Você está na página 1de 10

GLOSSÁRIO DE PATOLOGIA GERAL

DO CURSO DE MEDICINA
VETERINÁRIA DA ANHANGUERA
INTEGRANTES DO GRUPO:
TURMA:

“A”
ABLAÇÃO: Exérese de qualquer órgão do corpo por meio de incisão cirúrgica.

ABCESSO: Acúmulo de pus numa cavidade formada acidentalmente nos tecidos


orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação.

ADENOMA:Tumor do epitélio glandular de características benignas.

ADPSIA: inapetência para os líquidos; ausência de sede.

AEROFAGIA: inapetência para os líquidos; ausência de sede.

AGENTE ETIOLÓGICO: É o nome dado ao agente causador de uma doença.

ALBUMINURIA: Presença de albumina sérica na urina.

ANAFILAXIA: Hipersensibilidade de um animal após exposição a um antígeno.

ANALGESIA: Diminuição da sensibilidade à dor.

ANASARCA: Excesso generalizado de líquido no interstício e no interior das


próprias células.

ANOREXIA: Inapetência, perda de apetite.

ANTISSEPSIA: processo de desinfecção em tecidos vivos.

ANÚRIA: Falta de produção ou emissão de urina.

APNEIA: Ausência ou interrupção momentânea da respiração.


“B”
BACTERICIDA:Agente que destrói as bactérias.

BACTEREMIA: presença de bactérias no sangue, porém sem que as mesmas se


multipliquem neste.

BACTERIOSTÁTICO: Substância capaz de paralisar o crescimento de bactérias.

BENIGNO: Doenças que não cursam com risco iminente de morte, com evolução
favorável.

BIÓPSIA: Obtenção de uma amostra de tecido de um organismo para fins


diagnósticos.

“C”
CÁLCULO: Concreção sólida, constituída principalmente de substâncias e sais
minerais localizadas em órgãos ocos, ductos, trajetos, cistos e superfícies dos
dentes.

CAQUEXIA: Debilidade intensa e generalizada, desnutrição e caquexia .

CARCINOMA: Tumor maligno cujo parênquima se compõe de células epiteliais


anaplásticas.

CIANOSE:Coloração roxo-azulada das mucosas e da pele, devida à presença de


níveis elevados de hemoglobina reduzida nos capilares.

CONGESTÃO: Acúmulo anormal de líquido ou de sangue no interior dos vasos de


um órgão, ou parte deste.

“D”
DEBRIDAMENTO:Limpeza de uma ferida infectada, pela remoção de toda a matéria
estranha e tecidos desvitalizados nela contidos.

DESINFECÇÃO: Eliminação de microrganismos de uma superfície contaminada. Em


geral utilizam-se diferentes compostos químicos (clorexidina, por exemplo).

DESINFESTAÇÃO:Eliminação de parasitas, insetos ou roedores.

DIAGNÓSTICO: resultado da análise realizada em uma primeira instância e que tem


por fim conhecer as características específicas da situação determinada para
assim, poder atuar, sugerindo um tratamento ou não.
DISÚRIA: Dificuldade para urinar. Em geral provocada por uma infecção urinária.

DUCTO: Conjunto de vias que conduzem um conteúdo.

“E”
EDEMA: Infiltração difusa em diversos tecidos especialmente subcutâneo e
submucoso devido ao aumento do líquido intersticial.

EMBOLIA: Obstrução de um vaso por um coágulo ou outro material, formado em


outro local da corrente circulatória, e que migrou seguindo o fluxo sanguíneo.

EMESE: Ato de vomitar

ENDEMIA: Nível habitual de prevalência de uma determinada doença na população,


doença particular de uma região.

EPISTAXE: Hemorragia pela cavidade nasal.

ESFINCTER: Nome genérico de um anel muscular com função de fechar e abrir


condutos ou órgãos ocos.

ESTASE: Deficiência de drenagem do sangue de um determinado segmento do


corpo.

ESTENOSE: estreitamento congênito ou adquirido de uma estrutura oca.

