Você está na página 1de 2

EXMO.

SENHOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PIAUÍ

PROCESSO: 0001099-38.2018.4.01.4000/PI
CLASSE: Procedimento do Juizado Especial Cível

Documento assinado via Token digitalmente por PATRICIO NOE DA FONSECA, em 13/03/2019 19:29. Para verificar a assinatura acesse
AUTOR: CLAUDETE BARBOSA DE SOUSA
REU: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

Trata-se de Ação de Concessão de Benefício Assistencial do LOAS à Pessoa com


Deficiência ajuizada por CLAUDETE BARBOSA DE SOUSA em face do Instituto Nacional do
Seguro Social – INSS.

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave FBBD52CF.48AB0891.A1A9DF9B.C49EC4B8


Pretende a parte autora a concessão do benefício assistencial pleiteado, por
entender preencher as condições para tanto. Dessa forma, requer seja julgado procedente o
seu pedido.

É o que basta relatar.

A demanda tem por objeto mediato a concessão do benefício assistencial, por


entender, a autora, ser portadora de deficiência e não ter como ser provida a sua
manutenção por sua família.
No caso em apreço, consoante perícia médica realizada às fls. 70/71, a autora
comprovou padecer de deficiência (M 70-6: BURSITE DOS QUADRIS DIREITO E ESQUERDO),
quadro que, segundo tal perícia médica, implica impedimento de natureza física, com
impossibilidade de realizar atividades que exijam esforço físico com os membros inferiores e
deslocamento frequente, mas que não se enquadrando no conceito de pessoa portadora de
deficiência nos termos do art. 4º do Decreto nº 3.298/99.
Todavia, a mesma perícia médica constatou que tal quadro não gera
impedimento e incapacidade pelo prazo mínimo de 2 (dois) anos, tendo a previsão de uma
duração menor que esse prazo determinado para fins de concessão do benefício pleiteado.
Há, ainda, a observação de que com repouso, medicação e fisioterapia prevê-se uma
recuperação em 3 (três) meses.
Quanto ao outro requisito exigido pelo art. 20 da Lei nº 8.742/93 para fins de
concessão do benefício objetivado, qual seja, a hipossuficiência, restou constatada às fls.
83/88, por meio do laudo social, a situação de hipossuficiência da requerente.

Página 1 de 2
Nesse contexto, interessante ressaltar, que o benefício assistencial à pessoa
portadora de deficiência possui, basicamente, dois requisitos para a concessão. São eles: a)
impedimento capaz de prejudicar a participação efetiva do indivíduo na sociedade, em
igualdade de condições com as demais pessoas (art. 20, § 2º, da Lei 8.742/93); e b) renda
familiar insuficiente para prover a subsistência digna.
Portanto, comprovou-se, na espécie, que a requerente não satisfaz todos os
requisitos legais exigidos para a concessão do benefício assistencial requerido.
Ante o exposto, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL manifesta-se pela
improcedência dos pedidos constantes da exordial.

Documento assinado via Token digitalmente por PATRICIO NOE DA FONSECA, em 13/03/2019 19:29. Para verificar a assinatura acesse
Teresina, 13 de março de 2019.

PATRICIO NOE DA FONSECA


PROCURADOR DA REPUBLICA

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave FBBD52CF.48AB0891.A1A9DF9B.C49EC4B8

Página 2 de 2