Você está na página 1de 89

1

Sociedade Portuguesa de Energia Solar


Edificio M1 – Campus do INETI-DER
Estrada do Paço do Lumiar
1649-038 Lisboa – Portugal
Tel: + 351 21 716 6903
Fax: + 351 21 715 7269

INSTALADORES
DE
EQUIPAMENTOS SOLARES TÉRMICOS

CONVERSÃO TÉRMICA
da
ENERGIA SOLAR

Eduardo Perez Lebeña Jorge Cruz Costa


SPES DER / INETI

Manual editado pela Sociedade Portuguesa de


Energia Solar, no âmbito do Contrato Altener nº
4.1030/Z/96-104 – “Acções para a disseminação da
Energia Solar Térmica em Portugal”, financiado pelo
Programa Altener e Direcção-Geral de Energia.
2

CONVERSÃO TÉRMICA DA ENERGIA SOLAR

1. FISICA 7

1.1. INTRODUÇÃO 7
1.2. GRANDEZAS 7
1.3. MECÂNICA 8
1.4. HIDRÁULICA 8
1.5. TERMOTECNIA 9
1.6. ELECTRICIDADE 11

2. A RADIAÇÃO SOLAR 13

3. MOVIMENTO -TERRA - SOL 14

4. CONVERSÃO TÉRMICA da ENERGIA SOLAR 16

4.1. PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA O APROVEITA- 17


MENTO ÓPTIMO DA ENERGIA SOLAR
4.2. CONVERSÃO TÉRMICA A BAIXA TEMPERATURA 18
4.2.1. Colectores solares. Efeito estufa
4.3. ELEMENTOS CONSTITUTIVOS 20
DO COLECTOR PLANO
4.3.1. Coberturas transparentes
4.3.2. Placa Absorsora
4.3.3. Isolamento posterior
4.3.4. Caixa
4.4. ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DE UM 23
COLECTOR PARABÓLICO COMPOSTO (C.P.C.)
4.5. ESTUDO ENERGÉTICO DO COLECTOR 24
4.5.1. Curva característica de um colector solar
4.6. FLUIDO de TRANSFERÊNCIA TÉRMICA 28
4.7. CURVAS DE PENALIZAÇÃO. ORIENTAÇÃO 32
E INCLINAÇÃO DOS COLECTORES
4.8. DETERMINAÇÃO DE SOMBRAS E 36
COORDENADAS DO SOL
3

4.9. SUB-SISTEMA DE CAPTAÇÃO DO 39


CIRCUITO PRIMÁRIO
4.9.1. Distribuição e ligação dos colectores
4.10. DIMENSIONAMENTO SIMPLIFICADO 46
4.11. QUEDA DE PRESSÃO NO CAMPO 49
DE COLECTORES
4.12. TUBAGENS. MATERIAIS UTILIZADOS 52
4.12.1. Dimensionamento das tubagens
4.12.2. Capacidade interna das tubagens
4.12.3. Perdas de carga em tubagens
4.12.4. Elementos de ancoragem e de guia.
Isolamento das tubagens
4.13. ARMAZENAMENTO. ACUMULADORES 60
4.13.1. Dimensionamento de acumuladores
de A.Q.S. Critérios
4.13.2. Isolamento térmico dos depósitos
de acumulação
4.14. PERMUTADORES DE CALOR 63
4.15. ELECTROCIRCULADORES 65
4.15.1. Bomba de circulação do circuito primário
4.15.2. Bomba de circulação do circuito secundário
4.15.3. Bomba de enchimento do circuito primário
4.15.4. Circuitos de baixo caudal
4.16. TERMOSTATO DIFERENCIAL. 68
CONTROLO AUTOMÁTICO
4.17. VASOS DE EXPANSÃO 70
4.18. PURGADORES E DESAERADORES 72
4.19. VÁLVULAS 73
4.19.1. Válvulas de segurança
4.19.2. Válvulas anti-retorno
4

4.19.3. Válvulas de passagem


4.19.4. Válvulas de três vias
4.19.5. Válvulas pressostáticas do tipo “Watt”

4.20. VIABILIDADE ECONÓMICA DE UMA 76


INSTALAÇÃO SOLAR
4.21. EXECUÇÃO E MANUTENÇÃO DE UMA 79
INSTALAÇÃO SOLAR
4.21.1. Processos prévios à instalação
4.21.2. Armazenamento, manipulação
e montagem dos colectores
4.21.3. Processo de montagem da instalação solar
4.21.4. Arranque da instalação solar
4.21.5. Provas prévias à entrega da instalação solar
4.21.6. Isolamento da instalação solar
4.21.7. Operações de manutenção que deverão ser
efectuadas pelo dono da instalação e por
pessoal especializado
4.21.8. Localização e reparação das avarias
mais frequentes
5

1. FISICA

1.1. INTRODUCÇÃO.

No seu significado mais amplo, a Física é o estudo da natureza. Deste modo, estamos
interessados pelos fenómenos que possam ser medidos e dos quais tiramos umas
consequências. Uma ferramenta imprescindível é a Matemática, que permite a compreensão
dos fenómenos e das realizações técnicas que o homem cria para melhorar a qualidade de
vida.

Assim, a Física está dividida em diversos campos independentes que permitem o seu estudo
separadamente, tais como a Mecânica, a Hidráulica, a Termodinâmica, a Electricidade, a
Óptica, que estudaremos brevemente para assegurar a compreensão dos capítulos relativos
a Física Solar e as suas consequências imediatas.

1.2. GRANDEZAS.

Exemplos das grandezas físicas são o tempo, o espaço, a quantidade de electricidade, a


potência, …, que podem ser medidas e das quais definimos umas unidades.

Por convénio, existem seis grandezas fundamentais: o tempo, o espaço, a massa, a


intensidade da corrente eléctrica, a temperatura absoluta e a intensidade luminosa. As outras
grandezas são o resultado de combinar as anteriores, por exemplo a velocidade é o
cociente entre o espaço e o tempo.

Na seguinte tabela especificamos as grandezas habitualmente mais usadas e as unidades:

GRANDEZA UNIDADE SIMBOLO


Espaço Metro m
Tempo Segundo s
Massa Quilograma kg
Volume Metro cúbico m3
Força Newton N
Trabalho Joule J
Potência Watt W
Energia Joule J
Calor Caloria cal
Carga Eléctrica Coulomb C
Potencial Eléctrico Volt V
Intensidade Eléctrica Ampere A
Resistência Eléctrica Ohm Ω
Pressão Pascal Pa
Temperatura Kelvin K
6

1.3. MECÂNICA.

A Mecânica é o ramo da Física que estuda o movimento, as suas causas e implicações.

A relação existente entre a força que actua sobre um corpo e a aceleração que produz é:

F = m * a.

Desta forma, o peso de um corpo é definido por:

P = m * g.

Onde g é a aceleração da gravidade, com um valor de 9.8 m/s².

Define-se o trabalho como o produto entre o espaço percorrido e o valor da força no


sentido do deslocamento do corpo.

W = F * e.

A potência é o trabalho realizado por unidade de tempo.

P = W / t.

1.4. HIDRÁULICA

É a parte da Física que estuda a mecânica dos líquidos.

Definimos:

Volume específico Ve , é o volume por unidade de massa Ve = V/m [m3/kg]


Massa específica ρ, é a massa por unidade de volume ρ = m / V. [kg/m3]
Peso específico Pe é o cociente entre o peso e o volume. Pe = m*g / V [N/m3]
Densidade d , como a relação entre a massa de um corpo e a massa de igual volume de
água a 4ºC

Os líquidos têm uma pressão que é transmitida com a mesma intensidade em todas as
direcções e que é suportada pelas paredes e o fundo do recipiente.

P = F / S em N/m² ou Pascal.

Uma unidade bastante utilizada é a atmosfera, equivalente a 1.013 105 N/m².

O ramo que estuda os líquidos em movimento é a Hidrodinâmica. O caudal que circula


pelo interior de um tubo pode definir-se:

Q = v * S, em m3/h ou l/h ou l/s.


7

Sendo
v = Velocidade de circulação do fluido.
S = Secção interna do tubo.

Se tivermos uma redução/ampliação da secção do tubo, o caudal é o mesmo, portanto:

v1 * S1 = v2 * S2

denominada equação de continuidade do fluxo.

Se o líquido estiver em repouso a sua pressão designa-se Pressão Total (PT ).

Se o líquido estiver em movimento, a pressão total passa a ter duas componentes, a


pressão estática (Pe) e a pressão dinâmica (Pd ).

A pressão estática é perpendicular às paredes do tubo e a pressão dinâmica está


relacionada com a densidade do líquido e a sua velocidade.

Considerando uma hipótese simplificativa de não haver atritos, a Pressão Total mantém-se
constante e é igual à soma das pressões estática e dinâmica:

PT = Pe + Pd = Pe + ρ * v²/2.

Sendo a soma constante, quanto maior fôr a pressão dinâmica, menor é a pressão estática e
vice-versa.

Na figura acima, quando a secção aumenta de S1 para S2, diminui a velocidade (v2<v1),
diminui a Pressão dinâmica ( Pd ) e aumenta a pressão estática ( Pe ).

1.5. TERMOTECNIA.

A Termotecnia é o ramo da Física que estuda o calor e a sua propagação.

A temperatura é um conceito útil para medir e comparar o estado térmico dos corpos. Os
elementos utilizados para medir esta temperatura são os termómetros, definindo
previamente uma escala de valores. A centígrada, habitualmente usada, considera como
zero a temperatura de congelação da água e o valor 100 o ponto de ebulição à pressão
atmosférica normal (1atm). Nos países anglo-saxónicos ainda usam a escala Fahrenheit.

0ºC 100 ºC
32ºF 212 ºF
8

Exemplo: 90 ºF (90-32)*5/9 ºC = 32.2 ºC

A escala absoluta de temperatura é igual à escala centígrada acrescida de um valor


constante de 273ºC.

K = ºC + 273.

O aquecimento dos corpos origina uma dilatação, que depende das características do
material e é proporcional à variação da temperatura.

Para os sólidos, as mudanças de comprimento, superfície e volume podem expressar-se de


acordo com:

∆l = α * l * ∆T.
∆S = 2α * S * ∆T.
∆V = 3α * V * ∆T.

Para os líquidos, a dilatação pode expressar-se:

∆V = β * V * ∆T.

Nas instalações térmicas os aumentos de volume da água são absorvidos por vasos de
expansão, como explicaremos adiante.

Denominamos caloria a quantidade de calor necessária para elevar de um grau centígrado


a temperatura de um grama de água. A quantidade de calor absorvida por um corpo para
passar de uma temperatura inicial ti a outra final tf é dada pela expressão:

Q = m*Cp*(tf – ti).

Sendo Cp o calor específico do corpo.

Mudanças de estado. Os corpos sólidos passam a líquidos, e posteriormente a gasosos


quando a temperatura atinge um valor determinado. Durante a mudança de estado produz-
se uma absorção de calor sem elevar a temperatura. No caso da água o ponto de
congelação é de 0º C e o de ebulição de 100º C. Um grama de gelo precisa de 80 calorias
para passar a líquido e um grama de água necessita de 540 calorias para passar a vapor.

Propagação do calor. A energia pode transmitir-se de três formas distintas:

CONDUÇÃO - requer o contacto físico entre dois corpos sólidos a diferentes


temperaturas. O corpo com menor temperatura absorve calor até se atingir a temperatura
de equilíbrio. Podemos calcular este valor tendo em conta que o calor cedido pelo corpo
quente é o mesmo que o absorvido pelo frio.

CONVECÇÃO - implica um movimento do corpo que transporta o calor e é a


transferência de calor típica nos fluidos ( líquidos ou gasosos) e pode ser natural ou forçada.
Dependerá de :
9

- A velocidade do fluido
- A natureza do fluido ( densidade, viscosidade, conductividade
térmica e do calor específico).

RADIAÇÃO - é o mecanismo de transmissão de calor entre dois corpos a temperaturas


diferentes e não necessita de um suporte físico. É a forma de transferência de calor entre o
Sol e a Terra.

1.6. ELECTRICIDADE

Os corpos dividem-se entre condutores e isolantes, segundo a facilidade que apresentem


para que a corrente eléctrica circule por eles.

A unidade de carga eléctrica é o coulomb, equivalente à carga de 6,25 1018 electrões

Denominamos intensidade de corrente à carga que circula num corpo condutor na


unidade de tempo.

I=q/t

A sua unidade é o ampere.

Definimos a diferença de potencial entre dois pontos A e B de um condutor como sendo


o trabalho W, realizado para deslocar uma carga q desde A até B:

VB - VA = VAB = W / q

Sendo a sua unidade o Volt.

Denominamos resistência R de um condutor à resistência que opõe à circulação da


corrente eléctrica, de acordo com:

R = VAB / I.
A unidade é o Ohm Ω.

A potência eléctrica é o produto entre a diferença de potencial e a intensidade:

P = VAB * I = R * I2.

Efeito Joule. Quando uma corrente eléctrica passa por um condutor, este aquece de
acordo com a expressão anterior de potência. Este aquecimento pode ser aproveitado
mediante o uso de resistências de aquecimento destinadas, por exemplo, para o
aquecimento de água (termos eléctricos).

Associação de condutores. Podemos associar resistências em serie ou em paralelo.

Em série:

A R1 B R2 C

RT = R1 + R2
10

VTOTAL = VAB + VBC = VAC

ITOTAL = VTOTAL / RTOTAL.

Em paralelo:

1/RT = 1/R1 + 1/R2

VTOTAL = VAB = VAC

ITOTAL = I1 + I2 =VTOTAL / RTOTAL.

