Você está na página 1de 184
Universidade Federal de Santa Catarina Centro Socioeconômico Departamento de Ciências da Administração Curso de

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Socioeconômico Departamento de Ciências da Administração

Curso de Graduação em

ADMINISTRAÇÃOADMINISTRAÇÃO

Matemática para Administradores

de Graduação em ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Matemática para Administradores Professora Silvia Martini de Holanda

Professora Silvia Martini de Holanda

de Graduação em ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Matemática para Administradores Professora Silvia Martini de Holanda
de Graduação em ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Matemática para Administradores Professora Silvia Martini de Holanda

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Socioeconômico Departamento de Ciências da Administração Laboratório de Produção de Recursos Didáticos para Formação de Gestores (LabGestão)

Matemática para Administradores

Professora Silvia Martini de Holanda

(LabGestão) Matemática para Administradores Professora Silvia Martini de Holanda Período 5 Florianópolis – 2017

Período 5

(LabGestão) Matemática para Administradores Professora Silvia Martini de Holanda Período 5 Florianópolis – 2017

Florianópolis – 2017

2017. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.

2017. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Esta obra está licenciada nos termos da Licença

Esta obra está licenciada nos termos da Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil, podendo a OBRA ser remixada, adaptada e servir para criação de obras derivadas, desde que com fins não comerciais, que seja atribuído crédito ao autor e que as obras derivadas sejam licenciadas sob a mesma licença.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

COORDENADORIA UAB CENTRO SOCIOECONÔMICO

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO

COORDENADORA DE CURSO Marilda Todescat

COMISSÃO EDITORIAL E DE REVISÃO Alessandra de Linhares Jacobsen Mauricio Roque Serva de Oliveira Paulo Otolini Garrido Claudelino Martins Dias Junior

LABORATÓRIO DE PRODUÇÃO DE RECURSOS DIDÁTICOS PARA A FORMAÇÃO DE GESTORES

EQUIPE TÉCNICA

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO DE RECURSOS DIDÁTICOS Denise Aparecida Bunn

SUPERVISÃO DE PRODUÇÃO DE RECURSOS DIDÁTICOS Claudia Leal Estevão

DESIGN INSTRUCIONAL Patricia Regina da Costa

PROJETO GRÁFICO Annye Cristiny Tessaro Cláudio Jose Girardi

DIAGRAMAÇÃO E ILUSTRAÇÃO Stephany Kaori Yoshida

REVISÃO DE PORTUGUÊS Márcia Regina Pereira Sagaz

ORGANIZAÇÃO DO CONTEÚDO Silvia Martini de Holanda

H722m Holanda, Silvia Martini de Matemática para administradores / Silvia Martini de Holanda. – Florianópolis : Departamento de Ciências da Administração / UFSC, 2017. 186 p. : il.

Inclui referências Curso de Graduação em Administração

1. Matemática – Estudo e ensino. 2. Matemática na administração. 3. Funções (Matemática). 4. Ensino a distância. I. Título.

