Você está na página 1de 28

Universidade Federal de Juiz de Fora

Campus Governador Valadares


Departamento de Economia

Prof.: Geraldo Moreira Bittencourt


 VASCONCELLOS, M. A. S. Economia - Micro e Macro. 5ª
ed. São Paulo: Atlas, 2011. (Capítulo 7)
Estruturas de Mercado: Introdução
 O mercado é todo local onde se realiza compras e vendas de bens e serviços.

 Existem basicamente quatro estruturas de mercado, são elas:


Concorrência Perfeita, Monopólio, Oligopólio e
Concorrência Monopolística.

 Essas estruturas de mercado estão condicionadas pelos seguintes aspectos


principais:

1) número de empresas que compõem o mercado;


2) tipo de produto (se as firmas fabricam produtos idênticos ou diferenciados)
3) controle das empresas sobre os preços;
4) concorrência extra-preço; e
5) existência de barreiras à entrada de novas empresas.
Principais características das diferentes estruturas de mercado

ÚNICO, OU SEJA:
Estruturas de Mercado: Introdução

 Em síntese, conforme as principais características, tem-se:

a) Concorrência perfeita: número infinito de firmas, produto homogêneo, não


existem barreiras à entrada e não há poder para manipular preços.

b) Concorrência monopolística: número grande de firmas, produto diferenciado,


não existem barreiras à entrada e há muito pouco poder para manipular preços.

c) Oligopólio: poucas grandes empresas que dominam o mercado, produtos


podem ser homogêneos ou diferenciados, existem barreiras à entrada e um
moderado poder para manipular preços.
d) Monopólio: uma única empresa, produto sem substitutos próximos, existem
barreiras à entrada e há com poder para manipular preços.
Estruturas de Mercado: Maximização dos Lucros

Teoria Microeconômica Empresas têm como objetivo


( Teoria Neoclássica ou principal a maximização dos lucros
Teoria Marginalista) (a curto ou a longo prazo)

• LT = Lucro total
LT = RT – CT • RT = Receita total
• CT = Custo total de produção.

 A empresa, desejando maximizar seus lucros, escolherá o nível de


produção para o qual a diferença positiva entre RT e CT seja a maior
possível (máxima).
Estruturas de Mercado: Maximização dos Lucros

 Esta maximização do lucro ocorrerá no nível de produção em que a receita


marginal da última unidade produzida for igual ao custo marginal desta
última unidade produzida:
RMg = CMg

 Custo Marginal (CMg): é o custo de se produzir uma unidade extra do produto.

CT CT
 CMg  ou  CMg 
Q Q

 Receita Marginal (RMg): é o acréscimo da receita total pela venda de uma


unidade extra do produto.

RT RT
 RMg  ou  RMg 
Q Q
Estruturas de Mercado: Maximização dos Lucros

 A maximização do lucro ocorre, em um nível de produção tal que a


receita marginal da última unidade produzida seja igual ao custo
marginal desta última unidade produzida:

RMg = CMg

• Se RMg > CMg  então há interesse de aumentar a produção, pois cada unidade
adicional fabricada aumenta o lucro; (Logo, deve elevar a produção até atingir RMg = CMg)

• Se RMg < CMg  então há interesse de diminuir a produção, pois cada unidade
adicional que deixa de ser fabricada aumenta o lucro; (Logo, deve reduzir a produção até
atingir RMg = CMg)

• Se RMg = CMg  então encontra-se o nível de produção que maximiza o lucro da firma,
sendo o CMg na fase crescente do gráfico.
Exercício - Mercado em Concorrência Perfeita
 Encontre o nível de produção que maximiza o lucro da firma.

