Você está na página 1de 2

Trabalho de Antropologia III

Prof. Alexandre Vale


Aluno: Remo Moreira Brito Bastos

Resenha do documentário Franz Boas - As Correntes da Tradição

O documentário “Estranhos no exterior: As correntes da tradição” ("Strangers


Abroad: the shackles of tradition") aborda a produção científica do geógrafo e
antropólogo alemão Franz Boas.

O filme inicia com sua expedição ao Pólo Norte (Ártico canadense) em 1883, na
qual conviveu por um ano com os esquimós. Boas procurou se integrar totalmente à
comunidade pesquisada, tendo aprendido o idioma nativo, no que foi ajudado pelo
baleeiro James March, administrador da região, que também lhe forneceu cães, trenós e
criados, possibilitando assim que o antropólogo pudesse percorrer os mais de 4.800km
de extensão do território a ser explorado.

A principal descoberta de Boas foi que a vida dos habitantes de uma região não é
determinada pelo ambiente. Ele ficou impressionado com a habilidade dos esquimós,
com todas as dificuldades inerentes a uma região por demais inóspita, para rastrear e
caçar animais, criar suas roupas e suas casas e cuidar de suas matilhas, e concluiu que,
na verdade, os esquimós venciam todas essas dificuldades e executavam todas essas
proeza a despeito das condições ambientais, e não por causa delas.

Antes dessa expedição, a concepção dominante no senso comum e na própria


ciência privilegiava os determinismos biológico e geográfico, e o consenso era de que
uma pessoa tinha seu caráter e sua capacidade intelectual determinados pelo lugar onde
vivia ou pela sua “raça”.

Em seguida o filme mostra sua transferência da Alemanha, onde não conseguia


uma colocação acadêmica, para os EUA, onde as condições para trabalhar como
pesquisador eram bem mais favoráveis. Logo ele se interessou em pesquisar os povos da
costa noroeste da América do Norte, e seu trabalho foi tão reconhecido que logo ele
conseguiu o cargo de Curador do Museu de Historia Natural dos EUA, em Nova Iorque.
Sabendo que aquelas civilizações estavam próximas de serem extintas, ele
corria contra o tempo para tentar preservar o máximo de objetos, artefatos e tudo o mais
que pudesse retratar sua cultura.

Destaque para uma das mais importantes formas de troca encontradas na


literatura antropológica, o potlatch, termo que designa manifestações organizadas em
casamentos e funerais, por exemplo, e em situações de rivalidade entre chefes, que
tentam manter sua posição social. No ritual, bens de prestígio, principalmente tecidos,
são entregues e refeições são oferecidas por um hóspede aos seus convidados, o que
permite que um indivíduo adquira ou mantenha influência política e posição social. O
receptor tem a obrigação de retribuir ao doador o equivalente ao que foi recebido.

O final do documentário é bastante surpreendente, com um depoimento de


ninguém menos do que Claude Levi-Strauss, um dos maiores antropólogos do século
XX, homenageando Boas, o maior do século XIX, na sua opinião, e revelando que
estava ao lado do seu mestre, no exato momento de sua morte.