Você está na página 1de 72

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS
DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADES DA PAISAGEM


COM VISTAS AO PLANEJAMENTO E GESTÃO
NO MUNICÍPIO DE ARROIO DO SAL - RS

MÁRCIA DOS SANTOS

PORTO ALEGRE
DEZEMBRO DE 2011
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS
DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADES DA PAISAGEM


COM VISTAS AO PLANEJAMENTO E GESTÃO
NO MUNICÍPIO DE ARROIO DO SAL - RS

MÁRCIA DOS SANTOS

ORIENTADOR
Prof. Dr. Laurindo Antonio Guasselli

COMISSÃO EXAMINADORA:
Profª. Dr. Cláudia Luísa Zeferino Pires
Profª. Dr. Dejanira L. Saldanha

Trabalho de conclusão de curso apresentado como


requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em
Geografia, pelo curso de Geografia da Universidade
Federal do Rio Grande do Sul.

Porto Alegre, Dezembro de 2011.

I
CIP - Catalogação na Publicação

Santos, Márcia dos

Caracterização das Unidades de Paisagem com vistas ao


Planejamento e Gestão no Município de Arroio do Sal - RS / Márcia dos
Santos – Porto Alegre: UFRGS, 2011.

71 f.

Orientador: Prof. Dr. Laurindo Guasselli.

Trabalho de Conclusão do Curso de Geografia – Universidade


Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Geociências, Porto Alegre, BR-
RS, 2011.

1. Unidades de Paisagem. 2. Mapeamento de Unidades de


Paisagem. 3. Planejamento e Gestão. 4. Planície Costeira. 5. Arroio do
Sal.

Elaborada pelo Sistema de Geração Automática de Ficha Catalográfica da


UFRGS com os dados fornecidos pelo(a) autor(a).

II
RESUMO

A Zona Costeira corresponde à zona de transição entre o ambiente oceânico e o


ambiente continental. Nestas áreas ocorre uma intensa dinâmica entre os fatores
físicos, bióticos e antrópicos, remodelando as características destes ambientes. A
fragilidade dos sistemas costeiros diante das pressões ocasionadas pelos processos
de urbanização vem sendo avaliada pelos gestores públicos, o que levou os
governos a criarem diversos mecanismos de gestão para estes ambientes. O
objetivo deste trabalho é mapear e avaliar as unidades do território a partir do
conceito de Paisagem para o município de Arroio do Sal, visando uma contribuição a
gestão e planejamento mais sustentável no município. Com base nas características
físicas, bióticas e socioeconômicas da área de estudo e considerando a forma e
função de cada unidade, foram mapeadas cinco Unidades de Paisagem em Arroio
do Sal: UP1 – Praia e dunas frontais, UP2 – Remanescentes de dunas móveis, UP3
– Área urbana, UP4 – Campos e UP5 – Costa da Lagoa. A utilização do
mapeamento de Unidades de Paisagem mostrou-se uma ferramenta bastante útil ao
planejamento visto que este mapeamento é uma forma de sintetizar a realidade
existente e, desta forma, fornece subsídios para o planejamento sustentável.

Palavras-chave: 1. Unidades de Paisagem. 2. Mapeamento de Unidades de


Paisagem. 3. Planejamento e Gestão. 4. Planície Costeira. 5. Arroio do Sal.

III
ABSTRACT

The Coastal Zone corresponds to the transition zone between the oceanic
environment and the continental environment. In these areas there is a strong
dynamic among the physical, biotic and anthropogenic factors, which reshapes the
features of these environments. The fragility of coastal systems to the pressures
caused by urbanization processes has been assessed by public managers, which led
many governments to create mechanisms for managing these environments. In the
present study the objective is to map and to assess the territory units in the
municipality of Arroio do Sal using the Landscape concept, this aims to contribute to
the sustainable planning and management in the municipality. Based in the physic,
biotic and socioeconomic features of the area, and considering the shape and the
function of each unit, were mapped five Landscape Units in Arroio do Sal: UP1 –
Beach and frontal dunes, UP2 – Remaining mobile dunes, UP3 – Urban area, UP4 –
Fields, and UP5 – Lagoon coast. To map the Landscape Units was a very useful tool
for planning areas because the mapping is a way to synthesize the reality and, so for,
to provide subsidies to the sustainable planning.

Keywords: 1. Landscape Units. 2. Landscape Mapping Units. 3. Planning and


Management. 4. Coastal Plain. 5 Arroio do Sal

IV
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO........................................................................................................09

1.1 Objetivo Geral................................................................................................10

1.1.1 Objetivos Específicos................................................................................10

1.2 Justificativa...................................................................................................11

1.3 Área de Estudo..............................................................................................13

2 REFERENCIAL TEÓRICO......................................................................................14

2.1 Paisagem.......................................................................................................14

2.2 Instrumentos de Gestão da Zona Costeira.................................................17

2.3 Geoprocessamento como Ferramenta de Análise....................................21

2.4 Análises Acerca da Zona Costeira: Litoral Norte do Rio Grande do


Sul..............................................................................................................................24

3 MATERIAIS E MÉTODOS......................................................................................26

3.1 Metodologia...................................................................................................26

3.2 Materiais Utilizados.......................................................................................27

3.3 Procedimentos realizados............................................................................29

3.3.1 Levantamento de bases cartográficas pré-existentes e elaboração dos


mapas bases..............................................................................................................29

3.3.2 Aquisição de imagens de satélite.............................................................30

3.3.3 Elaboração do mapa de uso do solo e do mapa de Unidades de


Paisagens...................................................................................................................30

4 RESULTADOS........................................................................................................32

4.1 Elementos Constituintes da Paisagem.......................................................32

4.1.1 Geologia....................................................................................................32

4.1.2 Geomorfologia..........................................................................................38

4.1.3 Solos.........................................................................................................41

4.1.4 Vegetação.................................................................................................43

V
4.1.5 Uso e Ocupação do Solo..........................................................................48

4.1.6 Aspectos Socioeconômicos......................................................................53

4.2 Unidades de Paisagem no Município de Arroio do Sal.............................56

5 FERRAMENTAS OFICIAIS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO – COMPARATIVO


COM O MAPA DE UNIDADES DE PAISAGEM........................................................62

6 CONCLUSÕES.......................................................................................................67

7 REFERÊNCIAS.......................................................................................................68

VI
LISTA DE FIGURAS

Figura 1: Localização da área de estudo...................................................................13

Figura 2: Mapa geológico simplificado da Planície Costeira do Rio Grande do


Sul..............................................................................................................................33

Figura 3: Divisão dos Biomas no RS e remanescentes de Mata Atlântica ..............43

Figura 4: Domínio da Mata Atlântica.........................................................................44

Figura 5: Perfil esquemático de vegetação da área de estudo.................................45

Figura 6: Emancipações no Litoral Norte do Rio Grande do Sul..............................53

Figura 7: Crescimento e distribuição da população segundo situação de


domicilio......................................................................................................................55

FIGURA 8: Fisionomia das dunas frontais e usos observáveis na UP 1...................58

FIGURA 9: Remanescentes de campos de dunas, expansão urbana e vegetação


recobrindo algumas dunas da UP 2...........................................................................59

FIGURA 10: Área urbana, equipamento comerciais e de serviços e uso


residencial..................................................................................................................60

FIGURA 11: Formas e usos observáveis UP 4 – campo, capoeira e pinus..............60

FIGURA 12: Característica fisionômica e atividades desenvolvidas na UP 5...........61

FIGURA 13: Delimitação da orla em Unidades de Paisagem e seus respectivos


trechos. Fonte: Plano Integrado de Gestão da Orla Marítima de Arroio do Sal ........62

FIGURA 15: Mapa do Zoneamento do Plano Diretor de Arroio do Sal, 2011...........66

VII
LISTA DE TABELAS

Tabela 1: Hierarquização da compartimentação geomorfológica na área de


estudo.........................................................................................................................38

Tabela 2: Classes de uso do solo em área e percentual...........................................48

LISTA DE MAPAS

Mapa 1: Mapa Geológico..........................................................................................37

Mapa 2: Mapa Geomorfológico..................................................................................40

Mapa 3: Mapa de Solos.............................................................................................42

Mapa 4: Mapa de Vegetação.....................................................................................47

Mapa 5: Carta Imagem de Uso do Solo.....................................................................52

Mapa 6: Mapeamento de Unidades de Paisagem ....................................................57

VIII
1 INTRODUÇÃO

A fragilidade dos ambientes costeiros e a intensa pressão ocasionada pelos


processos de urbanização, crescentes a cada dia, levou os governos a criarem
diversos mecanismos de gestão para estes ambientes. Em escala global a
preocupação e conscientização com a degradação das Zonas Costeiras resultou na
adoção, por diversos países, de legislações que visam o uso sustentável deste
ambiente.

No Brasil, o Governo Federal tem apresentado nos últimos anos crescente


preocupação com o uso sustentável da Zona Costeira, neste sentido diversos
estudos foram realizados, objetivando principalmente expandir o conhecimento
sobre estes ecossistemas e elaborar diretrizes para a gestão e planejamento da
Zona Costeira.

A Zona Costeira brasileira é composta por significativa diversidade de


ambientes, muitos deles extremamente frágeis com acentuado processo de
degradação gerado pela crescente ocupação urbana. Aproximadamente 43 milhões
de habitantes, cerca de 18% da população do País, residem na Zona Costeira e 16
das 28 regiões metropolitanas brasileiras encontram-se no litoral (Macro
Diagnóstico da Zona Costeira, 2008).

A zona costeira do Rio Grande do Sul (ZCRS) tem uma superfície de


42.650km2 e uma extensão de 620 km. A população litorânea é de cerca de
1.100.000 habitantes, com baixa densidade demográfica (cerca de 25 hab/km²). Em
toda sua extensão a zona costeira do RS caracteriza-se pela faixa praial ampla e
retificada e extensas planícies, incluindo o maior e mais complexo sistema de
lagoas costeiras no Brasil. (Diagnóstico da Situação e Ações Prioritárias para a
Conservação da Zona Costeira da Região Sul-Rio Grande do Sul e Santa Catarina,
1999. Disponível em
http://www.anp.gov.br/brnd/round5/round5/guias/sismica/refere/RegiaoSul.pdf)

Conforme ressaltado pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental


Henrique Luiz Roessler (FEPAM) no documento de Diretrizes Ambientais para o
Desenvolvimento dos Municípios do Litoral Norte (2000), a urbanização inadequada
do Litoral Norte do Rio Grande do Sul, muitas vezes sem o devido planejamento ou

9
atenção à dinâmica do sistema costeiro, vem trazendo muitos impactos, tanto
ambientais como sociais.

O Município de Arroio do Sal tem apresentado uma rápida expansão urbana


no último decênio e tem observado um iminente crescimento, devido principalmente
à conclusão da Rota do Sol, que facilita o acesso da população serrana, tradicional
população de veraneio, ao município. Esta modificação no perfil urbano do
município demanda esforços, principalmente por parte da administração pública, no
sentido de ordenar o planejamento e a gestão urbana.

Atualmente estão disponíveis variadas ferramentas que auxiliam no


planejamento e gestão de áreas. Dentre estas ferramentas o mapeamento e a
identificação de Unidades de Paisagem têm se mostrado uma ferramenta bastante
útil. Em virtude da crescente urbanização e conseqüente aumento da pressão
sobre o ambiente natural do município de Arroio do Sal, o presente trabalho busca
mapear e identificar as Unidades de Paisagem existentes no município. Este
mapeamento poderá auxiliar no planejamento e gestão do uso do solo ao fornecer
subsídios sobre as características tanto físicas quanto sociais da realidade
existente no município.

1.1 Objetivo Geral

Mapear e avaliar as unidades do território a partir das Unidades de Paisagem


no Município de Arroio do Sal, com vistas ao planejamento e gestão.

1.1.1 Objetivos Específicos:

a. Caracterizar a área de estudo quanto a geologia, geomorfologia, solos,


vegetação;

b. Mapear os usos e cobertura do solo;

c. Caracterizar a área quanto aos seus aspectos sociais através de um


levantamento histórico da ocupação e dos usos da área;

d. Correlacionar os dados físicos (geologia, geomorfologia, solos, vegetação)


com os dados de uso e ocupação através de ferramentas de geoprocessamento;

e. Gerar o mapa de unidades da paisagem;

f. Traçar diretrizes que sugiram um perfil de uso sustentável da terra.

10
1.2 Justificativa

A Zona Costeira é uma das áreas sob maior estresse ambiental a nível
mundial, estando submetida a forte pressão por intensas e diversificadas formas de
uso do solo. O reconhecimento dos aspectos fisiográficos da Zona Costeira são de
fundamental importância para a elaboração de um planejamento adequado deste
espaço (GRUBER, et al., 2003)

Compreender a dinâmica dos sistemas costeiros com relação a aspectos


evolutivos geológicos, geomorfológicos, hidrológicos e bióticos proporcionam a base
para o planejamento e gestão destes ambientes. A necessidade de um
planejamento adequado reside no fato de que são ambientes extremamente frágeis,
do ponto de vista ambiental, e que diante dos variados usos do solo (agrícola,
urbano, industrial) apresentam grande degradação, ocasionando transtornos não só
para o ambiente natural, mas inclusive para a sociedade.

Este contexto também é observado no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Do


ponto de vista físico apresenta ambientes de formação geológica recente,
conhecidos como Sistema Lagunas/barreiras (VILLWOCK, 1984), que resultou numa
linha de costa retilinizada, com aproximadamente 700 km de comprimento, formando
uma das mais extensas e contínuas praias arenosas conhecidas.

No tocante aos aspectos de uso e ocupação, o município de Arroio do Sal,


assim como os demais municípios do Litoral Norte do Rio Grande do Sul, vem
apresentando acentuado crescimento urbano, principalmente nas últimas décadas.
O desenvolvimento urbano do Litoral Norte está intimamente ligado aos
investimentos em infraestrutura viária realizados pelo poder público principalmente a
partir da década de 70, como a construção da BR-390 (FreeWay), BR-101 e RS-389
(estrada do Mar), que favoreceram o acesso a esses municípios ocasionando sua
expansão urbana.

