Você está na página 1de 23

Índice

Introdução ....................................................................................................................................... 3
Redes de Comunicação Móvel........................................................................................................ 4
Aspectos Gerais ........................................................................................................................... 4
Características de um sistema de comunicação móvel ................................................................... 5
Aspectos de mobilidade .............................................................................................................. 5
Características de um sistema de comunicação móvel ................................................................... 6
Requisitos do sistema .................................................................................................................. 6
Problemas do sistema .................................................................................................................. 6
Evolução das Redes ........................................................................................................................ 8
Tecnologia de Rede 1G ................................................................................................................. 10
Tecnologia de Rede 2G ................................................................................................................. 10
Protocolo de Telefonia 2G ........................................................................................................ 11
Tecnologia de Rede 3G ................................................................................................................. 12
Operadoras e redes UMTS .................................................................................................... 14
Padronização da Rede ............................................................................................................ 15
Evolução do 3G (pré-4G) ...................................................................................................... 15
Internet 3.5G - HSPDA ......................................................................................................... 15
Vantagens de uma arquitectura de rede em camadas ............................................................ 16
Tecnologias móveis ............................................................................................................... 16
Migrando de GPRS para UMTS ............................................................................................ 16
Terminais UMTS ................................................................................................................... 17
Críticas ................................................................................................................................... 18
Tecnologia 4G ............................................................................................................................... 19
Evolução .................................................................................................................................... 19
Conclusão...................................................................................................................................... 21
Bibliografia ................................................................................................................................... 22

1
2
Introdução

O presente trabalho chegou ao final e tenho como introdução que, A característica mais
importante da tecnologia móvel 3G é suportar um número maior de clientes de voz e dados,
especialmente em áreas urbanas, além de maiores taxas de dados a um custo incremental menor
que na 2G.

Ela utiliza o espectro de radiofrequência em bandas identificadas, fornecidas pela ITU-T para a
Terceira Geração de serviços móveis IMT-2000, e depois licenciadas para as operadoras.

Permite a transmissão de 384 kbits/s para sistemas móveis e 1 megabits/s para sistemas
estacionários. Espera-se que tenha uma maior capacidade de usuários e uma maior eficiência
espectral, de forma que os consumidores possam dispor de roaming global entre diferentes redes
3G.

O conceito 4G vai muito além de telefonia móvel, já que não pode ser considerada uma evolução
dos padrões de telefonia celular, tais como as existentes no mercado até 3G. As novas
tecnologias de redes banda larga móvel (sem fio) permitirão o acesso a dados em dispositivos
que operam com IP, desde handsets até CPEs (equipamentos para conversão de dados para uso
em equipamentos finais tais como TVs e telefones). Actualmente há duas tecnologias que são
mais exploradas na indústria: WiMAX e LTE (Long Term Evolution), ambas ainda passíveis de
definições de uso por questões regulatórias por parte de governos e padronizações nas indústrias
de hardware.

3
Redes de Comunicação Móvel

Aspectos Gerais

 Conceitos básicos
 Arquitectura de rede
 Transmissão sem fios
 Acesso ao meio

4
Características de um sistema de comunicação móvel

Aspectos de mobilidade

 Utilizador desloca-se livremente no espaço


 Utilizador comunica em qualquer momento
 Utilizador comunica com qualquer outro utilizador
 Utilizador acede à rede através de uma ampla gama de terminais

Sensor sem fios Telefone Móvel Assistente


Pessoal

Palmtop Laptop

5
Características de um sistema de comunicação móvel

Requisitos do sistema

 equipamento portátil terminais de pequena dimensão com baterias de capacidade elevada


 Número Pessoal de Telecomunicações (PTN) número do utilizador independente do
terminal
 Grande capacidade de tráfego potencial do sistema é um acesso por adulto serviços
avançados exigem grandes larguras de banda
 Segurança de serviço necessário adoptar técnicas avançadas de autenticação e
encriptagem
 Interpretação com outras redes necessário suportar comunicação com redes de outros
tipos

