Você está na página 1de 24

CRIOTERAPIA

Introdução

Crioterapia é a aplicação terapêutica de qualquer substância ao corpo, resultando numa retirada do calor
corporal e, por meio disso, rebaixando a temperatura tecidual.

A crioterapia é uma modalidade terapêutica aplicada intensamente na Medicina do Esporte, principalmente


o gelo, que é utilizado, embora muitas vezes, sem fundamentos de pesquisa científica

Os efeitos fisiológicos ocasionados pelo uso da crioterapia são: anestesia, redução da dor, redução do
espasmo muscular, estimula o relaxamento, permite a mobilização precoce, melhora a amplitude de
movimento, estimula a rigidez articular, redução do metabolismo, redução da inflamação, estimula a
inflamação, redução da circulação, estimula a circulação, redução do edema, quebra do ciclo dor-espasmo-
dor.

A escolha correta do método de aplicação deve ser baseada, principalmente, de acordo com a área a ser
tratada, sendo que o tempo de aplicação varia tanto em relação ao método utilizado como a área, isto é,
uma articulação que apresenta menor espessura do tecido adiposo (gordura), o tempo necessário para
atingir o resfriamento é menor do que em uma outra área que possui uma maior quantidade de tecido
adiposo.

Crioterapia

Crioterapia é um termo guarda-chuva que cobre um número de técnicas específicas. O termo crioterapia
significa, literalmente, "terapia pelo frio". Qualquer tipo de uso do gelo ou de aplicações do frio com
objetivos terapêuticos é, dessa forma, crioterapia. Em outras palavras, crioterapia é a aplicação terapêutica
de qualquer substância ao corpo, resultando numa retirada do calor corporal e, por meio disso, rebaixando
a temperatura tecidual.

Aplicação de bolsas de gelo, massagem com gelo, aplicação de "cryomatic", criocinética, que significa
aplicação intermitentes de frio e exercícios ativos, crioestiramento, que são aplicações intermitentes de frio
e estiramento de tecidos moles, banhos em água fria, como por exemplo, turbilhão frio ou imersão em balde
com água com temperatura próxima a zero, cirurgia com gelo, conhecida como criocirurgia.

Todas estas técnicas encontram-se sob o termo "guarda-chuva" da crioterapia. Estas técnicas estão
destinadas a cumprir diversos objetivos terapêuticos, portanto usar o termo crioterapia para referir-se a uma
técnica específica gera muita confusão e cria conflito entre elas. As técnicas devem ser mencionadas pelos
seus nomes específicos.

A crioterapia é uma modalidade terapêutica aplicada intensamente na Medicina do Esporte, principalmente


o gelo, que é utilizado, embora muitas vezes, sem fundamentos de pesquisa científica.

Pesquisamos de 1990 a 2000 na MEDLINE usando palavras chaves como gelo, randomizados, crioterapia,
fisioterapia e reabilitação. Encontramos 2 trabalhos controlados randomizados utilizando gelo, sendo um em
tratamento pós-operatório em artroplastia total de joelho, e o outro na influência na dor em artrite
reumatóide. Esses dois artigos científicos estarão disponível na página principal em Artigos Científicos.

Tomamos como referência de um trabalho adequado o número de pacientes, trabalhos randomizados com
grupo controle, comparação estatística entre o grupo controle e o grupo experimental, observador cego e
métodos de avaliação comprovados.

Inesperadamente e contrariamente à pratica clínica não encontramos literatura vasta a respeito, salvo
efeitos fisiológicos, não encontramos material metodologicamente aceitáveis para a aplicação terapêutica
do gelo, ou seja, não encontramos comprovação através da "medicina baseada em evidências".

Esse conceito vem sendo amplamente aceito no "mundo científico" há vários anos em paises do primeiro
mundo e começa a ganhar espaço no Brasil. A fisioterapia ainda não faz a "medicina baseada em
evidências" no seu dia a dia, o que nos faz imaginar que as terapias são feitas sem serem comprovadas
cientificamente, colocando em risco a saúde pública.
O MEDLINE contém 51 % das publicações da área médica mundial, com excelentes periódicos e
suficientes para um trabalho de graduação.

Infelizmente não encontramos bases científicas correspondentes ao uso descontrolado do gelo terapêutico
em nosso meio. Isso nos faz refletir se estamos realmente reabilitando.

Aconselhamos que as pesquisas de artigos científicos sejam feitas na BIREME

Segundo Michlovitz (1996) a crioterapia é administrada de várias maneiras. A escolha do agente a utilizar
depende da acessibilidade da parte do corpo a ser tratada e do tamanho da área a ser resfriada. O pé pode
ser melhor coberto por um banho de imersão frio, por exemplo, e o joelho por um bolsa fria amarrada ao
redor do mesmo. O tratamento do tornozelo e da perna pode ser feito mais eficientemente por bolsas frias
do que massagem com gelo.

Segundo Gould, 1993, uma pequena quantidade de sal pode aumentar os efeitos fisiológicos da crioterapia.

Freqüentemente a pele sob o agente resfriador irá ficar vermelha. Isso pode ocorrer por uma das duas
razões. Primeiro, o O2 não se dissocia tão livremente da hemoglobina a baixas temperaturas, portanto, o
sangue, passando através do sistema venoso, está altamente oxigenado, dando uma cor mais vermelha à
pele. Seguindo depois de 10 a 15 min. da utilização da crioterapia, ao se mover o estímulo frio, uma
"hiperemia" pode ocorrer, trazendo maior quantidade de sangue para o local.

Existe uma combinação de água e álcool (a cada 4 medidas de água adiciona 1 de álcool) para obter uma
consistência gelatinosa, que facilitará a moldagem da articulação ou região a ser tratada. Essa mistura
ocasiona uma sensação de ardência maior que a normal e por esse motivo temos que duplicar as atenções
para não lesarmos a pele do paciente a ser tratado usando essa técnica da crioterapia.

Iremos descrever os métodos de crioterapia mais utilizadas .

O uso do Calor ou Frio para o alívio da dor

A aplicação do calor ou do frio são recursos valiosos na prática da fisioterapia.

As terapias usando o calor (termoterapia) e usando o frio (crioterapia) não levam à cura de nenhuma
enfermidade, porém são instrumentos importantes que auxiliam no tratamento de várias patologias
ortopédicas e neurológicas. São recursos sintomáticos, que quando aplicados adequadamente, reduzem o
espasmo muscular e a sintomatologia dolorosa, preparando a região afetada para a aplicação das técnicas
terapeuticas.

Calor = Frio Há vários tipos de distúrbios onde o calor e o frio produzem efeitos semelhantes. O espasmo
muscular que acompanha a hérnia de disco, lombalgias, cervicalgias, e problemas articulares podem ser
reduzida por esses dois processos.

Calor

Efeitos Terapêuticos do Calor:

1. Alivia a dor.

2. Aumenta a flexibilidade dos tecidos músculo-tendíneos.

3. Diminui a rigidez das articulações.

4. Melhora o espasmo muscular.

5. Melhora a circulação.

A aplicação do calor, promove alteração das propriedades físicas dos tecidos que compõem os tendões,
cápsulas articulares e cicatrizes, melhorando suas respostas ao alongamento.
Contra-indicação

Não aquecer regiões do corpo que estiverem anestesiadas, edemaciadas, inflamadas, feridas com
sangramento, em áreas onde haja tumores, sobre os testículos, sobre o abdome de gestantes ou em áreas
do corpo de pessoas inconscientes.

Técnica de Tratamento

O tratamento domiciliar pelo calor deve ocorrer na freqüência de 3 vezes ao dia, durante 20 a 30 minutos,
usando bolsas quentes nos locais a serem tratados.

Frio

Efeitos Terapêuticos do Frio:

1. Diminui o espasmo muscular.

2. Alivia a dor.

3. Nos traumatismos (entorses, contusões, distensões musculares, etc.), previne o edema e diminui as
reações inflamatórias.

Para se ter um efeito mais efetivo, o resfriamento deve ser aplicado imediatamente após o trauma, antes
que o edema esteja formado.

Técnica de Tratamento

O tratamento pelo uso do frio deve ser feito com bolsas geladas durante 10 minutos, no local da dor, 3
vezes ao dia.

O uso de calor é contra-indicado nos casos de traumatismo porque aumenta o edema. O uso do frio é
contra-indicado nos casos de artrite porque aumenta a rigidez articular. Nestes casos é preferível usar calor.

Técnicas de Tratamento

Bolsas Frias

Michlovitz (1996) explica essa técnica de bolsas frias que podem ser compradas por preço baixo ou
facilmente feitas. As marcas comerciais usualmente contêm gel de sílica e está disponível no mercado em
diversos tamanhos e formatos para cobrir a área a ser tratada de forma mais adequada. As bolsas podem
ser guardadas em uma unidade especial de refrigeração ou em freezer doméstico. A temperatura de
armazenamento deve ser de aproximadamente -5ºC por pelo menos 2 horas antes de uso. Por razões de
higiene, deve se colocar uma toalha entre a bolsa e a superfície da pele. O ar é um condutor térmico pobre,
portanto, devemos molhar a toalha com água para que facilite a transferência de energia.

Bolsa térmica comercializada, para realização da crioterapia.

Algumas bolsas frias são ativadas quimicamente ao bater contra uma superfície dura. Esse tipo de bolsa é
bastante utilizada em primeiros socorros e são descartáveis. A reação química dentro dessas bolsas ocorre
em um PH alcalino e pode causar queimaduras na pele se forem abertas e seu conteúdo vazar sobre a
pele.

Bolsa térmica instantânea ativada quimicamente.

As bolsas frias se mantém a uma temperatura baixa o suficiente por 15 a 20 min. Se um tratamento mais
prolongado for necessário, devemos substituir por uma outra bolsa. 20

Compressa Fria ou Panqueca Fria

A panqueca fria é utilizada com freqüência por pessoas em suas casas. Para se preparar uma panqueca
fria devemos molhar uma toalha em água fria e adicionar, dentro da toalha, gelo moído e dobramos em
forma de uma panqueca.