CDU: 51-77:65

Sumário

Apresentação

07

Unidade 1 – Números Reais e Desigualdades

Números Reais e Desigualdades

10

Conjuntos Numéricos

10

Desigualdades

13

Valor Absoluto ou Módulo

14

Intervalo

16

Equações

18

Resumindo

29

Atividades de Aprendizagem

30

Unidade 2 – Funções

Funções

34

Operações com Funções Reais e Composição de Funções

39

Função Crescente e Função Decrescente

41

Funções Elementares

43

Resumindo

71

Atividades de Aprendizagem

72

Unidade 3 – Limites e Continuidade

Limites e Continuidade

78

Noção Intuitiva de Limite

78

Propriedades dos Limites

81

Expressões Indeterminadas

84

Limites Laterais

88

Limites no Infinito

92

Limites Infinitos

98

Funções Contínuas 105 Resumindo 111 Atividades de Aprendizagem 112 Unidade 4 – Derivadas Derivadas 116
Funções Contínuas
105
Resumindo
111
Atividades de Aprendizagem
112
Unidade 4 – Derivadas
Derivadas
116
Equação de uma Reta Quando são Conhecidos um Ponto e o Coeficiente
Angular
118
Reta Tangente a uma Curva
118
Derivadas
121
Regras de Derivação
129
Derivada da Função Inversa
134
Derivadas Sucessivas
136
Resumindo
138
Atividades de Aprendizagem
139
Unidade 5 – Aplicações da Derivada
Aplicações da Derivada
144
Taxa de
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
144
Máximos e Mínimos de Funções
148
Teorema do Valor Médio (TVM)
155
Esboço de Gráfico de Função
157
Problemas de Maximização e Minimização
168
Diferenciais e Fórmula de Taylor
173
Resumindo
178
Atividades de Aprendizagem
179
Referências
181

Apresentação

Caro estudante,

Estamos iniciando a disciplina Matemática para Administradores, seja bem-vindo!

O estudo desta disciplina requer que você tenha conhecimento da Mate-

mática básica vista nos Ensinos Fundamental e Médio.

O conteúdo deste material está dividido em cinco unidades. Na Unidade

1, faremos uma revisão dos conjuntos numéricos (cujos elementos são números) e apresentaremos propriedades das operações e da relação de ordem definidas

em , que utilizaremos para resolver equações e inequações.

Na Unidade 2, estudaremos um dos conceitos mais importantes da Mate- mática, o conceito de função. Discutiremos as funções reais de uma variável real, apresentaremos as funções elementares e ilustraremos algumas dessas funções com problemas das Ciências Econômicas.

Na Unidade 3, estudaremos limites de funções e continuidade. Iniciaremos com a noção intuitiva de limite de uma função na proximidade de um ponto e, em seguida, formalizaremos a definição. Também apresentaremos as propriedades dos limites que serão usadas para fazer cálculo de limites. Trabalharemos com os limites no infinito e limites infinitos. Definiremos função contínua e veremos vários resultados importantes que exigem essa propriedade. O conceito de continuidade depende do estudo de limite de função.

As últimas duas Unidades serão dedicadas aos estudos das derivadas e suas aplicações. Na Unidade 4, apresentaremos o conceito de derivada, sua interpretação geométrica e várias regras de derivação. E, na Unidade 5, utiliza- remos a derivada para resolver problemas envolvendo máximos e mínimos e esboçaremos gráficos de funções.

Esperamos que ao final desta disciplina você tenha condições de identificar algumas funções quando apresentadas sob formas algébrica e gráfica, consiga analisar continuidade de funções, calcular derivadas, resolver problemas de ma- ximização e de minimização e possa esboçar gráficos de funções com o auxílio da derivada.

Bons estudos!

Professora Silvia Martini de Holanda

Unidade 1

Números Reais e Desigualdades

Objetivos

Nesta Unidade, você vai:

yyRecordar os conjuntos numéricos. yyEstudar o conjunto dos números reais. yyTrabalhar com as propriedades das operações e da relação de ordem definida em . yyResolver equações e inequações em ℝ.

Unidade 1

Números Reais e Desigualdades

N esta Unidade, faremos uma revisão dos conjuntos numéricos: naturais, inteiros, racionais e irracionais. Estudaremos o conjunto dos números reais () de forma axiomática e apresentaremos propriedades das ope-

rações e da relação de ordem definida em , que serão utilizadas na resolução

de equações e de inequações.

Conjuntos Numéricos

Números Naturais ()

} é chamado conjunto dos números naturais.

Em muitas situações, fazemos referência ao subconjunto dos números naturais formado por todos os números naturais, exceto o zero, isto é, {0}. Para

indicar esse conjunto, escrevemos *.

No conjunto dos números naturais estão definidas duas operações: adição e multiplicação. A adição faz corresponder a cada par de elementos a, b , sua soma a + b ∈ ℕ, e a multiplicação associa a esses elementos o seu produto

a b ∈ ℕ.

Enquanto a soma e o produto de dois números naturais é um número natural, a subtração de dois números naturais nem sempre fornece um número natural. Por exemplo:

2 − 7 ∉ ℕ. O que mostra a necessidade de ampliar o con- junto dos números naturais.

O conjunto = {0, 1, 2, 3,

Conjuntos Numéricos

Conjunto cujos elementos são números.

