Você está na página 1de 14

Direito da Infância e da Juventude

Unidade 01
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

Créditos

Núcleo de Educação a Distância


O assunto estudado por você nessa disciplina foi planejado pelo professor conteudista, que é o
responsável pela produção de conteúdo didático, e foi desenvolvido e implementado por uma equipe
composta por profissionais de diversas áreas, com o objetivo de apoiar e facilitar o processo ensino-
aprendizagem.

Coordenação do Núcleo de Educação Roteiro de Áudio e Vídeo


a Distância José Glauber Peixoto Rocha
Lana Paula Crivelaro Monteiro de Almeida
Produção de Áudio e Vídeo
Supervisão Administrativa José Moreira de Sousa
Denise de Castro Gomes
Identidade Visual / Arte
Produção de Conteúdo Didático Francisco Cristiano Lopes de Sousa
Anarda Pinheiro Araújo Viviane Cláudia Paiva Ramos
Ana Paula Araújo de Holanda
Programação / Implementação
Cláudio Alcântara Meireles Júnior
Jorge Augusto Fortes Moura
Diane Espindola Freire Maia

Design Instrucional Editoração


Andrea Chagas Alves de Almeida Camila Duarte do Nascimento Moreira

Projeto Instrucional Revisão Gramatical


Bárbara Mota Barros Luís Carlos de Oliveira Sousa

O trabalho Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01: O Direito da Infância e da Juventude de Anarda Pinheiro Araújo, Ana Paula
Araújo de Holanda, Cláudio Alcântara Meireles Júnior, Diane Espindola Freire Maia, Núcleo de Educação a Distância da UNIFOR está
licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

2
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

Sumário

1. Conceito 3

2. Evolução Histórica 4

3. Autonomia Didática, Legislativa e Jurídica 8

4. Princípios Fundamentais: 9

4.1 Princípio da Prioridade Absoluta 9

4.2 Princípio do Melhor Interesse 10

4.3 Princípio da Municipalização 11

Referências 13

3
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

Unidade 01 - O Direito da Infância e da Juventude

Olá, seja bem-vindo à Nota de Aula da 1ª unidade da disciplina de Direito da Infância e da Juventude.
Para alcançar uma melhor compreensão do assunto, é importante que você acompanhe a web-aula, pois lá você tem acesso a
vídeos e quizes sobre a temática da unidade, além de dicas e complementos sugeridos no decorrer da disciplina. Boa leitura!

Discutir os direitos da infância e da juventude, explicando suas


autonomias, princípios e relações com outras ciências.

Objetivo

1. Conceito
O Direito da Infância e da Juventude tem como objeto de estudo o tratamento jurídico dado às
crianças e adolescentes no Brasil, delimitando a autonomia desse ramo do Direito em relação aos demais,
analisando seus princípios, a evolução no tratamento da problemática infantojuvenil, bem como os diplomas
legais pertinentes.
Como será visto adiante, atualmente, o ramo do direito pátrio em estudo tem como enfoque
jurídico basilar a doutrina da proteção integral, respeitando a condição peculiar da criança e do
adolescente como pessoas em desenvolvimento, além de haver contemplado a concepção dos infantes
como sujeitos de direito.

A hodierna política brasileira no trato à infância e juventude trazida


pela Constituição Federal de 1988 e consolidada pelo Estatuto da
Criança e do Adolescente de 1990, fundamentou-se em um preceito
Importante que mudou todo o pensamento e estrutura legal que vigorava até
então: a Doutrina da Proteção Integral, a qual se baseia na ideia
de que a criança e o adolescente são considerados sujeitos de
direitos, devendo ser integralmente protegidos ao ser-lhes oferecida
prioridade absoluta e imediata.

4
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

Para que possamos melhor compreender a autonomia desse segmento, bem como seus princípios
norteadores e toda a lógica do sistema jurídico voltado à questão infantojuvenil, faz-se necessário, antes
de adentrarmos no estudo dogmático da legislação e dos institutos atuais, realizarmos um breve resgate
histórico do tratamento dado a esse segmento da sociedade na conjuntura pátria.

