Você está na página 1de 120

NEWTON C.

BRAGA

Newton C. Braga

BANCO DE CIRCUITOS - Volume 27

100 CIRCUITOS
PARA O LAR

Editora
São Newton C. Braga
Paulo - 2014

Instituto NCB
www.newtoncbraga.com.br
leitor@newtoncbraga.com.br

1
100 CIRCUITOS PARA O LAR

BANCO DE CIRCUITOS – V.27 - 100 CIRCUITOS PARA O


LAR Autor: Newton C. Braga
São Paulo - Brasil - 2014
Palavras-chave: Eletrônica - Engenharia Eletrônica -
Componentes – Circuitos práticos – Coletânea de circuitos –
Projeto eletrônico – Domótica

Copyright by
INTITUTO NEWTON C BRAGA.

1ª edição

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial, por


qualquer meio ou processo, especialmente por sistemas gráficos, microfílmicos,
fotográficos, reprográficos, fonográficos, videográficos, atualmente existentes ou
que venham a ser inventados. Vedada a memorização e/ou a recuperação total ou
parcial em qualquer parte da obra em qualquer programa juscibernético
atualmente em uso ou que venha a ser desenvolvido ou implantado no futuro.
Essas proibições aplicam-se também às características gráficas da obra e à sua
editoração. A violação dos direitos autorais é punível como crime (art. 184 e
parágrafos, do Código Penal, cf. Lei nº 6.895, de 17/12/80) com pena de prisão e
multa, conjuntamente com busca e apreensão e indenização diversas (artigos
122, 123, 124, 126 da Lei nº 5.988, de 14/12/73, Lei dos Direitos Autorais).

Diretor responsável: Newton C. Braga


Diagramação e Coordenação: Renato Paiotti

2
NEWTON C. BRAGA

Índice
1 - Dimmer Incandescente................................................. 9
2 - Liga-Desliga AC Com SCR............................................ 10
3 -- Dimmer
4 Dimmer com
de 800 W......................................................
Indicador de Potência............................... 12 11
5 - Efeito de Chama......................................................... 13
6 - Efeito de Luz Incandescente......................................... 14
7 - Pisca Pisca Incandescente........................................... . 15
8 - Interruptor Noturno.................................................... 16
9 - Efeitos de Relâmpago.................................................. 17
10 - Efeito de Chama ou Vela............................................ 18
11 - Chave Acionada Por Luz............................................. 19
12 - Flasher de Ultra Baixo Consumo................................. 20
13 - Alarme de Chama..................................................... 21
14 - Alarme de Fumaça.................................................... 22
15 - Alarme de Incêndio................................................... 23
16 - Luz de Emergência com Alarme.................................. 24
17 - Luz de Emergência......... ........................................... 25
18 - Alarme de Falta de Energia........................................ 26
19 - Inversor Para Fluorescente com SCR........................... 27
20 - Pisca-Pisca Incandescente.......................................... 28
21 - Efeito de Luz com SCR............................................... 29
22 - Detector de Raios..................................................... 30
23 - Monitor de Tensão de Rede........................................ 31
24 - Alarme de Freezer..................................................... 32
25 - Alarme de Nível de Água............................................ 33
26
27 -- Eletrificador....................................................
Eletrificador com SCR...............................................
.......... 34
35
28 - Eletrificador de Cercas............................................... 36
29 - Campainha Eletrônica................................................ 37
30 - Sirene Para Alarme................................................... 38
31 - Interruptor Noturno.................................................. 39
32 - Interruptor Noturno (2)............................................. 40
33 - Luz Noturna Automática............................................ 41
34 - Luz de Emergência......... ........................................... 42

3
100 CIRCUITOS PARA O LAR

35 - Controle de Motor AC .......................................................... 43


36 - Fonte Para Furadeira ..........................................................44
37 - Termostato Simples com Histerese ...................................45
38 - Intercomunicador LM380 ....................................................46
39 - Amplificador de Distribuição de Som .................................47
40
41 -- Flasher
LED em Fluorescente V .......................................................48
220 V e 110 ........................................................... 49
42 - Amplificador de Antena ......................................................50
43 - Interface de Telefone Para Amplificador ...........................51
44 - Intercom Doméstico ...........................................................52
45 - Sensor de Presença ............................................................53
46 - Alarme de Maçaneta ...........................................................54
47 - Alarme de Chuva .................................................................55
48 - Alarme de Falta de Umidade ..............................................56
49 - Alarme de Enchente ............................................................57
50 - Alarme de Nível de Água ....................................................58
51 - Alarme de Gás e Fumaça.................................................... 59
52 - Alarme de Secura ................................................................60
53 - Indicador de Umidade ........................................................61
54 - Alarme de Chuva .................................................................62
55 - Indicador de Chuva .............................................................63
56 - Sensor de Pressão ou Batidas ............................................64
57 - Chave de Luz .......................................................................65
58 - Espanta Mosquito Ligado à Rede .......................................66
59 - Termostato ..........................................................................67
60 - Termostato de Alta Potência ..............................................68
61 - Simples Inversor para Fluorescente ..................................69
62 - Repelente de Insetos ..........................................................70
63 - Espantalho Ultrassônico .....................................................71
64 - Chave de Potência com Triac .............................................72
65 - Chave de Potência com Triac (2) .......................................73
66 - Luz de Emergência de 12 V ................................................74
67 - Detector de Cabos de Energia ...........................................75
68 - Detector de Cabos............................................................... 76
69 - Medidor de Potência Elétrica ..............................................77
70 - Termômetro Centígrado .....................................................78
71 - Termômetro Fahrenheit Bargraph .....................................79

4
NEWTON C. BRAGA

72 - Sensor Remoto de Temperatura ........................................80


73 - Prolongador de Toque .........................................................81
74 - Detector de Chamada Telefônica .......................................82
75 - Aquecimento Controlado por NTC .....................................83
76 - Egg Timer ............................................................................84
77
78 -- Transmissor para Link de
Controle de Aquecedor Som ..........................................85
....................................................... 86
79 - Monitor de Chamadas Telefônicas .....................................87
80 - Campainha Musical .............................................................88
81 - Campainha Digital de Toque ..............................................89
82 - Campainha Eletrônica .........................................................90
83 - Termostato para Freezer ....................................................91
84 - Alarme Telefônico ...............................................................92
85 - Minuteria para Lâmpada .....................................................93
86 - Sensor de Gás .....................................................................94
87 - Alerta de Tempestade .........................................................95
88 - Relé com Luz Pulsada .........................................................96
89 - Sensor de Chama ................................................................97
90 - Dimmer com Triac ...............................................................98
91 - Alarme de Inundação ou Água ...........................................99
92 - Alarme de Passagem com o 555 .....................................100
93 - Alarme Doppler .................................................................101
94 - Alarme de Água .................................................................102
95 - Dimmer Incandescente com Partida Lenta .....................103
96 - Amplificador Telefônico..................................................... 104
97 - Alarme de Umidade com o LM3909 .................................105
98 - Luz Noturna Automática ...................................................106
99 - Luz Automática para Campainha .....................................107
100 - Simulador de presença ...................................................113

5
100 CIRCUITOS PARA O LAR

Apresentação
O termo “coletânea de circuitos” foi abordado muitas vezes
durante nossa longa carreira como escritor de artigos e livros
técnicos, incluindo também informações. Assim, anteriormente,
abordando este tema, publicamos as séries “Circuitos e Informações”
(7 volumes) e “Circuitos e Soluções” (5 volumes) contendo centenas
de circuitos úteis e informações técnicas de todos os tipos. As séries
se esgotaram, o tempo passou, mas os leitores ainda nos cobram
algo semelhante atualizado e que possa ser usado ainda em projetos
de todos os tipos. De fato, circuitos básicos usando componentes
discretos comuns, de transistores a circuitos integrados, são ainda
amplamente usados como solução simples para problemas
imediatos, parte de projetos mais avançados e até com finalidade
didática atendendo à solicitação de um professor que necessita de
uma aplicação para uma teoria. Assim, voltamos agora com esta
série, mas com uma estrutura diferenciada, novos projetos e nova
abordagem. O diferencial na abordagem será dividir os diversos
volumes da série por temas. Assim, no nosso primeiro volume
tivemos circuitos de áudio, depois circuitos de fontes, no terceiro,
circuitos osciladores, e neste vigésimo sétimo, uma seleção de
circuitos para o lar, para instalações comerciais e mesmo industriais
de todos os tipos. Em nosso estoque de circuitos já temos mais de
6000 deles, muitos dos quais podendo ser acessados de forma
dispersa no site do autor e também em outros livros. A vantagem de
se ter estes circuitos organizados em volumes, além do acesso em
qualquer parte, está na fácil localização de um circuito de
determinado tipo. Teremos ainda artigos complementares de
utilidade, relacionados com os temas abordados. A maioria destes

circuitos,
ser muito colhidos em publicações
atuais, recebe que, em
um tratamento algunscom
especial casos, pode não
comentários,
sugestões e atualizações que viabilizam sua execução mesmo em
nossos dias. Enfim, com esta série, damos aos leitores a
oportunidade de ter em seus tablets, Iphones, Ipads, PCs, notebooks
e outras mídias uma fonte de consulta de grande importância tanto
para seu trabalho, como para seus estudos ou simples como hobby.

