Você está na página 1de 47

Morfologia e anatomia da caule

Profa. Fernanda Nunes Cabral


Sistema caulinar

• Funções:
• Suporte das folhas;
• Condução de água e sais mineirais;
• Armazenamento.
Sistema caulinar

• Desenvolvimento começa no
embrião
Sistema caulinar - Morfologia

• Primórdio foliar se
desenvolve em folha;

• Primórdio de gema se
desenvolve em sistemas
caulinares laterais.

Raven (2014)
Sistema caulinar - Morfologia

• Nós e entrenós

• Folhas

• Não possui coifa

Raven (2014)
Sistema caulinar – Morfologia
• Tipos de caule:
ERVAS ARBUSTO Tronco

Pequeno porte, sem Caule lenhoso, sem Vegetais lenhosos,


caule lenhoso. tronco e de porte grande porte, com
Manjericão médio. tronco e presença de
(Ocimum basilicum) Mirtilo copa
(Vaccinium myrtillus) Jequitibá
(Cariniana)
Sistema caulinar – Morfologia
• Tipos de caule: Colmos
Bambu
• Áereo: (Bambu vulgaris)
• Ereto

Tronco Haste Estipe


Eudicotiledôneas: Arroz Palmeira
Ipê amarelo (Oryza sp.) (Roystonea oleracea)
(Tabebuia alba)
Sistema caulinar – Morfologia
• Tipos de caule:
• Áereo:
• Rastejante – crescem Sarmentoso
paralelamente ao solo. Com apenas um
ponto de fixação no
Morango solo.
(Roystonea oleracea)
Abóbora
Raízes adventícias e (Curcubita sp.)
ramos a partir dos
nós consecutivos
Estolão ou intercalados.
Sistema caulinar – Morfologia
• Tipos de caule:
• Áereo:
• Trepadeira: se fixa ao substrato por meio de
gavinhas e espinhos.

Videira Primavera
(Vitis vinifera) (Bouganvillea spectabilis)
Sistema caulinar – Morfologia
• Tipos de caule:
• Subterrâneo: resistência ao frio e à seca;
Rizoma: Tubérculo: Bulbo: Xilopódio:
Crescimento Nós e internós Sistema Caule
horizontal, ovóides caulinar lignificado
próximo ao modificado
solo

Gengibre (Solanum tuberosum) Cebola Espécies de


Zingiber officinale (Allium cepa) cerrado
(Borreria sp.)
Sistema caulinar – Morfologia
• Modificações caulinares:

Rizóforo
Sistema de sustentação em ambientes
alagadiços.
Mangue – vermelho
(Rhizophora mangle)

Cladódio
Caules que assumem forma e função de
folhas
Carqueja
(Baccharis sp.)
Sistema caulinar – Morfologia
• Modificações caulinares:

Armazenamento
Armazenamento de água
em ambientes secos
(Cactos, Euphorbiáceas)
Caules verdes – tanto
como tecido
fotossintetizante, como
armazenamento de água
Cactaceae
Sistema caulinar – Morfologia
• Modificações caulinares:
Espinhos
Defesa contra predação.
Limoeiro – (Citrus sp.)
Acúleos – “espinhos” não verdadeiros,
projeções epidérmicas.
Roseira – Rosa sp.

Gavinhas
Estruturas caulinares ou foliares que se
enrolam e servem de suporte e fixação.
Maracujá
(Passiflora edulis)
Sistema caulinar - Anatomia

• Meristema apical organizado em “túnica-corpo”;


Zona central

Primórdio
foliar

Túnica com
2 camadas
(L1 e L2) Camada
inicial do
corpo (L3)
Zona
periférica Meristema
da medula

Raven (2014)
Sistema caulinar - Anatomia

• 2 planos de divisão da túnica – corpo:

Túnica
Crescimento em superfície

Corpo
Crescimento em volume

Raven (2014)
Sistema caulinar - Anatomia

• Caule não é dividido em zona de divisão celular, região de


alongamento e região de maturação (como na raiz)

• Meristema apical do sistema caulinar origina:


• Protoderme (que vai originar a epiderme)
• Procâmbio (que vai originar os tecidos vasculares primários)
• Meristema fundamental (que vai originar o tecido
fundamental)