ESTERTOR: Ruído respiratório anormal resultante de respiração difícil, sonora, em


geral devida à obstrução parcial da via respiratória superior, ouvido à auscultação
e que indica alguma condição patológica. Em alguns casos é possível determinar o
local do estertor à auscultação cuidadosa. Os estertores distinguem-se como secos
ou úmidos, de acordo com a presença ou ausência de líquido nas vias respiratórias,
sendo classificados segundo seu local de origem como brônquicos, cavernosos,
laríngeos, pleurais, traqueais e vesiculares (crepitantes).

ETIOLOGIA: É a causa das doenças.

EVISCERACAO: Ato e ação de eviscerar.

EXERESE: Extirpação cirúrgica.

“F”
FAGÓCITO: Célula capaz de ingerir microrganismos ou outras partículas estranhas.
FÍSTULA: Comunicação anormal entre dois órgãos ou duas seções de um mesmo
órgão entre si ou com a superfície. Possui um conduto de paredes próprias.

“G”
GANGRENA: morte de um tecido causado por uma infecção ou falta de fluxo
sanguíneo.

GLICEMIA: é a concentração de glicose no sangue ou mais precisamente no


plasma.

GLICOSURIA: presença de glicose na urina.

“H”
HALITOSE:Mau hálito.

HEMATEMESE: vômito com sangue.

HEMATOMA: acúmulo de sangue num órgão ou tecido, geralmente bem localizado.

HEMATURIA: presença de sangue na urina.

HEMIPARESIA: dificuldade de movimentar metade do corpo.

HEMIPLEGIA: Paralisia da metade do corpo.

HEMOFILICO: incapacidade do corpo em formar coágulos sanguíneos.

HEMOGLOBINA: proteína presente nas hemácias

HEMOLISE: destruição dos glóbulos vermelhos.

HEPATOMEGALIA: inchaço/aumento do fígado.

HIPERALGESIA: sensibilidade exagerada a dor.

HIPERCALCEMIA: aumento do nível de cálcio no sangue.

HIPERGLICEMIA: alto nível da taxa de açúcar no sangue.

HIPERNATREMIA: alta concentração de sódio no sangue.


HIPERPLASIA:Aumento benigno de um tecido devido à multiplicação das células
que o compõem.

HIPERTROFIA: é o aumento quantitativo dos constituintes e das funções celulares,


o que provoca aumento das células e órgãos afetados.

HIPOPLASIA: desenvolvimento defeituoso ou incompleto de tecido ou órgão.

HIPOXIA: Ausência de oxigênio suficiente nos tecidos para manter as funções


corporais.

HOMEOSTASE: é a condição de relativa estabilidade da qual o organismo necessita


para realizar suas funções adequadamente.

HORMONIO: substância química específica fabricada pelo sistema endócrino ou por


neurónios altamente especializados e que funciona como um sinalizador celular.

HOSPEDEIRO: hospedeiro é um organismo que abriga outro em seu interior ou o


carrega sobre si.

“I”
ICTERICIA: coloração amarelada na pele devido o aumento da bilirrubina.

INALACAO:absorção de medicamentos por via respiratória.

INAPETENCIA: falta de apetite/fome.

INCISAO: intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante


(bisturi ou bisturi elétrico).

INCONTINENCIA: perda do controle da bexiga.

INFARTO: necrose da região de um órgão produzida pela parada súbita da


circulação arterial.

INFECCAO: Invasão e multiplicação de microorganismos em tecidos corpóreos,


especialmente os que causam lesão celular local por causa de metabolismo
competitivo, toxinas, replicação intracelular ou resposta antígeno-anticorpo. Uma
doença infecciosa.

INFLAMACAO: Resposta protetora localizada provocada por agressão ou destruição


dos tecidos, que serve para destruir, diluir ou isolar tanto o agente agressor como
o tecido agredido.

ISQUEMIA: redução do fluxo sanguíneo.


“L”
LAPAROTOMIA: abertura cirúrgica na cavidade abdominal.

