Você está na página 1de 19

SEL 5705 - FUNDAMENTOS

FÍSICOS DOS PROCESSOS


DE FORMAÇÃO DE
IMAGENS MÉDICAS

Prof. Homero Schiabel


(Sub-área de Imagens Médicas)
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

4. ÓTICA GEOMÉTRICA E ÓTICA FÍSICA


‹ Se a luz incidir num anteparo cuja menor
dimensão transversal a for >> que o com-
primento de onda, a luz parecerá caminhar em
linhas retas, que podem ser representadas por
raios que obedecem às leis da reflexão e da
refração. Ex.: prismas e espelhos
‹ Caso a/λ seja muito pequeno (ou Æ 0), ocorre a
difração.
‹ Ótica Física descreve o comportamento da luz
considerando sua natureza ondulatória.
‹ Ótica Geométrica é um caso limite da Ótica
Física.
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

4.1. ONDAS ESFÉRICAS - ESPELHO PLANO

I = imagem do ponto O
Imagem real: energia lumino-
O v I sa passa pelo ponto-imagem
Imagem virtual: luz “diver-
ge” do ponto-imagem, sem
passar por ele.
o i

ESPELHO: imagem virtual

o=-i Î imagem reproduz o objeto ponto por ponto


SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

4.2. ONDAS E ESPELHOS ESFÉRICOS


A
β θ normal ao espelho em A
α
θ
O c I γ v eixo

I = imagem real
i
r
o

β=α+θ
γ = α + 2θ 1 1 2
α ≅ AV / o + = (1)
β ≅ AV / r o i r
γ ≅ AV / i
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

‹ A equação (1) vale para todos raios centrais que atingem


o espelho:
• a menor: imagem mais definida
• a maior: imagem mais difusa e extensa (raios menos
centrais)
‹ OBS 1: posição do observador é importante para ver a
imagem A’
A

O
y x
♦ OBS 2: para espelho convexo, valem os mesmos critérios, só
que a imagem será virtual. θ A
θ β
α
I c
O
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

4.2.1. Feixes de Raios Paralelos


frentes de onda incidentes frentes de onda
refletidas
F: foco-objeto do espelho F
(imagem pontual do feixe) c V

f: distância focal = FV
f
r
F c
F’
c V
frentes de onda f
refletidas r F

Fazendo o Æ oo na eq. (1):


1 1 1 (2)
i=r/2=f o
+
i
=
f
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

4.2.2. Objetos de tamanho definido


F
O V O
c I c
V F

aumento linear m = I / O (esp. côncavo)


I/O=x/y=m ¨ transversal
m = - I / O (esp. convexo)

ESPELHO POSIÇÃO OBJETO IMAGEM


Côncavo Antes do pto. focal F REAL
Entre F e o vértice VIRTUAL
Convexo - VIRTUAL
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

4.3. SUPERFÍCIE REFRINGENTE ESFÉRICA


A
θ1 θ2
γ
α
O V β c I
n1 n2
o r
i
Aplicando o mesmo teorema da soma de ângulos internos
do triângulo (item 4.2):
θ1 = α + β
θ2 = β1 -1 γ2
Para ângulos muito pequenos: sen x ≅ x
+ =
o i r

n1 sen θ1 = n2 sen θ2 > n1 θ1 = n2 θ2


SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

β = (n1 / n2 ) + γ
n1 α + n2 α = (n2 - n1) β

α = AV / o n1 n2 n2 – n1
+ =
β = AV / i o i r (3)
γ = AV / r

Para raios centrais

OBS.:
Lado REAL (da emissão da luz): termos POSITIVOS
Lado VIRTUAL: termos NEGATIVOS
1 1 2
+ =
o i r
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

5. LENTES
‹ Sistema ótico constituído, geralmente, por 3 meios
homogêneos e transparentes, separados por 2
superfícies esféricas ou por uma esférica e outra
plana.
‹ Meios externos: normalmente AR (1 e 3 no ex.)
‹ Meio intermediário: normalmente VIDRO (2 no ex.)
n2
n1 n3
2
1 V1 V2 3
O2 e O1
S1 S2
R1
Vértices: V1 -V2 Centros de curvatura: O1 -O2
Espessura: e R2 Raios de curvatura: R1 -R2
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