Atualmente com a conclusão da Rota do Sol, que se conecta com a RS-389


(Estrada do Mar), na divisa entre os municípios de Capão da Canoa e Terra de
Areia, e pelo histórico de expansão urbana influenciado pela facilidade de acesso
protagonizado em décadas anteriores, é iminente o crescimento urbano do
município, principalmente por sua localização estratégica e por possuir ainda um
setor imobiliário acessível.
11
O Governo Federal, com base no que está previsto na Constituição Federal e
na legislação vigente, está adotando diversos mecanismos de planejamento e
gestão para as Zonas Costeiras, planejados para ser realizado de forma
descentralizada, porém integrada nas diferentes esferas da administração pública.
Diante destas premissas a Prefeitura Municipal de Arroio do Sal está buscando
elaborar estudos visando o atendimento das exigências tanto federais quanto
estaduais e o planejamento e gerenciamento do uso e ocupação da terra.

Neste contexto foi elaborado o documento Plano de Intervenção na Orla


Marítima de Arroio do Sal (2003), no âmbito do Projeto Orla do Governo Federal,
que prevê ações de gerenciamento para a orla marítima do município. A orla
marítima do município foi definida com base nos parâmetros propostos pela
metodologia do Projeto Orla, que prevê a faixa de 50 a 200 metros (para áreas
urbanizadas ou não, respectivamente), a partir da praia em direção ao continente, e
da praia em direção ao mar até a isóbata de 10 metros (em torno de 2800 metros),
constituindo-se em uma linha de 24 km ao longo da costa.

No entanto, observa-se que o Município de Arroio do Sal possui a maior parte


de sua área territorial fora da área definida como Orla marítima e que por apresentar
intensa inter-relação entre estas áreas é necessário um planejamento que abranja
toda a área do município, visto que os impactos ou eventos que ocorrem no restante
da área do município repercutem na sua orla. Portanto, para viabilizar um uso
adequado deste ambiente é necessário planejar não só a orla, mas toda a área
municipal.

A avaliação por Unidades de Paisagens se mostra um instrumento adequado


e de fácil manuseio e entendimento para o mapeamento e avaliação da realidade do
território municipal, além disso, permite um planejamento para toda a área de
atuação da gestão pública, que é o total da área do município.

Por estas razões, este e outros trabalhos sobre o município de Arroio do Sal
se fazem necessário, podendo colaborar para um melhor entendimento sobre os
aspectos físicos, bióticos, sociais e como isso compõe as diferentes Unidades de
Paisagem.

12
1.3 Área de Estudo

A área de estudo compreende a área do Município de Arroio do Sal,


localizado no Litoral Norte do Estado do Rio Grande do Sul (Figura1).
Os limites geográficos do município de Arroio do Sal são a leste o Oceano
Atlântico, a sul o município de Terra de Areia, a oeste a Lagoa Itapeva e a norte o
município de Torres. Arroio do Sal dista aproximadamente 180 km de Porto Alegre e
tem nas rodovias BR-290 (FreeWay), BR-101, RS-389 (Estrada do Mar) e Rota do
Sol ( RS-486) seus principais acessos.
Os municípios do Litoral Norte observaram seu desenvolvimento influenciado
fortemente pela instalação de infraestrutura rodoviária. Neste sentido, com a
conclusão da Rota do Sol, principal via de acesso da população serrana ao
município de Arroio do Sal, tem observado-se um crescimento urbano no município.
Este rápido crescimento, por vezes mal planejado, pode acarretar em enormes
prejuízos ambientais e sociais ao município. Observa-se ainda que o município
apresenta como característica principal ser um município de segunda residência.
Outra tendência preocupante diz respeito a instalação de grandes condomínios
horizontais, já bastante difundidos nos municípios vizinhos, tem apresentado
incipiente crescimento no município. Diante destas preocupações foi escolhida a
área de estudo para esta pesquisa o Município de Arroio do Sal.

Figura 1: Localização da área de estudo.

13
2 REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 Paisagem

A análise da paisagem é um tema antigo na Geografia. O conceito de


Paisagem foi introduzido no século XIX nas ciências por Humboldt, naturalista
alemão. Para CHRISTOFOLTTI (1997 apud PUNTEL, 2006), Humboldt estabeleceu
a concepção que propiciou perceber e compreender as paisagens diferenciadas dos
lugares e dos povos como fenômenos específicos, merecedores de descrição,
análise e explicação.

Conforme coloca PUNTEL (2006) ao analisar a evolução do conceito de


Paisagem “percebe-se que a paisagem, enquanto objeto de estudo, foi sendo
entendida de diferentes maneiras no decorrer dos tempos, já que o método de
análise foi evoluindo e os paradigmas foram sendo revisto”.

Segundo SCHIER (2003), a geografia alemã, por exemplo, introduziu o


conceito da paisagem como categoria científica e a compreendeu até os
anos 1940 como um conjunto de fatores naturais e humanos (Otto Schlüter,
Siegfried Passarge e Karl Hettner). Os autores franceses, sob influência de
Paul Vidal de la Blache e Jean Rochefort, caracterizaram a paysage (ou o
pays) como o relacionamento do homem com o seu espaço físico. A
revolução quantitativa, iniciada nos anos 40 nos Estados Unidos, substituiu
o termo landscape, que estava, até então, em uso nesse país sob influência
da geografia alemã (Carl Sauer), pela idéia da “região” (Richard
Hartshorne), sendo esta um conjunto de variáveis abstratas deduzidas da
realidade da paisagem e da ação humana.

Segundo RANGEL (2008), o estudo geográfico da paisagem apresenta dois


enfoques principais. Um que a considera total e a identifica como o conjunto do
meio, contemplando a este como indicador e síntese das inter-relações entre os
elementos físicos e bióticos, incluindo o homem. E o outro, que considera a
paisagem visual percebido como a expressão dos valores estéticos, plásticos
emocionais do meio, esta numa corrente mais culturalista.

Para algumas concepções, a Paisagem é entendida como a estrutura


territorial, vista como resultado do processo de transformação do ambiente no
decorrer do tempo, compondo uma unidade passível de interpretação e
representação gráfica.

14
BERTRAND (1968), pensou a paisagem como resultado sobre uma certa
porção do espaço, da combinação dinâmica e, portanto, instável dos
elementos físicos, biológicos e antrópicos que interagindo dialeticamente
uns sobre os outros fazem da paisagem um conjunto único e indissociável
em continua evolução (apud SUERTEGARAY, 2005).

Segundo EMÍDIO (2006 apud VIEIRA 2007), a paisagem reflete o equilíbrio


ecológico ou o contrário, pois pode representar um fator de estímulo à conservação
do seu entorno, um alerta contra a degradação ou um chamado a sua recuperação,
sendo assim, um sensor de qualidade ambiental.

Analisando o processo de evolução do conceito de paisagem, observa-se que


uma definição precisa do conceito inexiste neste momento. O que existe são
correntes metodológicas que enfatizam mais ou menos determinadas abordagens
sobre paisagem. No entanto, os diversos entendimentos de paisagem têm como
consenso que a paisagem é a materialização da interação do homem com os
elementos da natureza.

Neste sentido tem-se observado algumas tentativas de utilização deste


conceito na análise ambiental e nas pesquisas sobre gestão e planejamento. Na
maioria destas pesquisas prevalece o conceito de Ecologia da Paisagem, que
considera a relação entre padrões espaciais e processos ecológicos. Mas alguns
estudos têm buscado aplicar conceitos mais geográficos sobre paisagem,
considerando principalmente a produção do espaço pelo homem e as funções que
estes espaços adquirem.

Dentre algumas metodologias adotadas em estudos de paisagem, OLIVEIRA


(2006 apud COSTA & SOUZA, 2009) coloca que:

“Um estudo sobre a paisagem deve, primeiramente, partir da identificação


de seus elementos constituintes a fim de analisá-los conforme as
características da sua composição e estrutura. É um processo de
diagnóstico que objetiva a análise do estado de estabilidade dos sistemas
ambientais de acordo com a existência de perturbações nas características
biofísicas provocadas por agentes de ordem natural ou derivadas do fator
antrópico”.

DALBEM et al. (2005), ao discutir a identificação de Unidades de Paisagem


resgata que “delimitar setores homogêneos poderia significar uma busca por
Unidades de Paisagem, ou seja, procuram-se as descontinuidades da paisagem”.
15
Para tanto, considera a proposta de CERVANTES-BORJA & ALFARO-SÁNCHEZ
(1998), que trabalham com duas hipóteses: homogeneidade (uniformidade
morfológica da paisagem) e o da funcionalidade (unidade geoecodinâmica da
paisagem), sendo que, em ambos os casos, a separação se dá pela
descontinuidade. Portanto acredita-se que o conceito de paisagem e o método de
identificação de Unidades de Paisagem, procurando suas descontinuidades e
favorecendo os elementos mais integradores, carrega em si, uma proposta mais
holística para os estudos ambientais e facilita os procedimentos de avaliação das
paisagens como um todo e não de seus elementos constituintes de modo
fragmentado.

VERDUM (2006) ao utilizar a categoria paisagem para caracterizar três


Unidades de Conservação no Litoral Norte do RS, utilizou como critérios a forma, a
função, a estrutura e a dinâmica. O autor aponta que a forma é o aspecto do visível
de uma determinada paisagem (o morfológico, a hidrografia, a cobertura vegetal e a
ocupação das terras). A função pode ser compreendida pelas atividades que foram
ou estão sendo desenvolvidas e que estão materializadas nas formas criadas
socialmente. A forma e a função são reconhecíveis através do trabalho de campo e
pelos produtos do sensoriamento remoto. (...) (VIEIRA, 2007).

A utilização de ferramentas de sensoriamento remoto nos estudos de


paisagem tem sido cada vez mais freqüentes e tem se mostrado importante aliada
na análise de paisagem, pois além de auxiliar na identificação das formas também
pode ser utilizada no diagnóstico do processo de evolução de uma paisagem
(paisagem histórica), pois nos permite analisá-la em diferentes épocas.

Esta metodologia de análise da paisagem aliada às técnicas de


sensoriamento remoto foi aplicada no estudo Paisagens (imagens e representações)
do Rio Grande do Sul por SUERTEGARAY & GUASSELLI (2004). Neste sentido os
autores colocam que as técnicas de sensoriamento remoto possibilitam a ampliação
do conceito de paisagem para além “do campo de visão”, ampliando o campo de
visualização na dimensão espacial, tornando a paisagem visível em escala regional.

Como nos traz SUERTEGARAY (2005), paisagem pode ser percebida como
um conceito operacional, um conceito que nos permite analisar o espaço geográfico
sob uma dimensão, qual seja a da conjunção de elementos naturais/tecnificados,

16
sócio-econômicos e culturais. (...) Neste sentido, a paisagem pode ser analisada
como a materialização das condições sociais de existência diacrônica e
sincronicamente.

É nesta perspectiva de materialidade de processos sociais ( forma e função)


que o conceito de paisagem é desenvolvido neste trabalho.

2.2 Instrumentos de Gestão da Zona Costeira

A Zona Costeira (ZC) tem sua definição bastante abrangente. Conforme


GRUBER et al. (2003), existem várias definições para ZC, algumas baseadas em
características físicas, enquanto outras incluem aspectos demográficos, de
funcionalidade ecológica e considerações geográficas.

No geral, duas concepções predominam na literatura especializada: a


primeira busca captar este espaço como uma unidade natural, passível de ser
delimitada no terreno por aspectos físicos ou biológicos; a segunda visão entende
tratar-se de uma unidade político-administrativa, que não necessariamente se
apresenta com limites naturais evidentes. Por razões óbvias, a concepção
naturalista predomina nos trabalhos de caráter acadêmico, enquanto a concepção
administrativa está mais presente nos programas governamentais de planejamento
costeiro (PROJETO ORLA, 2002).

A zona costeira brasileira é definida na Lei 7.661 como sendo “o espaço


geográfico de interação do ar, do mar e da terra, incluindo seus recursos renováveis
ou não, abrangendo uma faixa marítima e outra terrestre”.

Na primeira versão do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGC),


buscou-se combinar critérios naturais com critérios métricos absolutos, chegando a
uma definição que propunha medidas quantitativas fixas na delimitação da zona
costeira. Tal proposta, ao passar pela aplicação prática, revelou-se problemática e
de difícil operacionalização. Isto acontece porque a extensa costa brasileira abriga
situações variadas, que propiciam o uso adequado de distintos critérios, conforme as
localidades consideradas.

Assim, na revisão metodológica que originou o PNGC II, resolveu-se assumir


os limites político-administrativos como critério de delimitação da zona costeira. A

17
definição, segundo o PROJETO ORLA (2002), atualmente em vigor no Brasil,
considera:

- Na faixa marítima, considera-se todo o mar territorial como inserido na zona


costeira, sendo o limite deste determinado pela Convenção das Nações Unidas
sobre o Direito do Mar nas 12 milhas náuticas contadas da linha de base da costa.

- Na faixa terrestre, considera-se todo o território dos municípios qualificados


como costeiros segundo critérios estabelecidos no Plano. Assim, as fronteiras
internas municipais fornecem a delimitação da zona costeira em terra.

Quanto à questão do planejamento e gestão da Zona Costeira,

Este se refere a qualquer programa governamental com o objetivo de utilizar


ou conservar determinado recurso ou ecossistema costeiro. Ele pode ser
considerado como um método para a atenuação de conflitos entre atores
que exercem algum tipo de influência nos ambientes costeiro. O
gerenciamento costeiro foi implementado, inicialmente, nos Estados Unidos,
a partir de 1972, com The Coastal Zone Management Act, e disseminado
por vários países ao longo das décadas de 1970 e 1980. (...) Os interesses
muitas vezes conflitantes quanto à utilização dos recursos costeiros por
diferentes agentes geram problemas de difícil solução. Frente à
complexidade do manejo da costa muitos países vêm adotando programas
de Gestão Integrada da Zona Costeira (GIZC), (STROHAECKER, 2007).

Segundo GRUBER et al. (2003), diversos organismos governamentais (ONU-


Organização das Nações Unidas, UNESCO-COI Comissão Oceanográfica
Intergovernamental, OEA – Organização dos Estados Americanos, SCOR- Comitê
Científico para Pesquisas Oceânicas), organizações não governamentais (WWF,
Green Peace, etc.) e mesmo instituições de Investimento (BID – Banco Internacional
de Desenvolvimento e BIRD – Banco Mundial) vêm proporcionando uma mudança
na forma de ocupação da Zona Costeira, exigindo ações preventivas dentro das
estratégias da dinâmica econômica emergente e o reflexo desse processo na
utilização do espaço e aproveitamento dos recursos.