Q P RT CT Lucro RMg CMg


(Quantidade (Preço (Receita (Custo (Receita (Custo
(RT – CT)
produzida) unitário) Total) Total) Marginal) Marginal)

0 5 10 - -
1 5 15
2 5 18
3 5 20
4 5 21
5 5 23
6 5 26
7 5 30
8 5 35
9 5 41
10 5 48
11 5 56
Exercício (Resposta) Q = 1 é o nível de
produção onde RMg =CMg,
na fase decrescente da
curva de CMg.
Q P RT CT Lucro RMg CMg Logo, este não é o ponto
(Quantidade (Preço (Receita (Custo (Receita (Custo de maximização do lucro
(RT – CT)
produzida) unitário) Total) Total) Marginal) Marginal) da firma. Pois leva a
prejuízo (lucro negativo)
0 5 0 10 -10 - -

1 5 5 15 -10 5 5

2 5 10 18 -8 5 3
$ CMg
3 5 15 20 -5 5 2

4 5 20 21 -1 5 1
P* P* = RMg

5 5 25 23 2 5 2

6 5 30 26 4 5 3
q=1 q*=8 q
7 5 35 30 5 5 4

8 5 40 35 5 5 5

9 5 45 41 4 5 6 Q = 8 é o nível de
produção onde RMg =CMg,
na fase crescente da curva
10 5 50 48 2 5 7
de CMg.
11 5 55 56 -1 5 8 Logo, este é o ponto de
maximização do lucro da
firma.
Estruturas de Mercado: Concorrência Perfeita

 Hipótese principal do modelo:

 Mercado atomizado (atomicidade dos agentes):


 Mercado com infinitos agentes vendedores e compradores (como
“átomos”), de forma que um agente isolado (comprador ou vendedor) não
tem condições de afetar o preço de mercado.

 Assim, o preço de mercado é um dado fixado para empresas e


consumidores (são price-takers, isto é, tomadores (aceitadores) de
preços estabelecidos pelo mercado).
Concorrência Perfeita: Atomicidade dos Agentes

Mercado como um todo Firma Específica


R$/unid. R$/unid.
Oferta Demanda Individual da firma
total de (Perfeitamente elástica, ou seja,
mercado não possibilita ao empresário
alterar o preço)

E
P* P* P= RMe =RMg

P q RT RMe RMg
3 1 3 3 -
Demanda 3 2 6 3 3
total de 3 3 9 3 3
mercado 3 4 12 3 3

q
Qd = Qo Q
Já a RMe é o próprio preço unitário

RT RT P  q
 RMg   RMe   P
q q q
Maximização dos Lucros no Curto Prazo
Estruturas de Mercado: Concorrência Perfeita

ou
Neste ponto: (P* = RMe = RMg = CMg ) > CMe apenas
(P* = CMg) > CMe

Custos ($)
CMe
CMg
CVMe
P* > CMe
P* P* = RMe =RMg

Lucro
Extraordinário
q
q*
No  Lucro Positivo ou Extraordinário: quando RT > CT , ou seja, (P = CMg) > CMe
curto prazo,  Lucro negativo ou Prejuízo: quando RT < CT , ou seja, CVMe < (P = CMg) < CMe
pode existir:
 Lucro Zero ou Normal (quando RT = CT , ou seja, (P = CMg) = CMe
Estruturas de Mercado: Concorrência Perfeita

 A longo prazo, uma característica do mercado em concorrência


perfeita é que:

 não existem lucros positivos ou extraordinários (onde as receitas


superam os custos econômicos)

 mas apenas os chamados lucros normais (onde as receitas são


exatamente iguais aos custos econômicos, sendo que a remuneração do
empresário já está implícita nos custos)

***Isso se dá devido à inexistência de barreiras à entrada e saída


 Ou seja, as firmas com lucro positivo atraem novas concorrentes.
 Com muitas firmas concorrentes, a oferta do mercado eleva e os preços caem, o que leva
algumas firmas ao prejuízo.
 No final, ficarão apenas as firmas que alcançarem o lucro normal, maximizando assim seus
lucros.
Maximização dos Lucros no Longo Prazo
Estruturas de Mercado: Concorrência Perfeita

ou P* = RMg = CMg
Neste ponto: P* = RMe = RMg = CMe = CMg apenas

Custos ($)
CMe
CMg

P* = CMg

P* P* = RMe =RMg

Lucro Normal

q
q*
Em concorrência perfeita,
no longo prazo, haverá
apenas firmas com Lucro
Normal.
Estruturas de Mercado: Monopólio
As barreiras de acesso às rivais podem ocorrer de várias formas:

 Monopólio puro ou natural: devido à alta escala de produção requerida, exigindo


um elevado montante de investimento. A empresa monopolística já está
estabelecida em grandes dimensões e tem condições de operar com baixos custos.
Torna-se muito difícil alguma empresa conseguir oferecer a um preço equivalente
à firma monopolista;

 Patentes: direito único de produzir o bem;

 Controle de matérias-primas chaves: como por exemplo, o controle das minas de


bauxita pelas empresas produtoras de alumínio;

 Monopólio estatal ou institucional: protegido pela legislação, normalmente em


setores estratégicos ou de infraestrutura;
Estruturas de Mercado: Monopólio
 Diferentemente da concorrência perfeita, como existem barreiras à entrada de
novas empresas, os lucros extraordinários devem persistir também a longo prazo
em mercados monopolizados.

