Você está na página 1de 39

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO

Caderno do Professor

2ª série do Ensino Médio

Língua Portuguesa

São Paulo
1º Bimestre de 2016
11ª Edição

1
APRESENTAÇÃO

A Avaliação da Aprendizagem em Processo – AAP - se caracteriza como uma ação


desenvolvida de modo colaborativo entre a Coordenadoria de Gestão da Educação Básica e a
Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional.
Iniciada em 2011 e voltada a apenas dois anos/séries, foi gradativamente sendo
expandida e, desde 2015, abrange todos os alunos dos Ensinos Fundamental e Médio além de,
continuamente, aprimorar seus instrumentos.
A AAP, fundamentada no Currículo do Estado de São Paulo, propõe o
acompanhamento da aprendizagem das turmas e alunos de forma individualizada, com um
caráter diagnóstico. Tem como objetivo apoiar as unidades escolares e os docentes na
elaboração de estratégias adequadas a partir da análise de seus resultados, contribuindo
efetivamente para melhoria da aprendizagem e desempenho dos alunos, especialmente nas
ações de recuperação contínua.
As habilidades selecionadas para a AAP, em Língua Portuguesa e Matemática, tem
como referência, a partir de 2016, a Matriz de Avaliação Processual elaborada pela CGEB e já
disponibilizada à rede no início deste ano. Além dessas, outras habilidades, compondo cerca
de 20% das provas, foram escolhidas da plataforma Foco Aprendizagem e serão repetidas nos
diferentes bimestres, articulando, dessa forma, a AAP com os aspectos mais significativos
apontados pelo SARESP para o desenvolvimento das competências leitora, escritora e
conhecimentos matemáticos.
Nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental permanece a articulação com as expectativas
de aprendizagem de Língua Portuguesa e Matemática e com os materiais do Programa Ler e
Escrever e da Educação Matemática nos Anos Iniciais – EMAI.
Além da formulação dos instrumentos de avaliação, na forma de cadernos de provas
para os alunos, também foram elaborados os respectivos exemplares do Professor, com
orientações específicas para os docentes, instruções para a aplicação (Anos Iniciais), quadro
de habilidades de cada prova, gabaritos, orientações e grades para correção e recomendações
pedagógicas gerais.
Estes subsídios, agregados aos registros que o professor já possui e informações
sistematizadas no Sistema de Acompanhamento dos Resultados de Avaliações - SARA,
incorporando os dados resultantes da AAP, devem auxiliar no planejamento, replanejamento e
acompanhamento das ações pedagógicas, mobilizando procedimentos, atitudes e conceitos
necessários para as atividades de sala de aula, sobretudo aquelas relacionadas aos processos
de recuperação das aprendizagens.

COORDENADORIA DE GESTÃO DA COORDENADORIA DE INFORMAÇÃO,


EDUCAÇÃO BÁSICA – CGEB MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EDUCACIONAL-CIMA

2
AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO
2ª Série do Ensino Médio – 1º bimestre 2016
Língua Portuguesa – Caderno do Professor
Questão Gabari Grau de Habilidade
to dificuldade
(F/M/D)1
Localizar informações explícitas no texto, com o
1 C F objetivo de solucionar um problema proposto. (H07 –
9º Ano EF – Matriz do SARESP)

2 B D Estabelecer relação entre a tese e os argumentos


oferecidos para sustentá-la.

Reconhecer o efeito de sentido produzido pela


3 A F exploração de recursos morfossintáticos (conjunção,
períodos simples e compostos) em um texto.
Localizar informações explícitas no texto, com o
4 C M objetivo de solucionar um problema proposto. (H07 –
9º Ano EF – Matriz do SARESP)

5 B F Inferir informações implícitas (tema/assunto principal)


em um texto.

6 D F Identificar o público-alvo de um texto.

7 C D Identificar posições distintas entre duas ou mais


opiniões relativas ao mesmo fato ou ao tema.

8 A M Estabelecer relação entre a tese e os argumentos


oferecidos para sustentá-la.
Reconhecer o efeito de sentido produzido pela
9 D D exploração de recursos morfossintáticos (conjunção,
períodos simples e compostos) em um texto.
10 D M Identificar o público-alvo de um texto.
11 B M Inferir informações implícitas (tema/assunto principal)
em um texto.
12 A D Identificar posições distintas entre duas ou mais
opiniões relativas ao mesmo fato ou ao tema.

1
F = Fácil; M = Médio; Difícil 1 A classificação sugerida poderá sofrer alteração a partir do resultado obtido
após aplicação da prova.

3
Avaliação da Aprendizagem em Processo – Língua Portuguesa

A Avaliação da Aprendizagem em Processo - AAP, em sua 11ª edição, tem o intuito de


apoiar o trabalho do professor em sala de aula e também de subsidiar a elaboração do
seu plano de ação para os processos de recuperação da aprendizagem dos alunos.

As provas para essa avaliação são compostas por doze questões de múltipla escolha,
com quatro alternativas, para todos os anos do Ensino Fundamental - Anos Finais e
para todas as séries do Ensino Médio – As questões foram formuladas a partir de 5
habilidades constantes na Matriz de Avaliação Processual e de uma habilidade da
Matriz de Avaliação para o SARESP.

Para as habilidades selecionadas (total de 6), foram elaboradas duas questões para
que o professor possa ter um melhor diagnóstico quanto à aquisição de conhecimento
do aluno e obter mais subsídios para a elaboração de seu plano de aula.

O Caderno do Professor – subsídios para o professor de Língua Portuguesa, além de


conter a descrição das habilidades selecionadas para cada prova, traz o gabarito, o
grau de dificuldade da questão e observações para cada uma das alternativas
propostas. Ele traz, ainda, as referências bibliográficas, consultadas para a elaboração
das provas.

Em relação ao grau de dificuldade das questões, sugeridas nesta edição, observamos


que se trata de uma classificação hipotética, que poderá ser confirmada, ou não, após
a aplicação das provas e efetuada sua correção.

Por fim, lembramos que, a cada aplicação, os itens são testados e avaliados pelos
professores e pelos gestores das escolas da rede estadual. Alguns desses itens,
provavelmente, precisarão ser modificados ou, por vezes, substituídos, de modo a
garantir a eficácia da proposta e a reforçar seu caráter processual e contínuo.

Equipe de Língua Portuguesa

4
Avaliação da Aprendizagem em Processo
Língua Portuguesa
2ª Série do Ensino Médio

Leia o texto e responda à questão 01.