Newton C. Braga

6
NEWTON C. BRAGA

Introdução
Depois do sucesso da seção Banco de Circuitos no meu
site e das coleções esgotadas de Circuitos e Informações e
Circuitos selecionados
circuitos e Soluções, levo aos meus
de minha enormeleitores uma
coleção decoletânea de
documentos
técnicos e livros. Durante minha vida toda colecionei
praticamente todas as revistas técnicas de eletrônica
estrangeiras, dos Estados Unidos, França, Espanha, Itália,
Alemanha, Argentina e até mesmo do Japão, possuindo assim um
enorme acervo técnico. Não posso reproduzir os artigos
completos que descrevem os projetos que saem nessas revistas,
por motivos ditados pela lei dos direitos autorais, mas a mesma
lei permite que eu utilize uma figura do texto, com citação,
comentando seu conteúdo para efeito de informação ou
complementação de um conteúdo maior. É exatamente isto que
faço na minha seção no site e também disponibilizo neste livro.
Estou selecionando os principais circuitos destas publicações,
verificando quais ainda podem ser montados em nossos dias,
com a eventual indicação de componentes equivalentes, fazendo
alterações que julgo necessárias e disponibilizando-os aos nossos
leitores. Para o site já existem mais de 8 000 circuitos, no
momento que escrevo este livro, mas a quantidade aumenta dia
a dia. Acesse o site, que ele poderá lhe ajudar a encontrar aquela
configuração que você precisa para seu projeto. Os 100 circuitos
selecionados para esta edição da série são apenas uma pequena
amostra do que você vai encontrar no site. Para esta edição
escolhemos
lar como uma remessa com 100 circuitos
intercomunicadores, de utilidade
minuterias, parade
controles o
eletrodomésticos e muito mais. Estes circuitos podem ser
montados com facilidade pois usam componentes que ainda são
comuns no mercado e de baixo custo.

Newton C. Braga

7
100 CIRCUITOS PARA O LAR

Volumes Anteriores:
Volume 1 - 100 Circuitos de áudio
Volume 2 – 100 Circuitos de fontes
Volume 3 – 100 Circuitos osciladores
Volume 4 - 100 Circuitos de potência
Volume
Volume 56– 100 Circuitos
– 100 Circuitos de
comrádios
LEDse transmissores
Volume 7 – 100 Circuitos de Filtros
Volume 8 – 100 Circuitos de Alarmes e Sensores
Volume 9 – 100 Circuitos de Testes e
Instrumentação Volume 10 – 100 Circuitos de Tempo
Volume 11 – 100 Circuitos com
Operacionais Volume 12 – 100 Circuitos de
Áudio 2 Volume 13 – 100 Circuitos com
FETs Volume 14 – 100 Circuitos Diversos
Volume 15 – 100 Circuitos com LEDs e Displays
Volume 16 – 100 Circuitos de Potência 2
Volume 17 – 100 Circuitos Automotivos
Volume 18 – 100 Circuitos de Efeitos de Luz e
Som Volume 19 – 100 Circuitos Fotoelétricos
Volume 20 – 100 Circuitos de Fontes 2 Volume
21 – 100 Circuitos de Osciladores (2)
Volume 22 – 100 Circuitos Ecológicos e Para Saúde
Volume 23 – 100 Circuitos com Válvulas
Volume 24 – 100 Circuitos de Jogos e
Recreação Volume 25 – 100 Circuitos TTL
Volume 26 – 100 Circuitos CMOS
- Como Testar Componentes em quatro volumes
- Curso de Eletrônica Digital – Vol. 1 e 2
- Como Fazer Montagens
- Os segredos no Uso do Multímetro

8
NEWTON C. BRAGA

1- Dimmer Inc andes cente


Este circuito controla o brilho de lâmpadas incandescentes
até 400 W para os Triacs da série TIC226. O Diac é comum e o
circuito
alteradofunciona na rede
o capacitor de ao
junto 110diac.
V. Para a rede
O livro de um
é de 220 manual
V deve ser
de
tiristores americano de 1974. O choque pode ser feito com 40
espiras de fio 22 ou 24 num pequeno bastão de ferrite.
Importante: este circuito não deve ser usado com outros tipos de
lâmpadas.

9
100 CIRCUITOS PARA O LAR

2- Lig a-Des lig a AC Com S CR


Este circuito só serve para cargas resistivas como
lâmpadas incandescentes ou aquecedores. Os diodos da ponte
podem serqualquer
pode ser os 1N4004 ou 1N4007
da série para cargas
TIC conforme até 100
a carga W. O SCR
e a tensão de
alimentação. O circuito não tem isolamento da rede e a corrente
no comutador é muito baixa.

10
NEWTON C. BRAGA

3- Dimmer de 800 W
Com os componentes srcinais, sugeridos numa
documentação da Motorola de 1971, este circuito pode controlar
uma carga
um SBS de 800
(Silicon W. Podem
Bilateral ser usados
Switch) triacs
disponível, mais
mas modernos e
observando-se
as especificações novas de potência.

11
100 CIRCUITOS PARA O LAR

4- Dimmer com Indic ador de Potênci a


Este controle de brilho para lâmpadas incandescentes ou
de velocidade para motores foi encontrado numa publicação
inglesa de 1970.
diodos podem ser Podem ser usados
os 1N4007. triacs daem
Com alterações série
C4 TIC e os
o circuito
funcionará em 110 V. O circuito inclui um medidor de corrente na
carga.

12
NEWTON C. BRAGA

5- E feito de Chama
O circuito apresentado é de um manual de tiristores
americano de 1974, mas pode ser montado com SCRs da série
106, comoincandescentes
lâmpadas o C106 ou TIC106.
ligadas Oem
circuito
série faz com seu
variem que brilho
duas
rapidamente imitando uma chama ou mesmo vela. As lâmpadas
podem ser colocadas numa lareira artificial. O diodo pode ser o
1N4004 e as lâmpadas devem ter as potências indicadas ou
próximas, por exemplo, 60 W e 25 W que são valores mais
comuns.

13
100 CIRCUITOS PARA O LAR

6- E feito de Luz Incandes cente


Com o circuito apresentado, quando o brilho de uma
lâmpada diminui o da outra aumenta. Há uma transferência de
brilho,
tiristoresnum efeitomas
de 1974, especial.
pode serO montado
circuito com
é deTriacs
um da
manual de
série TIC
e diacs comuns. As lâmpadas devem ser obrigatoriamente
incandescentes com potência máxima de acordo com o triac
usado. Com alterações em componentes, o circuito funciona
também na rede de 220 V.

14
NEWTON C. BRAGA

7- Pis ca Pis ca Incandes cente


O comando do triac neste pisca-pisca de potência para
lâmpadas incandescentes é feito por um oscilador de relaxação
com lâmpada
duração neon. depende
das piscadas A frequência
de R2.depende
O circuitodofunciona
capacitor
em e110
a
V ou 220 V dependendo do Triac e do diodo. O circuito é de uma
publicação de 1989.

15
100 CIRCUITOS PARA O LAR

8- Interruptor Noturno
Com S1 fechado, ao escurecer o triac alimentará a carga
com a potência ajustada em R4. O LDR é comum e o Triac pode
ser qualquer
máxima um W,
de 600 da na
série TIC. O depende
verdade diac também é comum
do triac usado.eNão
a carga
use
lâmpadas eletrônicas neste circuito. O resistor de 500k pode ser
substituído pelo valor comercial de 470k.

16
NEWTON C. BRAGA

9- E feitos de R elâmpag o
Este circuito, encontrado numa publicação de 1978,
produz efeitos pulsantes numa lâmpada incandescente até 200
W. O SCR pode
Experimente valoresser o TIC106
diferentes parae oo capacitor
unijunçãode o102N2646.
nF até
obter os efeitos desejados.

17
100 CIRCUITOS PARA O LAR

10 - Efeito de Chama ou Vela


Este circuito foi obtido numa publicação de 1978, mas
pode ser montado com componentes atuais como o TIC106 para
oe SCR. As lâmpadasajusta
o potenciômetro devema ser obrigatoriamente
velocidade do efeito.incandescentes
As lâmpadas
neon podem ser de qualquer tipo.

18
NEWTON C. BRAGA

11 - Chave Acionada Por Luz


Este circuito é de uma documentação de 1968. Podemos
montá-lo com componentes mais modernos como um LDR
comum e transistores BC558, acionando lâmpadas de 6 V até 50
mA. A alimentação passa então para 6 V. A lâmpada pode ser
substituída por um LED com um resistor de330 ohms em série.

19
100 CIRCUITOS PARA O LAR

12 - Flasher de Ultra Baixo Consumo


Encontramos este circuito numa documentação técnica da
National Semiconductor. A lâmpada até 50 mA deve ter uma
tensão de trabalho de 3 V e o transistor pode ser o BC548. A
frequência das piscadas é controlada pelo potenciômetro. O
circuito pode ser usado como um pequeno estroboscópio.