LETARGIA: estado de profunda e prolongada inconsciência.

LEUCEMIA: ocorre na formação das células sanguíneas, dificultando a capacidade


do organismo de combater infecções.

LEUCOCITO: células sanguíneas conhecidas como glóbulos brancos. Atuam em


defesa do organismo.

LEUCOPENIA: Quando os leucócitos (células de defesa) estão baixos.

LEUCOCITOSE: quando os leucócitos estão altos.

LITIASE: são pedras/cálculos nos canais excretores das glândulas (vias urinárias,
biliares,salivares,etc).

“M”
MACROCEFALIA: condição de quem tem o crânio muito desenvolvido.

MACROSCOPIO: é tudo aquilo que pode-se enxergar a olho nu, ou seja, com a vista
desarmada.

MASTECTOMIA: excisão ou remoção total da mama.

MELANINA: é um polímero complexo derivado da tirosina do ácido aminado.

MELENA: é uma hemorragia intestinal que se caracteriza pela presença de sangue nas fezes do
indivíduo.

METABOLISMO: conjunto de transformações, num organismo vivo, pelas quais passam as


substâncias que o constituem.

METASTASE: é a formação de uma nova lesão tumoral a partir de outra, mas sem
continuidade entre as duas.

MIALGIA: dor muscular, provocada geralmente por hipertonia muscular ou traumatismo.

MIDRIASE: dilatação da pupila.

MIOSE: contração da pupila.

MORBIDADE: conjunto de causas capazes de produzir uma doença.


MUCO: A substância viscosa livre da mucosa, composta de secreção de suas
glândulas, vários sais, células descamadas e leucócitos.

“N”
NECROPSIA: é uma série de procedimentos e observações, organizada e hierarquizada,
realizada ao cadáver com o objetivo de determinar o que provocou a sua morte.

NEOPLASIA: processo patológico que resulta no desenvolvimento de um neoplasma.

“O”
OLIGURIA: secreção insuficiente de urina.

ONCOLOGIA: especialidade médica que se dedica ao estudo e tratamento da neoplasia.

“P”
PARASITA:

PARENTERAL:

PARESIA:

PATOGENICO:

PATOGENICIDADE:

PATOGNOMONICO:

PATOLOGIA:

PERITONITE:

PETEQUIAS:

PIREXIA:

PIURIA:

POLIDIPSIA:
POLIFAGIA:

POLIPO:

POLIURIA:

PROFILAXIA:

PROGNÓSTICO:

PROTEINÚRIA:

PRURIDO:

PURPURA:

PUSTULAS:

“Q”
QUELOIDE: hiperplasia fibrosa, elevada, arredondada, consistente e com bordos mal definidos,
que ocorre na derme, ger. após lesão traumática ou queimadura [Frequentemente ocorre no mesmo
local, após remoção cirúrgica.].

“R”
RUBOR: vermelhidão da pele que pode ocorrer em qualquer área do corpo, em qualquer extensão,
em virtude da dilatação dos vasos sanguíneos e consequentemente, maior fluxo de sangue naquela
área.

“S”
SARCOMA: tumor maligno, formado pela proliferação de células mesodérmicas; neoplasma
maligno de tecido conjuntivo que pode ocorrer em músculo, osso etc.

SEPSE: conjunto de manifestações graves em todo o organismo produzidas por uma infecção.

SIALORREIA: produção excessiva de saliva; hipersialose

SINAL CLÍNICO: aquilo que pode ser percebido por outra pessoa sem o relato ou comunicação do
paciente
SÍNDROME: conjunto de sinais e sintomas observáveis em vários processos patológicos diferentes
e sem causa específica.

SUSCETIBILIDADE: probabilidade de acontecer alguma coisa e classifica uma pessoa que sofre
mudanças e sensações com facilidade

“T”
TENESMO: Esforço ineficaz e doloroso à defecção ou micção. Também chamado
esforço.

TÓXICO: Venenoso; pertinente à intoxicação.