2. Evolução Histórica
Primeiramente, no que diz respeito aos escritos que descrevem o desenvolver da humanidade pela
perspectiva da história tradicional, inexistia espaço para a criança e o adolescente, sendo a sua presença
meramente secundária, geralmente como uma espécie de propriedade de sua família.
No que concerne ao lapso temporal compreendido entre o Brasil Colonial até o início da época
pós-independência, a autoridade paternal era absoluta, inclusive sendo permitido ao pai aplicar
castigos severos ao seu filho, conforme lhe melhor aprouvesse. Ainda nesse período histórico, existia certa
preocupação com os órfãos, inclusive com a utilização da chamada “Roda dos Expostos”, uma espécie
de mecanismo no qual a criança era deixada em instituições de caridade.
Já na fase do Brasil Império, a repressão aos infratores era a tônica do tratamento dedicado aos
infantes, inclusive com previsão de pena de morte por enforcamento, época em que a imputabilidade penal
ocorria aos sete anos de idade e a crueldade das penas era a principal característica da seara punitiva.
Ainda nesse período imediatamente após a independência, mais precisamente em 1823, foi assegurada
à mãe negra e escrava a possibilidade de permanecer com seu filho recém-nascido sob seus cuidados.
Entretanto, como fruto da sociedade escravagista dessa época, percebe-se que o escopo dessa medida não
seria assegurar à criança o convívio familiar, pois o que se pretendia era a manutenção das crianças sob o
poder do senhor de escravos, como propriedade, para tornar-se mais uma mão de obra no futuro.
Em 1871 ocorre a decretação da Lei do Ventre Livre, que concedeu liberdade aos escravos
nascidos no Brasil após sua data de promulgação. Porém, novamente, isso não representava grande ruptura
tampouco benesse. Até a idade de 8 (oito) anos, os filhos de mulheres escravas, chamados de ingênuos,
seriam sustentados pelos senhores, permanecendo em seu poder em troca de trabalho. Quando atingida
essa idade, poderia o proprietário entregá-lo ao Estado mediante indenização ou mantê-lo consigo até que
completasse 21 (vinte e um) anos, período no qual o ingênuo prestaria serviços gratuitos em contrapartida
ao sustento, ou seja, permanecia em regime servil (COSTA, 1986).
Posteriormente, já no período republicano, observa-se novamente o tratamento legal direcionado
às crianças e aos adolescentes com ênfase na lógica punitiva, isso por meio do Decreto nº 17.973-A de 12
de outubro de 1927, o chamado Código de Menores de 1927 ou Código Mello Mattos, nome dado em
razão de seu mentor, o jurista José Cândido de Albuquerque Mello Mattos.

5
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

No plano constitucional, a Carta Magna de 1934 foi pionei-


ra ao tratar do tema quando proibiu o trabalho para menores
de 14 anos. Mas Otenio, Otenio e Mariano (2008) lecionam
Importante que somente com o advento da Constituição de 1937 é que
se ampliou a proteção às crianças e adolescentes, sendo atri-
buída ao Estado a responsabilidade sobre aqueles em situa-
ção de carência.

