Você está na página 1de 5

Tópicos de correção

Exame de Introdução ao Direito Público

9/01/2018 – Época Ordinária


Duração: 2h30m

Nota: os estudantes devem responder às questões [I, a) e b)]; [I, c) e II]; [III]; e [IV] em folhas
separadas.
I
Distinga sucintamente (mas referindo exemplos, quando possível) os seguintes
conceitos:
a) Princípio da primazia da lei/ Princípio da precedência de lei (2,5 val.)
- Expressões da ideia de Estado de Direito e, nomeadamente, do princípio da
legalidade
- Primazia: noção, séc. XIX (revoluções liberais; separação de poderes: primazia
do Parlamento sobre o Governo real e sua Administração);
- Precedência: noção, surgimento no séc. XIX (direitos fundamentais),
precedência total de lei no séc. XX (Estado de Direito Social);

b) Monarquia absolutista/ Estado totalitário (2,5 val.)


- Estádios distintos de evolução do Estado moderno (séc.s XVII e XVIII / séc.
XX)
- Não submissão ao Direito da Coroa (prínceps a legibus soluto) / do Estado
- Não são / deixam de ser reconhecidos os direitos fundamentais
- Não existem / deixam de existir eleições
- Poder concentrado no Rei / no Partido
- Intervencionismo essencialmente económico (mercantilismo) / dirigido a
todos os aspetos da vida dos cidadãos (totalitarismo)
- Objetivo: engrandecimento do Estado /engrandecimento da classe ou da raça
Abuso de poder

v.s.f.f
c) Alto-mar/ domínio aéreo (2 val.)
- Conceitos que surgem no contexto da identificação de parcelas de diferente
natureza que compõem o território;
- Alto mar: parcela de mar além da ZEE e Plataforma Continental; não integra o
território dos Estados; constitui património da humanidade (artigos 87.º e 88.º
CMB);
- Domínio aéreo: Espaço sobrejacente ao domínio terrestre e ao mar territorial;
Soberania completa do Estado territorial; limite vertical superior: atmosfera; espaço
exterior (património da humanidade);

II
Comente a seguinte afirmação: “O mesmo critério que acabámos de explicitar (de
partilha, ou não, da soberania), permite-nos inserir o Estado regional ainda dentro da
categoria de Estado unitário (...)”. (3 val.)

- Distinção entre Estado unitário e Estado composto;


- Estado Regional: descentralização política, regiões exercem funções político-
legislativas; justificação da existência de Estados regionais (especificidades étnicas,
culturais, geográficas);
- Distinção entre Estado Regional parcial e integral (exemplos);
- Distinção entre Estado Regional homogéneo e heterogéneo (exemplos);
- Estado regional integral homogéneo não se confunde com Estado Federal
(explicação das diferenças);

III
Em 2016, Mandonna, cantora canadiana, muda-se para Portugal acompanhada
pelos quatro filhos mais novos, encantada com o clima e a tranquilidade do país. Um
dos seus filhos adotivos, David, de 11 anos, inscreve-se na academia do S. L. Benfica,
desejando enveredar por uma carreira de futebolista. Mandonna é informada de que as
aspirações do filho poderão ser favorecidas caso ele adquira a nacionalidade portuguesa.
a) Sabendo que uma das trisavós de Mandonna tinha nacionalidade portuguesa,
indique a forma mais rápida pela qual Mandonna e David poderão adquirir a
nacionalidade portuguesa, identificando o tipo, a via e os efeitos de tal aquisição. (3,5
val.)

Via mais rápida:


Mandonna
- art. 6.º/6 LN (Mandonna é descendente de portugueses); enunciação dos requisitos e
aplicação ao caso;
- aquisição pela via derivada, por naturalização – por efeito da lei, da vontade e de ato
administrativo (discricionário), com efeitos prospetivos (explicação dos conceitos
envolvidos);

David
- art. 2.º LN (enunciar os requisitos e demonstrar o seu preenchimento no caso);
- aquisição por via derivada, por efeito da lei e da vontade, com efeitos prospetivos;

b) Partindo do princípio que Mandonna adquire a nacionalidade portuguesa,


poderão as autoridades portuguesas tomar algum tipo de atitude, tendo em conta que, no
início da sua carreira, Mandonna foi condenada a 6 anos de prisão na Arábia Saudita,
pelo crime de imoralidade (crime que não se encontra previsto entre nós), graças à letra
da música “Unlike a virgin”? (1,5 val.)

