Você está na página 1de 2

Curso de Graduação em Música – IA/UNESP – Ano 2018

Disciplina: Etnomusicologia
Professor: Ygor Saunier M. C. Monteiro

Nome: Álvaro Proiete Júnior

1- Vamos fazer de conta que você é um crítico de cinema e faça uma resenha
crítica do filme Fitzcarraldo. Discorra sob o olhar das novas reflexões expostas
na disciplina de Etnomusicologia.

O filme Fitzcarraldo se faz muito interessante para o estudante de etnomusicologia


no sentido de que a temática principal envolve um elemento musical e também um
elemento antropológico. São esses: a paixão do personagem principal pela ópera e sua
obstinada intenção de empreender uma apresentação de ópera numa região quase que
florestal, habitada por uma população nativa indígena e que começa a ser pouco a pouco
explorada pelos mercenários da borracha interessados nas árvores seringueiras.

Observa-se que o personagem “Fitzcarraldo” vê nesta sociedade burguesa, dos


ávidos negociantes da borracha, uma oportunidade para contribuir com o que ele teria
por uma grande conquista cultural para aquela sociedade, uma ópera. Para isso ele teria
de convencer os seus financiadores da importância de seu empreendimento, tendo por
prerrogativa a ideia de que a ópera é indispensável, um bem cultural maior de
muitíssimo valor.

No filme esta superestimação da ópera por Fitzcarraldo é ilustrada de maneira a


intrigar o espectador: muitas vezes o personagem faz uso de sua vitrola para expor ao
seu redor a beleza da arte que defende como se todos devessem se “render” a tal beleza,
não haveria um valor maior, assim acredita o personagem. A sua trajetória para chegar
ao lugar que pretende se desenrolará numa aventura arriscadíssima, terá que convencer
os índios nativos a deixarem adentrar pelos seus territórios e também convence-los, a
fins de explorarem sua mão de obra, na tarefa de transportar o navio montanha acima,
não só os indígenas, mas toda a tripulação do navio deveria ser convencida de seu
empreendimento.

Uma crítica etnomusicológica a respeito, faria nos seguintes termos: Como poderia
a ópera ser um gênero musical interessante à toda diversidade cultural que se encontrava
ali: indígenas nativos, comerciantes, burgueses (incultos) e tantas outras parcelas
daquela sociedade complexa naquele cenário de colonização/exploração do território?
Certamente que o personagem parte de uma ideologia eurocêntrica ao tentar convencer
todos da supremacia daquela sua arte, haja vista sobre o fato de que a música no filme
aparece também por parte dos indígenas numa função ritualística que envolveria um
princípio espiritual (em outra hora uma certa cerimonia de ordem funerária inclusive)
naquela ocasião, uma função musical incrível, com certeza ignorada por Fitzcarraldo
para quem só existia a ópera como importante possibilidade musical.