Nessa linha, em 1942 – período especialmente autoritário do Estado Novo – foi criado o Serviço
de Assistência ao Menor (SAM), ligado ao Ministério da Justiça. O SAM tinha orientação correcional
e previa atendimento diferenciado para adolescentes autores de ato infracional (crime e contravenção) e
para menores carentes ou abandonados.
Para os adolescentes autores de atos infracionais, eram reservados os Internatos, Reformatórios e
Casas de Correção, já para os menores carentes ou abandonados, os Patronatos Agrícolas e Escolas de
Aprendizagem de Ofícios Urbanos. Pela forma como os infantes eram tratados nesses estabelecimentos e
nesse contexto social, o SAM adquire a imagem de repressor e desumano.
Em 1946 é promulgada a quarta Constituição Federal Brasileira, após o período ditatorial do
Estado Novo, retornando a democracia e propiciando que projetos com influência dos movimentos pós-
Segunda Guerra Mundial em favor dos direitos humanos influenciassem o tratamento dado à criança e ao
adolescente no Brasil, inclusive com a instalação em João Pessoa-PB do primeiro escritório do UNICEF
no Brasil, mais precisamente em 1950, voltado à proteção de crianças e gestantes do nordeste.
Entretanto, o Golpe Militar de 1964 viria a mudar radicalmente esse panorama ao interromper
o avanço da democracia no Brasil, o que na seara jurídica correspondeu à entrada em vigor dos Atos
Institucionais (AIs).
Na área da infância e da juventude, para substituir o SAM, a Lei nº 4.513, de 1964, criou a Fundação
Nacional do Bem-Estar do Menor (FUNABEM), que, apesar da nomenclatura aparentemente
progressista, nada mais era do que “um instrumento de controle do regime político autoritário exercido
pelos militares”, uma vez que “Em nome da segurança nacional buscava-se reduzir ou anular ameaças
ou pressões antagônicas de qualquer origem, mesmo se tratando de menores”, razão pela qual enquanto
perdurou a Ditadura Militar “a cultura da internação, para carentes ou delinquentes foi a tônica”, ou seja,
“A segregação era vista, na maioria dos casos, como única solução.” (AMIN, 2010, p. 7).
Nesse sentido, em 1979, foi publicada a Lei nº 6.697, o “Novo” Código de Menores, que indicava
a visão que então imperava, introduzindo o conceito de “menor em situação irregular”. Assim, infância

6
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

e juventude desamparadas eram vistas como detentoras de uma patologia social única, não fazendo
diferenciação entre as situações concretas distintas, ocasionando com que o menor se encontrasse nesta
chamada “situação irregular”.
Contudo, mesmo com a política autoritária presente na sociedade setentista, além de toda a repressão
de ideologias dissidentes, no final dos anos de 1970 e início dos anos de 1980, diversos movimentos sociais
resultantes das inquietações da sociedade descontente com a política imperante, assim como a consciência
humanista, começam a difundir-se, das quais decorre repúdio ético e político sobre a precária assistência
oferecida à infância e juventude fruto da PNBEM e do Código de Menores de 1979.
Esse momento histórico, o qual pode ser considerado de transição, nasce a perspectiva de que um
trabalho educativo e social destinado às crianças e adolescentes, aplicando alternativas e propostas vindas
da comunidade, poderia figurar como o início de uma mudança no panorama político nacional.
Entre 1982 e 1983, com o apoio do UNICEF, é implantado o Projeto Alternativas de Atendimento
a Meninos de Rua, por meio da sociedade civil organizada, que traz à discussão experiências bem-
sucedidas de trato com crianças e adolescentes que viviam nas ruas, despertando, assim, o interesse de cada
vez mais pessoas para esse assunto. Tais encontros serviam também como programas de capacitação no
atendimento e entendimento desses jovens que, pelas mais variadas circunstâncias, tinham como residência
as ruas das cidades.
O Projeto expandiu-se de tal forma que, em novembro de 1984, Brasília sediou o I Seminário Latino-
Americano de Alternativas Comunitárias de Atendimento a Meninos e Meninas de Rua que acabou tendo
como consequência, já em 1985, a criação da Coordenação Nacional do Movimento de Meninos e
Meninas de Rua.
Já em maio de 1986, aconteceu o I Encontro Nacional de Meninos e Meninas de Rua em que foram
debatidos assuntos como família, saúde, trabalho, escola, sexualidade e, principalmente, as denúncias de
violências praticadas por e contra os jovens.
Já no período de redemocratização, foi convocada uma Assembleia Nacional Constituinte que, ao
desenvolver uma nova carta maior para este país, terminaria por inserir em seu conteúdo os direitos da
criança e do adolescente no Brasil tendo como fundamento a Doutrina da Proteção Integral, que será
melhor estudada na Unidade II.
A respeito da Constituição Federal de 1988, sabe-se que é caracterizada por possuir conteúdo
extremamente amplo, exatamente por haver aglutinado durante o processo constituinte diversos atores
sociais. A Carta Magna definiu fins e objetivos para o Estado e a Sociedade, e, nessa linha, o Art. 227
trazido em seu bojo, no que diz respeito à proteção especial dedicada à infância, assim dispôs:

7
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao


jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à
profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e
comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração,
violência, crueldade e opressão.

Tal dispositivo constitucional foi fruto da pressão dos movimentos sociais e da sociedade civil
organizada, em especial o Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua (MNMMR). Na
verdade, com a abertura da Assembleia Constituinte, houve a previsão de mecanismos de participação
popular direta na formulação do texto constitucional. Era possível, por exemplo, a apresentação de
emendas populares ao anteprojeto de Constituição.

Dessa forma, o MNMMR, em conjunto com a Pastoral do


Menor, mobilizaram a sociedade brasileira conseguindo regis-
trar cerca de 1,5 milhão de assinaturas para a emenda popular
Importante denominada “Criança, prioridade nacional”. Tal emenda foi o
embrião para o supratranscrito e tão importante Art. 227.

Portanto, quando resgatamos a evolução histórica da normatização pertinente ao Direito da Criança


e do Adolescente no Brasil, os próprios sujeitos de direito, ou seja, essas crianças e adolescentes, por um
movimento popular organizado, tencionaram o Estado pela garantia desses novos direitos contemplados
na Constituição de 1988. Observou-se um verdadeiro protagonismo desses “menores”, estigmatizados,
ainda hoje, apesar da já positivada Doutrina da Proteção Integral.
Em consonância com a Doutrina da Proteção Integral surge a Lei nº 8.069, de 13 de julho de
1990, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Ao substituir o Código de Menores de 1979,
o ECA introduz uma série de transformações na política de atendimento à infância e à adolescência
brasileira, dando ênfase ao processo de descentralização e municipalização da política de atendimento
direto e destaca a participação da sociedade civil através de seus Conselhos e Fóruns, como será melhor
explicitado adiante (VERONESE, 1997).
Por fim, sintetizando de maneira muito apropriada, Válter Kenji Ishida (2014) distingue 3 (três)
diferentes períodos em relação ao direito brasileiro direcionado aos infantos, passando de um tratamento
apenas no campo criminal, ao momento da marginalização pela dita situação irregular, culminando com o
atual momento de maior vanguarda:
(I) o direito penal do menor; (II) o período do menor em situação irregular e, finalmente, (III)
o período da doutrina da proteção integral. O primeiro período tem como base a delinquência
menorista e abrange os Código Penais de 1830 e 1890. Passa pelo Código Mello de Mattos de 1927.
O segundo período inicia-se com o Código de Menores de 1979 (Lei nº 6.697/79), orientando o
chamado Direito do Menor. O art. 2º do Código de Menores definia as seis situações irregulares.

8
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

Finalmente, surge, como fase mais recente, a doutrina da proteção integral, com destaque para os
direitos fundamentais da criança e do adolescente. Dentre essas diretrizes, surge o próprio ECA,
passando a abranger uma gama variada de disciplinas voltadas à proteção dos direitos da criança e
do adolescente. (ISHIDA, 2014, p.7)

O ECA trouxe de forma mais profunda em seu conteúdo o disposto no Art. 227 da Carta Magna,
consolidando a Doutrina da Proteção Integral e o reconhecimento das crianças e dos adolescentes como
sujeitos de direitos e garantias fundamentais próprias, merecedores de uma legislação específica.

