Você está na página 1de 4

Propriedades

Geral
Nome Amoníaco

Amoníaco Fórmula química NH3


Cor e aparência Gas incolor
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Propriedades físicas
O Amoníaco , gás amoníaco ou
amónia é um composto químico cuja Massa molecular 17,0 u
molécula é constituída por um átomo Ponto de fusão 195 K (-78 °C)
de azoto (ou Nitrogénio) ( N ) e três
átomos de hidrogénio ( H ) de fórmula Ponto de ebulição 240 K (-33 °C)
molecular NH3 , cuja fórmula 8,0 ×10³ Kg/³
Densidade
estrutural é: ( líquido )
46 Gramas em 100g
Solubilidade
de água

Termoquímica
Entalpía de formação :
A molécula não é plana, apresenta -45,9 kJ/mol
ΔfH0gas
geometria piramidal. Esta geometria
ocorre devido à formação de orbitais ΔfH0líquido -40,2 kJ/mol
híbridos sp³. Em solução aquosa se ΔfH0sólido ? kJ/mol
comporta como uma base
transformando-se num ião amónio, Entropia de formação:
192,77 J/mol·K
NH4+, com um átomo de hidrogénio S0gas, 1 bar]]
em cada vértice do tetraédro: S0líquido, 1 bar ? J/mol·K
0
S sólido ? J/mol·K
Frases de risco |

Índice
 1 Obtenção
 2 Aplicações
o 2.1 Amoníaco na
refrigeração
 2.1.1 História
 2.1.2 Vantagens
 3 O amoníaco e o Homem
 4 Meio Ambiente

 5 Ligações externas

Obtenção
Actualmente o processo de Haber-Bosch (cujo desenvolvimento valeu a Fritz Haber e
a Carl Bosch o Prémio Nobel da Química de 1918 e 1931, respectivamente) é o mais
importante método de obtenção da amónia. Neste processo os gases nitrogénio e
hidrogénio são combinados directamente a uma pressão de 20 MPa e temperatura de
500ºC, utilizando o ferro como catalisador. Reacção de síntese do amoníaco:

N2(g) + 3 H2(g) → 2 NH3(g)

Para a produção da amónia, o nitrogénio é obtido do ar atmosférico e o hidrogénio a


partir do gás natural.

Aplicações
Muito usado em ciclos de compressão (refrigeração) devido ao seu elevado calor de
vaporização e temperatura crítica. Também é utilizado em processos de absorção em
combinação com a água.

A amónia e seus derivados ureia, nitrato de amónio e outros são usados na agricultura
como fertilizantes. Também é componente de vários produtos de limpeza. Outro
produto importante derivado da amónia é o ácido nítrico.

Amoníaco na refrigeração

O amoníaco utiliza-se como refrigerante há mais de 120 anos e, por isso, as suas
propriedades e aplicações são bastante conhecidas. No entanto, é devido a certos
inconvenientes que esta substância apresenta, no que respeita à segurança, quanto ao
uso do amoníaco, limita-se exclusivamente a grandes fábricas e indústrias que
necessitam do uso deste composto.

História

O Amoníaco foi reconhecido como refrigerante em 1860 quando o Francês Ferdinand


Carre criou um sistema de refrigeração do tipo “absorção”, onde se utilizava o
amoníaco como refrigerante e a água como agente de absorção. Uns dez anos depois,
o americano David Byle desenvolveu um compressor que se podia usar com
amoníaco. Ambas estas técnicas se vieram a desenvolver posteriormente, sendo que a
estrutura básica do compressor elaborada em 1870 ainda se utiliza e está directamente
relacionada com a refrigeração actual do amoníaco. É de salientar que o amoníaco foi
substituído pelos cloro-fluorcarbonetos (CFCs) nos anos trinta do século XX, pois o
seu destino era outro. Servia para o combate, nomeadamente na fabricação de armas e
explosivos. Mais recentemente voltou a ganhar “o papel principal” nos processos de
arrefecimento, pois os CFCs causam um enorme dano à camada de ozono.