Na compressa fria molhamos uma toalha em água fria e dobramos em forma de uma compressa.

A panqueca fria é mais eficiente do que a compressa fria, mas, mesmo assim, o seu efeito terapêutico, para
reduzir a temperatura de um tecido, é muito limitado.

Pode ser indicada nos casos onde necessitamos de um resfriamento superficial. Esse método tem
eficiência em torno de apenas 5 min, pois a partir desse momento a temperatura se eleva perdendo assim o
objetivo do tratamento.

Massagem com Gelo

Segundo Rodrigues (1995) a massagem com gelo já é bastante conhecida e utilizada, mas seus efeitos
fisiológicos ainda não foram discutidos e interpretados para que a mesma possa ser indicada.

A massagem com gelo é feita geralmente sobre uma área pequena, sobre um músculo, um tendão ou
sobre pontos gatilhos. Essa técnica é simples e pode ser ensinada a pacientes confiáveis para aplicação
doméstica.

A água é congelada em copo de papel para facilitar o manuseio do gelo pelo terapeuta. Outra alternativa
seria colocar um palito no copo com água e teria assim o formato de um "pirulito" e seu manuseio seria
através do palito para aplicação dessa técnica.

Uma área de 10 a 15 cm pode ser coberta em 5 a 10 min. O gelo é aplicado sobre a pele em movimentos
circulatórios ou no sentido de "vai-e-vem". Durante a massagem com gelo o paciente experimentará
provavelmente quatro sensações distintas incluindo frio intenso, queimadura, dor e então analgesia. Os
estágios de queimadura e dor devem passar rapidamente dentro de 1 a 2 min. Uma fase mais prolongada
de dor e queimação pode ocorrer se a área coberta for muito grande ou se uma resposta hipersensitiva for
iminente. A temperatura da pele normalmente não cairá abaixo de 15ºC quando esta técnica for empregada
e assim o risco de dano ao tecido é mínimo.

As respostas fisiológicas podem ser afetadas por dois fatores:

Aplicação é fásica: conforme a área é massageado, o gelo fica em contato com uma área específica e o
tecido é exposto de novo a temperatura ambiente, tomando assim o resfriamento mais lento;

Ação da massagem com gelo estimula os receptores mecânicos: quando executada por movimentos curto
e breve; facilita a inibição neural, quando executada por movimento lento e prolongado. Esta é uma boa
técnica para a aplicação sobre áreas pequenas.

Uma outra forma de massagem com gelo é a técnica de Rood, que realiza movimentos de varredura rápido
e diretamente sobre os músculos tentando melhorar a contração muscular.

Banho de Imersão

Essa técnica é utilizada para cobrir um seguimento corporal, utilizando água misturada com gelo. O tempo
de aplicação é regulado por quanto se quer reduzir a temperatura do local a ser tratado. É importante
destacar que essa técnica leva a uma diminuição da temperatura muito rápida, em comparação com as
outras técnicas.

Quando o objetivo for resfriar as extremidades, é mais prático o banho de imersão, a menos que seja
desejável uma elevação simultânea. Essa técnica assegura contato circunferencial do agente resfriador.

Podemos utilizar essa técnica em extremidades como: cotovelo, braço, mão e tornozelo, mas também pode
ser utilizada em grandes áreas como a região lombar ou membro inferior.

É necessário um recipiente com tamanho suficiente para cobrir a área a ser tratada. Iremos dosar a
quantidade de gelo em relação a água para obtermos a temperatura desejada para realizar a terapia.

Técnica de Imersão

A perda da temperatura dessa técnica pode ocorrer à medida que o gelo derrete. Para mantermos a
temperatura, devemos repor o gelo constantemente e monitorarmos a temperatura com um termômetro
dentro do recipiente. Outro fator importante é o aquecimento da película da água que circunda a região
tratada após 5 min. iniciais da imersão, para que isso não interfira no tratamento devemos movimentar a
água constantemente.

Por razões de higiene para cada terapia devemos trocar a água usada. Nunca devemos reutilizar a água
mesmo sendo congelada novamente.

Turbilhão Frio

Esse aparelho tem as mesmas características do turbilhão convencional, isto é, um recipiente com um
reservatório de água e um aparelho que proporciona um jato de água, porém, atua com uma temperatura
entre 1ºC a 5ºC para tratamento de áreas pequenas e de 10ºC a 15ºC para trabalhar em áreas grandes. O
jato de água tem o objetivo de massagear a área. Não foi encontrado mais detalhe dessa técnica.
Rodrigues questiona em seu trabalho que "o banho frio tem o objetivo de reduzir o metabolismo e promover
a vasoconstrição, mas quando nós fazemos hidromassagem nos tecidos, não estamos promovendo estilos
para um maior efeito metabólico, muito embora em proporções bem menores do que ocorre no banho
quente.

Pacote de Gelo

Essa técnica é a mais utilizada entre todas as outras, porém, muitos terapeutas encontram dificuldades
para a modelagem da articulação ou das extremidades. Portanto, para facilitar a modelagem, devemos
moer ou triturar o gelo e, após colocarmos dentro de sacos plásticos, devemos retirar o ar e fechar em
seguida.

O pacote poderá ser fixado ao local da aplicação por faixas, ataduras de crepe ou um peso para estabilizar
o pacote quando possível.

A temperatura do pacote está em torno de 1ºC a 3ºC aproximadamente.

Pacote de gelo

Gelo, Compressão e Elevação

Essa técnica é usada universalmente nos cuidados imediatos das lesões agudas nos esporte.

Foi a única técnica que encontramos com trabalho experimental, randomizado e provou sua eficácia no
tratamento de pós-operatório em artroplastia total de joelho, como já foi dito anteriormente.

Além dos efeitos da crioterapia temos os efeitos da elevação e compressão. A compressão é feita por faixa
elástica ou por aparelhos que possuem um recipiente de espuma com elástico e uma faixa com crepe,
como o Polar Care.

A compressão atua aumentando a pressão externa da vasculatura. Dado que a pressão externa está no
denominador da fórmula da pressão de filtração capilar, essa técnica pode ajudar no controle da formação
do edema e, também, poderá ajudar a reduzir o inchaço, ao promover a reabsorção do fluído. A pressão
externa é mais efetiva quando o edema começa a ocorrer e será efetiva enquanto houver edema.

Segundo Knight et alli, 1985 "a pressão hidrostática resulta do peso da água. Na medida em que
mergulhamos, por exemplo, no mar, a pressão hidrostática capilar é menor quando o segmento corporal
está em porção fluida do sangue. A pressão hidrostática capilar é maior quando o segmento corporal está
em posição pendente do que quando elevado em função do maior peso da água. A elevação, assim, é
benéfica durante os cuidados imediatos, por diminuir a pressão hidrostática capilar, o que faz baixar a
pressão de filtração capilar. Embora a elevação também diminua a pressão hidrostática tecidual, seu valor
normal é muito menor do que da pressão hidrostática capilar, de tal modo que a variação absoluta na
pressão hidrostática tecidual devida a elevação será negligenciável".

Encontramos dois tipos de aparelho que fazem essas ações de crioterapia, elevação e compressão; um
deles é o Polar Care e o outro é o Cryo Cuff.

Polar Care

Aplicação da crioterapia, com uso do Polar Care

Aplicação da crioterapia, com uso do Cryo Cuff

A aplicação imediata dessa técnica é a medida prioritária para lesões decorrentes no meio esportivo, visto
que o gelo demorará 5 min ou mais para agir sobre o fluxo sangüíneo.

Spray de Vapor Frio

Historicamente, dois tipos de spray são usados,os de Flori -Metano que são os não inflamável e não tóxico
e o Etil-Clorido que é um vapor refrigerante destinado a aplicação tópica para controlar a dor associada às
condutas cirúrgicas menores, tais como lancetar furúnculos ou drenar pequenos abscessos, lesões de
atletismo, injeções e para o tratamento de dor miofascial, movimento restrito e espasmo muscular.

Spray para o uso da crioterapia

Devemos evitar a inalação do Etil-Clondo, pois pode produzir efeitos narcóticos, anestésicos gerais e
anestesia profunda ou coma fatal, com parada cardíaca ou respiratória. O Etil-Clorido é inflamável e nunca
deve ser usado na presença de uma chama em aberto, ou equipamento elétrico de cauterização. Quando
usado para produzir congelamento dos tecidos, as regiões adjacentes da pele devem ser protegidas com
aplicação de petrolato. O processo de descongelamento pode ser doloroso e o congelamento pode reduzir
a resistência local da infecção e predispor uma cicatrização demorada.

Banho de Contraste

Essa técnica consiste numa alternância entre o calor e o frio, onde os objetivos são vasomotores, isso é,
alterações circulatórias que o agente frio e o calor promovem nos tecidos.

É realizado dois recipientes, um deles contendo uma mistura de gelo e águas, e o outro com água quente
numa temperatura que varia de 40ºC a 45ºC.

A água quente deve ser iniciada com duração de 5 min. para promover uma vasodilatação alterando o fluxo
sangüíneo de 1,6 lts para 1,71 lts. Em seguida deve ser usado o frio que provocará uma queda imediata da
temperatura subcutânea e profunda.

Devemos terminar a técnica utilizando o frio com duração de 3 min. com o objetivo de resfriar os tecidos e
reduzir as necessidades metabólicas dos mesmos.

Banho de contraste (frio)

Banho de contraste (mudança)

Banho de contraste (quente)

Foi encontrado na literatura um protocolo de banho de contraste elaborado pela CEFESPAR com duração
total de 30 min., seguindo as informações já citadas anteriormente, em relação ao início e ao término da
aplicação de cada principio físico, no caso frio e quente.

