Você está na página 1de 3

Vinicius Figueira

Vilém Flusser, “Fenomenologia do Brasileiro”: resenha rápida de uma leitura lenta


Publicado em 30/04/2011

A noção de “repertório de ignorâncias”, que não sei a quem pertence, lembrando-me apenas de tê-la ouvido pela
primeira vez na voz de um professor irônico, deve aplicar-se a todos nós, humanos.

Na realidade proposta neste mini-ensaio, título com o qual um grande amigo, bondoso, certa feita,
fraternamente, rotulou meus textos, restrinjo-me a falar de apenas um componente que até bem pouco tempo
fazia parte de meu repertório de ignorâncias. Sim, sempre haverá autores para as quais nunca abrimos os
ouvidos ou ajustamos as sinapses. É claro que Flusser não chega a ser alguém ignorado no meio acadêmico
brasileiro, mas do título deste mini-ensaio aposto que o leitor brasileiro mediano não apreende as três primeiras
palavras. Não há esperança, mesmo, feliz ou infelizmente, que saibam o que é fenomenologia e nem muito
menos o que significam os dois nomes próprios que a antecedem. Mas não nos desesperemos. Todos temos
nosso repertório de ignorâncias e aqui venho eu purgar um pouco do meu.

É verdade que conto na estante de minha pequena biblioteca – já nem tão pequena assim, pois julgamo-nos,
ingenuamente, eternos e com mais tempo para ler do que de fato dispomos – com “Língua e realidade”, do autor
tcheco (sim, Flusser o era). Lembro-me de ter iniciado a leitura do livro há uns três ou quatro anos em lugar
improvável. Na demorada sala de espera (ou leitura) de uma nutricionista (!), que, à época, freqüentava
semanalmente, o que havia para ler eram Caras e Vejas. Tentei, então, naquela hora de espera semanal, durante
cinco ou seis meses, sempre avançar um pouco no livro de Flusser. Não consegui. O ambiente não ajudava. E o
livro ainda me espera, em meio a tantos outros.

Neste mês, contudo, um pouco envergonhado de manter autor de tal envergadura em meu repertório de
ignorâncias, tomei iniciativa audaz e li (outro) livro dele: “Fenomenologia do Brasileiro”, traduzido, creio eu,
pelo professor fluminense Gustavo Bernardo (não há crédito sobre a tradução). Há, diga-se, uma versão on-line,
acessível a todos, divulgada pelo citado professor. Porém, não resisti, e comprei o livro em papel pela bagatela
de R$ 19,00 (EdUERJ, 1998; na capa, famoso quadro de Tarsila do Amaral, que não capta integralmente o
sentido da obra, mas é uma tentativa…).

No livro em papel, temos, além do próprio texto de Flusser, uma boa introdução de G. Bernardo, apontando
entre outras coisas, para os conceitos de “redução fenomenológica” (épokhé) e, também, para a famosa
“suspensão temporária da descrença”, de Coleridge. [Como antigo leitor de Teoria da Literatura, confesso que
quase fui abrir meu exemplar da Biographia Literaria (capa dura, da Indypublish de Boston, cerca de 300
páginas, comprado por valor irrisório em sebo carioca), para cruzar informações, mas me contive, senão a
leitura nunca acaba.] Enfim, para não tornar enfadonho este texto aqui, resumo em uma frase curtíssima o que
teria a dizer: filosofia e literatura dialogam em nível profundo.

Volto ao livro de Flusser, ponto central deste mini-texto. Para usar uma imagem gasta e aproveitar o sentido do
nome do autor: o livro é um rio a ser navegado várias vezes. Uma leitura só não me bastou, ao menos. Estou na
segunda. Agora, valendo-me também das facilidades da edição on-line (que joguei para dentro de um editor de
textos), faço uso de marcadores, corrijo pequenos defeitos de formatação e, acima de tudo, seleciono trechos que
julgo interessantes e sobre os quais poderia discorrer longamente, tivesse tempo para tanto ou tivesse que dar
aulas, como dantes.

Encontro, no livro, um misto de admiração e elegante desprezo pelo que é o Brasil. O olhar estrangeiro de
Flusser, de um lado, despe-nos por completo. Estamos nus: índios que somos. De outro, veste-nos com a melhor
das indumentárias, visando a nos colocar em meio aos mais nobres salões intelectuais do mundo ocidental ou
“histórico” – para usar a terminologia do autor – como se representássemos uma centelha de esperança diante
do desalento europeu. Não se trata de desprezo de parte de Flusser (ele não está trabalhando com a imagem de
levar índios às côrtes européias), mas de esperança fidedigna de um autor que conhece bem o significado da
palavra migrante, por ser ele próprio um, e que estuda bem o fenômeno da migração no verdadeiro melting pot
que é esta terra (e não os Estados Unidos, como diz), constituída por homens de todos os cantos do mundo, para
além das três raças tristes. Quem sabe o brasileiro teria algo a dizer que mudasse efetivamente o mundo? É essa
a pergunta/esperança de Flusser.

Passados mais de vinte anos da produção do livro (Flusser morreu em 1991), talvez se possa dizer que já
tenhamos dado o primeiro passo rumo ao abandono da obsolescência a que parecíamos estar condenados. Mas
não pretendo aqui fazer leitura sociológica, econômica ou política que privilegie conexão com nosso estado atual
de coisas, em que a situação do país, de fato, na esfera internacional, é, seguramente, a melhor dos últimos
cinqüenta anos. Deixo tal tarefa aos mestres da economia, da sociologia e da ciência política, sempre dispostos a
tudo explicar com aquela certeza que convence muito bem o público televisivo… Eu, curioso, restrinjo-me a
outras perguntas: O que somos, importa? Estabilidade econômica eivada de ignorância, importa? Futebol,
carnaval e cordialidade, sem estofo, sem conhecimento filosófico, importam? Maniqueísmo direita versus
esquerda, e seus respectivos patrulhamentos, importam? Onde estamos hoje? Quem somos nós, brasileiros? O
que podemos fazer efetivamente para este mundo que se abre diante de nós? Se começássemos todos pela
leitura de Flusser, o segundo passo estaria dado.

Anúncios

REPORT THIS AD REPORT THIS AD

Curtir

Seja o primeiro a curtir este post.

Relacionado

O conhecimento, segundo Nietzsche Uma introdução a Kierkegaard Literatura e filosofia: prolegômenos [Parte 1]
Em "Filosofia" Em "Estética" Em "Filosofia"

Esse post foi publicado em Brasil, Fenomenologia, Filosofia, História do Brasil e marcado Brasil, Civilização, Fenomenologia, Filosofia, Flusser, Vilém Flusser. Guardar link
permanente.

2 respostas para Vilém Flusser, “Fenomenologia do Brasileiro”: resenha rápida de uma


leitura lenta

Alexandre Correa disse:


15/05/2011 às 10:46

Vamos aguardar seu novo mini-ensaio, assim que terminar a segunda leitura do livro. Até lá!

Vinicius disse:
15/05/2011 às 23:36

Obrigado pela visita, Alexandre. Porém, como a idéia do site é variar os autores abordados, voltarei a escrever sobre o
Flusser só mais adiante. Neste mês, acho que vou de filosofia alemã.
Um abraço,
Vinicius

Vinicius Figueira
Blog no WordPress.com.