Você está na página 1de 12

Plano de Carreira: O que é e como elaborar (Guia Completo)

Por Rosana Bueno

Você tem um plano de carreira? Quer aprender como estruturar uma

viAcompanhe no artigo de hoje, da partner e executive coach Rosana Bueno,

tudo que você precisa saber para traçar uma trajetória profissional de sucesso.

“Todo o trabalho que eleva o ser humano possui dignidade e importância, e

deve ser feito com meticulosa

excelência” Martin Luther King

A palavra carreira tem sua origem no

latim medieval via carraria, que significa

estrada rustica para veículos. Foi apenas

no século 19 que a palavra começou a

ser usada em referência a trajetória

profissional, passando a significar o oficio ou a profissão que progride em

etapas.

Até meados dos anos 70, o indivíduo iniciava sua carreira em uma determinada

empresa e permanecia nela até o final de sua vida profissional.

Pense na história de seus pais, tios ou até mesmo avós. Se a aposentadoria

veio no momento em que ocupavam um cargo de gerência ou direção, muito


provavelmente eles iniciaram sua trajetória como aprendiz. Neste contexto, o

do plano de carreira empresarial, a promoção era tida como uma “recompensa”

concedida pela empresa aos funcionários mais empenhados e leais.

Hoje o cenário é bem diferente. Fazendo uma busca rápida por currículos,

podemos constatar que um profissional de ponta desenha sua evolução

profissional em diversas empresas. A conquista de níveis mais altos na

hierarquia não é mais um prêmio e sim, fruto de uma conquista planejada.

Então, agradeçamos às constantes mudanças no mundo, aos avanços

tecnológicos, ao novo espaço que a mulher vem conquistando no mercado de

trabalho e até mesmo, às crises econômicas, fatores estes que funcionaram

como alavancas para que o profissional buscasse meios de se tornar mais

competente, trilhar seu próprio caminho profissional e não apenas esperar pelo

reconhecimento da empresa.

Qual o conceito de plano de carreira?

Para explicar o conceito do plano de carreira, partiremos de uma estória.


Imagine a seguinte situação: você é um atleta amador e decidiu se inscrever
para uma maratona. Passar da sua corridinha semanal para treinos constantes
e de longa distância, requer preparo e condicionamento, certo? E como decidir
quando começar, qual será o ritmo, a periodicidade e intensidade?

Primeiro é necessário escolher a prova – afinal clima e altimetria fazendo total


diferença. Seu objetivo será correr a famosa maratona de New York, Rio de
Janeiro ou a de Berlim?
O segundo ponto é quando esse evento acontecerá? É fundamental saber qual
será o prazo para desenvolvimento do seu treino, para o preparo físico e
mental. Aqui entram os recursos, estratégias e ação.

E depois que você correr esta maratona? Qual será o próximo desafio? Uma
ultra matona ou quem sabe partir para um Ironman?

Utilizando essa analogia, podemos dar início ao desenho de seu plano de


carreira.

Qual é a sua visão de futuro – profissional e pessoal – para um, três, cinco, dez
ou vinte anos? Onde você quer estar (empresa, segmento, país)? Qual o cargo
que quer ocupar? O que precisa desenvolver em termos de competências?
Que recursos ou relacionamentos utilizará de apoio?

O plano de carreira pode ser desenvolvido pela empresa em que você atua
hoje, mas também pode (e deve!) ser projetado por você, afinal o sucesso tem
quer ser primeiro uma atitude sua, concorda?

Qual a importância de se fazer um plano de carreira?

O planejamento permite que você “assuma proativamente o controle de sua


carreira a fim de garantir o alcance de seus objetivos profissionais e
pessoais” (Personal Career Manegement).

Permite também que você tenha clareza de onde você está, onde quer chegar,
quando, o por que isso é importante e como fará essa trajetória.

Somente com um plano claro e preciso, você terá condições de identificar


distorções, realinhar objetivos e corrigir rotas.
Como fazer um plano de carreira?

O primeiro passo é determinar o seu momento atual de carreira e quais


são seus objetivos de crescimento. A seguir, listamos os principais exemplos
de plano de carreira:

Planejamento para início de carreira.

Segundo Jean Piaget (professor suíço, considerado o maior expoente do


estudo do desenvolvimento cognitivo), “o processo de entrada em um papel
profissional produtivo marca o início da fase adulta.”

Aqui é o momento onde o recém-formado inicia suas tentativas de ingresso em


seu primeiro emprego.

Alguns passos tornarão este planejamento muito mais efetivo e assertivo. São
eles:

 Mapeamento pessoal: Identifique seus valores, interesses, motivadores


e talentos.

 Mapeamento de competências: Faça uma lista de todas


as competências técnicas e gerais que você já possui.