Cryo 5

Esse aparelho é, sem dúvida, a novidade para a aplicação da crioterapia. Consiste em um aparelho elétrico,
que resfria o ar ambiente numa temperatura de até -30ºC, que pode ser regulado digitalmente. A distância
da extremidade do aparelho deve ser de 5 a 20 cm da pele. O aparelho traz uma comodidade ao paciente
em relação a umidade e, ao fisioterapeuta, por ter diversos tamanhos adaptáveis ( 5 a 10 mm ) com a
extremidade, podendo ter uma aplicação mais individualizada. O fabricante desse aparelho recomenda o
uso dessa técnica de aplicação da crioterapia de 1 a 10 min. Foi pedido ao fabricante algum trabalho
experimental para verificação da comprovação dos efeitos desse aparelho, mas não obtivemos resposta até
então. O Cryo 5 funciona com ar natural, livre de custos adicionais. Esse aparelho está por volta de US
17.500 (preço verificado no HOSPITALAR 99).

Cryo 5 e detalhe do mostrador digital de regulador de Tº

Aplicação com Cryo 5

Contra-Indicações

Em algumas doenças são contra-indicados o uso da crioterapia. Iremos citar as principais, mas é bom
ressaltar que todas as doenças a serem tratada com a crioterapia, antes devem ser bem estudadas pelo
fisioterapeuta

Crioglobulinemia é uma doença caracterizada pela presença de uma proteína sangüínea anormal, que
forma um gel quando exposta a baixas temperaturas. Essa formação de gel pode levar a isquemia ou
gangrena. Crioglobulinemia está associada com certos tipos de infecções bacterianas e virais, doença
crônica do fígado, lupos eritematoso sistêmico e outras doenças reumáticas.

Fenômeno de Raynaud é uma doença vasoespástica, que pode ser ideopática ou associada com outras
doenças. É um episódio de constrição de pequenas artérias e arteríolas nas extremidades, que resulta em
palidez e/ou cianose da pele, seguida por hiperemia e vermelhidão. A vasoconstrição pode ser grande o
bastante para levar a uma oclusão completa dos vasos.

Hemoglobinúria proximal fria pode ocorrer depois de exposição local ou generalizada ao frio. Hemoglobina
que normalmente é encontrada entre as células vermelhas do sangue, é liberada das células vermelhas do
sangue e aparece na urina.

Gota: É um distúrbio metabólico que sofre importante influência genética, manifestada por níveis elevados
de ácido úrico sérico, crises recorrentes de artrite aguda, formação crônica de agregados de cristais de
MUS nas articulações, nas bainhas sinoviais, bursas, tecidos subcutâneos.

A concentração de ácido úrico no líquido sinovial é semelhante aquela do plasma, e nos pacientes
hiperuricêmicos observa-se a super saturação de urato em ambos os ambientes. Assim, é maior a
probabilidade de formação de cristais de monourato de sódio, agentes inflamatórios primários. Outros
fatores contribuem para a formação desses cristais: a presença intra-articular de gama globulina, de
colágeno tipo I, diminuição de pH e da temperatura intra-articular, traumatismo articulares e rápidas
flutuações nos níveis séricos de urato.

A baixa temperatura facilita a formações desses cristais monourato de sódio e conseqüentemente piorando
o caso clínico dos pacientes portadores dessa doença.

EFEITO FISIOLÓGICO

Foi encontrado na literatura, diversos efeitos fisiológicos ocasionados pelo uso da crioterapia e são eles:

- Anestesia

- Redução da dor

- Redução do espasmo muscular


- Estimula o relaxamento

- Permite mobilização precoce

- Melhora a amplitude de movimento (ADM)

- Estimula a rigidez articular

- Redução do metabolismo

- Redução da inflamação

- Estimula a inflamação

- Redução da circulação

- Estimula a circulação

- Redução do edema

- Quebra do ciclo dor-espasmo-dor

Os efeitos fisiológicos citados são conflitantes entre os autores, por esse motivo iremos verificar quais
desses efeitos tem algum trabalho experimental ou se são comprovados cientificamente com trabalhos
randomizados com grupo controle.

Iremos dividir esses efeitos em grupos, já que foi notado que um efeito ocasiona outro. Os grupos serão:

· Efeitos Circulatórios

· Efeitos no Processo Inflamatório

· Efeitos Metabólicos

· Efeitos na Dor

· Efeitos Musculares

· Efeitos nos Nervos Periféricos

EFEITOS CIRCULATÓRIOS

Ha uma grande divergência na literatura encontrada em relação à resposta circulatória local, durante e após
a aplicação da crioterapia no que se diz respeito a vasoconstrição e vasodilatação.

Segundo Hocutt "Baseado no conhecimento fisiológico determinado pelo uso da crioterapia verifica-se que
o frio causa vasoconstrição diminuindo o fluxo sangüíneo regional e conseqüentemente, a hemorragia na
área traumatizada. A mudança da temperatura dos tecidos causa diminuição do metabolismo, das ações
químicas das células e conseqüentemente da quantidade de oxigênio e de nutrientes. O decréscimo do
fluxo através da lesão dos vasos limita o edema; há menor liberação de histamina e interrupção no
processo de evolução da rotura do capilar, o que normalmente ocorreria após a lesão. Há melhor drenagem
linfática devida menor pressão no líqüido extravascular".

Segundo Lianza. Após 10 a 15 min. da vasoconstrição inicial ocorre uma vasodilatação reflexa profunda,
sem aumento da atividade metabólica local. Esta redução do metabolismo determinado pela queda da
temperatura leva a uma diminuição de oxigênio e nutrientes necessários, na área afetada. Fica, portanto,
evidente a indicação da crioterapia imediatamente após traumas esportivos.

A vasoconstrição cutânea aumenta com a queda de temperatura da pele a 150C; abaixo disso a
vasodilatação ocorre atingindo seu máximo a 00C, geralmente após 25 min. de aplicação da crioterapia.

Estudo Durante o resfriamento.

Quando a redução da temperatura do tecido é mantida por um longo tempo, ou quando a temperatura é
reduzida abaixo de 10ºC, uma vasodilatação de frio induzida pode seguir o período inicial de
vasoconstrição. Este fenômeno foi reconhecido por Lewis em 1930. Ele achava que quando os dedos eram
imersos em um recipiente com gelo, a temperatura da pele diminuía durante os 15 primeiros min. Esta
redução foi seguida por período cíclicos de aumento e diminuição de temperatura, que Lewis correlacionava
com vasodilatação e vasoconstrição respectivamente. Durante os períodos cíclicos, as temperaturas nunca
voltaram aos valores próximos da pré-imersão. Este ciclo foi chamado de "resposta de caça" e foi sentido
por Lewis de ser uma atividade dentro de um reflexo axônio. Como a pele foi esfriada para menos de 10ºC,
resultaria em dor, causando impulsos sensoriais aferentes para serem levados a arteríolas da pele. Um
neurotransmissor não identificado, denominado receptor "H", similar em ação à histamina, foi
hipoteticamente solto, resultante em vasodilatação arteriolar.Como o sangue aquecido veio para a área,
elevou a temperatura acima de 10ºC, o banho de gelo foi novamente eficiente ao causar a vasoconstrição.

Para tentar explicar sua afirmação sobre a vasodilatação durante a crioterapia, Lewis utilizou um protocolo
onde fazia a imersão de um dedo em água fria (água e gelo) e observou as seguintes reações da
temperatura do dedo A análise feita por Rodrigues (1995) pelo estudo de Lewis foi a seguinte:

- A temperatura normotérmica do dedo está em torno de 30ºC a 340C aproximadamente, portanto para
considerarmos a ocorrência de vasodilatação, a temperatura do dedo pesquisado deveria elevar-se acima
da temperatura medida pré-aplicação do frio.

- A imersão do dedo em água fria produzia uma redução abrupta na sua temperatura, de 33,50C para,
aproximadamente, 340C até os primeiros 14 min. de resfriamento. Após este tempo, a temperatura
começava a aumentar seguindo um padrão não rítmico de elevação e redução. Estas oscilações na
temperatura estavam entre 2,5ºC a 7ºC, aproximadamente, e foram consideradas por Lewis como
vasodilatação.

- Posteriormente, os pesquisadores denominaram a reação de caçador, como sendo um fenômeno


circulatório. Portanto, o gráfico mostra o controle de temperatura do dedo durante 124 min. de imersão em
água fria e em nenhum momento desta amostragem ocorreu vasodilatação. Isto confirma o fato de que
houve erro de medida na avaliação dos dados da pesquisa de Lewis, na condição durante o resfriamento.

Estudo Após o Resfriamento.

Lewis, para tentar explicar a vasodilatação após a crioterapia, utilizou um protocolo onde fazia a imersão de
um dedo por 15 min. em água fria a 70C e media a recuperação da temperatura local, após a imersão por
73 min., como ilustra o gráfico a seguir que mostra um efeito secundário que Lewis tentou afirmar ser
devido a vasodilatação. Observe, porém, a temperatura do dedo controle (R3) artificialmente baixa (19ºC
aproximadamente).

O gráfico a seguir nos mostrará que as temperaturas do dedo, a ser resfriado (R2) e de controle (R3) estão
bem abaixo da temperatura normotérmica dos mesmos (300C a 34ºC), antes de iniciar o resfriamento. Isto
pode ser devido às condições de baixa temperatura do ambiente.

"Observamos que após a remoção do dedo resfriado (R2), a sua temperatura subiu rapidamente para 280C
a 290C, aproximadamente, e ultrapassou a temperatura do dedo controle (R3), que estava a 190C. Após 10
min. a l5min. da retirada do dedo (R2) da água fria, iniciou-se uma redução de sua temperatura, e quase
atingiu a temperatura do dedo controle (R3), após 5Omin. a 55min. do pós-frio.

Como podemos observar no gráfico, Lewis iniciou o estudo com os dedos R2 e R3, a uma temperatura de
180C a 190C, considerada muito baixa quando comparada com a temperatura normotérmica do dedo, que
é de 300C a 340C, aproximadamente. O que não justifica Lewis considerar este fato como vasodilatação.

Em nenhum estudo realizado mostra que a temperatura de recuperação (após a crioterapia) foi superior a
temperatura de pré-imersão, em condições normais. Então podemos confirmar, o fato de que houve erro de
medida na avaliação dos dados nas pesquisas de Lewis, nas condições de, durante, e após a crioterapia.