No Brasil, MORAES (1999) apud STROHAECKER (2007) aborda que a


preocupação com a utilização dos recursos marinhos e costeiros remonta aos anos
setenta, inicialmente de forma não articulada, contemporânea à inserção da ótica
ambiental no planejamento estatal.

18
A Constituição de 1988, através da Lei Nº 7.661, institui o Plano Nacional de
Gerenciamento Costeiro – PNGC, no âmbito da Política Nacional do Meio Ambiente
(PNMA), que “visará especificamente a orientar a utilização nacional dos recursos na
Zona Costeira, de forma a contribuir para elevar a qualidade da vida de sua
população, e a proteção do seu patrimônio natural, histórico, étnico e cultural”
(PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, TEXTO DA LEI Nº 7.661, 1988).

O Art. 3º da Lei Nº 7.661, regulamentada pelas Resoluções 01/90 e 05/97 da


Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM), dispõe sobre as
atribuições do PNGC. Este deverá prever o zoneamento de usos e atividades na
Zona Costeira e dar prioridade à conservação e proteção, entre outros, dos
seguintes bens:

I - recursos naturais, renováveis e não renováveis; recifes, parcéis e bancos


de algas; ilhas costeiras e oceânicas; sistemas fluviais, estuarinos e lagunares,
baías e enseadas; praias; promontórios, costões e grutas marinhas; restingas e
dunas; florestas litorâneas, manguezais e pradarias submersas;

II - sítios ecológicos de relevância cultural e demais unidades naturais de


preservação permanente;

III - monumentos que integrem o patrimônio natural, histórico, paleontológico,


espeleológico, arqueológico, étnico, cultural e paisagístico.

Para a implementação do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro, foi


nomeado o Ministério do Meio Ambiente (MMA) como o órgão responsável pela
articulação com os demais executores, pois o PNGC previa uma execução
descentralizada e compartilhada nos diferentes níveis de governo, e pela elaboração
de subsídios (estudos) e execução das ações previstas no PNGC.

Neste sentido, entre 1992 e 1995, foi realizada uma avaliação do processo de
implantação do Gerenciamento Costeiro no País, iniciado em 1988, que permitiu a
abertura de uma esfera de ação federal, em que cabia à União, mais
especificamente ao Ministério do Meio Ambiente, elaborar uma visão ampliada do
conjunto da Zona Costeira. Esse esforço resultou na primeira versão do
Macrodiagnóstico da Zona Costeira na Escala da União, de 1996 (MDZC/MMA,
2008).

19
Este documento visou o levantamento de informações sobre os aspectos
econômicos, físicos, bióticos e sociais da ZC e destina-se a orientar ações de
planejamento territorial, conservação, regulamentação e controle dos patrimônios
natural e cultural. Este estudo serve também como referencial teórico para diferentes
segmentos da sociedade que atuam na zona costeira.

No ano de 2002 foi lançado o Projeto de Gestão Integrada da Orla Marítima –


Projeto Orla, parceria do Ministério do Meio Ambiente (MMA) com a Secretaria do
Patrimônio da União (SPU), que busca contribuir, em escala nacional, para a
aplicação de diretrizes gerais de disciplinamento de uso e ocupação de um espaço
que constitui a sustentação natural e econômica da zona costeira, a Orla Marítima.
O Projeto objetiva também capacitar os técnicos municipais, estimular o
desenvolvimento sustentável da orla e fortalecer as articulações entre os diferentes
atores para a gestão integrada da orla.

Em 2008 foi lançado o Macrodiagnóstico da Zona Costeira e Marinha, este


constitui-se em um instrumento de gestão do território previsto pela legislação
brasileira que reúne informações em escala nacional sobre as características físico-
naturais e socioeconômicas da Costa. Sua finalidade é orientar ações de
planejamento territorial, conservação, regulamentação e controle dos patrimônios
natural e cultural (MDZC/MMA, 2008).

O PNGC prevê ainda a criação de planos estaduais e municipais de


gerenciamento costeiro. No Rio Grande do Sul, a coordenação do Programa de
Gerenciamento Costeiro (GERCO) ficou a cargo da Fundação Estadual de Proteção
Ambiental Henrique Luis Roessler (FEPAM), que é subordinada à Secretaria
Estadual do Meio Ambiente (SEMA).

Uma das ações da FEPAM diretamente voltada para a Zona Costeira refere-
se ao documento produzido com base na reunião de informações produzidas ao
longo de mais de dez anos em diferentes áreas do conhecimento e que resultou no
documento Diretrizes Ambientais para o Desenvolvimento dos Municípios do Litoral
Norte do Rio Grande do Sul. A estes estudos foram incorporadas as diretrizes de
implantação do Sistema Estadual de Recursos Hídricos e da Reserva da Biosfera da
Mata Atlântica, tendo o Programa de Gerenciamento Costeiro (GERCO-RS) como
centro (FEPAM, 2000).

20
A nível municipal, Arroio do Sal apresenta como instrumentos de gestão além
do Código de Meio Ambiente e de Posturas (que diz respeito, entre outras, às
questões ambientais do município), do Plano Diretor, o Plano de Intervenção na Orla
Marítima de Arroio do Sal. Este criado no âmbito do Projeto Orla, de
responsabilidade do Ministério do Meio Ambiente.

O Plano de Intervenção na Orla Marítima do Município de Arroio do Sal, tem


por objetivo geral, promover o desenvolvimento sustentável da sua zona litorânea,
mediante a implementação de um conjunto de ações, coordenadas entre si, que
envolvem tanto os aspectos ambientais e patrimoniais, como o planejamento do uso
e ocupação deste espaço. Além disso, visa promover a recuperação e preservação
do ecossistema costeiro compatibilizando com os instrumentos de disciplinamento
de uso e ocupação do solo; instituir a estrutura de gestão e os instrumentos legais
para o ordenamento e o desenvolvimento sustentável pretendido, considerando
obrigatória à criação de fórum de decisão de caráter participativo; disciplinar os usos
e as atividades desenvolvidas na faixa da orla, no sentido de resguardar as
potencialidades para manutenção do lazer e do turismo (PREFEITURA MUNICIPAL
DE ARROIO DO SAL, 2003).

2.3 Geoprocessamento como Ferramenta de Análise

O Geoprocessamento, ou as geotecnologias como definem alguns autores,


trata-se de um conjunto de tecnologias para coleta, processamento, análise e oferta
de informações com referência geográfica. Este conjunto de tecnologias tem como
principais ferramentas os Sistemas de Informação Geográfica (SIG), a Cartografia
Digital, o Sensoriamento Remoto, o Sistema de Posicionamento Global (GPS) e a
topografia (ROSA, 2005).

Segundo MUZZARELLI et al. (1993), a rápida difusão destas ferramentas foi


conduzida pelo crescente interesse no território do ponto de vista geográfico,
urbanístico e ambiental para conhecer principalmente suas limitações. Também a
necessidade de levantar informações com um custo/benefício mais vantajoso fez
com que as ferramentas de geoprocessamento e, em primeiro plano, de
sensoriamento remoto, tivessem amplo desenvolvimento.

21
Outro fator que contribui largamente para difusão das técnicas de
geoprocessamento diz respeito ao fato destas ferramentas propiciarem uma
localização geográfica aos fenômenos analisados, permitirem realizar análises
complexas ao integrar dados de diversas fontes, armazenarem grande volume de
informações através de criação de banco de dados georreferenciados, e automatizar
a produção de materiais cartográficos.

Neste contexto, observa-se que o Geoprocessamento vem sendo


amplamente utilizados em diversos estudos dos mais variados âmbitos como
exemplificado na coletânea de artigos apresentados no livro Geoprocessamento e
Análise Ambiental: Aplicações, organizado por Jorge Xavier da Silva e Ricardo
Tavares Zaidan, nos inúmeros trabalhos apresentados nos Simpósios Brasileiros de
Sensoriamento Remoto, e muitos outros.

Nota-se que estes trabalhos versam desde avaliações de fragilidade


ambiental, mapeamento de área de risco, análise de áreas com potencial turístico,
caracterização e planejamento urbano, identificação de recursos minerais e hídricos,
avaliação de uso do solo, análise e validação de técnicas e produtos de
sensoriamento remoto, etc.

Portanto, ao se propor utilizar o geoprocessamento como uma ferramenta de


análise, segundo RODRIGUES (1990),

é imprescindível a definição de quais informações correspondem aos


aspectos da realidade que se apresentam, nos interessam e são possíveis
observar (estudar). Para satisfazer estas necessidades, há de se coletar
dados que, quando considerados em associação com nossos modelos,
constituirão informação. Há, portanto, que se especificarem dados para a
coleta, ou seja, definir os entes e atributos de nosso interesse e a forma de
sua mensuração (Fundamentos de Geoprocessamento, Disponível em:
http://www.ltc.ufes.br/geomaticsce/Modulo%20Geoprocessamento.pdf).

MARTINELLI (2005, 2001), em seus estudos sobre sistematização de


metodologias para elaboração de uma cartografia que melhor represente a
realidade, denominada de Cartografia Dinâmica, apresenta uma discussão acerca
dos dados a serem considerados quando o estudo se propõe a retratar algum
aspecto da realidade, considerando sempre que os dados cartográficos a serem
utilizados devem apreender tanto os aspectos fisionômicos quanto os aspectos

22
sociais e mutáveis da realidade. Neste sentido, avalia que o estudo deve considerar
a realidade sistêmica, em constante transformação.

Ao utilizar o conceito de Paisagem, MARTINELLI & PEDROTTI (2001)


colocam que

“o raciocínio para a elaboração da cartografia das unidades de paisagem


segue um fluxo de referência metodológica que parte da conscientização
sobre os questionamentos que são feitos sobre o ambiente, ressaltado que
estes devem ser dirigidos tanto à natureza como à sociedade, salientando-
se que é a partir desta que têm sua significativa emergência”. (MOREIRA,
1986; MORAES, 1990; in MARTINELLI et al, 2001).

“Esta entidade, unidade de paisagem, é reconhecida como resultado da


conjunção de fatores distintos, como a história geológica, a morfogênese do
relevo, o clima em seu movimento, a dinâmica biológica e a participação da
ação humana em sua evolução histórica” (BEROUTCHACHVILLI &
BERTRAND, 1978; FERREIRA, 1997; in MARTINELLI et al, 2001).

MARTINELLI & PEDROTTI (2001) colocam que a cartografia das Unidades


de Paisagem se concebe como uma cartografia ambiental de síntese. Portanto, uma
cartografia que apresenta conjuntos espaciais, com identidade peculiar e marcante,
que são agrupamentos de lugares caracterizados por agrupamentos de atributos,
que a pesquisa individualizou.

Consciente de que Unidades de Paisagem é o resultado da interação


sociedade-natureza, ao se aplicar essa cartografia deve-se considerar como
fundamental o conhecimento lito-geomorfológico, a vegetação potencial
(fitofisionomica), a pedologia como resultado da interação dos processos climáticos
regionais e das estruturas litológicas e os resultados no espaço oriundos das
relações sociais dinamizadas pela sucessão dos modos de produção que a
humanidade viveu e está vivendo em sua história, ou seja, os tipos de uso do solo.
(MARTINELLI & PEDROTTI. 2001)

Portanto a consideração destas bases nos estudos de paisagem deve-se ao


fato destas constituírem um fator fundamental a imprimir determinadas feições
identificadoras para o reconhecimento das categorias de paisagem.

23
2.4 Análises Acerca da Zona Costeira: Litoral Norte do Rio Grande do
Sul

Os aspectos referentes à Zona Costeira vêm sendo bastante discutidos. O


Litoral Norte do Rio Grande do Sul, por ser uma área de intensa ocupação urbana e
por apresentar uma fragilidade ambiental bastante evidente, tem despertado o
interesse acerca de aspectos tanto referentes à sua gênese geológica, seu processo
de ocupação e urbanização, quanto aos aspectos de fragilidade ambiental e de
gestão e planejamento deste espaço.

A temática da gênese geológica da Planície Costeira do Rio Grande do Sul


vem sendo amplamente discutida. Na década de 1980, VILLWOCK propôs o modelo
evolutivo denominado laguna-barreira, e desde então, muitos trabalhos tem sido
desenvolvidos baseado neste modelo. Nesta temática é referencia em estudos o
CECO – Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica.

GRUBER et. al. (2003), apresenta um panorama sobre a costa brasileira e do


Rio Grande do Sul. São abordados aspectos envolvendo os sistemas costeiros e
marinhos do ponto de vista do meio físico, das questões de ordem cientifica,
políticas, jurídica e da utilização socioeconômica, assim como as tendências
mundiais de Gestão Integrada na Zona Costeira.

STROHAECKER (2007) aborda a temática da urbanização através da análise


do município de Capão da Canoa e amplia o olhar sob o Litoral Norte do RS ao
considerar em sua análise a escala regional. Desta forma a autora traz uma
avaliação dos principais vetores que propiciaram o processo de urbanização no
Litoral Norte.

FARION (2007) faz uma análise das alterações ambientais ocorridas no


município de Tramandaí decorrentes do crescimento urbano observado no
município. Nesta análise, a autora faz uma avaliação das características físicas e
socioeconômica e identifica os principais problemas ambientais observáveis na área
de estudo.

CLEZAR JUNIOR (2006), buscas analisar o perfil da infraestrutura urbana das


cidades do Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Esta pesquisa teve como objetivo
caracterizar as cidades através do Índice de Infraestrutura Urbana (INURB). O
estudo que levou em consideração indicadores como estradas, saneamento, água e
24
energia, buscou identificar quais as principais demandas dos municípios quanto ao
quesito infraestrutura.

Dentre os estudos existentes sobre o Litoral Norte do RS, destacam-se as


pesquisas que apresentam como área de estudo os municípios de maior expressão,
como Capão da Canoa e Tramandaí. No entanto tem observado-se um incipiente
interesse no município de Arroio do Sal, principalmente no que tange a questão
ambiental, visto a produção recente de alguns trabalhos sobre o município.

FRANCHINI (2010) analisou a vulnerabilidade das dunas frontais na área do


município de Arroio do Sal. Os sistemas de dunas frontais representam sistemas
naturais bastante delicados e vulneráveis à pressão de uso e aos efeitos físicos
naturais. O mapeamento das vulnerabilidades das dunas frontais propicia a
visualização dos conflitos existentes na orla municipal, sendo uma ferramenta
importante para a gestão e planejamento dos usos da orla.