Axioma

É uma afirmação verdadeira, que dispensa prova.

Números Inteiros ()

é

chamado de conjuntos dos números inteiros. No con- junto dos números inteiros, a adição, a multiplicação

O conjunto = {

, -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3,

}

Unidade 1

e a subtração de dois números inteiros resultam em um número inteiro. Po- rém, a divisão de dois números inteiros nem sempre é um número inteiro.

Por exemplo:

4

7

Z . Esse fato é o suficiente para ampliar o conjunto .

Números Racionais ()

Os números da forma p

, com p, q ∈ ℤ e q 0 são chamados de frações e

Q =

p

q

; p , q

Z e q

0

.

q

formam o conjunto dos números racionais. Denotamos

Exemplo 1.1

2

3

4

3

5

1

;

;

− =

4

Destacamos que muitas vezes um número racional aparece escrito na forma decimal. A representação decimal de um número racional é finita ou infinita e periódica.

Exemplo 1.2

1 , 2 =

12

10

,

e 0 333

=

1

3

Apesar de as operações adição, subtração, multiplicação e divisão por número diferente de zero estarem definidas em , ainda assim, temos limitações para trabalhar somente com esse conjunto. Por exemplo, a equação x 2 = 2 não

tem solução em . Ou seja, não existe um número racional

p

q

2

=

2 .

p

q

que satisfaça

Essa afirmação demonstra que precisamos considerar também os números que não podem ser escritos na forma de fração.

Números Irracionais ()

Os números que não podem ser representados na forma de fração p

q

com

p, q, ∈ ℤ e q ≠ 0 formam o conjunto dos números irracionais, que denotaremos por .

Unidade 1

Outra forma de caracterizar os números irracionais é por meio da repre-

sentação decimal. Um número irracional é aquele que possui uma representação

decimal infinita e não periódica.

Exemplo 1.3

2
2

= 1,414213562

;

π = 3,141592654

;

e = 2,718281828

.

Números Reais ()

O conjunto formado pela união do conjunto dos números racionais com

o conjunto dos números irracionais é chamado conjunto dos números reais, que

denotamos por .

No conjunto dos números reais estão definidas duas operações: adição e

multiplicação. Valem os seguintes axiomas para essas operações:

1)

Fechamento: se x, y ∈ ℝ, então x + y ∈ ℝ e x y ∈ ℝ.

2)

Associatividade: (x + y) + z = x + (y + z) e (x y) z = x (y z), para quaisquer x, y, z ∈ ℝ.

3)

Comutatividade: x + y = y + x

e

x y = y x, para quaisquer

x,

y ∈ ℝ.

4)

Existência de Elementos Neutros:

 

Existem 0 e 1 ∈ ℝ tais que x + 0 = x e x 1 = x, para qualquer x ∈ ℝ.

5)

Existência do Elemento Oposto:

 

Para cada x ∈ ℝ, existe um elemento em , indicado por –x, tal que

x

+ (– x) = 0.

6)

Existência do Inverso:

 

Para cada x ∈ ℝ* = – {0}, existe um elemento em indicado por

x

1 , tal que x x 1 = 1.

7)

Distributividade: x (y + z) = x y + x z, para quaisquer x, y, z ∈ ℝ.

Observações:

1) O axioma (5) permite definir a operação de subtração:

x y = x + (– y).

Unidade 1

2) O axioma (6) permite definir a operação de divisão:

Dados x, y ∈ ℝ com y ≠ 0, escrevemos

x

y

= x ⋅⋅ y

1 .

Desses axiomas apresentamos mostram-se as seguintes propriedades dos números reais:

Propriedades dos Números Reais

(1) Cancelamento da adição: se x + z = y + z, então x = y para todos

x, y, z ∈ ℝ.

(2)

Cancelamento da multiplicação: se x z = y z e z ≠ 0, então

x

= y para todos x, y, z ∈ ℝ.

(3)

x 0 = 0, para todo x ∈ ℝ.

(4)

Sejam x, y ∈ ℝ. Se x y = 0, então x = 0 ou y = 0.

Desigualdades

A partir do Axioma de Ordem, que apresentamos a seguir, definimos as

relações de ordem “maior do que” e “menor do que”.