Problemas do sistema

 Consumo dos terminais cresce com a capacidade de processamento ecrãs de qualidade


exigem maior consumo.
 Interfaces de utilizador compromisso difícil entre dimensões dos dedos e do teclado
necessário utilizar símbolos abstractos
 Memória capacidade limitada nos dispositivos de menores dimensões
 Mobilidade dificuldade de manutenção de qualidade de serviço durante uma conexão
 Disponibilidade de frequências grande ocupação de bandas úteis necessidade de
coordenação mundial
 Taxa de transmissão local: algumas dezenas de Mbit/s região: até uma dezena de Mbit/s
 qualidade de transmissão grandes variações do nível de sinal interferências significativos
 Tempos de estabelecimento de conexões relativamente elevados (caso seja requerida a
reserva de recursos rádio)

6
 Segurança possibilidade de escuta da interface rádio estação base pode ser simulada,
atraindo comunicações de terminais móveis
 Meio partilhado importante usar métodos de acesso seguros

7
Evolução das Redes

Foi na mente de Joseph Licklider que surgiram e se desenvolveram, como acabámos de ver,
todo um conjunto de conceitos e de visões que prepararam caminho para a efectiva
concretização de um projecto que visaria a ligação de computadores em rede.

A construção de uma rede de computadores - projecto realizado no seio da agência ARPA –


começou em meados dos anos sessenta. No centro das preocupações de Taylor, o principal
responsável pelo projecto, estavam os dispendiosos recursos computacionais exigidos pelos
investigadores a seu cargo, cujo financiamento se tornava cada vez mais difícil. Mas não só. É
preciso ter em conta que a transferência de tais recursos de uma máquina para outra constituía
uma tarefa difícil, dado que os programas eram concebidos para ser executados especificamente
num certo computador. Taylor acreditava, no entanto, na viabilidade técnica de uma rede de
computadores, fidedigna e rápida, que possibilitasse a partilha de tais recursos.

Tal partilha permitiria, oportunamente, uma redução dos elevados custos financeiros decorrentes
da investigação levada a cabo em computadores. A ideia de Taylor tinha ainda outras
implicações, diferentes e muito mais radicais. Na esteira da visão tecno-comunicativa de
Licklider, a rede de Taylor implicaria não só o conceito do computador enquanto instrumento de
expansão do intelecto humano, como uma interacção colaborativa entre utilizadores de
diferentes máquinas.

Com a referida rede entraríamos numa nova era da história dos usos do computador: pela
primeira vez, um utilizador que desejasse fazer uso de um determinado programa disponível
apenas num computador geograficamente muito distante poderia, para o efeito, ligar-se a essa
máquina (HAFNER & LYON, 1998). A partilha de recursos computacionais constituiu, assim, o
motivo fundamental para a construção de uma rede de computadores. Contudo, é
frequentemente apontada outra razão para a implementação da rede: garantir a integridade da
rede norte-americana de comunicações em caso de ocorrência de um ataque nuclear soviético. A
rede como meio de garantia de continuidade das comunicações, nomeadamente as militares, dos
EUA não foi o principal motivo da implementação da Arpanet.

8
Todavia, tal ideia está indissociavelmente ligada à visão de Paul Baran, um engenheiro elétrico
membro do departamento de ciências da computação da divisão de matemática na RAND
Corporation, que foi possivelmente o primeiro a conceber o método de transmissão de
mensagens em rede – denominado packetswitching - posteriormente aplicado na construção da
Arpanet (MACHUCO ROSA, 2003).

9
Tecnologia de Rede 1G

Os telemóveis de primeira geração ou 1G são analógicos, já que enviam a informação


sobre onda cuja forma varia de forma continua. Estes somente podem ser usados
para comunicação por voz e têm uma qualidade de ligação altamente variável devido
à interferência. Outra desvantagem é a baixa segurança que proporcionam, já que é relativamente
simples escutar ligações alheias através de um sintonizador de rádio assim como a usurpação
de frequência podendo creditar as ligações na conta de um terceiro.

Um desses padroes é o NMT (Nordic Mobile Telephone), utilizado nos países nórdicos, Suíça,
Holanda, Europa Oriental e Rússia. Outros incluem AMPS (Advanced Mobile Phone System)
utilizados na América do Norte e Austrália, TACS (Total Access Communications System) no
Reino Unido, C-450 na Alemanha Ocidental, Portugal e África do Sul, Radiocom 2000 na
França e na Itália RTMI . No Japão, havia vários sistemas. Três padrões, TZ 801, TZ 802 e TZ-
803 foram desenvolvidos pela NTT (Nippon Telegraph and Telephone Corporation), enquanto
que um sistema concorrente operado pela DDI utilizava o padrão JTACs (Japan Total Access
Communications System).