Segundo Clarke, Hellon e Lind, a vasodilatação fria pode também ocorrer sem o componente de caça, já
citado anteriormente. Eles esfriaram antebraços humanos à uma temperatura de 1ºC. Um aumento
acentuado na corrente sangüínea de 3 a 4 vezes os valores de antes do esfriamento ocorreu depois de 15
min. de imersão. Apenas um pequeno aumento na corrente sangüínea foi notado com temperatura de 10ºC.

Pensava-se que esta vasodilatação fria era uma resposta profunda, provavelmente em músculo
esquelético, e foi assumido ser local, por que não foi notada nenhuma mudança reflexiva na extremidade
contra-lateral.

Estudos na Microcirculação

Micholovitz, realizou, um experimento com ratos para explicar os efeitos da crioterapia na microcirculação.

Foram colocados contra a pele dos ratos, cubos de gelo por 20 min.. Este tratamento foi iniciado 24 horas
após a contusão. Smith achava que houve um aumento no diâmetro das arteríolas seguindo-se à contusão,
mas que não houve mudança no tamanho arteriolar em resposta a crioterapia. Ao contrário, não houve
mudanças no diâmetro das vênulas após o machucado, mas houve um aumento significativo no tamanho
das vênulas em resposta a crioterapia. Os resultados desse estudo sugeriram que um aumento no diâmetro
das vênulas permite uma maior reabsorção fluídica, assim provando um mecanismo adicional para reduzir
edema.

Houve muita especulação e investigação por anos para esclarecer as causas da vasodilatação fria.
Somando-se à ativação de um reflexo axônio, alguns pesquisadores dizem que esfriando para menos de
10ºC pode-se inibir atividade miogênica de músculo liso ou reduzir a sensibilidade dos vasos sangüíneos
para catecolaminas, causando assim a vasodilatação.

A vasoconstrição segundo Knight (1995) permanece por um período relativamente longo após a retirada do
estímulo hipotérinico, resposta esta que não confirma a crença de alguns fisioterapeutas que acreditam na
ocorrência de uma vasodilatação induzida pela crioterapia. Não se pode dizer que há uma vasodilatação
induzida, e sim urna redução parcial da vasoconstrição, uma vez que o diâmetro do vaso após a crioterapia
não ultrapassa seu diâmetro inicial. Estudos mostram que um vaso de aproximadamente 5 de diâmetro
(unidade arbitrária) tem durante a aplicação da crioterapia seu diâmetro reduzido para 1 após o término da
terapia o diâmetro torna-se 3 concluí-se que não ocorre uma vasodilatação propriamente dita e sim um
retorno do diâmetro normal, sem a técnica da crioterapia.

Somente Vasoconstrição

Uma das principais funções da crioterapia no sistema circulatório é a diminuição do fluxo sangüíneo devido
a vasoconstrição.Este efeito acarreta um controle da hemorragia inicial intratecidual e limita a extensão da
lesão.

A vasoconstrição que ocorre por um estímulo das fibras simpáticas e a diminuição da pressão oncótica
juntamente com a diminuição da permeabilidade da membrana leva a uma redução do edema. Também se
sabe que a vasoconstrição ocorre devido a uma diminuição do fluxo sanguíneo nos vasos lesados, sendo
que o efeito da histamina na membrana vascular também é diminuído com a ação da crioterapia.

Segundo Zohn ap Pedrinelli (1993) a vasoconstrição é produzida reflexamente nas fibras simpáticas e por
ação direta sobre os vasos por redução da temperatura.

O efeito da vasoconstrição é a resposta inicial que ocorre durante a aplicação da crioterapia e seu objetivo
é de manter o calor do corpo como uma resposta fisiológica da regulação da temperatura corporal
(Douglas)

O gráfico irá demonstrar com clareza a vasoconstrição promovida pela crioterapia.


- Técnica: crioterapia, quente e controle.

- Local: tornozelo.

- Controle: 25 min. durante e 20 min. após.

- Medidas: fluxo sangüíneo

Após analisarmos o gráfico, podemos observar na tabela (Tab 1) os resultados obtidos em relação à
resposta do fluxo sangüíneo nas condições de crioterapia, pacote quente e controle, durante 25min.

Observando o gráfico, podemos afirmar que a crioterapia promove uma redução progressiva do fluxo
sangüíneo e o calor promove um aumento progressivo do fluxo sangüíneo já o controle, por estar sujeito a
influências do ambiente, apresenta uma redução muito lenta, mas de forma progressiva.

Tempo Durante Crioterapia Pacote Quente Controle

3 min. 1,40 L. 1,65 L. 1,51 L.

5 min. 1,40 L. 1,67 L 1,50 L.

10 min 1,01 L. 1,81 L 1,39 L.

15 min 0,881 L 1,75 L. 1,40 L.

20 min. 0,851 L. 2,0 L. 1,39 L

25 min. 0,661 L. 2,2 L. 1,38 L

Tabela 1: Decomposição gráfica, da Fig.6 durante 25 min.

Fonte: Rodrigues, A., Crioterapia, 1995, p 169.

Após analise feita por Rodrigues, ficou bem claro que a resposta do fluxo sangüíneo não ocorre
vasodilatação durante e nem depois do uso da crioterapia.

A tabela (Tab 2) foi feita uma decomposição do mesmo gráfico anterior só que agora após 25 min. das
condições prescritas.

Tempo Após Crioterapia Pacote Quente Controle

2 min. 0,67 L. 2,1 L. 1,0 L.

4 min. 0,89 L. 2,2 L. 0,96 L.

6 min. 0,65 L. 1,8 L. 0,97 L.

8 min. 0,63 L. 1,9 L. 1,0 L.

10 min. 0,64 L. 1,7 L. 0,98 L.

15 min. 0,65 L. 1,5 L. 0,97 L.


25 min. 0,63 L. 1,47 L. 0,95 L.

Tabela 2: Decomposição gráfica, da Fig.6 após 25 min.

Comprovação Científica:

Em relação aos efeitos na circulação iremos descrever o que foi comprovado cientificamente.

Um trabalho randomizado foi realizado por Levy, A.S.; et alli para avaliar a função do curativo de
compressão fria no tratamento do pós-operatório em artroplastia total de joelho.

Foram randomizados 80 joelhos, onde, 40 foi para o grupo controle e 40 para o grupo experimental por
meio de sorteio, utilizando envelopes lacrados, após o término da cirurgia para prevenir o surgimento de
tendenciosidade.

O grupo controle realizou somente o curativo compressivo e não utilizou a crioterapia como o grupo
experimental.

No grupo experimental foi realizado a crioterapia usando a compressão fria com um aparelho chamado
Cryo/Cuff, que consiste em uma bexiga que reveste a metade anterior do joelho e deixa a patela livre. É
conectado por um tubo a um resfriador contendo 4 litros de água com baixa temperatura e depois de inflado
proporciona uma pressão de 30 mmHg de compressão. Foi realizado num período de 3 dias, realizando a
técnica a cada 90 min.

Ao comparar o grupo controle com o grupo experimental, após uma avaliação feita por um observador
cego, no caso um fisioterapeuta, obtiveram os seguintes resultados em relação a perda sangüínea e a
amplitude de movimento. Os outros resultados, como a comparação da dor será citada nos efeitos
fisiológicos na dor.

Esse trabalho demonstrou que os pacientes do grupo experimental tiveram uma perda sangüínea em média
de 548 ml e o grupo controle teve uma perda em média de 807 ml. O declínio de hemoglobina em média de
3,1mg no grupo experimental e de 4,7 mg nos pacientes do grupo controle, isto resulta em média um
calculo total de perda sangüínea de 1289 ml no grupo experimental e de 1908 ml no grupo controle. O
extravasamento de sangue nos tecidos moles é em média 744 ml no grupo experimental e 1101ml no grupo
controle.

A amplitude de movimento no grupo controle foi de 65º e no grupo experimental foi de 77º.

Então ficou comprovado que a crioterapia compressiva utilizando o aparelho Cryo/Cuff nos pós-operatórios,
em relação aos efeitos circulatórios e amplitude de movimento, diminuem o extravasamento sangüíneo e
aumenta a amplitude de movimento.

Efeitos Inflamatórios

Os efeitos fisiológicos da crioterapia no processo inflamatório existente na literatura são confusos, já que
existem muitas controvérsias sobre esse assunto.

Conceito de Inflamação

A inflamação é a reação do tecido vivo vascularizado à lesão local. É causada por infecções bacterianas,
agentes físicos, substâncias químicas, tecido necrótico e por reações imunológicas. O papel da inflamação
é conter e isolar a lesão, destruir os microrganismos invasores, inativar as toxinas e atingir a cura e o
reparo. Entretanto, a inflamação e o reparo são potencialmente nocivos, provocando reações de
hipersensibilidade potencialmente fatais, lesão progressiva do órgão e fibrose.

Sinais Clássicos Da Inflamação Aguda


- Calor

- Vermelhidão (rubor)

- Edema (tumor)

- Dor

- Perda da função

Efeitos da Inflamação

· - Vasoconstrição inicial transitória das arteríolas

· - A seguir, vasodilatação, provocando aumento de fluxo; responsável pelo calor e pelo rubor

· - Menor velocidade de circulação, eventualmente devida a permeabilidade vascular aumentada, leva à


êxtase. A permeabilidade aumentada é a causa do edema

· - Com a menor velocidade, surge marginação dos leucócitos, precedendo os eventos celulares

Inflamação Crônica

Inflamação crônica é a inflamação de duração prolongada, na qual a inflamação ativa, a destruição tecidual
e as tentativas de cicatrização ocorrem de forma simultânea.

Essas inflamações podem surgir de várias maneiras tais como:

- Pode ocorrer após inflamação aguda, devido à persistência do estímulo desencadeador ou devido a
alguma interferência no processo normal de cicatrização;

- Pode ser resultado de surtos repetidos de inflamação aguda;

- Mais amiúde começa de forma insidiosa como uma resposta indolente de baixa intensidade que não
segue a inflamação aguda clássica, em uma das seguintes situações:

Infecção persistente por micróbios intracelulares que são de baixa toxicidade, mas que evocam uma reação
imunológica;

Exposição prolongada a substâncias não degradáveis, mas potencialmente tóxicas;

Reações imunes, em particular aquelas perpetuadas contra os próprios tecidos do indivíduo.

