Você está na página 1de 2

Renan Ederson Vieira Fernandes Série: 7B nr.

:23

Reprodução

Geralmente, as formigas apresentam haplodiploidia: reproduzem-se


sexuadamente mediante a cópula do macho com a fêmea durante o vôo nupcial
e assexuadamente, quando os ovos não fecundados de uma fêmea (rainha ou
operária) produzem machos. Os ovos fecundados produzem apenas fêmeas.
Abaixo segue a descrição do sistema de reprodução sexual. Em certas épocas do
ano, geralmente no início da estação chuvosa na região tropical, milhares de
machos e fêmeas aladas saem dos seus ninhos e realizam o vôo nupcial que
acontece de maneira sincronizada. Não se conhece bem o mecanismo de
coordenação que permite que machos e fêmeas de diferentes ninhos saiam para
o vôo nupcial ao mesmo tempo, mas se sabe que a chuva é um fator de disparo
dos vôos para muitas espécies. Os sexuados se reúnem em lugar específico para
a cópula, que em geral se realiza a certa altura do solo em pleno vôo. A fêmea
pode copular mais de uma vez com vários machos, mas cada macho realiza uma
única cópula depois da qual morre. Depois, a fêmea regressa à superfície,
desprende as suas asas com as patas, e começa a buscar um refúgio para
estabelecer seu ninho.

O Nascimento de uma Colônia

Uma vez encontrado o lugar apropriado, a futura rainha começa a cavar uma
galeria com suas mandíbulas e patas, e uma pequena câmara. Logo ela fecha a
entrada do ninho e começa a colocar seus primeiros ovos. Com o aparecimento
das primeiras larvas, a rainha produz ovos tróficos, isto é, ovos estéreis
utilizados apenas para a alimentação das larvas. Ao emergir as primeiras
operárias, estas abrem a entrada do ninho, ajudam a rainha em sua alimentação
e se encarregam do cuidado da cria. Para isso saem do ninho a fim de coletar
alimento. Até então, a rainha havia vivido da energia proveniente da degradação
metabólica dos músculos de suas asas.

O Ciclo de Vida de uma Colônia

Após o nascimento da colônia, as operárias se dedicam cada vez mais à busca


de alimento para as larvas e a rainha, para que esta ponha mais ovos e assim
produza mais operárias que alimentarão mais larvas. Esta fase pode durar de
um a vários anos. Quando a colônia alcança seu estado maduro e conta com um
número suficiente de operárias (variável de acordo com a espécie em questão),
a rainha começa a pôr ovos dos quais emergem machos e fêmeas alados. Então,
as formas sexuadas adultas partem para o vôo nupcial fora da colônia e
novamente recomeça o ciclo reprodutivo. Estes ciclos se repetem várias vezes a
depender das condições da colônia.

Dieta de lavras e adultos

Por encontrar-se em fase de crescimento (a fase metabolicamente mais ativa),


as larvas requerem dietas ricas em proteína. Os adultos, ao contrário, requerem
dietas ricas em carboidratos, pois seu metabolismo consome basicamente
energia. Em muitas espécies de formigas (como também em muitos insetos) os
adultos ingerem açúcares, provenientes de nectários florais ou extraflorais, de
secreções de homópteros e hemípteros, de frutas ou diretamente da seiva das
plantas. As larvas, ao contrário, são geralmente carnívoras, ingerem uma grande
variedade de alimentos que suas irmãs adultas trazem, provenientes de
artrópodos terrestres capturados vivos ou mortos, restos de animais vertebrados
mortos, ovos de artrópodos, excrementos de aves e outros animais, todos ricos
em proteína