Por CARLOS WILLIAN LEITE


Em ENTREVISTAS
A ÚLTIMA ENTREVISTA DE VINÍCIUS DE MORAES
O poeta e compositor morreu alguns meses depois de ter concedido a entrevista ao
jornalista Narceu de Almeida Filho, em 1979
Quando o jornalista Narceu de Almeida Filho bateu este longo papo com Vinícius de
Moraes, em sua casa, bem situada numa tranquila rua da Gávea, no Rio de Janeiro,
não poderia imaginar que, no momento da edição da entrevista, o Poetinha já não
existisse mais. Vinícius estava todo animado, layout novo, de cabelos cortados, barba
raspada, vestido elegantemente e sem o seu famoso boné que o acompanhou durante
muitos anos. Havia emagrecido vários quilos e abandonado temporariamente as
excursões musicais para dedicar-se, novamente, à poesia. Poeta do amor, Vinícius
estava ainda em lua-de-mel com sua mulher, Gilda, a quem conheceu na Europa, onde
ela estudava. Entre pilhas de livros, discos, um violão, dois conjuntos de som e objetos
de arte, ele falava de seu objetivo maior no momento — “fazer feliz essa moça” — e
olhava, apaixonadamente, para a mulher sentada ao seu lado. A entrevista foi
publicada no livro “As Entrevistas de Ele Ela”, editora Bloch.
[...]
Você acha que a influência do jazz foi boa para a bossa-nova?
Acho que foi uma influência muito boa. No samba tradicional, os instrumentistas não
improvisavam, em geral as harmonias eram rígidas, as formações eram standard. Com
a influência do jazz, abriu tudo isso, você podia introduzir qualquer instrumento num
conjunto de samba, os instrumentistas improvisavam, as harmonias melhoraram muito
e se enriqueceram, os instrumentistas tornaram-se excelentes e conheciam
profundamente seus instrumentos, como é o caso de Baden e Tom. A influência foi
benéfica porque houve uma descaracterização de nossa música. O samba estava
sempre presente na bossa-nova. Além disso, a bossa-nova trouxe mais alegria e bom
humor à nossa música, que andava muito voltada para a tristeza, a dor de corno, a
fossa, naquela época do Antônio Maria. Com a bossa-nova a coisa ficou mais sadia,
mais otimista, os sentimentos eram mais de comunicação, mais legais.
[...]
LEITE, Carlos Willian. A última entrevista de Vinicius de Moraes. Entrevista, Revista
Bula, 2015. Disponível em: <http://www.revistabula.com/secoes/entrevistas/>. Acesso
em: 31 de agosto de 2015. (adaptado)

5
Habilidade
Localizar informações explícitas em um texto, com o objetivo de solucionar um
problema proposto. (H07 – 9º Ano EF – Matriz do SARESP)

Questão 01

Segundo Vinicius, a influência do jazz na bossa nova foi benéfica para a música
brasileira

A. trazendo a tristeza, a dor de corno, a fossa às composições musicais.

B. negando a versatilidade dos músicos e dos instrumentos musicais.


C. melhorando e enriquecendo as harmonias nas músicas brasileiras.
D. transformando todos os instrumentistas em profissionais despreparados.

6
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. trazendo a tristeza, a dor Resposta incorreta. Contrariamente a essa


de corno, a fossa às resposta, conforme o texto, a influência do jazz
composições musicais. trouxe para a bossa-nova “mais alegria e bom
humor”; “a coisa ficou mais sadia, mais otimista, os
sentimentos eram mais de comunicação, mais
legais”.

B. negando a versatilidade Resposta incorreta. O jazz não negou a versatilidade


dos músicos e dos dos músicos e dos instrumentos musicais; ele trouxe
instrumentos musicais a improvisação, a melhoria e o enriquecimento das
harmonias e “os instrumentistas tornaram-se
excelentes”, passando a conhecer “profundamente
seus instrumento”.

C. melhorando e Resposta correta. Segundo Vinicius, “as


enriquecendo as harmonias melhoraram muito e se
harmonias nas músicas enriqueceram”.
brasileiras.

D. transformando todos os Resposta incorreta. O jazz não contribuiu para


instrumentistas em tornar mais despreparados os instrumentistas;
profissionais conforme o texto, “os instrumentistas tornaram-se
despreparados. excelentes”.

7
Leia o texto e responda às questões 02 e 03.

“Diarreia crônica, distensão abdominal, fadiga, lesões de pele e emagrecimento, os


sinais e sintomas sugestivos da doença celíaca, foram reconhecidos pela medicina há
séculos. Em 1880, o pediatra inglês Samuel Gee suspeitou haver alguma propensão
hereditária, embora não conseguisse identificar algum tipo de “fraqueza constitucional”
associada à doença, naquele tempo conhecida como “infantilismo intestinal”.

[...]

Nos anos 1960, vários estudos demonstraram mecanismos imunopatológicos


envolvidos na gênese e na progressão da doença celíaca, mas foram necessários mais
20 anos para que fossem aceitos sem reservas pela comunidade científica. Mais tarde
ficou evidente que determinadas proteínas que regem a compatibilidade genética entre
os indivíduos (antígenos de histocompatibilidade – HLA) indicavam predisposição para
diversas enfermidades autoimunes, entre elas a doença celíaca.

Uma epidemia da enfermidade em crianças suecas nascidas entre 1984 e 1996 gerou
indagações sobre o papel da hereditariedade e dos padrões dietéticos. Quanto mais
curto o período de amamentação e mais precoce a introdução do glúten na dieta, maior
o risco em crianças geneticamente predispostas.

Nossos conhecimentos sobre a resposta imunológica, o papel dos genes e os


mecanismos moleculares avançaram muito nos últimos anos, mas os detalhes das
interações entre hereditariedade, desenvolvimento e o ambiente em que vivemos ainda
permanecem obscuros.”

VARELLA, Drauzio. Glúten, autoimunidade e história. Carta Capital. Disponível em:


<http://www.cartacapital.com.br/revista/869/gluten-autoimunidade-e-historia-
9185.html>. Acesso em: 05 de novembro de 2015. (adaptado)

8
Habilidade
Estabelecer relação entre a tese e os argumentos oferecidos para sustentá-la.

Questão 02

No texto, os argumentos elencados por seu autor, Drauzio Varella, embasam a tese de
que

(A) o nascimento de crianças suecas, sujeitas a uma epidemia de doença celíaca,


gerou indagações sobre hereditariedade e padrões dietéticos.

