Você está na página 1de 7

Lançamentos de Projéteis altera a distância alcançada pelo projétil (veja

01 - (ITA SP/2011) figura). Sabendo que são nulas as forças de atrito


Duas partículas idênticas, de mesma massa m, num superfluido, podemos então afirmar, com
são projetadas de uma origem O comum, num relação ao ângulo  de lançamento do projétil,
plano vertical, com velocidades iniciais de mesmo que:
módulo e ângulos de lançamento
respectivamente  e  em relação à horizontal.
Considere T1 e T2 os respectivos tempos de
alcance do ponto mais alto de cada trajetória e t 1
e t2 os respectivos tempos para as partículas
alcançar um ponto comum de ambas as
trajetórias. Assinale a opção com o valor da
expressão t1T1 + t2T2. a) cos = (1 – s / p) cos
b) sen2 = (1 – s / p) sen2
a) 2v20 (tg + tg)/g2 c) sen2 = (1 + s / p) sen2
b) 2v20/g2 d) sen2 = sen2 (1 + s / p)
c) 4v20 sen/g2 e) cos2 = cos/(1 + s / p)
d) 4v20 sen/g2
e) 2v20 (sen + sen)/g2
04 - (ITA SP/2004)
Durante as Olimpíadas de 1968, na cidade do
02 - (ITA SP/2009) México, Bob Beamow bateu o recorde de salto em
Considere hipoteticamente duas bolas lançadas de distância, cobrindo 8,9 m de extensão. Suponha
um mesmo lugar ao mesmo tempo: a bola 1, com que, durante o salto, o centro de gravidade do
velocidade para cima de 30 m/s, e a bola 2, com atleta teve sua altura variando de 1,0 m no início,
velocidade de 50 m/s formando um ângulo de 30º chegando ao máximo de 2,0 m e terminando a
2
g=10 m/s , 0,20 m no fim do salto. Desprezando o atrito com
com a horizontal. Considerando
o ar, pode-se afirmar que o componente
assinale a distância entre as bolas no instante em
horizontal da velocidade inicial do salto foi de
que a primeira alcança sua máxima altura.
a) 8,5 m/s .
b) 7,5 m/s .
a) d= √6250 m
c) 6,5 m/s .
b) d= √7217 m d) 5,2 m/s .
d= √17100 m e) 4,5 m/s .
c)
d) d= √19375 m
e) d= √26875 m 05 - (ITA SP/2001)
Uma bola é lançada horizontalmente do alto de
um edifício, tocando o solo decorridos
03 - (ITA SP/2005) aproximadamente 2s. Sendo de 2,5m a altura de
Um projétil de densidade p é lançado com um cada andar, o número de andares do edifício é
ângulo  em relação à horizontal no interior de a) 5
um recipiente vazio. A seguir, o recipiente é b) 6
preenchido com um superfluido de densidade s, c) 8
e o mesmo projétil é novamente lançado dentro d) 9
dele, só que sob um ângulo  em relação à e) indeterminado pois a velocidade horizontal de
horizontal. Observa-se, então, que, para uma arremesso da bola não foi fornecida.
velocidade inicial ⃗v do projétil, de mesmo
módulo que a do experimento anterior, não se Atritos entre Sólidos
06 - (ITA SP/2010)
Considere um semicilindro de peso P e raio R
sobre um plano horizontal não liso, mostrado em
e)
V0
√ μ sen θ-cosθ
μ sen θ+cosθ

corte na figura. Uma barra homogênea de


comprimento L e peso Q está articulada no ponto 08 - (ITA SP/2007)
O. A barra está apoiada na superfície lisa do A partir do nível P, com velocidade inicial de 5 m/s,
semicilindro, formando um ângulo  com a um corpo sobe a superfície de um plano inclinado
vertical. Quanto vale o coeficiente de atrito PQ de 0,8 m de comprimento. Sabe-se que o
mínimo entre o semicilindro e o plano horizontal coeficiente de atrito cinético entre o plano e o
para que o sistema todo permaneça em corpo é igual a1 3. Considere a aceleração da
equilíbrio? 2
gravidade g = 10 m/s , sen θ= 0,8 , cos θ= 0,6
e que o ar não oferece resistência. O tempo
mínimo de percurso do corpo para que se torne
nulo o componente vertical de sua velocidade é

a)  = cos /[cos  + 2P(2h/LQcos(2) – R/LQ a) 0,20 s.


