Você está na página 1de 53

Pensamentos,

 sentimentos,  
emoções  e  atitudes  

Obreiros  do  Amor  e  Misericórdia  


 
 
 
Maio  
2015  
Você  já  se  percebeu  em  uma  
situação  perigosa?  
Já  foi  à  praia,  no  verão,  com  seu  
9ilho  pequeno  e  percebeu,  em  
determinado  momento,  que  ele  
não  estava  mais  ao  seu  lado?  

Ainda  na  praia,  nadando,  


percebeu  que  estava  longe  da  
orla  e  que  tinha  sido  pego  por  
uma  correnteza?  
Você  já  se  percebeu  em  uma  
situação  perigosa?  

Percebeu  que  o  motorista  da  frente,  no  


trânsito,  estava  sendo  abordado  por  um  
homem  armado?  

Caminhando  por  uma  trilha  avistou    


uma  cobra?  
Qual  é  a  reação?    
Medo  ou  estresse  

-­‐  a  emoção  mais  inata  dos  seres  vivos;    


-­‐  emoção  de  desconforto  que  
experimentamos  em  resposta  a  um  
perigo  presente;    
-­‐  valor  adapta*vo;  

Vem-­‐ni-­‐mi  
 
Reação  de  alarme/estresse  
Reação  de  luta  ou  fuga  

A  Cinalidade  é  
escapar  (fugir)  ou  
resistir  (lutar)  para  
então  reduzir  ou  
prevenir  a  situação  
Emoção:  conceituação  

De9inir  “emoção”  é  di9ícil,  mas  a  maioria  dos  teóricos  concorda  


que  é  uma  tendência  de  ação,  ou  seja,  de  se  comportar  de  
determinada  maneira,  acompanhada  por  uma  possível  resposta  
psicológica.  Tem  curta  duração,  perdurando  de  minutos  a  
horas,  sempre  em  resposta  a  um  evento  externo.    
Emoção:  conceituação  

Diz-­‐se  então  que  a  principal  função  da  emoção  é  um  teste  sagaz  
guiado  pela  evolução  para  que  façamos  o  que  precisa  ser  
feito  para  que  tenhamos  a  oportunidade  de  passar  adiante  
nossos  genes  de  maneira  bem-­‐sucedida  às  gerações  vindouras;    
 
Emoção:  conceituação  
-­‐  Charles  Darwin:  pai  da  neurociência  afetiva;  

-­‐  as  emoções  dos  animais  são  homólogas  às  dos  


homens;  

-­‐  as  lágrimas  de  tristeza  e    o  ranger  de  dentes  da  


raiva,  nos  homens,  apontam  que  esses  
comportamentos  são  vestígios  de  padrões  de  
ação  dos  outros  animais;  
 
Emoção:  conceituação  

Sete  tipos  genuínos  de  emoção:  medo,  tristeza,  nojo,  


alegria,    desprezo,  surpresa  e  raiva.    
Emoção:  componentes  básicos  

Comportamento  

Cognição   Fisiologia  
Comportamento  da  emoção  
 
-­‐  há  padrões  básicos  do  comportamento  emocional  que  se  
diferenciam  em  formas  fundamentais;  
 
-­‐  Ex.:  a  raiva  pode  se  diferenciar  da  tristeza  não  apenas  da  maneira  
que  é  sentida,  mas  também  do  ponto  de  vista  comportamental;    
Comportamento  da  emoção  
 
-­‐  o  comportamento  emocional  é  uma  forma  de  comunicação  entre  
membros  de  uma  mesma  espécie;    

-­‐   Ex.:  uma  das  funções  do  medo  é  motivar  a  ação  imediata  e  decisiva  
de  se  esquivar.  Se  eu  9ico  assustado,  minha  expressão  facial  pode  
alertar  outras  pessoas,  de  tal  forma  que  elas  sobrevivam  a  uma  
ameaça  em  potencial;    
Wilhelm  Reich  

A  linguagem  não  verbal  pode  ser  


reveladora  das  relações  de  
comunicação  entre  os  indivíduos.  
O  corpo  fala,  expõe  “verdades”,  
reforça  ideias,  fortalece  crenças  e  
pensamentos,    favorece  ou  
di9iculta  o  entendimento  e  
controla  ou  desequilibra  as  
emoções.  
Fisiologia  da  emoção  
-­‐  Entende  que  a  emoção  seja  um  resultado  da  atividade  de  
regiões  encefálicas  especí9icas.  De  fato,  há  uma  série  de  estudos  
a  respeito  que  ainda  são  controversos  quanto  ao  
processamento  das  emoções:  ativação  de  um  único  sistema;  de  
dois  sistemas;  de  múltiplos  sistemas;      