3. Autonomia Didática, Legislativa e Jurídica


Como visto no tópico anterior, no campo da positivação dos direitos concernentes às crianças e
adolescentes, passaram-se diversos períodos na história legislativa pátria, sempre refletindo as concepções
da sociedade em relação aos infantes. Nesse campo de estudo da dogmática jurídica, tanto os dispositivos
constitucionais dispostos na CF/88 como o ECA resultaram em quebra no paradigma de que o Direito
da Criança e do Adolescente era uma espécie de apêndice do Direito de Família ou mesmo do Direito Penal.
Arnaldo Vasconcelos leciona que (2006, p. 142): “a especialidade, e não a generalidade, é a condição
que se impõe à norma jurídica em face da realidade atual”, isso em razão do caráter do Estado Social de
cumprir as demandas específicas que surgem da realidade social.
Nesse azo, microssistemas jurídicos surgem para comportar as regulamentações especializadas,
dando cabo a distintos ramos do Direito, que constituem disciplinas autônomas, com sua própria rede de
institutos e base principiológica. Conforme Ishida (2014, p. 6), “a autonomia depende de uma legislação
específica e autônoma disciplinando a matéria, quando o ramo do Direito é constitucionalizado e finalmente
quando se torna disciplina regular nas Faculdades de Direito.”
No que diz respeito aos estudos realizados no âmbito da criança e do adolescente, é de extrema
relevância o avanço do pensamento social e jurídico da década de 1980, quando se visualizou a necessidade
de um ramo jurídico específico que se dedicasse atenção especial à infância e juventude no direito pátrio.
Fruto desse processo, como já dito anteriormente, foi o Art. 227 da Constituição Federal. Sobre o tema,
afirma Roberto Alves (2005, p. 10):

A CF inaugurou um verdadeiro sistema de proteção de direitos fundamentais que é próprio de


crianças e de adolescentes. Assim, estabeleceu princípios que viriam a se converter em diretrizes do
ECA: o reconhecimento de que crianças e adolescentes são sujeitos de direito.

Destaque-se ainda que no cerne da Constituição Federal e do ECA estão os princípios e garantias
assegurados pela Declaração Universal dos Direitos da Criança e do Adolescente, aprovada pelas

9
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

Nações Unidas em 20 de novembro de 1959, tendo o Brasil como seu signatário. Assim, passaram a figurar
como responsáveis pela infância e juventude de sua nação, o Estado e a Sociedade, os quais têm como
obrigação realizar os deveres e compromissos postos a seu cargo um direito inalienável.

Importante perceber que antes da Constituição de 1988 o ramo


do Direito ora estudado, e atualmente dotado de plena autono-
mia, estava incorporado ao Direito de Família de tal maneira que
Importante somente poderia ser exercido por meio da atuação do pai ou da
mãe, ou seja, era como se a criança sem família não fosse titular
de direito qualquer (CHAVES, 1997).

Não por acaso, nos atuais diplomas legislativos, como nos dispositivos de nossa hodierna Constituição,
as crianças e adolescentes passaram a ser considerados não como meros objetos de tutela, controle
ou repressão, mas como sujeitos de direitos, pessoas em condição de desenvolvimento, promovendo a
infância brasileira de “menor em situação irregular” para cidadãos de direitos e garantias.
Portanto, não restam dúvidas a respeito da autonomia dessa seara jurídica dedicada ao direito dos
infantes, dotada de legislação específica e institutos próprios. No entanto, cabe ressaltar que está intima e
intrinsecamente correlacionada com outros campos do conhecimento, tais quais: psicologia, sociologia,
assistência social, pedagogia, dentre outros.

4. Princípios Fundamentais: Princípio da Prioridade Absoluta. Princípio


do Melhor Interesse. Princípio da Municipalização.
Inicialmente, destaque-se que ao utilizarmos a terminologia princípio o critério utilizado é o da
generalidade dessa categoria de norma, e não da maneira de aplicação ou de sua estrutura. Por conseguinte,
princípios são aqui considerados como aquela categoria de normas dotadas de intenso conteúdo axiológico,
que constituem os fundamentos do sistema jurídico de proteção à criança e ao adolescente, detentoras de
maior grau de generalidade comparativamente às regras.