20
NEWTON C. BRAGA

13 - Alarme de Chama
Conseguimos este circuito numa antiga publicação de
1978. O circuito usa um foto -transistor e um filtro infravermelho.
Os transistores NPN podem ser os BC548 e o foto-transistor de
qualquer tipo. A saída é compatível com lógica TTL.

21
100 CIRCUITOS PARA O LAR

14 - Alarme de Fumaça
Encontramos este circuito numa antiga documentação dos
anos 70, mas ele pode ser montado com componentes mais
modernos. Os transistores podem ser os BC558 e o SCR o
TIC106. Sugerimos utilizar relé em lugar do alarme e alimentar o
circuito com 12 V. O LDR pode ser comum e o trimpot de ajuste
R1 pode ser de 220 k. O detector acusa quando a passagem de
fumaça entre uma lâmpada e o LDR reduz a intensidade da luz.
D1 pode ser um diodo 1N4148 ou equivalente.

22
NEWTON C. BRAGA

15 - Alarme de Incêndio
Este circuito foi encontrado numa publicação americana
dos anos 70, mas pode ser montado com componentes
equivalentes mais modernos. O circuito usa um LDR para
detectar as labaredas e os transistores podem ser o BF245 para o
FET, BC548 para T2 a T6 e um BD135 para T7, acionando um
buzzer de alta potência ou outro dispositivo. O circuito também
pode ser adaptado para 12 V e os diodos são 1N4148 ou 1N4002.
O circuito possui dois ajustes, um normal e um ajuste fino. O
capacitor C1 pode ser de 22 uF e alimentação feita por bateria ou
fonte.

23
100 CIRCUITOS PARA O LAR

16 - Luz de Emergência com Alarme


Este artigo foi obtido numa revista inglesa de 2001. Ele
ainda pode ser montado, pois os componentes são atuais. Ele
ativa um sistema de aviso sonoro ao mesmo tempo em que
acende uma luz de emergência. Na presença de energia ele
mantém duas células de 1,2 em recarga. A lâmpada é de 2,2 V
com 200 mA, O tom do alarme é dado pelo capacitor de 10 nF
junto ao alto-falante.

24
NEWTON C. BRAGA

17 - Luz de Emergência
Este circuito foi obtido num manual de Tiristores de 1974.
O circuito acende uma luz de emergência alimentada por um
acumulador ou bateria quando a energia da rede é cortada. O
SCR é do tipo TIC106 e a lâmpada de 12 V. Podem ser usadas
várias lâmpadas. A bateria se mantém em carga constante
quando há energia da rede.

25
100 CIRCUITOS PARA O LAR

18 - Alarme de Falta de Energia


Encontramos este circuito numa Radio Electronics de julho
de 1990. O circuito dispara um buzzer e trava quando ocorre um
corte de energia. O buzzer é do tipo Sonalert de 9 V com
oscilador, mas em seu lugar pode ser conectado um oscilador de
áudio que alimente um transdutor piezoelétrico. O transistor pode
ser o BC548. O transformador tem secundário de 500 mA ou
mais.

26
NEWTON C. BRAGA

19 - Inversor Para Fluorescente com SCR


Este circuito é de uma publicação de 1967. Com ele é
possível alimentar uma lâmpada fluorescente a partir de uma
bateria de 12 V. O unijunção pode ser o 2N2646, o SCR o TIC106
e o diodo um 1N4004. T1 é enrolado num núcleo laminado e L1
tem aproximadamente 30 espiras de fio 26. O outro enrolamento
pode ser feito com fio 28 a 30.

27
100 CIRCUITOS PARA O LAR

20 - Pisca-Pisca Incandescente
Este circuito pode ser usado em sinalização de painel com
lâmpada incandescente comum. A lâmpada piscará numa
velocidade dada pelo capacitor de 10 uF e pelo resistor de 100 k
ohms. Estes componentes podem ser alterados numa ampla faixa
de calores. Da mesma forma, uma lâmpada de 12 volts permite
que o circuito funcione com esta tensão de alimentação.

28
NEWTON C. BRAGA

21 - Efeito de Luz com SCR


O circuito apresentado é de uma publicação antiga, dos
anos 70, mas pode ser montado com SCRs TIC106 e com
transistores unijunção 2N2646. Este circuito faz com que
lâmpadas pisquem segundo efeito especial que é dado pela
frequência dos transistores unijunção. As lâmpadas podem ser de
correntes ate 1 A e a tensão de alimentação é de 12 V ou pouco
mais para compensar a queda de 2 V nos SCRs.

29
100 CIRCUITOS PARA O LAR

22 - Detector de Raios
O sensor deste circuito é uma haste de 7 metros que capta
a descarga de um raio disparando um SCR que então trava um
relé. O circuito deve ficar longe de qualquer local em que existam
pessoas e a saída para o aviso externo feita com fio blindado
devidamente aterrado, pois a descarga direta é perigosa. O
circuito detecta raios que ocorram a uma certa distância do local.

30
NEWTON C. BRAGA

23 - Monitor de Tensão de Rede


Este circuito monitora a tensão de uma rede de 110 V
usando uma pequena lâmpada incandescente de 3 W e um
instrumento indicador. O circuito é de 1974. O zener é de 70 a
100 V com 10 W de dissipação e o diodo D1 pode ser o 1N4004.
D2 pode ser o 1N4148. Os resistores R2 e R3 têm valores em
torno de 10k, devendo ser obtidos experimentalmente.

31
100 CIRCUITOS PARA O LAR

24 - Alarme de Freezer
Este circuito emite bips quando o sensor é acionado pela
abertura da por do freezer ou em outras condições que podem
ser determinadas pelo usuário. O circuito é de uma Modern
Electronics de 1976. A alimentação pode ser feita com tensões de
6 a 12 V.

32
NEWTON C. BRAGA

25 - Alarme de Nível de Água


Encontramos este circuito numa revista inglesa de 1967, mas
ele pode ser montado com pequenas adaptações, como a troca dos
transistores por tipos mais modernos. TR1 e TR2 podem ser os
BC548 e BC558. TR3 e TR4 podem também ser BC558. O alto-
falante pode ser de 4 ou 8 ohms e alimentação também pode ser
feita com 6 ou 12 V de acordo com o relé usado.

33
100 CIRCUITOS PARA O LAR

26 - Eletrificador com SCR


Este circuito consiste num oscilador de relaxação com
lâmpada neon que dispara um SCR, gerando alta tensão num
transformador, que pode ser um fly-back ou uma bobina de
ignição. No caso da bobina a alimentação deve ser feita por fonte
isolada, pois ela consiste num auto-transformador, com
enrolamentos primário e secundário não isolados. O SCR pode ser
o TIC106 ou equivalente. Pode ser necessário ligar um resistor de
10k da comporta ao catodo do SCR caso seu disparo seja
constante.

34
NEWTON C. BRAGA

27 - Eletrificador
Este circuito foi encontrado numa antiga publicação
americana com tradução, do ano de 1969. O circuito consiste
num oscilador de relaxação com um SCR. Pode ser
experimentado um TIC106, mas eventualmente as oscilações não
ocorrerão. O transformador de alta tensão pode ser um pequeno
transformador de alimentação com primário de 110 ou 220 V e
secundário de 6 a 12 V de 200 a 500 mA.

35
100 CIRCUITOS PARA O LAR

28 - Eletrificador de Cercas
Este circuito é de um manual americano de 1974. Ele usa
um diac (Q1) e o SCR pode ser o TIC106. O transformador tem
secundário de 12 V com 500 mA e é ligado ao anodo do SCR
enquanto que o primário é de 220 V. T1 é um transformador de
isolamento e D1 um 1N4007. R1 é de 470 ohms a 1 k x 2 W e R2
de 47 k. C2 que determina a frequência é de 100 nF a 470 nF e
C1 um eletrolítico de 8 uF a 22 uF x 200 V. Qualquer dias pode
ser utilizado.

36
NEWTON C. BRAGA

29 - Campainha Eletrônica
Encontrei este circuito numa antiga documentação de
1982. O circuito tanto pode ser montado com o circuito integrado
srcinal 556 como com dois 555, já que o 556 nada mais é do
que um duplo 555. O transistor Q1 pode ser o BC548 e Q2 para
maior potência, sem a necessidade de R6 pode ser o BD135. O
circuito funcionará com tensões de 6 a 12 V e alterações em C1 e
C4 podem ser feitas para se modificar o som produzido.

37
100 CIRCUITOS PARA O LAR

30 - S irene Para Alarme


Os transistores T1 e T2 deste circuito podem ser os
BC558. T3 pode ser um BD135 e T4 um TIP42. O circuito produz
um
C2. tom
Estescontínuo cujapodem
capacitores frequência depende para
ser alterados dos capacitores C1 e
se obter o efeito
de som desejado. O circuito é de uma antiga publicação
americana de 1978.