Tecnologia de Rede 2G

A telefonia móvel de segunda geração (2G) não é um padrão ou um protocolo estabelecido, é


uma forma de nomear a mudança de protocolos de telefonia móvel analógica para digital.

A chegada da segunda geração de telefonia móvel foi por volta de 1990 e seu desenvolvimento
deriva da necessidade de poder ter um maior número de ligações simultâneas praticamente nos
mesmos espectos de radiofrequência assignados à telefonia móvel. Foram então introduzidos
protocolos de telefonia digital que além de permitir mais conexões simultâneas com a mesma
largura de banda, permitiam integrar outros serviços, que anteriormente eram independentes, no
mesmo sinal, como o envio de mensagens de texto (SMS) e capacidade para transmissão de
dados entre dispositivos de fax e modem.(...)

10
2G abarca vários protocolos distintos desenvolvidos por várias companhias e incompatíveis entre
eles, o que limita a área de uso dos telemóveis às regiões com companhias que deram suporte.

Protocolo de Telefonia 2G

 GSM (Global System for Mobile Communications)


 TDMA Cellular PCS o IS-136 (conhecido também como TIA/EIA136 o ANSI-136) Sistema
regulado pela Telecommunications Industy Association ou TIA
 CDMA (Code Division Multiple Access)
 D-AMPS Digital Advanced Mobile Phone System
 PHS (Personal Handyphone System) Sistema usado no começo no Japão pela
companhia NTT DoCoMo com a finalidade de ter um padrão focado mais para a
transferência de dados do que o resto de padrões 2G.

11
Tecnologia de Rede 3G

O padrão 3G é a terceira geração de padrões e tecnologias de telefonia móvel, substituindo


o 2G. É baseado na família de normas da União Internacional de Telecomunicações(UIT), no
âmbito do Programa Internacional de Telecomunicações Móveis (IMT-2000).

Visão Geral

As tecnologias 3G permitem às operadoras da rede oferecerem a seus usuários uma ampla gama
dos mais avançados serviços, já que possuem uma capacidade de rede maior por causa de uma
melhora na eficiência espectral. Entre os serviços, há a telefonia por voz e a transmissão de
dados a longas distâncias, tudo em um ambiente móvel. Normalmente, são fornecidos serviços
com taxas de 5 a 10 megabits por segundo.

Ao contrário das redes definidas pelo padrão IEEE 802.11, as redes 3G permitem telefonia
móvel de longo alcance e evoluíram para incorporar redes de acesso à Internet em alta
velocidade e Vídeo-telefonia. As redes IEEE 802.11 (mais conhecidas como Wi-Fi ou WLAN)
são de curto alcance e ampla largura de banda e foram originalmente desenvolvidas para redes de
dados, além de não possuírem muita preocupação quanto ao consumo de energia, aspecto
fundamental para aparelhos que possuem pouca autonomia energética.

Até Dezembro de 2007, 190 redes 3G já operavam em 40 países e 154 redes HSDPA operavam
em 71 países, segundo a Global Mobile Suppliers Association. Na Ásia, na Europa, no Canadá e
nos Estados Unidos, as empresas de comunicações utilizam a tecnologia W-CDMA, com cerca
de 100 terminais designados para operar as redes 3G.

Na Europa, os serviços 3G foram introduzidos a partir de Março de 2003, começando pelo Reino
Unido e Itália. O Conselho da União Europeia sugeriu às operadoras 3G cobrirem 80% das
populações nacionais europeias até ao final de 2005.

A implantação das redes 3G foi tardia em alguns países devido a enormes custos adicionais para
licenciamento do espectro. Em muitos países, as redes 3G não usam as mesmas frequências de
rádio que as 2G, fazendo com que as operadoras tenham que construir redes completamente

12
novas e licenciar novas frequências; uma excepção são os Estados Unidos em que as empresas
operam serviços 3G na mesma frequência que outros serviços. Os custos com licença em alguns
países europeus foram particularmente altos devido a leilões do governo de um número limitado
de licenças e a leilões com propostas confidenciais, além da excitação inicial sobre o potencial
do 3G. Outros atrasos se devem a despesas com actualização dos equipamentos para os novos
sistemas.

