Você está na página 1de 15

Arcadismo

→ Reação contra os excessos do Barroco.

→ Retorno dos modelos Clássicos = Neoclassicismo.

Equilíbrio Simplicidade
Revoluções
→ Século XVIII: Século das luzes

→ Revolução do pensamento modernos: crença no homem, racionalismo,


mercantilismo.

→ Classe burguesa

→ Revoluções.

→ Máquina a vapor.

→ Aumento das cidades, abandono do campo

→ Iluminismo: a) ciência + progresso + liberdade = HOMEM FELIZ


Características
→ Imitação dos modelos clássicos

→ Bucolismo

→ Racionalismo: Verdade e o Real.

→ Convencionalismo

→ Idealização do amor e da mulher


“A escala do amor” -
Jean-Antonie Watteau
Arcadismo
Português
Modernização de Portugal
→ Sustentada pela riqueza gerada nas minas do Brasil: OURO

→ Tentativa da implantação de uma visão liberal

→ Política Pombalina: . Marquês de Pombal (de 1750 a 1777):

* Expulsão da Ordem dos Jesuítas

* Ensino religioso para a mão do Estado

* Controle de Portugal sobre as colônias


Bocage
→ Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765 - 1805)

→ poemas eróticos e satíricos

→ Temas: AMOR, MORTE , DESTINO, Conflito entre :


SENTIMENTO X RAZÃO X EGOCENTRISMO
RECREIOS CAMPESTRES NA COMPANHIA DE MARÍLIA

“Olha, Marília, as flautas dos pastores Naquele arbusto o rouxinol suspira,


Que bem que soam, como estão cadentes! Ora nas folhas a abelhinha pára,
Olha o Tejo a sorrir-se! Olha, não sentes Ora nos ares sussurrando gira.
Os Zéfiros brincar por entre as flores?
Que alegre campo! Que manhã tão clara!
Vê como ali beijando-se os Amores Mas ah! Tudo o que vês, se eu não te vira,
Incitam nossos ósculos ardentes! Mais tristeza que a noite me causara.”
Ei-las de planta em planta as inocentes,
As vagas borboletas de mil cores.
Haja Amor - Luiz Caldas
Eu queria ser uma abelha
Pra pousar na tua flôr
Haja amor! Haja amor!
Fazer zum-zum na cama Haja amor prá plantar
E gemer sem sentir dor Haja amor prá sorrir
Haja amor! Haja amor! Haja amor prá viver
Haja amor
Na colméia dos teus sonhos Seja flôr
Quero ser teu cantador Anjo do céu
Haja amor! Haja amor!
Pois batuqueiro é batuqueiro
E cantador é cantador
Haja amor! Haja amor!
Arcadismo
Brasileiro
Desenvolvimento do Brasil

→ Cidades e Extrações de OURO.

→ Inconfidência Mineira (1789): Revolta das elites contra Portugal.

→ Inicio da ideia de Independência.


Tomás Antônio Gonzaga

→ veio para o Brasil com 8 anos

→ pseudônimo Dirceu

→ Marília = Maria Dorotéia Joaquina de Seixas

→ Obra: Marília de Dirceu = coletânea de liras, pastoris.


Cartas Chilenas = caráter satírico
Lira XXI
Que diversas que são, Marília, as horas, Deixam os mesmos Sátiros as grutas.
Que passo nas masmorra imunda, e feia, Um para nós ligeiro move os passos;
Dessas horas felizes, já passadas Ouve-nos de mais perto, e faz a flauta
na tua pátria aldeia! c’os pés mil pedaços.

Então eu me ajuntava com Glauceste; “Dirceu”,clama um Pastor, “ah! bem merece


E a sombra de alto Cedro na campina Da cândida Marília a formosura”.
Eu versos te compunha, e ele os compunha “E aonde”, clama o outro, “que Eulina
à sua cara Eulina. achar maior ventura?”

Cada qual o seu canto aos Astros leva; Nenhum pastor cuidava do rebanho,
De exceder um ao outro qualquer trata; Enquanto em nós durava esta porfia.
O eco agora diz: “Marília terna” E ela, ó minha amada, só findava
e logo: “Eulina ingrata”. depois de acabar-se o dia.”
Boiadeiro - Luiz Gonzaga
De tardezinha quando eu venho pela estrada
Vai, boiadeiro, que a noite já vem A fiarada tá todinha a me esperar
Guarda o teu gado São dez "filhim", é muito pouco, é quase nada
E vai pra junto do teu bem Mas num tem outros mais bonitos no lugar
De manhãzinha quando eu sigo pela Vai, boiadeiro, que a tarde já vem
estrada Leva o teu gado
Minha boiada pra invernada eu vou levar E vai pensando no teu bem
São dez cabeças, é muito pouco, é quase
nada E quando eu chego na cancela da morada
Mas num tem outras mais bonitas no lugar Minha Rosinha vem correndo me abraçar
É pequenina, é miudinha, é quase nada
Vai, boiadeiro, que o dia já vem Mas num tem outra mais bonita no lugar
Leva o teu gado
E vai pensando no teu bem Vai, boiadeiro, que a noite já vem...
Guarda o teu gado
E vai pra junto do teu bem

Você também pode gostar