(B) apesar dos avanços nos estudos dos fatores que causam a doença
celíaca, ainda há detalhes que não são inteiramente conhecidos pela
ciência.

(C) a comunidade científica necessitou de mais de 20 anos para aceitar os estudos


sobre os mecanismos imunopatológicos que atuam na doença celíaca.

(D) as crianças geneticamente predispostas, amamentadas por menos tempo e,


em cuja dieta, o glúten foi introduzido precocemente, têm maior risco de
doenças.

9
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. o nascimento de crianças Resposta incorreta. Esse é apenas um argumento


suecas, sujeitas a uma de caráter histórico que justifica o porquê dos
epidemia de doença celíaca, estudos. Não se trata de uma tese.
gerou indagações sobre
hereditariedade e padrões
dietéticos.

B. apesar dos avanços nos Resposta correta. O autor do artigo, no último


estudos dos fatores que parágrafo, expõe sua tese de que os
causam a doença celíaca, conhecimentos nesse segmento da ciência
ainda há detalhes que não avançaram, mas “os detalhes das interações
são inteiramente conhecidos entre hereditariedade, desenvolvimento e o
pela ciência. ambiente em que vivemos ainda permanecem
obscuros”.

C. a comunidade científica Resposta incorreta. O autor faz o relato de um


necessitou de mais de 20 anos fato ocorrido na comunidade científica nos anos
para aceitar os estudos sobre 60. Portanto, não é uma tese.
os mecanismos
imunopatológicos que atuam
na doença celíaca.

D. as crianças geneticamente Resposta incorreta. Não se trata de uma tese


predispostas, amamentadas defendida pelo autor, mas de uma constatação a
por menos tempo e, em cuja partir de pesquisas sobre o papel da
dieta, o glúten foi introduzido hereditariedade e dos padrões dietéticos, entre
precocemente, têm maior risco 1984 e 1996.
de doenças .

10
Habilidade
Reconhecer o efeito de sentido produzido pela exploração de recursos
morfossintáticos (conjunção, períodos simples e compostos) em um texto.

Questão 03

Leia o parágrafo extraído do texto “Glúten, autoimunidade e história” :

“Nos anos 1960, vários estudos demonstraram mecanismos imunopatológicos


envolvidos na gênese e na progressão da doença celíaca, mas foram necessários mais
20 anos para que fossem aceitos sem reservas pela comunidade científica.“

Nesse parágrafo, a conjunção mas, que está destacada, conecta duas orações,
estabelecendo uma relação de

(A) oposição.
(B) finalidade.
(C) causalidade.
(D) consequência.

11
GRADE DE CORREÇÃO
ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. oposição. Resposta correta. O conector mas estabelece entre as


ideias uma relação de oposição, introduzindo uma ideia na
direção contrária ao que é afirmado, ou seja, o autor quer
dizer que, nos anos 1960, havia vários estudos
comprovados sobre a doença celíaca, porém, eles só
foram aceitos pela comunidade científica, somente 20
anos depois.

B. finalidade. Resposta incorreta. Entre as locuções conjuntivas que


estabelecem relações de finalidade estão, por exemplo, para
que, a fim de que.

C. causalidade. Resposta incorreta. Para relações de causalidade, temos, por


exemplo, a conjunção porque e as locuções conjuntivas visto
que, por causa de.

D. consequência Resposta incorreta. Para introduzir consequência, utilizam-se,


por exemplo, a conjunção assim e a locução conjuntiva: por
conseguinte.

12
Leia o texto e responda à questão 04.

O mapa do cérebro

Por Drauzio Varella

03/05/2014 03h00

O cérebro humano é a estrutura mais complexa do Universo. Decifrar os mecanismos


por meio dos quais ele consegue criar movimentos, percepções, pensamentos,
memórias e a consciência é o maior desafio científico de todos os tempos.
Está prestes a ser criado o BAM -Brain Activity Map (Mapa da Atividade Cerebral)-, um
megaprojeto organizado para desenvolver novas gerações de técnicas que permitam
mapear a atividade de neurônio por neurônio, com precisão de milissegundos.
Imagens do cérebro em ação podem ser obtidas através da ressonância magnética
funcional, método que consiste em injetar na veia glicose marcada com isótopos
radioativos e analisar através da ressonância sua distribuição pelas diferentes áreas
cerebrais, enquanto a pessoa realiza funções como andar, rir, olhar para figuras que
despertam compaixão, raiva, atração sexual, solidariedade.
Apesar desses avanços, os mecanismos responsáveis pela percepção, cognição e
ação permanecem misteriosos, porque resultam de interações em tempo real de
grande número de neurônios, conectados em redes que formam circuitos de altíssima
complexidade.
O projeto BAM propõe construir pontes que permitam descrever e manipular as
atividades desses circuitos e redes de neurônios e até de cérebros inteiros, com a
precisão em microescala de neurônio por neurônio.
[...]
Para atingir tais objetivos é necessário criar programas de informática capazes de
armazenar, manipular e compartilhar dados de imagens e propriedades fisiológicas em
larga escala, que serão compartilhados com todos os investigadores participantes.
Será obrigatoriamente um esforço de colaboração internacional entre neurocientistas,
físicos, engenheiros e teóricos que trabalham na academia ou na indústria.
[...]
VARELLA, Drauzio. O mapa do cérebro. Folha UOL. Colunistas, 05/2014.
Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/colunas/drauziovarella/2014/05/1448902-
o-mapa-do-cerebro.shtml >. Acesso em: 19 de agosto de 2015. (adaptado)

13
Habilidade
Localizar informações explícitas no texto, com o objetivo de solucionar um problema
proposto. (H07 – 9º Ano EF– Matriz do SARESP)

Questão 04

O projeto BAM permitirá mapear a atividade cerebral neurônio por neurônio, com
precisão de milissegundos, por meio da

A. criação de movimentos, percepções, pensamentos, memórias.


B. obtenção de imagens cerebrais por meio da ressonância magnética.
C. construção de pontes para descrever e manipular as atividades cerebrais em
microescala.
D. interação em tempo real de um grande número de neurônios em redes.

14
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. criação de movimentos, Resposta incorreta. Esse processo de criação


percepções, pensamentos, não cabe ao projeto BAM, mas sim ao cérebro
memórias. humano, como consta no primeiro parágrafo.