Acumuladores. São sistemas electroquímicos baseados em reacções químicas reversíveis.


Exemplos de acumuladores são as baterias e as pilhas. A diferença entre ambas é a
possibilidade de recarregar as baterias um número indeterminado de vezes.

Definimos a capacidade de um acumulador como a quantidade de electricidade que pode


conter no seu interior. Os acumuladores, tal como as resistências, podem ser associados em
série ou em paralelo.

Em série:

VTOTAL = 3V , CTOTAL = C , ITOTAL = I


Em paralelo:

VTOTAL = V , CTOTAL = 3C , ITOTAL = 3I


11

2. A RADIAÇÃO SOLAR

O sol emite radiação electromagnética que se decompõe em infravermelho (46%), visível


(47%) e ultravioleta (7%).

A radiação solar sobre uma superfície dentro da atmosfera terrestre tem três componentes:
• a radiação directa, que vem directamente do sol.
• radiação difusa, proveniente de todo o céu excepto do disco solar. A radiação,
ao atravessar a atmosfera, é em parte reflectida pelos componentes atmosféricos (as
nuvens), outra parte é absorvida (O 3, O2, H2O,...) e a restante é difundida (
moléculas, gotas de água, pó em suspensão).
• radiação reflectida, proveniente da reflexão no chão e em objectos circundantes
A reflectividade do chão designa-se por albedo e depende unicamente da
composição e cor do chão (existência de neve, água, vegetação, etc).
12

3. MOVIMENTO TERRA - SOL

A Terra descreve uma órbita elíptica em torno do Sol, , encontrando-se este num dos
focos.

O plano que contem esta trajectória (e a de todos os planetas) denomina-se plano da


eclíptica.

A Terra roda sobre si mesma e completa uma rotação num dia, percorrendo a sua
trajectória num ano e 6 horas. De 4 em 4 anos acerta-se o calendário com um ano bissexto.

O eixo de rotação, denominado eixo polar, é quase perpendicular ao plano da eclíptica,


formando um ângulo com a normal ao plano da órbita de valor 23º 27’.

Declinação é o ângulo formado entre a direcção da radiação e o plano do equador e varia


entre + 23º 27’ e -23º 27’.

Durante os equinócios da primavera (21 de Março) e do outono (22 de Setembro), os


dias são iguais às noites porque a declinação solar é nula. O Sol nasce a Este e põe-se a
Oeste
13

Durante o solstício do verão ( 23 de Junho ) a declinação solar é de 23º 27’, a duração do


dia é maior que a da noite e o Sol, encontrando-se sobre o Trópico de Câncer, nasce
quase a NE e põe-se quase a NW. No solstício do inverno (22 de Dezembro), a
declinação é igual mas de valor negativo, o Sol encontra-se sobre o Trópico de Capricórnio
e a duração do dia é inferior à da noite.
14

4. CONVERSÃO TÉRMICA da ENERGIA SOLAR

O aproveitamento da energia solar por conversão em energia térmica a baixa temperatura é


interessante para a produção de água quente até 60º C, em geral com períodos mínimos de
utilização do equipamento solar de oito a dez meses por ano.

As aplicações mais frequentes são:

- Produção de A.Q.S. para uso em vivendas, residências, hospitais, hotéis, etc.,


com necessidades de consumo muito regulares ao longo de todo o ano.
- Aquecimento de piscinas.
- Aquecimento ambiente com piso radiante.
- Produção de água a elevadas temperaturas destinada a uso industrial por
concentração dos raios solares em colectores parabólicos.

Em geral, os equipamentos solares não garantem a totalidade do consumo


energético, e como consequência, é necessário o apoio de uma instalação
convencional que assegure as necessidades energéticas não cobertas pelo sistema
solar.

Contrariamente ao critério de dimensionamento seguido para os equipamentos


convencionais, os solares não se dimensionam para as condições extremas (inverno, baixa
radiação solar) de certos dias do ano, mas sim para as necessidades energéticas médias
anuais. Para este tipo de equipamentos não se considera a ponta máxima previsível de
consumo energético, mas o balanço médio anual.

A análise da rentabilidade económica dos equipamentos solares baseia-se na poupança de


energia ou combustível obtida num ano médio de funcionamento.
15

4.1. PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA UM APROVEITAMENTO ÓPTIMO DA


ENERGIA SOLAR.

É fundamental respeitar os quatro princípios seguintes para desenvolver projectos correctos


em instalações de energia solar, e assim prevenir os sintomas patológicos que mais
frequentemente se observam.

Captação do máximo possível de energia solar.

É preciso instalar o número suficiente de colectores para captar a energia necessária e


escolher a inclinação correcta, regulando a sua captação mediante controlos
electrónicos.
É necessário medir e comparar permanentemente os níveis de temperatura nos
colectores e no armazenamento; dispor dos mecanismos automáticos necessários para
que no circuito primário (colectores solares) se estabeleça a circulação do fluido apenas
quando o rendimento for positivo. Devemos excluir sistemas que disponham somente de
um simples termostato (no colector ou no armazenamento) como único parâmetro para
determinar o funcionamento das bombas.

Prioridade ao Sol!

A energia solar é gratuita e a convencional não. O consumo energético deve realizar-se


prioritariamente com a primeira, e só recorrer à energia de apoio quando não houver
“sol”. O sistema de armazenamento deve garantir prioritariamente o uso da energia solar
face à energia convencional..

Assegurar a complementaridade entre a energia solar e a convencional.

Na realização prática do anteriormente exposto podem apresentar-se dois casos:


16

# Produção instantânea da energia de apoio.


O gerador de energia de apoio deve fornecer a potência necessária em cada
instante, variável em função da temperatura do pré-aquecimento solar. Situaremos o
gerador instantâneo (por exemplo, um esquentador de gás com chama variável) à
saída do acumulador solar (em série com a instalação solar). É uma instalação muito
prática e recomendável para vivendas unifamiliares com sistemas de aquecimento
solar por termossifão.

# Produção da energia de apoio num acumulador independente.


Este acumulador situar-se-á entre o acumulador solar e os pontos de consumo. A
missão deste acumulador de apoio é receber a água pré-aquecida pelo sistema solar.

Não juntar a energia solar com a convencional.

Um acumulador único que armazene a energia solar e a de apoio num mesmo


reservatório leva a um alto risco de mistura, e para o evitar é necessário tomar certas
precauções designadamente quanto à estratificação, havendo casos em que tudo se
passa como se tivéssemos dois depósitos sobrepostos, o solar em baixo e o de apoio
em cima. O respeito deste quarto princípio, junto com os três anteriores, resultará num
bom funcionamento da instalação, assegurando um elevado rendimento na conversão
solar.

4.2. CONVERSÃO TÉRMICA A BAIXA TEMPERATURA

Qualquer objecto exposto à influencia directa do sol recebe calor e aquece.

Um metro quadrado orientado para o Sol, recebe, fora da atmosfera, uma energia
equivalente de 1367 W. Esta energia, ao atravessar a atmosfera terrestre, é atenuada ao
valor aproximado de 1.000 W / m2.
17

4.2.1. Colectores solares. Efeito estufa.

Sabemos que um corpo exposto ao sol recebe um fluxo energético "Q" que o aquece.
Simultaneamente, há perdas por radiação, convecção e condução, que aumentarão com a
temperatura do corpo.

Chega um momento em que as perdas térmicas, "Qp", se igualam aos ganhos devidos ao
fluxo energético incidente, atingindo-se a temperatura de equilíbrio, "tc".

Assim, no equilíbrio tem-se:


Q = Qp

Se conseguirmos extrair continuamente uma parte do calor produzido mudaremos as


condições do equilíbrio anterior, ficando :
Q = Qp + Qu

Qu ⇒ Energia extraída do corpo.

Corpo negro é aquele que absorve toda a radiação incidente mas é também aquele que, a
uma dada temperatura consegue emitir mais energia por radiação. Se colocarmos uma
superfície plana bem orientada à radiação solar, absorverá a energia incidente, aumentando
de temperatura até atingir o equilíbrio térmico (perdas = ganhos). Como consequência,
absorve energia com um comprimento de onda entre 0,25 e 2.5 µm e emite-a desde os 3,9
até 39 µm (exemplo do espectro emitido a 100ºC).
Assim, a energia luminosa transformou-se em térmica, e será aproveitada se fizermos
circular um fluido.

Para a captação solar interessa-nos um corpo que absorva como um corpo negro e emita
pouco, nascendo de aqui o conceito de superfície selectiva.
18

Corpos transparentes Efeito de estufa num colector solar.

1-Radiação solar incidente.


2-Radiação emitida pela cobertura ao aquecer.
3-Radiação reflectida no interior do colector e
que não escapa para o exterior.

Chamamos corpo transparente àquele que deixa passar a radiação electromagnética. A


maior parte do espectro da radiação solar está compreendido entre 0.25 e 2.5 µm, a luz
atravessa o vidro e chega ao absorsor. Este aquece e emite radiação com um comprimento
de onda maior, para o qual o vidro é opaco, não conseguindo escapar para o exterior,
contribuindo assim para aquecer ainda mais a superfície do absorsor. Este último fenómeno
é conhecido como efeito estufa. A cobertura transparente reduz consideravelmente as
perdas térmicas por convecção entre o absorsor e o ambiente exterior.

4.3. ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DO COLECTOR PLANO.

De forma simples, um colector plano é formado pela cobertura, a placa absorsora e uma
caixa isolada para evitar as perdas de calor. À placa absorvente solda-se uma serpentina de
tubos pelos quais circula o fluido térmico.
19

4.3.1. Coberturas transparentes.

As qualidades fundamentais que devem cumprir são:

• Ter uma boa transparência ( perto de 90%)


• - Provocar o efeito estufa e reduzir as perdas por convecção, melhorando o
rendimento do colector.
• - Assegurar a estanquicidade do colector à água e ao ar. As coberturas dos
colectores devem resistir à pressão do vento, ao peso do gelo, da neve e aos
choques térmicos.

Os materiais mais utilizados são o vidro e nalguns casos alguns tipos de acrílicos.

Os tratamentos especiais que podem ser aplicados à cobertura transparente são de dos
tipos:

* Um tratamento anti-reflexo sobre a superfície exterior para diminuir as perdas por


reflexão dos raios solares incidentes.
* Um tratamento na superfície interior, para que reflicta as radiações de elevado
comprimento de onda, e não impeça a passagem da radiação de curto comprimento,
para diminuir as perdas por radiação.
As coberturas de vidro duplo têm a vantagem de aumentar o efeito estufa e a temperatura
que pode atingir o fluido no absorsor. Por outro lado, as perdas ópticas são maiores (a
energia recebida é menor). Em geral, pode dizer-se que a cobertura dupla é mais
interessante quando a temperatura exterior é mais baixa e o vento é mais forte. Nas nossas
20

latitudes este tipo de cobertura só tem sentido para instalações de alta montanha, nas quais
a intensidade de radiação é maior.

4.3.2. Placa absorsora.

O absorsor tem como missão receber a energia, transformá-la em calor para assim poder
transmiti-la ao fluido térmico.

Os modelos mais habituais de absorsor são:

- Duas placas metálicas separadas alguns milímetros entre as quais circula o fluido
(lâmina de água).
- Tipo denominado Roll-Bond, de cobre ou alumínio. Estes painéis são formados
por duas placas de alumínio/cobre unidas, com um circuito impresso no seu interior
pelo qual circula o líquido.
- Placa metálica absorsora, sobre a qual estão soldados os tubos.
- Absorsores de plástico (polipropileno), usados quase exclusivamente em
aquecimento de piscinas.

Já vimos que o absorsor tem de ter uma absortância elevada (>0.9) e que para o
rendimento ser elevado podemos recorrer a superfícies selectivas que absorvem tão bem
como o corpo negro mas perdem menos por radiação (0.6 a 0.15 ou 6 a 15%).

4.3.3. Isolamento posterior.

Situa-se entre a caixa e o absorsor para reduzir as perdas de calor por condução. O
isolamento utilizado pode ser de qualquer dos tipos existentes no mercado (lã de vidro ou
de rocha, poliuretano, aglomerado de cortiça, etc.), que possuam uma elevada resistência
térmica.
21

A precaução mais importante é o seu comportamento com a temperatura, já que no verão e


com a instalação parada, pode chegar aos 150º C. O envelhecimento e a humidade são
dois factores a ter em conta, pois desta maneira perdem-se grande parte das características
isolantes.

4.3.4. Caixa.

A missão da caixa é proteger do vento, da chuva, da poeira, suportar os diversos elementos


do colector e actuar de união com a estrutura através dos elementos de fixação necessários.

Não é aceitável trocar um colector, ou a caixa, antes do tempo de vida normal desta, que
deve ser pelo menos de 10 anos.
A caixa deve ser estanque às entradas de ar e água e resistente à corrosão. Deverão selar-
se todas as possíveis juntas e dever-se-á munir de algum orifício na parte inferior da caixa
para facilitar a evacuação da água de condensação interior.

4.4. ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DO COLECTOR PARABÓLICO


COMPOSTO (C.P.C.).

A diferença fundamental relativamente a um colector plano convencional é a geometria da


superfície absorsora. Nos colectores planos existe uma superfície plana à qual estão
soldados os tubos. No caso dos C.P.C. a área absorsora é constituída por duas alhetas
unidas a um tubo e colocadas em cima de uma superfície reflectora. Como consequência, a
captação solar realiza-se nas duas faces das alhetas e as perdas térmicas são inferiores.

Na seguinte ilustração vemos o efeito dos raios solares sobre a superfície.