4.1 Princípio da prioridade absoluta

Passando à análise do princípio da absoluta prioridade dos direitos das crianças e dos adolescentes,
diga-se que foi instituído pela primeira vez no direito positivo brasileiro por meio da CF/88, mais
precisamente em seu Art. 227, cujo teor foi em parte reproduzido no Art. 4º do ECA. Sobre o referido
princípio, leciona Andréa Amin (2010, p. 20):

10
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

Estabelece primazia em favor das crianças e dos adolescentes em todas as esferas de interesses. Seja
no campo judicial, extrajudicial, administrativo, social ou familiar, o interesse infanto-juvenil deve
preponderar. Não comporta indagações ou ponderações sobre o interesse a tutelar em primeiro
lugar, já que a escolha foi realizada pela nação através do legislador constituinte.

Essa prioridade absoluta deve ser assegurada pela família,


sociedade e Estado, ou seja, não compete somente ao
poder público o dever de assegurar a efetivação dos direitos
Importante fundamentais da criança e do adolescente, tal responsabilidade,
que tem status de absoluta prioridade, é também da família, da
comunidade, enfim, da sociedade em geral.
Pode-se tabular o Estado Brasileiro no segmento de Estado
do bem-estar social, uma vez que assume o papel de agente
da promoção social, ou seja, esperam-se prestações positivas
que garantam os diversos direitos sociais constitucionalmente
garantidos. Entretanto, a responsabilidade de protetividade e
prioridade aos infantes não é somente do agente público ou das
autoridades respectivas, mas da sociedade como um todo, como
atores sociais que somos.

Nesse azo, repita-se que não só o Estado, mas a sociedade como um todo, incluso seu núcleo basilar,
a família, devem atuar de maneira a concretizar a proteção integral da infância e da juventude, contribuindo
para a consecução da efetividade dos direitos fundamentais da criança e do adolescente, movidos por essa
lógica da corresponsabilidade social, ganhando a sociedade civil organizada especial protagonismo.
No que tange à atuação do poder público, interessante observar que a própria lei, por meio do
parágrafo único do Art. 4º do ECA, elencou o que compreenderia a garantia de prioridade. Impede
destacar que se trata de um rol mínimo, ou seja, não é exaustivo, não determina as únicas situações possíveis
ou todos os casos específicos, em verdade, pode ser considerada como norma aberta, que possibilita ao
aplicador do direito realizar interpretação de amplitude alargada.

4.2 Princípio do melhor interesse

Quanto ao princípio do melhor interesse das crianças e dos adolescentes, trata-se de fundamento
basilar que deverá influir na interpretação de qualquer caso que envolva os infantes, como explica Andréa
Amin (2010, p. 28):
Trata-se de princípio orientador tanto para o legislador como para o aplicador, determinando
a primazia das necessidades da criança e do adolescente como critérios de interpretação da lei,
deslinde de conflitos, ou mesmo para elaboração de futuras regras.

11
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

O referido princípio está delineado no Art. 3º, Item 1, da Convenção Sobre os Direitos da Criança,
promulgada no Brasil pelo Decreto nº 99.710/90, in verbis: “Todas as ações relativas às crianças, levadas a efeito
por instituições públicas ou privadas de bem-estar social, tribunais, autoridades administrativas ou órgãos legislativos, devem
considerar, primordialmente, o interesse maior da criança.”
Destaque-se que, como o dever de assegurar os direitos fundamentais da criança e do adolescente é
partilhado pela família, sociedade e Estado, conforme prescrição constitucional, o referido princípio não
se restringe à atuação das autoridades governamentais, mas estende-se a todas as condutas referentes aos
diversos atores sociais, as quais deverão ser tomadas levando em consideração o que é melhor para o infante.
Importante ainda observar que o que é de melhor interesse da criança ou adolescente não necessariamente
coincidirá com o desejo do mesmo.
Tal princípio tem sido bastante utilizado como base de fundamentação de diversos julgados, em
especial em decisões que tratam de colocação em família substituta, tema que será abordado futuramente.
Dessa maneira, na análise do caso concreto, o julgador por vezes, no momento de decidir uma querela
quanto à guarda ou adoção do infante, leva em consideração o que considera do melhor interesse para o
desenvolvimento adequado do infante, mesmo que contrário ao próprio desejo deste.