B. obtenção de imagens Resposta incorreta. A obtenção de imagens do


cerebrais por meio da cérebro pela ressonância magnética é um
ressonância magnética. método diferente das “novas gerações de
técnicas” a serem utilizadas pelo projeto BAM
para mapear o cérebro. (3º parágrafo)

Resposta correta. Conforme o texto, essa


C. construção de pontes
construção de “pontes” consta da proposta
para descrever e manipular
do projeto BAM. ( 5º parágrafo)
as atividades cerebrais em
microescala.

Resposta incorreta. São os mecanismos


D. interação em tempo real de
responsáveis pela percepção, cognição e ação
um grande número de
que realizam a(s) interação(ões) em tempo real
neurônios em redes.
dos neurônios em redes. (4º parágrafo)

15
Leia o texto e responda à questão 05.

Obsolescência
Suzana Herculano-Houzel

O Senhor ao meu lado, aguardando o avião começou a me contar como é prático


usar o iPhone para saber onde seus filhos estão, já que carregam sempre o aparelho
consigo. “Mas melhor mesmo será quando pudermos implantar um chip no cérebro.
Além de saber onde todos estão, eu não precisarei mais carregar esse telefone o tempo
todo. Você que é neurocientista: não seria ótimo? Quanto tempo até podermos implantar
chips e melhorar o cérebro da gente?”.
Olhei o telefone que ele manipulava – um de dois aparelhos, com números
diferentes: um pessoal, outro do trabalho, o qual ele acabara de perder e achar.
Perguntei-lhe de quanto em quanto tempo ele trocava os aparelhos. “Todo ano”. Ele
disse. A tecnologia rapidamente se torna obsoleta, sobretudo com as atualizações do
sistema operacional que exigem cada vez mais do hardware.
Pois é. Imagine investir alguns milhares de dólares para implantar um chip em
seu cérebro – um procedimento invasivo, sempre com risco de infecção – só para
descobrir, em não mais que dois anos, que ele já está obsoleto, gerações atrás do mais
novo modelo, e que, aliás, nem consegue mais receber a mais recente versão do
sistema operacional? Só aqui em casa, o número de aparelhos celulares obsoletos já
está nas dezenas, esquecidos em gavetas.
Por outro lado, lembrei-lhe, o hardware que ele leva naturalmente na cabeça não
fica obsoleto nunca – porque é capaz de se atualizar e se modificar conforme o uso,
aprendendo ao longo do caminho. Mesmo quando envelhece, e não tem como ser
trocado, ele se mantém atualizável e altamente customizado: é o seu P, personalizado a
cada instante da vida, ajustado e otimizado para aquelas funções que de fato lhe são
imprescindíveis.

HERCULANO-HOUOZEL, Suzana. Obsolescência. Folha de S. Paulo, Equilíbrio. São


Paulo, 10 de novembro de 2015. Cotidiano, B6. (adaptado)

16
Habilidade
Inferir informações implícitas (tema/assunto principal) em um texto.

Questão 5

Nesse artigo, a autora Suzana Herculano-Houzel mostra-se a favor da ideia da

(A) implantação de chips no cérebro.


(B) superioridade da mente humana.
(C) torcida pela evolução da ciência.
(D) importância de ter dois celulares.

17
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. implantação de Resposta incorreta. Esta é uma ideia defendida pelo senhor


chips no cérebro. que está ao lado da autora: “Mas melhor mesmo será quando
pudermos implantar um chip no cérebro.”.

B. superioridade Resposta correta. Os elogios que a autora faz ao hardware


da mente humano, ou seja, ao cérebro humano, “capaz de se
humana. atualizar e se modificar conforme o uso” e que não “fica
obsoleto nunca”, demonstram sua opinião implícita.

C. torcida pela Resposta incorreta. Essa ideia é defendida pelo senhor que
evolução da conversa com a autora do artigo, com a pergunta: “Quanto
ciência. tempo até podermos implantar chips e melhorar o cérebro da
gente?

D. importância de Resposta incorreta. O artigo não aborda o assunto da


ter dois celulares. importância de se ter um ou mais celulares.

18
Leia o texto e responda à questão 06.

SELFIE – Estreia brasileira.


Data: 8 de outubro, às 20 h, na Warner.
O que vem por aí: sabe aquela pessoa que se preocupa mais com o número de likes
do Insta do que com a vida real? Essa é Eliza Dooley, interpretada por Karen Gillan
(Doctor Who e Guardiões da Galáxia). A série mostra como Eliza se dá mal por esse
vício em selfies e o que ela vai fazer para voltar a ser admirada fora das redes. Certeza
que você tem uma amiga Eliza no seu grupinho de BFFs! [...]

NOVAS SÉRIES, Novos Fandoms. Selfies. Revista Atrevida, nº 242. Outubro de


2014. p. 36. (adaptado)

Habilidade
Identificar o público-alvo de um texto.

Questão 6

A linguagem em uso no texto revela que a resenha é dirigida a um público formado por

(A) adultos interessados em filmes de TV.


(B) jovens usuários de aparelhos mp3.
(C) pessoas idosas viciadas em selfies.
(D) adolescentes do sexo feminino.

19
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. adultos Resposta incorreta. O artigo não é sobre filmes de TV, mas sim,
interessados em sobre séries televisivas, que são divididas em temporadas,
filmes de TV. compostas por episódios, cujos temas podem variar em cada um
deles. A linguagem empregada no texto não é aquela utilizada
pelo público adulto.

B. jovens usuários Resposta incorreta. No texto, não há referência a aparelhos de


de aparelhos mp3. mp3 que são utilizados para se baixar e ouvir músicas.

C. pessoas idosas Resposta incorreta. A linguagem utilizada é claramente aquela


viciadas em selfies . utilizada por usuários jovens e do sexo feminino e não por
pessoas idosas.

D. adolescentes Resposta correta. A revista “Atrevida”, como o próprio nome


do sexo feminino revela, é voltada a um público formado por jovens
adolescentes do sexo feminino, que utilizam o lema
“melhores amigas para sempre”. Além disso, o vocabulário
utilizado é apropriado aos jovens: “likes”, “insta”, “grupinho
de BFFs”, bem como as séries de televisão citadas: Doctor
Who, Guardiões da Galáxia e Selfie que são direcionadas a
essa faixa etária.

20
Leia o texto e responda à questão 07.

Sente-se. Levante-se. Repita.