22

O Sol incide na parte superior das alhetas e na superfície parabólica reflectora. Os raios são
reflectidos e acabam por incidir na parte inferior das alhetas ou directamente no tubo,
contribuindo a aquecer ainda mais o fluido térmico de transporte.

As perdas de calor são inferiores porque a área de absorção é inferior, por ser constituída
só pela superfície das alhetas. A diminuição das perdas implica uma melhoria do rendimento
térmico. Por outro lado, a inércia térmica do colector é inferior e a temperatura nominal de
funcionamento é atingida mais rapidamente.

A zona situada entre a superfície reflectora e a caixa é preenchida com isolamento do tipo
antes descrito para evitar as perdas de calor pela parte inferior.

4.5. ESTUDO ENERGÉTICO DO COLECTOR. BALANÇO TÉRMICO

O colector solar é uma máquina térmica submetida a condições de trabalho muito diversas,
já que a radiação solar oscila ao longo do dia, e de um dia para o outro, em função da
nebulosidade e da época do ano.

Para poder efectuar um estudo simples do comportamento do colector é necessário supor


condições estacionárias, isto é, valores médios constantes para todos os parâmetros que
intervêm.
23

Consideremos um colector imóvel, recebendo a radiação solar uniformemente repartida e


de forma constante, pelo qual circula o fluido térmico com um caudal determinado.

O balanço energético de um colector: P i = Pu + Pp

Pi ⇒ Energia incidente total por unidade de tempo.


Pu ⇒ Energia útil recolhida pelo fluido térmico.
Pp ⇒ Energia perdida por dissipação ao exterior.

Temos : P u = Pi - P p

Sendo Pi = A × Ig × τ × α

PP = A × UL × (tc - ta)

Logo Pu = A × [ Ig × τ × α - UL × (tc - ta) ]

A ⇒ Superfície do painel - corresponde à área de abertura transparente ( m2 ).


Ig ⇒ Radiação Global incidente sobre o colector por unidade de área.
τ ⇒ Transmitância da cobertura transparente.
α ⇒ Absortância da placa absorsora.
U ⇒ Coeficiente global de perdas.
tc ⇒ Temperatura média da placa absorsora ( ºC ).
tf ⇒ Temperatura média do fluido ( ºC ).
ta ⇒ Temperatura ambiente ( ºC ).
A temperatura média da placa absorvente tc não pode calcular-se de forma simples, mas
pode conhecer-se com suficiente exactidão a temperatura tf do fluido térmico no instante
em que este circula pelo colector. Uma forma simples de obter esta temperatura é calcular a
média entre a temperatura do fluido à entrada te e à saída ts do colector.

(Te + Ts )
Tf =
2
Se substituirmos a temperatura da placa absorsora Te, em princípio desconhecida, pela

temperatura do fluido Tf temos que introduzir um factor corrector, F’, chamado factor de
irrigação, sempre inferior à unidade e que faz diminuir o valor de Q. Este factor depende do
caudal do fluido e das características da placa.
A equação anterior transforma-se em :

Pu = F’ × A × [ Ig × τ × α - UL × (tf - ta)]
24

conhecida também como equação de Bliss.

4.5.1. Curva característica de um colector solar. Rendimento instantâneo.

Os colectores ensaiam-se geralmente fazendo-os funcionar num banco de provas sob


condições estáveis de radiação solar, velocidade do vento, temperatura do fluido à entrada
e temperatura ambiente.
Os resultados obtidos nos ensaios apresentam-se como o rendimento do colector, η,
definido pela relação entre a energia captada e a recebida: η = Pu / ( A × Ig )

Substituindo P pelo seu valor na equação de Bliss:

η = F’ ( τ α ) - ( F’ × UL ) × [( tf-ta ) / Ig]

Para um caudal determinado e com (τα ) e UL constantes, a equação desta curva

característica do colector pode assemelhar-se com bastante exactidão a uma recta:

Estas curvas características determinadas por meio de ensaios em laboratórios acreditados


devem ser fornecidas pelo fabricante e da sua ponderação podemos deduzir a qualidade de
um colector do ponto de vista térmico.

Apresentamos a seguir os coeficientes para os colectores mais habituais do mercado:

CARACTERÍSTICAS
(relativas à área de abertura
Tipo de Colector F’ (τ α) F’ × UL (W/(m2 ºC))
NÃO SELECTIVO 0.7 - 0.8 8-9
SELECTIVO 0.7 - 0.8 4.5 - 6
C.P.C. 0.75 4.2 / 3.7 (1)

(1) Os dois valores de F’ × UL para o colector C.P.C. correspondem a orientações NS


e EW respectivamente do comprimento L
Este tipo de modelo corresponde a uma aproximação linear como se pode ver na figura
seguinte:
25

Por aqui se vê que o rendimento do colector diminui à medida que a temperatura média do
fluido (Tf) sobe. Quando T* é nulo ( a temperatura média do fluido é igual à temperatura
ambiente ) o rendimento designa-se por rendimento óptico (1). Quando a temperatura de
saída for igual à temperatura de entrada, o rendimento é nulo e o colector atinge a
temperatura de estagnação (2) (máxima temperatura que o colector pode atingir para
uma temperatura ambiente e radiação determinadas).

Como regra geral deve escolher-se o colector de acordo com a temperatura de utilização
pretendida, de forma a que o seu rendimento seja normalmente acima dos 40 % , como se
pode ver no quadro seguinte:

TIPO DE INSTALAÇÃO TEMPERATURA TIPO DE COLECTOR


de UTILIZAÇÃO

plano sem cobertura


Piscinas / Estufas plano (preto baço)
< 30 ºC
plano (selectivo)

plano (preto baço)


Águas Sanitárias e
plano (selectivo)
pré-aqecimento Industrial < 60 ºC
CPC (baixa concentração)

CPC (baixa concentração)


CPC (alta concentração)
pré-aqecimento Industrial > 60 º C
Tubos de Vácuo
Outros Concentradores
26

4.6. FLUIDO de TRANSFERÊNCIA TÉRMICA

É aquele que circula dentro do absorsor e que transfere à outra parte do sistema a energia
térmica absorvida. Utiliza-se como fluido térmico, água ou uma mistura de anti-congelante e
água, solução mais usada para proteger os colectores do perigo de congelação. É preciso
ter em conta as diferenças das propriedades físicas entre a água e os líquidos anti-
congelantes. A viscosidade pode ser bastante elevada, sobretudo em frio, aumentando as
perdas de carga no circuito e modificando as condições de funcionamento da bomba.

Se a diferença de altura entre os colectores e o ponto mais baixo do circuito primário for
importante, pode produzir-se uma certa decantação do anti-congelante, diminuindo a sua
concentração na parte superior do circuito, deixando desprotegidos os colectores.

Seleccionaremos a proporção da mistura de água e glicol , de acordo com a tabela,


atendendo às temperaturas mínimas históricas da zona:

% VOLUME DENSIDADE TEMPERATURA TEMPERATURA CONTRAÇÃO EM


ANTI-GEL SOLUÇÃO CONGELAÇÃO EBULIÇÃO VOLUME

5 1.004 -1º C 0.998


10 1.008 -3º C 0.996
15 1.012 -5º C 0.994
20 1.016 -8º C 101º C 0.992
25 1.021 -11º C 0.991
30 1.025 -15º C 102º C 0.990
35 1.030 -20º C 0.998
40 1.034 -25º C 103º C 0.987
50 1.042 -35º C 105º C 0.984
Temperatura de ebulição da água em função da pressão .
27

Pressão (bar) 1,013 1,5 2 3 4 5 6


Temp. ebulição (º C) 100 111,4 120,2 133,5 143,6 151,8 158,8

Calor específico Cp ( J / (kg ºC)) do fluido térmico de transporte em função da


temperatura e do volume de anti-congelante.

0% 10% 20% 30% 50%


T ºC \ % Vol.
20º C 4 186 4 105 4 030 3 913 3 566
40º C 4 108 4 039 3 934 3 633
60º C 4 126 4 072 3 976 3 704

Caudal de fluido térmico.

A mistura com anti-gel provoca uma diminuição do calor específico do fluido, tal como se
observa na tabela anterior.

O aumento do caudal melhora a transferência de calor, mas também a potência consumida


pela bomba. A partir de um certo valor, não vale a pena aumentá-lo porque o ganho
térmico deixa de ser significativo.

O valor aconselhado depende do colector e das características do fluido.

Na figura seguinte representámos em ordenadas um quociente que representa o ganho


térmico, em função do caudal, do calor específico e das características térmicas do
colector, agrupadas numa única variável.

Pela forma da curva podemos constatar que a partir de um certo valor de mCp/F’UL o
ganho térmico pouco mais aumenta. Considerando como aceitável o valor de FR/F’=0,95 a
variável tem o valor de 10, pelo que o caudal será então:
caudal = 10 F’UL / Cp
28

F'' = FR/F'
1.0

0.9

0.8

0.7

0.6
0 2 4 6 8 10 12 14 16

mCp/F'UL

Considerando um colector com F’UL=3.7 (caso de um CPC) e um fluido térmico com


20% de anti-gel funcionando a 60º C ( Cp=4072 J/(kgºC) ).

caudal = 10 F’UL / Cp = 10 x 3.7 / 4072 = 0.0091 kg/(s m²) ß à 32.7 kg / (h m²)

A título exemplificativo apresentamos uma tabela com os valores recomendados de caudal


(l / (h m²)) para diferentes colectores e para dois fluidos:
Cp=4185 J/(kgºC) (0% anti-gel)
Cp=4072 J/(kgºC) (20% anti-gel)
Caudal recomendado [kg/(hm²)] em função do colector e do fluido
0% anti-gel 20% anti-gel
Não selectivo ( F’UL =8.5 ) 73 75
Selectivo ( F’UL =5.3 ) 46 47
CPC (EW) ( F’UL =3.7 ) 32 33

Existe uma relação entre o Caudal e a elevação de temperatura num colector.

Consideremos os 3 colectores, preto baço, selectivo e CPC com o mesmo F’(τ α ) de

0.75 e os F’UL indicados no quadro anterior, num ambiente com 20ºC e uma radiação de
1000 W/m² teremos:
29

COLECTOR PRETO BAÇO

COLECTOR SELECTIVO

COLECTOR PARABÓLICO COMPOSTO

Como podemos observar, quanto maior for o caudal, menor é o Delta T (diferença entre a
temperatura de saída e a temperatura de entrada no colector).
30

4.7. CURVAS DE PENALIZAÇÃO. ORIENTAÇÃO E INCLINAÇÃO


DOS COLECTORES

Os colectores devem situar-se de tal forma que ao longo do período anual de utilização
aproveitem a máxima radiação solar incidente. Orientam-se ao Sul geográfico, não
coincidente com o Sul magnético definido pela bússola, já que o Norte geográfico está
cerca de 5º para a direita do Norte magnético.

O Sul geográfico pode também determinar-se pela direcção da sombra projectada por uma
vara às 12 horas solares ( meio-dia solar ).

Na tabela seguinte são apresentados (para uma latitude de 39º) os valores da decalagem
entre hora legal e hora solar, declinação (ângulo entre a direcção da radiação e o plano do
equador), altura do sol ao meio dia solar e duração do período diurno para os 12 meses do
ano.
31

DATA DIA Decalagem Declin. Alt. Solar PERIOD


em relação (TL - TSV) º às 12 TSV DIURNO
JAN h min horas min
JAN 1 1 0 40 -23.1 27.9 # 9 19
15 15 0 46 -21.3 29.7 # 9 33
FEV 1 32 0 50 -17.3 33.7 # 10 3
15 47 0 51 -12.6 38.4 # 10 37
MAR 1 60 0 49 -7.9 43.1 # 11 9
15 75 0 46 -2.0 49.0 # 11 47
ABR 1 91 1 41 4.3 55.3 # 12 28
15 106 1 36 9.9 60.9 # 13 5
MAI 1 121 1 34 14.9 65.9 # 13 40
15 136 1 33 19.0 70.0 # 14 9
JUN 1 152 1 34 22.0 73.0 # 14 33
15 167 1 37 23.3 74.3 # 14 44
JUL 1 182 1 40 23.2 74.2 # 14 42
15 197 1 42 21.5 72.5 # 14 29
AGO 1 213 1 43 18.2 69.2 # 14 3
15 228 1 41 13.9 64.9 # 13 32
SET 1 244 1 37 8.4 59.4 # 12 55
15 259 1 32 2.8 53.8 # 12 18
OUT 1 274 1 26 -3.0 48.0 # 11 40
15 289 1 22 -8.8 42.2 # 11 3
NOV 1 305 0 20 -14.3 36.7 # 10 24
15 320 0 22 -18.7 32.3 # 9 53
DEZ 1 335 0 26 -21.8 29.2 # 9 29
15 350 0 32 -23.3 27.7 # 9 17
Desvios até 20º relativos à orientação Sul não afectam gravemente o rendimento e a energia
térmica fornecida pelo equipamento solar.

Com um desvio para Leste o período diário de captação adiantar-se-á uma hora por cada
15º de desvio relativamente a um equipamento orientado ao Sul geográfico. Se o desvio é
para o Oeste, o período de captação retardar-se-á na mesma proporção, mas com um
ligeiro acréscimo no rendimento pelo facto de funcionar mais tempo durante as horas em
que a temperatura ambiente é mais elevada.

As inclinações que habitualmente se dão aos colectores, segundo a época do ano e uso,
são:
32

UTILIZAÇÃO ÂNGULO

Todo o ano ( A.Q.S.) Latitude do lugar.- 5º


Inverno ( aquecimento ) Latitude do lugar + 15º.
Verão ( piscinas descobertas/hotéis temporada) Latitude do lugar - 15º.