38
NEWTON C. BRAGA

31 - Interr uptor Noturno


Este circuito para lâmpadas incandescentes é de uma
publicação dos anos 70, mas podem ser montado com SCRs da
série TIC106
pode ser para lâmpadas
o 2N2646 até 200
e T1 o BC558. W. O
O LDR transistor
é comum unijunção
devendo ser
apontado para o céu e instalado num tubo opaco. O diodo D1
pode ser o 1N4002. O circuito é alimentado por uma tensão de
12 V.

39
100 CIRCUITOS PARA O LAR

32 - Interr uptor Noturno (2)


O circuito mostrado na figura ativa uma pequena lâmpada
indicadora que passará a piscar quando a iluminação ambiente é
reduzida.
freqüênciaOdas
ponto de disparo
piscadas do circuito
é ajustada em éP2.
determinado
O sensor épor
umP1foto-
ea
transistor comum que, para maior eficiência deve ser montado
num tubo e apontado para o local em que se deseja monitorar a
luz. Esse sensor não pode receber a luz da própria lâmpada que
alimentada para que não ocorram realimentações, capazes de
instabilizar o circuito. Para lâmpadas até 50 mA pode ser usado
um BC548 e para lâmpadas de 200 mA a 1 A, deve ser usado um
Darlington de potência, como o TIP120, montado num radiador
de calor.O consumo em repouso é muito baixo. O consumo,
quando ativado, depende apenas da lâmpada usada. Assim, para
alimentação
bateria. de lâmpadas maiores deve ser usada fonte ou

40
NEWTON C. BRAGA

33 - Luz Noturna Automática


Este circuito, obtido numa publicação americana de 1978,
faz com que uma pequena lâmpada incandescente de 6 V acenda
quando a luzo principal
não deixar é apagada.escuro.
quarto totalmente Trata-seO de um recurso para
transformador tem
secundário de pelo menos 500 mA e T1 pode ser um BC548. T2
pode ser um BD136. O sensor pode ser qualquer LDR comum,
sendo o ajuste de sensibilidade feito em R5.

41
100 CIRCUITOS PARA O LAR

34 - Luz de E merg ência


Este circuito de uma antiga publicação americana usa um
transformador de 12 V e uma lâmpada incandescente num
sistema de acionamento
reversíveis. O SCR pode por ser
SCR.oO TIC106
relé devee ter
os dois contatos
diodos são
retificadores como os 1N4004. A lâmpada do sistema é de 200
mA ou mais, do tipo usado em interior de automóveis. Os
resistores R1 e R2 devem ser de fio com pelo menos 4 W de
dissipação.C1 é de 470 uF e PC1 é um LDR que impede que a luz
de emergência seja acionada se o ambiente estiver no claro
(durante o dia).

42
NEWTON C. BRAGA

35 - Controle de Motor AC
Os diodos da ponte deste circuito, encontrado numa
publicação de 1967, são de acordo com a corrente do motor. O
SCR
série também deve
TIC. O SCR serser
deve dedotado
acordodecom o motor
radiador servindo
e o motor ostipo
é do da
com enrolamento de campo e armadura. ST2 é um diac comum
de D1, D2 e D3 podem ser os 1N4004 ou 1N4007.

43
100 CIRCUITOS PARA O LAR

36 - Fonte Para Furadeira


Este circuito serve para alimentar pequenas furadeiras de
12 V usadas na furação de placas de circuito impresso e mesmo
serviços de gravações
tem secundário de 12 Vem
x 2canetas, placas,
A e o resistor etc.para
serve O transformador
uma posição
de menor corrente quando a chave S2 está aberta.

44
NEWTON C. BRAGA

37 - Termos tato S imples com His teres e


Este termostato foi encontrado numa publicação de 1997.
Ele pode ser alimentado por 6 V com o uso de um reed relé
sensível ou ainda
relé maior. umaé etapa
O sensor de potência
um KTY35, para
do tipo acionamentoque
semicondutor, de
pode ser o componente mais difícil de obter.

45
100 CIRCUITOS PARA O LAR

38 - Intercomunicador LM380
Este circuito foi obtido no Audio Handbook da National
Semiconduuctor de 1977. Os componentes Rc e Cc são
recomendados
usado pode ser paraqualquer
se obter maior
um doestabilidade. O transformador
tipo de saída de rádios
transistorizados. A estação remota não deve ficar a mais de 20
metros de distância. A tensão de alimentação pode ficar entre 8 e
20 V.

46
NEWTON C. BRAGA

39 - Amplificador de Dis tribuição de S om


Este circuito já foi apresentado a partir de manuais de
outros fabricantes. Este, especificamente é do Linear Databook
da Motorola de 1990. O circuito funciona com um buffer de
distribuição de sinais de áudio.

47
100 CIRCUITOS PARA O LAR

40 - Flas her Fluores cente


Este circuito, retirado do livro Robotics, Mechatronics and
Artificial Intelligence de Newton C. Braga, publicado nos Estados
Unidos, fazajustada
frequência uma pequena lâmpada fluorescente
no potenciômetro. Lâmpadas depiscar numa
4 a 15 W
podem ser usadas e a alimentação pode ser feita com tensões de
5 a 12 V. O transformador tem um enrolamento de 6 a 12 V com
corrente de 250 a 500 mA ligado ao transistor e um primário de
110 V ou 220 V ligado à lâmpada fluorescente.

48
NEWTON C. BRAGA

41 - LE D em 220 V e 110 V
Na verdade, este circuito foi srcinalmente criado para
alimentar um LED em 240 VAC que é a tensão da rede inglesa. O
circuito
montadoé com
de uma Electronics
facilidade, pois osWorld de 2002,são
componentes mas pode ser
comuns. No
site do autor existem diversos artigos que mostram como ligar
LEDs na rede de 110 V ou 220 V.

49
100 CIRCUITOS PARA O LAR

42 - Amplificador de Antena
Intercalado entre uma antena externa e a entrada de
antena de um receptor este circuito proporciona melhor recepção.
O
umcircuito
pouco serve
menospara receptores
de ganho, paradereceptores
ondas médias e curtas
de FM. e com
As conexões
de entrada e saída devem ser blindadas. Este circuito é de um
livro de Newton C. Braga.

50
NEWTON C. BRAGA

43 - Interface de Telefone P ara A mplificador


Encontramos este circuito numa Poptronics de fevereiro de
2000. Podemos fazer sua montagem usando 4 diodos 1N4001 na
ponte, LEDs de
fazer testes comqualquer cor e paradriver
transformadores o transformador
tirados de podemos
radinhos
transistorizados antigos. Este circuito funciona com telefones
analógicos, ou seja, com a conexão de sinal depois do modem
para os telefones digitais.

51
100 CIRCUITOS PARA O LAR

44 - Intercom Domés tico


Este simples intercomunicador de uso doméstico foi
encontrado numa publicação de 1979. Ele pode ser facilmente
montado comusar
interessante os transistores BC548
fonte em lugar de em lugar Os
bateria. dosalto-falantes
srcinais. Será
de
alta impedância podem ser substituídos por tipos de baixa
impedância, mas ligados ao circuito através de um pequeno
transformador de saída do tipo encontrado em rádios
transistorizados. A unidade remota não deve ficar a mais de 20
metros de distância e o cabo não precisa ser blindado.

52
NEWTON C. BRAGA

45 - S ens or de Presença
Este circuito ativa um relé, acendendo uma lâmpada
quando o sensor recebe luz. O sensor é um LDR grande de alta
tensão
relé de que pode
3 mA operar
x 10k paradiretamente
alta tensão.com 110 V, acionando
O retificador pode serumo
1N4004 e o transformador tem de 10 a 20 mA de corrente de
secundário, ou mais. R1 é de 5,6 ohms x 1 W e R3 de 10k x 5 W.
O potenciômetro é de fio de 22k.

53
100 CIRCUITOS PARA O LAR

46 - Alarme de Maçaneta
Este circuito é de um Electronics Handbook de 1992. O
circuito consiste num alarme para ser pendurado numa
maçaneta. A capacitância
dispara o circuito. K1 é um da
relémão de quem
sensível toca na maçaneta
e Os transistores podem
ser os BC558. A bobina pode ser enrolada com umas 30 espiras
de fio 20 num a forma de FI de rádio transistorizada antigo com
núcleo ajustável. Os capacitores devem ser cerâmicos. A
alimentação pode ser feita com 12 V se for usado um relé para
esta tensão.

54
NEWTON C. BRAGA

47 - Alarme de Chuva
Este circuito é de uma publicação de 1979. O sensor
consiste em placas ou telas que ao serem umedecidas deixam
passar
de altaa corrente. O transistor
impedância pode serpode ser o BC548
substituído por eum
o alto-falante
de baixa
impedância se for utilizado um transformador de saída. C2 que no
diagrama está indicado como 100 pF, na realidade é de 100 uF. O
amplificador operacional admite equivalente e o circuito pode ser
alimentado por bateria ou fonte.