Axioma de Ordem

O conjunto possui um subconjunto P, denominado números positivos,

que satisfaz as seguintes propriedades:

1)

Se x, y P, então x + y P e x y P.

2)

Dado x P, exatamente uma das três afirmações ocorre:

x = 0, ou x P, ou –x P.

Definição 1.1

Sejam x, y , definimos:

a) x é menor do que y (em símbolo, x < y), quando y x P.

b) x é maior do que y (em símbolo, x > y), quando x y P.

A expressão x y significa que x < y ou x = y.

A expressão x y significa que x > y ou x = y.

Unidade 1

Propriedades das Desigualdades

Sejam x, y, z, w ∈ ℝ. Valem as propriedades:

1)

Transitividade: se x < y e y < z, então x < z.

Exemplo 1.4

3 < 5 e 5 < 7, então 3 < 7.

2) Monotonicidade da adição: se x < y então x + z < y + z para todo

z ∈ ℝ.

Exemplo 1.5

2 < 5, então 2 + 3 < 5 + 3.

3)

Monotonicidade da multiplicação:

 

a) Se x < y e z > 0, então x z < y z.

Essa propriedade diz que: “se multiplicarmos ambos os lados de

uma desigualdade (do tipo <) por um número maior que zero, a

desigualdade se manterá”.

 

Exemplo 1.6

Se –3 < 5 e 2 > 0, então (–3) (2) < 5 2.

b) Se x < y e z < 0, então x z > y z.

 

Nesse caso, se multiplicarmos ambos os lados de uma desigual-

dade da forma < por um número negativo, a desigualdade será

alterada para >.

 

Exemplo 1.7

Se

3 < 5 e –2 < 0, então (–3) (–2) > 5 (–2).

4)

Se x > y e z > w, então x + z > y + w.

 

Exemplo 1.8

Se 3 > 2

e

5 > 3 , então

3 + 5 > 2 + (–3).

5)

Se x > y > 0 e z > w > 0 então x z > y w.

Exemplo 1.9

Se 3 > 2 > 0 e 5 > 4 > 0, então 3 5 > 2 4.

6)

Para todo x, y ∈ ℝ vale, ou (x < 0 e y < 0).

x y > 0 se, e somente se, (x > 0 e y > 0)

7)

Se x e y são números reais não negativos, então x y x² y².

O símbolo lê-se: se, e somente se.

Valor Absoluto ou Módulo

Definição 1.2 O valor absoluto ou módulo de a ∈ ℝ, denotado por |a|

é definido por:

a
a

=

, se

a

a ,

se

a

a

<

0

0 .

Unidade 1

Exemplo 1.10 5 5 = ; − 3 = − ( − 3 ) =
Exemplo 1.10
5
5
=
;
− 3
=
− ( − 3 ) =
3
;
0
7
7

Observações:

= 0 .

1)

2)

3)

a a = − a
a
a
= − a

0 para todo a ∈ ℝ e

1) 2) 3) a a = − a ≥ 0 para todo a ∈ ℝ e

para todo a ∈ ℝ.

= 0

se, e somente se, a = 0.

Geometricamente, o valor absoluto de um número real a indica, na reta real, a distância de a ao 0.

− a 0 a
− a
0
a
|− a | | a |
|− a |
| a |

Propriedades do Valor Absoluto

1)

Para todo a ∈ ℝ,

2 a
2
a

2

= a

. Como consequência,

a = a 2 .
a
=
a 2 .

Observe que a raiz quadrada de um número real não negativo é número real não negativo.

um número real não negativo é número real não negativo. 2) Se a , b ∈

2)

Se a, b ∈ ℝ, então

a ⋅⋅ b = a ⋅⋅ b
a ⋅⋅ b
=
a
⋅⋅
b

.

3)

Se a, b ∈ ℝ e b ≠ 0, então

a a = . b b
a
a
=
.
b
b

4)

Sejam x, a ∈ ℝ com a > 0. Vale:

|x| < a

< a ⟺ –a < x < a . a –a < x < a.

5) Sejam x, a ∈ ℝ com a > 0, então

x
x

> a x < –a ou x > a.