 Mapeamento do mercado de trabalho: Relacione qual área, cargo e


função que você tem interesse e quais serão os requisitos e
competências necessárias; avalie oportunidades e riscos.

 Plano de ação: Estabeleça seus objetivos e respectivos prazos; faça um


cruzamento com seus mapas pessoal, de competências e do mercado de
trabalho (levantados nos itens anteriores) e a partir deste ponto,
determine as ações estratégicas para alcançar o objetivo.
Planejamento para desenvolvimento da carreira atual

Quando o profissional se identifica com os valores, missão e visão da empresa


onde trabalha, e os planos de crescimento convergem na direção das
oportunidades de promoção, a hora é a de traçar um plano para
o desenvolvimento de carreira e potencializar as chances de ascender no
organograma.

Segundo especialistas em desenvolvimento de carreira, a ascensão


profissional é mais rápida para os profissionais que:

 São orientados para resultados.


 Antecipam soluções.
 Fazem mais do que é pedido.
 Possuem visão estratégica e sabem se conectar com as pessoas.

O problema é que a maioria não desenvolve essas características por falta


de autoconfiança ou de motivação.

A boa notícia é que, quando se tem consciência deste desafio e entende-se as


etapas do processo de desenvolvimento de carreira, a superação dos
obstáculos torna-se mais simples.

Aumente sua autoeficácia: Autoeficácia é a confiança que alguém possui em


sua capacidade de fazer, estimulada pelas realizações positivas que a pessoa
acumula em sua vida.

Pense em sua maior história de sucesso pessoal ou profissional. Quais foram


as forças e talentos que você utilizou? Foram necessárias, por exemplo,
coragem, perseverança e liderança?

Neste novo estágio, provavelmente, você precisará de forças muito


semelhantes e a autoeficácia mostra que se você já conseguiu uma vez, você é
capaz de replicar e melhorar este comportamento.
Eleve a expectativa de resultados: Expectativa de resultados é tudo aquilo
que esperamos que aconteça em consequência de nossas ações. É a
expansão das capacidades profissionais e serve de motivador, se for alta, ou
de sabotador se for baixa.

Motivar-se para alcançar maiores e melhores resultados é parte fundamental


no processo de planejamento. Pense: Se você já conseguiu chegar até o cargo
que ocupa hoje, o que tem impede de usar sua capacidade para chegar ainda
mais longe?

Objetivos: Comece identificando em que ponto de sua carreira você está hoje,
como chegou até aqui e quais foram os pontos fortes que alavancaram sua
conquista. Esses recursos serão utilizados para chegar-se ao objetivo final e
driblar os obstáculos que podem surgir. A chave é estar preparado para os
percalços e criar formas de superá-los.

Planejamento para mudança de carreira

O desejo de mudar de carreira, função ou departamento pode vir com a


conscientização que em certo momento de sua vida você fez a escolha errada,
não era sua real vocação, ou simplesmente, os fatores nos quais você se
baseou para escolher este trabalho eram importantes, mas hoje já não são
mais.

Independentemente de qual seja o motivo desta decisão, é importante


sabermos que a mudança de carreira é listada como um dos acontecimentos
mais importantes na vida de uma pessoa.

Por isso, pense com cuidado se é isso mesmo que você quer e:

 Defina precisamente seu objetivo.


 Liste quais serão as consequências e efeitos desta decisão (incluindo a
mudança de qualidade e padrão de vida – sua e de sua família).
 Enumere quantos e quais sacrifícios serão necessários até você firmar-se
na nova carreira.
 Avalie os benefícios da mudança.
 Explore alternativas.
 Trace seu mapa pessoal, de competências e de mercado (indicados
no planejamento de início de carreira).
 Desenvolva seu plano de ação, incluindo estratégias de organização do
tempo, financeira e familiar.

Planejamento para recolocação profissional

As dificuldades financeiras estão longe de ser o único problema ligado


ao desemprego. Boa parte das pessoas conectam seus objetivos, propósitos,
senso de identidade e realização ao trabalho. Por isso, a demissão pode ser
um dos eventos mais traumáticos na vida.

Uma pesquisa realizada pelo instituto americano Pew Research Center


constatou que:

 44% das pessoas que estão desempregadas há seis meses, ou mais,


afirmam que o desemprego produziu “mudanças significativas” em suas
vidas.
 43% perderam contato com os amigos.
 38% dizem que seu auto respeito diminuiu.
 E a maioria afirma que os problemas emocionais aumentaram
dramaticamente.

Nesta fase, o planejamento de carreira deve ser fundamentado em quatro


pilares:

 Recuperação da autoestima e motivação.