55
100 CIRCUITOS PARA O LAR

48 - Alarme de Falta de Umidade


Quando os sensores X1 e X2 deixam de conduzir pela
secura do local monitorado, o oscilador formado por Q2 e Q3
entra
circuitoempode
ação servir
fazendo
de com que de
alarme o oscilador produzavasos
reservatórios, som. ou
O
canteiros. Na condição de repouso o consumo é muito baixo. O
circuito é do livro Science Fair Projects de Newton C. Braga.

56
NEWTON C. BRAGA

49 - Alarme de E nchente
Este circuito aciona um relé quando a água atinge os
sensores. O circuito é de uma revista Radio Eectronics de julho de
1990. Podemos
em lugar de Q4 usa
um em lugarO de
BC548. Q1 e R1
resistor Q2 pode
transistores BC548eme
ser alterado
função da sensibilidade desejada. Nunca alimente este circuito
com fonte sem transformador.

57
100 CIRCUITOS PARA O LAR

50 - Alarme de Nível de Ág ua
Este circuito também detecta vazamentos e chuva.
Encontrei-o numa revista inglesa de 1967, mas ele pode ser
atualizado com o Auso
BC558 e BC548. de transistores
alimentação pode mais modernos
ser feita com 6 como
ou 12 oVpar
de
acordo com o relé e o buzzer deve ser do tipo sonalert com
oscilador interno.

58
NEWTON C. BRAGA

51 - Alarme de G ás e Fumaça
O componente crítico deste alarme, obtido numa antiga
publicação de 1976, é o sensor. O Triac pode ser qualquer da
série
ajusteTIC e oser
pode transistor
de 2k2. pode ser um BC548.
O transformador temO1 potenciômetro de
A de corrente de
secundário e um enrolamento adicional de 1,2 V.

59
100 CIRCUITOS PARA O LAR

52 - Alarme de S ecura
Este circuito, de uma antiga documentação dos anos 70,
detecta quando a resistência entre os elementos sensores sobe
para além dos
transistores 10 ser
podem M ohms. O SCR
os BC558. Não pode ser este
alimente o TIC106
circuitoe por
os
fonte sem transformadores. Os sensores podem ser fio num vaso
ou ainda duas telas de arame tendo um tecido entre elas.
Compense a queda de 2 V no SCR em condução, se necessário.
Pode ser usado um relé de 12 V se a alimentação for aumentada
para este valor.

60
NEWTON C. BRAGA

53 - Indicador de Umidade
Este simples indicador de umidade pode ser usado em
vasos, canteiros e outros locais em que se deseja verificar a
condutividade. O indicador
funciona com tensões é um
mais baixas de LED
2 ou 4e pilhas.
o circuito também
Este simples indicador de umidade pode ser usado em
vasos, canteiros e outros locais em que se deseja verificar a
condutividade. O indicador é um LED e o circuito também
funciona com tensões mais baixas de 2 ou 4 pilhas.

61
100 CIRCUITOS PARA O LAR

54 - Alarme de Chuva
Encontramos este alarme numa publicação inglesa de
1978. Se bem que no srcinal a alimentação seja com 3 V, a
queda de 2 Vsugerimos
(Bell). Assim, no SCR praticamente
alimentar comtorna
6 V einoperante o buzzer
usar um buzzer de
3 V com oscilador, ou alimentar com 12 V e usar um relé. Os
transistores podem ser os BC548 e o SCR o TIC106.

62
NEWTON C. BRAGA

55 - Indicador de Chuva
Os sensores podem ser telas tendo entre elas tecido
poroso. Quando a água as umedece o circuito emite um som
determinado
na condição pelos capacitores
de espera. C1 e C2. O
O transistor consumo
pode ser oé BD135
muito baixo
e a
alimentação, na verdade, pode ser feita com tensões de 5 a 12 V,
sem problemas. O circuito é de um Electronics Handbook de
1990.

63
100 CIRCUITOS PARA O LAR

56 - S ens or de Press ão ou Batidas


Este circuito foi obtido numa Popular Electronics de 1991.
A revista não mais existe, mas o circuito pode ser montado com
amplificadores
faz uso de uma operacionais 741e um transistor
cápsula piezoelétrica BC548.deO pressão
como sensor circuito
ativando um buzzer. O circuito é alimentado por bateria de 9 V.

64
NEWTON C. BRAGA

57 - Chave de Luz
Este circuito controlado pela luz usa um relé de 6 V ou 12
V conforme a alimentação. O transistor pode ser o BC548 e o
amplificador
também pode operacional admiteouequivalente
ser o 1N4002 1N4004. Ocomo o 741.
sensor O diodo
é um LDR
comum e o ajuste de sensibilidade é feito em PR1. Para uma
faixa maior de ajustes use um trimpot de 100k. O circuito é de
uma publicação de 1980.

65
100 CIRCUITOS PARA O LAR

58 - E s panta Mos quito Li g ado à R ede


Este circuito produz o zumbido de um mosquito,
espantando as fêmeas da espécie que são as que picam. O
circuito
alterado épara
alimentado pela pela
alimentação rederede
de 220 V, mas
de 110 V. O C1 podeé ser
circuito de
uma revista italiana de 1984, mas pode ser montado com
facilidade, pois todos os componentes são comuns.

66
NEWTON C. BRAGA

59 - Termostato
O sensor deste circuito é um NTC de 20 a 50 k de
resistência na temperatura ambiente. O circuito é de uma
publicação de 1980 eO amplificadores
podem ser utilizados. relé é de 6 V e operacionais equivalentes
o ajuste do disparo é feito
em RV1. O transistor pode ser o BC548. O transformador tem um
secundário de 300 a 500 mA.

67
100 CIRCUITOS PARA O LAR

60 - Termos tato de Alta Potênci a


Este circuito foi encontrado numa publicação de 1967, mas
pode ser montado com um 2N2646 e qualquer triac da série TIC.
T1
CR5é um transformador
é um diodo zener de
dedisparo
12 V ecom relação
T um NTC de
de espiras
10 a 20de k1:1.
de
resistência na temperatura ambiente. O triac deve ser dotado de
radiador de calor. Os diodos da ponte podem ser os 1N4004.

68
NEWTON C. BRAGA

61 - S imples Invers or para Fluores cente


Este circuito faz com que lâmpadas fluorescentes de 4 a
20 W possam ser alimentadas por pilhas ou baterias, numa faixa
de 6 aé12
e P1 V. O transistor
ajustado para o Q2 deve ser
máximo dotado de radiador
de rendimento, de calor
em função do
transformador usado. O transformador tem secundário de 200 a
500 mA. O circuito é do livro Fun Projects for the Experimenter
de Newton C. Braga.

69
100 CIRCUITOS PARA O LAR

62 - R epelente de Ins etos


Este circuito é o tradicional oscilador com o 555 que
produz um zumbido no transdutor piezoelétrico, imitando o som
de
poisumnãoinseto. Com isso
suportam as fêmeas
o ruído. Este (que picam)
tipo de são afastadas,
aparelho tem sua
eficiência dependente do ajuste e do tipo de inseto, conforme
todas as versões que já vimos em artigos semelhantes. O simples
projeto é do livro Fun Projects for the Experimenter de Newton C.
Braga, publicado nos Estados Unidos.

70
NEWTON C. BRAGA

63 - E s pantalho Ultras s ônico


Este circuito usa um tweeter piezoelétrico para emitir um
potente som contínuo acima do limite audível, entre 20 kHz e 25
kHz.
A deO corrente.
ajuste é feito em P1 e adefonte
O MOSFET deve fornecer
potência admite pelo menos 2
equivalente,
devendo ser montado em radiador de calor. Podemos usar o
circuito em silos e outros locais para espantar animais que ouvem
ultrassons.

71
100 CIRCUITOS PARA O LAR

64 - Chave de P otência com Triac


Este circuito, bastante conhecido, por já estar presente em
outros pontos deste site é de uma Electronics Now de 1995. Com
ele podemos
sensores ligar corrente.
de baixa cargas deTR1potência
pode serusando interruptores
qualquer ou
Triac da série
TIC com corrente de acordo com a carga e tensão de acordo com
a alimentação, que também pode ser de 220/240 V. O Triac deve
ser dotado de radiador de calor.

72
NEWTON C. BRAGA

65 - Chave de Potência com Triac (2)


Este circuito, bastante conhecido, por já estar presente em
outros pontos deste site é de uma Electronics Now de 1995. Com
ele podemos
sensores ligar corrente.
de baixa cargas deTR1potência
pode serusando interruptores
qualquer ou
Triac da série
TIC com corrente de acordo com a carga e tensão de acordo com
a alimentação, que também pode ser de 220/240 V. Neste
circuito temos um circuito que deriva a tensão de controle da
rede de energia de modo que ela seja DC. O Triac deve ser
dotado de radiador de calor.

73
100 CIRCUITOS PARA O LAR

66 - Luz de E merg ênci a de 12 V


Este circuito é de uma publicação americana de 1978,
podendo ser montado atualmente com pequenas alterações. A
lâmpada principal
a GE-63 pode ser pode
uma ser uma lâmpada
lâmpada de 12 V de LEDs,
x 200 mAenquanto
de carroque
ou
mesmo um resistor de 47 ohms x 5 W. O circuito também tem
saídas para alimentar um rádio AM/FM de 12 V.