 Diferentemente da concorrência perfeita em que a maximização ocorre quando


P = RMG = CMg, o ponto de equilíbrio do monopolista (ponto de maximização do
seu lucro) ocorre onde: RMg = CMg

 Ou seja, no monopólio, a RMg não é constante e igual ao preço, pois a demanda é


negativamente inclinada e quantidades adicionais são vendidas a preços diferentes.

Demanda de mercado = Demanda da firma Monopolista

Q
Estruturas de Mercado: Concorrência Monopolística
Características básicas:

 muitas empresas, produzindo um dado bem ou serviço;

 cada empresa produz um produto diferenciado, mas com substitutos


próximos;

 No curto prazo, cada empresa tem um certo poder sobre os preços , dado
que os produtos são diferenciados/únicos, ou seja, no curto prazo há
aspectos de monopólio.

 Como não existem barreiras para a entrada de firmas rivais, os lucros


extraordinários a curto prazo atraem novas firmas para o mercado,
aumentando a oferta do produto (que agora já foi copiado). Com a maior
concorrência, cada firma perde parcela de mercado.

 Desse modo, no longo prazo, chega-se a um ponto em que persistirão lucros


normais (RT=CT), quando então este mercado passa a ter aspectos de
concorrência perfeita.
Estruturas de Mercado: Concorrência Monopolística

 A diferenciação dos produtos neste mercado se dá via:

 Características físicas: composição química, potência.


 Embalagem.
 Promoção de vendas: propaganda, atendimento, brindes.
 Manutenção, atendimento pós-venda.

 A maximização de lucros no curto prazo assemelha-se ao monopólio.

 Como não existem barreiras à entrada, no longo prazo os lucros


tendem a ser normais e a estrutura se assemelha à Concorrência
Perfeita.
Estruturas de Mercado: Oligopólio
Definido de duas formas:

 oligopólio conecentrado: pequeno nº de empresas no setor. Exemplo: Indústria


automobilística, indústria do aço.

 oligopólio competitivo: um pequeno nº de empresas domina um setor com


muitas firmas. Exemplo: Bunge, BRF, Ambev, etc.

Tipos de oligopólio:
 com produto homogêneo (por exemplo, alumínio e cimento);

 com produto diferenciado (por exemplo, automóveis).

OBS:
Devido à existência de empresas dominantes, elas têm o poder de fixar os preços de venda
em seus termos, defrontando-se normalmente com demandas relativamente inelásticas, em
que os consumidores têm baixo poder de reação a alterações de preços.
Estruturas de Mercado: Oligopólio

 No oligopólio, assim como no monopólio, há barreiras para a entrada


de novas empresas no setor.

 Controle de matérias-primas chave


 Patentes (só no caso de empresas do mesmo grupo)
 Tradição de mercado
 Oligopólio natural

 No oligopólio os lucros extraordinários tendem a permanecer no longo


prazo.

 Principalmente no caso do oligopólio natural, em que a alta escala de


produção propicia uma produção à custos relativamente baixos,
dificultando a entrada de concorrentes.
Estruturas de Mercado: Oligopólio

Formas de atuação das empresas:

 Comportamento não-cooperativo: concorrem entre si, via guerra de


preços (forma de atuação pouco frequente);

 Comportamento cooperativo: formam cartéis (conluios, trustes). Um


cartel é uma organização (formal ou informal) de produtores dentro de
um setor, que determina a política para todas as empresas do cartel. O
cartel fixa preços e a repartição (cota) do mercado entre as empresas.