PEREIRA (2010) faz uma avaliação da dinâmica socioambiental no município


de Arroio do Sal considerando uma das formas de apropriação do espaço bastante
difundidas no Litoral Norte, a dos Condomínios Horizontais. A autora busca avaliar
em que medida a localização dos condomínios horizontais (em fase de
licenciamento) no município está em conformidade com a legislação ambiental
vigente.

KUNST (2011) busca analisar a dinâmica urbana e os impactos ambientais no


município de Arroio do Sal. Este trabalho traz importante contribuição quanto à
identificação dos impactos existentes no município, tendo sido identificados três
tipologias de impactos ambientais, a saber: poluição das águas pelos efluentes de
esgotos domésticos; disposição em locais inadequados dos resíduos sólidos; e
alterações na paisagem próxima a linha de praia.

Observa-se que a intenção principal destes estudos consiste na


sistematização de informações sobre a Zona Costeira com o intuito de contribuir
como subsidio à discussão do planejamento e gestão visando um uso mais
sustentável ambiental, social e econômico deste ambiente.

25
3 MATERIAIS E MÉTODOS

3.1 Metodologia

A realização desta pesquisa foi composta de diversas etapas, a saber:

I) Inicialmente buscou-se levantar informações acerca do


Município de Arroio do Sal;

II) Por tratar-se de um município litorâneo e em crescente


expansão urbana, observou-se que a relação sociedade-meio ambiente
desponta como uma questão urgente a ser debatida. Com o intuito de
pensar o planejamento e a gestão de forma sustentável fica evidente a
necessidade de conhecer melhor este espaço levando em consideração
tanto os aspectos fisionômicos quanto histórico-sociais. Neste sentido,
buscou-se, dentre os conceitos estudados pela geografia, um referencial
que embasasse a pesquisa proposta, tendo o conceito de Paisagem
apresentado-se como adequado para este estudo;

III) Posteriormente, buscou-se levantar as técnicas e materiais


necessários ao mapeamento das Unidades da Paisagem, tendo o estudo
de Martinnelli & Pedrotti (2001) orientado a definição das informações;

IV) Definidas as informações necessárias à pesquisa (geologia,


geomorfologia, solos, vegetação, uso e ocupação), foi realizado
levantamento dos dados cartográficos referentes aos temas selecionados
em escala adequada. Inicialmente buscou-se os dados na escala
1:50.000, pois esta seria uma escala de análise adequada. No entanto,
deparou-se com a falta de dados nesta escala, observa-se portanto uma
dificuldade em buscar diferentes tipo de dados em uma escala de maior
detalhe. Portanto foram utilizadas informações em diferentes escalas para
a realização deste trabalho. Cabe ressaltar que as escalas utilizadas,
ainda que menores que a considerada adequada, possibilitaram a
continuação da pesquisa e o alcance do objetivo proposto.

V) Com base nos dados pré-existentes, compostos basicamente de


dados referentes ao meio físico e biótico, foi elaborado o mapa base para
cada camada de informação;

26
VI) Observada a necessidade de cartografar informações acerca de
dados socioeconômicos para poder realizar a análise integrada das
informações necessárias ao mapeamento de Unidades de Paisagem, foi
realizado o mapeamento de uso e ocupação do solo;

VII) Posteriormente a elaboração dos mapas bases, foi realizada


então a avaliação e descrição das informações levantadas;

VIII) Com base nas informações tanto de caráter físico e biótico


quanto de caráter socioeconômico, que são os elementos que interagem
e limitam as relações sociedade-natureza, e a partir do entendimento de
que esta relação resulta numa marca, matriz no espaço. Esta
materialização da relação sociedade-natureza acaba por identificar as
Unidade de Paisagem seja pelos aspectos que as caracterizam
interiormente, bem como pelas características que as diferenciam de seu
entorno, foi então elaborado o mapa de Unidades de Paisagem.

3.2 Materiais Utilizados

Foram utilizados os seguintes materiais:

a) Mapa Geológico na escala 1:100.000, elaborado por Horn Filho (1987),


referente às cartas de Torres, Três Cachoeiras, Arroio Teixeira e Maquiné. Observa-
se que este mapeamento geológico foi elaborado baseado na discussão do modelo
evolutivo da planície costeira do Rio Grande do Sul proposto por Vilwock (1984), e
que dentre os mapas geológicos disponibilizados, é o mais adequado pois apresenta
melhor detalhamento das unidades geológicas existentes na área de estudo.

b) Mapa geomorfológico na escala 1:250.000 disponibilizados pelo IBGE e


Secretaria de Agricultura e Abastecimento do RS (2003), baseados no mapa
Geomorfológico elaborado pelo PROJETO RADAM BRASIL (1986).

A opção por esta base cartográfica deu-se, em parte, devido ao fato de


muitos dos estudos geomorfológicos existentes considerarem a dimensão
morfoestrutural do relevo, apresentando unidades mais amplas de mapeamento (Ver
RADAM BRASIL 1986, Vol. 33 Pg. 320-323 e SUERTEGARAY & FUJIMOTO, 2004,
Pg. 13). Outra questão refere-se ao fato desta base identificar maior número de
27
compartimentações geomorfológicas presentes na área de estudo. Cabe ressaltar
que as informações de áreas urbanas e estradas presentes nesta carta não
encontram-se atualizadas,podendo ocorrer diferenças quanto a estas informações
ao se comparar com outras bases cartográficas.

c) Mapa de solos resultante do trabalho de Streck et al. (2008). Este mapa


apresenta uma adaptação do mapa de levantamento de reconhecimento dos solos
do Estado do Rio Grande do Sul, do Ministério da Agricultura, 1973, na escala
1:750.000. Este trabalho consistiu na atualização para o novo Sistema Brasileiro de
Classificação de Solos – EMBRAPA, 2006 - das classes de solo mapeadas para o
RS.

d) Mapa de Vegetação na escala 1:250.000 disponibilizados pelo IBGE e


Secretaria de Agricultura e Abastecimento do RS - 2003, baseados no mapa de
Vegetação elaborado pelo PROJETO RADAM BRASIL – 1986.

Este mapeamento fitogeográfico da vegetação busca identificar, mapear e


descrever a vegetação original (pretérita) e atual, considerando ainda a ação
antrópica e a vegetação resultante desta ação. Cabe ressaltar que as informações
de áreas urbanas e estradas presentes nesta carta não encontram-se
atualizadas,podendo ocorrer diferenças quanto a estas informações ao se comparar
com outras bases cartográficas.

e) Imagens de Satélite

Do Google Earth: datada de 21/08/2009, correspondente a parte norte do


município, e datada de 16/08/2003 correspondente mais a porção sul do município.

O banco de dados do Google Earth é formado por uma mescla de imagens


provenientes de sensores de diversas resoluções, disposta de maneira a formar uma
imagem contínua de todo o planeta. Estas imagens são posicionadas espacialmente
em função de suas coordenadas geográficas (Latitude/Longitude) no sistema de
referência WGS 84 (LOPES, 2011).

O Google Earth permite visualizar imagens de satélites georreferenciadas,


sendo muitas delas de alta resolução, em diferentes partes do globo. Ressalta-se
que a aquisição de imagens de satélite de alta resolução apresenta elevados custos
financeiros, desta forma o Google Earth tem se apresentado como uma

28
possibilidade de acesso a estas informações de forma gratuita. Observa-se que
estas imagens têm sido utilizadas em diversos estudos, principalmente no campo
ambiental.

CBERS 2B (HRC): datada de 22/03/2008, correspondente a órbita 156-D e


ponto 133-3. Com resolução espacial de 2,5 metros, pancromática.

A utilização desta imagem deve-se ao fato da imagem do Google Earth


correspondente à porção sul do município, ser considerada relativamente
desatualizada, principalmente quanto ao uso urbano. Portanto a CBERS é utilizada
no sentido de atualizar estas informações.

3.3 Procedimentos realizados

3.3.1 Levantamento de bases cartográficas pré-existentes e elaboração


dos mapas bases

Após definidas as informações necessárias à pesquisa, foi realizado o


levantamento das bases pré-existentes. Os dados de geomorfologia e vegetação,
disponibilizados pelo IBGE, encontravam-se em formato raster (arquivos em PDF).
Os mapas de solos e de geologia, encontravam-se em formato analógico, foram
então digitalizados utilizando scaner de mesa e salvos em formato raster (.jpg).

Posteriormente estes materiais foram então georreferenciados no sistema de


coordenadas geográficas no software ArcGis, utilizando a ferramenta
Georeferencing, com base em arquivos vetoriais (divisa estadual, informações das
cartas do exército na escala 1:50.00 (HASENACK , 2010)).

Após o georreferenciamento destes, foi realizada a vetorização das


informações constantes nos mapas de geologia, solos e vegetação. O mapa de
geomorfologia apresentou boa qualidade visual, e foi utilizado em formato raster.
Após, foi elaborado o layout dos mapas bases em tamanho A4 e mantido a escala
do mapeamento original. O layout foi elaborado no software ArcGis.

29
3.3.2 Aquisição de imagens de satélite

As imagens de satélite foram adquiridas através do aplicativo Google Earth.


Selecionadas as imagens da área de estudo, as mesmas foram salvas em formato
raster (.jpg) e posteriormente georreferenciadas, assim como os mapas bases.

A imagem CEBERS HRC pancromática de 2,5 metros de resolução espacial,


foi adquirida junto ao INPE via cadastro de usuário no site. A mesma já possuía
georreferenciamento, sendo que foi realizado um ajuste com as demais bases
através da ferramenta Georeferencing do ArcGis.

3.3.3 Mapeamento do uso e ocupação do solo e das Unidades de


Paisagens

O mapeamento do uso e ocupação do solo foi realizado em duas etapas. A


primeira consistiu em analisar e interpretar as imagens de satélite, mapeando os
usos observáveis em classes. Cada classe representa uma informação, que
apresenta características mais ou menos homogêneas (campo, área urbana). O
conjunto das classes representa a diversidade de usos que recobrem a superfície da
área de estudo.

Para o mapeamento do uso do solo, foram consideradas tanto as atividades


antrópicas quanto os aspectos naturais, resultando num total de 10 classes, a saber:
Faixa de praia, Dunas frontais, Áreas urbanas, Dunas móveis, Campo, Dunas
vegetadas, Silvicultura, Vegetação arbórea, Áreas úmidas, e Parque Tupancy.

A segunda etapa consistiu na verificação das informações em campo.

Para o mapeamento das Unidades de Paisagem, foi considerado o estudo de


MARTINNELLI & PEDROTTI (2001), onde apresentam uma proposta de
encaminhamento metodológico baseado no conhecimento lito-geomorfológico, de
vegetação, pedológico, e de análise das relações sociais produzidas através dos
meios de produção. Nesta proposta, a delimitação das Unidades de Paisagem
apóia-se fortemente nos aspectos topográficos e geomorfológicos.

A consideração desta proposta metodológica na elaboração desta pesquisa


baseou-se principalmente no fato de que na área de estudo os aspectos dos meios
físicos e bióticos são de grande relevância, principalmente por apresentar uma
30
característica de alta sensibilidade a impactos ambientais, e por serem os principais
limitantes das ações antrópicas desenvolvidas na área de estudo. Esta metodologia
serviu para dar as bases necessárias ao conhecimento da área e auxiliar no
mapeamento das Unidades de Paisagem.

Para este objetivo, foi também considerada a proposta metodológica de


VERDUM (2006) onde apresenta como critérios a forma, a função, a estrutura e a
dinâmica. Sendo que a forma é o aspecto do visível de uma determinada paisagem
(o morfológico, a hidrografia, a cobertura vegetal e a ocupação das terras). A função
pode ser compreendida pelas atividades que foram ou estão sendo desenvolvidas e
que estão materializadas nas formas criadas socialmente.

Portanto, considerou-se como relevante ao estudo os aspectos geológicos,


geomorfológicos, pedológicos e de vegetação. Também foi considerado o uso e
ocupação do solo, como resultado da relação sociedade-natureza, além dos
aspectos históricos de ocupação e das características socioeconômicas da área de
estudo. Para delimitação das Unidades de Paisagem foi considerada a metodologia
proposta por MARTINELLI & PEDROTTI (2001) e parte da metodologia proposta por
VERDUM (2006), a primeira sendo a que referenciou a adoção das informações a
serem analisadas (geologia, geomorfologia, solos, etc.) e a segunda por propor a
delimitação de unidades de paisagem devido a sua forma e função. As
características de estrutura e dinâmica não foram consideradas nesta pesquisa.

Ressalta-se que estas metodologias foram adaptadas para a área de estudo


de acordo com as características da área e com o objetivo proposto, que era de
utilizar este mapeamento como ferramenta de planejamento e gestão e, portanto,
considerando as análises de paisagem em seu “conceito” mais inicial, em termos de
percepção do visível, do materializado, não partido para uma análise mais
culturalista, sendo este mapeamento um exercício de síntese da realidade que se
apresenta na área.

Observa-se que a delimitação de Unidades de Paisagem não é estaque e


pode variar tanto em relação às modificações fruto das relações socioeconômicas
quanto de acordo com os objetivos e propostas de uma pesquisa.

31
4. RESULTADOS

4.1 Elementos Constituintes da Paisagem

4.1.1 Geologia

A Planície Costeira do RS equivale a porção superficial e emersa de uma


espessa acumulação de sedimentos (>10 km de espessura), depositados na
denominada Bacia de Pelotas, a qual corresponde a uma grande e profunda
depressão formada em decorrência da abertura do oceano Atlântico Sul
(DILLENBURG, 2006). Esta Planície apresenta uma área, de aproximadamente
33.000 km² com larguras variáveis, entre 10 e 15 km no setor norte, devido à
proximidade da escarpa da Serra Geral, ampliando-se em direção ao sul, onde
atinge cerca de 100 km (CPRM, 2008).

Conforme CPRM (2008), os estudos de cunho geológico realizados pela


Petrobrás na Planície Costeira, entre 1958 e 1963, permitiram visualizar a
estratigrafia de subsuperfície (Closs, 1970). Delaney (1965) apresenta o
primeiro mapa geológico, acompanhado do primeiro quadro estratigráfico
das formações aflorantes na planície. Posteriormente, diversos trabalhos
desenvolvidos, principalmente pelo Centro de Estudos de Geologia Costeira
e Oceânica (CECO) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul,
proporcionaram um significativo avanço no conhecimento científico da
Planície Costeira, culminando com a proposição de um novo modelo
evolutivo para a área (Villwock et al., 1984), compatível com os dados
disponíveis até o momento, e sintetizados em um conjunto de mapas
paleogeográficos apresentados por Villwock & Tomazelli (1995).