Por Tess Felder
Dizem que o estilo de vida sedentário é ruim para a saúde das pessoas. No
entanto, particularmente no mundo atual, com seu ritmo acelerado, somos aconselhados
sobre os benefícios de parar para sermos conscientes.
Então, devemos ficar sentados imóveis ou tentar nos mexer? A resposta parece
ser um pouco dos dois.
Isso não significa necessariamente fazer as duas ao mesmo tempo, embora essa
pareça ser a norma para um número crescente de funcionários de escritório.
“Em todo lugar as pessoas estão de pé, andando e trabalhando o dobro do
tempo”, escreveu Pamela Paul no “New York Times”.
Em sua mesa de trabalho tradicional, em meio a um número crescente de
pessoas que usam mesas para trabalhar de pé, ela observou: “Entre mesas com
esteiras, cadeiras de bolas rolantes, descansos oscilantes para os pés e almofadas
líquidas, a ideia de que uma pessoa deve ficar sentada imóvel parece fora de moda”.
[...]

Gretchen Reynolds, que escreve sobre o condicionamento físico para o “New


York Times”, é a favor de incluir movimentos ao tempo que passamos sentados.
[...]
Reynolds sugeriu intercalar períodos sentados com de pé e em movimento, ou
mesmo fazendo gestos repetitivos. Uma pesquisa demonstrou, segundo ela, que “as
mulheres que se mexem o tempo todo, mesmo sentadas, geralmente vivem mais do que
as imóveis”.
Mas isso pode ser um problema se a movimentação for um sinal de ansiedade, e
se essa ansiedade for um nervosismo causado por gatilhos modernos como alertas no
telefone celular. Bob Morris escreveu sobre esses alertas assustadores mais de uma
vez.
“Na outra semana, mais um desses ruídos perfurantes, um Alerta Âmbar, saiu do
meu telefone e me assustou tanto que derrubei um copo que se espatifou no chão da
cozinha”, escreveu ele.
[...]
Acrescentados aos “dings, dongs e piscadelas” dos alarmes de manutenção de
carro e à “previsão apocalíptica” do noticiário, escreveu Morris, “podem me chamar de
misantropo egoísta que leva a sério demais seu sono e sua tranquilidade mental, mas
eu poderia viver com menos alarmes que insistem em me atingir”.

FELDER, Tess. Sente-se, Levante-se. Repita. The New York Times - International
Weekly. Em colaboração com Folha de S. Paulo. Sábado, 7 de novembro de 2015.
p.1. (adaptado)

21
Habilidade
Identificar posições distintas entre duas ou mais opiniões relativas ao mesmo fato ou
ao tema.

Questão 07

Nesse artigo, Tess Felder, Pamela Paul, Gretchen Reynolds e Bob Morris
pronunciaram-se sobre o tema que diz respeito ao estilo de vida que as pessoas adotam
atualmente. Depreende-se do texto que

(A) Pamela, Gretchen e Bob não divergem em suas opiniões quanto ao estilo de
vida movimentado que as pessoas levam.

(B) Bob concorda com Gretchen que os movimentos gerados por sinais de alerta,
causadores de ansiedade, são bons.

(C) Felder e Gretchen concordam que é importante a inclusão de


movimentos ao tempo que passamos sentados.

(D) Pamela discorda de Felder quanto à opinião de que a movimentação física


durante o expediente prejudica a saúde.

22
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

(A) Pamela, Gretchen e Bob não Resposta incorreta. No texto, Pamela e Gretchen
divergem em suas opiniões concordam que é bom para a pessoa trabalhar em
quanto ao estilo de vida
pé. Porém, Bob só se mostra contrário a
movimentado que as pessoas
levam. movimentos causados por sinais de alerta.

(B) Bob concorda com Gretchen que Resposta incorreta. Em nenhuma parte do texto
os movimentos gerados por sinais consta que Gretchen tenha emitido opinião a
de alerta, causadores de
propósito dos movimentos causados por sinais de
ansiedade, são bons.
alerta e Bob é contra esses sinais.

(C) Felder e Gretchen concordam Resposta correta. O autor do artigo, Felder,


que é importante a inclusão de deixa transparecer sua opinião ao fazer um
movimentos ao tempo que
questionamento e respondê-lo: “Então,
passamos sentados.
devemos ficar imóveis ou tentar nos mexer? A
resposta parece ser um pouco do dois.”. Já
Gretchen “é a favor de incluir movimentos ao
tempo que passamos sentados.”. Portanto,
ambos têm o mesmo ponto de vista sobre a
questão em debate.

(D) Pamela discorda de Felder quanto Resposta incorreta. Nenhum dos dois
à opinião de que a movimentação interlocutores acredita que se movimentar durante
física durante o expediente
o expediente seja prejudicial à saúde.
prejudica a saúde.

23
Leia o texto e responda às questões 08 e 09.

O Photoshop afetou a percepção da realidade


Criado há 25 anos, programa se tornou sinônimo de manipulação da realidade – para o
bem ou para o mal
Por Deutsche Welle — publicado 10/03/2015 04h17
No início, o Photoshop era um programa de computador bem simples, que
pouco mais fazia do que exibir imagens reticuladas nas telas monocromáticas de
então. Vinte e cinco anos depois, ele está entre os mais desenvolvidos aplicativos para
processamento digital de fotos do mundo.
E fez escola: até por ser originalmente caro, ele deu origem a todo um setor de
programação, com bons sucessores a preços bem mais acessíveis ou até mesmo
grátis.
Hoje, os programas de processamento de imagens são onipresentes: as fotos
transformadas com sua ajuda estão nos computadores, smartphones, redes sociais,
revistas de moda – e também no subconsciente humano.
As pessoas hoje estão tão acostumadas a imagens modificadas, filtradas e
manipuladas, que fotografias não processadas até parecem estranhas. Fotos de
personalidades em estado natural têm muitas vezes um efeito chocante – e são
divulgadas como tal na internet.
[...]
"A indústria da moda, como um todo, se comporta de um jeito altamente
questionável", critica o especialista em mídia Thomas Knieper: "Quando se alonga as
pernas das estrelas, se afina sua cintura e faz desaparecer as rugas e outros defeitos,
as pessoas tendem a admirá-las incontrolavelmente e a imitá-las."
Estudos demonstram que quem consome regularmente as fotografias
processadas das revistas de moda em algum ponto passa a acreditar que aquilo que
vê seja a norma. Isso aumenta o risco de anomalias como anorexia ou bulimia.
"Essas fotos são capazes de causar depressão em gente que não se sente
capaz de alcançar os padrões de beleza impostos pelas mídias. Elas percebem que
não conseguem se aproximar de seu ideal nem com dietas e operações de beleza. Isso
é perfeitamente normal, pois as imagens que estão vendo são anatomicamente
impossíveis", comenta Knieper.
[...]
Knieper lembra que estudos científicos mostraram como os leitores só aceitam
até certo ponto alterações posteriores de uma imagem, sobretudo se o valor
documental delas está em primeiro plano.
"Como todo instrumento, pode-se usar o Photoshop para o bem ou para o mal",
declarou certa vez Thomas Knoll, o criador do programa de processamento de
imagens, numa entrevista à TV. A regra certamente continuará valendo para o próximo
quarto de século.