Em junho de 2007, o assinante 3G de número 20 milhões foi conectado. Se comparado aos 300
milhões de assinantes de telefonia móvel no mundo, esse número corresponde apenas a 6,7%.
Nos países onde a 3G foi lançada inicialmente (Japão e Coreia do Sul), mais da metade dos
assinantes utilizam 3G. Na Europa, o país líder é a Itália, com um terço dos seus assinantes tendo
migrado para a 3G. Outros países líderes na migração para a 3G são o Reino Unido, a Áustria e
a Singapura, com 20% de migração. Uma estatística confusa está computando clientes
de CDMA 2000 1x RTT como se fossem clientes 3G. Se for utilizada essa definição de carácter
disputado, o total de assinantes 3G seria de 475 milhões em Junho de 2007, 15,8% dos assinantes
de todo o mundo.

Características

A característica mais importante da tecnologia móvel 3G é suportar um número maior de clientes


de voz e dados, especialmente em áreas urbanas, além de maiores taxas de dados a um custo
incremental menor que na 2G.

Ela utiliza o espectro de radiofrequência em bandas identificadas, fornecidas pela ITU-T para a
Terceira Geração de serviços móveis IMT-2000, e depois licenciadas para as operadoras.

Permite a transmissão de 384 kbits/s para sistemas móveis e 1 megabits/s para sistemas
estacionários. Espera-se que tenha uma maior capacidade de usuários e uma maior eficiência
espectral, de forma que os consumidores possam dispor de roaming global entre diferentes redes
3G.

13
Padrões

O IMT-2000 da União Internacional de Telecomunicações (ITU) consiste em seis interfaces de


rádio:

 IMT-DS Direct-Sequence
 também conhecido como W-CDMA ou UTRA-FDD, usado nos UMTS
 IMT-MC Multi-Carrier
 também conhecido como CDMA2000, o sucessor do 2G CDMA (IS-95)
 IMT-TD Time-Division
 TD-CDMA (Time Division - Code Division Multiple Access)
 TD-SCDMA (Time Division - Synchronous Code Division Multiple Access).
 IMT-SC Single Carrier
 também conhecido como EDGE
 IMT-FT Frequency Time
 também conhecido como DECT
 IMT-OFDMA TDD WMAN
 mais conhecido como WiMAX

Evolucao para 3G

As redes de telecomunicações de telefonia de celular móvel são actualizadas de forma a


utilizarem as tecnologias 3G desde 1999. O Japão foi o primeiro país a implementar o 3G
nacionalmente e essa transição foi praticamente completada em 2006. Logo após o Japão,
a CoreiadoSul também iniciou sua transição, que foi feita por volta de 2004.

Operadoras e redes UMTS

A partir de 2005, a evolução das redes 3G ocorreu em alguns anos, devido à capacidade limitada
das redes 2G existentes. As redes 2G foram construídas principalmente para voz e transmissão
lenta de dados. Devido às rápidas mudanças nas expectativas dos usuários, elas não atendem hoje
às necessidades de transmissão de dados sem fio.

14
"2.5G" (e mesmo 2.75G) são tecnologias como o serviço de dados i-mode, telefones com
câmara, circuito de alta velocidade de dados comutados (HSCSD) e General Packet Radio
Service (GPRS) foram criados para fornecer alguma funcionalidade de domínios, como redes
3G, mas sem a plena transição para a rede 3G. Eles foram construídos para introduzir as
possibilidades de aplicação de tecnologia wireless para o consumidor final, e assim aumentar a
procura de serviços 3G.

Padronização da Rede

A União Internacional das Telecomunicações (ITU-T) definiu a demanda para redes móveis 3G
com o padrão IMT-2000. Uma organização chamada 3rd Generation Partnership Project (3GPP)
continuou esse trabalho definindo um sistema móvel compatível com o padrão IMT-2000. Esse
sistema é chamado de Sistema Universal de Telecomunicações Móveis (Universal Mobile
Telecommunications System - UMTS).