74
NEWTON C. BRAGA

67 - Detector de Cabos de E nerg ia


Este simples circuito que sensoria cabos de energia
(corrente alternada) pelo campo produzido foi encontrado numa
revista inglesa
facilidade, pois ode 2003. pode
MOSFET Ele ser
ainda pode sertipo.
de qualquer montado com
O sensor é
um pedaço de fio de uns 15 cm, formando uma pequena antena e
que serve para ”captar”o ronco AC, acendendo o LED. O MOSFET
pode ser de qualquer tipo.

75
100 CIRCUITOS PARA O LAR

68 - Detector de C abos
Com este circuito podem ser detectados cabos de energia
pela simples aproximação de PP. PP é uma antena ou pedaço de
fio. BZ é uma
consumo cápsula
muito baixopiezoelétrica
podendo ser de telefone. O circuito
alimentado tem um
por pilhas ou
bateria. Este detector saiu no livro Science Fair Projects de
Newton C. Braga.

76
NEWTON C. BRAGA

69 - Medidor de Potência E létrica


O circuito apresentado é do Linear Applications Handbook
da National Semiconductor de1994. Os transistores casados
fazem parte de um componente da época, podendo ser
substituído por transistores casados individuais.

77
100 CIRCUITOS PARA O LAR

70 - Termômetro Centíg rado


O termômetro para graus centígrados apresentado usa um
sensor da National Semiconductor. O amplificador operacional deve
ser de tipo estável (low drift). Encontramos esta configuração no
Linear Aplications Handbook da National de 1994.

78
NEWTON C. BRAGA

71 - Termômetro Fahrenheit B arg raph


O termômetro apresentado, para a escala Fahrenheit é do
Linear Applications Handbook da National Semicondcutor de
1994. O sensor LM34 não é fácil de obter e existe um equivalente
para escala Celsius.

79
100 CIRCUITOS PARA O LAR

72 - S ens or R emoto de Temperatura


Neste circuito de uma publicação de 1975 é usado como
sensor um transistor de silício. Podemos empregar um BC548. R1
eaproximadamente
R2 são da ordemmetade
de 10 k,daescolhidos paraem
alimentação se B.
obter
R5 uma
é da tensão
ordem
de 10k e R3, R4 é um divisor com resistor iguais de 10 k a 47 k.
A alimentação pode ser feita com tensões de 6 a 12 V. A carga
deve ser um resistor de 2k2.

80
NEWTON C. BRAGA

73 - Prolong ador de Toque


Este circuito foi obtido numa publicação de 1978. O SCR
pode ser o TIC106. O que ele faz é atuar como um monoestável
que
Destamantém
forma, oaoSCR disparado
acionar uma por um tempo
campainha comdado
um por
reléR1pore C1.
um
toque, no final da temporização o pulso do SCR põe em curto C2
desativando o relé. Eventualmente R2 deve ser alterado para se
obter o funcionamento desejado.

81
100 CIRCUITOS PARA O LAR

74 - Detector de C hamada Telefônica


Com o circuito mostrado na figura temos um sinal lógico
para acionamento de um dispositivo de chamada quando houver
sinal
usadodepara
chamada numa
disparar um linha
TRIACtelefônica.
ou outra Ocarga
circuito
de pode ser
potência
alimentada diretamente pela rede de energia com total
isolamento da linha telefônica. Observe que a alimentação do
setor receptor é feita com 5 V. O transistor 2N3906 é de uso
geral podendo ser substituído por equivalentes.

82
NEWTON C. BRAGA

75 - A quecimento Controlado por NTC


Encontramos este circuito numa velha documentação dos
anos 70, mas ele pode ser montado com componentes modernos.
T1
de pode ser um BC548 e T2deumresistência.
10k aproximadamente BC538. O sensor
O Triacé TM1
podeum
serNTC
da
série TIC com capacidade de corrente de acordo com o elemento
de aquecimento. Este componente deve ser montado num bom
radiador de calor. O NTC deve sensoriar a temperatura ambiente,
ajustada em R1. D1 pode ser um 1N4002 e o transformador X1
tem secundário de 200 mA ou mais de corrente. Para a rede de
220 V, o transformador deve ter primário de acordo com esta
tensão.

83
100 CIRCUITOS PARA O LAR

76 - E g g Timer
Este simples temporizador faz um LED piscar depois de um
intervalo da ordem de 7 minutos que é o tempo normal de
cozimento de seu
podendo ter um ovo. O circuito
tempo alteradoé pelo
de uma publicação
resistor R1. OdeMPF102
1974,
admite como equivalente o BF245 e o LED pode ser de qualquer
cor.

84
NEWTON C. BRAGA

77 - Trans mis s or para Li nk de S om


Com este circuito é possível implementar um sistema de
distribuição de som ambiente sem fio usando a rede de energia.
O circuito é sugerido
Applications Handbookpela National
de 1994. Semiconductor
A bobina pode serem seu Linear
enrolada com
300 espiras de fio 28 e tomada na 100 espira, com o secundário
formado por 40 espiras do mesmo fio no mesmo núcleo.

85
100 CIRCUITOS PARA O LAR

78 - Controle de Aquecedor
Este controle é do Circuit Applications for the Triac da
Motorola de 1971. Os Triacs podem ser equivalentes de acordo
com a potência
relação dode
de espiras aquecedor
1 para 1 enos
o transformador deOpulsos
3 enrolamentos. tem
unijunção
pode ser o 2N2646 e os diodos da ponte 1N4004 para a rede de
110 V. Para a rede de 220 V use 1N4007 e aumente R1 para 22k
x 2 W.

86
NEWTON C. BRAGA

79 - Monitor de Chamadas Telefônicas


Este circuito foi encontrado numa revista inglesa de 1985,
mas pode ser ainda montado com facilidade, pois os
componentes
registrar se nausados são comuns.
sua ausência ocorreuOo que este circuito
recebimento faz é
de alguma
chamada telefônica. Para ver, basta pressionar S3.

87
100 CIRCUITOS PARA O LAR

80 - Campainha Mus ical


Este circuito saiu numa revista inglesa de 1979, mas pode
ser montado com facilidade ainda hoje, pois os componentes
usados são pelo
substituídos comuns. Os transistores
BC548 para srcinais
TR1, BC558 para TR2 epodem ser
BD135 para
TR3. A alimentação deve ser feita com 6 V pois o circuito
integrado é TTL, mas existe um diodo redutor para 5 V no pino
14 através de TR2.

88
NEWTON C. BRAGA

81 - Campainha Dig ital de Toque


Este circuito foi publicado numa revista de 1979, mas
pode ser ainda montado com facilidade, pois os componentes são
comuns.
produzemOnocircuito
conjuntoé formado
um som por dois osciladores
intermitente CMOS que
para chamada. Q1
pode ser um BC547 e para alimentação acima de 6 V sugerimos
usar o BD135 para Q2. Não use fonte sem transformador para
alimentar este circuito.

89
100 CIRCUITOS PARA O LAR

82 - Campainha E letrônic a
Este circuito foi obtido numa revista Electrõnica Fácil da
Colômbia de 1986. Não sabemos se a revista ainda existe, mas o
circuito pode ser
pressionado, montado
o circuito comumfacilidade.
gera Quando osemelhante
sinal amortecido interruptor aé
um sino. O sinal gerado deve ser aplicado a um amplificador e a
fonte de alimentação deve ser simétrica de 6 a 9 V.

90
NEWTON C. BRAGA

83 - Termos tato para Freezer


Encontrei este circuito numa revista inglesa de 1979, mas
o circuito ainda pode ser montado com facilidade com um BC548
para TR1 e BD136 para TR2. O sensor é que pode ser um pouco
mais difícil de
da National obter, pois seOtrata
Semiconductor. do circuito
circuito integrado
aciona um LM3911
relé quando a
temperatura ajustada ultrapassa certo valor. Esse relé controla o
sistema de refrigeração.

91
100 CIRCUITOS PARA O LAR

84 - Alarme Telefônico
Encontrei este circuito numa antiga Radio Chassi
Television da Argentina, do ano de 1964. O circuito emprega
transistores
transistores de
degermânio, mas opode
silício como ser tentada
BC558 uma versão
e alteração com
em alguns
resistores. O transformador deve ter secundário de 6 V com pelo
menos 250 mA. O circuito só funciona com linhas analógicas
antigas e a bobina captadora colocada sob o telefone deve ter
umas 1 000 espiras de fio bem fino. O relé pode ser da série RL2
da Metaltex. SR1 pode ser um 1N4002.

92
NEWTON C. BRAGA

85 - Minuteria para Lâmpada


Este circuito é de uma revista francesa Electronique
Pratique de 1978. A revista não mais existe, mas o circuito ainda
pode ser Ele
srcinais. montado com uma
temporiza transistores
lâmpada BC548 e BC558 em
incandescente de lugar dos
varanda
ou de ouro local que acenderá por um tempo determinado por C1
quando o interruptor for pressionado por um instante. O circuito
só serve para lâmpadas incandescentes.