Os trabalhos desenvolvidos por VILLWOCK & TOMAZELLI (1984, 1995,


2000), mostraram que os depósitos da Planície Costeira acumularam-se em
sistemas deposicionais específicos desenvolvidos na região durante o final do
Terciário e, principalmente, durante o Quaternário. Estes sistemas consistem em (1)
um sistema de leques aluviais ocupando uma faixa contínua ao longo da parte mais
interna da planície costeira e, (2) quatro distintos sistemas deposicionais
transgressivos regressivos do tipo laguna-barreira.

32
Figura 2: Mapa geológico simplificado da Planície Costeira do Rio Grande do Sul. Fonte: Tomazelli et
al., 2006 in CPRM, 2008.

Os quatro distintos sistemas deposicionais transgressivos regressivos do tipo


laguna-barreira estão preservados na planície costeira, sendo três de idade
pleistocênica denominados, do mais antigo para o mais jovem, de sistemas I, II e III,
respectivamente, e um de idade holocênica, denominado de sistema IV.

Conforme TOMAZELLI & VILWOCK (2005), os sistemas deposicionais


apresentam as seguintes características:
33
Sistema Deposicional Laguna-Barreira I: O mais antigo sistema deposicional
do tipo “laguna-barreira” da PCRS se desenvolveu como resultado de um primeiro
evento transgressivo-regressivo pleistocênico. A Barreira I se desenvolveu na
porção noroeste da Planície Costeira onde ocupa uma faixa com orientação NE-SW,
com cerca de 150 km de extensão e uma largura média entre 5 e 10 km. Seu
crescimento se deu principalmente a partir da acumulação de sedimentos eólicos
que se ancoraram sobre altos do embasamento. Estes sedimentos correspondem a
areias quartzofeldspáticas avermelhadas, de granulação fina a média, muito bem
arredondadas, semiconsolidadas com elevado conteúdo em matriz síltico-argilosa de
origem diagenética. Os intensos processos pós deposicionais que afetaram esta
unidade foram responsáveis pela destruição quase que total de suas estruturas
sedimentares primárias.

O Sistema Lagunar I ocupa as terras baixas situadas entre a Barreira I e os


terrenos mais antigos formados principalmente pelas rochas da Bacia do Paraná e
pelos terrenos Pré-Cambrianos da região de Porto Alegre, Viamão e Guaíba.

Sistema Deposicional Laguna-Barreira II: Resultou de um segundo evento


transgressivo-regressivo pleistocênico. Na parte norte da Planície Costeira as fácies
praiais e eólicas da Barreira II ficaram preservadas como um grande pontal arenoso
desenvolvido a leste da lagoa dos Barros. Na parte sul, como um antigo sistema de
ilhas-barreira, responsável pelo primeiro isolamento da lagoa Mirim. Litologicamente
correspondem a areias quartzofeldspáticas, castanho-amareladas, bem
arredondadas, envoltas em uma matriz sílticoargilosa de natureza diagenética.

Sistema Deposicional Laguna-Barreira III: A Barreira III, associada a um


terceiro evento transgressivo-regressivo pleistocênico, se encontra muito bem
preservada no presente e seu desenvolvimento foi responsável pela implantação
final da lagoa dos Patos. Os depósitos correlacionáveis à Barreira III se estendem,
de maneira quase contínua, ao longo de toda a Planície Costeira, desde Torres até o
Chuí. Esse sistema é constituído por depósitos arenosos de origem praial e marinho
raso, recobertos por fácies eólicas dispostas numa sucessão vertical, indicando um
processo progradante (regressivo). Os sedimentos praiais são compostos por areias
quartzosas claras, finas e bem selecionadas.

34
Sistema Deposicional Laguna-Barreira IV: O mais recente sistema
deposicional do tipo “laguna-barreira” da PCRS desenvolveu-se durante o Holoceno,
como conseqüência da última grande transgressão pós-glacial. As areias praiais da
Barreira IV são quartzosas, de granulação fina a muito fina. Em certos locais,
apresentam elevadas concentrações de minerais pesados. O campo de dunas
eólicas da Barreira IV é bem desenvolvido, mostrando uma largura variável entre 2 e
8 km e se estendendo praticamente ao longo de toda a linha de costa. Observa-se
uma tendência de migração deste campo de dunas no sentido SW, transgredindo
terrenos mais antigos e avançando para dentro dos corpos lagunares adjacentes.

O Sistema Lagunar IV é constituído por um complexo de ambientes


deposicionais que incluem: corpos aquosos costeiros (lagos e lagunas), sistemas
aluviais (rios meandrantes e canais inter-lagunares), sistemas deltaicos (deltas
flúvio-lagunares e deltas de “maré lagunar”) e sistemas paludiais (pântanos,
alagadiços e turfeiras).

A partir do mapa geológico correspondente as cartas de Torres, Três


Cachoeiras, Arroio Teixeira e Maquiné (HORN FILHO, 1987), pode-se identificar que
o município de Arroio do Sal, está assentado sobre o Sistema Laguna-Barreira IV e
apresenta as seguintes fácies (Ver Mapa Geológico):

Fácies Qbd4: depósito de dunas litorâneas atuais e sub-atuais. Os depósitos


de dunas atuais ocorrem paralelamente a linha de costa, enquanto as sub-atuais
constituem um cordão de dunas alinhados paralelamente às margens das lagoas
dos Quadros e Itapeva. Litologicamente esses depósitos são constituídos por areias
quartzosas finas, amarelo-esbranquiçada, com pigmentação parcial de oxido de
ferro. Estes depósitos, a medida que se afastam da linha de costa, passam a ser
recobertos por vegetação rasteira, que se adaptam às condições de salinidade,
baixos nutrientes, ventos luminosidade, etc. Já os depósitos sub-atuais apresentam-
se vegetados.

Fácies Qbc4: Depósitos de cristas de praias (ou cordões regressivos


marinhos). Morfologicamente, estes cordões litorâneos exibem uma sucessão de
lombadas ou cristas intercaladas com sulcos ou cavas, alinhados aproximadamente
paralelos a linha de costa atual. As lombadas geralmente encontram-se mobilizadas
por processos eólicos enquanto as cavas podem constituir depressões alagadiças

35
na forma de canais ou lagos, com retenção de água, devido ao fato do nível freático
aflorar quase na superfície, em profundidades inferiores a 2 metros. Litologicamente
é composta de areias claras a amareladas e castanho acinzentadas, com relativo
conteúdo de matéria orgânica concentrada nas cavas entre os cordões.

Fácies Qp4: Depósitos lagunares. Originam-se de uma progressiva


colmatação dos corpos lagunares. Apresentam variedade de cores e de litologias,
tendendo mais para os finos. Os sedimentos em geral são areias síltico-argilosas,
inconsolidadas no topo e semi consolidadas na base, com plasticidade moderada e
alta permeabilidade.

36
49°54'0"W 49°52'0"W 49°50'0"W 49°48'0"W

29°28'0"S
29°30'0"S
29°32'0"S
va
pe
Ita

Oceano
a
go
La

Atlântico

29°34'0"S
Arroio do Sal

29°36'0"S
29°38'0"S

Perfil esquemático
Fonte: Horn Filho, 1987.

Legenda Base Cartográfica


Limite político-administrativo
Fonte: Cartas de Torres, Três Cachoeiras,
Mapa de
de Arroio do Sal
Arroio Teixeira e Maquiné. Geologia
Unidades Geológicas
Escala 1:100.000
Qbd4 - Depósitos eólicos de dunas litorâneas
atuais e subatuais Elaboração: Horn Filho, 1987.

Qbc4 - Depósitos praiais intermarés Sistema de Coordenadas Geografica


SAD 69
Qp4 - Depósitos lagunares 1:100.000
4.1.2 Geomorfologia

A área de estudo situa-se no Domínio Morfoestrutural denominado Depósitos


Sedimentares, nas Regiões Geomorfológicas denominadas Planície Costeira Interna
e Planície Costeira Externa. As Unidades Geomorfológicas presentes na área dizem
respeito à Planície Marinha e Planície Lagunar (Tabela 1)

Tabela 1: Hierarquização da compartimentação geomorfológica na área de estudo.

Domínio Morfoestrutural Região geomorfológica Unidade Geomorfológica

Planície Costeira Externa Planície Marinha


I – Depósitos Sedimentares
Planície Costeira Interna Planície Lagunar

Fonte: Projeto RADAMBRASIL, 1986, Vol. 33.

O Domínio Morfoestrutural dos Depósitos Sedimentares compreende


especialmente litologias do Quaternário, recebendo contribuição de sedimentos de
áreas fontes mista, isto é, de origem continental e marinha, englobando depósitos
aluvionares, material detrítico coluvial e depósitos eólicos subatuais. Constitui-se em
amplas e extensas planícies costeiras, numa vasta superfície plana, com altimetrias
que variam entre 1 e 25 metros, onde ocorreu formação de restingas que isolaram
do mar uma série de corpos hídricos referentes a lagunas e lagos. A atuação dos
ventos na remobilização das areias praiais origina campos de dunas.

A Região Geomorfológica Planície Costeira Externa corresponde à faixa mais


externa do domínio dos depósitos sedimentares. Esta região coincide com os
modelados originados pelos depósitos marinhos e eólicos onde se instalou uma
vegetação de formações pioneiras. Os solos são predominantemente arenosos,
correspondendo a dunas e areias quartzosas. Esta localizada na interface terra mar
e apresenta uma configuração alongada e plana.

Nesta Região, encontra-se inserida na área de estudo a Unidade


Geomorfológica Planície Marinha, que se caracteriza por apresentar ações marinhas
e eólicas pronunciadas e predominância de terrenos marinhos (Atm) e modelados
eólicos (Ae), incluindo dunas, planícies arenosas e planícies lacustres (Al).

A Região Geomorfológica Planície Costeira Interna constitui uma área baixa,


posicionada entre a Planície Costeira Externa a leste e os relevos planálticos a

38
oeste, onde se alojam os lagos costeiros. Nessa região dominam os modelados
esculpidos em depósitos de origem continental, ocorrendo em pequenos trechos os
modelados derivados de remanejamento eólico, dando origem as dunas atuais.
Predomina vegetação pioneira. Ocorre baixa variação de tipos de solos.

Nesta Região, encontra-se inserida na área de estudo a Unidade


Geomorfológica Planície Lagunar, que se caracteriza por ser uma área plana,
homogênea, sem dissecação, onde predominam os modelados de acumulação
representados pelas planícies e terraços lacustres (Al).

Como pode ser observado a seguir no Mapa Geomorfológico da área de


estudo, o modelado presente na área corresponde ao seguinte:

• Al5 – Planície Lacustre – área plana resultante de


processos de acumulação lacustre, podendo comportar diques marginais.
Apresenta predisposição a erosão muito forte (caracterizada pelo grau 5)

• Ae5 – Eólica – Depósitos arenosos de origens diversas,


remodelados pelo vento, apresentando formas características de dunas.
Apresenta predisposição a erosão muito forte.

• Ad5 – Eólica Dissipada – Depósitos arenosos originados


pela ação do vento e posteriormente dissipados por processos
morfogenéticos pluviais. Apresenta predisposição a erosão muito forte.

• Atm2 – Terraço Marinho – Acumulação marinha de forma


plana, levemente inclinada para o mar, apresentando ruptura de declive
em relação à planície marinha recente, entalhada em conseqüência de
variação do nível do mar ou por processos erosivos ou ainda por
movimentação tectônica. Apresenta predisposição a erosão fraca
(caracterizada pelo grau 2).

39
50°0'0"W 49°50'0"W 49°40'0"W

29°20'0"S
Arroio do Sal

29°30'0"S
29°40'0"S
29°50'0"S

Legenda Base Cartográfica


Limite político-administrativo Planalto dos
Campos Gerais
Fonte: Carta Geomorfológica do IBGE e Secretaria da Mapa
de Arroio do Sal
Agricultura e Abastecmento, 2003. Geomorfológico
Aglomerados Urbanos Planície Baseada nas cartas do PROJETO RADAM-BRASIL.
Alúvio-Coluvionar
Escala 1:250.000 Folha SH-22-X-C - Gravataí
Unidades Geomorfológicas
Planície Marinha
Serra Geral Sistema de Coordenadas Geografica
Planície Lagunar SAD 69
Patamares
da Serra Geral Escala 1:250.000
4.1.3 Solos

A Planície Costeira do RS corresponde à área dos depósitos sedimentares


quaternários que se alonga no sentido N-S no litoral, em relevo praticamente plano
com cotas de até 25m, onde predominam os solos das classes Planossolos,
Gleissolos e Neossolos Quartzarênicos.

Como pode ser observado no Mapa de Solos, na área de estudo ocorre o


solo do tipo Neossolo Quartzarênico hidromórfico.

Os Neossolos Quartzarênicos se caracterizam por apresentar horizonte A


assentado sobre sedimentos muito arenosos, constituídos por grãos soltos de
quartzo, com teor de argila inferior ou igual a 15%. Os Neossolos Quartzarênicos
são distinguidos no terceiro nível conforme as características drenagem: em
hidromórficos quando mal drenados e em órticos quando bem drenados.

Portanto, os solos da área de estudo são solos de formação recente e mal


drenados, basicamente arenosos e com a camada superior composta por matéria
orgânica. Quanto ao uso e manejo agrícola, recomenda-se a utilização para
pastagens permanentes ou atividade de silvicultura. Observa-se também que devido
ao fato de apresentar drenagem deficiente, a possível contaminação deste solo por
dissolução de poluentes é alta.

41
49°56'0"W 29°24'0"S 49°52'0"W 49°48'0"W

29°28'0"S
49°48'0"W
29°32'0"S
Arroio do Sal
va
pe
Ita
a
go
La

29°36'0"S

Legenda Base Cartográfica


Neossolo
Limite de Arroio do Sal Quartzênico órtico Fonte: Mapa de Solos do Rio Grande do Sul.
Streck et. al. (2008). Adaptado do levantamento de Mapa de Solos
Classes de Solo Associação de solos do RS do Ministério da Agricultura, 1973.
Gleissolo Melânico eutrófico Chernossolo Argilúvico Atualizado para o novo Sistema Brasileiro de
férrico e Neossolo Litólico Classificação de Solos –EMBRAPA, 2006.
eutrófico
Chernossolo Háplico órtico
Sistema de Coordenadas Geografica
Neossolo Quartzênico hidromórfico SAD 69 Sem escala
4.1.4 Vegetação

De acordo com a divisão do Brasil em Biomas, realizada pelo IBGE em


parceria com o Ministério do Meio Ambiente, o país apresenta 6 biomas. No Estado
do Rio Grande do Sul há ocorrência de dois deles: Bioma Pampa e Bioma Mata
Atlântica.