Evolução do 3G (pré-4G)

A padronização da evolução do 3G está a funcionar em ambas as 3GPP e 3GPP2. Os


correspondentes das especificações do 3GPP e 3GPP2 são nomeados como LTE e UMB,
respectivamente. 3G evolução utiliza parcialmente tecnologias 3G destinadas a melhorar o
desempenho e tornar a migração mais fácil. Há vários caminhos diferentes de 2G para 3G. Na
Europa, o principal caminho começa a partir GSM quando GPRS é adicionado a um sistema. A
partir deste ponto, é possível ir para o sistema UMTS. Na América do Norte o sistema evolução
terá início Time divisão de acesso múltiplo (TDMA), a mudança reforçada Dados Tarifas para
GSM Evolution (EDGE) e, em seguida, a UMTS.

No Japão, dois padrões 3G são utilizados: FOMA (utiliza o WCDMA o que torna o UMTS
compatível) utilizados pelo Softbank e NTT DoCoMo, e CDMA2000, utilizado por KDDI.
Transição para a 3G foi concluída no Japão em 2006.

Internet 3.5G - HSPDA


Lançada pelo ano de 2006, a internet 3.5G, também conhecida como HSPDA (High-Speed
Downlink Packet Access), foi uma melhoria da conexão 3G, que teoricamente permitia

15
velocidade de dados de até 42.3 Mbps, mas na prática rondava por algo em cerca de 14 Mbps.
No geral, HSDPA são os padrões utilizados e oferecem taxas de dados de 5-30 Mbps.

Vantagens de uma arquitectura de rede em camadas

Ao contrário do GSM, UMTS é baseada em um serviço dividido em sessões. No topo está a


sessão de serviços, que oferece organização rápida de serviços e localização centralizada. No
meio está a sessão de controle, que ajuda a actualizar os procedimentos e que capacita a rede a se
alocar dinamicamente. Na base está a camada de conectividade onde qualquer tecnologia de
transmissão pode ser utilizada e onde o canal de áudio trafega por ATM/AAL2 ou IP/RTP.

Tecnologias móveis

Ao converter uma rede GSM para uma rede UMTS, a primeira nova tecnologia é General Packet
Radio Service (GPRS). É o gatilho para os serviços 3G. A ligação à rede é sempre relativa, de
modo que o assinante está on-line o tempo todo. Desde o ponto de vista do operador, é
importante saber que os investimentos em GPRS são reutilizados quando se vai para o UMTS.
Também é importante capitalizar a experiência adquirida no negócio utilizando GPRS.

De GPRS, os operadores poderão mudar directamente para a rede UMTS, ou investir em um


sistema EDGE. Uma vantagem a mais do EDGE UMTS é que ele não necessita de novas
licenças. As frequências também são reutilizadas, não são necessárias novas antenas.

Migrando de GPRS para UMTS

Residência registo (HLR) Visitante localização registo (VLR) Equipamento identidade registo
(EIR) De rede GPRS, os seguintes elementos da rede podem ser reutilizados:

Mobile centro comutação (MSC) (vendedor dependentes) Autenticação centro (AUC)


Publicação GPRS Support Node (SGSN) (vendedor dependentes) Gateway GPRS apoio nó
(GGSN) De Global Service for Mobile (GSM) rede de rádio comunicação, os seguintes
elementos não podem ser reutilizados

16
Estação base controlador (BSC) Base transceiver station (BTS) Eles podem permanecer na rede
e ser utilizado em rede dupla operação onde redes 2G e 3G co-existir enquanto rede de migração
e os novos terminais 3G tornam-se disponíveis para uso na rede.

A rede UMTS introduz novos elementos da rede que funcionará como especificado pelo 3GPP:

Node B (estação base) Radio Network Controller (RNC) Media Gateway (MGW) A
funcionalidade do MSC e SGSN muda quando vai UMTS. Num sistema GSM da MSC trata
todos os circuitos comutados operações como a conexão e A-B-assinante através da rede. SGSN
trata todos os pacotes comutados operações e transfere todos os dados na rede. Em UMTS o
Media Gateway (MGW) cuidar de todas as transferências de dados em ambos os circuitos e
pacotes redes comutadas. MSC e SGSN controle MGW operações. Os gânglios são renomeados
para MSC-servidor e servidor-GSN.