−a 0 x a |x| > a |x| > a x x
−a
0
x
a
|x| > a
|x| > a
x
x
−a 0 a
−a
0
a

6) Desigualdade Triangular: para quaisquer a, b ∈ ℝ vale:

a + b ≤ a + b
a
+ b
a
+ b

.

Unidade 1

Intervalo

Um conjunto I de números reais é denominado intervalo quando, para quaisquer a, b I com a < b valer a condição, se a < x < b, então x I.

Intervalos Limitados

1) Intervalo Aberto (a, b) = { x ∈ ℝ | a < x <
1)
Intervalo Aberto
(a, b) = { x ∈ ℝ | a < x < b}
Representação gráfica do intervalo:
a
b
A
bolinha vazia (○) indica que os extremos a e b não pertencem ao
intervalo.
2)
Intervalo Fechado
[a, b] = { x ∈ ℝ | a ≤ x ≤ b}
a
b
A
bolinha cheia (●) indica que os extremos a e b pertencem ao intervalo.
3)
Intervalos Semiabertos

[a, b) = { x ∈ ℝ | a x < b}

(a, b] = { x ∈ ℝ | a < x b}

Intervalos Ilimitados

1)

Intervalo Aberto

(a, +∞) = { x ∈ ℝ | x > a}

(−∞, b) = { x ∈ ℝ | x < b}

2)

Intervalo Fechado

[a, +∞) = { x ∈ ℝ | x a}

(−∞, b] = { x ∈ ℝ | x b}

3)

Intervalo Aberto e Fechado

(−∞, +∞) =

a b a b
a
b
a
b
Intervalo Aberto e Fechado (−∞, +∞) = ℝ a b a b a b a b
a
a

b

Aberto e Fechado (−∞, +∞) = ℝ a b a b a b a b 1
a
a

b

Aberto e Fechado (−∞, +∞) = ℝ a b a b a b a b 1

Unidade 1

Exemplo 1.11 Represente graficamente na reta real os intervalos seguintes:

a) ( − 3 , 2 )  b)  1 2 , + ∞
a) (
− 3 , 2
)
b)  1 2 , + ∞
 
Solução
a)
− 3
2
b)
1

2

Como intervalos são conjuntos, podemos efetuar operações de conjuntos com os intervalos. Muitas vezes, para resolver uma inequação são necessárias operações de união e de interseção de intervalos.

Exemplo 1.12

Considere os intervalos A = [3, 2) e B = (1, +) e

determine:

a) A B

b) A B

Solução

a) Para determinar A B, lembremos que a união de A e B é o conjun- to formado pelos elementos que pertencem a A ou pertencem a B.

A −3 2 B −1 A  B
A
−3
2
B
−1
A  B

Portanto, A B = [−3, +).

b) O conjunto A B é formado pelos elementos que pertencem ao conjunto A e também ao B.

A −3 2 B −1 A  B −1 2
A
−3
2
B
−1
A  B
−1
2

Portanto, A B = (−1, 2).

Unidade 1

Equações

Equações são sentenças matemáticas que envolvem igualdades. Resolver

uma equação em significa encontrar todos os valores de x ∈ ℝ que satisfazem

a igualdade. Para isso, usaremos as propriedades das operações e propriedades

do valor absoluto.

Equação do 1º Grau

É uma equação da forma ax + b = 0, com a, b ∈ ℝ, a 0.

Para resolver essa equação, procedemos da seguinte forma:

ax + b = 0

(somando oposto de b em ambos os membros da igualdade)

ax + b + (−b) = 0 + (−b)

ax

= −b

1

1

a

a

⋅⋅

ax

=

⋅⋅

( )

b

(multiplicando pelo inverso de a em ambos os membros da igualdade)

x = −

b

a

Temos um único valor de x que satisfaz a equação.

Portanto, a solução é S =

b

a

.

Equação do 2º Grau

É uma equação da forma ax² + bx + c = 0, com a, b, c ∈ ℝ , a ≠ 0.

