Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE

CENTRO DE CIÊNCIAS
DEPARTAMENTO DE
LABORATÓRIO DE

MATAS CILIARES

Estudante:
Turma:
Professor:

Local
Data
1) Descreva as matas ciliares abordando as características e a importância desses
ecossistemas.

As matas ciliares são formações florestais que constituem um ambiente de transição


aquático e terrestre, associadas aos cursos d’água, represas, lagos ou reservatórios,
independentemente da área que ocupem. Essas formações florestais destacam-se pelas suas
riquezas, diversidade genética e pelo seu papel na proteção dos recursos hídricos, edáficos,
fauna silvestre e aquática. As florestas ciliares atuam como barreira física, química e biológica.
Alem disso desenvolvem características propicias a infiltração de água, atuando assim como
elemento hidrorregulador e sua presença reduz significamente à possibilidade de contaminação
dos cursos d’água.

2) Como se apresentam os ambientes de matas ciliares, sob o ponto de vista antrópico, na


maioria das regiões brasileiras e por quê?
Apresentam-se em estado avançado de degradação devido à atuação dos agricultores,
pecuaristas, exploração de madeira para produção de carvão mineral que têm sido feitos de
forma bastante desordenada, o uso de regiões acidentadas para construção de estradas,
construção de hidroelétricas. Além de que muitas cidades forma formadas às margens de rios,
eliminando-se todo tipo de vegetação ciliar, e em muitos casos pagou-se um preço alto por isto,
através de inundações constantes.

3) O que se faz necessário para um sucesso de um programa de recuperação e implantação


de matas ciliares?

Para um programa de recuperação e implantação de matas ciliares, é importante o seu


conceito, quanto a sua estrutura e ao seu funcionamento e que fatores mantêm o equilíbrio
dinâmico desses sistemas. A escolha das espécies a serem utilizadas nos plantios deve ainda
obedecer a critérios de compatibilidade das espécies arbóreas entre si, o conhecimento de
aspectos hidrológicos da área, o solo, alem da compatibilidade de seus polinizadores. Deve
haver ainda a colocação de espécies que sejam melhor adaptadas a condições de maior
luminosidade, tendo um crescimento mais rápido, promovendo um sombreamento que vem a
favorecer espécies mais tardias na sucessão. Devendo-se investir também na educação
ambiental da região para que se tenha um melhor empenho da comunidade na recuperação da
área.

4) Quais as técnicas recomendadas para a manutenção e a melhoria das matas ciliares?

Diante das diferentes situações encontradas se faz necessário estudos, da fenologia,


análise estrutural de florestas, ensaios com diferentes sistemas silviculturais, além de detalhes
sobre biologia de espécies, tecnologia de sementes, fisiologia de germinação, análise de
crescimento, caracterização de plântula, formas de plantio, semeadura e resistência à inundação.
Os processo de manutenção pode ser através de manejo de regeneração natural; plantio de
enriquecimento; plantios mistos de espécies arbóreas.

5) Qual é a real influencia das matas ciliares sobre a dinâmica das águas nas bacias
hidrográficas?
Funcionam como hidrorreguladores da manutenção das nascentes, permanência da água
no meio, barreiras contra o transporte e deposição de sedimentos, lixo, agroquímicos, evitando
assim, o assoreamento e a poluição e ainda sobre a quantidade de água que ira infiltrar no solo,
controle de ventos, dentre outros.

6) Quais os principais “serviços” das florestas, também chamados de benefícios indiretos ao


homem?
Tem influência no balanço hídrico, alem de ser responsável pela recarga dos lençóis
freáticos, que darão origem às nascentes dos cursos d’água, além de atuar na manutenção da
diversidade genética tanto da flora quanto da fauna, manutenção da biodiversidade, captura de
gás carbônico, proteção do solo e manutenção dos rios.

7) De acordo com a Legislação Ambiental brasileira o que constitui Áreas de Preservação


Permanente? Liste resumidamente as categorias contempladas pela Lei.

