Você está na página 1de 20

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ – UESPI

CAMPUS PROF. BARROS ARAÚJO – PICOS-PI


CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS – IV Bloco

Direito Tributário
Prof.: HAMURABI SIQUEIRA GOMES

Picos (PI)
2017
Hamurabi Siqueira Gomes

hamurabisiqueira@gmail.com

(89) 9-9921-7940 (TIM)

(89) 9-9921-7940
O Curso:
• Direito Tributário (60h)

• Encontros
• Quartas-feiras de 18h às 19h40min e de 20h às 21h40min

• Frequência

• Avaliação
• Provas mistas (discursivas e objetivas)
• Produção científica
Ementa da Disciplina
1. Definição e conteúdo do direito Tributário. 10. Espécie tributaria: impostos, taxas e contribuições de melhoria.

2. Sistema tributário nacional. 9. Administração tributária.


3. Tributos: conceitos e classificação. 11. Parafiscalidade.
4. Fontes do direito tributário. 12. O Código Tributário nacional.
5. Vigência aplicação e interpretação da legislação 13. Impostos federais: sobre renda, sobre produtos industrializados,
Tributária sobre operações financeiras, sobre comércio exterior.
6. Obrigação tributaria. 14. Impostos especiais: territorial e rural.
7. Crédito tributário. 15. Impostos estaduais: circulação de mercadorias, transmissão de
imóveis, impostos municipais.
8. Fato gerador. 16. Contencioso tributário: administrativo e judicial.
Bibliografia sugerida pela UESPI
• BALEEIRO, Aliomar. Direito tributário brasileiro. 11. Ed. Rio de Janeiro:
Forense

• ICHIHARA, Yoshiaki. Direito tributário. 11. Ed. São Paulo : Atlas

• MARTINS, Ives Gandra da Silva (Coord.). Curso de direito tributário.


São Paulo: Saraiva
Bibliografia adotada
• Paulsen, Leandro
Curso de direito tributário completo / Leandro Paulsen. – 8.ed. – São
Paulo: Saraiva, 2017.

• Sabbag, Eduardo
Manual de direito tributário / Eduardo Sabbag. – 9. ed. – São Paulo :
Saraiva, 2017.
1. Tributação, direito tributário e tributo
• Do que o Estado precisa para se manter e atingir seus objetivos?
R: Recursos
• ALIOMAR BALEEIRO ensina que “para auferir o dinheiro necessário à despesa
pública, os governos, pelo tempo afora, socorrem-se de uns
poucos meios universais”.

a) realizam extorsões sobre outros povos ou deles recebem doações voluntárias

b) recolhem as rendas produzidas pelos bens e empresas do Estado

c) exigem coativamente tributos ou penalidades


d) tomam ou forçam empréstimos
e) fabricam dinheiro metálico ou de papel
1.1 Estado x Povo - reações à tributação
No mundo:
• Portugal e Espanha (Séc. XII) – Fuero Juzgo, forais e cortes

• Inglaterra (Séc. XIII) – Magna Carta


- três tributos
- resgate do rei;
- primeiro filho cavaleiro
- casamento da primeira filha
- outros tributos
- mediante autorização do concílio
1.1 Estado x Povo – reações à tributação
• Estados Unidos (Séc. XVIII) – poder de criar tributos passou a ser do Congresso

• França (Séc. XVIII) – Direitos do Homem e do Cidadão


- compatibilizou tributação e direitos individuais
1.1 Estado x Povo – reações à tributação
No Brasil:
• Inconfidência Mineira (Séc. XVIII) – “quinto dos infernos” (cem arrobas anuais)

• Revolução Farropilha (Séc. XIX)


- tributação exagerada
- ausência de contrapartida
- República Rio-Grandense – 1836
- Reintegração ao império – 1845
• Dias atuais
- guerra fiscal entre Estados e entre Municípios
- benefícios ficais e alíquotas reduzidas
Paulsen (2017)

“Se a tributação é inafastável, que se dê de modo equilibrado,


observando limites, princípios e critérios que preservem a segurança e
que promovam a justiça e a solidariedade”.
Atividade
• Enumerar tributos e suas finalidades
• Tempo: 10 minutos
1.2 A tributação como instrumento da
sociedade

“Taxes are what we pay for civilized society”.


(OLIVER WENDELLHOLMES JR.)
1.2 A tributação como instrumento da
sociedade
• Evolução da visão do ordenamento tributário
- opressão x instrumento social

• Constituição Federal de 1988


- justificação da tributação em função sua finalidade

• A tributação garante o exercício dos direitos sociais


1.2 A tributação como instrumento da
sociedade
“Deve-se afastar... a concepção negativa da tributação como norma de rejeição social
ou de opressão de direitos (em verdade, a tributação é uma condição inafastável para
a garantia e efetivação tanto dos direitos individuais como dos sociais)”.
(Alessandro Mendes Cardoso, 2014)

“ A interpretação e aplicação das normas fiscais não deve ser a priori nem
pró Fisco nem contra Fisco”.
(José Borges Souto Maior, 2013)

Não há direito sem Estado, nem Estado sem tributo.


(VANONI, 1932)
1.3 Os deveres fundamentais de pagar
tributos e de colaborar com a tributação

DISCUSSÃO PROPOSTA
“O dever de contribuir não é simples consequência do que estabelece a
lei ao instituir tributos, senão seu fundamento”. (BERLIRI apud BEREIJO,
2005)
1.3 Os deveres fundamentais de pagar
tributos e de colaborar com a tributação
Receitas tributárias:
- fonte primordial de custeio das atividades públicas
- dever fundamental
- observância geral
1.3 Os deveres fundamentais de pagar
tributos e de colaborar com a tributação
Pode-se afirmar que o dever de pagar tributo não se opera apenas no
âmbito de relação entre Estado e cidadão, mas se estende no liame que
se estabelece entre cidadão e sociedade.

“Ao se sonegar tributos devidos, o contribuinte não está apenas


descumprindo uma exigência legal exigível pelas autoridades fazendárias,
mas também, e principalmente, quebrando o seu vínculo de
responsabilidade com a sociedade”. (CARDOSO, 2014)
1.3 Os deveres fundamentais de pagar
tributos e de colaborar com a tributação
O DEVER DE COLABORAR COM O EXERCÍCIO DA TRIBUTAÇÃO
- Manifesta-se através de obrigações e deveres que que tornam
possível o conhecimento quanto à ocorrência dos fatos geradores para
fins de fiscalização e lançamento dos tributos e que inclusive facilitam,
asseguram e garantem sua arrecadação.
- Do dever de colaboração é amplo, abarcando inclusive quem não
é chamado para suportar o pagamento do imposto.
- A exemplo do dever de contribuir, o dever de colaborar com a
administração tributária também se revela dever fundamental do
cidadão.