93
100 CIRCUITOS PARA O LAR

86 - S ens or de Gás
Este circuito foi obtido numa revista francesa Radio Plans
de janeiro de 1985. Pelos componentes que usa pode ser
montado com facilidade
crítico o sensor. ainda
Trata-se hoje,circuito
de um sendo que
o único componente
aciona um relé
quando gases combustíveis são detectados.

94
NEWTON C. BRAGA

87 - Alerta de Tempes tade


Este circuito foi encontrado numa revista italiana
Eletrónica Flash de setembro de 1987. Ele consiste num detector
eletrostático que faz
sensor. Esta antena de uma
detecta pequena
cargas do ar naantena externadecomo
aproximação uma
tempestade com raios acionando o relé. Alimente o circuito com
pilhas ou bateria, pelo perigo que representa de descargas. TR1
pode ser um BF245 e os demais transistores BC548. O relé é de
acordo com a alimentação, R1 de 5,6 k. C1 é de 75 pF e C2 de 22
uF.

95
100 CIRCUITOS PARA O LAR

88 - R elé com Luz Puls ada


Este circuito que opera com pulsos de luz de curta duração
foi obtido numa documentação técnica antiga, podendo ser
elaborado
transistor com
podetransistores modernos como
ser um equivalente os BC558.
moderno O foto-
também. A
alimentação pode ser feita com 12 V para ser utilizado um relé
com esta tensão.

96
NEWTON C. BRAGA

89 - S ens or de Chama
O circuito apresentado foi encontrado no Linear
Applications Handbook da National Semiconductor de 1994. O
sensor é um par termoelétrico e a saída é compatível com lógica
TTL.

97
100 CIRCUITOS PARA O LAR

90 - Dimmer c om Triac
Esta configuração de dimmer é bastante antiga, pois foi
encontrada numa publicação de 1967. O triac pode ser de tipo
mais moderno
1N4002. O triaccomo
deveum
serdadotado
série de
TICradiador
e o diodo
de pode
calor ser um
e para
triacs mais modernos a carga pode ter corrente bem maior, de
acordo com a capacidade do tipo escolhido.

98
NEWTON C. BRAGA

91 - Alarme de Inundação ou Ág ua
Este circuito foi obtido numa documentação técnica dos
anos 70, mas pode ser montado com um BC558 e um SCR da
série TIC. aLembramos
conduzir, que compensada
qual deve ser o SCR apresenta uma queda de
na alimentação. Em2 lugar
V ao
do alarme pode ser usado um relé. Sugerimos um relé de 6 V
com a alimentação de 9 V. O sensor consiste em fios ou barras de
metal que devem tomar contato com a água ou umidade para o
disparo. Não use fonte sem transformador para alimentar este
circuito.

99
100 CIRCUITOS PARA O LAR

92 - Alarme de Pass ag em com o 555


A interrupção da luz que incide no foto-transistor causa o
disparo deste circuito que pode ter como carga um reed relé ou
relé
relé maior com etapa depode
e o foto-transistor amplificação. A alimentação
ser de qualquer dependeé do
tipo. O circuito de
um manual da Mullard (Philips).

100
NEWTON C. BRAGA

93 - Alarme Doppler
Este circuito foi obtido numa publicação de 1989 e é bastante
simples de montar, mas crítico quanto ao funcionamento. Trata-se
de um transmissor sonoro e um receptor. O receptor detecta quando
o transmissor se move (ou o receptor se move) alterando o sinal
recebido pelo Efeito Doppler e com isso disparando o relé. O circuito
opera em 40 kHz exigindo assim o transdutor emissor e um receptor
para esta frequência.

101
100 CIRCUITOS PARA O LAR

94 - Alarme de Ág ua
Este alarme de enchente ou umidade foi encontrado numa
publicação inglesa de 1991. Ele ainda pode ser montado com um
BC548 em lugar
amplificador do 2N3704
de áudio tambéme admite
um 2N2646 para o unijunção.
equivalentes e com isso Oa
tensão de alimentação também pode ser alterada para valores
entre 6 e 12 V.

102
NEWTON C. BRAGA

95 - Dimmer I ncandes cente com P artida Lenta


Este circuito é de uma publicação dos anos 70, mas pode
ser implementado com componentes modernos como os triacs da
série
NPN eTIC, o 2N2646
BC558 para oscomo
PNP. unijunção, BC548 para
Os diodos podem os transistores
ser 1N4004 (110 V)
ou 1N4007 (220 V). O circuito pode operar na rede de 110 V e
220 V, mas apenas com lâmpadas incandescentes. Valores
aproximados dos componentes podem ser testados de modo a se
obter o melhor desempenho com os equivalentes mais modernos.

103
100 CIRCUITOS PARA O LAR

96 - Amplificador Telefônico
Encontramos este circuito numa Elettronica Prática Italiana
de 1977. O BC107 pode ser substituído pelo BC547 e o BC177
pelo BC557. O circuito usa uma ventosa ou “Maricota” para
captar os sons junto ao fone que deve ser do tipo magnético. A
melhor posição do captador deve ser obtida experimentalmente.

104
NEWTON C. BRAGA

97 - Alarme de Umidade com o LM3909


Os transistores deste circuito, sugerido pela National
Semiconductor, podem ser os BC548 e o sensor é formado por
duas telas separadas
alimentado por apenaspor
1,5 um pedaço
V, pois usa de
umtecido.
CI de Omuito
circuito é
baixo
consumo que é o LM3909.

105
100 CIRCUITOS PARA O LAR

98 - Luz Noturna Automática


Este circuito foi obtido numa revista de 1972, mas é ainda
atual, pois todos os componentes usados são comuns. Este
circuito aciona uma
quando escurece lâmpada
ou quando deixaincandescente
de incidir luz de emergência
sobre o LDR. A
alimentação de 5 a 15 V depende apenas da lâmpada usada cuja
corrente máxima é de 500 mA. Os transistores BC107 podem ser
substituídos pelos BC547, seus equivalentes atuais.

106
NEWTON C. BRAGA

99 - Luz Automática para Campainha


Este circuito mantém a luz de entrada ou de varanda
acesa por alguns minutos quando alguém toca a campainha.
Desta
casa não formaesperar
precisam as visitas, mesmo na ausência de pessoas na
no escuro.
Depois do final do tempo programado, a luz apaga
automaticamente.
O circuito pode ser facilmente adaptado em qualquer
campainha residencial já que tem funcionamento independente.
O que descrevemos neste artigo é um temporizador
simples que é acionado quando alguém toca a campainha de
entrada de uma residência.
O circuito aciona um relé e o mantém com os contactos
fechados por um intervalo de tempo que pode variar entre 1 e 5
minutosDepois
tipicamente.
deste intervalo, o relé é desativado e o circuito
passa a um estado de espera por um novo toque.
Na condição de espera o consumo de energia do aparelho
é muito baixo o que permite que ele fique ligado
permanentemente sem problemas de gasto excessivo de energia.
O circuito é adaptado no próprio sistema de acionamento
da campainha.
Desta forma, além da habilidade que o leitor deve ter para
fazer a montagem em si deve-se contar com um pouco de
habilidade para mexer na instalação elétrica da campainha de
entrada.
COMO FUNCIONA
A base do projeto é um circuito integrado 555 que está
ligado na configuração monoestável.
Nesta configuração, quando o pino 2 é levado
momentaneamente à terra pelo acionamento da campainha dupla
de entrada, o monoestável dispara e seu pino 3 vai ao nível alto
por um intervalo de tempo determinado pelo valor de R2 e pelo
capacitor C1.

107
100 CIRCUITOS PARA O LAR

O leitor poderá alterar estes componentes numa ampla


faixa de valores conforme o tempo de acionamento desejado.
Com a saída do circuito integrado no nível alto o transistor
Q1 é saturado e com isso o relé é energizado.
A energização do relé faz com que ele feche seus
contactos acionando
Observe que aos
luz contatos
de varanda.
NA do relé são ligados em
paralelo com o interruptor geral que aciona a lâmpada da
varanda.
No final do tempo determinado pelo capacitor C1 e pelo
resistor R2 o relé abre seus contactos e com isso a lâmpada da
varanda deixa de ser alimentada.
O circuito poderá ser alimentado com tensão de 6 ou 12 V
conforme o relé usado. Uma fonte simples, sem necessidade de
estabilização pode ser usada para esta finalidade.
Na figura 1 damos sugestões de duas fontes de

alimentação que podem ser usadas com este circuito.

Figura 1

Observe que o relé recomendado para 6V exige uma


corrente de 100 mA enquanto que o relé para 12V exige uma
corrente de disparo de 50 mA. Em suma, os dois relés, quando
energizados têm o mesmo consumo.

108
NEWTON C. BRAGA

MONTAGEM
Na figura 2 temos o diagrama completo do sistema de
acionamento temporizado da lâmpada de entrada pela
campainha.

Figura 2

A disposição dos componentes numa placa de circuito


impresso é mostrada na figura 3.