= − ± ∆ b Para resolver essa equação, usamos a fórmula de Bhaskara: ,
= − ± ∆
b
Para resolver essa equação, usamos a fórmula de Bhaskara: , x
,
2 a
sendo Δ = b² – 4ac.
= − + ∆
b
yyQuando Δ > 0, temos duas soluções reais: x
e
1
2 a
= − − ∆ .
b
x
2
2 a

Unidade 1

yyQuando Δ = 0, temos apenas uma solução real: x

b

=

2 a

.

yyQuando Δ < 0, a equação não possui solução real.

Equações Racionais

Equações racionais envolvem frações.

Exemplo 1.13

x

x + 2

8

= 3 ; x =

2

x

.

Para esse tipo de equação não existe um procedimento que se aplique a

qualquer equação, pois depende das expressões do numerador e do denomina-

dor. Como equação racional envolve fração, ao resolvê-la, devemos encontrar

os valores de x que anulam o denominador e excluí-los.

Exemplo 1.14 Resolva as equações em .

a)

b)

x

= 3 ;

x + 2

x

=

2

8

x

.

Solução

a) Vamos resolver a equação

x

x + 2

= 3 .

Devemos inicialmente encontrar os valores de x que anulam o de-

nominador da fração e excluí-los da solução.

Temos x + 2 = 0, quando x = –2. Assim, devemos ter x –2.

Então

x

3 (somando o oposto de 3 em ambos os membros

=

x + 2

x

− =

3

dessa igualdade)

0 (reduzindo ao mesmo denominador)

x + 2

x

3

( x

+

2

)

= 0

x

+

2

2 x 6

x + 2

= 0

.

Unidade 1

Note, uma fração será igual a zero quando o seu numerador for zero.

Assim, – 2x – 6 = 0, ou seja, x = – 3.

Como – 3 é diferente de – 2, temos o conjunto solução formado pelo – 3 e escrevemos S = {– 3}.

8

b) Vamos resolver x

=

2

x

Devemos ter x 0.

Então

x 8

=

x

x

2

8

= 0

2

x

⋅⋅

x

x

2 8

⋅⋅

= 0

2 x

2

x 16

2 x

= 0

.

.

A fração é igual a zero quando x 2 16 = 0.

Resolvendo a equação do 2º grau, temos x 1 = 4 e x 2 = 4.

Como esses números são diferentes de zero, o conjunto solução é S = {– 4, 4}.

Equações Modulares

São equações em que a incógnita aparece dentro de módulos.

Exemplo 1.15 3 x + 4 = 3 ; 3 x + 4
Exemplo 1.15
3
x +
4
= 3
;
3
x +
4

= − 3

;

3 x 2 + 2 x + 1
3 x 2
+
2 x + 1

= 1

;

x
x

= 2 x 8 .

Para encontrar os valores x ∈ ℝ, tais que |x| = a (a 0), devemos aplicar a definição de valor absoluto e considerar:

i) Se x 0, então

ii) Se x < 0, então

= x , e teremos x = a . x , e teremos x = a.

= − x , e teremos – x = a , ou seja, x = − a x , e teremos –x = a, ou seja, x = −a.

Assim, para resolver uma equação da forma fazer x = a ou x = −a.

x
x

= a com a 0, basta

Unidade 1

Agora, se x = a ou x = −a, temos

x
x

= a .

Portanto,

x
x

= a

(a 0) x = a ou x = −a.

No caso,

x
x

= a com a < 0, a equação dada não tem solução, pois o valor

absoluto de um número real é sempre um número não negativo.

Exemplo 1.16

a) = 3 3 x + 4 b) = − 3 3 x + 4
a) = 3
3
x
+
4
b) = − 3
3
x
+
4
3 x 2
+
c) = 1
2 x + 1
d) = 2 x − 8 .
x
Solução a) 3 x + 4
Solução
a)
3
x
+
4

= 3

Resolva as equações em .

(3 > 0)

3x + 4 = 3

ou

Resolvendo cada equação, temos:

3x + 4 = 3

x = − 1

 

3

3x + 4 = −3

x

= − 7

 

3

b)

Portanto, o conjunto solução é S=

3 x + 4
3
x
+
4

= − 3

1

7

3

,

3

.

3x + 4 = −3.