Variações de 10º relativamente ao ângulo de inclinação óptimo não afectam praticamente o


rendimento e a energia térmica útil fornecida pelo equipamento solar. Desvios de orientação
e inclinação superiores aos assinalados devem compensar-se com uma maior superfície de
colectores.

Nos gráficos seguintes apresentam as penalizações correspondentes à colocação dos


painéis com diferentes inclinações e azimutes.

As curvas têm como parâmetro a energia dividida pela energia para a inclinação óptima
para o período considerado ( ano / semestre do verão / semestre do Inverno).

Entre parênteses está a energia dividida pela energia no plano horizontal (expresso em
percentagem).
33
34

4.8. DETERMINAÇÃO DE SOMBRAS E COORDENADAS DO SOL

Frequentemente é necessário colocar painéis solares em zonas não totalmente isentas de


sombras. Em todo caso é conveniente conhecer as sombras de uma fila de colectores sobre
a fila seguinte para evitar estas situações. Se representarmos a altura solar em função do seu
azimute, obtemos os denominados mapas de trajectória solar, como é o caso das
projecções estereográficas, ferramenta muito útil para conhecer as sombras projectadas
pelos obstáculos a qualquer hora do dia.

No dia mais desfavorável do período de utilização o equipamento não deve ter mais do 5%
da superfície útil de captação coberta por sombras. Resultaria praticamente inoperante se
20% da superfície estivesse sombreada.

A determinação de sombras projectadas sobre colectores por parte de obstáculos


próximos efectua-se na prática observando ao redor desde o ponto médio da aresta inferior
do colector, tomando como referência a linha Norte - Sul.

A separação entre linhas de colectores estabelece-se de tal forma que às 12,00 horas
solares do dia mais desfavorável (altura solar mínima no solstício de Dezembro) a sombra
da aresta superior duma fila tem que projectar-se, no máximo, sobre a aresta inferior da fila
seguinte. Em equipamentos que se utilizem todo o ano (A.Q.S.), o dia mais desfavorável
corresponde a 21 de Dezembro. Neste dia, a altura mínima do sol às 12,00 solares tem o
seguinte valor:
ho = ( 90º - Latitude do lugar ) - 23.5º
35

Na figura vemos que a distância mínima d entre filas de colectores é:

d = d1 + d2 = z / tan ho + z / tan β = L * ( sen β / tan ho + cos β )

Em Dezembro e na primeira metade de Janeiro, mesmo respeitando esta distância podem


produzir-se sombras das filas de colectores sobre as posteriores, no início e no fim do dia o
que não é grave.
No caso de não existir problema de espaço, é recomendável aumentar em 25% a distância
obtida na fórmula anterior.

Se as filas de colectores se dispuserem sobre uma superfície não horizontal, mas sim
inclinada um ângulo θ , a distância medida sobre o telhado será dθ :

d’ = L * [sen ( β - θ ) / tan( ho + θ ) + cos( β - θ )]


dθ = d’ / cos θ

Como regra geral, e para instalações em piso horizontal, é necessário que a distância, para
colectores com um comprimento L= 2 metros, nunca seja inferior a 4,5 metros.

PROJECÇÃO ESTEREOGRÁFICA

As circunferências concêntricas representam a altura do Sol ou de um obstáculo (º).


36

Linha do Horizonte: Se quisermos representar o horizonte, basta para cada azimute


marcar a altura do horizonte/obstáculo (em graus).

Trajectória Solar: No gráfico, para além das linhas já referidas, existem 7 curvas que
representam a projecção da trajectória solar em:
Junho Fevereiro / Outubro
Maio / Julho Janeiro / Novembro
Abril / Agosto - Dezembro
Março / Setembro
Estas curvas são intersectadas por curvas que representam o T.S.V..

EXEMPLO: Quais as coordenadas do Sol às 10 h de um dia central de Fevereiro?


h = 35º

Azim = 142.5º (Norte como origem) ou então Azim = -37.5º (Sul como origem)

Existe outra forma de representação que se apresenta de seguida:


37

4.9. SUB-SISTEMA DE CAPTAÇÃO DO CIRCUITO PRIMÁRIO.

A transferência do calor captado pelos colectores para o fluido térmico pode realizar-se de
duas formas:
- Por circulação forçada com uma bomba.
- Por circulação natural (termossifão).

A escolha entre um sistema ou outro dependerá da carga energética a cobrir e da


possibilidade de colocar o depósito acumulador acima da bateria de colectores. Em
definitivo, o termossifão é aconselhável para pequenas instalações e a circulação forçada é
indicada para instalações médias ou grandes.

A circulação por termossifão é um sistema auto-regulado e isento de partes mecânicas ou


controlos electrónicos; pelo que a instalação é mais barata e não está sujeita a avarias
mecânicas.

Como vemos na Figura B, a circulação faz-se por convecção natural, a água quente tem
uma densidade inferior e sobe do colector para o depósito.

A água mais fria desce e entra novamente no colector. Este processo é continuo desde que
haja radiação solar e auto-regulado.
38

Quanto mais radiação houver maior é o caudal e se não houver radiação ou a temperatura
no colector não for superior à do depósito, a circulação pára.

Nos sistemas em termossifão, comparativamente com os de circulação forçada, o caudal é


menor e por isso a elevação de temperatura nos colectores é maior.

Durante as horas da noite a circulação pode inverter-se, arrefecendo a água do depósito.


Para o evitar, convém que haja um desnível da ordem dos 30 cm (dimensão H) para que o
termossifão funcione bem sem que haja a possibilidade de circulação invertida durante a
noite (o colector funcionaria como dissipador de energia!).

Outro processo será instalar uma válvula anti-retorno que impeça esta inversão.
Quando a circulação por termossifão não é possível, recorre-se à circulação forçada por
uma bomba que faz o transporte do fluido entre os colectores e o depósito.

A permuta de calor entre o circuito primário e o secundário pode realizar-se por


transferência directa ou indirecta. No primeiro caso a água aquecida nos colectores é
enviada directamente para consumo.
É a solução mais simples e com melhor rendimento térmico no início, embora apresente
vários inconvenientes que a tornam desaconselhável na maior parte dos casos:

• - Os materiais utilizados nos colectores e em todo o circuito não devem poluir a água se
esta for para consumo humano.
• - Os colectores trabalham à mesma pressão da rede. Se esta for elevada, ter-se-á de
instalar uma válvula redutora de pressão.
• - O sistema é desaconselhado para zonas com temperaturas mínimas negativas, já que
não tem nenhuma protecção contra a congelação.
• - Os riscos de corrosão do circuito primário são maiores, devido ao conteúdo de ar na
água de rede.
• - Perigo de incrustações de calcário pela dureza e qualidade da água.

Na transferência indirecta é utilizado um permutador de calor que permite separar a água de


consumo do fluido térmico de transferência. Deve ser usado quando a dureza da água
39

possa criar obstruções nas tubagens e sempre que exista perigo de congelação da bateria
dos colectores.

Embora no início o rendimento de um sistema aberto seja superior, constata-se que a pouco
e pouco vai baixando principalmente por incrustações calcárias pelo que a pouco e pouco
se generalizou o circuito fechado.

Eis alguns exemplos:


40

4.9.1. Distribuição e ligação dos colectores

Como regra geral, para uma distribuição uniforme do caudal é preciso que todas as filas de
colectores tenham o mesmo número de colectores para assegurar perdas de carga iguais em
todas elas, sem aumentar os custos com acessórios.
Existem dois tipos de ligação para os colectores e que são:

• Ligação em série. Neste caso o caudal de circulação é igual em todos os colectores.

A ligação de entrada a cada fila realizar-se-á pelo tubo de ligação inferior do primeiro
colector e a saída pelo tubo de ligação superior do último colector da linha. Para
determinar o número máximo de colectores que podem ser ligados em série é preciso ter
em consideração que a temperatura nos últimos pode ser elevada e provocar danos nos
materiais ou a formação de vapor no circuito. Por outra parte, há uma acentuada queda
do rendimento nos últimos colectores da série.

• Ligação em paralelo. Devemos dispor as ligações de forma a realizar a denominada


alimentação ou retorno invertido , para que o circuito resulte hidraulicamente
equilibrado.

Ligação em paralelo seguindo com alimentação invertida.


41

Ligação em paralelo com retorno invertido.


O traçado realizar-se-á de modo que o tubo geral de retorno, pelo qual circula o fluido
aquecido, tenha o percurso mais curto possível. Assim, é mais conveniente a alimentação
invertida.

• Ligação em paralelo de canais.

A ligação em paralelo poderá ser feita em paralelo de canais, com a vantagem de necessitar
um menor comprimento das tubagens. O número máximo de colectores ligados em paralelo
de canais será de quatro.

Do ponto de vista funcional, devemos ter em conta para o traçado da bateria de colectores
os seguintes factores:

a) A instalação dos colectores deve assegurar que o percurso hidráulico seja o


mesmo para todos, de forma a obter perdas de carga e caudais similares em todos
eles. Se assim não for, os saltos térmicos nos colectores, que dependem directamente
do caudal, serão diferentes uns dos outros, reduzindo-se o rendimento global da
instalação.
b) O caudal nos colectores não deve ser inferior a 0,6 litros/(m2 min). Desta forma
asseguramos um bom coeficiente de transmissão de calor entre o absorsor e o fluido.
O valor óptimo ronda 1 litro/(m2 min).
42

c) O comprimento das tubagens deve ser o mais curto possível para minimizar as
perdas de carga e de calor. As perdas de calor em tubagens e acessórios devem
reduzir-se ao mínimo, evitando zonas mal isoladas e pontes térmicas.
e) O desenho da bateria deve evitar a formação de bolsas de vapor ou de ar, tal
como permitir uma montagem e desmontagem simples dos colectores.

Em instalações de A.Q.S. a ligação em série apresenta vantagens e inconvenientes


relativamente à ligação em paralelo.
No capítulo das perdas de cargas será possível compreender melhor a influência das
ligações entre colectores, no entanto podemos dizer que uma bateria de colectores só
funciona em condições idênticas às do ensaio de caracterização de um colector isolado, se
estiver irrigada pelo mesmo caudal em kg/(h.m²).

Caudais menores penalizam o rendimento pois obrigam o segundo colector e seguintes, a


funcionar com temperaturas mais elevadas.

Como veremos adiante, nos colectores em série, para manter o caudal por unidade de área
implica o aumento significativo de perda de carga.
A obturação de fim de linhas não utilizáveis realiza-se mediante a adaptação do tampão.

Nas montagens de duas linhas de colectores ligadas em série, a entrada à segunda linha será
realizada directamente, sem nenhuma válvula de corte intermédia, instalando-se uma válvula
de drenagem de tipo esfera para esvazia-lo em caso de avaria do grupo.

A saída de linha de colectores irá munida de um sistema de purga de ar manual e de uma


válvula de fecho de tipo esfera, que permita o corte e isolamento das linhas para poder
intervir em caso de avaria.

Na instalação deve incorporar-se no ponto mais alto de cada uma das linhas de colectores,
um purgador de ar de tipo bóia, que permita purgar o ar e o esvaziamento das linhas
quando necessário.
43

A instalação da sonda de temperatura far-se-á na saída da linha de colectores seleccionada,


cuidando que o sensor penetre o máximo possível para detectar a temperatura real do fluido
no interior da placa absorvente do colector.

Exemplo de uma instalação de 24 colectores associados em quatro linhas. Cada uma


consta de seis painéis distribuídos em dois grupos (ligados em série) com três
colectores em paralelo de canais. Na saída de cada grupo de três colectores deve
instalar-se um purgador. A instalação cumpre o princípio da alimentação invertida
para minimizar as perdas de calor e garantir o equilíbrio hidráulico.

Outra disposição alternativa poderia ser a seguinte:


44

4.10. DIMENSIONAMENTO SIMPLIFICADO.

Existem programas de cálculo que permitem o dimensionamento de instalações, como é o


caso do F-Chart e o Solterm.(INETI)

Com estes programas é possível obter a previsão das performances num ano médio:

αeβ Azimute e Inclinação do colector


45

Gm Radiação Global Horizontal - Média Mensal [MJ/(m²dia)]


Gπ (α , β) Radiação Global Inclinada - Média Mensal [MJ/(m²dia)]
Qcol Energia fornecida pelo colector ao depósito [MJ/dia]
Qperdas Energia perdida pelo depósito [MJ/dia]
Qu Energia fornecida ao consumo [MJ/dia]
Qcarga Energia necessária ao consumo [MJ/dia]
Fsol Fracção Solar [ % ]

Nos quadros seguintes apresentamos as áreas necessárias para 3 tipos de colectores em


vários locais, para diferentes consumos diários a 45º C, utilizando o programa de cálculo
SOLTERM do INETI, com as seguintes hipóteses :

A inclinação escolhida para os colectores coincide com a latitude do local:


Para um consumo de 200 l/dia foi utilizado um depósito externo de 200 l. e um permutador
de serpentina com uma eficácia de 55%.
Para 500, 1000, e 1500 l/dia, o depósito é interior e o permutador de serpentina com
eficácia de 0.55.
Para 2000 l/dia o depósito é interno, c/ permutador de placas e a eficácia de 70%.
O critério de dimensionamento seguido corresponde à não existência de excedentes
energéticos nos meses de verão (nomeadamente Julho e Agosto). Para estes meses a
fracção solar (economia) deve ser como máximo de 100% e como mínimo de 90%.