5.1. TIPOS DE LENTES

Biconvexa Bicôncava

Plano-convexa Plano-côncava

R1
Côncavo- Convexo-
convexa côncava
R1

R2 (R2 > R1 ) R2 (R1 > R2 )


SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

5.2. LENTES (delgadas) CON/DIVERGENTES


• Dependem do meio (portanto, de n) n1 = 1,5
⇒ Lentes de vidro (meio 1) no ar (meio 2): n2 = 1,0

Convergente 1 2 Divergente
1 2

LENTE DELGADA ESPESSA


Convergente nLENTE > nMEIO nLENTE < nMEIO
Divergente nLENTE < nMEIO nLENTE > nMEIO

Convergente Divergente
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

5.3. FORMAÇÃO GEOMÉTRICA DE IMAGENS


5.3.1. Objeto Puntiforme
r2

I’ O c1 r1 e c2 I
S2 S1
o
i’ i

• Para localizar a posição da imagem I (ou I’), parte-se da


eq. (3):
n1 n2 n2 – n1
+ =
o i r
considerando n1 = 1,0 (ar) e n2 = n.
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

• Para a superfície S2 :
1 n n–1
+ = (4)
o -i’ r2

porque I’ é imagem virtual

• Para a superfície S1 :

n 1 1–n
+ = (5)
i’+e i r1

(nova distância objeto = i’ + e, pois é como se o raio tivesse partido


do ponto I’ e, agora, é como se todo o meio onde estão O e I’ fosse o
vidro – meio com índice refração n – e o ar fosse da superfície S1
adiante).
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

• Para lentes delgadas, e Æ 0 e a eq. (5) fica:


n 1 1–n (6)
+ =
i’ i r1
• Somando (4) e (5):
1 1
+ = (n – 1) ( 1 - 1 ) (7)
o i r1 r2
• De modo geral:
r2 I’
r2

O c1 r1 c2 I O c1 r1 c2
1 1 2
+ =
o i r
i
o i o
Lente Convergente Lente Divergente
(imagem REAL) (imagem VIRTUAL)
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

5.3.2. Distância Focal da Lente


‹ Distância entre a lente e um objeto puntiforme sobre
seu eixo cuja imagem esteja no infinito ou
‹ Distância entre a lente e a imagem de um objeto
puntiforme sobre seu eixo situado no infinito

F F
F’
F’
1 1 2
+ =
o i r

f f f f
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

5.3.2. Distância Focal da Lente


‹ Da eq. (7), fazendo o Æ oo e i = f:

1 1 – 1
= (n – 1) (8)
f r1 r2

equação geral das


ou, ainda, combinando as eq. (7) e (8): lentes delgadas

1 1 1
= + (9)
f o i

‹ 1/f = D = Vergência da Lente (dioptrias) [di] = [1/m]


(capacidade da lente em desviar a luz que nela incide Î >D (<f) Î
lente mais poderosa)
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

5.3.3. Objetos não puntiformes


(A) LENTE CONVERGENTE
I
O F’ O F’
c F I c F

I<O (invertida) I>O (direita)


Imagem real Imagem virtual

O F’ O F’
c F I c F I

I>O (invertida) I=O (invertida)


Imagem real Imagem real
SEL5705 - Prof. Homero Schiabel

5.3.3. Objetos não puntiformes


‹ OBS.:
• c = ponto antiprincipal (2 x f);
• se o objeto está sobre o foco-objeto F’, a imagem
se forma no infinito (raios emergentes da lente:
paralelos);
• m = i / o Æ aumento linear transversal

(B) LENTE DIVERGENTE

O I

Independentemente da posição do objeto, a imagem será sempre


VIRTUAL, DIREITA E MENOR que ele.