Nesta divisão, observa-se que a área de estudo situa-se no Bioma Pampa


(Figura 3), porém segundo BRACK (2006), o Ministério de Meio Ambiente está
revendo alguns limites dos biomas por existirem situações não claras, como a do
limite do Bioma Pampa no Litoral Norte do RS.

Figura 3: Divisão dos Biomas no RS e remanescentes de Mata Atlântica.

Segundo BRACK (2006), o Litoral Norte possui elevada riqueza em


vegetação devido à grande variação de fatores geomorfológicos e à ligação com a
Floresta Atlântica, sendo que esta ocorre desde o nordeste do Brasil, latitude 7º S,
até cerca da latitude 30º S, coincidindo com o limite sul do Litoral Norte do Rio
Grande do Sul.

Observando os dados do mapeamento dos remanescentes de Mata Atlântica,


realizado pela Fundação SOS Mata Atlântica e INPE (2008), verifica-se a ocorrência

43
de remanescentes em vários pontos do Bioma Pampa, correspondendo
basicamente ás áreas fitogeográficas das Vegetações Pioneiras de influência
lacustre ou marinha. Neste estudo, Arroio do Sal é considerado como pertencente
ao Domínio da Mata Atlântica, sendo que apresenta basicamente vegetação de
restinga e atualmente possuí 1% da vegetação original preservada
(http://mapas.sosma.org.br/).

Considerando o Domínio da Mata Atlântica, instituído pela Lei 11.428, Arroio


do Sal, assim como a parte externa da Planície Costeira do RS, estaria localizado
em área de ocorrência de Mata atlântica.

Figura 4: Domínio da Mata Atlântica. Fonte: Fundação SOS Mata Atlântica.

Quanto à classificação fitogeográfica, a área de estudo apresenta vegetação


típica de Áreas de Formação Pioneira, mais especificamente, Vegetação Pioneira de
Influência Marinha (restinga) (Ver Mapa de Vegetação).

Segundo BRACK (2006) a sequência de vegetação no Litoral Norte está


associada a fatores ambientais como vento, solo e pluviosidade, ficando evidenciado
um gradiente que tende à vegetação herbácea na porção leste, nas proximidades
com o mar, e para vegetação arbórea no extremo oeste, no sopé da serra (Figura 4).

44
Figura 5: Perfis esquemáticos de vegetação ilustrando as diferenças de seqüências dos tipos
fisionômicos. Em destaque o perfil da área de estudo, compreendida entre o mar e a lagoa (adaptado
de Brack, 2006).

Neste sentido, observa-se uma variação fitofisionômica de acordo com os


diferentes ambientes que ocorrem desde a linha de praia até a área da Lagoa
Itapeva, ambiente de influência fluvial.

Conforme descrição do RADAM BRASIL (1986), as espécies de ocorrência


em cada ambiente são:

• Na faixa de praia – sob a influência da salinidade, correm


espécies halófitas e psamófitas, compondo uma comunidade pobre em
espécies, rala e rasteira, onde encontram-se a espartinga, bredo-da-
praia, macela-graúda, grama-rasteira e outras;

• Após a faixa de paia, à medida que se dirigem para o


interior, passam a ocorrer as dunas móveis, com reduzidas condições
de fixação às plantas, onde são encontradas de forma escassa,
espécies como a espartina, capim-das-dunas, grama-branca e outras;

• Junto às encostas das dunas fixas e semimóveis e


próximo a locais úmidos, abrigam-se dos ventos pequenos e médios
capões arbustivos e arbóreos geralmente formando cordões paralelos
ao litoral e constituídos por espécies como a capororoca-vermelha,
maria-mole, bugrero, embira e muitas outras;

• Nos locais planos e secos ocorre uma vegetação


campestre, rala, formada por gramíneas e ciperáceas como capim-
membeca, capim-amoroso, plumas-brancas-do-litoral, entre outras;

45
• Nos banhados dispersos na área dos campos a às
margens das lagoas, encontram-se espécies higrófitas como juncos,
grama-branca, taboa, rainha-dos-lagos e outras. Nas áreas brejosas
desenvolvem-se pequenos capões arbustivos e as vezes arbóreos com
espécies como vacunzeiro, murta, branquilho, Maria-mole, figueira-do-
mato e outras.

A área de estudo esta totalmente inserida na unidade Formação Pioneira –


Vegetação com Influência Marinha, e apresenta uso característico de pecuária com
pastagens e reflorestamento com eucaliptos, que modificam a fitofisionomia da
vegetação original.

46
50°9'0"W 49°58'30"W 49°48'0"W

Lagoa do
Jacaré

29°20'0"S
29°30'0"S
va
pe
Ita
a
go
La

Arroio do Sal

29°40'0"S

Lagoa dos
Quadros

Legenda Base Cartográfica


Limite político-administrativo
Estepe Fonte: Mapa de Vegtação do IBGE e Secretaria da Mapa de
de Arroio do Sal
Agricultura e Abastecimento, 2003. Vegetação
Área de Formação
Aglomerados Urbanos
Pioneira - Restinga
Baseada nas cartas do PROJETO RADAM-BRASIL.
Escala 1:250.000 Folha SH-22-X-C - Gravataí
Unidades de Vegetação Área de Formação
Pioneira -
Floresta Ombrófila Densa Fluvio-lacustre Sistema de Coordenadas Geografica
SAD 69
Floresta Ombrófila Mista Escala 1:250.000
4.1.5 Uso e Ocupação do Solo

O uso e ocupação do solo pode ser considerado a expressão mais visível da


relação sociedade-natureza. Por isso reflete grande importância no mapeamento de
Unidades de Paisagem.

O mapeamento do uso e ocupação do solo da área de estudo resultou em 10


classes distintas. A classe campo foi a que apresentou maior expressão. Em
segundo lugar encontra-se o uso urbano. Observa-se também que as classes que
caracterizam áreas com ocorrência de areais ou dunas são bastante
representativas, somadas correspondem a 9,3% da área mapeada.

Tabela 2: Classes de uso do solo em área e percentual.

Classe hectares %

Vegetação arbórea 636,03 6,29

Campo 6618,16 65,5

Área úmida 432,59 4,28

Dunas frontais 169,19 1,67

Dunas móveis 510,43 5,05

Dunas vegetadas 56,23 0,56

Beira mar 207,35 2,05

Silvicultura 204,27 2,02

Área urbana 1237,8 12,3

Parque Municipal Tupancy 35,35 0,35

Observa-se, na Carta Imagem de Uso e Cobertura do Solo, que o uso urbano


predomina na porção leste do município, paralelamente a linha de praia. Esta
situação deve-se ao fato desta área apresentar maior interesse e valorização, devido
a sua localização mais próxima a praia, local tradicional de lazer. Uma das
características da área urbana do município é de que esta se espacializa de forma
48
descontinua, distribuída em pequenas nucleações em cada balneário, e entre estas
nucleações ocorrem áreas de campos ou dunas.

A área urbana é mais adensada na parte central, onde localiza-se a sede do


município. Observa-se nesta área uma expansão na direção oeste, junto a via de
acesso principal (Av. Assis Brasil). Esta nucleação apresenta também como
característica a concentração dos estabelecimentos comerciais e de serviços.
Devido a esta característica de descontinuidade da área urbana e da distância do
centro do município, observa-se que algumas nucleações desenvolveram-se de
forma mais intensa e organizada, como é o caso do Balneário Rondinha, e que
apresenta também um setor de serviços e comércio expressivo.

Um aspecto recente na urbanização do município e na valorização imobiliária


diz respeito a utilização do setor oeste do município, junto a lagoa Itapeva, como
área urbana, através da implantação de condomínio horizontal. Comparando a área
ocupada por este empreendimento, verifica-se que o mesmo é por vezes maior que
muitas nucleações existentes nos balneários do município. Isto evidencia o potencial
de transformação da paisagem que estes estabelecimentos apresentam.

Observando as características naturais ainda presentes nas áreas


circundantes à área urbanizada, observa-se que esta se desenvolveu sob um
ambiente característico de campos de dunas móveis. Desta forma ocorreu
significativo impacto sobre este ambiente, visto ter ocorrido retirada de material
(areia), construção de barreira impossibilitando o movimento migratório das dunas,
dentre outro impactos.

As classes de faixa de praia ou beira mar e dunas frontais são as que


apresentam maior conservação de suas características naturais. Isto deve-se
provavelmente ao fato de que estas áreas apresentam uso esporádico, mais intenso
na época de veraneio e de menor intensidade no restante do ano. Nem por isso
significa que estas áreas não sofram antropização. Os principais impactos
observáveis nestas áreas diz respeito a retirada de material das dunas frontais,
construções irregulares, introdução de vegetação exótica e contaminação por
despejo de efluentes trazidos pelo arroios que desembocam a beira-mar.

A classe de dunas móveis diz respeito ao mapeamento dos remanescentes


de dunas característicos do ambiente de campo de dunas. Estes campos
49
apresentam como característica a migração das dunas e tem como agente
predominante o vento. Na área de estudo observa-se que a urbanização ocorreu
exatamente onde localizam-se estes campos de dunas, sendo que atualmente
existem poucos exemplares de dunas características deste ambiente, e com a
expansão urbana as mesmas podem deixar de existir, o que seria uma perda
inestimável tanto ambiental, paisagística e geologicamente quanto do ponto de vista
da preservação e potencial turístico e de lazer.

A classe de dunas vegetadas diz respeito ao sistema de paleodunas


encontradas ao norte do município, paralelo a costa da lagoa. Estas dunas
apresentam uma vegetação arbórea desenvolvida e, portanto, encontram-se fixadas.
Esta classe foi distinta da classe de dunas moveis por apresentar estas
características que as diferenciam.

A classe de área úmida refere-se principalmente a área de costa da lagoa


Itapeva. Esta área caracteriza-se por apresentar grande umidade e eventos de
inundações quando do nível elevado da lagoa. Caracteriza-se por apresentar
basicamente cobertura de campo, com poucas espécies arbustivas e arbóreas.
Observa-se também que esta é uma área de preservação permanente (APP). A
maior preocupação quanto a utilização desta área refere-se á construção de
atracadouros ou trapiches para acessar a lagoa e a recente atividade urbana via
condomínios horizontais. Usos agrícolas são mínimos não apresentando no
momento significativo impacto. Destaca-se o desenvolvimento em alguns pontos das
áreas de campo contiguas a costa da lagoa a atividade de turismo rural, sendo esta
atividade passível de incentivo pois apresenta baixa impacto para a área. Observa-
se também junto a área de campo algumas áreas úmidas de maior expressão e
também próximas as vias de acesso.

Nas áreas tradicionais de ocupação por campos, observa-se o


desenvolvimento de atividades como pecuária e agricultura, em pequena escala.
Segundo o IBGE, os cultivos agrícolas observáveis em 2010 referem-se a milho (25
ha) e mandioca (20 ha). Na atividade agropecuária, o que apresenta relevância no
município é a pecuária de corte e a apicultura. Economicamente a atividade
agropecuária não é muito significativa no âmbito do município. Fisionomicamente, as
áreas de campo apresentam alternadamente características de campos úmidos,

50
com acumulo de água e vegetação típica de áreas úmidas, com áreas com
desenvolvimento de vegetação de porte arbustivo a arbóreo. Esta classe de uso á a
classe que apresenta mais heterogeneidade, mas que na escala de analise pode ser
enquadrada em uma única classe.

A classe silvicultura refere-se as áreas cultivadas com espécies arbóreas


exóticas, como pinus e eucalipto. Por apresentar uma paisagem predominantemente
de campo, estes cultivos apresentam destaque na paisagem do município. As áreas
de silvicultura ocupam aproximadamente 204 hectares, área bem superior a utilizada
com agricultura.

A classe de vegetação arbórea é a que se apresenta mais esparsa, sendo


bastante fragmentada. Refere-se às áreas de capões de mato ou capoeiras, com
vegetação predominantemente nativa. Observa-se que esta classe apresenta maior
expressão nas áreas próximas a lagoa Itapeva.

Também foram delimitados os usos que se destinam à conservação dos


ambientes naturais, como é o caso do Parque Municipal Tupancy. Este apresenta
três áreas de banhado e uma área de duna vegetada, com exemplares da Mata
Atlântica. Também são áreas de conservação as dunas frontais, que representam a
faixa arenosa paralela à linha de praia. Estas dunas além de ser um ambiente de
grande importância ambiental, apresentam grande importância para a área urbana,
pois servem como barreira contendo as águas em épocas de maré alta, que quando
atingem áreas urbanas causam grandes prejuízos. Observa-se, porém, que muitas
vezes estes usos são conflitantes, principalmente no que tange à expansão urbana.

51
29°26'0"S
49°56'0"W 49°54'0"W 49°52'0"W 49°50'0"W 49°48'0"W

29°28'0"S
29°30'0"S
va
pe

29°32'0"S
Ita

Oceano
a
go
La

Atlântico

Arroio do Sal

29°34'0"S
29°36'0"S
29°38'0"S

Legenda Base Cartográfica


Arroio do Sal Campo Carta Imagem de Uso
RS 389 - Acessos principais
e secundários Área úmida Fonte: Interpretação de Imagem de Satélite e Cobertura do Solo
Classes de Uso do Solo Vetorizado em escala aproximada de 1:10.000
Dunas Vegetadas
Faixa de praia

Dunas frontais Silvicultura Sistema de Coordenadas Geografica


Área urbana Vegetação arbórea SAD 69
Dunas móveis Parque Municipal Tupancy 1:100.000
4.1.6 Aspectos Socioeconômicos

Arroio do Sal foi criado em 22 de abril de 1988, pela Lei Estadual nº 8573,
desmembrando-se do município de Torres.

Conforme histórico disponibilizado pela Prefeitura Municipal, a área urbana


atual do município de Arroio do Sal iniciou a sua ocupação na década de 30
(1935/39) com a migração da população da Estância do Meio (margem leste da
lagoa Itapeva) e de municípios vizinhos. Na década de 40, Arroio do Sal era uma
colônia de pescadores, época em que o lugar passou a ser conhecido por esse
nome. Os pescadores da região costumavam ferver a água do mar para obter o sal
necessário à conservação dos pescados. Esse trabalho era feito junto a um arroio
de águas límpidas, nascendo assim o nome Arroio do Sal. Em 1945, os primeiros
loteamentos foram implantados na área a beira mar e seu entorno iniciando um
processo de valorização destas terras que em épocas anteriores eram tidas como de
pouco ou quase nenhum valor comercial. O comércio e os hotéis começaram a
desenvolver-se em função do veraneio e, a partir daí, toda uma infraestrutura
começou a ser organizada em função desta atividade.