Essa equação não tem solução, pois o valor absoluto de um número real nunca pode ser negativo.

c)

Portanto, S = ∅. 3 x 2 + = 1 ⟺ 2 x + 1
Portanto, S = ∅.
3 x 2
+
= 1
2 x + 1

3 x 2

+

= 1

2 x + 1

ou

x +

3

2 = − 1

2 x + 1

Resolvendo cada equação, temos:

3 x 2

+

2 x + 1

3 x 2

+

2 x + 1

= 1

= − 1

com

x ≠ − 1 2 x = −1

com x ≠ − 1 2 x = − 3 5 .

d)

Portanto, S = x = 2 x − 8
Portanto, S =
x
= 2 x − 8

1

,

3

5

.

O primeiro membro da igualdade é um módulo, logo 2x − 8 não pode ser negativo para a equação ter solução. Então a condição de existência de solução é:

2x − 8 0, ou seja, x 4.

Da equação inicial e da definição de valor absoluto, temos:

x = 2x – 8 ou x = (2x – 8).

Resolvendo cada equação, temos:

x = 2x – 8

x = 8

x

= – (2x – 8) x = 8

3 .

Como 8 4, temos que 8 pertence ao conjunto solução.

Como 8 < 4 , então

8

3 3

não é solução da equação inicial.

Portanto, o conjunto solução é S = {8}.

Inequações

Inequações são sentenças matemáticas que envolvem desigualdades. Resolver uma inequação em é determinar o conjunto de todos os números reais x que satisfazem a desigualdade. Para isso, aplicaremos as propriedades das operações, das desigualdades e do valor absoluto.

Exemplo 1.17

Resolva as inequações em .

a) 3 + 4x < 2x + 1

3 + 4x – 2x < 2x + 1 + (– 2x) 2x + 3 – 3 < 1 – 3

2x < – 2

1

1    

2

2

⋅⋅ ( x ) <

2

⋅⋅

(

2

)

(Propriedade (2) das desigualdades)

(Propriedade (2) das desigualdades)

(Propriedade (3a) das desigualdades)

x < –1.

Portanto, o conjunto solução é S = {x | x < 1}. Podemos es- crever esse conjunto na notação de intervalo, isto é, S = (– , 1).

b)

x

+ 5 2x – 1 3x 2

Para resolver essa inequação, devemos resolver as inequações

x + 5 2x – 1 e 2x – 1 3x 2 e fazer as interseções das soluções.

Resolvendo cada inequação, temos:

(i)

x

+ 5 2x – 1

x

– 2x – 5 – 1

x – 6

(multiplicando dos dois lados da inequação por (–1))

x

6.

A

solução dessa inequação é S i = [6, +).

(ii)

2x – 1 3x 2 2x – 3x – 2 + 1

 

x – 1

(multiplicando dos dois lados da inequação por (–1))

x

1.

A

solução dessa inequação é S ii = [1, +).

Vamos determinar S = S i S ii .

Vamos determinar S = S i ⋂ S i i . 6 1 6 S i

6

determinar S = S i ⋂ S i i . 6 1 6 S i S

1

determinar S = S i ⋂ S i i . 6 1 6 S i S

6

S i

S ii

S i

S ii

Portanto, o conjunto solução é S = [6, +∞).

c) (x + 3) (x – 5) > 0

Para resolver essa inequação, usaremos a seguinte propriedade: o produto de dois números reais é positivo quanto os dois números são positivos ou quando os dois números são negativos.

Temos dois casos a considerar:

(i) x + 3 > 0 e x – 5 > 0 x > –
(i)
x
+ 3 > 0
e
x – 5 > 0
x
> – 3
x > 5
Na reta:

3

A 1 = (3,+∞)

– 3 x > 5 Na reta: − 3 A 1 = ( − 3, +∞

A 2 = (5,+∞)

5

S i = A 1 A 2

5 = (5, +∞)

+∞ ) 5 S i = A 1  A 2 5 = (5, +∞ )

Logo, S i = (5, +).

Unidade 1

(ii) x + 3 < 0 x < – 3 e x – 5 <
(ii) x + 3 < 0
x < – 3
e
x – 5 < 0
x < 5
Na reta:
1 = (−∞,−3)
B
−3
2 = (−∞,5)
B
5
S ii = B 1  B 2

3

Assim, S ii = (– , – 3).