109
100 CIRCUITOS PARA O LAR

Figura 3

Para maior segurança será conveniente montar o circuito


integrado num soquete DIL de 8 pinos.
O relé admite equivalente, mas dependendo do tipo usado
pode ser necessário alterar o layout da placa de circuito impresso.
Os resistores são de 1/8 W e os capacitores não são
críticos.

110
NEWTON C. BRAGA

Como os fios de controle do interruptor geral S da


lâmpada operam com a tensão da rede de energia é preciso ter
muito cuidado com seu isolamento e também com sua instalação
para não haver perigo de choques.
O interruptor da campainha de entrada deve ser adaptado
ou usado
Umaumsolução
interruptor duplo (que
alternativa não em
consiste é fácil de encontrar).
se montar lado a lado
dois interruptores de campainha comuns e colar entre eles uma
barra de plástico de modo que ao ser pressionado um o outro
também seja, conforme mostra a figura 4.

Figura 4

111
100 CIRCUITOS PARA O LAR

Neste caso também devemos lembrar que um dos


interruptores estará diretamente ligado à rede de energia e
portanto sujeito à tensões perigosas.
Ao trabalhar na instalação sistema não se esqueça de
desligar a chave geral de sua casa.
PROVA E USO
Para provar o aparelho, basta pressionar o botão da
campainha estando o interruptor de acionamento da lâmpada
aberto (lâmpada apagada).
A lâmpada deve acender e assim permanecer por certo
tempo. Se o tempo for muito curto, aumente o valor de R2 ou de
C1. Também pode ser aumentado o valor dos dois.
O limite de valores está em torno de 2 M ohms para R2 e
1 000 uF para C1 quando se obtém uma temporização de mais de
meia hora.
Se o aparelho funcionar normalmente, basta usá-lo. Para
isso, quando sair e deixar a luz apagada você pode contar com
seu acendimento automático quando alguém tocar a campainha.
LISTA DE MATERIAL
Semicondutores:
CI-1 - 555 - circuito integrado - timer
Q1 - BC548 ou equivalente - transistor NPN de uso
geral D1 - 1N4148 ou equivalente - diodo de uso geral
Resistores: (1/8 W, 5%)
R1 - 10 k ohms
R2 - 100 k ohms - ver texto
R3 - 1,5 k ohms

Capacitores:
C1 - 470 uF/16V - eletrolítico - ver texto
C2 - 100 uF/16V - eletrolítico

Diversos:
K1 - relé de 6 ou 12 Volts
Placa de circuito impresso, soquete para o circuito
integrado, caixa para montagem, fonte de alimentação, fios,
solda, etc.

112
NEWTON C. BRAGA

100 - S imulador de pres ença


O circuito apresentado pode ser modificado para a ligar ou
desligar eletrodomésticos e lâmpadas de modo a simular a
presença de uma
Outras pessoa numa
aplicações casa.
incluem automatismos diversos e até
mesmo a animação de cidades em miniatura (maquetes) ou
ferromodelismo. O circuito emprega componentes de baixo custo
CMOS como alternativa econômica para os leitores que têm
dificuldades na obtenção de componentes ou que não desejam
uma versão sofisticada.
Simuladores de presença podem ser projetados com
recursos sofisticados utilizando-se microprocessadores ou mesmo
memórias em circuitos digitais convencionais.
No entanto, tais configurações nem sempre são acessíveis
aos leitores
que que não
não dominam possuem recursos
completamente para sua programação ou
essa tecnologia.
O circuito que apresentamos caracteriza-se por apresentar
uma solução simples para o acionamento sequencial de aparelhos
ligados à rede de energia e, por isso, pode ser modificado ou
adaptado de diversas maneiras.
Ele nada mais é do que um sequencial muito lento que
aciona relés ligados a uma saída decodificadora 1 de 10 e que
controlam cargas de diversos tipos como, por exemplo, as
lâmpadas de uma residência.
Programando o circuito de modo a ligar com uma
fotocélula, por exemplo, ou com sua saída de casa, ele executará
as operações de acionamento das cargas em ciclos, os quais
podem chegar a mais de 24 horas.
As cargas controladas dependem exclusivamente da
capacidade de corrente dos relés.
COMO FUNCIONA
A base de tempo do circuito é um CI555 ligado na
configuração astável. O tempo de cada ciclo deste oscilador é
ajustado em P1 e depende de C1.

113
100 CIRCUITOS PARA O LAR

No circuito damos valores para que estes tempos fiquem


entre alguns minutos e aproximadamente 10 minutos, mas o
capacitor C1 poderá ser alterado dependendo da aplicação visada
pelo leitor.
Os sinais do 555 são levados à entrada de um CI4017,
que funciona
pulsos comodoum
de entrada divisor
555, de tomada
a saída frequência por4017
deste 10. irá
A cada 10
ao nível
alto uma vez, conforme mostra o diagrama de tempos da figura
1.

Figura 1

Isso significa que temos a divisão dos ciclos do 555 por


10, o que nos dá algo entre 1 pulso a cada 20 minutos e 1 pulso
a cada 100 minutos ou mais.
O sinal deste circuito integrado excita um segundo 4017,
que tem as suas saídas passando ao nível alto sequencialmente
nos tempos determinados pelo bloco anterior, de acordo com o
próprioNas
diagrama
saídasde
dotempos da figura
4017 final 1. ligar blocos com relés
podemos
que controlarão as cargas externas, ficando ligadas pelo tempo
correspondente a um ciclo de acionamento ou 1/10 do tempo
total do circuito.
Em nossa aplicação exemplificamos 4 saídas utilizadas,
sendo que duas delas são acionadas sequencialmente, e a quarta
depois de um intervalo que corresponde a um ciclo de

114
NEWTON C. BRAGA

funcionamento do bloco anterior, conforme ilustra o diagrama de


tempos da figura 2.

Figura 2

A alimentação do circuito é feita com uma tensão de 12 V


que vem de fonte estabilizada.
MONTAGEM
Na figura 3 temos o diagrama completo do simulador de
presença na versão básica sugerida.

115
100 CIRCUITOS PARA O LAR

Figura 3
A disposição dos componentes numa placa de circuito
impresso é mostrada na figura 4.

116
NEWTON C. BRAGA

Figura 4

Os componentes são todos comuns. Os relés admitem


diversos equivalentes, pois qualquer tipo de 12 V x 50 mA serve.
Entretanto, como as suas bases podem ter disposições de
terminais distintas, se forem usados tipos diferentes dos
indicados, deverão ser feitas alterações na placa de circuito
impresso.

117
100 CIRCUITOS PARA O LAR

Para a conexão das cargas externas são usadas tomadas


comuns. Um fusível de proteção na entrada do circuito é
importante para garantir o equipamento e as próprias cargas
alimentadas.
O circuito integrado regulador de tensão 7812 deve ser
dotado Odetransformador
um radiador de calor.
tem enrolamento primário de acordo com
a rede de energia e secundário de 12 + 12 V com 1 A de
corrente.
Os diodos admitem equivalentes de maior tensão.
AJUSTES E USO
Ligue uma ou mais lâmpadas incandescentes comuns de 5
a 40 watts na saída do circuito. Pode ser também um
eletrodoméstico como um ventilador, por exemplo.
Coloque P1 na temporização mínima, ou substitua para
testes o capacitor C1 por um de 10 µF.
Ligando o aparelho, as cargas devem ser acionadas em
sequência nos tempos esperados para os ciclos de
funcionamento.
Com um voltímetro (multímetro em escala de tensões
contínuas) pode-se verificar a presença de sinais na saída do 555
(pino 3), e depois na saída do CI-2.
Comprovado o funcionamento, é só fazer a ligação das
cargas que devem ser acionadas.
Na figura 5 mostramos como ligar três lâmpadas em
cômodos diferentes de uma casa, de modo a dar a impressão
para alguém que esteja fora que existe alguma pessoa nesta
casa.

118
NEWTON C. BRAGA

Figura 5

LISTA DE MATERIAIS
Semicondutores:
CI-1 - 555 - circuito integrado, timer
CI-2, CI-3 - 4017 - circuito integrado CMOS
CI-4 - 7812 - circuito integrado regulador de tensão
Q1 a Q3 - BC548 ou equivalente - transistores NPN de
uso geral
D1 a D5 - 1N4002 ou equivalente - diodos de silício
Resistores: (1/8 W, 5%)
R1 - 10 k ohms
R2 - 15 k ohms
R3 a R3 - 4,7 k ohms
P1 - 1 M ohms - trimpot ou potenciômetro
Capacitores:
C1 - 470 µF x 16 V - eletrolítico
C2 - 100 µF x 16 V - eletrolítico
C3 - 1 000 µF x 25 V - eletrolítico
Diversos:
T1 - Transformador com primário de acordo com a rede
local e secundário 12 + 12 V x 1 A
S1 - Interruptor simples
K1 a K3 - Relés de 12 V x 50 mA (Metaltex série G ou
equivalente)
F1 - 5 A - fusível
S1 - Interruptor simples
X1 a X3 - Tomadas de embutir
Placa de circuito impresso, cabo de força, caixa para
montagem, suporte de fusível, fios, solda, etc.

119