Segundo STROHAECKER et al. (2007), a crescente urbanização do Litoral


Norte nas últimas décadas coincide com os processos de emancipação, visto que
até 1965 a região era constituída por apenas 3 municípios e atualmente por 21
municípios (Figura 5). Acredita-se que a criação dos novos municípios impulsionou o
crescimento demográfico e os investimentos públicos e privados, principalmente nas
áreas urbanas.

Figura 6: Emancipações no Litoral Norte do Rio Grande do Sul Fonte: Strohaecker, 2007.

53
Um dos investimentos que apresenta-se como de grande relevância para
impulsão do crescimento populacional e econômico dos municípios, refere-se ao
investimento no modal rodoviário. Com a construção em 1954 da BR-101 e em 1970
da RS-389 (Estrada do Mar) houve um impulso no desenvolvimento das praias
litorâneas, inclusive Arroio do Sal, pois facilitou sobremodo a viagem até esta área
do Estado

Atualmente Arroio do Sal apresenta uma população de 7.740 habitantes


(IBGE, Censo 2010). No entanto, no período de veraneio esta população chega a
atingir dez vezes seu tamanho, segundo a Prefeitura Municipal.

Conforme STROHAECKER et al. (2006), analisando-se os dados das


residências no município de Arroio do Sal observou-se que 80,95% das residências
eram ocupadas apenas no período de veraneio, caracterizando o município como de
segunda moradia.

Esta característica ocorre desde o início de sua formação. Já na década de


1940, Arroio do Sal era procurado como local de lazer, principalmente nos meses de
verão. Além disso, em 1991 (ano de sua emancipação), o município apresentava
uma população de 3.031 habitantes, sendo que 94,36% residiam nas áreas urbanas
e 5,64% nas áreas rurais, ou seja, o município já surge com características urbanas
(STROHAECKER, 2004).

Nos anos subseqüentes, a população apresentou um acréscimo significativo,


apresentando crescimento de 74% para o período 1991-2000, e crescimento de
46,7% para o período de 2000-2010.

54
População urbana e rural em Arroio do Sal

8000

6000

4000

2000

0
1991 2000 2010
População rural 171 233 231
População urbana 2860 5040 7509

Figura 7: Crescimento e distribuição da população segundo situação de domicilio. Fonte: IBGE,


Censos Demográficos.

Atualmente alguns balneários onde a ocupação deu-se de forma mais intensa


formando nucleações apresentam maior destaque no município. São eles: Bom
Jesus, Figueirinha, Areias Brancas, São Pedro, Rondinha, Atlântico, e a sede, Arroio
do Sal. Nestes balneários observa-se que ocorreu expressiva urbanização, sendo
muitas das construções utilizadas como segunda residência.

Segundo a Prefeitura Municipal (2003), a economia de Arroio do Sal está


alicerçada basicamente na atividade de veraneio e, neste sentido, a construção civil,
tanto no fornecimento de mão de obra como de material de construção, constitui-se
fonte geradora de emprego no Município. Existe uma indústria incipiente de móveis
e esquadrias, artefatos de cimento, cercas de PVC e de alumínio, etc. O comércio é
representado principalmente por lojas de material de construção, móveis e utensílios
domésticos, vestuário, hotéis e outros prestadores de serviços. Boa parte da
população dedica-se, principalmente na temporada de veraneio, à prestação de
serviços, tais como: limpeza de jardins, de residências, serviços domésticos, entre
outros. Esse quadro implica numa forte variação de renda associada à atividade de
veraneio, fazendo com que, nos períodos de pouco movimento a população se
ressinta da falta de oportunidade de emprego.

55
4.2 Unidades de Paisagem no Município de Arroio do Sal

O município de Arroio do Sal corresponde a uma faixa de terra limitada entre


o mar e a lagoa Itapeva, e apresenta certa homogeneidade quanto as suas
características naturais.

Para a delimitação das Unidades de Paisagem do município de Arroio do Sal


levou-se em consideração as características naturais (geologia, solo, geomorfologia,
vegetação) e também as características antrópicas (histórico de ocupação, tipos de
usos do solo, interesse econômico e questões de proteção ambiental). Neste
sentido, considerou-se a forma (configuração, desenho), e a função (atividades
desenvolvidas) de cada área, agrupando estas, de forma a sintetizar as informações
ali presentes, em Unidades de Paisagem.

Como pode ser observado no Mapa de Unidades de Paisagem, foram


identificadas 5 Unidades de Paisagens para a área de estudo:

UP 1 – Praia e dunas frontais;

UP 2 – Remanescentes de dunas móveis;

UP 3 – Área urbana;

UP 4 – Campos;

UP 5 – Costa da Lagoa.

56
29°26'0"S
49°56'0"W 49°54'0"W 49°52'0"W 49°50'0"W 49°48'0"W

29°28'0"S
29°30'0"S
va
pe

29°32'0"S
Ita

Oceano
a
go
La

Atlântico

Arroio do Sal

29°34'0"S
29°36'0"S
29°38'0"S

Legenda Base Cartográfica


Limite Político Administrativo UP 4 - Campos
Mapa de
de Arroio do Sal Unidades de Paisagem
Unidades de Paisagem UP 5 - Costa da lagoa Sistema de Coordenadas Geografica
UP 1 - Praia e dunas frontais
SAD 69

UP 2 - Remanescentes de dunas móveis

UP 3 - Área urbana 1:100.000


UP 1 – Praia e dunas frontais

Em termos de forma, a Unidade de Paisagem Praia e dunas frontais se


caracteriza por apresentar acumulo de areia predominantemente não vegetada ou
com pouca vegetação rasteira, e ampla interação com o mar. No que tange ás
atividades desenvolvidas nesta unidade, destaca-se o uso turístico e de lazer.
Pontualmente é possível observar alguns usos não recomendados para a área,
como plantação de espécies exóticas (pinus), retirada das dunas frontais,
construções de quiosques junto a faixa de praia e despejo de efluentes nos arroios
que deságuam no mar.

Figura 8: Fisionomia das dunas frontais e usos observáveis na UP 1.

UP 2 – Remanescentes de dunas móveis

A Unidade de Paisagem Remanescentes de dunas móveis corresponde ao


que no passado foi um campo de dunas. Atualmente caracteriza-se por apresentar-
se fragmentada, composta pelas dunas remanescentes, as quais encontram-se
bastante alteradas em termos de volume devido a retirada de material. A principal
função desta unidade é de conservação paisagística, pois a mesma encontra-se
bastante ameaçada devido a expansão urbana.

58
Figura 9: Remanescentes de campos de dunas, expansão urbana e vegetação recobrindo algumas
dunas da UP 2.

UP 3 – Área urbana

A Unidade de Paisagem Área urbana, representa fisionomicamente a malha


urbana do município, abrange também as áreas entre os balneários que
caracterizam-se como zonas de expansão urbana. É nesta unidade que se
desenvolvem as principais atividades socioeconômicas do município. Na área
urbana encontram-se os equipamentos públicos e privados de serviços, comércio e
industrial. A principal função observada nesta unidade diz respeito aos usos
residenciais e comerciais, também apresenta alta relação com os usos de turismo e
lazer observados nas outras UP. Ambientalmente a principal fragilidade desta área
diz respeito a falta de saneamento básico, principalmente no quesito recolhimento e
tratamento de esgoto, pois quase a totalidade do esgotamento é realizado em
sumidouros (ou fossas sépticas) e ainda observa-se em alguns pontos o
esgotamento in natura nos cursos de arroios. Desta forma, o potencial de
contaminação dos recursos hídricos da área é grande.

59
Figura 10: Área urbana, equipamento comerciais e de serviços e uso residencial.

UP 4 – Campos

A Unidade de Paisagem Campos se caracteriza por apresentar a maior


diversidade de formas. É composta por áreas de campo nativo, capoeirões de
vegetação arbórea, áreas de plantação de exóticas, dentre outras formas
observáveis. Caracteriza-se como uma unidade, pois mesmo apresentando esta
diversidade interna, se diferencia das demais externamente. Funcionalmente, esta
unidade caracteriza-se por apresentar baixa densidade demográfica e desenvolver
atividades agropecuárias em pequena escala. Esta unidade é a que menos sofreu
alterações das características ambientais naturais. Nela é possível observar os
cordões de areias intercalados por sulcos onde a água acumulada forma áreas
úmidas. Também observa-se exemplares da vegetação arbórea e de gramíneas
nativas. As maiores modificações dizem respeito aos plantios de espécies exóticas.

Figura 11: Formas e usos observáveis UP 4 – campo, capoeira e pinus.

60
UP 5 – Costa da lagoa

A UP Costa da lagoa limita-se a leste com a RS-389 e a oeste compreende


parte da Lagoa Itapeva (limite municipal). Esta unidade fisionomicamente é bastante
semelhante à UP 4, no entanto o que a diferencia é a interação com a lagoa Itapeva.
Esta interação diz respeito a atividades de lazer e turismo, como pesca, banhos e
visitação, e a sua utilização como recurso hídrico, fonte de abastecimento de água
para consumo humano em Arroio do Sal e nos municípios vizinhos. Esta unidade é
composta basicamente de pequenas a médias propriedades onde desenvolve-se de
forma reduzida atividades pecuárias e agrícolas, sendo que o acesso até a lagoa é
restrito. A utilização desta área como local para lazer e descanso é realizado
basicamente via algumas propriedades que oferecem serviço de turismo rural. Esta
característica deve-se em parte ao fato de que a lagoa não era valorizada para estes
fins, ficando as atividades de turismo e lazer voltadas para a faixa de praia. No
entanto tem-se observado recente valorização deste espaço nos últimos anos,
principalmente com a criação de condomínios horizontais com forte apelo a
navegação e utilização da lagoa, como já acontece nos municípios vizinhos. Esta
característica já pode ser observada na UP, com a implantação do Condomínio
Parque das Figueiras. Ambientalmente esta UP apresenta relevância por possuir
uma faixa de APP e por apresentar, principalmente na parte norte, algumas
formações geológicas denominadas paleodunas. Também observa-se que esta
unidade se apresenta bastante conservada quanto às suas características físicas e
ambientais. Socialmente, apresenta como impasse o fato do acesso não ser amplo
para toda a sociedade.

Figura 12: Características fisionômicas (campo e peleoduna) e atividades desenvolvidas na UP 5.

61
5 FERRAMENTAS OFICIAIS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO –
COMPARATIVO COM O MAPA DE UNIDADES DE PAISAGEM

Para realizar a gestão municipal, o poder púbico conta com diversas


ferramentas de diagnóstico, planejamento e gestão. Na área de estudo, destacam-
se as ferramentas denominadas Plano Integrado de Gestão da Orla Marítima de
Arroio do Sal – Projeto Orla e o Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal.

O Projeto Orla foi elaborado de acordo com a metodologia indicada pelo


Governo Federal, a qual considera o conceito de paisagem como forma de
compartimentação e caracterização da orla marítima. Para elaboração do Projeto
Orla foi realizada a caracterização do município, a classificação da orla, identificação
de usos e conflitos, identificação do potencial de usos e elaboração de propostas
para gerenciamento dos conflitos e dos usos a serem implementados.

De acordo com o projeto a orla do município foi delimitada em 3 unidades,


sendo que cada unidade sofreu uma compartimentação interna em trechos, de
acordo com os atributos paisagísticos, as atividades sócio-econômicas (construção,
veraneio e comércio geral) e os impactos ambientais decorrentes dos usos e da
ocupação, como pode ser observado na Figura 13.

Figura 13: Delimitação da orla em Unidades de Paisagem e seus respectivos trechos. Fonte: Plano
Integrado de Gestão da Orla Marítima de Arroio do Sal.

62
No âmbito das questões ambientais, os usos e conflitos observados nos
trechos dizem respeito principalmente ao uso inadequado da zona de praias e dunas
frontais versus preservação do ecossistema costeiro. Estes usos configuram-se por
apresentar sistema de drenagem pluvial recebendo esgoto cloacal sem tratamento,
edificações comerciais sobre dunas (APP) e praia, introdução de vegetação exótica
em dunas, falta de controle municipal sobre sistemas individuais de tratamento e
destinação de esgoto, ineficiência do serviço de recolhimento de lixo na faixa de
praia.

Outros conflitos observados referem-se a segurança quanto as atividades de


pesa versus surf; manutenção da balneabilidade versus despejo de esgoto; conforto
ambiental versus poluição sonora.

Mesmo tendo focado sua análise em dois trechos principais (Unidade 2 –


Trecho 2 e Unidade 3 – Trecho 2), o estudo conseguiu identificar os principais
conflitos existentes na orla municipal. Seria interessante que a mesma análise fosse
realizada para os demais trechos, identificando as características e potencialidades
ambientais e de uso servindo como subsídio para elaboração de ações de
preservação.

O Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal é a ferramenta utilizada para


disciplinar os usos do solo em toda a área do município e constitui-se em forma de
Lei Municipal. Na área de estudo o documento mais atual refere-se ao Plano Diretor
de 2011 (texto do projeto de Lei disponibilizado na sitio eletrônico da Prefeitura
Municipal, não consta o número da Lei a qual se refere o documento).

Para alcançar o objetivo de disciplinar o uso e ocupação da área do


município, é realizado um zoneamento da área. Conforme o Art. 15 deste
documento, o zoneamento proposto para todo o território do Município, estimula a
intensidade de ocupação do solo de acordo com as potencialidades e restrições
ambientais, econômicas e de ocupação e usos existentes considerando as relações
de complementaridade entre a zona urbana consolidada e a zona rural.

Dentre as zonas mapeadas, observa-se a identificações de áreas com


potencial de conservação do ecossistema natural, como:

Zona I – Margem da Lagoa: Caracteriza–se por uma faixa de Proteção


Ambiental Permanente, fazendo a transição entre a Lagoa Itapeva e as Zonas Rural
63
e Costa da Lagoa, devendo–se manter as características dos ecossistemas,
garantindo a preservação de sua dinâmica natural e da paisagem característica.
Admitindo–se, mediante as licenças necessárias, usos de turismo, lazer, recreação e
esportes compatibilizados com suas características.