sen )] b) 0,24 s.
b)  = cos /[cos  + P(2h/LQsen(2) – 2R/LQ c) 0,40 s.
cos )] d) 0,44 s.
c)  = cos /[sen  + 2P(2h/LQsen(2) – R/LQ e) 0,48 s.
cos )]
d)  = sen /[sen  + 2P(2h/LQcos() – 2R/LQ Componentes da Força Resultante
cos )] 09 - (ITA SP/2008)
e)  = sen /[cos  + P(2h/LQsen() – 2R/LQ cos Um cilindro de diâmetro D e altura h repousa
)] sobre um disco que gira num plano horizontal,
com velocidade angular ω . Considere o

coeficiente de atrito entre o disco e o cilindro μ


07 - (ITA SP/2008) > D/h, L a distância entre o eixo do disco e o eixo
Na figura, um bloco sobe um plano inclinado, com do cilindro, e g a aceleração da gravidade. O
velocidade inicial V0. Considere μ o coeficiente cilindro pode escapar do movimento circular de
de atrito entre o bloco e a superfície. duas maneiras: por tombamento ou por
Indique a sua velocidade na descida ao passar deslizamento. Mostrar o que ocorrerá primeiro,
pela posição inicial. em função das variáveis.

a)
V0
√ senθ−μ sen θ
cosθ−μ cosθ

b)
V0
√ senθ−μ cos θ
senθ+μ cosθ 10 - (ITA SP/2006)
Uma estação espacial em forma de um toróide, de

c)
V0
√ senθ+μ cosθ
senθ−μ cosθ
raio interno R1, e externo R2, gira, com período P,
em torno do seu eixo central, numa região de

d)
V0
√ μ sen θ+cosθ
μ sen θ-cosθ
gravidade nula. O astronauta sente que seu
“peso” aumenta de 20%, quando corre com
velocidade constante ⃗v no interior desta
estação, ao longo de sua maior circunferência, d) 6,0 m/s 3,1s 0,17s-1
conforme mostra a figura. e) 4,0 m/s 12s 6,0 s-1

Estudo do Plano Inclinado


12 - (ITA SP/2005)
Considere uma rampa de ângulo  com a
horizontal sobre a qual desce um vagão, com
aceleração ⃗a , em cujo teto está dependurada
uma mola de comprimento , de massa
Assinale a expressão que indica o módulo dessa desprezível e constante de mola k, tendo uma
velocidade. massa m fixada na sua extremidade. Considerando
2 πR2 que 0 é o comprimento natural da mola e que o

a)
v= (√ )
6
5
-1
P sistema está em repouso com relação ao vagão,
pode-se dizer que a mola sofreu uma variação de
5 2 πR 2
b)
( √)
v= 1−
6 P
comprimento  =  – 0 dada por:

2πR2
c)
v= (√ )
5
6
+1
P
2 πR 2
d)
v= ( 56 +1) P
6 2 πR
v =( -1 ) 2

e) 5 P
a)  = mgsen/k
b)  = mgcos/k
c)  = mg/k
11 - (ITA SP/2004)
A figura representa o percurso de um ciclista, num d) Δℓ=m √ a2−2agcosθ+g2 /k
plano horizontal, composto de dois trechos e) Δℓ=m √ a2 −2agsenθ+g 2 /k
retilíneos (AB e EF), cada um com 6,0 m de
comprimento, e de um trecho sinuoso
intermediário formado por arcos de 13 - (ITA SP/2003)
circunferências de mesmo diâmetro, igual a 4,0 m, Na figura, o carrinho com rampa movimenta-se
cujos centros se encontram numerados de 1 a 7.
com uma aceleração constante A . Sobre a
Considere pontual o sistema ciclista–bicicleta e
rampa repousa um bloco de massa m. Se  é o
que o percurso é completado no menor tempo,
coeficiente de atrito estático entre o bloco e a
com velocidade escalar constante.
rampa, determine o intervalo para o módulo de A,
no qual o bloco permanecerá em repouso sobre a
A B E F rampa.
1 2 3 4 5 6 7
m