Os achados histológicos da inflamação crônica incluem:

· - Infiltração por células mononucleares, principalmente macrófagos, linfócitos e plasmócitos;

· - Destruição tecidual;

· - Reposição do tecido conjuntivo da lesão por um processo envolvendo proliferação dos vasos sanguíneos
e fibrose.

Estudos da Crioterapia na Inflamação

Em um estudo, Ducan e Brooks utilizaram injeções subcutâneas, nas costas de coelhos, de cultura de
stafilococus aureus , que são cocos gram-positivos que formam grumos semelhantes a cachos e que
provocam lesões cutâneas. Quando essas lesões estão localizadas na pele, ossos ou valvas cardíacas
provocam inflamação piogênica.
- Algumas feridas não foram tratadas

- Outras feridas foram tratadas com água a uma temperatura de 40Cº.

- Outras feridas foram tratadas com água a uma temperatura de 10Cº

Os resultados obtidos após 24h, a resposta inflamatória era maior nas feridas tratadas com água a 40ºC e
as feridas tratadas com água a 10ºC as respostas inflamatórias quase não existiam.

Após 24h de interrupção do tratamento as lesões tratadas pela crioterapia pareciam com as não tratadas
nas primeiras 24h da lesão.

Com esses dados os autores chegaram a uma conclusão que a crioterapia não alterou a resposta
inflamatória, e sim, a adiou.

Rodrigues (1995) conclui que o efeito que desencadeou o processo inflamatório ainda estava presente, o
que reforça o fato de que a crioterapia alterou o início e controlou a intensidade do processo inflamatório. A
resposta obtida, após a retirada da crioterapia, deve-se ao fato de que o processo que desencadeou a
reação inflamatória ainda estava em estado ativo e, portanto, a crioterapia deveria ter sido aplicado por
mais tempo. Aqui deparamos com os parâmetros: tipo do frio, tempo de aplicação e duração da conduta
preventiva, para que a reação inflamatória não se manifestasse.

Um outro estudo citado por Rodrigues (1995), foi o estudo realizado por McCorskery e Harris sobre o efeito
da "Colagenase Sinovial", uma enzima produzida na articulação pelo sinóvio reumático e que destrói o
colágeno da cartilagem articular.

Aplicação de colagenase sinovial, cartilagem articular, a temperaturas de 300C, 330C, 360C.

· * Com 36Cº, a degradação do colágeno foi em torno de 38%.

· * Com 330Cº, a degradação do colágeno foi em torno de 12%.

· * Com 300Cº, a degradação do colágeno foi em torno de 3%.

Para Rodrigues (1995), os dados recolhidos na pesquisa de McCorskery e Harris, indicam como tratar uma
articulação com o processo inflamatório do tipo reumatóide instalada, assim como, nos auxilia na prevenção
do processo inflamatório, após submetermos uma articulação reumática (osteoartrose) a trabalhos físicos.

Durante qualquer trabalho físico existe sempre um aumento na temperatura articular, promovendo a
liberação da colagenase sinovial, conseqüentemente, estimula a síntese de cálcio, o que aumenta a
destruição da cartilagem articular. Utilizando a crioterapia imediatamente após qualquer atividade física,
estaremos abaixando a temperatura articular e, teoricamente, estaremos reduzindo ou limitando a liberação
desse colagenase sinovial, reduzindo ou eliminando a resposta inflamatória. Sendo assim, é necessária a
aplicação da crioterapia logo após essas atividades físicas.

O gráfico mostra a degradação das fibras de colágeno da cartilagem articular humana pela colagenase
sinovial reumatóide funcionalmente purificada a diferentes temperaturas em relação ao tempo.

É importante questionar se a crioterapia promove ou não efeito semelhante sobre as outras enzimas
degradativas envolvidas no processo inflamatório. Se isso ocorresse, a crioterapia seria importante na
diminuição da lesão enzimática secundária ao trauma, e, durante estados inflamatórios crônicos, mas
negativo para a fagocitose macrófaga, durante o processo de resolução do hematoma. Na tentativa de
demonstrar os fatos citados acima, Dowart e outros, trabalharam em uma pesquisa em que eram injetados
cristais de urato monossódio em joelhos de cães e, imediatamente, eram aplicados pacotes quentes e frios
por 4 horas. Análise feita após aspiração do líqüido sinovial mostraram:

Degradação das fibras de colágeno em diferentes temperaturas

Os leucócitos do fluido sinovial retirado do joelho que foi resfriado com a crioterapia apresentavam menos
fagocitose e menos inflamação do que o joelho oposto que não teve a crioterapia.

Isso foi devido ao aumento da viscosidade do fluido sinovial, que por sua vez, poderia ter impedido o
movimento das células brancas em direção aos cristais.

Farry ap Micholovitz (1996) após realizarem um experimento com porcos obtiveram evidências histológicas
de diminuição de inflamação. Apenas 1 de 20 porcos tiveram sinais de uma resposta inflamatória
pronunciada. Todos os outros não tiveram nenhuma célula, inflamatórias nem ocasionais, para moderar
quantias de polimorfos e linfócitos.

Schambel ap Torrieri et all (1989) utilizando gelo em cirurgias ortopédicas diversas, concluiu que as
alterações de temperaturas induzidas pela crioterapia são fundamentais para o controle do quadro
inflamatório traumático.

Janssen e Waller ap Torrieri et all (1989) demonstram que o grau de inflamação, a permeabilidade capilar e
a resposta celular variam diretamente com a temperatura.

Smith ap Torrieri et all (1989) "pesquisando as ações do calor e do frio no quadro inflamatório, propôs que o
frio pode aumentar determinados quadros inflamatórios e diminuir outros. Daí se conclui que os quadros
inflamatórios traumáticos respondem satisfatoriamente às aplicações da crioterapia".

Knight ap Torrieri et all (1989) afirmou que a utilização do gelo na fase aguda se deve a trocas metabólicas,
alterações de permeabilidade celutar e ações no plano circulatório (vasoconstrição).

Núñes et all (1997) afirma que a crioterapia reduz o processo inflamatório agudo principalmente nos
traumatismo agudo.

Segundo Folberg (1988) a aplicação da crioterapia sobre a área lesada tem a ação antiinflamatória por
diminuir o metabolismo além de se opor a vasodilatação inflamatória.

Levy at all (1993) também afirma que a utilização da crioterapia, principalmente a técnica compressão e
elevação são fundamentais para a reduzir e evitar o processo inflamatório.

Comprovoção Científica

Não foi encontrado nenhum trabalho experimental randomizado sobre os benefícios da crioterapia no
processo inflamatório. Dr. Flávio Baptista Pinheiro

Efeitos Metabólicos

A redução do metabolismo é o principal efeito fisiológico das aplicações da crioterapia. Essa redução
metabólica juntamente com a redução da temperatura é dada o nome de hipotermia, que tem o principal
objetivo de reduzir a atividade metabólica dos tecidos envolvidos, para que estes tecidos resfriados
sobrevivam com menor quantidade de O2. .

Nas primeiras 24 a 48 horas após o trauma é, geralmente, aplicado a crioterapia. A razão para tal uso inclui
a uma diminuição no índice metabólico e assim levaria a uma diminuição da lesão hipoxica secundária. A
escolha da crioterapia tem se baseado em grande parte em evidências empíricas.

A diminuição da produção de metabólicos, após a crioterapia, é apresentado por vários autores. Sendo o
CO2 um dos mais importantes metabólicos do organismo, este sofrerá alterações que acarretarão na
diminuição da sua concentração, levando a um aumento do tônus vascular e conseqüentemente a uma
diminuição do seu diâmetro, ou seja uma vasoconstrição já explicada anteriormente.

Efeito da Temperatura Corporal sobre o Metabolismo

"Quanto mais elevada for a temperatura de um meio quimicamente reativo, mais rapidamente ocorrerão
suas reações químicas. Esse efeito também é observado nas reações químicas que se passam no interior
das células do corpo. Cada grau Celsius de aumento na temperatura aumenta a intensidade do
metabolismo em cerca de 10%. Por conseguinte, em pessoa com febre muito alta, a intensidade do
metabolismo pode ser o dobro da normal, como efeito da própria febre".

Estudos da Crioterapia Sobre o Metabolismo

Vários estudos relatam a redução do metabolismo, na área médica que trabalha com a neurocirurgia e
cirurgia cardíaca, foi possível graças ao uso do frio que produzia uma hipotermia induzida clinicamente.

Swan e Patton ap Rodrigues (1995), relatam que um maior resfriamento permitiria, que a circulação fosse
interrompida por períodos mais longos de tempo.

Najafi ap Rodrigues (1995) demonstrou, clinicamente, que a sobrevivência após cirurgia cardíaca era maior
quando se utilizava hipotermia local profunda e oclusão total, do que quando se utilizava hipotermia
sistêmica moderada e oclusão total ou perfusão normotérmica.

A preservação de um órgão é vital para um transplante bem sucedido, e é graças a hipotermia induzida
pelo frio.

A hipotermia reduz a necessidades celulares de energia, diminuindo, assim, a necessidade de O2 para o


tecido. Quanto mais profundo o resfriamento de um organismo, mais profundo é a depressão do seu
metabolismo. Blair mostra essas relações de consumo de O2 no gráfico, em porcentagem de captação de
O2 em relação a temperatura.

O músculo-esqueléticos reage de forma semelhante aos dos cães. Abranson mediu o consumo de oxigênio
em 21 antebraços imersos em água a 45ºC, 32ºC, 17ºC. A média, da proporção de consumo de oxigênio,
era de 2.5ºC.

"A hipotermia, além de diminuir o metabolismo, pode, também, aumentar a solubilidade do O2,
aumentando, assim, a quantidade de O2 na solução física"

A redução do metabolismo após a crioterapia é bem entendia em relação ao uso imediato no pós-trauma
como mostram alguns trabalhos:

Blalock ap Rodrigues (1995) induziu lesão letal no tecido brando da perna traseira de 50 cães. Após,
estabeleceu os protocolos tratando 50% com o calor e 50% com a crioterapia e mediu o tempo de
sobrevida desses animais (crioterapia após o trauma). O calor levou a um aumento de aproximadamente
80C na perna lesada e a crioterapia levou a uma redução de aproximadamente 29C.