Zona III – Esteiral: Corresponde à zona com significativa importância para a


manutenção da hidrodinâmica natural e do balanço de sedimentos, compreendendo
além do esteiral, os campos de dunas móveis com a presença de sítios
arqueológicos e banhados esparsos, estes importantes para conservação dos
corredores biológicos e o nível do lençol freático. Admitindo–se, tendo em vista a
sua preservação, a elaboração de um Plano de Manejo em que possam estar
previstos usos científicos e o turismo ecológico e arqueológico.

Zona IV – Parque Tupancy: Criado pela Lei Municipal 468/94, denominando


de Parque Natural Municipal Tupancy, conta com uma área de 21.069,898 m² e
caracteriza–se pela presença de uma duna de até 9.00m de altura, recoberta por
mata de restinga, e pela presença de três lagoas: a do Banho, a do Remanso ou
Rondinha e a do Tupancy ou do Criadouro, fronteira ao parque. Admitindo–se, para
a manutenção de sua integridade, os usos previstos no Plano de Manejo já
elaborado.

Zona V – Zonação: Caracteriza–se por apresentar a melhor situação de


conservação a fim de se preservar a seqüência típica de ambientes do litoral.
Composta pela faixa de praia, matas de restinga, dunas móveis, campos, banhados,
cordão de dunas secundárias vegetadas e a Lagoa de Itapeva, incluindo–se também
a fauna associada a estes ambientes. Admitindo–se, para a manutenção das
características dos ecossistemas, garantindo a preservação dos recursos genéticos
e da paisagem típica, usos científicos, de lazer, recreação, ecoturismo e turismo
arqueológico.

Zona VI – Orla: Caracteriza–se por uma longa faixa de dinâmica ambiental


muito intensa, que faz a ligação entre o Oceano e o Continente, compreendendo a
faixa de praia e o campo de dunas frontais. Admitindo–se, mediante as licenças
necessárias, usos de lazer, recreação e esportes compatibilizados com a
preservação da paisagem e das características naturais do sistema praial.

64
Outras áreas no entanto, oferecem certa preocupação quanto aos usos
propostos, como é o caso da:

Zona VIII – Costa da Lagoa: Corresponde a zona que apresenta


características naturais com interferências antrópicas localizadas, com baixa
densidade, encravada na Zona Rural, onde será dada a predominância à
conservação do patrimônio ambiental, em especial a orla lacustre, flora e demais
fatores biofísicos condicionantes. Admitindo–se novos parcelamentos destinados
preferencialmente à habitação unifamiliar horizontal, condomínios residenciais e as
atividades recreacionais e de turismo.

65
Figura 14: Zoneamento do Plano Diretor de Arroio do Sal, 2011. Fonte: Prefeitura Municipal de Arroio do Sal.

66
Observando as ferramentas acima descritas, verifica-se que o mapeamento
de Unidades de Paisagem pode ser uma ferramenta útil no diagnóstico e delimitação
de áreas. Observa-se que o mapeamento proposto nesta pesquisa, abrangendo
toda a área do município, caracterizou as unidades mapeadas e apontou os uso e
conflitos existentes em cada uma delas. De forma geral apontou como principal
preocupação a pressão sobre os ambientes de dunas moveis devido a expansão
urbana, as modificações no ecossistema natural pelo cultivo de áreas expressivas
de espécies exóticas, os usos inadequados observados na faixa de praia e dunas
frontais e a incipiente mudança na valorização da costa da lagoa para uso urbano.
Desta forma, revela-se uma ferramenta de fácil elaboração e entendimento e que
consegue apreender a realidade existente.

6 CONCLUSÕES

A necessidade de se conhecer as características naturais de uma área,


identificar as demandas e pressões da sociedade e compreender os resultados da
interação da sociedade com os espaços naturais, advém da necessidade de se
planejar e gerir esta inter-relação para que ela ocorra da forma mais sustentável e
planejada possível, evitando desta forma que se criem situações de transtornos para
a sociedade, de conflitos de usos e de degradação ambiental.

Este entendimento está a cada dia mais presente na vida das pessoas e do
poder público, que é cada vez mais incentivado a planejar a gestão de forma a
considerar os aspectos ambientais. Para alcançar o objetivo de planejar e gerir os
espaços, foram criadas diversas ferramentas que visam nortear as ações a serem
desenvolvidas. Neste sentido observa-se que o mapeamento de Unidades de
Paisagem tem se apresentado como uma alternativa de diagnóstico. A utilização
desta metodologia revelou-se útil como ferramenta de síntese da realidade, de fácil
elaboração e entendimento. Através da elaboração do mapeamento de Unidades de
Paisagem para o Município de Arroio do Sal, obteve-se uma caracterização da área
do município, identificando os principais usos, impactos e pressões sobre o meio
ambiente. Observa-se que para uma delimitação mais detalhada que possibilite a
identificação pontual dos impactos, conflitos e usos, é necessária uma análise numa
escala mais precisa.

67
7 REFERÊNCIAS

BRACK, P. Vegetação e Paisagem o Litoral Norte do Rio Grande do Sul:


patrimônio desconhecido e ameaçado. In – Encontro Sócio Ambiental do Litoral
Norte – ESLAN. Vol. 2. UFRGS/CECLIMAR. Imbé, 2006.
CLEZAR JUNIOR, B. O Perfil da Infraestrutura Urbana das cidades do Litoral
Norte do Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-
Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio
Grande do Sul. Porto Alegre, 2006.
COSTA, J. J. & SOUZA, R.M. Paisagem Costeira e Derivações Antropogênicas
em Sistemas Dunares. In Scientia Plena, Volume 5 Nº 10, 2009. Disponível em:
<http://www.scientiaplena.org.br/sp_v5_105403.pdf>. Acesso em Março de 2011.
Diagnóstico da Situação e Ações Prioritárias para a Conservação da Zona
Costeira da Região Sul - Rio Grande do Sul e Santa Catarina, 1999. Disponível
em: http://www.anp.gov.br/brnd/round5/round5/guias/sismica/refere/RegiaoSul.pdf.
Acesso em: 25 de Outubro de 2011.
FARION, S. R. L. Crescimento urbano e as alterações ambientais no município
de Tramandaí – Litoral Norte do Estado do Rio Grande do Sul: Análise
geográfica com ênfase nas diferenciações espaciais. Dissertação de Mestrado.
Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências, Universidade
Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007.
FRANCHINI, R. A. L. Diagnóstico de vulnerabilidade das dunas frontais do
município de Arroio do Sal – Contribuição para o Plano de Manejo de Dunas.
Trabalho de Conclusão do Curso de Geografia. – Universidade Federal do Rio
Grande do Sul. Instituto de Geociências. Porto Alegre, RS - BR, 2010.
FEPAM. Diretrizes Ambientais para o Desenvolvimento dos Municípios do
Litoral Norte. Governo do Estado do Rio Grande do Sul / Secretaria do Meio
Ambiente / Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler,
2000.
FERREIRA, A. H. Diagnóstico Ambiental: proposta de criação de uma unidade
de conservação em área preservada no município de Arroio do Sal – RS.
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Porto Alegre,
RS – BR, 2004.
GRUBER, N.L.S; DILLENBURG, S.R. Litoral Norte do Rio Grande do Sul:
evolução e cenários futuros. In – Encontro Sócio Ambiental do Litoral Norte –
ESLAN. Vol. 2. UFRGS/CECLIMAR. Imbé, 2006.
GRUBER, N.L.S.; BARBOZA, E.G.; NICOLODI, J.L. Geografia dos Sistemas
Costeiros e Oceanográficos: Subsídios para a Gestão Integrada da Zona
Costeira. In – Gravel nº1. Porto Alegre, CECO/IG/UFRGS, 2003.
GUADAGNIN, D.L. Diagnóstico da Situação a Ações Prioritárias para a
Conservação da Zona Costeira da Região Sul - Rio Grande do Sul e Santa
Catarina. Porto Alegre, 1999. Disponível em:

68
<http://www.anp.gov.br/brnd/round5/round5/guias/sismica/refere/RegiaoSul.pdf>.
Acesso em 28 de Outubro de 2011.
HASENACK, H.; WEBER, E. (Org.) Base cartográfica vetorial contínua do Rio
Grande do Sul – escala 1:50.000. Porto Alegre, UFRGS-IB-Centro de Ecologia.
2010. 1 DVD-ROM (Série Geoprocessamento, 3).
HORN FILHO, N. O. Geologia das folhas de Torres, Três Cachoeiras, Arroio
Teixeira e Maquiné, Nordeste do Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado.
Programa de Pós-Graduação em Geociências, Instituto de Geociências,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1987.
KUNST, A. V. A Dinâmica Urbana e os Impactos Ambientais no Município de
Arroio Do Sal – RS. Trabalho de Conclusão do Curso de Geografia. – Universidade
Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Porto Alegre, RS - BR,
2011.
LOPES, E.E. & NOGUEIRA, R.E. Proposta Metodológica para Validação de
Imagens de Alta Resolução do Google Earth para a Produção de Mapas. Anais
XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil,
2011, INPE.
MARTINELLI, M. Cartografia Dinâmica: Tempo e Espaço nos Mapas. In.
GEOUSP – Espaço e Tempo, nº 18, 2005.
MARTINELLI, M. & PEDROTTI, F. A Cartografia das Unidades de Paisagem:
Questões Metodológicas. In. Revista do Departamento de Geografia – USP, nº 14,
2001.
MDZC/MMA. Macrodiagnóstico da Zona Costeira do Brasil na Escala da União.
Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal – Brasília,
1996.
MDZC/MMA. Macrodiagnóstico da Zona Costeira e Marinha do Brasil. Brasília:
MMA, 2008.
MOURA, A. C. M. Geoprocessamento na Gestão e Planejamento Urbano. Belo
Horizonte, 2003.
PEREIRA, F. C. Dinâmica socioambiental do município de Arroio do Sal (RS):
uma análise sobre os futuros condomínios horizontais. Trabalho de Conclusão
do Curso de Geografia. – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de
Geociências. Porto Alegre, RS - BR, 2010.
PREFEITURA MUNICIPAL DE ARROIO DO SAL. Plano de Intervenção na Orla
Marítima de Arroio do Sal. Projeto de Gestão Integrada da Orla Marítima. MMA,
Brasília. Disponível em:
< http://www.mma.gov.br/estruturas/orla/_arquivos/PI_ArroiodoSal.zip> Acesso em:
06 de Maio de 2010.
PREFEITURA MUNICIPAL DE ARROIO DO SAL. Plano Diretor de
Desenvolvimento Urbano de Arroio do Sal e Sistema de Planejamento e Gestão
do Desenvolvimento. Projeto de Lei. Arroio do Sal, 2011. Disponível em:
<www.arroiodosal.rs.gov.br> Acesso em: 28 de Novembro de 2011.
69
PROJETO ORLA - Fundamentos para gestão integrada. Ministério do Meio
Ambiente/ Secretaria da Qualidade Ambiental; Ministério do Planejamento,
Orçamento e Gestão / Secretaria de Patrimônio da União. – Brasília: 2002.
PROJETO RADAM BRASIL. Levantamento de recursos naturais; volume 33:
Folha SH. 22 Porto Alegre e parte das Folhas SH. 21 Uruguaiana e SI. 22 Lagoa
Mirim: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação, uso potencial da terra.
Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro: IBGE, 1986.
PUNTEL, G. A.. Paisagem: uma análise no ensino de geografia. Dissertação de
Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2006.
RANGEL, M. L. A Percepção sobre a Água na Paisagem Urbana: bacia
hidrográfica da Barragem Mãe D’Água – Região Metropolitana de Porto
Alegre/RS. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Geografia,
Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre,
2008.
ROSA, R. Geotecnologias na Geografia Aplicada. Revista do Departamento de
Geografia, UFU – Universidade Federal de Uberlândia - nº 16, 2005.
STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre:
EMETER/RS, 2008.
STROHAEKER, T. M. A Urbanização no Litoral Norte do Rio Grande do Sul:
contribuição para a gestão urbana ambiental do município de Capão da Canoa.
Tese de Doutorado. Curso de Pós-Graduação em Geociências, Instituto de
Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007.
STROHAECKER, T. M. et al. Caracterização do Uso e Ocupação do Solo dos
Municípios do Litoral Norte do Estado do Rio Grande do Sul. Desenvolvimento e
Meio Ambiente, n. 13, 2006. Editora UFPR.
SUERTEGARAY, D. M. A.. Notas sobre Epistemologia da Geografia. In.
Cadernos Geográficos/ Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Filosofia
e Ciências Humanas. Departamento de Geociências. Nº 12, Maio 2005.
Florianópolis: Imprensa Universitária, 2005.
SUERTEGARAY, D. M. A. & FUJIMOTO, N. S. V. M. Morfogênese do Relevo do
Estado do Rio Grande do Sul. In. VERDUM, R., BASSO, L. A., SUERTEGARAY,
D. M. A. (Org.). Rio Grande do Sul: paisagens e territórios em transformação. Porto
Alegre: Editora da UFRGS, 2004.
SUERTEGARAY, D. M. A. & GUASSELLI, L. Paisagens (imagens e
representações) do Rio Grande do Sul. In. VERDUM, R., BASSO, L. A.,
SUERTEGARAY, D. M. A. (Org.). Rio Grande do Sul: paisagens e territórios em
transformação. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.
UFES – Universidade Federal do Espírito Santo. Fundamentos de
Geoprocessamento. Apostila de aula. Disponível em:
<http://www.ltc.ufes.br/geomaticsce/Modulo%20Geoprocessamento.pdf>. Acesso
em setembro de 2011.
70
VIEIRA, L. F. S. A Leitura da Paisagem como Instrumento para o Plano de
Manejo: reserva biológica estadual mata paludosa – Itati/RS. Dissertação de
Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007.
VILLWOCK, J.A. & TOMAZELLI, L.J. Geologia Costeira do Rio Grande do Sul. Notas
Técnicas Nº 8/Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica. Universidade
Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1995.
VILLWOCK, J.A. A Costa Brasileira: geologia e evolução. In Notas Técnicas Nº
7/Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica. Universidade Federal do Rio
Grande do Sul. Porto Alegre, 1994.
WESCHENFELDER, J. ZOUAIN, R.N.A. ZOMER, S.L.C. SOUTO. R. P.
Caracterização Morfológica das Praias Oceânicas entre Imbé e Arroio do Sal,
RS. In Notas Técnicas Nº 10/Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica.
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1997.

71