Você está na página 1de 5

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSEFA DE ÓBIDOS

ESCOLA E.B.2,3/S JOSEFA DE ÓBIDOS

Português
11.º Ano Turma A
A professora: Maria de Lurdes Clemente

Grupo I

Lê atentamente o texto e responde objectivamente ao questionário.

Defronte do terraço, o Brown, de boné escocês posto ao lado e grande cachimbo na boca, puxava ao alto a barra do
trapézio para Carlos se balouçar. Então o bom Vilaça pediu para voltar as costas. Não gostava de ver ginásticas; bem sabia que não
havia perigo; mas mesmo nos cavalinhos, as cabriolas, os arcos atordoavam-no; saía sempre com o estômago embrulhado. […]
De repente, porém, de um salto, precipitou-se sobre o Eusebiozinho. Queria-o levar à África, a combater os selvagens; e
puxava-o já pelo seu belo plaid de cavaleiro da Escócia , quando a mamã acudiu aterrada:
— Não, com o Eusebiozinho não, filho! Não tem saúde para essas cavaladas... Carlinhos, olhe que eu chamo o avô!
Mas o Eusebiozinho, a um repelão mais forte, rolara no chão, soltando gritos medonhos. […]
O Eusebiozinho foi então preciosamente colocado ao lado da titi; e a severa senhora, com um fulgor de cólera na face
magra, apertando o leque fechado como uma arma, preparava-se a repelir o Carlinhos, que, de mãos atrás das costas e aos pulos
em roda do canapé, ria, arreganhando para o Eusebiozinho um lábio feroz. Mas nesse momento davam nove horas […]
— Carlos, tenha a bondade de marchar já para a cama.
— Ó vovô, é festa, que está cá o Vilaça! […]
As senhoras censuraram logo aquela rigidez: aí estava uma coisa incompreensível; o avô deixava-lhe fazer todos os
horrores, e recusava-lhe então o bocadinho da soirée...
— Ó Sr. Afonso da Maia, porque não deixou estar a criança?
— É necessário método, é necessário método — balbuciou ele, entrando, todo pálido do seu rigor.
E à mesa do voltarete, apanhando as cartas com as mãos trémulas, repetia ainda:
— É necessário método. Crianças à noite dormem.
[…]
D. Ana, depois de bocejar de leve, retomou a sua ideia:
— Sem contar que o pequeno está muito atrasado. A não ser um bocado de inglês, não sabe nada... Não tem prenda
nenhuma!
— Mas é muito esperto, minha rica senhora! — acudiu Vilaça.
— É possível — respondeu secamente a inteligente Silveira. E, voltando-se para o Eusebiozinho, que se conservava ao
lado dela, quieto como se fosse de gesso:
— Ó filho, diz tu aqui ao Sr. Vilaça aqueles lindos versos que sabes... Não sejas atado, anda!... Vá, Eusébio, filho, sê
bonito...
Mas o menino, molengão e tristonho, não se descolava das saias da titi: teve ela de o pôr de pé, ampará-lo, para que o
tenro prodígio não aluísse sobre as perninhas flácidas; e a mamã prometeu-lhe que, se dissesse os versinhos, dormia essa noite
com ela...

Os Maias, Eça de Queirós

Pág.1 de 3
1. Especifica o momento da obra em que se insere o texto.
. o texto insere-se na longa analepse/ na intriga principal;
. Afonso é responsável pelo neto após a morte de Pedro da Maia;
. momento referente à infância e educação de Carlos da Maia;
. visita de Vilaça a Santa Olávia e jantar em sua honra;
. (Carlos crescerá e fará o seu primeiro exame com distinção. 1√
.
2. Como se posicionam Vilaça e as Silveiras em relação ao modelo de educação escolhido por Afonso da Maia para
educar o neto?
Tanto Vilaça (este de forma mais contida e sem deixar de nutrir grande simpatia por Carlos) como as Silveiras reprovam o modelo
de educação escolhido por Afonso da Maia, seja porque são avessos ao exercício físico e ao contacto com a natureza (visível na
debilidade de Eusebiozinho e no facto de Vilaça não gostar de “ginásticas”), seja pela ausência de uma educação religiosa
tradicional, bem patente nas palavras de D. Ana Silveira: “Sem contar que o pequeno está muito atrasado…”
3. Refere o estado de espírito de Afonso depois de ter sido obrigado a impor a Carlos o cumprimento dos horários.
Justifica a tua resposta com uma transcrição textual.
Afonso da Maia mostra-se muito firme em relação às suas ordens. Pode parecer nervoso “com as mãos trémulas” e custar-lhe
muito ser tão rigoroso, mas sente-se na obrigação de impor o método e a disciplina na educação do neto, obrigando-o a ir para a
cama cedo, como está implícito no momento “ É necessário método, é necessário método — balbuciou ele, entrando, todo
pálido do seu rigor.”