- Procedimento de oposição à aquisição da nacionalidade (arts. 9.º e 10.º LN);


- Fundamento de oposição contido na al. b) do art. 9.º não está verificado na medida em
que o crime não tem previsão legal no nosso ordenamento;
- Procedimento de oposição não se aplica às aquisições baseadas na naturalização;

IV
A 4 de janeiro de 2018, na sua habitual reunião de quinta-feira, o Conselho de
Administração da Infraestruturas de Portugal, EPE deliberou a supressão da ligação
ferroviária entre Caminha e Porto, por entender que a linha em causa não era
financeiramente sustentável. À reunião compareceram o Presidente do Conselho de
Administração e 2 Vogais, sendo que o Conselho de Administração é composto por
Presidente e 4 Vogais.
Neste contexto, António, utilizador frequente da linha suprimida, considera
inválida a deliberação porque (i) não houve convocatória; (ii) não estavam presentes o
número mínimo de titulares do órgão para haver deliberação; (iii) somente o Presidente
votou favoravelmente e (iv) a ata não fora aprovada.
Perante esta circunstância António decidiu interpor um recurso hierárquico junto
do Presidente da Câmara Municipal de Caminha, com os argumentos em cima descritos
e acrescentando, ainda, que a Infraestruturas de Portugal, EPE estava a levar a cabo uma
política “centralizadora” e contrária à necessária “coesão territorial”.

a) Identifique as figuras organizatórias referidas no enunciado e referindo-se à


espécie de Administração Pública que integram. (1 val.)

- Conselho de Administração da Infraestruturas de Portugal, E.P.E (caraterização);


- Presidente do Conselho de Administração/vogais: titulares do órgão “Conselho de
Administração”; ambos pertencem à “Infraestruturas de Portugal, E.P.E”
(caraterização); administração indireta do Estado; devolução de poderes;
- Presidente da Câmara Municipal de Caminha (caraterização); pessoa coletiva
pública “Município de Caminha”; administração autónoma (tipo); descentralização
administrativa (artigos 6.º e 235.º-237.º CRP);

b) Concorda com os argumentos de António no que respeita à legalidade da


deliberação? (2,5 val.)

- Reunião ordinária (conceito) não carece de convocatória (artigo 24.º, n.º 1, a


contrario sensu CPA); envio da ordem do dia com a antecedência mínima de 48h
(artigo 25.º, n.º 2 CPA);
- Quórum (artigo 29.º, n.º 1 CPA); aplicação ao caso concreto; conclusão de que
havia quórum para deliberar;
- Aprovação das deliberações por maioria absoluta de votos dos membros presentes
à reunião (artigo 32.º, n.º 1 CPA); possibilidade de empate na votação e voto de
qualidade do Presidente (artigo 33.º, n.º 1 CPA);
- Ata (conceito): requisito de eficácia e não de validade da deliberação (artigo 34.º,
n.º 6 CPA);

c) Seria procedente o recurso interposto por António? Que formas alternativas de


reação administrativa lhe aconselharia, atendendo aos argumentos apresentados?
(1,5 val.)
- Recurso hierárquico é inviável (artigo 194.º, n.º 1 CPA); inexistência de relação de
hierarquia;
- Recurso tutelar também é inviável (artigo 199.º, n.º 1, al. c) CPA): Presidente da
Câmara de Caminha não tem poderes de controlo (tutela ou superintendência) sobre
o Conselho Diretivo da Infraestruturas de Portugal. E.P.E.;
- Meios alternativos de reação: 1) reclamação administrativa (artigo 191.º CPA); 2)
meios contenciosos de reação: (artigo 185.º, n.º 2 CPA); 3) recurso tutelar (artigo
199.º, n.º 1, al. c) CPA) dirigido a órgão de outra pessoa coletiva que exerça poderes
de tutela ou superintendência (ministro) - artigo 199.º, n.º 3 CPA;