Você está na página 1de 4

Câmpus de São Paulo

Plano de Ensino
Curso
MÚSICA-MIZ11 - Bacharelado em Música - Habilitação em Instrumento (Violão)

Ênfase

Identificação

Disciplina
MOD002QUA16 - Percepção e rítmica tonal avançada

Docente(s)
Maurício Funcia de Bonis

Unidade
Instituto de Artes

Departamento
Departamento de Música

Créditos Carga Horária Seriação ideal


3 P:15 T:30 2

Pré - Requisito
MUS4237 - Percepção e Rítmica I

Co - Requisito
Câmpus de São Paulo

Plano de Ensino
Objetivos

1. Capacitar o aluno a planejar sua leitura musical cantada, seja para facilitar e preparar sua
interpretação ao instrumento, para compor ou ensinar;
2. Organizar a leitura musical e torná-la fluida;
3. Desenvolver o ouvido interno para auxiliar o aluno de Bacharelado e Licenciatura a controlar o
som de melodias tonais ao invés de reagir a ele;
4. Oferecer ferramentas para a improvisação musical;
5. Capacitar o aluno a transcrever alturas e ritmos ouvidos organizada e sistematicamente;
6. Contextualizar e transferir os conhecimentos adquiridos em aula para a música real através da
transcrição de extratos do repertório.

Conteúdo
1. Decifração de melodias escritas envolvendo modos e cromatismos inicialmente como
inflexões e intensificações de graus diatônicos e, posteriormente, modulações, de tons vizinhos a
tonalidades mais distantes, em claves de sol, fá, dó na terceira linha e dó na quarta linha;
2. Transcrição de ditados harmônicos envolvendo expansões das progressões e cadências
estudadas Módulo Preparatório de Percepção e Rítmica através das inversões das dominantes e
acordes de sétima diminuta e meio-diminuta e suas inversões, estas atuando como dominante
da tonalidade principal ou expansões da dominante através de sua dominante secundária;
3. Transcrição de ditados harmônicos envolvendo modulações à dominante e à tonalidade
relativa;
4. Transcrição de ditados harmônicos envolvendo progressões com harmonia cromática: acordes
de segundo grau rebaixado (bII e bII6), sexta aumentada (italiana, germânica e francesa);
5. Transcrição de ditados melódicos e rítmicos mais longos (em relação àqueles estudados em
Percepção e Rítmica I) a uma e duas vozes, com valores incluindo até a subdivisão de
semicolcheias em compassos simples e compostos, cromatismos e modulações;
6. Execução exercícios de solfejo tonal e modal a uma ou duas vozes preparados ou lidos à
primeira vista, baseados no conteúdo bibliográfico estudado na disciplina;
7. Memorização e transposição de melodias em ciclos de quintas;
8. Prática da improvisação cantada (em solfejo com sílabas) com exercícios dirigidos baseados
no conteúdo que se está estudando nos solfejos e ditados;
9. Transcrição de pequenos extratos do repertório.
Metodologia
Os métodos de solfejo e ditado melódicos de Edlung (1963), Gramani (1988), Berkowitz, Frontier
& Kraft (1960) e Kraft (1999) - livro e CD - são utilizados, além de extratos de obras do repertório
da música clássica ocidental (sinfonias, quartetos, música de câmara). Os materiais são
utilizados como base para desenvolver a percepção das funções dos intervalos e alturas na
música tonal através da alternância da leitura com sílabas e números, memorização e
transposição (esta não efetuada através das mudanças de claves, mas sim através da
memorização) das melodias contidas naqueles materiais.
A improvisação de melodias baseada nos exercícios de solfejo e ditado melódicos abordados nos
materiais didáticos utilizados será incentivada.
A análise prévia das melodias a serem decifradas e a ‘imagem mental’ formada por estas é
estimulada antes do solfejo real (desenvolvimento do ouvido interno), a uma ou duas vozes. As
melodias abordadas nas seções III e IV do método de leitura são, agora, mais complexas, por
incluírem cromatismos e modulações. Por essa razão, a necessidade de análise e construção da
‘imagem mental’ prévias é ainda mais importante se comparada ao primeiro ano da disciplina.
Na parte de ditados harmônicos, os exercícios são feitos em textura a 4 vozes, para escrita vocal
ou pianística, e os CDs contêm as gravações com instrumentos acústicos (quarteto de sopros ou
de cordas, e piano) ou quarteto vocal. No CD, antes de cada exercício, ouve-se a tríade de tônica
arpejada, mas o primeiro acorde não é dado (ao contrário das seções I e II). Conseguir captar as
Câmpus de São Paulo

Plano de Ensino
progressões em sua totalidade em três escutas é o objetivo dos exercícios. No entanto, isso
depende da experiência dos alunos em percepção e, no início, pode ser necessário tocá-las mais
vezes. Os exercícios podem ser realizados em aula, com o CD ou o professor tocando ao piano,
ou no Laboratório de Música, onde os CDs estão gravados na rede.
Embora cada aluno estabeleça sua maneira de apreender, aconselha-se:
Na primeira escuta, atentar para baixo e as funções;
Na segunda, atentar para o soprano;
Na terceira, tentar ouvir as vozes internas (ouvir a posição do 1º acorde facilita detectar a
condução das outras vozes).
Bibliografia
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
BERKOWTIZ, S., FONTRIER, G., KRAFT, L. A New Approach to Sight Singing. 5ª Ed. Nova York:
Norton, 2011.
EDLUND, L. Modus Vetus. Estocolmo: Nordika, 1994.
KRAFT, L. A New Approach to Ear Training. New York: WW Norton and Company, 1999. STARER,
Robert. Rhythmic Training. Milwaukee: MCA Music Publishing, 1969; reimpressão, 1999.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
OTTMAN, R. Music for Sight-Singing. Englewood, Prentice-Hall, 2001.
Critérios de avaliação da aprendizagem
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
Serão realizadas provas de ditado e solfejo melódico tonal, além de avaliações periódicas
realizadas em pequenos grupos (máximo de 8 pessoas) de acordo com o material trabalhado no
período.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA


Detectar a melhora da escuta e leitura dos alunos no decorrer do ano através das avaliações e o
resultado final alcançado nas provas são dois dos indicadores do sucesso ou não da disciplina.
Além disso, um questionário é distribuído aos alunos no final do ano com críticas e sugestões.
Reuniões periódicas entre os professores responsáveis pela disciplina e o bolsista monitor são
realizadas no decorrer do ano.

O desempenho de cada aluno será observado no decorrer do curso em cada trabalho e atividade
teórica ou prática realizada, assim como em sua participação em aula, proporcionando um
acompanhamento individualizado de sua recuperação em cada ocasião em que houver baixo
rendimento.
Ementa (Tópicos que caracterizam as unidades do programa de ensino)
Treinamento auditivo por meio de exercícios de ditados melódicos a uma e duas vozes, ditados
rítmicos e harmônicos. Preparo para a leitura à primeira vista de solfejo melódico e rítmico,
incluindo análises prévias para tomada de decisões de direção e fraseado. Transcrição de partes
de obras do repertório. Exercícios dirigidos para a aquisição do ouvido interno.

Aprovação
Conselho Curso 18/10/2018

Cons. Departamental 07/11/2018

Congregação 28/11/2018