Raven (2014)
Sistema caulinar - Anatomia

• 3 tipos de organização:

Raven (2014)
Sistema caulinar – Estrutura primária
• 3 tipos de organização:

• 1. Cilindro vascular
oco e contínuo ao
redor da medula
(Eudicotiledônea).
Tilia americana

Sifonestele

Raven (2014)
20
21
Sistema caulinar – Estrutura primária
• 3 tipos de organização:
• 2. Feixes vasculares
isolados, formando um
anel ao redor da medula
(Eudicotiledônea).
Sambucus Canadensis –
Sabugueiro do Canadá.

Eustele

Raven (2014)
Sistema caulinar – Estrutura primária
• 3 tipos de organização:
• 3. Feixes vasculares
dispersos no tecido
fundamental (tecido não
diferenciado em córtex e
medula)
(monocotiledôneas)
Zea mays - Milho

Atactostele

Raven (2014)
24
Sistema caulinar – Estrutura primária
• 2 tipos de eixos vasculares no caule:

• Fechado: não ocorre crescimento secundário.


• Monocotiledêneas e algumas eudicotiledôneas;
• Ranunculus;

• Aberto: feixes vasculares formam um câmbio e produzem


tecidos secundários.
• Eudicotiledôneas.
Raven (2014)
Sistema caulinar – Estrutura secundária

• Crescimento em espessura ou circunferência do corpo da


planta (crescimento secundário) – resulta da atividade de
dois meristemas laterais:
– o câmbio vascular (a partir do procâmbio) = xilema e floema
secundário
– o câmbio da casca (felogênio, a partir do córtex) = periderme

• Monocotiledôneas e plantas herbáceas: NÃO TEM


CRESCIMENTO SECUNDÁRIO!

26
Câmbio vascular

27
28
• Desenvolvimento
do caule de uma
angiosperma
lenhosa.
• A. Crescimento
primário, em
estágio inicial,
mostrando os
três meristemas
primários.

29
• B. Crescimento
primário completo.

30
C. Origem do câmbio
vascular.

31
Dará origem ao câmbio da casca

D. Após a formação de algum


xilema secundário e floema
secundário.
32
Se originou do câmbio da casca

E. Ao final do primeiro ano de


desenvolvimento, mostrando o efeito do
crescimento secundário – que inclui a formação
de periderme – sobre o corpo primário da
planta.
33
34
Periderme

• Tecido secundário que substitui a epiderme


• Formação ocorre após início da formação do xilema e
floema secundários
• É constituída de:
– câmbio da casca, ou felogênio, o meristema que produz a
periderme;
– súber, o tecido de proteção formado para fora pelo
câmbio da casca;
– feloderme, um tecido que se assemelha ao parênquima
cortical, formado para dentro pelo meristema.

35
• Periderme: começa a
aparecer no primeiro ano
• Imediatamente abaixo da
epiderme

36
37
De fora para dentro:
-remanescentes de epiderme;
-periderme;
-córtex;
-floema primário (fibras e
células de paredes finas
colapsadas);
- floema secundário;
- câmbio vascular;
- xilema secundário;
- xilema primário e
- medula

38
Periderme + floema = casca externa (tecidos mortos)
39
Madeira = xilema secundário
Qual a utilidade do caule
(do ponto de vista humano)?

40
• Abrigo;
• Fogo - provendo aquecimento e
para cozinhar;
• Armas, mobília, ferramentas e
brinquedos;
• Papel;
• Meio de transporte na forma de
jangada, barcos e rodas.

41
• Cortiça = casca
• Extração da cortiça para
fabricação das rolhas de
vinho

42
Aneis de crescimento

• Atividade periódica do
câmbio vascular, produz
incrementos de
crescimento, ou anéis de
crescimento, tanto no
xilema secundário como
no floema secundário

43
Qual a estimativa mais antiga para a
longevidade de uma árvore?

44
• Pinus longaeva – 4.845 anos – planta viva!

45
Mas o recorde é de: grupo de botânicos tasmanianos e
arbusto (Lomatia tasmanica) é estimado em 43.000 anos de
idade!!!!!
46
47