Você está na página 1de 6

Exame de Introdução ao Direito Público

27/01/2018 – Época de Recurso


Duração: 2h30m

I
Distinga sucintamente (mas referindo exemplos, quando possível) os seguintes
conceitos:
a) Territorialização / Institucionalização do poder (2,5 val.)
 Territorialização do poder:
o Característica do Estado moderno
o Contrapõe-se à pessoalização do poder nas formações políticas
medievais.
o Natureza do território como palco de soberania (ius imperium).
o Permite a distinção entre propriedade e jurisdição.
o Relevante no Direito Público: princípio da territorialidade das leis.
 Institucionalização do poder:
o Característica do Estado moderno
o Contrapõe-se à individualização do poder nas formações políticas
medievais
o Criação de instituições às quais cabe o exercício do poder,
dissociadas das pessoas que concretamente as dirigem
o Permite a distinção entre património da Coroa e do Rei
o O seu auge ocorre com o reconhecimento de personalidade jurídica
ao Estado

b) União real / União pessoal (2,5 val.)

v.s.f.f
 União real:
o Categorias de Estado Composto (mais de um aparelho de poder)
o Coroa é instituição comum aos vários Estados, pelo que diversos
domínio da governação continuam a ser regidos de maneira igual em
ambos.
o Exemplo: Monarquia dual austro-húngara (1867-1917) e Reino
Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1815-1822).
 União pessoal:
o A mesma pessoa física é simultaneamente titular da coroa de cada
um dos diferentes Estados mas os órgãos mantêm-se separados.
o Exemplo: Portugal e Espanha entre 1580/1640 / Commonwealth.

c) Regulamento da União Europeia/ Regulamento administrativo (2 val.)


 Regulamento da União Europeia
o Ato normativo emanado por órgãos da União.
o Caráter legislativo (exercício de função política primária)
o Áreas de reserva (competência exclusiva de UE) e áreas de
competência partilhada.
o Não carece de ato de transposição para o OJ interno, produzindo
efeitos diretos (8.º, n.º 4 CRP)
 Regulamento Administrativo
o Ato normativo interno.
o Emanado no exercício da função Administrativa.
o Funcionam com instância normativa intermédia.
o Diversas formas: Decreto Regulamentar, Portaria, Postura, etc.

II
Distinga as funções política e jurisdicional, referindo-se (de modo justificado) ao
posicionamento que o Tribunal Constitucional ocupa neste contexto. (3 val.)
 - Noção de função política, acompanhada de exs. (salientar a sua natureza
de função primária)
 - Noção de função jurisdicional, acompanhada de exs. (salientar a sua
natureza de função secundária)
 - Explicar que o TC se situa numa zona de transição. Por um lado, é um
tribunal, estando localizado na parte da CRP dedicada a estes órgãos. Mas,
por outro lado, tem características que o aproximam da função política: 1)
nomeação dos seus membros (indicados pela AR e por cooptação) e 2)
função de legislador negativo (declaração de inconstitucionalidade com
força obrigatória geral, provocando a retirada das normas inconstitucionais
do ordenamento).

III
François é um cidadão francês que se dedica à realização de documentários
sobre a história e a cultura de países europeus. Em 2013, encantado com a história e
cultura portuguesas, passou a residir legalmente no Porto, cidade onde nasceu, no ano
de 1986, e onde o seu pai, Jean, também francês, residira legalmente entre 1980 e 1987.
Em 2017, François adotou uma criança de origem vietnamita, de nome Xuan.
a) Explique se François e Xuan podem adquirir a nacionalidade portuguesa,
identificando o tipo, a via e os efeitos de tais aquisições. (4 val.)

 François:
- art. 1.º, n.º 1, al. f) – explicar os requisitos e demonstrar que se aplicam no
caso. Aquisição pela via originária, por efeito da lei e da vontade, com
efeitos retroativos (art. 11.º LN).
(solução alternativa admissível, embora menos cotada: naturalização, com
base no art. 6.º/1, explicando que apenas poderá ocorrer daqui a um ano)

 Xuan:
- art. 5.º - explicar os requisitos e demonstrar que se aplicam no caso. Em
particular, como a aquisição de François tem efeitos retroativos, quando
este adotou Xuan já era um nacional português, viabilizando a aplicação do
preceito.
Aquisição pela via derivada, por mero efeito da lei, com efeitos prospetivos
(art. 12.º LN)
(caso optem pelo art. 6.º/1, para François, deverão aplicar o art. 2.º para
proporcionar a aquisição de Xuan).