Vantagens

Como fluido usado na refrigeração, o amoníaco apresenta numerosas características e


vantagens, sendo as mais importantes as seguintes:
 Possui boas propriedades termodinâmicas, de transferência, de calor e de
massa, em particular dentro das condições definidas pelos serviços e o
rendimento das máquinas utilizando amoníaco é dos melhores.
 É quimicamente neutro para os elementos dos circuitos frigoríficos, com
excepção do cobre.
 O amoníaco não se mistura com o óleo lubrificante.
 Não é sensível na presença de ar húmido ou de água.
 É facilmente detectável em caso de fuga por ser muito leve e, desta forma, é
muito difícil ter uma falha de circuito.
 O amoníaco é fabricado para muitos mais usos além da refrigeração, o que
permite a manutenção do seu preço baixo e acessível. Em qualquer caso, o
preço do amoníaco é muito inferior ao custo total da maioria dos outros
refrigerantes e para além disso, quantidades inferiores permitem o mesmo
efeito.

Estas características fazem com que o amoníaco entre num mercado muito
competitivo em termos de empresas, fábricas e máquinas de refrigeração.

O amoníaco e o Homem
O amoníaco é utilizado em circuitos frigoríficos há mais de um século, em máquinas
de compressão mecânica de potências médias e grandes (estima-se que no Mundo
inteiro existam 300.000 instalações a compressão de amoníaco), e em máquinas
frigoríficas de pequenas potências (refrigeradores e frigoríficos domésticas) e a
grande potência (em especial para a recuperação de calor industrial).

O amoníaco é uma substância produzida em grandes quantidades por sociedades


químicas. Fica queimado quando a condensação do ar atinge valores entre 16 e 25% e
é inflamável quando atinge a temperatura de 651ºC. Estes dois valores mostram que o
risco de inflamação do amoníaco é muito limitado. São estas características que fazem
do amoníaco uma substância muito útil na área da refrigeração. A título de curiosidade
pode-se também referir que o amoníaco está também presente nos sistemas de
refrigeração e controle térmico nas estações espaciais.

Apesar das Vantagens, o amoníaco apresenta também alguns riscos:

 Ingestão: Perigoso. Os sintomas incluem náusea e vómitos, causando danos


aos lábios, boca e esófago.
 Inalação: Os vapores são extremamente irritantes e corrosivos.
 Pele: Soluções concentradas podem produzir queimaduras severas e necroses.
 Olhos: Pode causar danos permanentes, inclusive em quantidades pequenas.

Meio Ambiente
O amoníaco é facilmente biodegradável. As plantas o absorvem com muita facilidade,
sendo um nutriente muito importante como fornecedor de nitrogénio para a produção
de compostos orgânicos azotados. Em concentrações muito altas, por exemplo, na
água de consumo, pode causar danos graves, já que o amoníaco interfere no transporte
do oxigénio pela hemoglobina, entre outros efeitos nefastos. Os organismos
necessitam, nesse caso, de manter uma baixa concentração de amoníaco que, caso
contrário torna-se particularmente tóxico.

Síntese do amoníaco
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A síntese do amoníaco necessita da utilização de um catalisador, pois, de outro modo,


a reacção é demasiado lenta para ser obtida por via industrial.

Embora o azoto do ar estivesse “à mão” e não fosse muito dispendioso, a quebra da


ligação tripla das suas moléculas é muito difícil, no ano de 1909, Fritz Haber
conseguiu fixar o azoto do ar fazendo. O reagir com o hidrogénio, o segredo era o
catalisador usado na reacção, actualmente o catalisador usado é o de ferro com um
promotor de hidrogénio de potássio.

A mistura gasosa que entra no reactor do amoníaco tem composição: 74% Hidrogénio,
25% azoto, 1% metano

N2 (g) + 3 H2 (g)--» 2 NH3 (g)