4. Transcreve do texto a passagem em que se mostra que o tipo de educação dada a Eusebiozinho passa pela
deformação da vontade própria através do suborno afectivo.
A passagem em que se mostra que o tipo de educação dada a Eusebiozinho passa pela deformação da vontade própria
através do suborno afectivo é a seguinte: “e a mamã prometeu-lhe que, se dissesse os versinhos, dormia essa noite com
ela...”

5. Aponta três marcas do estilo queirosiano presentes no excerto.


. O uso do diminutivo “Eusebiozinho”, “perninhas” para transmitir o ridículo e a fraqueza da personagem.
. O uso da ironia ao caracterizar Eusebiozinho como “tenro prodígio”, pretendendo transmitir a ideia da inatividade, passividade e
apatia da personagem.
. O uso do advérbio de modo na expressão “ O Eusebiozinho foi então preciosamente colocado ao lado da titi” permite também
transmitir a ideia da fragilidade de Eusebiozinho.
. A dupla adjetivação “molengão e tristonho” , adjectivos com carácter depreciativo usados na caracterização de Eusebiozinho.
6. Num texto, de 80 a 120 palavras, relaciona o excerto com os modelos educacionais presentes em Os Maias.
(ver apontamentos)

Grupo II

Pág.2 de 3
Grupo III

1 . Selecciona, em cada um dos itens, a única alternativa que permite obter uma afirmação adequada ao sentido do texto. Escreve o
número da questão e a respectiva alínea na folha de teste.
1.1. A aquisição dos manuscritos do livro A Correspondência de Fradique Mendes
a) foi uma opção de aquisição banal para a Biblioteca Nacional.
b) constituiu um acontecimento inesperado para os especialistas.
c) representou um esforço económico inédito para a Biblioteca Nacional.
1.2. Os manuscritos mais importantes de Eça
a) encontram-se distribuídos entre o Estado e privados.
b) encontram-se todos na posse do Estado português.
c) encontram-se dispersos por vários proprietários, portugueses e estrangeiros.
1.3. Inicialmente uma personagem de criação colectiva, a personagem Fradique Mendes
a) passou a personagem frequente de grande parte da ficção queirosiana.
b) apresenta traços comuns, em registo realista e literal, com Eça de Queirós.
c) foi longa e laboriosamente trabalhada por Eça de Queirós.
1.4. De acordo com Carlos Reis,
a) a semelhança entre Eça e Fradique é óbvia, pese embora o registo parodístico.
b) enquanto escritor, Eça de Queirós tinha um nível de auto-exigência absolutamente mediano.
c) a relação entre Fradique e Eça é iniludível e foi representada por este de forma literal e directa.

Pág.3 de 3
1.5. Na oração “e que são os que a biblioteca comprou” (linha 27), o pronome pessoal refere-se a
a) quinze anos.
b) livros.
c) manuscritos.

2. Indica se as afirmações são verdadeiras ou falsas.


a) Na frase “A Biblioteca Nacional comprou em Junho um conjunto de manuscritos” (l. 1), a expressão sublinhada desempenha a
função de predicativo do sujeito. Falsa
b) A forma verbal “estava” (l. 5) encontra-se no pretérito imperfeito do modo conjuntivo. Falsa
c) A expressão “a personagem do livro” (l. 17) desempenha função de modificador apositivo. Verdadeira
d) Na frase “E não se ficou por aqui.” (l. 24), o sujeito é subentendido. Verdadeira
e) No período “Um Eça que reescreveu vários dos seus livros.”, a oração subordinada é completiva. Falsa

3. “A Biblioteca Nacional (BN) comprou-o num leilão por 50 mil euros.”


Reescreve a frase no futuro do modo indicativo.
A Biblioteca Nacional (BN) comprá-lo-á num leilão por 50 mil euros.

4. Indica a relação que se estabelece entre as orações das frases que se seguem (final, causal, concessiva, de consequência).
a) Apresento o livro para que a assistência possa conhecer o tema abordado ao longo das várias páginas.
Relação final (de fim).
b) Esta coleção é tão importante que muitos dos presentes a querem adquirir.
Relação de consequência.

Grupo III

“Afonso da Maia lá estava, nesse recanto do quintal, sob os ramos do cedro, sentado no banco de cortiça, tombando sobre a
tosca mesa, com a face caída entre os braços. (...) Por entre as conchas da cascata, o fio de água punha o seu choro lento.”
Os Maias, cap. XVII

Partindo deste texto, e da leitura que fizeste da obra Os Maias, apresenta a faceta trágica da intriga num texto bem estruturado,
de duzentas a trezentas palavras.

Pág.4 de 3
Pág.5 de 3

Você também pode gostar