24
BRÄNDLIN, Anne-Sophie. VALENTE, Augusto. Disponível em:
<http://www.cartacapital.com.br/cultura/o-photoshop-afetou-a-percepcao-da-realidade-
6342.html>. Acesso em: 27 de novembro de 2015. (adaptado)

Habilidade
Estabelecer relação entre a tese e os argumentos oferecidos para sustentá-la.

Questão 08

No texto, um dos argumentos utilizados pelo autor para defender a tese de que o uso
do Photosop alterou a percepção da realidade, é:

(A) “Estudos demonstram que quem consome regularmente as


fotografias processadas das revistas de moda em algum ponto
passa a acreditar que aquilo que vê seja a norma”.

(B) “[...] o Photoshop era um programa de computador bem simples, que


pouco mais fazia do que exibir imagens reticuladas nas telas
monocromáticas de então”.

(C) “[...] as fotos transformadas com sua ajuda estão nos computadores,
smartphones, redes sociais, revistas de moda – e também no
subconsciente humano”

(D) “E fez escola: até por ser originalmente caro, ele deu origem a todo um
setor de programação, com bons sucessores a preços bem mais
acessíveis ou até mesmo grátis”.

25
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. “Estudos demonstram que quem Resposta correta. O autor argumenta que


consome regularmente as há estudos comprobatórios de que a
fotografias processadas das opinião dos leitores de revistas de moda
revistas de moda, em algum ponto é modificada por eles verem
passa a acreditar que aquilo que regularmente as fotos de modelos cujos
vê seja a norma.” dotes físicos foram alterados pelo uso do
Photoshop.

B. “[...] o Photoshop era um Resposta incorreta. Trata-se apenas da


programa de computador bem descrição do funcionamento do Photoshop
simples, que pouco mais fazia do na época de seu aparecimento e não há
que exibir imagens reticuladas nas nenhuma referência à questão da maneira
telas monocromáticas de então.”. como se vê o mundo.

C. “[...] as fotos transformadas com Resposta incorreta. Essa é mais uma


sua ajuda estão nos computadores, constatação sobre o desempenho e a
smartphones, redes sociais, revistas aceitação, pela indústria da moda, dos
de moda – e também no recursos utilizados pelo Photoshop.
subconsciente humano.”.

D. “E fez escola: até por ser Resposta incorreta. A descrição da


originalmente caro, ele deu origem a evolução e do percurso do Photoshop
todo um setor de programação, com continua nesse parágrafo. Não é, portanto,
bons sucessores a preços bem mais um argumento direto de defesa da tese
acessíveis ou até mesmo grátis.”. defendida pelo autor.

26
Habilidade

Reconhecer o efeito de sentido produzido pela exploração de recursos


morfossintáticos (conjunção, períodos simples e compostos) em um texto.

Questão 09

Assinale a alternativa em que se encontra um período composto por subordinação, cujo


valor expressivo é o de explicação.

(A) “Fotos de personalidades em estado natural têm muitas vezes um efeito


chocante – e são divulgadas como tal na internet.”.
(B) “As pessoas hoje estão tão acostumadas a imagens modificadas, [...], que
fotografias não processadas até parecem estranhas.”.
(C) “ ‘A indústria da moda, como um todo, se comporta de um jeito altamente
questionável’, critica o especialista em mídia Thomas Knieper.”.
(D) “Isso é perfeitamente normal, pois as imagens que estão vendo são
anatomicamente impossíveis’, comenta Knieper.”.

27
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. “Fotos de personalidades em Resposta incorreta. Nesse parágrafo, as duas


estado natural têm muitas vezes orações são ligadas pelo conector e, que
um efeito chocante – e são expressa o valor de adição.
divulgadas como tal na internet.”

B. “As pessoas hoje estão tão Resposta incorreta. Na frase, a conjunção


acostumadas a imagens subordinativa “tão... que”, exprimem uma
modificadas, [...], filtradas e relação de consequência.
manipuladas, que fotografias não
processadas até parecem
estranhas.”.

C. “ ‘A indústria da moda, como Resposta incorreta. Nesse caso, as orações


um todo, se comporta de um jeito não são ligadas por conjunção. Elas são
altamente questionável’, critica o separadas por vírgulas e, portanto, são duas
especialista em mídia Thomas orações coordenadas assindéticas.
Knieper”.

D. “Isso é perfeitamente Resposta correta. No período encontramos a


normal, pois as imagens que conjunção pois que coordena as orações,
estão vendo são exprimindo uma relação de explicação. A
anatomicamente impossíveis’, frase que segue a conjunção (“as imagens
comenta Knieper”. que estão vendo são anatomicamente
impossíveis”) explica o motivo de as
pessoas quererem aproximar seu ideal de
beleza com dietas e operações daquele ideal
representado em fotos, modificadas pelo
Photoshop.

28
Leia o texto e responda à questão 10.

Disponível em: <http://www.ccms.saude.gov.br/revolta/images/cartazes/Cartaz-


VacinacaoG.jpg>. Acesso em: 30 de novembro de 2015.

29
Habilidade
Identificar o público-alvo de um texto.

Questão 10

O cartaz da campanha de vacinação do Ministério da Saúde visa a atingir um público


formado por
(A) laboratórios fabricantes de vacinas.
(B) crianças vítimas da paralisia infantil.
(C) médicos de postos de saúde brasileiros.
(D) pais de filhos com menos de cinco anos.

30
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. laboratórios Resposta incorreta. No cartaz, não há qualquer referência a


fabricantes de laboratórios que fabricam vacinas.
vacinas.

B. crianças vítimas Resposta incorreta. A vacina contra a paralisia infantil destina-


da paralisia infantil. se evitar que as crianças saudáveis sejam vítimas da paralisia
infantil e, portanto, esse não pode ser o público-alvo do cartaz.