 Outra forma de comportamento cooperativo pode surgir a partir


da fusão entre empresas ou da tomada de controle acionário de
uma empresa por outra.
Estruturas de Mercado: Oligopólio

 No cartel, as cotas podem ser:

 Perfeitas (cartel perfeito): todas as empresas têm a mesma participação. A


administração do cartel fixa um preço comum e divide igualmente o
mercado, agindo como um bloco monopolista. Chamada “solução de
monopólio”.

 Imperfeitas (cartel imperfeito): existem empresas líderes (que possuem maior


tamanho e custos menores) que fixam os preços, ficando com a maior cota.
As demais empresas seguem os preços das líderes. É o modelo de liderança
de preços, onde uma empresa fixa o preço que maximiza o lucro e as demais
tem o preço como dado.

 O governo, por meio de leis antitrustes, evita que o preço fixado seja
muito baixo a ponto de eliminar as demais firmas do mercado.
Estruturas de Mercado: Oligopólio
 Não existe um modelo geral de oligopólio, pois eles são muito diferentes entre si.

 A modelagem pode seguir o modelo tradicional da maximização dos lucros pelo


empresário, onde se busca o nível de produção em que RMg = CMg.

 Pode seguir também um modelo de mark up, onde o empresário define o quanto
deseja ganhar acima do seu custo médio de produção . Para tanto a firma estabelece
uma taxa de mark up (𝒎) : 𝑷 = 𝑪𝑴𝒆. (𝟏 + 𝒎)
 A taxa 𝒎 pode ser de 0,3→30% ; ou 0,8→80% ; ou 2→200% ; entre outras.
 Tal decisão depende de vários fatores: elasticidade-preço da demanda,
estrutura do oligopólio, etc.

 Outro método utilizado para modelar oligópolios baseia-se na teoria dos jogos, que
fundamenta-se na interação entre os agentes, por meio do comportamento
estratégico.
Estruturas no Mercado de Fatores de Produção

 A demanda de uma empresa pelos fatores de produção (matérias-primas, mão-de-obra,


capitais) é uma demanda derivada, ou seja, depende da demanda pelo produto dessa
empresa.

 Exemplo: a demanda de autopeças, por parte da indústria de automóveis, depende da


demanda de automóveis.

 O mercado de fatores de produção também pode operar em concorrência perfeita,


monopólio, oligopólio ou concorrência monopolística, como analisamos para os mercados
de bens e serviços finais.

 A regra geral no mercado de fatores (insumos) de produção é que a RMg propiciada pela
aquisição de uma unidade extra do fator seja igual ao CMg de se obter esta unidade extra
do insumo, isto é: RMg do fator = CMg do fator

 Por exemplo, se considerarmos o mercado de trabalho (mdo), o CMg do trabalho para a


firma seria o salário pago ao trabalhador e a RMg do trabalho seria o valor da produção
extra que este trabalhador adicional geraria para a firma.
Estruturas de Mercado Particulares
 Monopsônio: há somente um comprador para muitos vendedores de certo bem
ou serviço. Logo, o monopsônio é o inverso do Monopólio.
 Por ser o único comprador, o monopsonista consegue comprar o bem ou
serviço a uma preço menor que o preço de equilíbrio em concorrência
perfeita.

 Oligopsônio: existem poucos compradores que dominam o mercado para


muitos vendedores. Logo, também existe poder sobre o preço, e pode haver
combinação entre os compradores

 Monopólio bilateral: ocorre quando um monopsonista, na compra do fator


de produção, defronta-se com um monopolista na venda desse fator. Único
comprador e único vendedor. Como ambos possuem poder de determinar o preço, a
solução depende do poder de barganha de cada um.
Estruturas de Mercado: Resumo
Entrada de
Tipo de
Estrutura Objetivo da Empresa Número de Firmas Novas Lucros a LP
Produto
Empresas

Maximização de Lucros Não existem


Concorrência Perfeita Infinitas Homogêneo Lucros Normais
(P=RMg=CMg) ou (P=CMg) barreiras

Maximização de Lucros Lucros


Monopólio Uma Único Barreiras
(RMg=CMg ) Extraordinários

Maximização de Lucros Não existem


Concorrência Monopolística Muitas Diferenciado Lucros Normais
(RMg=CMg ) barreiras
Homogêneo
Maximização de Lucros Lucros
Oligopólio Poucas ou Barreiras
(RMg=CMg ) Extraordinários
diferenciado