito,
desconstruindo determinadas preconcepções e estereótipos calcados no Orientalismo.
Isto posto, podemos observar como o filme “Paradise Now”, ao propor uma abordagem
que trata de personagens esquecidos ou classificados apenas como violentos, bárbaros, selvagens e
incompreensíveis pelo Ocidente, pode ajudar aa desconstruir as preconcepções oriundas do
Orientalismo ao tratar do conflito entre Israel e Palestina.
Segundo Monique Sochaczewski, Hany Abu-Assad concebe “...que seu filme não é uma
declaração política, mas um ponto de vista artístico de questões políticas.” (SOCHACZEWSKI,
2014). Assim, considerando o atual momento, no qual afloram tantos discursos de ódio e
intolerância em relação ao outro, podemos concluir que esta é uma obra com uma grande
pertinência.

Referências Bibliográficas

SOCHACZEWSKI, Monique. O conflito Israelo-Palestino visto pelo cinema local. História,


Franca, v. 33, n. 2, p. 122-149, Dec. 2014.

Você também pode gostar