COLECTOR NÃO SELECTIVO. F’ (τα ) = 0.75 F’ × UL = 8.5


200 l/dia 500 l/dia 1000 l/dia 1500 l/dia 2000 l/dia
m2 % m2 % m2 % m2 % m2 %
AVEIRO 4 82 8 71 18 77 28 79 36 80
BEJA 4 81 8 73 16 71 22 68 28 68
BRAGANÇA 4 75 8 67 16 66 24 66 30 66
COIMBRA 4 84 8 75 16 73 24 74 30 73
ELVAS 4 81 8 73 16 72 22 69 28 69
ÉVORA 4 80 8 72 16 71 22 68 28 68
FARO 4 90 8 82 14 74 20 73 26 74
LISBOA 4 85 8 77 16 76 22 72 28 73
PORTO 4 81 8 72 18 76 26 75 32 74
SANTARÉM 4 81 8 73 16 76 22 69 28 69
SINTRA 4 76 8 66 20 76 28 73 36 74
VILA REAL 4 75 8 67 16 65 24 66 30 66
VISEU 4 77 8 68 18 72 26 71 34 72
46

COLECTOR SELECTIVO. F’ (τα ) = 0.75 F’ × UL = 5.3


200 l/dia 500 l/dia 1000 l/dia 1500 l/dia 2000 l/dia
m2 % m2 % m2 % m2 % m2 %
AVEIRO 4 89 8 82 16 84 22 76 30 80
BEJA 4 87 8 81 14 76 18 67 24 69
BRAGANÇA 4 81 8 75 16 76 20 67 26 67
COIMBRA 4 89 8 84 14 76 20 75 26 75
ELVAS 4 87 8 81 12 68 18 69 22 67
ÉVORA 4 87 8 81 12 66 18 67 24 69
FARO 2 68 6 78 12 76 16 71 22 75
LISBOA 4 91 6 74 12 71 18 72 24 74
PORTO 4 88 8 82 14 74 22 77 28 76
SANTARÉM 4 87 8 81 12 68 18 69 24 70
SINTRA 4 84 8 76 16 74 24 75 30 74
VILA REAL 4 81 8 75 14 68 20 67 26 67
VISEU 4 84 8 77 16 76 22 73 28 72

C.P.C. F’ (τα ) = 0.75 F’ × UL = 3.7 (1)


200 l/dia 500 l/dia 1000 l/dia 1500 l/dia 2000 l/dia
m2 % m2 % m2 % m2 % m2 %
AVEIRO 4 78 6 73 12 75 18 76 24 77
BEJA 2 58 6 74 10 67 16 71 20 69
BRAGANÇA 4 82 6 69 12 70 18 70 20 64
COIMBRA 2 59 6 77 10 68 16 73 20 71
ELVAS 2 60 6 75 10 68 16 72 20 70
ÉVORA 2 58 6 74 10 67 16 70 20 69
FARO 2 67 6 84 10 77 14 74 18 73
LISBOA 2 62 6 79 10 72 14 69 18 68
PORTO 4 89 6 74 12 76 16 70 22 73
SANTARÉM 2 59 6 75 10 68 14 65 20 70
SINTRA 4 85 6 67 12 69 18 70 24 71
VILA REAL 4 82 6 69 12 70 16 65 22 68
VISEU 4 85 6 70 12 71 16 66 22 69

(1)
Até 200 litros foi utilizado F’ × UL = 4.2 já que o sistema mais típico para instalações
de pequeno consumo é o termossifão (orientação N-S do colector).
47

4.11. QUEDA DE PRESSÃO NO CAMPO DE COLECTORES.

A queda de pressão no interior dos colectores, em função do caudal, deve ser um dado
fornecido pelo fabricante.

A perda de carga total no campo de colectores dependerá de:

- Geometria do campo de colectores. Se a ligação for em série, a perda de carga


total é a soma das perdas de carga parciais de cada colector.

∆HT = Σ ∆Hi

Se a ligação for em paralelo a perda de carga total é a mesma que a perda de carga de
cada colector:

∆HT = ∆Hi

- A quantidade de anti-congelante do fluido de transporte. Se a mistura for 70% de


água-30% anti-gel o acréscimo de perda de carga é de 70%-90% superior relativamente à
água.
48

Analogia electricidade - hidráulica.


(Cálculo das perdas de carga em baterias de colectores).

Um método simples e rápido para entender o que se passa numa bateria de colectores é
usarmos a analogia da hidráulica com a electricidade. No quadro seguinte vemos a
equivalência entre as diferentes grandezas :

ELECTRICIDADE HIDRÁULICA
∆V (Diferença de potencial) ∆V = Re I ∆P (Perda de carga) ∆P = Rh Q
I (Intensidade) I = ∆V / Re Q (Caudal) Q = ∆P / Rh
Re (Resistência eléctrica) Re = ∆V / I Rh (Resistência hidráulica) Rh = ∆P / Q
P (Potência eléctrica) P = Re I2 P (Potência hidráulica) P = Rh Q²

Na associação de resistências em série a resistência total é a soma das parciais :

RT = Σ Ri
sendo em paralelo
1/R T = Σ 1/R i

Exemplo :

Para uma resistência ou colector, temos:

I R Q R
=

A potência dissipada pela bomba será P = R Q²


Em série:
49

Se mantivermos o mesmo caudal de um colector a potência será P = 3 R Q², mas teremos


uma penalização dos rendimentos do segundo e terceiro colectores que são obrigados a
trabalhar a temperaturas mais elevadas. Se quisermos evitar este problema teremos que
utilizar um caudal de 3Q e a potência dissipada será:

P = (3 R) x (3 Q)² = 27 R Q².

Isto significa que a bomba vai consumir uma potência 27 vezes superior à de um só
colector.
Se a disposição for em paralelo, teremos:

3Q

R R R

Q Q Q
3Q

A resistência total será :

1/RT = 1/R + 1/R + 1/R.

RT = R/3

A potência consumida pela bomba será :

P = R/3 x (3 Q)²

P = 3 R Q²
50

4.12. TUBAGENS. MATERIAIS UTILIZADOS

Os materiais mais frequentemente utilizados são o aço inox, o cobre, o aço galvanizado, o
aço negro e os materiais plásticos (p.ex. PEX).

Aço Inox.
Utilização crescente nos últimos anos, boa resistência à corrosão, fácil de cortar e gama
completa de acessórios para montagem rápida (bicone).
Muito usado em canalizações exteriores.
Para igual diâmetro, a perda de carga em linha é baixa (tubo liso), permitindo o uso de
diâmetros inferiores. Não é aconselhável fazer curvas por dobragem.

Cobre.
É um material amplamente utilizado em todo o tipo de instalações por ser tecnicamente
adequado e economicamente competitivo.
O cobre resiste à corrosão, tanto dos líquidos que circulam pelo seu interior como dos
agentes exteriores, ar, humidade ou outros elementos que entrem em contacto com ele.
A sua maleabilidade e ductilidade permitem uma cómoda manipulação e uma grande
facilidade para realizar traçados complicados.
Em relação ao inox tem a vantagem de poder ser curvado evitando utilizar acessórios e as
correspondentes perdas de carga singulares.

Aço galvanizado.
Utilizado habitualmente em canalizações para A.Q.S. a temperaturas inferiores a 50ºC.
Não pode ser usado no circuito primário já que com temperaturas superiores a 65º C o
zinco sofre corrosões. A sua utilização tem vindo a diminuir, pois com o aumento do custo
da mão de obra deixa de ser competitivo.

Aço negro.
Não deve ser utilizado para transporte de água no circuito secundário pelo facto de sofrer
oxidações que deterioram a potabilidade da água.
Pode ser utilizado no circuito primário, mas só é aconselhado para grandes caudais.
51

A sua manipulação e montagem é mais complicada que no caso do cobre e necessita ser
pintado na parte externa para o proteger da corrosão.

4.12.1. Dimensionamento das tubagens.

Uma vez calculado o caudal do líquido circulante pela instalação, dimensionamos o


diâmetro das tubagens tendo em conta que no circuito primário a velocidade máxima
recomendada é de 1,5 m/s e que no circuito secundário é de 2,0 m/s, de acordo com:
Q = π × (d2 / 4) × v.

Q ⇒ Caudal circulante em m3/s. ( 1 m3/h = 0,000277 m3/s).


d ⇒ Diâmetro interior do tubo em m. (1 mm. = 0,001 m).
v ⇒ Velocidade de passagem em m/s.

A perda de carga, como regra geral, não deve ultrapassar os 40 mm de coluna de água por
metro linear de tubo.

4.12.2. Capacidade interna das tubagens.

Se a instalação solar for de grande tamanho, o volume de fluido contido nas tubagens pode
ser considerável. Deveremos calcular este volume para saber a quantidade de fluido térmico
necessário e poder dimensionar o seu depósito de expansão quando for o caso.
No próximo capítulo, do Cálculo de Perdas de Carga, existe uma tabela com a capacidade
das tubagens por metro linear de tubo e o caudal para diversas velocidades do líquido.
52

4.12.3. Perdas de carga em tubagens (cálculo aproximado)

Existem duas razões que levam a reduzir ao mínimo a secção das canalizações:

n O seu custo
n O desperdício de água desde que se abre uma torneira e até que chegue a água quente.

A secção é no entanto condicionada por:

n A velocidade não deve ser superior a 1,5 m/s em tubagens exteriores e 2 m/s em
tubagem dentro de paredes, designadamente devido ao ruído.
n O caudal a 1.5 m/s deve assegurar as necessidades.

Como vimos, as canalizações e os acessórios representam uma resistência hidráulica.


Verifica-se que esta resistência hidráulica aumenta aproximadamente com o quadrado da
velocidade.

A perda de carga num tubo depende do líquido, da sua temperatura, da velocidade e da


rugosidade do tubo.

A título de exemplo a figura seguinte representa a perda de carga em função da velocidade


para um tubo de 20 mm com água a 40 ºC:

Perda de Carga / metro linear


Pa/m
1.7519
2000 y = 584.87x
2
1800 R =1
1600
1400
1200
Series1
1000 Power (Series1)
800
600
400
200

0
0 0.2 0.4 0.6 0.8 1 1.2 1.4 1.6 1.8 2
Velocidade [m/s]

A tabela e os quadros seguintes dão-nos o conteúdo em litros por metro de comprimento e


o caudal em função da velocidade de escoamento, para diversos tubos:

Cap = π d2/4000 com d [mm] Cap [l/m]

Caudal = (π d2/4000) * V * 3600 com d [mm] V [m/s] Caudal [l/h]


53

Diâmetro [mm] Capacidade [l/m] Caudal [l/h] = f (Veloc. , Diametro)


Velocidade [m/s]
0.5 1 1.5 2
20 0.314 565 1131 1696 2262
26 0.531 956 1911 2867 3823
30 0.707 1272 2545 3817 5089
33 0.855 1540 3079 4619 6158
40 1.257 2262 4524 6786 9048
50 1.963 3534 7069 10603 14137

Capacidade [l/m]

2.000
1.800
1.600
1.400
Capacidade

1.200
1.000
0.800
0.600
0.400
0.200
0.000
20 25 30 35 40 45 50
Diâmetro

Q = f ( Velocidade , Diâmetro)

16000

14000
[m/s]
12000
20
10000 26
Caudal [l/h]

30
8000 33
40
6000 50

4000

2000

0
0 0.2 0.4 0.6 0.8 1 1.2 1.4 1.6 1.8 2
Velocidade [m/s]

No quadro e gráfico seguintes, considerámos tubos lisos ( inox e cobre) e uma velocidade
de 1 m/s:
54

Perda de carga = f ( diâmetro, temperatura,V= 1 m/s)

Diâmetro Temperatura
[mm] 20ºC 40 ºC 60ºC
20 646 581 537
26 467 420 389
33 348 314 291
40 274 248 231

Perda deCarga = f ( Diâmetro , Temperatura)


20ºC
700 40 ºC
60ºC
600 Power (20ºC)
Perda de Carga [Pa/m]

500 Power (40 ºC)


Power (60ºC)
400

300
-1.2369
200 y = 26274x
-1.2275
100 y = 22951x
-1.2175
0 y = 20575x
20 25 30 35 40
Diâmetro [mm]

EXEMPLO: Consideremos um tubo de 100 m com um diâmetro de 33 mm onde circula


água com uma velocidade de 1 m/s a 40 ºC,

a perda de carga será de ∆P = 314 Pa/m

Se a velocidade for de 1.5 m/s multiplicar por 2

Se a velocidade for de 2.0 m/s multiplicar por 3.5

Suponhamos que além dos 100 m de tubagem temos 10 “cotovelos de pequeno raio”.
Na tabela da página seguinte tiramos que o comprimento equivalente de 1 acessório será
1.3, pelo que o total será equivalente a 10 x 1.3 = 13 m

• comprimento total equivalente será 100 + 13 = 113 m e a Perda de carga total será:

∆P = 113 * 314 = 35482 Pa

9.8 104 Pa ß à 10 m.c.a.

35 482 Pa ß à X

i.e. 35 482 Pa ß à 3.6 m.c.a.