4.3 Princípio da municipalização

O princípio da municipalização é prescrição contida no Art.. 204 da CF/88, ao tratar das ações
governamentais na área da assistência social, e é pertinente à seara jurídica da infância e juventude em
razão do § 7º do já exaustivamente referido Art. 227 da CF/88. Remeta-se novamente à lição de Andréa
Amin (2010, p. 29-30):

A municipalização seja na formulação de políticas locais, através do CMDCA [Conselho Municipal


de Direitos da Criança e do Adolescente], seja solucionando seus conflitos mais simples e resguardando
diretamente os direitos fundamentais infanto-juvenis, por sua própria gente, escolhida para integrar
o Conselho Tutelar, seja, por fim, pela rede de atendimento formada pelo poder público, agências
sociais e ONGS, busca alcançar eficiência e eficácia na prática da doutrina da proteção integral.

Trata-se de descentralização administrativa, contemplando os Municípios como corresponsáveis


pela gestão da política assistencial muito em razão da proximidade da população e conhecimento de suas
necessidades e aspirações.
Dessa forma, cabe aos Municípios a realização, em âmbito de base, dos programas de atenção
direta, que também poderão ser desenvolvidos pelas entidades não-governamentais que atuam em
âmbito municipal.
Por fim, diz-se que tal municipalização constitui um dos maiores avanços para a democratização
da sociedade brasileira, uma vez que importa na participação efetiva da população. Tanto é assim que

12
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

o Art. 227, § 6º da CF/88 regulamenta esta participação da população por meio de suas organizações
representativas, tanto na formulação como no controle das ações em todos os níveis.

Encerra-se aqui a 1ª unidade da disciplina do Direito da


Infância e da Juventude. Lembre-se de acessar sua web-aula,
e não esqueça que você ainda conta com o apoio do ambiente
Conversando virtual para esclarecer dúvidas e participar de discussões sobre a
temática aqui abordada. Boa aprendizagem!

13
Direito da Infância e da Juventude - Unidade 01

Referências

ALVES, Roberto Barbosa. Direito da Infância e da Juventude. São Paulo: Saraiva, 2005.

AMIN, Andréa Rodrigues. In MACIEL, Kátia Regina Ferreira Lobo Andrade (Coord). Cur-

so de Direito da Criança e do Adolescente. 4.ed. Rio de Janeiro: Ed. Lumen Juris, 2010.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1981.

CHAVES, Antônio. Comentários ao estatuto da criança e do adolescente. 2 ed. São Paulo: Ltr, 1997.

COSTA, Emília Viotti da. A Abolição. 1. ed. São Paulo: Global, 1986.

ISHIDA, Valter Kenji. Estatuto da Criança e do Adolescente: Doutrina e jurisprudência.

15. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 2012.

OTENIO, Cristiane Corsini Medeiros; OTENIO, Marcelo Henrique; MARIANO, Érika

Roberta. Políticas Públicas para Criança no Brasil. 2008. Disponível em <http://www.

jf.estacio.br/revista/edicao06/EC06_politicas_publicas.pdf>.

VASCONCELOS, Arnaldo. Teoria da Norma Jurídica. 6. ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2006.

VERONESE, Josiane Rose Petry. Temas de Direito da Criança e do Adolescente. São

Paulo: Ltr, 1997.

14