b) Partindo do princípio que François adquire a nacionalidade portuguesa,


poderão as autoridades portuguesas tomar algum tipo de atitude, tendo em conta que
François chegou a ser eleito e a exercer o cargo de Presidente da Mairie (câmara
municipal) de Anglefort, pequena localidade francesa? (1 val.)
 Situar a questão no âmbito do processo de oposição, previsto nos arts. 9.º e
10.º
 Encontra-se preenchido o disposto do art. 9.º/c), 1.ª parte (exercício de
funções públicas de cariz não técnico).
 Porém, não será invocável contra François por não se poder acionar este
processo em relação aos casos de aquisição do art. 1.º

IV
Em 5 de janeiro de 2018, no âmbito de reunião convocada para debater e votar a
aprovação de contas, o Presidente do Conselho Administrativo do Serviço de
Estrangeiros e Fronteiras (SEF), por considerar urgente, incluiu na ordem de trabalhos,
já em plena reunião, a proposta de expulsão de Iuri, estrangeiro a residir em Portugal.
De facto, no dia anterior, Iuri tinha proferido acusações graves quanto ao mau
funcionamento do SEF, o que, na opinião do Presidente, muito melindravam a imagem
do SEF e do Ministério de que faz parte, o Ministério da Administração Interna, pelo
que era necessário ser intransigente com condutas de “agressão criminosa” às
instituições da República.
Posta à discussão a proposta, os dois vogais presentes manifestaram, de forma
exaltada, que esta devia ser retirada pois que indiciava uma atitude persecutória do SEF.
Perante esta circunstância, o Presidente retirou a palavra aos vogais e fez uso do seu
voto de qualidade, para assim aprovar a deliberação, dando por encerrada a reunião.
Após tomar conhecimento da deliberação, Iuri não se conformou, e contestou-a
junto do Secretário de Estado da Administração Interna.

a) Identifique e qualifique as figuras organizatórias presentes, referindo-se à


espécie de Administração Pública que integram. (1 val.)
 Conselho Administrativo: órgão colegial, permanente, ativo, externo.
 Ministério da Administração Interna: serviço central que auxilia o órgão
Ministro da Administração Interna. Está integrado na PC Estado
(Administração Estadual Direta)
 SEF: serviço central do Estado
 Secretário de Estado da AI: órgão singular, permanente, ativo e externo.

b) Pronuncie-se quanto à validade e eficácia da deliberação, considerando que o


Conselho Administrativo é composto por 5 titulares (2,5 val.)
 Reunião extraordinária:
o uma vez que existiu convocatória (23.º e 24.º, n.º 1 CPA)
 Violação do prazo de comunicação da ordem do dia:
o Não foi comunicada nas 48 horas anteriores à realização da reunião
(25.º, n.º 2 CPA)
o Não suscetível de sanação, uma vez que não estavam presentes todos
os membros do órgão (28.º CPA).
 Objeto da deliberação:
o o artigo 26.º CPA estabelece que só podem ser objeto de deliberação
assuntos inscritos na ordem do dia.
o Não se aplica o disposto no artigo 26.º, n.º 2.
 Quórum constitutivo:
o Maioria do número legal dos membros com direito de voto (29.º, n.º1
CPA).
o Estava reunido (3/5).
 Votação:
o Na verdade não existiu votação, que sempre teria de ser tomada por
maioria absolta de votos dos membros presentes (2/3) – 32.º, n.º 1
CPA.
o Presidente não podia deliberar nestes termos. O voto de qualidade
não tem este propósito (33.º, n.º 1).
o Ata da reunião: caso não estivesse assinada, deliberação não seria
eficaz (34.º CPA).

c) Qual o meio de reação escolhido por Iuri? Teria Iuri de abandonar o território
nacional? (1,5 val.)
 Iuri parece ter interposto um recurso hierárquico (193.º e ss): explicar
relação de hierarquia.
 Não foi dirigido ao órgão correto: o máximo superior hierárquico é o
Ministro. O Secretário de Estado não integra a hierarquia da AP (194.º
CPA).
 Natureza: impugnação administrativa facultativa (185.º, n.º 2)
 Fundamentos: ilegalidade do ato (185.º, n.º 3)
 Efeito: meramente devolutivo (189.º, n.º 2)
 Logo, a interposição do recurso, em princípio, não determinaria a
suspensão do ato.