 Redefinição de objetivos.
 Recriação de visão de futuro.
 Definição de estratégias e recursos para gerar aumento de chances de
retorno ao mercado de trabalho (aumento de sua rede de contatos,
contratação de um profissional especializado em busca de vagas, etc.).
Identificar gaps (ou disparidades) e na sequência, decidir qual a rota de
desenvolvimento, torna-se uma das importantes e eficazes ferramentas para
abreviar seu tempo de recolocação.

Se você está em busca de recolocação e deseja saber por onde começar, o


questionário a seguir lhe ajudará a identificar e definir suas as prioridades de
desenvolvimento.

Assinale a alternativa que melhor reflete suas atitudes no momento presente:

Costumo me manter atualizado com as novidades e avanços em minha


profissão.

a) Sim

b) Não tanto quanto gostaria ou deveria

c) Não

Para me atualizar, participo de cursos, palestras, seminários e outros


eventos.

a) Sim

b) Não tanto quanto gostaria ou deveria

c) Não

Acompanho não só as novidades em minha profissão, mas também no


mercado em que atuo e no mercado global.

a) Sim

b) Não tanto quanto gostaria ou deveria


c) Não

Acompanho as novidades tecnológicas e me sinto a vontade com a


internet, redes sociais e recursos da era digital.

a) Sim

b) Não tanto quanto gostaria ou deveria

c) Não

Faço trabalhos temporários ou freelance para não perder contato com o


mercado durante a fase de desemprego.

a) Sim

b) Não tanto quanto gostaria ou deveria

c) Não

Posso conversar, ler e escrever com fluência em pelo menos um idioma


estrangeiro.

a) Sim

b) Não tanto quanto gostaria ou deveria

c) Não

Busco desenvolver cada vez mais minhas competências de liderança, de


comunicação e outras necessárias ao bom desempenho de minha
profissão.

a) Sim
b) Não tanto quanto gostaria ou deveria

c) Não

Para me manter vivo em minha profissão durante a fase de desemprego,


recorro a alternativas como dar palestras, escrever artigos e blogs,
manter um site, participar de fóruns de discussão e/ou outros recursos.

a) Sim

b) Não tanto quanto gostaria ou deveria

c) Não

Estou preparado para enfrentar qualquer teste de conhecimento,


competências e habilidades referentes a minha profissão.

a) Sim

b) Não tanto quanto gostaria ou deveria

c) Não

Estou familiarizado com as atuais tendências relativas a modelos de


liderança, indicadores de performance e produtividade e padrões de
qualidade empregados em minha área de atuação.

a) Sim

b) Não tanto quanto gostaria ou deveria

c) Não

Resultados:
Quanto maior for o número de respostas “A”, menor é o seu gap de carreira.
Respostas “B” e “C” indicam possíveis gaps. Pergunte-se:” O que você perde
por não desenvolver mais essa questão?” E a partir disso, identifique as ações
necessárias e pertinentes para cobrir os gaps.

Exemplos de plano de carreira de empresas: Plano em Y e Plano em W

Plano em Y

Os planos de carreira em Y, inspirados no formato da letra, projetam os passos


do profissional (a partir de um cargo especifico) para escolhas entre o perfil de
especialista ou de gestor.

Empresas onde o conhecimento técnico é fundamental para a estratégia, a


carreira em Y contribui exponencialmente em termos de inovação e serve de
ferramenta para se manter à frente da concorrência.

Plano em W

Também inspirado na letra, desta vez o W, este tipo de plano inclui o perfil do
plano em Y, onde o profissional pode optar por seguir a dimensão de
especialista, de gerente e neste perfil, também a figura do gestor especialista.

Este terceiro perfil inclui características um pouco diferente dos líderes


convencionais, não sendo o principal responsável pelo desenvolvimento dos
membros do seu time, mas sim, responsável absoluto pelo acompanhamento e
pela consultoria técnica em projetos.

Quem pode fazer um plano de carreira?

Qualquer pessoa que esteja almejando ascender no organograma, dar uma


guinada em sua carreira ou simplesmente se tornar mais feliz, alinhado com
seus valores e com sua visão.
Seja ele o universitário recém-formado, aquele profissional que deseja
desenvolver-se na carreira atual, mudar de carreira ou aquele que deseja se
recolocar no mercado de trabalho.

“Se as pessoas se engajarem ativamente na escolha de suas vocações


em vez de deixarem a busca do emprego ao sabor do acaso, elas ficarão
mais satisfeitas com suas carreiras, os custos do empregador diminuirão
e a eficácia dos funcionários aumentará” Frank Parsons

Fonte:SBCOACHING - https://www.sbcoaching.com.br/blog/carreira/plano-de-
carreira/

Você também pode gostar