Terminais UMTS

A complexidade técnica de um telefone 3G depende da sua necessidade de itinerância no legado


das redes 2G. Nos primeiros países, o Japão e a Coreia do Sul, não havia necessidade de incluir
capacidades de roaming mais velhos, tais como redes GSM, de forma que telemóveis 3G foram
pequenos e leves. Na Europa e na América, os fabricantes e operadores de rede quis telemóveis
3G multi-modo, que operam em redes 2G e 3G (por exemplo, WCDMA e GSM), que
acrescentou à complexidade, tamanho, peso e custo do handset. Como resultado, no início os
telefones europeus WCDMA foram significativamente maiores e mais pesados que telefones
WCDMA comparáveis no mercado japonês.

A japonesa Vodafone KK's experimentou um grande número de problemas com estas diferenças
quando sua mãe baseada no Reino Unido, Vodafone, insistiu na utilização de telemóveis normais
pela subsidiária japonesa. Clientes japoneses que estavam habituados aos pequenos aparelhos
foram subitamente obrigado a mudar para handsets europeus, que foram considerados muito
mais pesados e feios pelos consumidores japoneses. Durante esta conversão, Vodafone KK 6
clientes perdidos para cada 4 que migrou para a 3G. Pouco tempo depois, Vodafone vendeu a
filial (agora conhecida como Softbank).

17
A tendência geral para telas pequenas nos telefones parece ter pausado, talvez mesmo virado,
com a capacidade de grandes ecrãs nos telefones para fornecer mais vídeo, jogos e internet sobre
o uso de redes 3G.

Críticas

Embora 3G tenha sido introduzida com êxito para usuários da Europa, Austrália, Ásia, América
do Sul, América do Norte e da África, algumas questões são debatidas pelos fornecedores e os
utilizadores 3G:[4]

 Taxas caras de entrada para o serviço de licenças 3G.


 Numerosas diferenças em termos de licença.
 Grande quantidade de dívida actualmente sustentada por

muitas empresas telecomunicações, o que a torna um desafio para construir a infra-estrutura


necessária para 3G.

 Falta de apoio dos Estados-membros para conturbado financeiramente operadores.


 Expensas dos telemóveis 3G.
 Falta de condições financeiras mínimas dos usuários de aparelhos móveis 2G para os novos
serviços 3G sem fios.
 A falta de cobertura, porque é ainda um novo serviço.
 Alta dos preços dos serviços móveis 3G em alguns países, incluindo o acesso à Internet (ver
taxa fixa).

18
 Actual falta de usuário necessidade de serviços 3G de voz e dados em uma mão-na posse
dispositivo.

Tecnologia 4G

4G é a sigla para a Quarta Geração (em inglês: Fourth Generation) de telefonia móvel. A 4G
está baseada totalmente em IP, sendo um sistema e uma rede, alcançando a convergência entre as
redes de cabo e sem fio e computadores, dispositivos eletrônicos e tecnologiasdainformação para
prover velocidades de acesso entre 100 Megabit/s em movimento e 1 Gigabit/s em repouso,
mantendo uma qualidade de serviço (QoS) de ponta a ponta (ponto-a-ponto) de alta segurança
para permitir oferecer serviços de qualquer tipo, regularmente e independentemente da
localização.

Evolução
No Japão está se experimentando com as tecnologias de quarta geração, com a NTT DoCoMo à
vanguarda. Esta empresa realizou as primeiras provas com sucesso absoluto (alcançando
10 Mbps a 20 Mbps) e esperava lançar comercialmente os primeiros serviços de 4G no ano 2010.

O conceito 4G vai muito além de telefonia móvel, já que não pode ser considerada uma evolução
dos padrões de telefonia celular, tais como as existentes no mercado até 3G. As novas
tecnologias de redes banda larga móvel (sem fio) permitirão o acesso a dados em dispositivos
que operam com IP, desde handsets até CPEs (equipamentos para conversão de dados para uso
em equipamentos finais tais como TVs e telefones). Actualmente há duas tecnologias que são
mais exploradas na indústria: WiMAX e LTE (Long Term Evolution), ambas ainda passíveis de
definições de uso por questões regulatórias por parte de governos e padronizações nas indústrias
de hardware.

Os grandes atractivos do 4G são a convergência de uma grande variedade de serviços até então
somente acessíveis na banda larga fixa, bem como a redução de custos e investimentos para a

19
ampliação do uso de banda larga na sociedade, trazendo benefícios culturais, melhoria na
qualidade de vida e acesso a serviços básicos tais como comunicação e serviços públicos antes
indisponíveis ou precários à população.