55

ACESSÓRIO OU SINGULARIDADE ∆P [Pa] Comp.Equiv [m]

1 metro de tubo (Φi =20 mm / Rug=0 mm / Caudal= 1 m/s / 40 ºC) 581 1.0
Mudança de direcção a 45º 149 0.3
Mudança de direcção a 90º 198 0.3
Cotovelos 595 1.0
Contracções bruscas 298 0.5
Derivações em T 694 1.2
Alargamentos bruscos 496 0.9
Entradas em depósitos 794 1.4
Saídas de depósitos 595 1.0
Uniões lisas 25 0.0
Uniões diversas 347 0.6
Válvulas de guilhotina
Abertas 248 0.4
Semi-abertas 2480 4.3
3/4 fechadas 12400 21.3
Válvulas de sede
Abertas 2976 5.1
Semi-abertas 17856 30.7
3/4 fechadas 55553 95.6
Válvulas de borboleta
Abertas 248 0.4
Semi-abertas 12400 21.3
3/4 fechadas 124000 213.4
Válvula de esfera aberta 248 0.4
Cotovelo de 45º 347 0.6
Cotovelos 90º raio pequeno 744 1.3
Cotovelos 90º raio grande 397 0.7
Contador de Turbina 2480 4.3
Contracções bruscas 4:1 446 0.8
Contracções bruscas 2:1 347 0.6
Contracções bruscas 4:3 248 0.4
Curva de 90º 198 0.3
Alargamento brusco 1:4 794 1.4
Alargamento brusco 1:2 546 0.9
Alargamento brusco 3:4 248 0.4
Redução cónica suave 248 0.4
Válvula de retenção borboleta 4960 8.5
Válvula de retenção de mola 24800 42.7

A rugosidade tem muita influência nas perdas de carga. A título de exemplo, podemos ver
nos 2 quadros seguintes a perda de carga para um tubo de 20 mm com água a 40ºC:
56

Perda de Carga em Pa /m

Velocidade Rugosidade
[m/s] 0 mm 0.05 mm 0.1 mm 0.2 mm 0.5 mm 1.0 mm
0.25 52 57 61 69 89 116
0.5 172 198 220 257 342 452
1 581 720 824 987 1344 1793
1.5 1190 1552 1803 2186 3002 4018
2 1985 2696 3224 3857 5321 7136

Perda de Carga = f (Vel , rugosidade)

Perda de Carga [Pa/m]


8000
Rugosidade
7000

6000 0 mm
0.05 mm
5000
0.1 mm
4000 0.2 mm
0.5 mm
3000
1.0 mm
2000

1000
0
0 0.5 1 1.5 2
Velocidade [m/s]

Se, para cada velocidade, considerarmos como referência o escoamento de água num tubo
liso, teremos:

Velocidade Rugosidade
[m/s] 0 mm 0.05 mm 0.1 mm 0.2 mm 0.5 mm 1.0 mm
0.25 1* 1.10 1.17 1.33 1.71 2.23
0.5 1* 1.15 1.28 1.49 1.99 2.63
1 1* 1.24 1.42 1.70 2.31 3.09
1.5 1* 1.30 1.52 1.84 2.52 3.38
2 1* 1.36 1.62 1.94 2.68 3.59

* Valor de referência

Se em paralelo com a bomba montarmos um manómetro ( podendo seccioná-lo com o


auxílio de 2 válvulas) quando estiverem a funcionar teremos uma indicação da perda de
carga no circuito.
57

4.12.4. Elementos de fixação e de guia. Isolamento das tubagens.

Os elementos de fixação e de guia das tubagens serão ignífugos e robustos. Os suportes


deverão permitir o movimento da dilatação térmica das tubagens, e deverão ser isolados
com o objectivo de evitar pontes térmicas.
Para a fixação de tubagens ao tecto deve ser previsto um número suficiente de apoios de tal
maneira que, uma vez isoladas as tubagens, não se produzam flechas superiores ao 0,2%. A
fixação deve fazer-se com preferência nos pontos fixos e partes centrais dos tubos. Nos
percursos verticais dispõe-se um número de fixações suficiente para manter vertical a
tubagem e evitar o seu desvio, ao mesmo tempo que se permite o movimento na direcção
do seu eixo.

Nas tubagens pelas quais circula fluido quente aplicar-se-á isolamento térmico, cuja
espessura será determinada de acordo com as hipóteses seguintes:

# Temperatura do fluido em circulação: 60ºC


# Temperatura ambiente exterior de: 10º C
# Queda máxima de temperatura do fluido circulante ao longo de toda
a tubagem inferior a 0,5º C.

A espessura do isolamento mínimo recomendado nas tubagens para um material com um


coeficiente de conductividade térmica K = 0,04 W / (m2 ºC), será o apresentado na tabela
seguinte:

DIÂMETRO DO TUBO / ESPESSURA DO ISOLAMENTO

NOMINAL INTERIOR DE EXTERIOR INTERIOR DE


DE AÇO EDIFÍCIOS DE COBRE EDIFÍCIOS
D < 1/4" 30 mm. D < 35 mm 20 mm.
1 1/4"< D < 2" 30 mm. 36 < D < 50 20 mm.
2" < D < 3" 40 mm. 51 < D < 80 30 mm.
3" < D < 5" 40 mm. 81 < D < 125 30 mm.
5" < D 50 mm. 126 < D 40 mm.
58
59

4.13. ARMAZENAMENTO. ACUMULADORES.

Ao sistema de armazenamento devemos exigir-lhe as seguintes condições: alta capacidade


calorífica, volume reduzido, temperatura de utilização de acordo com a necessidade
energética, rápida resposta ao consumo, boa integração no edifício, baixo custo, segurança
e longa duração.

Os depósitos acumuladores dispor-se-ão preferencialmente em posição vertical para


favorecer a estratificação da temperatura da água; como consequência e no caso de haver
mais que um acumulador, da parte superior do primeiro depósito extrai-se a água para o
segundo acumulador. Com esta disposição asseguramos que a água mais quente se
encontra na parte superior do acumulador, que é precisamente donde se extrai para o
consumo sanitário.

A verticalidade dos depósitos de armazenamento tem vantagens relativas ao custo, menor


espaço ocupado e maior eficácia do isolamento térmico, sendo mais reduzidas as
superfícies de apoio no chão.

Para a escolha do material do depósito acumulador teremos em conta os seguintes factores:

- Corrosão: O tratamento de potabilidade das águas produz um importante


acréscimo da sua agressividade.
- Pressão: A pressão dentro dos mesmos pode chegar a 8 kg/cm2 e cada utilização
traduz-se numa baixa de pressão no seu interior, provocando contracções.
- Temperatura: A temperatura da água acumulada pode variar entre 10º C e 90º C,
produzindo esforços de dilatações e contracções constantes.

O aço é o mais utilizado dado o seu custo, mas necessita de protecção interior contra a
corrosão, seja mediante a pintura tipo "epoxi", com ânodo anti-corrossão de magnésio, ou
galvanizado em quente, em cujo caso a temperatura de armazenamento não deve
ultrapassar os 65ºC.
60

O aço inoxidável é sem dúvida o melhor material, já que tem todas as vantagens,
apresentando como principal inconveniente o seu elevado preço.

Por tudo isto, os melhores depósitos acumuladores são os de aço, protegidos interiormente
contra a corrosão mediante aplicação de pintura "epoxi", vitrificado e com ânodo anti-
corrossão de magnésio. Exteriormente o depósito protege-se com uma pintura anti-
corrosiva para protegê-lo e ampliar a sua vida útil.

4.13.1. Dimensionamento de acumuladores de A.Q.S. Critérios.

O objectivo é que a água acumulada tenha energia calorífica suficiente para satisfazer as
necessidades do utilizador durante períodos de ausência ou escassez de radiação solar. O
dimensionamento do acumulador energético depende de três factores:

1 - Superfície de colectores instalada.


O volume óptimo de acumulação depende do tipo de colectores e do local e das
características do consumo. De uma maneira geral o volume de armazenamento é
idêntico ao consumo diário. Valores superiores não originam maiores economias. Se
o volume acumulado é menor conseguem-se maiores temperaturas de acumulação
mas com um menor rendimento.

2 - Temperatura de utilização.
A temperatura tem de ser adequada à utilização mas interessa que seja o mais baixo
possível. Por exemplo se se pretende água para banhos (temperatura entre 36 e
38ºC) é conveniente que o sistema seja dimensionado para ser 45 a 50ºC.

3 - Desfasamento entre captação, armazenamento e consumo.

Também influem no armazenamento os factores de serviço, que podem ser:

a) Coincidência entre período de captação e de consumo, caso do pré-aquecimento


de água para reposição numa caldeira incluída num processo industrial contínuo. O
volume do acumulador será de 35 a 50 l/m2 de colector.
61

b) Diferenças entre captação e consumo não superiores a 24 horas, caso de


aquecimento de água sanitária em vivendas, hotéis e residências,...
O volume do acumulador será de 60 a 90 l/m2 de colector.
c) Diferenças entre captação e consumo, habituais ou periódicas, estimadas como
superiores a 24 horas e inferiores a 72, caso de aquecimento de água em
processos industriais. Portanto, o volume de acumulador será de 75 a 150 l/m2 de
colector.

Como podemos observar na figura seguinte, a partir de 60 litros por m² de


colector, a energia útil pouco mais aumenta:

4.13.2. Isolamento térmico dos depósitos de acumulação.

Temos que dedicar especial atenção ao isolamento térmico dos acumuladores para que as
perdas de calor sejam minimizadas o máximo possível. Determinar-se-á de acordo com as
seguintes hipóteses:

# Temperatura da água quente sanitária: 60ºC.


# Temperatura ambiente exterior ao depósito acumulador: 10ºC.

O nível de isolamento térmico requerido pode-se conseguir utilizando espessuras de 50 mm.


de fibra de vidro. Porém, e dada a mínima influência no custo total, recomenda-se usar
espessuras compreendidas entre 80 e 150 mm. Quanto maior for o depósito, menor será a
62

relação entre superfície externa do depósito e o seu volume e menor será por isso a perda
relativa de energia. Com a mesma espessura de isolamento um depósito grande está mais
bem protegido do que um pequeno.

4.14. PERMUTADORES DE CALOR.

um permutador de calor numa instalação solar quando queremos ter dois circuitos
independentes. É usual a sua utilização em:

• Instalações de A.Q.S. nas quais não queremos a água de utilização passe pelos
colectores.
• Instalações combinadas de A.Q.S. e aquecimento de piso radiante, tendo em conta que
o consumo preferencial é para AQS.
• Instalações bi-fásicas que incluem captação, com colectores de água e aquecimento de
ar forçado com sistema fan-coil.

O uso de circuito fechado com permutador está hoje em dia generalizado; apesar de ser
mais caro e representar uma penalização térmica, as propriedades do sistema não se
degradam por depósitos de calcário ou corrosão.

Os dois parâmetros que melhor caracterizam um permutador de calor são o rendimento e a


eficácia de permuta. O rendimento define-se como a relação entre a energia obtida e a
introduzida. A diferença percentual nunca deve ser superior a 5%, o que implica que o
permutador seja isolado.

A eficácia define-se como a relação entre a energia calorífica permutada e a máxima que
teoricamente deveria permutar. Depende da área de superfície de permuta, da forma e
geometria da mesma e do material, cujo coeficiente de conductividade influi no processo de
permuta. Um dimensionamento correcto do sistema exige um valor para a eficácia não
inferior a 0,7. Quanto menor for a eficácia, maior será a temperatura com que o fluido
térmico volta aos colectores, diminuindo o rendimento destes e da instalação.
63

Recomenda-se uma potência de permuta de 750 W/m2 de superfície colectora.

Permutador de serpentina

Para instalações com acumulações a partir dos 3.000 litros, recomenda-se a utilização de
permutadores exteriores, normalmente de placas, como o da figura seguinte.

Este tipo de permutadores são os mais utilizados e tem as seguintes vantagens:

- Alta qualidade do material, que garante a duração e a rentabilidade.


- São moduláveis, permitindo uma fácil aumento do número de placas
- Fácil manutenção; são desmontáveis e de fácil limpeza.
- Têm uma excelente eficácia, devido ao seu funcionamento a contracorrente,
permitindo uma grande potência de permuta mesmo com um pequeno tamanho.
64

4.15. ELECTRO-CIRCULADORES.

O transporte do fluido térmico no circuito primário e da A.Q.S. no secundário realiza-se


com a ajuda de electro-circuladores ( grupos de pressão accionados por um motor
eléctrico ), capazes de fornecer ao fluido a energia necessária para poder transportá-lo a
uma determinada pressão. Esta energia deve vencer a resistência que opõe o fluido à sua
passagem pelo tubo e o aumento de altura para manter a pressão de trabalho em qualquer
ponto da instalação.

Cada bomba tem uma curva característica de ∆P em função do caudal.


O ponto de funcionamento corresponde à intersecção entre a curva da instalação e a
característica da bomba. A bomba deve ser escolhida de forma a que o ponto de
funcionamento se situe na zona central da sua curva característica.
Existem bombas com um selector de velocidade que permite escolher a curva da
bomba. Neste caso, é conveniente escolher uma bomba que funcione nas velocidades
intermédias e não nas extremas, pois desta forma ficamos com possibilidade de
manobra.

Os electro-circuladores utilizados nas instalações de energia solar são os centrífugos,


habitualmente silenciosos e de baixa manutenção. Montam-se em linha directamente no tubo
e com o eixo horizontal para que os rolamentos trabalhem correctamente.
65

Se em paralelo com as bombas montarmos um manómetro ( podendo seccioná-lo com o


auxílio de 2 válvulas) quando estiverem a funcionar teremos uma indicação da perda de
carga no circuito.
M

As bombas podem instalar-se


horizontal ou verticalmente,
mas sempre com o eixo do motor
na posição horizontal.
Desta forma asseguramos que os
rolamentos do motor trabalham
adequadamente aumentando
a longevidade da bomba
66

4.15.1. Bomba de circulação do circuito primário.


A bomba de circulação colocar-se-á no tubo de ida para os colectores e na parte mais
baixa da instalação, para trabalhar com a altura manométrica adequada. A pressão do
circuito primário deve ser de modo a que na aspiração da bomba a pressão nunca seja
inferior à pressão atmosférica. A montagem será do tipo "in line" já que o tubo faz de
suporte da bomba. Entre a aspiração e a impulsão instala-se em paralelo à bomba um
manómetro com duas válvulas de fecho, para medir a perda de pressão do circuito. Esta
será a diferença de pressões observadas no manómetro ao abrir e fechar alternadamente as
válvulas. Levando esta diferença de pressão observada à curva característica do electro-
circulador determinamos o caudal.
Dado que estes modelos possuem normalmente várias curvas características, é possível
optimizar as condições de funcionamento seleccionando a curva adequada.