TRANSFUSÃO: A introdução de sangue total ou componentes sanguíneos


(hemoderivados) diretamente na corrente circulatória. Entre os elementos
transfundidos, além do sangue total, estão papa de hemácias, plasma, plaquetas,
granulócitos e crioprecipitado, uma proteína plasmática rica em fator VIII anti-
hemolítico.

TRANSUDATO: Substância líquida que passou através de uma membrana ou


exteriorizou-se de um tecido; ao contrário de um exsudato, um transudato se
caracteriza por elevada fluidez e baixo conteúdo de proteína, células ou material
sólido derivado das células.

TROMBO: Agregado de fatores sanguíneos, primeiramente plaquetas e fibrina, com


captura de elementos celulares, frequentemente causando obstrução vascular no
ponto de sua formação. A lesão e a síndrome produzida pelo trombo dependem de
sua localização.

TROMBOSE: Formação, desenvolvimento ou presença de um trombo. Pode-se


formar um trombo se o fluxo de sangue nas artérias ou veias for impedido. Se o
trombo se destacar da parede e for levado ao longo da corrente circulatória, o
coágulo é chamado de êmbolo e a condição é conhecida como embolismo ou
embolia. Como o sangue normalmente flui com mais lentidão pelas veias que pelas
artérias, a trombose é mais comum naquelas que nas últimas. O efeito da trombose
é o ingurgitamento da veia obstruída, geralmente mais agravamento da formação
do trombo e edema da área local drenada pela veia. Os sinais clínicos dependerão
da localização do vaso.

TUMOR: Tumefação, um dos sinais fundamentais da inflamação; aumento de


volume mórbido. Neoplasia; um novo crescimento de tecido em que a
multiplicação celular é incontrolável e progressiva. Um câncer. Os tumores
também são chamados de cânceres ou neoplasias, o que significa que são
compostos de tecido novo e de crescimento ativo. Seu crescimento é mais rápido
que o do tecido normal, continuando após a cessação do estímulo que evocou o
crescimento e não servindo para objetivo fisiológico útil. Os tumores se
classificam de um certo número de formas, uma das mais simples sendo de acordo
com sua origem e se são benignos ou malignos. Os tumores de origem
mesenquimatosa incluem os fibroelásticos e aqueles dos ossos, gordura, vasos
sanguíneos e tecido linfóide. Podem ser benignos ou malignos (sarcoma). Os
tumores de origem epitelial podem ser benignos ou malignos (carcinoma); são
encontrados no tecido glandular ou de órgãos como as glândulas mamárias,
estômago, útero ou pele. Os tumores mistos contêm tipos diferentes de células
derivadas de mais de uma camada germinativa; ambos os tipos podem ser
benignos ou malignos.

TURGOR: A condição de ser túrgido; normal ou outra repleção.

“U”
ULCERA: lesão aberta, com perda de substância, em tecido cutâneo ou mucoso, causando
desintegração e necrose.

UREMIA: conjunto de sintomas que indicam o acúmulo no sangue de substâncias tóxicas que
normalmente são eliminadas pelos rins na urina.

“V”
VASOCONSTRICAO: Diminuição no calibre de vasos sanguíneos; pode ser generalizada ou local.

VASODILATACAO: Estado de aumento do calibre dos vasos sanguíneos.

VETOR: Um portador, especialmente um animal (em geral artrópode) que transfere um agente infectante
de um hospedeiro para outro.

VEREMIA: A presença de um vírus no sangue, livre ou uma viremia associada a células. Nas infecções
virais generalizadas, pode haver invasão local, proliferação nos linfonodos regionais, seguida por viremia
primária com disseminação para outros tecidos. Em algumas infecções, pode haver uma viremia
secundária seguida por aumento da lesão tecidual e doença clínica grave, às vezes incluindo a
disseminação do vírus para o sistema nervoso central.

VIRULENCIA: O grau de patogenicidade de um microrganismo, conforme indicado pelas taxas de


casos fatais e/ou sua capacidade de invadir os tecidos do hospedeiro; a competência de qualquer agente
infeccioso no sentido de produzir efeitos patológicos.