De acordo com o Artigo 2° do Código Florestal Brasileiro - Consideram-se de


preservação permanente, pelo só efeito desta Lei, as florestas e demais formas de vegetação
natural situadas:

a) ao longo dos rios ou de outro qualquer curso d’água desde o seu nível mais alto em faixa
marginal cuja largura mínima seja:

1) de 30 (trinta) metros para os cursos d’água de menos de 10 (dez) metros de largura;

2) de 50 (cinqüenta) metros para os cursos d’água que tenham de 10 (dez) a 50 (cinqüenta)


metros de largura;

3) de 100 (cem) metros para os cursos d’água que tenham 50 (cinqüenta) metros a 200
(duzentos) metros de largura;

4) de 200 (duzentos) metros para os cursos d’água que tenham de 200 (duzentos) a 600
(seiscentos) metros;

5) de 500 (quinhentos) metros para os cursos d’água que tenham largura superior a 600
(seiscentos) metros;

b) ao redor das lagoas, lagos ou reservatórios d’água, naturais ou artificiais;

c) nas nascentes, ainda que intermitentes e nos chamados "olhos d’água", qualquer que seja a
sua situação topográfica, num raio mínimo de 50 (cinqüenta) metros de largura;

d) no topo de morros, montes, montanhas e serras;

e) nas encostas ou partes destas com declividade superior a 45° equivalente a 100% na linha de
maior declive;

f) nas restingas, como fixadoras e dunas ou estabilizadoras de mangues;

g) nas bordas dos tabuleiros ou chapadas, a partir da linha de ruptura do relevo, em faixa nunca
inferior a 100 (cem) metros em projeções horizontais;
h) em altitude superior a 1.800 (mil e oitocentos) metros, qualquer que seja a vegetação.
Consideram-se, ainda, de preservação permanente, quando assim declaradas por ato do Poder
Público, as florestas e demais formas vegetação natural destinadas:

a) a atenuar a erosão das terras;

b) a fixar as dunas;

c) a formar as faixas de proteção ao longo de rodovias e ferrovias;

d) a auxiliar a defesa do território nacional, a critério das autoridades militares;

e) a proteger sítios de excepcional beleza ou de valor científico ou histórico;

f) a asilar exemplares da fauna ou flora ameaçados por extinção;

g) a manter o ambiente necessário à vida das populações silvícolas;

h) a assegurar condições de bem-estar público.

8) Monte um quadro, conforme o modelo apresentado, onde constem todas as condições em


que a presença de matas ciliares é obrigatória, por lei, indicando a largura da respectiva
faixa de vegetação a ser mantida. Leve em consideração as Resoluções 302/02 e 303/02 do
CONAMA.
Largura em metro da faixa
Condições Referência Legal
de vegetação
Cursos d’água com largura 30 metros Res. 303/02 CONAMA
< 10m Art.3°, Inciso Ia
Cursos d’água com largura 50 metros Res. 303/02 CONAMA Art.3°,
de 10 a 50m Inciso Ia
Cursos d’água com largura 100 metros Res. 303/02 CONAMA Art.3°,
de 50 a 200m Inciso Ia
Cursos d’água com largura 200 metros Res. 303/02 CONAMA Art.3°,
de 200 a 600m Inciso Ia
Cursos d’água com largura > 500 metros Res. 303/02 CONAMA Art.3°,
600m Inciso Ia
9) Determine qual deve ser a largura das faixas de matas ciliares que legalmente devem ser
mantidas em torno de:

a) Um lago situado em uma cidade: 30 m


b) Um açude com área de 02 ha usado para abastecer uma comunidade: 100 m
c)
a) Um açude com área de 20 ha usado para irrigação: 15 m
d)
b) Um açude com área de 11 ha usado para gerar energia elétrica: 100 m
e) Um açude com área de 10 ha usado para gerar energia elétrica: 15 m
f)c) Um açude com área de 21 ha usado para irrigação: 100 m
g)
d) Um açude com área de 18 ha usado para abastecer cidades: 100 m