Valores do consumo de O2 durante a hipotermia progressiva feita pelo frio extracorpóreo (cães)

O resultado desse experimentou foi que os animais tratados com o frio viveram duas vezes mais que os
animais tratados com o calor, respectivamente 11:24 min. e 5:49 min.

Outro trabalho foi feito agora para verificar o uso da crioterapia durante o trauma, Ducan e Blalok ap
Rodrigues (1995) colocaram animais em uma prensa mecânica por 5 horas e aplicaram a crioterapia
durante este período. Concluíram, que se a crioterapia fosse aplicada durante o trauma, ocorreria uma
influência protetiva definitiva. Porém, se a crioterapia fosse aplicado 5 horas após o trauma, não ocorreria
beneficio algum, pois a anoxia já teria exercido os seus efeitos nocivos aos tecidos. Dr. Flávio Baptista
Pinheiro

Dor

Conceito de Dor

"Quando se trata de definir a dor, é quase impossível dizer o que ela realmente é; sabemos intuitivamente
como é, mas especificar, definir claramente, ou mais ainda, descrevê-la integralmente resulta praticamente
uma utopia. A criança "sabe" quando tem dor e precocemente aprende a diferencia-lá, mas, por que pode
dizer que é dor e não outra sensação? Além disso, a criança já pode separar bem esta sensação, como
algo diferente das outras sensações, e dá a ela a maior importância"

"Segundo o dicionário Webster, dor é a sensação que temos quando ficamos feridos mental ou fisicamente,
com pena, sofrimento, grande ansiedade, angústia. Além disso, o Webster oferece outra definição da dor,
como uma sensação de grande desconforto, prejuízo em algumas partes do corpo, causada pela injúria,
doença ou transtorno funcional, que é transmitido através do sistema nervoso. Para Bard, todo o estímulo
de intensidade suficiente para ameaçar o bem-estar dos tecidos, e que dá lugar à dor, é chamado noxa ou
estímulo nocivo, o qual evoca movimentos reflexos característicos que são de natureza protetora e
defensivos".

Tipos de Dor

Segundo Rodrigues (1995) os tipos de dor são:

Dor trigeminal: nevralgia do trigêmio, dor caracterizada pela sua localização bem definida e precisa; embora
possa ter diferentes qualidades, é fulgurante e sua intensidade é geralmente elevada. Freqüentemente se
acompanha de lacrimejamento. Pode ser considerada como uma dor epicrítica.

Dor difusa: como a dor talâmica, tipo queimadura, mas de localização indefinida. Apresenta-se nas
afecções do tálamo e pode ser considerada como a dor protopática.

Dor referida: própria das afecções viscerais: vesícula biliar, ureter (cólicas hepática e renal), coração (dor
anginosa), apêndice, etc. Esta dor é também pouco precisa, mas suas característica principal é que se
apresenta afastada do sítio anatômico onde estão as vísceras comprometidas (ponto de origem); sua
intensidade é geralmente elevada, com grande compromisso neurovegetativo e emocional.

Dor do histérico: de localização imprecisa e variável, como também sua intensidade e qualidade efetiva.

Hiperalgesia: sensação dolorosa provocada por estímulos que usualmente não produzem dor, só sensação
de toque ou pressão.

Dor do membro fantasma: em casos de amputações de extremidades, a sensação (dolorosa) do membro


inexistente é projetada à mesma região.

Classificação da Dor

Em relação a duração ela pode ser aguda e crônica, onde as agudas são breves, autolimitados, embora
possam ter tendência a repetições, e as crônicas têm a característica de estabilização do quadro doloroso
não deixando tendência à regressão espontânea e na maioria das vezes, persiste mesmo após ter cessado
de operar a causa orgânica que o determina.

Hideko et alli (1995) a dor aguda tem função de alertar sobre a ocorrência de lesões teciduais instaladas ou
em via de se instalar.

A dor crônica geralmente não tem essa finalidade e pode ser causa de incapacidade funcional, situação
essa que justifica a absorção de medidas destinadas a seu controle. Entretanto, muitas vezes, manifesta-se
mesmo na ausência de agressões teciduais vigentes.

A dor também tem uma classificação em relação a origem, podendo ser dor superficial e dor profunda, onde
a dor superficial apresenta-se geralmente, em pontadas, precisamente localizadas, limitadas e de origem
superficial e de duração e tempo de latência curta, produzindo respostas afetivas menos intensas; já a de
dor profunda apresenta-se em forma de queimação, mal localizada e tardia.

Outra origem de dor pode ser a referida, geralmente ocorre mais na dor visceral e menos nas profundas;
caracteriza-se pelo aparecimento de uma área hipersensível ou dolorosa na superfície corporal, a distância
da víscera, mas, em certos casos, ela localiza-se em metâmero distante. Embora o fenômeno ainda não
esteja esclarecido, os autores atribuem o mesmo a convergência de somação espacial de estímulos sub-
liminares a nível medular. A dor referida tem grande importância clínica, não só pelo seu valor diagnóstico,
mas, também, porque em muitos casos de dor incoercível, a anestesia da área referida pode contribuir para
aliviar significativamente a dor.

Receptores da Dor

Segundo Douglas (1994) as diferentes modalidades de dor, queimante, fulgurante, pulsátil, etc., podem ser
explicadas pela estimulação de quimioreceptores por agentes químicos, e também dos receptores
adjacentes, tanto os mecano como os termorreceptores, evocando assim, a resposta dolorosa bimodal ou
multimoda/ (heterostase somestésica). Assim, os três tipos de receptores são descritos como específicos da
dor (nociceptores).

Nociceptor termossensitivo: excitado por temperaturas acima de 450C e no congelamento.

Nociceptor mecanossensitivo: sensível a deformação nociva. Experimentalmente, por punção com agulha
de peso 30 g ou deformação da pele com fórceps, pode-se excitar estes receptores mecânicos que são de
alto limiar.Por outra parte, Pearl não determinou dor quando agiu excitando os receptores mecânicos ou
térmicos com substâncias químicas algésicas, concluindo que elas só agiriam a outro nível de detecção.

Nociceptores químiossensitivos: excitados por substâncias químicas algésicas, mas que não podem ser
considerados propriamente nociceptores; isto porque evocam dor, sem obrigatoriamente serem lesados,
mas apenas excitados por substâncias químicas, também liberadas na lesão tecidual.

Pode-se, então, concluir que a dor é determinada pela excitação de diversos tipos de receptores,
genericamente denominados nociceptores.

Bessou e Pearl descreveram unidades nociceptoras polimodais, em pequenas zonas da pele, que
apresentam fibras aferentes amielínicas e respondem a forte pressão (mecanossensitivas), calor excessivo
(termossensitivas) e substâncias químicas irritantes (quimiossensitivas).

Vias de Condução Periférica

São identificadas duas vias de transmissão dolorosa na periferia. Uma mais importante (70% 80% do total)
constituída de fibras amielinizadas, com velocidade de condução muito baixa (0,5-2m/seg do tipo C); outra
(20%) constituída de fibras finas, mielinizadas, com velocidade de condução entre 20 m/seg. a 30 m/seg do
tipo A deita.

Melzack e Wall, estudando os efeitos da fibra A delta e C no corno dorsal da medula, concluíram que a sua
teoria repousa basicamente em três hipóteses.

- As células da substância gelatinosa exercem papel regulador inibitório a nível segmentar.

- A coluna dorsal é a via aferente de informação dolorosa a nível cerebral ou medular (através vias
aferentes) de condução lenta.

- A atividade da substância gelatinosa seria controlada pelo influxo sensorial aferente e por influência
central aferente.

"Seria ativada pelo sistema de condução rápida A delta (doloroso, tátil e térmico), e por sistema monitor
central, o que inibiria a transmissão da primeira sinapse sensorial entre a fibra periférica e as células de
transmissão, provavelmente por mecanismos de inibição pré-sináptica, e seria inibida pelo sistema de
condução lenta, o que facilitaria a passagem do estímulo".

Dor Provocada Pela Crioterapia

"A literatura mostra diversos estudos sobre as dores provocadas pelo frio. Em um desses estudos,
utilizaram o seguinte protocolo: imersão no gelo e na água gelada da mão e tornozelo, massagem com gelo
no músculo gastrocnêmio. A imersão no gelo e na água gelada promove a sensação imediata de frio é
substituída em 5 seg a 60 seg. por uma dor do tipo profunda. Hensel descreveu a dor do frio como de
caráter monótono, pobremente localizada e com irradiação intensa, nas áreas adjacentes. Já a dor, durante
a massagem com gelo, não é tão intensa, pois o frio não faz contato constante em uma só área do corpo
durante a aplicação, fazendo com que a massagem seja considerada fásica".

A intensidade e o início da dor parecem estar relacionados com a temperatura da água do banho; quanto
mais baixa estiver a temperatura, mais rápido será o aparecimento da sensação de dor e também, mais
intensa. Quando se pede ao indivíduo para anotar sensações a cada 2 min. durante 20 min. de imersão do
tornozelo, o número de vezes em que a dor é mencionada estava relacionada com a temperatura Quanto
maior for a diferença da temperatura do membro e a técnica utilizada maior será a dor referida.