4.15.2. Bomba de circulação do circuito secundário (Anel de água quente)


Coloca-se no tubo de retorno e na parte mais baixa da instalação. Tal como no circuito
primário, a colocação de um manómetro em paralelo com a bomba permite determinar a
perda de carga e pela característica da bomba pode saber-se o caudal.

4.15.3. Bomba de enchimento do circuito primário.


Por vezes existe uma bomba cuja única finalidade é introduzir o fluido térmico no circuito
primário quando diminui a pressão inicialmente devido a fugas.

4.15.4. Circuitos de baixo caudal


Em circuitos primários com permutador de camisa, utilizam-se por vezes reguladores de
caudal que têm a dupla função de regular e indicar o caudal que está a passar:
67

Regulador ´serie Regulador “paralelo

4.16. TERMOSTATO DIFERENCIAL. CONTROLO AUTOMÁTICO.

Os electro-circuladores devem funcionar só quando os colectores puderem ter um ganho


útil e parar quando o rendimento for negativo, i.e. . quando a temperatura à saída do
colector for inferior à temperatura no depósito, porque a radiação é baixa ou o depósito já
está quente. Doutra forma a temperatura à saída do colector seria inferior à de entrada e o
colector funcionaria como “dissipador” de energia.

Isto consegue-se com o termostato diferencial e as sondas de temperatura de que está


munido.

Uma das sondas coloca-se na parte superior dos colectores e a outra na parte inferior do
acumulador. A última ligação realiza-se entre o termostato e as bombas de circulação. É
muito importante que as ligações não tenham uniões, e estas se realizem com soldaduras de
estanho para que o contacto eléctrico seja perfeito.

O termostato diferencial compara as temperaturas da sonda 1 (situada na parte superior


dos colectores) e da sonda 2 (na parte inferior do primeiro acumulador de A.Q.S.) e põe o
circulador em funcionamento quando valer a pena (a água está mais quente nos colectores
do que no depósito.
68
69

No seguinte quadro especifica-se o funcionamento automático do grupo de controlo:

BOMBA FUNCIONAMENTO PARADA


B-1 T1 - T2 > 6º C T1 - T2 < 2º C

B-2 B - 1 funcionamento B - 1 parada

Grupos de Bombas B1 e B2

Em instalações de uma certa dimensão e em que se pretenda uma maior fiabilidade são por
vezes instaladas bombas geminadas:
70

4.17. VASOS DE EXPANSÃO

Vasos de expansão fechados

Ao aquecer a água, esta dilata e alguma coisa num circuito tem de “encaixar” esta dilatação.
Esta função é assegurada pelos vasos de expansão.

Dilatação da água em função da temperatura (Referência volume a 4ºC)

Os vasos de expansão podem ser abertos ou fechados

O volume de um vaso de expansão deve ser pelo menos igual ao aumento de volume do
líquido do circuito, de acordo com a fórmula ( água ):

( 0.07 * t − 2.5)( P + 1)
V =
E * VT
100 * ( P − p)
VE – Volume útil do Vaso de expansão
VT – Capacidade total do circuito primário
t – Temperatura máxima possível (p.ex. se a pressão nominal da válvula
de segurança for 2.5 bar => 143 ºC)
P – Pressão relativa no sistema (em bar). (P+1) é a pressão absoluta.
p – Pressão inicial no depósito de expansão

NOTA: Com 20 % de anti-gel considerar 30% mais de volume (coef. Passa de 0.07 para 0.09)

Os depósitos de expansão fechados têm uma válvula igual à das câmaras de ar.
71

A pressão de enchimento do vaso de expansão deverá ser igual à pressão a que vai estar o
circuito no ponto de colocação, com a bomba parada.

Montagens correctas do vaso de expansão.


O vaso de expansão deverá ser montado necessariamente na aspiração da bomba no
circuito de ida para os colectores (figura da esquerda) e se o espaço impedir a colocação
da forma anterior, podemos instalar como mostra a figura da direita. Neste caso é
absolutamente necessário instalar um purgador automático antes do vaso de expansão para
poder facilitar a evacuação de gases:

Vantagens dos vasos de expansão fechados relativamente aos abertos:


- Fácil montagem.
- Não é necessário isolá-los.
- Não absorvem oxigénio do ambiente (prejudicial para a instalação).
- Não tem perdas de fluido térmico por evaporação.

Vasos de expansão abertos.

Se o nível de pressão no circuito, for baixo, poder-se-á utilizar um vaso de expansão


aberto. O dimensionamento é idêntico mas o volume de expansão calculado, tem de ser
igual ao volume entre o nível do líquido com o sistema frio e nível do dreno de descarga.
O nível “em frio” pode ser automaticamente mantido com uma válvula de boia.
72

Vaso de expansão aberto

4.18. PURGADORES E DESAERADORES

O purgador é o elemento encarregue de evacuar os gases, geralmente ar, contidos no fluido


térmico. A presença de gases no circuito pode dar lugar à formação de bolsas que impeçam
a correcta circulação do fluido térmico e provocar corrosões nos tubos dos colectores.

Para assegurar-se de que o ar dissolvido na água é evacuado para o exterior pelo purgador
utilizam-se por vezes desaeradores como o que se mostra na figura seguinte:
73

4.19. VÁLVULAS

4.19.1. Válvulas de segurança.

A actual legislação exige a colocação de válvulas de segurança em todos os circuitos


submetidos a pressão e a variações de temperatura. As válvulas de segurança actuam como
elementos limitadores da pressão dos circuitos e são imprescindíveis para proteger os
elementos da instalação.

A pressão de regulação da válvula, quer dizer, a pressão à qual a válvula actua deixando
escapar o fluido, deve ser inferior à pressão que possa suportar o elemento mais delicado
da instalação, habitualmente o depósito de expansão fechado ou o próprio colector.

Para circuitos primários os tamanhos habituais são de 1/2", 3/4" e 1". Para circuitos
secundários, com uma capacidade superior, a evacuação em caso de sobre-pressão deve
ser mais rápida e, portanto, as válvulas devem ser maiores.

ATENÇÃO: No caso de haver vários depósitos é indispensável:


• Não existir nenhuma válvula que possa impedir a descarga do depósito para a válvula de
segurança (retenção, seccionamento, etc…)
• Cada depósito ter uma válvula de segurança
• A válvula de segurança só é fiável se periodicamente se fizerem descargas para evitar
que fiquem bloqueadas.
74

4.19.2. Válvulas anti-retorno.

Uma válvula anti-retorno permite a passagem do fluido num sentido, impedindo-o em


sentido contrario.

Válvula de retenção Válvula de retenção e de fecho

No caso dos colectores em termossifão, durante a noite pode haver inversão da circulação.
O facto de haver um desnível entre o topo dos colectores e o depósito minimiza este risco.
No entanto é possível e recomendável utilizar um tipo de válvula anti-retorno especial com
uma perda de carga muito baixa e que impede a inversão sem dificultar demasiado o
termossifão.

4.19.3. Válvulas de passagem

São os elementos encarregues de interromper total o parcialmente a passagem do fluido


pelas tubagens. As válvulas de fecho total usam-se para separar uma parte da instalação ou
isolá-la do serviço, as de fecho parcial servem para produzir uma perda de carga adicional
no circuito, com o objectivo de regular o caudal ou de equilibrar a instalação.
75

4.19.4. Válvulas de três vias .

O projecto de uma instalação pode fazer necessária a circulação de fluidos por vias
alternativas. Para conseguir isto de forma automática utilizam-se as chamadas válvulas de
três e quatro vias.
Nas instalações solares, este tipo de válvulas são normalmente automatizadas, ou com um
servomotor eléctrico ou com um sistema baseado na expansão de um gás dentro de um
fole:

4.19.5. Válvulas pressostáticas tipo Watt.

São umas válvulas pressostáticas que disparam por pressão ( a partir de 6 kg/cm² ) ou por
temperatura ( a partir de 90º C).
76

4.20. VIABILIDADE ECONÓMICA DE UMA INSTALAÇÃO SOLAR

Habitualmente são três os motivos ou razões principais pelos que se decide instalar um
sistema de energia solar:

- Conseguir um beneficio económico aproveitando a energia que chega


gratuitamente ao lugar de consumo.
- Minimizar a degradação do Ambiente, usando energias limpas e não
poluentes.
- Diminuir a dependência das fontes convencionais de energia, conseguindo
uma maior comodidade.

O razão mais usual é a primeira, pelo que é necessário ter em conta em qualquer instalação
a sua durabilidade e o funcionamento eficaz por muitos anos.

As economias de energia requerem um investimento que pode ser elevado. Em tais casos é
preciso realizar um análise económica que facilite as decisões:

∗ Investimento requerido.
∗ Custos, e poupanças, assim como a sua cronologia e evolução no tempo.
∗ Vida útil da instalação.
∗ Inflação.
∗ Fiscalidade.

Normalmente a instalação solar supõe um investimento maior que a convencional, embora


esta diferença seja compensada ao fim de uns anos pelo menor consumo de combustível
convencional.
Definem-se dois conceitos económicos úteis:

- O valor acrescentado líquido (VAL), que da uma medida do valor económico


do projecto tendo em conta a sua vida útil, o que implica uma soma das poupanças
que produzir-se-ão anualmente pelo menor consumo de combustível convencional,
mas actualizados com uma taxa de inflação estimada.
77

- A taxa interna de rentabilidade ( TIR ). Define-se como o valor da taxa de


actualização que anula o VAL do projecto, obtendo assim o juro que teria que existir
para que o investimento da instalação solar produzi-se o mesmo beneficio que uma
capitalização com este juro. Portanto, uma taxa de rentabilidade superior aos juros
médios existentes indica que o investimento em energia solar é aconselhável e
rentável. Se aquela é superior aos juros do mercado, o projecto é interessante desde
o ponto de vista económico.

O custo anual de manutenção é suposto no primeiro ano do ordem do 3% do valor total da


instalação e irá crescendo com os anos na mesma proporção que a inflação.

Factores tais como os juros, a inflação ou o aumento anual dos custos dos combustíveis
substituídos, não podem conhecer-se de antemão e a única solução é estimá-los de acordo
com as previsões económicas.

O beneficio VAL que a instalação proporciona será:

VAL = A * Σ (1,t) ((1+c)/(1+e))t - M * Σ (1,t) ((1+i)/(1+e))t - C.

A ⇒ Poupança prevista anualmente.


t ⇒ Vida em anos prevista para a instalação. Estimada como mínimo em 10
anos.
c ⇒ Inflação do preço dos combustíveis entre 0 e 1.
e ⇒ Juros financeiros entre 0 e 1.
M ⇒ Custo de manutenção durante o primeiro ano.
i ⇒ Valor da inflação anual entre 0 e 1.
C ⇒ Custo do investimento diferencial. Faz referencia ao custo total da
instalação solar menos os subsídios obtidos.

Para os primeiros anos B seria negativo, mas chegará um ano t para o qual seja zero,
correspondendo este valor ao tempo de retorno do investimento ou tempo de amortização.
A partir deste ano, toda a poupança produzida converter-se-á em beneficio neto, já que o
investimento foi amortizado.
78

Para calcular a taxa interna de rentabilidade r devemos supor um tempo de vida útil da
instalação, que adoptaremos em 10 anos. O valor de r calcula-se mediante a expressão:

0 = A * Σ (1,10) ((1+c)/(1+r))t - M * Σ (1,10) ((1+i)/(1+r))t - C.

Se, por exemplo, estamos a considerar uma serie de investimentos para melhorar a
eficiência energética de uma instalação, os seus respectivos TIR indicar-nos-ão a ordem de
prioridade económica para investir os fundos disponíveis.

Os valores do V.A.L. (em inglês N.P.V.) e T.I.R. (I.R.R.) podem ser obtidos directamente
através de uma folha de cálculo (Excel, Lotus 1.2.3, Quattro).
79

4.21. EXECUÇÃO E MANUTENÇÃO DE UMA INSTALAÇÃO SOLAR.

4.21.1. Processos prévios à instalação.

Descreveremos os passos típicos a seguir na pré-montagem da instalação solar e que em


muitos casos são comuns a outro tipo de instalações na construção civil:

- Obter a aprovação do cliente e fixar uma data para o início das obras e outra
aproximada para o seu final.
- Planificar o processo de montagem, prevendo as necessidades de material e de
pessoal para executar adequadamente a obra.
- Conhecer convenientemente as exigências do projecto e as características
próprias deste tipo de instalações, assim como dos materiais que nelas intervêm.
- Visitar a construção na qual será feita a instalação. No caso de existirem
problemas imprevistos, é preciso contactar o projectista para modificar os planos.
Efectuar as medidas necessárias e comprovar o espaço disponível tendo em conta a
distância mínima entre filas assim como a possibilidade de orientar os colectores ao sul
geográfico.

É preferível assumir um pequeno desvio relativo ao sul (ate 20º) e a inclinação do


telhado do que realizar um complicado sistema na estrutura de fixação.