C. médicos de Resposta incorreta. Apesar de haver uma referência a posto de


postos de saúde vacinação (“Procure um posto de vacinação na sua cidade”), a
brasileiros. mensagem não menciona médicos. Além disso, o teor da
mensagem do cartaz como um todo, não permite que se
compreenda que ela é destinada aos médicos de postos de
saúde brasileiros.

D. pais de filhos Resposta correta. O cartaz trata da Campanha de


com menos de Vacinação contra a Paralisia Infantil, promovida pelo
cinco anos. Ministério da Saúde, retrata uma gotinha, símbolo da
campanha, ao lado de dois bebês, um menino e uma
menina, cuja faixa etária não ultrapassa 5 anos, deixando
implícito o público a que ele se destina. Além disso, a frase
“Vacine seu filho menor de 5 anos de idade [...]”deixa claro
que o público-alvo da mensagem são os pais de filhos
dessa faixa etária.

31
Leia o texto e responda à questão 11.

Traduzir-se
Ferreira Gullar

Uma parte de mim


é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim


é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim


pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim


almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim


é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim


é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte


na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?

GULLAR, Ferreira. Traduzir-se. Disponível em:


<http://www.poesiaspoemaseversos.com.br/ferreira-gullar-poemas/#.Vksf2lWrSM8>.
Acesso em: 16 de novembro de 2015.

32
Habilidade
Inferir informações implícitas (tema/assunto principal) em um texto.

Questão 11

O poema “Traduzir-se” apresenta como tema

A. os hábitos cotidianos.
B. a dualidade humana.
C. os delírios do poeta.
D. a brevidade da vida.

33
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. os hábitos Resposta incorreta. No poema há apenas uma referência a


cotidianos. hábitos cotidianos: almoça e janta. As demais referências são de
caráter mais filosóficos, ou se referem a comportamentos,
sentimentos, emoções.

B. a dualidade Resposta correta. No poema, o eu poético descobre-se dual:


humana. ele é constituído de contradições – ora é todo mundo, ora é
ninguém; ora é multidão, outras vezes, solidão; ora almoça e
janta, ora se espanta. Assim, ele vai definindo as inúmeras
contradições que são próprias, não apenas de um poeta, mas
que definem, também, todo e qualquer ser humano.

C. os delírios do Resposta incorreta. A referência ao ato de delirar aparece apenas


poeta. uma vez, na quarta estrofe, quando o poeta contrapõe a parte de
sua persona que “pesa, pondera” à sua outra parte que “delira”.
Não se trata, portanto, da temática do poema.

D. a brevidade Resposta incorreta. Esse é um tema recorrente no Parnasianismo


da vida. e não é um assunto tratado por Ferreira Gullar, nesse poema.

34
Leia o texto e responda à questão 12.

Dilemas da gravidez
Cláudia Collucci
DE SÃO PAULO
Microcefalia faz 4 países da América latina e do Caribe recomendar que se evite
gestação; ultrassom morfológico detecta anomalia
[...]
A tendência entre os especialistas, porém, é orientar as mulheres jovens a adiar
a gravidez. “Para quem tem até 30 anos, não vai mudar ter que esperar dois ou três
meses até sabermos como vão evoluir esses casos de microcefalia”, diz o obstetra
Renato Kalil, do Hospital Albert Einstein.
[...]
“Todo o cuidado tem que ser tomado para evitar a exposição ao mosquito e a
infecção pelo zika. Como a maioria dos casos (80%) é assintomática, muitas mulheres
nem saberão se foram ou não infectadas”, diz o obstetra Adolfo Liao, coordenador
materno-infantil do Einstein.
As que manifestam sintomas podem recorrer a testes. O mais acessível, de
biologia molecular, só funciona nos primeiros dias de infecção. O outro, que busca
anticorpos do zika, custa R$ 900,00 em média e só está disponível em alguns
laboratórios privados.
Após confirmada a zika, porém, não há o que fazer. Além de não existir remédio
para curar a infecção, ainda não se sabe qual o risco real de o bebê desenvolver
microcefalia.
No Nordeste do país, as alterações cerebrais dos fetos têm aparecido só por
volta da 28ª semana de gestação.
“Fazendo um acompanhamento (com ultrassom) mais frequente, podemos
identificar alterações mais cedo”, afirma o obstetra Thomaz Gollop, professor da USP.
Já o obstetra Manoel Sarno, especialista em medicina fetal e que já acompanhou
80 casos de microcefalia associados à zika na Bahia, diz que será “improvável” o
diagnóstico antes da 20ª semana.
[...]
COLLUCCIi, Cláudia, Dilemas da Gravidez. Folha de S. Paulo, especial zika, p. 2.
Sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016. (adaptado)

35
Habilidade
Identificar posições distintas entre duas ou mais opiniões relativas ao mesmo fato ou ao
tema.

Questão 12

Com relação às opiniões emitidas quanto ao uso do ultrassom para diagnosticar


anomalias causadas pela zika, podemos afirmar que:

A. O especialista em medicina fetal, Manoel Sarno, defende a ideia da


improbabilidade de se identificar alterações cerebrais nos fetos, antes da
20ª semana.

B. Renato Kalil, obstetra do Hospital Albert Einstein, aconselha as mulheres de


menos de 30 anos a evitarem a exposição ao mosquito e a infecção pelo zika.

C. O obstetra Adolfo Liao, assim como Renato Kalil, acreditam que o uso frequente
do ultrassom revelará às mulheres se elas foram ou não infectadas pelo vírus da
zika.

D. Thomaz Gollop concorda com Manoel Sarno que o acompanhamento com o


ultrassom permitirá um diagnóstico provável por volta da 28ª semana de
gestação.

36
GRADE DE CORREÇÃO

ALTERNATIVAS OBSERVAÇÕES

A. O especialista em medicina Resposta correta. No texto, Manoel Sarno


fetal, Manoel Sarno defende a diz que “será ‘improvável’ o diagnóstico
ideia da improbabilidade de se antes da 20ª semana”; portanto ele não
identificar alterações cerebrais concorda que possa haver diagnósticos em
nos fetos, antes da 20ª tempo menor do que esse, conforme o
semana; obstetra Thomaz Gollop parece esperar, ao
deixar de estabelecer um tempo preciso em
sua afirmativa (“podemos identificar
alterações mais cedo”).

B. Renato Kalil, obstetra do Resposta incorreta. O aconselhamento para


Hospital Albert Einstein, se evitar a exposição ao mosquito e a infecção
aconselha as mulheres de pelo zika foi feito pelo obstetra Adolfo Liao e
menos de 30 anos a evitarem não por Renato Kalil.
a exposição ao mosquito e a
infecção pelo zika.