Redução da Dor

Segundo Roddrigues (1995) "Diversas condições, clínica e funcional, indicam a presença do frio, como:
durante a etapa 3 (Reeducação) da entorse articular, para reduzir a dor e facilitar o exercício ativo. Allen e
outros usaram imersão e/ou pacotes de gelo para dar anestesia total em pacientes com alto risco de
amputação; as aplicações variando de 1 hora para o tecido fino a 5 horas para o tecido grosso, levou a
anestesia suficiente para que nada mais fosse necessário ser usado. Além disso, a quantidade de
medicamento necessário pós-cirúrgico foi reduzido. Allen e outros, assim como Knight, relataram que a
imersão foi superior aos pacotes de gelo, o que confirma também as observações clínicas. Resultados
diversos foram obtidos em estudos das aplicações do frio, na redução da dor muscular. Um outro estudo
que está um tanto relacionado ao assunto, é o que diz respeito aos efeitos da imersão em água fria (15 min.
11ºC a 120C) e a flexibilidade estática do músculo, após a dor ser induzida no mesmo (tríceps sural).
Medidas de EMG após 48 horas pós-exercício e tratamento, revelaram uma redução na tensão muscular,
nos músculos tratados com imersão no gelo e flexibilidade estática, mas não foi notada nenhuma diferença
entre os dois tratamentos. A redução da dor, pelo frio, é um fato que ainda é um pouco difícil de explicar,
assim como, explicar a dor em si, também o é. Svacina relatou que a dor não é muito bem medida
objetivamente, nem definida apropriadamente. Essa asserção nasceu do fato de que certos procedimentos
cirúrgicos, drogas, técnicas psicológicas e modalidades de terapia física, foram todos usados com variados
graus de sucesso para controlar a dor, mas nenhum método foi claramente superior ao outro. Sempre
alguém irá sentir-se propenso a perguntar se realmente importa que saibamos como o frio reduziu a dor, já
que ele o faz. Embora os sucessos das técnicas clínicos não dependam necessariamente da compreensão
de seu funcionamento, ele pode ser melhorado pela descoberta do mecanismo fisiológico envolvido.
Infelizmente, no momento, ainda não é possível dar uma resposta definitiva".

Existem muitas teorias avançadas explicando os efeitos da redução das dores pelo frio:

· Redução da transmissão nervosa das fibras de dor

· Redução da excitabilidade das extremidades nervosas livres.

· Redução do metabolismo que alivia os efeitos nocivos da isquemia nos tecidos.

· Assincronia na transmissão das fibras de dor.

· Elevação do limite da dor.

· A ação como contra-irritante.

· Liberação de endorfinas.

A aplicação do gelo promove a estimulação dos receptores térmicos, que utilizam a via espinotalâmico
lateral, uma das quais transmite os estímulos dolorosos. Segundo Knight, o resfriamento faz com que
ocorra um aumento na duração do potencial de ação dos nervos sensoriais, e conseqüentemente um
aumento do período refratário, acarretando uma diminuição na quantidade de fibras que irão despolizar no
mesmo período de tempo. Conclui-se, então, que ocorre uma diminuição na freqüência de transmissão do
impulso e uma diminuição da sensibilidade dolorosa. A aplicação do gelo faz com que aumente o limiar de
excitação das células nervosas em função do tempo de aplicação, ou seja, quanto maior o tempo menor a
transmissão dos impulsos relacionados a temperatura o que pode gerar analgesia ou diminuição da dor.

Comprovação Científica

Dois trabalhos experimentais randomizados foram encontrados para verificar a eficácia da crioterapia em
relação à dor.

O primeiro desses trabalhos foi realizado por Curkovié et alli, onde realizou uma divisão por randomização
de 30 mulheres em 2 grupos. O 1º grupo com 15 mulheres foi aplicado uma massagem com gelo nos dedos
da mão direita de 1-3 min.; 15 pacientes do 2º grupo foram tratados com banho quente com duração de 10
min, a temperatura da água era de 38ºC. Eles estabeleceram um valor de dor em 10 fisioterapeutas antes
das aplicações. O tratamento e a mensuração da dor foram feitos de manhã. Eles fizeram a mensuração da
dor na articulação proximal do quarto dedo da mão direita, com um algometer. A dor é avaliada pela
pressão de um pequeno contato da superfície vertical na pele. A força dessa pressão aplicada é uniforme e
medida pela dor expressada em unidades de peso após a declaração do paciente.

O limiar de dor é definido como a menor que cada pessoa pode sentir. Eles fizeram a mensuração antes do
tratamento e logo após o tratamento, 10, 30 e 60 min após o procedimento. A análise estatística foi feita.

A média de idade dos pacientes no 1º grupo foi de 48,6 anos, no 2º grupo foi de 51,4 anos. A média de
duração da doença no 1º grupo era de 8,8 anos e do 2º grupo de 7,1 anos. Antes do tratamento os
pacientes com artrite reumatóide tinham médias significativas baixas, de linear de dor, comparadas com
indivíduos saudáveis. A média de valor do limiar de dor no grupo que realizou a massagem com gelo (1º
grupo) era de 1,09, e no grupo que realizou banho quente (2º grupo) era de 2,13. A diferença foi
estatisticamente significante. Não havia diferença nos valores do limiar de dor entre os grupos nem antes
nem depois do tratamento. Imediatamente após a terapia com gelo ou com calor o limiar de dor era
significantemente maior em ambos os grupos. Estatisticamente significância de aumento do limiar de dor foi
registrada 10 e 30 min. após a terapia com gelo enquanto não houve evidência igual após o banho quente
(quadro1).

TEMPO (min) GELO BANHO QUENTE

before 1.09 1.35

0 2.11* 1.77*

10 1.97* 1.76

30 1.68* 1.57

60 1.51 1.59

Quadro 1: * p<0.01

O gráfico demonstra a diferença entre o grupo tratado com massagem com gelo e do grupo tratado com
banho de águas quente a uma temperatura de 38ºC.

Ao terminar esse trabalho experimental o grupo de pesquisadores concluiu que os efeitos analgésicos
imediatos são mostrados logo após os procedimentos de calor e frio. Dez e trinta minutos após o
tratamento, o limiar de dor foi maior apenas em pacientes que receberam crioterapia. A análise estatística
não mostrou qualquer diferença nos valores limiar de dor entre o 1º e o 2º grupo em nenhum intervalo,
antes ou depois das aplicações. Agentes físicos tem efeitos favoráveis em paciente com artrite reumatóide.
Banhos quentes têm bom efeito em rigidez matinal e na amplitude de movimento (ADM), por outro lado, a
crioterapia seria mais indicada nesses casos.

O segundo trabalho encontrado, realizado por Levy, A.S et alli, foi realizado um estudo randomizado para
avaliar a função do curativo de compressão fria no tratamento do pós-operatório em artroplastia total de
joelho.

Foram randomizado 80 joelhos, onde, 40 foram para o grupo controle e 40 para o grupo experimental por
meio de sorteio, utilizando envelopes lacrados, após o término da cirurgia para prevenir o surgimento de
tendenciosidade.
O grupo controle realizou somente o curativo compressivo e não utilizou a crioterapia como o grupo
experimental. No grupo experimental foi realizado a crioterapia usando a compressão fria com um aparelho
chamado Cryo/Cuff, que consiste em uma bexiga que reveste a metade anterior do joelho e deixa a patela
livre. É conectado por um tubo a um resfriador contendo 4 litros de água com baixa temperatura e depois de
inflado proporciona uma pressão de 30 mmHg de compressão. Foi realizado num período de 3 dias,
realizando a técnica a cada 90 min.

A média de diminuição diária da escala visual analógica (E.V.A) de dor, quando a compressão fria foi
comparada ao grupo controle, foi 0.4 antes da cirurgia e 1.2, 1.3 e 1.5 nos dias 1, 2 e 3 respectivamente.

Os pesquisadores afirmam ainda que os dados relativos ao alívio da dor são difíceis de interpretar por
causa da variação do limiar de dor do paciente, mas os dados estatísticos são significantes.

A crioterapia é utilizada no sistema muscular, principalmente nas patologias neurológicas e nas lesões
esportivas. Segundo Swenson et alli devido a diminuição da temperatura, ocasionada pela crioterapia,
ocorre uma diminuição de ação muscular e um relaxamento dos mesmos, facilitando à diminuição da
espasticidade e a realização de exercícios de cinesioterapia.

Segundo Micholovitz (1996) o fato que a crioterapia pode mudar a força muscular pode ter explicações
importantes quando pacientes são avaliados e quando estão sendo efeitos planos de tratamento. A
crioterapia de curta duração poderia, talvez, ser usada para um melhor desempenho do músculo durante o
programa de terapia, assim maximizando o desempenho inicial e das avaliações seguintes em pacientes
durante um programa de terapia. Avaliação de força deveria ser feita antes da aplicação e após algumas
horas da aplicação.

Segundo Fanning et alli (1997) após realizarem um estudo experimental em ratos observaram os efeitos da
redução da temperatura na resposta músculo esquelética a agentes indutores de miotomia. Os autores
concluíram que nas temperaturas entre 25 e 15ºC não houve o desenvolvimento do miotonia, contração
lenta, seguida de um relaxamento, que ocorre nos movimentos voluntários devido a uma excitabilidade e
contratilidade muscular normal, induzida por ácido antracenico-9-carboxilico. Os autores correlacionaram os
resultados com a miotonia congênita quando contrações miotomicas do músculo adutor do polegar
desaparecerem quando a temperatura é diminuída à 20ºC.

Barnes et alli ap Pedrinelli (1993) relata que o efeito inicial do gelo sobre a musculatura é o aumento da
força máxima de pressão de 8,29 % seguida de perda de força de aproximadamente 14,05 % após 30 min
de aplicação da crioterapia.

Kottke et alli (1994), afirma que o clônus desaparece apenas quando a temperatura do músculo é diminuída
e quando a temperatura, após a aplicação da crioterapia, reduzir somente a temperatura da pele, haverá
uma facilitação do neurônio alfa-motor aumentando assim a espasticidade, sendo muito utilizado pela
crioterapia, mais enfocada na massagem com gelo, para redução muscular.

Comprovação Científica

Foi encontrado um trabalho experimental realizado por Chiara et alli (1998), que avaliaram os efeitos da
crioterapia no aumento do oxigênio percepção e espasticidade em pacientes com esclerose múltipla. O
objetivo era determinar o efeito de um banho frio no consumo de oxigênio e percepção durante
deambulação. A técnica usada foi o banho frio a uma temperatura de 24ºC.

