Você está na página 1de 2

A TEMÁTICA INDÍGENA NO BRASIL DOS ANOS DE 1990 E AS PROBLEMATIZAÇÕES SOBRE OS INDÍGENAS XUKURU NO ROMANCE “A LENDA DOS CEM DE GILVAN LEMOS

Flavio Joselino Benites 1 flaviojbenites@gmail.com

Os indígenas no Brasil, cada vez mais vêm ocupando espaços nos cenários

sociopolíticos brasileiro. Os índios do Nordeste com várias mobilizações provocam

questionamentos às visões tradicionais que apregoam a inexistência, a extinção ou

ainda o gradual desaparecimento dos povos indígenas na Região. Nesse contexto,

problematizaremos às imagens e os discursos acerca dos índios no romance A lenda

dos cem (1995), do escritor pernambucano Gilvan Lemos, buscando diálogos entre a

narrativa ficcional junto aos resultados dos debates sobre os índios no Brasil,

ocorridos na década de 90 do século XX. No citado período a partir das abordagens

da chamada “nova história indígena”, ocorreram novas discussões historiográficas

após a aprovação da Constituição de 1988, que reconheceu uma série de direitos a

dos povos indígenas. Nesses debates analisamos às visões sobre os índios na Região

Nordeste nos jornais impressos em Pernambuco à época e confrontamos com as

novas abordagens sobre os índios na História. Junto a isso discutiremos aspectos da

obra Os índios e a civilização do antropólogo Darcy Ribeiro, cuja ideias subsidiaram

aspectos centrais sobre a imagem do índio no citado romance. Realizaremos um

cotejamento entre o momento das discussões sobre os indígenas na época e a

abordagem do romancista. Por fim, utilizamos da Análise do Discurso (A.D.) de Michel

Pêcheux, para pensarmos o lugar dos discursos que possibilitaram ao romancista

construir visões sobre um povo indígena em Pernambuco no livro A lenda dos cem,

para assim desconstruir imagens equivocadas e as repercussões ideológicas no

imaginário social sobre os povos indígenas no Brasil.

Referências LEMOS, Gilvan. A lenda dos cem. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, 1995. OLIVEIRA, João Pacheco de. A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste Indígena. 2ª ed. Laced. Rio de Janeiro, 2004. OLIVEIRA, J. P. de. O efeito “túnel do tempo” e a suposta inautenticidade dos índios atuais. Sociedade e Cultura. V.6, n.2, 2003, p. 167-175. PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. 5ª ed. Pontes Editores. Campinas, 2008. PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4ª ed. Editora Unicamp. Campinas, 2009.

1 Mestrando em História pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

PÊCHEUX, Michel. Análise do discurso: Michel Pêcheux. 3ª ed. Editora Pontes. Campinas-SP, 2012. RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. Cia. das Letras. São Paulo, 1996. SILVA, Edson. Os índios e a civilização ou a civilização dos índios? Discutindo conceitos e lugares na História. Revista Boletim do Tempo presente, nº 10, p. 1-12.

2015.

SILVA, Edson. Xukuru: memórias e histórias dos Índios da Serra do Ororubá

(Pesqueira/PE), 1950-1988. Recife, Edufpe, 2017.

Interesses relacionados