-­‐  Sistema  Límbico:  é  todo  o  circuito  neuronal  que  controla  o  


comportamento  emocional  e  as  forças  motivacionais,  ou  seja,  o  
processamento  da  emoção;  
Fisiologia  da  emoção  
-­‐  o  sistema  límbico  está  envolvido  com  
a  natureza  afetiva  das  sensações,  
relacionando-­‐se  à  recompensa  ou  
punição;  

-­‐  Centros  de  recompensa:  placidez  e  


tranquilidade;  

-­‐  Centros  de  punição:  desprazer,  


medo,  terror,  dor,  punição  e,  até  
mesmo,  enjoo.  
Fisiologia  da  emoção  

-­‐  os  centros  de  recompensa  e  punição  sem  dúvida  se  constituem  


nos  controladores  mais  importantes  das  nossas  atividades  
9ísicas,  nossos  desejos,  nossas  aversões  e  nossas  motivações;  
Hipotálamo  

representa  menos  de  1%  da  massa  encefálica  e  é  uma  das  áreas  mais  
importantes  do  sistema.  Controla  funções  vegetativas  e  endócrinas  do  corpo,  
bem  como  muitos  aspectos  do  comportamento  emocional:  fome,  sede,  
saciedade,  desejo  sexual,  entre  outros.    
Amígdala  

-­‐  a  estimulação  de  alguns  do  seus  


núcleos  pode  promover  reações  de  
recompensa  e  prazer.  Outras  
porções,  se  estimuladas,  pode  causar  
atividade  sexual  que  inclui  ereção,  
movimentos  copulatórios,  
ejaculação,  ovulação,  atividade  
uterina  e  parto  prematuro;  
-­‐  Projeta  para  o  sistema  límbico  o  
estado  atual  de  uma  pessoa  a  
respeito  de  seu  ambiente  e  
pensamentos,  ou  seja,  a  amígdala  faz  
com  que  a  resposta  comportamental  
de  uma  pessoa  seja  adequada  a  cada  
ocasião.    
 
Síndrome  de  Kluver-­‐Bucy  

O  animal  não  tem  medo  de  nada;  tem  extrema  curiosidade;  esquece  rapidamente;  
tem  a  tendência  de  colocar  tudo  na  boca  e  até  mesmo,  tenta  comer  objetos  sólidos;  
apetite  sexual  forte  faz  com  que  tente  copular  com  animais  de  outras  espécie.    
Síndrome  de  Kluver-­‐Bucy  
Timo=Energia Vital

•  Responsável  pelas  emoções;  

•  É  um  órgão  linfático  localizado  na  


porção  ântero-­‐superior  da  
cavidade  torácica.  É  vital  contra  a  
autoimunidade.  Ao  longo  da  vida,  
o  timo  involui  (diminui  de  
tamanho)  e  é  substituído  por  
tecido  adiposo  nos  idosos,  o  que  
acarreta  na  diminuição  da  
produção  de  linfócitos.  
Cognição  da  emoção  
 
-­‐  Impulso:  De  certo  o  processamento  emocional  pode  ignorar  
processos  cognitivos  mais  elevados,  ou  seja,  você  pode  
experimentar  diversas  emoções  de  forma  rápida  e  direta  
sem,  necessariamente,  pensar  sobre  elas  ou  ter  
consciência  de  por  que  está  se  sentindo  de  determinada  
maneira.  Ex.:  vi  a  cobra,  9iquei  com  medo,  sai  correndo;      
O  estranho  caso  de  Phineas  Gage  

O  homem  amável  e  eCiciente  tornou-­‐se  


irreverente,  impaciente,  fácil  de  estressar  e  
não-­‐conCiável.    
Cognição  da  emoção  

Córtex  Pré-­‐Frontal  (CPF)  


Cognição  da  emoção  
Cognição  da  emoção  

-­‐  o  CPF  consegue  distinguir  entre  as  respostas  emocionais  mais  


socialmente  adaptativas,  ou  seja,  temos  condições  de  escolher  as  
alternativas  de  como  nos  comportamos  emocionalmente  na  vida.    

Atitude:  um  ato  inteligente  


Somos  responsáveis  por  nossos  pensamentos,  
sentimentos  e  atitudes  
Cognição  da  emoção  

-­‐  As  reações  emocionais  são  in9luenciadas  pelo  modo  como  


interpretamos  as  situações:  se  interpretarmos  uma  situação  
como  ameaçadora  tendemos  a  ter  reações  emocionais  de  
acordo  com    essa  interpretação  e  não  de  acordo  com  o  
perigo  “real”  que  essa  situação  representa;    
A  impressão  que  você  tem  das  pessoas  que  
conheceu  e,  até  mesmo,  suas  memórias  de  
acontecimentos  passados  são  vistas,  em  grande  
parte,  de  acordo  com  a  sua  afetividade.    
 