C. O obstetra Adolfo Liao, assim Resposta incorreta. Conforme o texto, Adolfo


como Renato Kalil, acreditam Liao não se pronunciou a respeito do uso do
que o uso frequente do ultrassom. Ele se limitou a aconselhar as
ultrassom revelará às mulheres mulheres a evitarem a “exposição ao mosquito
se elas foram ou não e a infecção pelo zika”. Kalil também não
infectadas pelo vírus da zika; abordou o tema do uso do ultrassom.

D. Thomaz Gollop concorda com Resposta incorreta. Em sua afirmativa,


Manoel Sarno que o Thomaz Gollop afirma que o acompanhamento
acompanhamento com o com ultrassom pode auxiliar a identificar
ultrassom permitirá um alterações nos fetos mais cedo do que até o
diagnóstico provável por volta momento se tem conseguido efetuar e, assim
da 28ª semana de gestação; como Sarno, nada é falado sobre a 28ª
semana de gestação.

37
Referências Bibliográficas
Obras Pesquisadas
COLLUCCIi, Cláudia, Dilemas da Gravidez. Folha de S. Paulo, especial zika, p. 2.
Sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016. (adaptado)

FELDER, Tess. Sente-se, Levante-se. Repita. The New York Times - International
Weekly. Em colaboração com Folha de S. Paulo. Sábado, 7 de novembro de 2015.
p.1. (adaptado)

HERCULANO-HOUOZEL, Suzana. Obsolescência. Folha de S. Paulo, Equilíbrio. São


Paulo, 10 de novembro de 2015. Cotidiano, B6. (adaptado)

NOVAS SÉRIES, Novos Fandoms. Selfies. Revista Atrevida, nº 242. Outubro de


2014. p. 36. (adaptado)

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Material de apoio ao currículo do


Estado de São Paulo: caderno do professor; língua portuguesa, ensino médio, 2ª série
Secretaria da Educação; coordenação geral Maria Inês Fini. – São Paulo: SE, 2014. v.
1, 144 p.

Sites Pesquisados
LEITE, Carlos Willian. A última entrevista de Vinicius de Moraes. Entrevista, Revista
Bula, 2015. Disponível em: <http://www.revistabula.com/secoes/entrevistas/>. Acesso
em: 31 de agosto de 2015. (adaptado)

VARELLA, Drauzio. Glúten, autoimunidade e história. Carta Capital. Disponível em:


<http://www.cartacapital.com.br/revista/869/gluten-autoimunidade-e-historia-
9185.html>. Acesso em: 05 de novembro de 2015. (adaptado)

VARELLA, Drauzio. O mapa do cérebro. Folha UOL. Colunistas, 05/2014.


Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/colunas/drauziovarella/2014/05/1448902-
o-mapa-do-cerebro.shtml >. Acesso em: 19 de agosto de 2015. (adaptado)

<http://www.linguee.com.br/portugues-ingles/traducao/ambar.html>. Acesso em: 11 de


novembro de 2015.

BRÄNDLIN, Anne-Sophie. VALENTE, Augusto. Disponível em:


<http://www.cartacapital.com.br/cultura/o-photoshop-afetou-a-percepcao-da-realidade-
6342.html>. Acesso em: 27 de novembro de 2015. (adaptado)

Disponível em: <http://www.ccms.saude.gov.br/revolta/images/cartazes/Cartaz-


VacinacaoG.jpg>. Acesso em: 30 de novembro de 2015.
GULLAR, Ferreira. Traduzir-se. Disponível em:
<http://www.poesiaspoemaseversos.com.br/ferreira-gullar-poemas/#.Vksf2lWrSM8>.
Acesso em: 16 de novembro de 2015.

38
AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO

Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional


Coordenador: Olavo Nogueira Batista Filho

Departamento de Avaliação Educacional


Diretora: Cyntia Lemes da Silva Gonçalves da Fonseca
Assistente Técnica: Maria Julia Filgueira Ferreira

Centro de Planejamento e Análise de Avaliações


Diretor: Juvenal de Gouveia

Ademilde Ferreira de Souza, Cristiane Dias Mirisola, Isabelle Regina de Amorim Mesquita,
Patricia Barros Monteiro, Soraia Calderoni Statonato

Centro de Aplicação de Avaliações

Daniel Koketu, Denis Delgado dos Santos, José Guilherme Brauner Filho, Kamila Lopes
Candido, Lilian Sakai, Manoel de Castro Pereira, Nilson Luiz da Costa Paes, Teresa Miyoko
Souza Vilela

Coordenadoria de Gestão da Educação Básica


Coordenadora: Ghisleine Trigo Silveira

Departamento de Desenvolvimento Curricular e de Gestão da Educação Básica


Diretora: Regina Aparecida Resek Santiago

Centro do Ensino Fundamental dos Anos Finais, Ensino Médio e Educação Profissional
Diretora: Valeria Tarantello de Georgel

Equipe Curricular CGEB de Língua Portuguesa e Literatura – Autoria, Leitura crítica e


validação do material
Angela Maria Baltieri Souza, Claricia Akemi Eguti, Idê Moraes dos Santos, Katia Regina
Pessoa, Mara Lucia David, Marcos Rodrigues Ferreira, Roseli Cordeiro Cardoso, Rozeli Frasca
Bueno Alves

Autoria do material de Língua Portuguesa


Mara Lucia David - 6º ano EF; Katia Regina Pessoa - 7º ano EF; Idê Moraes dos Santos - 8º
ano EF; Marcos Rodrigues Ferreira - 9º ano EF; Angela Maria Baltieri Souza e Roseli
Cordeiro Cardoso 1ª série EM; Caricia Akemi Eguti - 2ª série EM; Rozeli Frasca Bueno Alves -
3ª série EM

Professores Coordenadores dos Núcleos Pedagógicos das Diretorias de Ensino - Leitura


crítica e validação do material
Débora de Cássia Silva, Denise Aparecida Xavier, Flávia Odete Greghi, Giani de Cássia
Santana, Gisele Szabó Despézio Ghetti, Katia Cilene Mattiazzo, Lucia Midori Kimura, Márcia Di
Giaimo Mecca, Neuza de Mello Lopes Schönherr, Patrícia dos Anjos Oliveira, Rosemeire
França de Assis Rodrigues Pereira, Valéria Rocha Aveiro do Carmo
39