4.21.2. Armazenamento, manipulação e montagem dos colectores.

Antes da instalação os colectores armazenar-se-ão em espaços cobertos sobre um chão


plano. No caso de armazenamento no exterior, deverão estar protegidos da chuva.

Se os colectores, uma vez desembalados e antes da sua montagem, tiverem que ser
depositados no exterior, colocar-se-ão com um ângulo mínimo de 20º e máximo de 70º,
com a cobertura de cristal orientada para cima. Evitar-se-ão as posições horizontal e
vertical. Se os colectores tiverem que ficar inclinados num ângulo de 20º ou 30º não se
80

devem apoiar uns sobre os outros. Se colocarem inclinados 40º / 70º poderão ser
apoiados, um sobre outro, até um máximo de seis colectores.

Para evitar excessivas dilatações é muito conveniente cobrir os colectores, uma vez
colocados, até ao enchimento da instalação com o fluido térmico.

No caso da superfície ser por exemplo terra, a fixação da estrutura de suporte dos
colectores deverá ser feita com sapatas de betão semi-enterradas.

Nas zonas em que se prevejam fortes ventos ( superiores a 120 Km/h ) e o campo de
colectores não esteja abrigado, deverão realizar-se os cálculos para determinar as
sobrecargas dinâmicas ou a possibilidade de deslize ou queda.

4.21.3. Processo de montagem da instalação solar.

O passos típicos a realizar na instalação solar podem ser resumidos em:

- Estrutura de montagem dos colectores e impermeabilização do telhado para evitar


infiltrações. Uma parte importante da estrutura poderá ser feita na oficina, mas a relativa às
fixações realizar-se-á directamente na obra. É essencial ter em conta que os orifícios das
fixações não devem enfraquecer a estrutura do telhado.
- Montagem das tubagens, dos diferentes elementos (válvulas, depósito de
expansão, bombas, etc.) e a instalação e ligação do depósito acumulador. Não é
conveniente nesta fase proceder ao isolamento destes elementos, já que é necessário fazer
posteriormente as provas de estanquicidade do circuito para detectar possíveis fugas.
- Recomenda-se como última operação a montagem dos colectores na estrutura. É
responsabilidade do instalador a correcta orientação e inclinação, assim como a devida
separação entre as fileiras de colectores.
81

4.21.4. Arranque da instalação solar.

Proceder-se-á inicialmente a um enchimento e esvaziamento da instalação para limpá-la


internamente de possíveis sujidades e poder detectar e corrigir fugas. Este enchimento será
feito lentamente da parte inferior para a superior de forma a evitar a formação de bolsas de
ar, abrindo os purgadores até que circule por eles o fluido. Posteriormente estes fechar-se-
ão e o fluido circulará vários minutos para arrastar sujidades e depósitos internos,
procedendo ao esvaziamento.

Uma vez realizada esta operação, procederemos ao enchimento e purga finais da instalação
solar, podendo apresentar-se os seguintes casos :

# Enchimento e purga do circuito primário numa instalação com depósito de


expansão fechado. Os passos a realizar serão :

- Se o circuito primário estiver ligado directamente à rede, a pressão desta é por


vezes superior à máxima tolerada pelos colectores, portanto é preciso colocar uma
válvula redutora de pressão que assegure que esta tenha um valor mínimo no ponto
mais alto da instalação. Imediatamente antes da válvula redutora instalar-se-á uma
outra de fecho, e que será convenientemente fechada para regular a pressão da
primeira.
- As válvulas de segurança, colocadas na entrada do campo de colectores e no
depósito de expansão, terão uma pressão nominal idêntica à do componente mais
fraco (normalmente os colectores).
- O elemento de purga da bomba de circulação abrir-se-á antes de a pôr em
funcionamento.
- O depósito de expansão, instalar-se-á antes da aspiração da bomba circuladora.
- Comprovar-se-á que todas as válvulas de fecho estão na sua posição correcta de
abertura ou fecho.
- Realizar-se-á o enchimento e pressurização definitivos do circuito primário com os
colectores cobertos para evitar a formação de bolsas de vapor que impeçam a
correcta circulação do fluido.
82

- Finalmente fechar-se-ão todos os elementos purgadores e comprovar-se-á a


inexistência de fugas.

# Enchimento e purga do circuito primário em sistemas com depósito de


expansão aberto.

- Neste caso o enchimento será feito directamente a partir do depósito de expansão


aberto, situado por cima da parte mais alta da instalação mas ligado por um tubo à
aspiração da bomba circuladora. Se a instalação for de muitos colectores, o processo
de enchimento pode ser demorado e dar origem à formação de bolsas de ar;
portanto seria conveniente dispor de um tubo de enchimento na parte inferior da
instalação e deixar que o depósito cumpra a missão de preenchimento.

# Enchimento e purga do circuito secundário.

- O circuito secundário tem a mesma pressão que a rede de subministro de água.


Se esta for superior à máxima aconselhada para os depósitos acumuladores, instalar-
se-á uma válvula redutora de pressão.
- Deverá ir munido de um purgador na parte mais elevada da instalação e que ficará
aberto até a evacuação total de gases. Será fechado quando a água comece a circular
por ele.
- Instalar-se-á uma válvula de segurança tarada à mesma pressão que a máxima
admissível pelo depósito acumulador de A.Q.S. Entre este e a válvula de segurança
nunca deverá instalar-se uma válvula de fecho, já que por erro ou desconhecimento
pode ficar na posição fechada, impedindo actuar adequadamente à primeira.

4.21.5. Provas prévias à entrega da instalação solar.

É necessário verificar uma série de provas antes de entregar a instalação ao cliente, e que
serão:

# Prova de estanquicidade e perfeito funcionamento dos elementos.


83

Os circuitos devem ser testados a uma pressão 1.5 vezes superior à pressão normal
de trabalho para verificar a inexistência de fugas. A válvula de segurança, que tem
uma pressão nominal inferior, só pode ser montada depois do teste de pressão.

# Prova de aquecimento da instalação solar.


Verificar-se-á num dia claro e sem consumo de água, arrancando e deixando
funcionar o sistema durante várias horas. A temperatura de acumulação deve ser
superior, como mínimo, em 20º C à temperatura da água de rede.

4.21.6. Isolamento da instalação solar.

Após finalizar todas as provas de estanquicidade, funcionamento dos diversos elementos


que compõem a instalação e aquecimento, proceder-se-á ao isolamento de tubagens,
válvulas e depósitos acumuladores. Deveremos cumprir uma série de regras a fim de
assegurar um perfeito isolamento dos componentes anteriores:

- Limpar as superfícies a isolar de restos de óleo, humidades, incrustações ou


daqueles elementos que dificultem o isolamento.
- O adesivo utilizado deve estar em perfeitas condições de aplicação e
corresponder as especificações do isolador usado.
- Aplicar sempre medidas exactas.
- Proteger os isoladores armazenados à intempérie da água de chuva, pó,...
- Os isoladores colocados em tubagens à intempérie serão protegidos
imediatamente com chapa de alumínio, P.V.C. ou outro material adequado. O
conjunto deve ficar impermeável à humidade e à água de chuva.
- Depois de fazer o isolamento, a instalação deverá ficar parada quando menos um
dia e meio para assegurar a colagem e endurecimento do adesivo.
4.22.7. Operações de manutenção que deverão ser efectuadas pelo dono da
instalação e por pessoal especializado.

O instalador deverá entregar ao cliente um manual de instruções, em que deverão constar


um esquema para identificar cada elemento, bem como informações sobre o uso da
instalação e as operações de segurança, conservação e manutenção.
84

É conveniente informar também sobre os limites aconselhados de calcário da água de


alimentação.

O dono, além de efectuar habitualmente o arranque e paragem da instalação, deverá:

• Comprovar periodicamente a pressão do circuito, de preferência com o sistema


frio; se a pressão for baixa, deve contactar o instalador.
• Manobrar a válvula de segurança para evitar que fique colada, pelo menos
trimestralmente.

O responsável pela manutenção, além das operações de rotina atribuídas ao dono, deverá
também:

• Verificar se o sistema tem ar, assegurando o seu enchimento e a pressurização


nominal..
• Comprovar-se-á também se as válvulas da instalação funcionam correctamente.
• Comprovar se as sondas de temperatura funcionam correctamente e que o
controlo diferencial arranca e de o ∆T de arranque e de paragem são os
pretendidos.
• Inspecções visuais para verificação de:

◊ Isolamentos situados à intempérie,


◊ Estado do campo de colectores (estanquicidade à chuva, vidros partidos
deformação das caixas dos colectores, corrosões, fugas de fluido, etc.).

4.21.8. Localização e reparação das avarias mais frequentes.

As avarias mais correntes nas instalações solares são no circuito primário (rendimento baixo
ou mesmo nulo da instalação, fugas do fluido no circuito, ruídos anormais no funcionamento
das bombas), por ser a parte mais delicada da instalação.
85

Descreveremos a continuação os sintomas e as consequências deles para serem reparados


facilmente:

# O rendimento da instalação é baixo e o aquecimento não é o esperado.


Pode ser devido aos seguintes problemas:

- As bombas não funcionam.


Deveremos comprovar se o fornecimento da rede é o correcto; se há alguma
válvula indevidamente fechada; o funcionamento dos fusíveis, contactos e quadro
eléctrico; assim como verificar se a bomba está entupida. Se depois de realizar estas
comprovações a bomba continua sem trabalhar, deverá ser substituída.
Se a bomba arranca em sistema manual dando pressão ao circuito, o controlo
diferencial não funciona correctamente. Verificaremos a colocação das sondas de
temperatura, os fusíveis e a calibração do sistema de controlo.

- O circuito tem baixa pressão em frio e parado.


A causa mais frequente é a falta de fluido no seu interior originada por fugas,
procedendo ao arranjo delas e ao preenchimento do circuito. Se o depósito de
expansão é aberto, o tubo de ligação à bomba pode estar entupido ou o nível de
fluido no seu interior ser baixo. Finalmente purgaremos o circuito tal como indicado
anteriormente.

- A bomba funciona mas o caudal e a pressão fornecidas são insuficientes.


Se o sistema em frio e parado tem uma pressão normal, a bomba arranca, mas o
aquecimento da água e a pressão e caudal do circuito são insuficientes, o problema
está na bomba. Verificar-se-á se a posição do selector de velocidades é a correcta e
se está devidamente purgada. Em caso contrario devemos substituir a bomba.

- A bomba funciona mas o caudal é insuficiente e a pressão elevada.


Neste caso o sistema não aquece suficientemente, com o circuito em frio e parado a
pressão é normal, a bomba arranca normalmente mas em funcionamento a pressão
fornecida é mais alta da prevista e o caudal baixo. Determinaremos o ponto de
funcionamento da bomba para conhecer o caudal circulante. A causa mais habitual é
86

a existência de uma obstrução no circuito que impede a normal circulação,


procedendo à sua abertura e limpeza.
87

LOCALIZAÇÃO DAS AVARIAS MAIS FREQUENTES.

As avarias mais correntes nas instalações solares localizam-se no circuito primário.


Se o rendimento da instalação é baixo e o aquecimento não é o esperado:

AVARIA VERIFICAR
- Fusíveis, contactos e quadro eléctrico.
As bombas não funcionam. - Fornecimento de pressão da rede.
- Existência de válvulas indevidamente fechadas.
- Colocação das sondas de temperatura, fundamentalmente a sonda quente.
Mau funcionamento do comando diferencial.
- Calibração do comando diferencial (sistema de controlo).
- Falta de fluido no seu interior.
O circuito tem baixa pressão em frio e parado.
- Existência de fugas.
- Posição do selector de velocidades da bomba.
A bomba funciona com caudal e pressão insuficientes.
- Se está devidamente purgado o circuito.
- Determinar ponto de funcionamento da bomba.
A bomba funciona, o caudal é insuficiente ou nulo e pressão é
- Existência de uma obstrução no circuito.
elevada.
- Verificar se a válvula de retenção está bem montada e não está colada.
88

REFERÊNCIAS

• SOFTWARE

Dimensionamento de Instalações solares:

Programa SOLTERM,
M.J. Carvalho, DER / INETI, 1996

METFI9
J.Cruz Costa, DER/INETI, 1995

Perdas de carga:

MCA-FC9, J.Cruz Costa, DER/INETI, 1995

• CD-ROM “MULTISOL, VVS Branchen, DK”

• BIBLIOGRAFIA

•Normas Portuguesas.
•Transmissão de calor. Chapman. Editorial Bellisco.
•A Energia Solar na edificação.
Chauliaguet. Edit. Técnicos Associados.
•Manual da Utilização de En. Solar em Portugal,
J.F. Mendes, J. Cruz Costa, et all, LNETI, 1981, LEM/DGC,
•Caracterização e Model. de Colectores de Baixa Concentração
Cruz Costa, Un Paris VII, 1987.
•Energia Solar Incidente numa superfície, Inclinação óptima.
Rev. Energia Solar, Nº 11, SPES M.J. Carvalho et all, INETI, 1996
89

•Energia Solar. Bases e Aplicações.


Cobarg. Ed. Paraninfo.
•Energia Solar. Cálculo e dimensionamento de instalações.
ETSII Madrid.
•Introdução às instalações de aquecimento.
ROCA
•Curso de Energia Solar. Censolar. Editorial Progensa.
•Energia Solar. Manual de instalações térmicas.
Minguella y Torrens. Editorial CO-PRESS.
•Utilização da Energia Solar a baixa temperatura p/col. planos.
ROCA.
•Heliotermotecnia. Técnicas de captação e utilização da En. Solar.
UNISOLAR ESPAÑA,