Se o coeficiente de atrito estático com o solo é


  0,80, assinale a opção correta que indica, 

respectivamente, a velocidade do ciclista, o tempo


despendido no percurso e a freqüência de zigue-
zague no trecho BE.
a) 6,0 m/s 6,0 s 0,17s-1 14 - (ITA SP/2002)
Uma rampa rolante pesa 120N e se encontra
b) 4,0 m/s 12s 0,32s-1 inicialmente em repouso, como mostra a figura.
c) 9,4 m/s 3,0s 0,22s-1
extremidades da mesa. Então, a bola é deslocada
1 a uma distância x na direção perpendicular à
linha inicial das molas, como mostra a figura,
a

b
. G c sendo solta a seguir. Obtenha a aceleração da
bola, usando a aproximação (1 + a) = 1 + a.
2
/////// //// /// /////// /////// /////// ///// /////// //////// //// /// /////// //

Um bloco que pesa 80N, também em repouso, é


abandonado no ponto 1, deslizando a seguir sobre
a rampa. O centro de massa G da rampa tem
coordenadas: xG = 2b/3 e yG = c/3. São dados
a) a = –kx/M
ainda: a = 15,0m e sen = 0,6. Desprezando os
b) a = –kx2/2M0
possíveis atritos e as dimensões do bloco, pode-se
c) a = –kx2/M0
afirmar que a distância percorrida pela rampa no
d) a = –kx3/2M20
solo, até o instante em que o bloco atinge o ponto
e) a = –kx3/M20
2, é:
a) 16,0m
b) 30,0m
17 - (ITA SP/2008)
c) 4,8m
Um aro de l kg de massa encontra-se preso a uma
d) 24,0m
mola de massa desprezível, constante elástica
e) 9,6m
k =10 N /m e comprimento inicial L 0 =1m quando

Leis de Newton não distendida, afixada no ponto O. A figura


15 - (ITA SP/2011) mostra o aro numa posição P em uma barra
Um corpo de massa M, inicialmente em repouso, horizontal fixa ao longo da qual o aro pode
é erguido por uma corda de massa desprezível deslizar sem atrito. Soltando o aro do ponto P,
até uma altura H, onde fica novamente em qual deve ser sua velocidade, em m/s, ao alcançar
repouso. Considere que a maior tração que a o ponto T, a 2 m de distância?
corda pode suportar tenha módulo igual a nMg,
em que n > 1. Qual deve ser o menor tempo
possível para ser feito o erguimento desse corpo?

a) √ 30,0
a) √ 2H
(n−1)g
b) √ 40,0
b) √ 2 nH
(n−1)g c)

d)
√ 23,4
√ 69,5
c) √ nH
2(n−1)2 g e) √ 8,2

d) √ 4 nH
(n−2)g
18 - (ITA SP/2004)
e) √ 4 nH
(n−1)g Um atleta mantém-se suspenso em equilíbrio,
forçando as mãos contra duas paredes verticais,
perpendiculares entre si, dispondo seu corpo
simetricamente em relação ao canto e mantendo
16 - (ITA SP/2011)
seus braços horizontalmente alinhados, como
Sobre uma mesa sem atrito, uma bola de massa
mostra a figura. Sendo m a massa do corpo do
M é presa por duas molas alinhadas, de constante
de mola k e comprimento natural 0, fixadas nas atleta e  o coeficiente de atrito estático
interveniente, assinale a opção correta que indica
o módulo mínimo da força exercida pelo atleta em
cada parede.

90o Considere: tg  sen   e o índice de refração


da água n = 1,33. Então, a profundidade aparente
h vista pelo pescador é igual a:
1
a) 2,5 m
m g � 2 - 1 �2 b) 5,0 m
� �
2 � 2 + 1 � c) 7,5 m
a)
1 d) 8,0 m
m g � 2 + 1 �2
� � e) 9,0 m
2 � 2 - 1 �
b)
m g   2 -1 
 