Após esse estudo esse grupo de pesquisadores, concluíram que o aumento da espasticidade foi
estatisticamente significante, mas insuficiente para ser uma importância clínica. Ao contrário do que
esperavam, um banho com uma temperatura a 24ºC por 20 min não reduziu o consumo de oxigênio ou a
taxa de percepção durante a deambulação

O frio pode alterar a velocidade da condução e a atividade sináptica de nervos periféricos. 20, 27 Se a
temperatura do nervo for diminuída, haverá uma diminuição correspondente nas velocidades motora
condutiva e sensorial, ou até uma falha do nervo para conduzir impulsos. Transmição sináptica pode ser
impedida ou bloqueada
"A diminuição na velocidade de condução do nervo sensorial (VCNS) durante as aplicações da crioterapia
foi medida transcutaneamente em todo nervo humano: mediano, ulnar, sural e digital, sugeriu-se que 270C
pode ser uma temperatura crítica, ou seja, um ponto de alteração de temperatura que exerce um efeito
maior ou menor sobre o nervo. Paintal relatou que, conforme a temperatura se aproximava da temperatura
de bloqueio, que por sua vez era diferente em fibras diferentes, a velocidade de condução caía muito
rapidamente, provocando um desvio agudo na curva de velocidade de condução da temperatura"

"Denny Brown demonstrou que ocorre um bloqueio total a 10ºc, e que as fibras motoras são afetadas a
temperatura mais altas do que as sensoriais, e que apresentam uma maior redução na função, a uma dada
temperatura do que ocorreria com as fibras sensoriais. O bloqueio total da condução ocorreu a uma
temperatura abaixo de 10ºc e estava relacionada com a duração da exposição ao frio".

Inúmeras são as opiniões sobre as fibras que primeiro são afetadas pelo frio. Paintal e outros encontraram
evidências de que a temperatura em que a condução foi bloqueada nos nervos vaga, safenoso e cervical do
gato não tinha relação com a velocidade de condução normal. A condução da fibra lenta e rápida do mesmo
filamento nervoso foi bloqueada a mesma temperatura: 7,6ºC no nervo vago, 9,1ºC no safenoso normal e
16ºC no safenoso flexibilizado.

É mais ou menos um consenso que a resposta de velocidade de condução em fibras não mielinizadas, a
uma temperatura decrescente é semelhante, exceto a temperatura do bloqueio, que é mais baixa para as
não mielinizadas.

Crioterapia no Potencial de Ação do Nervo Sensorial

A diminuição da temperatura provoca um aumento na duração do potencial de ação. Lowitzsch e outros


demonstraram que o período refratário absoluto aumentou de "O.54ms a 350C" para "3.O7 ms a 200C",
enquanto o refratário relativo aumentou de "3.19 ms para 20.09 ms", o aumento no tempo destes períodos
durante o resfriamento, permite um maior efeito na duração do estímulo.

Precauções

O frio pode causar um aumento na pressão sistólica e diastólica transitório. Um monitoramento cauteloso
deve ser feito se usar a crioterapia para pacientes hipertensos. A pressão arterial deve ser aferida antes e
depois do tratamento. O tratamento deve ser suspenso se houver um aumento significativo da pressão
arterial.

A crioterapia deve ser aplicada com cautela em indivíduo com hipersensibilidade ao frio, circulação
defeituosa e doenças termo-regulatórias. Se após essas considerações a crioterapia for o tratamento
escolhido desses pacientes, monitoramentos próximos da resposta e ajuste apropriado aos parâmetros de
tratamento são necessários. Diminuindo a duração e ajustando a intensidade da aplicação, podemos
produzir os efeitos desejados sem provocar reações adversas.

A cicatrização pode ser dificultada por baixas temperaturas. Lundgren e associados demonstraram uma
redução de 20 % nas forças de "tensionamento" de feridas em coelhos mantidos a uma temperatura de
12ºC, comparados com outros coelhos mantidos a uma temperatura de 20ºC. A diminuição da cicatriz pode
ter sido causada pela redução da circulação do sangue para aquela área. Somente os animais mantidos a
baixa temperatura mostraram essa deficiência de resposta na cicatrização. Até que seja demonstrado o
contrário é, provavelmente, uma decisão prudente evitar aplicações de frio diretamente sobre uma ferida
durante as 2 ou 3 semanas iniciais de cicatrização.

A aplicação da crioterapia por tempo prolongado, 1 a 2 horas, sobre um nervo periférico superficial, como
exemplo a epicondilite medial do cotovelo ou cabeça fibular, pode levar a neuroplaxia.

Por uma ou duas horas depois da crioterapia, os pacientes devem evitar "estresse" que possa,
potencialmente voltar a machucar ou agravar as patologias para os quais eles foram tratados. A analgesia
produzida pela crioterapia pode esconder dor induzida por exercícios, assim dando aos pacientes uma falsa
segurança. Diminuir a temperatura das articulações pode aumentar a necrose. Assim, diminuindo o tempo
de reação e a velocidade da mobilidade. Esse fato combinado com a analgesia, pré-dispõe o paciente a
novas lesões.

Quando considerando a crioterapia, o terapeuta deve estar familiarizado com o "status" médico do paciente.
Antes do tratamento, devemos testar uma pequena área de pele com gelo para verificarmos a
hipersensibilidade.

Se a hipersensibilidade ocorrer, isso deve ser documentado e o tratamento com a crioterapia suspenso. Em
termos gerais, a crioterapia é administrada por 10 a 30 min., com períodos mais longos recomendados para
pacientes obesos.

Teste de Hipersensibilidade ao Frio

Esse teste é fundamental antes de qualquer método de aplicação da crioterapia, porém, muitos dos
terapeutas não se preocupam em fazer esse teste. Consiste em uma aplicação de aproximadamente 10 a
20 seg. usando um cubo de gelo sobre um ponto da pele e após esse período verifica-se a condição da
pele. Se a hipersensibilidade ocorrer, isso deve ser documentado e o tratamento com a crioterapia
suspenso.

Antebraço antes do teste de sensibilidade

Documentação do Tratamento

Como em qualquer técnica o uso da crioterapia em um programa fisioterapêutico é baseada nas metas do
tratamento. As metas são estabelecidas pelo paciente e pelo fisioterapeuta, depois de avaliação detalhada
do paciente, incluindo o histórico do problema presente e medidas subjetivas e objetivas das dificuldades e
do status funcional correto. Documentação inclui registro preciso dos parâmetros do tratamento, mudanças
nas respostas do paciente durante o tratamento e entre seções ou em qualquer modificação das metas ou
do programa de tratamento. Parâmetros específicos para aplicação da crioterapia do método utilizado,
duração, local da aplicação e posição do paciente. Resultados do tratamento podem incluir medidas de
circunferência, graduação da dor, graduação de força muscular e grau de amplitude de movimento (ADM).
Descrições adicionais de mudanças na temperatura da pele ou a sua aparência, qualidade do edema e
sensação também são documentadas. Anotações clínicas incluem reavaliações periódicas do nível geral
funcional do paciente, especialmente relacionados com aquelas dificuldades diretamente afetadas pelo
tratamento.

Em algumas doenças são contra-indicados o uso da crioterapia. Iremos citar as principais, mas é bom
ressaltar que todas as doenças a serem tratada com a crioterapia, antes devem ser bem estudadas pelo
fisioterapeuta

Crioglobulinemia é uma doença caracterizada pela presença de uma proteína sangüínea anormal, que
forma um gel quando exposta a baixas temperaturas. Essa formação de gel pode levar a isquemia ou
gangrena. Crioglobulinemia está associada com certos tipos de infecções bacterianas e virais, doença
crônica do fígado, lupos eritematoso sistêmico e outras doenças reumáticas.

Fenômeno de Raynaud é uma doença vasoespástica, que pode ser ideopática ou associada com outras
doenças. É um episódio de constrição de pequenas artérias e arteríolas nas extremidades, que resulta em
palidez e/ou cianose da pele, seguida por hiperemia e vermelhidão. A vasoconstrição pode ser grande o
bastante para levar a uma oclusão completa dos vasos.

Hemoglobinúria proximal fria pode ocorrer depois de exposição local ou generalizada ao frio. Hemoglobina
que normalmente é encontrada entre as células vermelhas do sangue, é liberada das células vermelhas do
sangue e aparece na urina.

Gota: É um distúrbio metabólico que sofre importante influência genética, manifestada por níveis elevados
de ácido úrico sérico, crises recorrentes de artrite aguda, formação crônica de agregados de cristais de
MUS nas articulações, nas bainhas sinoviais, bursas, tecidos subcutâneos.

A concentração de ácido úrico no líquido sinovial é semelhante aquela do plasma, e nos pacientes
hiperuricêmicos observa-se a super saturação de urato em ambos os ambientes. Assim, é maior a
probabilidade de formação de cristais de monourato de sódio, agentes inflamatórios primários. Outros
fatores contribuem para a formação desses cristais: a presença intra-articular de gama globulina, de
colágeno tipo I, diminuição de pH e da temperatura intra-articular, traumatismo articulares e rápidas
flutuações nos níveis séricos de urato.
A baixa temperatura facilita a formações desses cristais monourato de sódio e conseqüentemente piorando
o caso clínico dos pacientes portadores dessa doença.

CONCLUSÃO

A crioterapia é uma das técnicas mais utilizadas pelos fisioterapeutas hoje em dia, principalmente no
esporte, onde ela passa a ser a técnica prioritária em qualquer tipo de lesão ocasionada no atleta.

Além de ser uma técnica de baixo custo e, teoricamente de fácil manuseio, os profissionais da área da
saúde escolhem essa técnica para diversos fins, tais como: reduzir edema, dor, inflamação, etc. Seus
efeitos fisiológicos e sua eficácia não são conhecidos amplamente, pois a literatura é muita controversa e
não existe uma quantidade suficiente de trabalhos com metodologia científica adequada para deixar claro
os benefícios dessa técnica.

Bibliografia

XHARDEZ, Yves. Manual de Cinesiologia: Tecnicas, Patologia, indicação e ......tratamento. Atheneu.Rio de


Janeiro.

RODRIGUES, Edgard; GUIMARAES, Meirelles. Manual de Recursos ......Fisioterapicos. Revinter. Rio de


Janeiro - 1998.