4G está sendo desenvolvido prevendo oferecer serviços baseados em banda larga móvel tais
como Multimedia Messaging Service (MMS), vídeo chat, mobile TV, conteúdo HDTV, Digital
Vídeo Broadcasting (DVB), serviços básicos como voz e dados, sempre no conceito de uso em
qualquer local e a qualquer momento. Todos os serviços deverão ser prestados tendo como
premissas a optimização do uso de espectro, troca de pacotes em ambiente IP, grande capacidade
de usuários simultâneos, banda mínima de 100 Mbps para usuários móveis e 1 Gbit/s para
estações fixas, interoperabilidade entre os diversos padrões de redes sem fio.

20
Conclusão

O presente trabalho chegou ao final e tenho como conclusão que, A chegada da segunda geração
de telefonia móvel foi por volta de 1990 e seu desenvolvimento deriva da necessidade de poder
ter um maior número de ligações simultâneas praticamente nos mesmos espetos
de radiofrequência assinados à telefonia móvel. Foram então introduzidos protocolos de telefonia
digital que além de permitir mais conexões simultâneas com a mesma largura de banda,
permitiam integrar outros serviços, que anteriormente eram independentes, no mesmo sinal,
como o envio de mensagens de texto (SMS) e capacidade para transmissão de dados entre
dispositivos de fax e modem(...)

2G abarca vários protocolos distintos desenvolvidos por várias companhias e incompatíveis entre
eles, o que limita a área de uso dos telemóveis às regiões com companhias que deram suporte.

21
Bibliografia

Cisco. (2014, February). Cisco Visual Networking Index: Global Mobile Data Traffic Forecast
Update, 2013–2018. White Paper. [Online].

Disponível: http://www.cisco.com/c/en/us/solutions/collateral/serviceprovider/visual-
networking-index-vni/white_paper_c11-520862.html.

Acessado em: 19 de julho de 2014. [2] Kurose, J. F., Redes de Computadores e Internet: Uma
Abordagem Top Down. 3ª ed. São Paulo: Pearson - Addison Wesley, 2006.

[3] Guimarães, D. A., “Sistemas de Comunicação Móvel de Terceira Geração”. Revista


Científica Periódica de Telecomunicações – INATEL. Maio de 2001.

[4] Guimarães, D. A., “Introdução às Comunicações Móveis”. Revista Científica Periódica de


Telecomunicações – INATEL. Agosto de 1998. [5] Lee, W. C. Y., “Mobile Cellular
Telecommunication – Analog and Digital Systems”. 2nd edition: McGraw-Hill, USA, 1995.

[6] Rappaport, T. S., “Wireless Communications – Principles and Practice”. IEEE Press, Inc.,
New York and Prentice Hall, Inc., New Jersey, 1996.

[26] EDN, Print Magazine. “Network planning and testing for LTEAdvanced”. [Online].
Disponível: http://www.edn.com/design/test-andmeasurement/4401353/Network-planning-and-
testing-for-LTEAdvanced [27] G. Americas, “Release 9, release 10 and beyond: HSPA+,
LTE/SAE and LTE-Advanced”, em 3GPP Mobile Broadband Innovation Path To 4G, February
2010.

[28] Docomo, NTT. Technical Journal. Vol. 12, No. 2. Sep. 2010. [29] A. Technologies, “3GPP
Long Term Evolution: System Overview, Product Development, and Test Challenges”.
Application Note, June 2009.

[30] S. Sesia, I. Toufik, and M. Baker, LTE, “The UMTS Long Term Evolution: From Theory
To Practice”. Wiley, 2009. [31] S. Parkvall, A. Furuskar, E. Dahlman, “Next Generation LTE,
LTEAdvanced”, Ericsson review 2010, pp. 22-28. [32] N. João Felipe, Análise de Desempenho
em Redes Móveis. Tese de

Mestrado, Instituto Superior de Engenharia de Lisboa - ISEL, Outubro. [33] Ericsson 5G


delivers 5 Gbps speeds. Disponível em: http://www.ericsson.com/news/1810070. Acesso em: 22
de julho de 2014.

22
23