Portanto, S = S i S ii = S ii S i , ou seja, S = (– , –3) (5, +).

Outra forma de resolver a inequação dada é analisar o sinal do produto

(x + 3) (x – 5). Inicialmente, estudamos o sinal de cada fator e depois aplicamos a regra dos sinais.

Temos:

yyx + 3 = 0, quando x = −3

x

+ 3 < 0, quando x < 3

x

+ 3 > 0, quando x > 3

yyx 5 = 0, quando x = 5

x 5 < 0, quando x < 5

x 5 > 0, quando x > 5

− − − + + + + + +  

+

+

+

+

+

+

+
 
   
 

3

−

+

+

+

− − − − − − + + +

5

Vamos estudar o sinal do produto (x + 3) . (x – 5) no quadro a seguir.

− − − + + + + + + + + + 3 x

+

+

+

+

+

+

+

+

+ 3 3

x

 
 

3

 

−

+

+

+

5 5

x

 
 

5

+

+

+

+ + + − − − − + + + ( x + 3) . (

−

+

+

+

(x + 3) . ( x − 5) x + 3).(x 5)

 
 

3

 

5

De acordo com a inequação dada, devemos ter (x + 3) (x – 5) > 0.

Portanto, S = (–, – 3) (5, +).

d)

x

+ 1

x

3

< 0

Para resolver essa inequação, basta observar que o quociente entre dois números reais é um número negativo quando numerador e de- nominador têm sinais opostos. Temos dois casos a considerar:

Unidade 1

(i)

x

+ 1 < 0

x

< 1

Logo, S i = .

(ii)

x

+ 1 > 0

x

> 1

e x − 3 > 0 x > 3 Na reta: A 1 = (−∞,−1)
e
x − 3 > 0
x > 3
Na reta:
A 1 = (−∞,−1)
−1
A 2 = (3,+∞)
3
S i = A 1  A 2
= 
e
x − 3 < 0
x < 3
Na reta:
A 1  A 2 =  e x − 3 < 0 x < 3

B 1 = ( − 1, +∞ ) 1 = (1,+∞)

1

Assim, S ii = (−1, 3)

= ( − 1, +∞ ) − 1 Assim, S i i = (− 1 ,

B 2 = ( − ∞ , 3) 2 = (, 3)

3

S ii = B 1  B 2 −1 3
S ii = B 1  B 2
−1
3

Portanto, a solução é S = (−1, 3).

Outra forma de resolver a inequação dada é analisar o sinal do

S = S i S ii = (−1, 3), ou seja,

quociente x

x

+

1 3 no quadro dos sinais.

Temos:

− − − + + + + + + + +

+

+

+

+

+

+

+

+

 

1

−

+

+

+

 

3

+

+

+

+ + + − − − − + + +

−

+

+

+

 

1

3

 

+ 1

 
 

<

  − 1 3   + 1     < − 3 x + 1 x

  − 1 3   + 1     < − 3 x + 1 x

3

x + 1

x 3

x + 1

+ 1     < − 3 x + 1 x − 3 x + 1

x 3

Como queremos x

x

0 , então o conjunto solução é S = (1, 3).

e)

x

2

x + 2

Inicialmente devemos ter x ≠ −2.

Podemos escrever a desigualdade dada como:

x

x + 2

2

0 .

Unidade 1

Reduzindo ao mesmo denominador, temos:

x

2

( x

+

2

)

x

+

2

0

, ou seja,

x 4

x + 2

0 .

Vamos resolver a inequação analisando o sinal do quociente

x 4

x + 2

no quadro dos sinais. Observe que o quociente será zero quando o numerador for zero.

Quadro dos sinais:

+

+

+

+ + + − − − − − − − − x − 4

x − 4 x 4

 
 

4

− − − − − − − − + + + x + 2

+

+

+

x + 2 + 2

 
 

2

+

+

 

+

+

 

x 4

 
  x + 2
  x + 2
x + 2

x + 2

 
 

4

2

x

4

x + 2

Como queremos encontrar valores de x