Você está na página 1de 3

1

KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender: os sentidos do texto. 3ª edição. São Paulo: Contexto, 2013.

Resenhado por Gabriele Silva de Castro 1

Inúmeras investigações sobre leitura têm sido realizadas no âmbito dos estudos teóricos da linguística. Movidos pelo desejo de incentivar e intensificar a prática de leitura em nosso país, pesquisadores publicam obras tanto de cunho teórico quanto prático. Observa-se, no entanto, que dentre as produções existentes no mercado editorial brasileiro, têm prevalecido as que focalizam abordagens teóricas. É nesse cenário que Ingedore Villaça Koch e Vanda Maria Elias apresentam Ler e compreender: os sentidos do texto,

estabelecer uma ponte

entre teorias sobre texto e leitura esta aqui considerada a habilidade de compreensão/ interpretação de textos e práticas de ensino(p.8). As autoras da obra são professoras e pesquisadoras com vasta experiência na área da Linguística Textual, Koch (2013), por exemplo, é professora titular do Departamento de

Linguística do IEL-Unicamp, em cujos cursos de graduação e pós-graduação trabalha na área de Linguística Textual, já tendo escrito outras importantes obras que contribuem para o desenvolvimento progressivo dos estudos da Linguística Textual. Entre as quais, podemos citar A coesão textual (1989). Já Elias (2013) é professora associada de Língua Portuguesa na graduação e pós-graduação na PUC-SP, além de vice-líder do grupo de pesquisa (CNPq) “Ensino de Língua Portuguesa para fins específicos” da PUC-SP. No decorrer dos nove capítulos apresentados no livro Ler e compreender: os sentidos

uma atividade interativa altamente complexa de

produção de sentidos [

do texto, a leitura é vista como “[

(p.11). Isso significa que a leitura se efetiva não somente a partir

da superfície textual, mas também mediante a mobilização de um conjunto de saberes e conhecimentos implícitos, que estão no interior do evento comunicativo. Nessa perspectiva, a língua torna-se a representação do pensamento, isto é, cada leitor carrega

uma produção que segundo as próprias autoras, propõe-se a [

]

]

]

1 Graduanda em Letras/Inglês, na UFRR. Trabalho apresentado na disciplina Discurso: Leitura e Produção de Textos e Hipertextos, no semestre 2014.2.

2

experiências e concepções sobre o mundo que, inevitavelmente, serão ativadas no momento da atividade de produção de sentidos.

de que o texto é lugar de interação de

sujeitos sociais, os quais dialogicamente, nele se constituem e são constituídos(p.7).

Dessa forma, percebemos que a obra se diferencia das demais já publicadas nesse âmbito, pois a perspectiva do texto como lugar de interação de sujeitos sociais é inovadora para a linguística textual. Além do mais, as autoras esclarecem que os implícitos presentes nos

textos são detectáveis somente “[

interior do qual se movem os atores sociais(p.7). Nesse sentido, a palavra sociocomunicativo ganha evidência na abordagem da obra aqui resenhada. Entendemos, assim, que a capacidade de formular inferências está atrelada, em grande parte, à vivência social. Por exemplo, só compreendemos determinado gênero textual porque somos atores sociais. As próprias autoras, no quinto capítulo, definem os gêneros textuais e-mail e blog como “práticas sociais e comunicativas” (p. 102).

A obra também ilustra uma variedade de gêneros textuais que foram selecionados e

analisados com o intuito de estabelecer um paralelo entre teoria e prática de ensino. As

análises sobre os gêneros são importantes contribuição para a Linguística Textual e para o trabalho de leitura em qualquer disciplina, em especial no ensino de língua materna. Vimos que as autoras priorizam os denominados gêneros utilitários como charge, artigo de opinião, bula, história em quadrinhos, reportagem etc. Já os gêneros literários, como conto e poesia, foram selecionados em função dos utilitários. De acordo com Koch; Elias (2013), os esclarecimentos que a obra propõe são

professores dos vários níveis de ensino, em especial os de línguas-

materna e estrangeiras-, estudantes de cursos de Letras, de Pedagogia, bem como os demais interessados em questões de compreensão de leitura, ensino e funcionamento da linguagem de modo geral(p.8). Entendemos que as análises da obra são importantes para todos os interlocutores citados acima, porém, ainda que não destacados por Koch; Elias (2013), compreendemos que autores de livros didáticos também são excelentes interlocutores. Vale ressaltar ainda que o projeto gráfico idealizado por Antonio Kehl é um dos grandes destaques da obra. Nesse projeto, a riqueza de gêneros apresentados cumpre com o objetivo de exemplificar as discussões teóricas e ainda oferece um leque de possibilidades

direcionados aos “[

pela mobilização do contexto sociocognitivo no

O livro fundamenta-se na concepção [

]

]

]

3

para o professor trabalhar com diferentes gêneros. Nesse sentido, é importante considerar o trabalho que as autoras tiveram para selecionar cada gênero e ao mesmo tempo levar os leitores a fazerem um paralelo com as discussões teóricas apresentadas. Outra riqueza do livro é a imagem da capa, um óleo sobre tela de Waldomiro Sant’Anna, Menina Lendo, reproduzida especialmente para ilustrar a capa da obra. Quanto

a esse aspecto, podemos observar que a imagem de uma menina que está lendo representa claramente a discussão proposta pelas autoras. Com relação à noção de gêneros textuais, as autoras tomam como referência algumas

das declarações de Bakhtin (1992) e dedicam todo o capítulo 5 a essa discussão. Para Koch; Elias (2013) os gêneros textuais são práticas sociocomunicativas, podendo ser reconhecidos

e produzidos por qualquer pessoa, pois são constituídos com certa função, de determinado

modo e em determinadas esferas de atuação humana. Em síntese, Ler e compreender: os sentidos do texto é uma obra de linguagem fácil e fundamentada a partir das contribuições de outas publicações de Koch (2006) e outros importantes teóricos como Bakhtin (1992). É uma obra com inestimável valor para a Linguística Textual e com grande referência para professores de língua materna, pois evidencia novos horizontes nas investigações sobre leitura e apresenta objetivos que a diferencia das demais produções de teorias sobre texto e leitura e práticas de ensino.