Se  você  é  negativo  e  deprimido,  suas  
memórias  provavelmente  serão  
desagradáveis.      
 
A  pessoa  deprimida  ou  pessimista  vê  um  copo  de  
água  pela  metade  como  meio  vazio.  Um  otimista,  
por  sua  vez,  vê  o  copo  como  metade  cheio.    
EMOÇÕES = SAÚDE QUÂNTICA

•  Trabalhos  recentes  ligados  a  psiconeuroimunologia  mostram  a  


interconexão  entre  o  cérebro  emocional  (límbico),  o  sistema  
imunológico  (glândula  timo),  o  sistema  endócrino  (suprarrenais)  
e  o  sistema  nervoso  central;    

•  Portanto,   quando   atribuímos   signi9icado   a   algo,   seja   positivo   ou  


negativo,   criamos   as   moléculas   da   emoção   (neuropeptídeos)   que  
levam   a   informação   para   todas   as   células   do   corpo,   podendo  
fragilizar  ou  fortalecer  o  nosso  sistema  imunológico.;  

•  As   recentes   descobertas   na   área   da   epigenética   evidenciam   o  


poder   das   crenças,   padrões   arraigados   e   pensamentos  
sobre  a  nossa  condição  de  saúde  e  bem-­‐estar.  
Ideias  negativas  

•  O   timo   9ica   tentando   reagir   e   enfraquece,   abrindo   brechas  


para  sintomas  e  sintonias  de  baixa  imunidade,  como  herpes,  
in9lamações   gerais,   tumores,   desequilíbrio   hormonal,  
depressão,   revolta,   raiva,   etc;   Em   compensação,   ideias  
positivas   conseguem   uma   ativação   geral   do   timo   em  
todos  os  poderes,  expandindo  saúde  e  felicidade;  
Carl  Jung  

(...)  o  ato  de  imaginar    em  termos  alquímicos  


era  percebido  como  uma  atividade  que  não  
criava  simplesmente  fantasia,  mas  sim  
produzia  algo  mais  corpóreo,  um  “corpo  sutil”,  
semi-­‐espiritual  na  sua  natureza    
(Jung,  1984).    
 
Do  livro  "Companheiro",  Francisco  C.  Xavier,  pelo  Espírito  
Emmanuel  
 
•  Não  raro,  encontramos,  aqui  e  ali,  os  irmãos  doentes  por  
desajustes  emocionais.  Quase  sempre,  não  caminham.  
Arrastam-­‐se.  Não  dialogam.  Cultuam  a  queixa  e  a  lamentação.  

•  Insegurança,  con9lito  íntimo,  frustração,  tristeza,  desânimo,  cólera,  


inconformidade  e  apreensão,  com  outros  estados  negativos  da  alma,  
espancam  sutilmente  o  corpo  Císico,  abrindo  campo  a  moléstias  de  
etiologia  obscura  dilapidando  o  cosmo  orgânico.  
Para  administrar  a  emoção,  o  “EU”  deve  praticar  a  técnica  do  DCD  
(duvidar,  criticar,  determinar).    
 
Deve  rapidamente  duvidar  dos  seus  pensamentos  perturbadores,  
duvidar  do  conteúdo  doente  das  suas  emoções.    
 
Deve  questionar  os  motivos  da  sua  reação,  criticar  sua  ansiedade,  
exigir  ser  livre  naquele  momento  e  resgatar  a  liderança  do  “EU”.    
 
Se  o  “EU”  não  duvidar  e  criticar  as  peças  teatrais  doentes  que  se  
encenam  na  sua  mente,  ele  vai  ser  sempre  vítima  das  suas  mazelas  
psíquicas  e  dos  seus  transtornos  emocionais  (Zenon  Lotufo  Jr.  e  
Francisco  Lotufo  Neto,  2001).    
O  aprendiz  do  evangelho,  que  busca  localizar  as  ocorrências  da  emoção,  
deve  dirigir  as  suas  atenções  para  as  manifestações  do  campo  
emocional.  É  esse  o  seu  terreno  de  trabalho,  é  nele  que  
conscientemente  vai  exercendo  o  seu  domínio,  refreando,  inicialmente,  
seus  impulsos,  para  controlar-­‐se  e,  em  seguida,  trabalhando  
mentalmente  de  forma  a  dosar,  com  conhecimento,  novas  disposições,  
novos  sentimentos,  como  alguém  que  substitui  uma  forte  violência  por  
uma  vibração  suave  de  carinho  e  amor  (Ney,  2006;  página  92).  

Vigiai  e  orai!  
 