2   2 +1  21 - (ITA SP/2005)
c)
Uma fina película de fluoreto de magnésio recobre
� 2 + 1 �
mg� 2 � o espelho retrovisor de um carro a fim de reduzir
d) � -1 �
a reflexão luminosa. Determine a menor
e) n.d.a. espessura da película para que produza a reflexão
mínima no centro do espectro visível. Considere o
comprimento de onda  = 5500 Å, o índice de
19 - (ITA SP/2002) refração do vidro nv = 1,50 e, o da película, n p =
Um sistema é composto por duas massas idênticas 1,30. Admita a incidência luminosa como quase
ligadas por uma mola de constante k, e repousa perpendicular ao espelho.
sobre uma superfície plana, lisa e horizontal. Uma
das massas é então aproximada da outra, Refração
comprimindo 2,0cm da mola. Uma vez liberado, o 22 - (ITA SP/2011)
sistema inicia um movimento com o seu centro de Um hemisfério de vidro maciço de raio de 10 cm
massa deslocando com velocidade de 18,0cm/s e índice de refração n = 3/2 tem sua face plana
numa determinada direção. O período de apoiada sobre uma parede, como ilustra a figura.
oscilação de cada massa é: Um feixe colimado de luz de 1 cm de diâmetro
a) 0,70s incide sobre a face esférica, centrado na direção
b) 0,35s do eixo de simetria do hemisfério. Valendo-se das
c) 1,05s aproximações de ângulos pequenos, sen    e
d) 0,50s tg   , o diâmetro do círculo de luz que se
e) indeterminado, pois a constante da mola não forma sobre a superfície da parede é de
é conhecida.

Refração
20 - (ITA SP/2005)
Um pescador deixa cair uma lanterna acesa em
um lago a 10,0 m de profundidade. No fundo do
lago, a lanterna emite um feixe luminoso
formando um pequeno ângulo  com a vertical
(veja figura).
a) 1 cm n1
φ2 = ( φ 1−α )
2 a) n2
b) 3 cm n1
φ2 = ( φ 1 +α )
1 b) n2
c) 2 cm
n1 n1

d)
1
3 cm c)
φ2 = φ + 1−
n2 1 ( )
n2
α

n1
1 φ2 = φ1
10 cm d) n2
e)
n1 n1

e)
φ2 = φ +
n2 1 n2 ( )
−1 α

23 - (ITA SP/2010)
Um feixe luminoso vertical, de 500 nm de
comprimento de onda, incide sobre uma lente 25 - (ITA SP/2006)
plano-convexa apoiada numa lâmina horizontal de A figura mostra uma placa de vidro com índice de
vidro, como mostra a figura. Devido à variação da
refração n v=√ 2 mergulhada no ar, cujo índice
espessura da camada de ar existente entre a lente
de refração é igual a 1,0. Para que um feixe de luz
e a lâmina, torna-se visível sobre a lente uma
monocromática se propague pelo interior do vidro
sucessão de anéis claros e escuros, chamados de
através de sucessivas reflexões totais, o seno do
anéis de Newton. Sabendo-se que o diâmetro do
menor anel escuro mede 2 mm, a superfície ângulo de entrada, e senθ e deverá ser menor
convexa da lente deve ter um raio de ou igual a

a) 1,0 m.
b) 1,6 m.
c) 2,0 m.
a) 0,18
d) 4,0 m.
b) 0,37
e) 8,0 m.
c) 0,50
d) 0,71
e) 0,87
24 - (ITA SP/2007)
A figura mostra um raio de luz propagando-se
num meio de índice de refração n 1 e transmitido
26 - (ITA SP/2002)
para uma esfera transparente de raio R e índice de
Uma pequena pedra repousa no fundo de um
refração n2. Considere os valores dos ângulos α
tanque de x m de profundidade. Determine o
, φ1 e φ2 muito pequenos, tal que cada menor raio de uma cobertura circular, plana,
ângulo seja respectivamente igual à sua tangente paralela à superfície da água que, flutuando sobre
e ao seu seno. O valor aproximado de φ2 é de a superfície da água diretamente acima da pedra,
impeça completamente a visão desta por um
observador ao lado do tanque, cuja vista se
encontra no nível da água. Justifique.
Dado: índice de refração da água nw = 4/3.

GABARITO:

1) Gab: B
2) Gab: C 14) Gab: C

3) Gab: B 15) Gab: B

4) Gab: A 16) Gab: E

5) Gab: C 17) Gab: C

6) Gab: C 18) Gab: B

7) Gab: B 19) Gab: B

8) Gab: D 20) Gab: C

9) Gab: 21) Gab: 1058Å

22) Gab: B

23) Gab: C

24) Gab: E

25) Gab: B

26) Gab:
3 √7 x
R= 7 m

10) Gab: A

11) Gab: B

12) Gab: E

13) Gab: Sendo   tg

0≤A≤g ( μμcossen α−α+ cossen αα )