-­‐  Emoções  em  excesso  são  desadaptativas:  medo,  raiva,  tristeza,  
angústia  e  euforia  podem  contribuir  e,  até  mesmo,  de9inir  
transtornos  psicológicos;  

-­‐  Medo  excesso:  transtornos  de  ansiedade;  


-­‐  Estresse  em  excesso:  transtorno  de  pânico;  
-­‐  Excesso  de  ativação  do  eixo:  depressão;    
O  que  fazer?  
Carl  Jung  
A  imaginação  fornece  a  chave  para  a  saúde  mental:  
projetar  e  tornar  realidade  os  conteúdos  do  inconsciente  
que  não  existem  na  natureza.  Os  conteúdos  do  
inconsciente  têm  um  caráter  (arquetípico  da  
personalidade  e  da  relação  com  a  espiritualidade).  
 
 O  meio  pelo  qual  esta  meta  se  realiza  é  expresso  
adequadamente  pelo  símbolo,  pelas  emoções,  pela  
criatividade,  pelo  amor  incondicional  (Jung,  1998).  
 
 Para  Jung  (1979)  a  relação  com  o  ser  simbólico  e  a  
conexão  espiritual  expande  as  nossas  emoções  criativas  e  
de  essência  e  extingue  as  nossas  patologias  tanto  da  
consciência  quanto  do  inconsciente  mais  profundo.    
 
Eles  que  não  eram  espíritas,  mas  sim  pensadores,  
apontam  que  já  existia  uma  partícula  divina  que  rege  
por  nós.    
 
Do  livro  "Companheiro",  Francisco  C.  Xavier,  pelo  Espírito  
Emmanuel  
 
-­‐  Se  consegues  aceitar  a  existência  de  Deus  e  a  prática  salutar  
dessa  ou  daquela  religião  em  que  mais  te  reconfortes,  
preserva-­‐te  contra  semelhante  desequilíbrio...  

-­‐  Começa,  aceitando  a  própria  vida,  tal  qual  é,  procurando  


melhorá-­‐la  com  paciência,  disciplina  e  caridade.  Aprende  a  
estimar  os  outros,  como  se  te  apresentem  por  vestimentas  e  
estado  evolutivo.  

-­‐  Dedica-­‐te  ao  trabalho  em  que  te  sustentes,  sem  desprezar  a  
pausa  de  repouso  ou  o  entretenimento  que  te  restaurem  as  
energias.    
•  Do  livro  "Companheiro",  Francisco  C.  Xavier,  pelo  Espírito  
Emmanuel  

-­‐  Serve  ao  próximo  tanto  quanto  puderes.    


Detém-­‐te  no  lado  melhor  das  situações  e  das  pessoas,  
esquecendo  o  que  te  pareça  inconveniente  ou  desagradável;    
-­‐  Não  carregues  ressentimentos;  
 -­‐  Cultiva  a  simplicidade,  evitando  a  carga  de  complicações  e  de  
assuntos  improdutivos  que  te  furtem  a  paz;    
 -­‐  Admita  o  fracasso  por  lição  proveitosa;    
 -­‐  Esperança  e  alegria  no  servir;    
-­‐  Cuidado  com  a  fala  destrutiva  e  maledicências,  esse  ato  pode  
desequilibrar  suas  emoções;    
 
Do  livro  "Companheiro",  Francisco  C.  Xavier,  pelo  Espírito  
Emmanuel  
 
 
Trabalhando e servindo sempre, sem esperar outra recompensa
que não seja a bênção da paz na consciência própria, nenhuma
tensão emocional te criará desencanto ou doença, de vez que se
cumpres o teu dever com sinceridade, quando te falte força,
Deus te sustentará e onde não possas fazer todo o bem que
desejas realizar Deus fará sempre a parte mais importante!...
•  ESE  (Capítulo  XV:  “Fora  da  caridade  não  há  salvação;  
página  58)  

Toda a moral de Jesus se resume na caridade e na humildade,


isto é, nas duas virtudes contrárias ao egoísmo e ao orgulho.
Em todos os ensinamentos ele mostra essas virtudes como
sendo o caminho da felicidade eterna e do controle total das
nossas emoções positivamente (...)  
Reforma  íntima?  
Lei  de  Amor  
 
-­‐  Música:  Jason  Mraz  
Love  someone  
 
Vídeo:  
 
https://www.youtube.com/watch?v=kuBNEs-­‐1vTc  
 
https://www.youtube.com/watch?v=9uZ8TDhq7vE  
Referências Bibliográficas

 
•   REICH,  Wilhelm.  Análise  do  caráter.  São  Paulo:  Mar@ns  Fontes,  2009.  

•  Zenon  Lotufo  Jr.  e  Francisco  Lotufo  Neto  “Uma  Teoria  Teleológica  das  Emoções”,  
Revista  de  Psiquiatria  Clínica,  Vol.  28,  No.  6,  2001.