Você está na página 1de 27

ASPECTOS ÉTICOS NA

ENFERMAGEM

RESOLUÇÃO COFEN Nº 564/2017

1 Professor Msc. Carlos Alberto


DEONTOLOGIA
A deontologia é um tratado dos deveres e da moral. É
uma teoria sobre as escolhas dos indivíduos, o que é
moralmente necessário e serve para nortear o que
realmente deve ser feito.

DICEOLOGIA
Estudo e prática dos direitos profissionais.

2 Professor Msc. Carlos Alberto


LEI N 5.905/73, DE 12 DE JULHO DE 1973

Dispõe sobre a criação dos Conselhos Federal e


Regionais de Enfermagem e dá outras providências.

São criados o Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) e os


Conselhos Regionais de Enfermagem (COREN), constituindo em
seu conjunto uma autarquia, vinculada ao Ministério do Trabalho
e Previdência Social

O mandato dos membros do Conselho Federal será


honorífico e terá a duração de três anos, admitida uma
reeleição

O mandato dos membros dos Conselhos Regionais será


honorífico e terá duração de três anos, admitida uma
reeleição.

3 Professor Msc. Carlos Alberto


Lei Nº 7.498/86 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem

A Enfermagem é exercida privativamente pelo Enfermeiro, pelo


Técnico de Enfermagem, pelo Auxiliar de Enfermagem e pela Parteira,
respeitados os respectivos graus de habilitação.

O planejamento e a programação das instituições e serviços de


saúde incluem planejamento e programação de Enfermagem.

A programação de Enfermagem inclui a prescrição da assistência


de Enfermagem.

4 Professor Msc. Carlos Alberto


O Enfermeiro exerce todas as atividades de Enfermagem, cabendo-lhe
PRIVATIVAMENTE:

a) direção do órgão de Enfermagem integrante da estrutura básica da


instituição de saúde, pública ou privada, e chefia de serviço e de
unidade de Enfermagem;
b) b) organização e direção dos serviços de Enfermagem e de suas
atividades técnicas e auxiliares nas empresas prestadoras desses
serviços;
c) planejamento, organização, coordenação, execução e avaliação dos
serviços de assistência de Enfermagem;
d) consultoria, auditoria e emissão de parecer sobre matéria de
Enfermagem;
e) consulta de Enfermagem;
f) prescrição da assistência de Enfermagem;
g) cuidados diretos de Enfermagem a pacientes graves com risco de vida;
i) cuidados de Enfermagem de maior complexidade técnica e que exijam
conhecimentos de base científica e capacidade de tomar decisões
imediatas;

5 Professor Msc. Carlos Alberto


Como Integrante da Equipe de Saúde
a) participação no planejamento, execução e avaliação da programação de saúde;
b) participação na elaboração, execução e avaliação dos planos assistenciais de
saúde;
c) prescrição de medicamentos estabelecidos em programas de saúde pública
e em rotina aprovada pela instituição de saúde;
d) participação em projetos de construção ou reforma de unidades de internação;
e) prevenção e controle sistemática de infecção hospitalar e de doenças
transmissíveis em geral;
f) prevenção e controle sistemático de danos que possam ser causados à clientela
durante a assistência de Enfermagem;
g) assistência de Enfermagem à gestante, parturiente e puérpera;
h) acompanhamento da evolução e do trabalho de parto;
i) execução do parto sem distorcia;
j) educação visando à melhoria de saúde da população;

6 Professor Msc. Carlos Alberto


Cabe ainda ao Enfermeiro titular do diploma ou
certificado de obstetriz ou de enfermeira obstétrica

a) Assistência à parturiente e ao parto normal;

b) Identificação das distorcias obstétricas e tomada de providências até


a chegada do médico;

c) Realização de episiotomia e episiorrafia e aplicação de anestesia


local, quando necessária.

7 Professor Msc. Carlos Alberto


RESOLUÇÃO COFEN Nº 564/2017

Aprova o novo Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem

Este Código aplica-se aos Enfermeiros, Técnicos de Enfermagem, Auxiliares de


Enfermagem, Obstetrizes e Parteiras, bem como aos atendentes de Enfermagem.

 PREÂMBULO
 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS
 CAPÍTULO I – DOS DIREITOS
 CAPÍTULO II – DOS DEVERES
 CAPÍTULO III – DAS PROIBIÇÕES
 CAPÍTULO IV – DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES
 CAPÍTULO V – DA APLICAÇÃO DAS PENALIDADES

8 Professor Msc. Carlos Alberto


O PRESENTE CÓDIGO TEVE COMO REFERÊNCIA OS POSTULADOS
• Declaração Universal dos Direitos Humanos, promulgada pela Assembleia Geral das Nações Unidas
(1948) e adotada pela Convenção de Genebra (1949), cujos postulados estão contidos no Código de
Ética do Conselho Internacional de Enfermeiras (1953, revisado em 2012);
• Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos (2005);
• Código de Deontologia de Enfermagem do Conselho Federal de Enfermagem (1976), o Código de Ética
dos Profissionais de Enfermagem (1993, reformulado em 2000 e 2007), as normas nacionais de
pesquisa (Resolução do Conselho Nacional de Saúde – CNS nº 196/1996), revisadas pela Resolução nº
466/2012, e as normas internacionais sobre pesquisa envolvendo seres humanos;
• Proposta de Reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem, consolidada na 1ª
Conferência Nacional de Ética na Enfermagem – 1ª CONEENF, ocorrida no período de 07 a 09 de junho
de 2017;
• Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha) que cria mecanismos para coibir a
violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal
e a Lei nº 10.778, de 24 de novembro de 2003
• Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente;
• Lei nº. 10.741, de 01 de outubro de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso;
• Lei nº. 10.216, de 06 de abril de 2001, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas
portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental;
• Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e
recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes

9 Professor Msc. Carlos Alberto


O novo código de Ética
Este Código poderá ser alterado pelo
Conselho Federal de Enfermagem, por
proposta de 2/3 dos Conselheiros
Efetivos do Conselho Federal ou
mediante proposta de 2/3 dos
Conselhos Regionais.

A alteração referida deve ser precedida


de ampla discussão com a categoria,
coordenada pelos Conselhos Regionais,
sob a coordenação geral do Conselho
Federal de Enfermagem, em formato de
Conferência Nacional, precedida de
Conferências Regionais.

10 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 45 Prestar assistência de Enfermagem livre de danos
decorrentes de IMPERÍCIA, NEGLIGÊNCIA OU IMPRUDÊNCIA.

11 Professor Msc. Carlos Alberto


A ação foi realizada?

SIM? NÃO?
TINHA APTIDÃO PARA FAZER?

DEIXOU DE FAZER
SIM? NÃO?

AGIU COM DESCUIDO


IMPERÍCIA NEGLIGÊNCIA

IMPRUDÊNCIA Revela-se pela ignorância,


inexperiência ou inabilidade É a omissão aos deveres que as
sobre a profissão que circunstâncias exigem.
violação da regras de condutas pratica.
ensinadas

12 Professor Msc. Carlos Alberto


Num acidente com lesões e fraturas variadas o Enfermeiro deixa de fazer o exame
físico e uma anamnese completa para detectar todas as possíveis lesões.

A Enfermeira obstétrica fez um parto sem possuir o aspirador do líquido


amniótico.

Um paciente há mais de 35 anos, encontrava-se internado numa das


enfermarias de um hospital, mas foi encontrado já sem vida na parte exterior
da enfermaria, pressupondo-se que tenha saltado pela janela, de uma altura de
mais de sete metros. A Equipe de Enfermagem pode ser acusada de:

Uma Enfermeira resolve fazer uma sonda vesical de demora com luvas de
procedimentos porque não havia luvas estéreis no serviço.

Um Enfermeiro resolve fazer um acesso subclávico num paciente porque o


cirurgião estava em outro procedimento.

Um Enfermeiro delega para os técnicos de Enfermagem do Plantão a


realização das prescrições dos cuidados de Enfermagem.

13 Professor Msc. Carlos Alberto


RESOLUÇÃO COFEN Nº 564/2017

DOS DIREITOS DO PROFISSIONAL DE


ENFERMAGEM: 1º ao 23º (23 Artigos)

14 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 1º Exercer a Enfermagem com liberdade, segurança técnica, científica e ambiental, autonomia, e ser tratado
sem discriminação de qualquer natureza, segundo os princípios e pressupostos legais, éticos e dos direitos
humanos.
Art. 2º Exercer atividades em locais de trabalho livre de riscos e danos e violências física e psicológica à saúde
do trabalhador, em respeito à dignidade humana e à proteção dos direitos dos profissionais de enfermagem.
Art. 3º Apoiar e/ou participar de movimentos de defesa da dignidade profissional, do exercício da cidadania e das
reivindicações por melhores condições de assistência, trabalho e remuneração, observados os parâmetros e
limites da legislação vigente.
Art. 4º Participar da prática multiprofissional, interdisciplinar e transdisciplinar com responsabilidade,
autonomia e liberdade, observando os preceitos éticos e legais da profissão.
Art. 5º Associar-se, exercer cargos e participar de Organizações da Categoria e Órgãos de Fiscalização do Exercício
Profissional, atendidos os requisitos legais.
Art. 6º Aprimorar seus conhecimentos técnico-científicos, ético-políticos, socioeducativos, históricos e culturais
que dão sustentação à prática profissional.
Art. 7º Ter acesso às informações relacionadas à pessoa, família e coletividade, necessárias ao exercício
profissional.
Art. 8º Requerer ao Conselho Regional de Enfermagem, de forma fundamentada, medidas cabíveis para
obtenção de desagravo público em decorrência de ofensa sofrida no exercício profissional ou que atinja a
profissão.
Art. 9º Recorrer ao Conselho Regional de Enfermagem, de forma fundamentada, quando impedido de cumprir o
presente Código, a Legislação do Exercício Profissional e as Resoluções, Decisões e Pareceres Normativos
emanados pelo Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem.
Art. 10 Ter acesso, pelos meios de informação disponíveis, às diretrizes políticas, normativas e protocolos
institucionais, bem como participar de sua elaboração.
Art. 11 Formar e participar da Comissão de Ética de Enfermagem, bem como de comissões interdisciplinares da
instituição em que trabalha.

15 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 12 Abster-se de revelar informações confidenciais de que tenha conhecimento em razão de seu exercício
profissional.
Art. 13 Suspender as atividades, individuais ou coletivas, quando o local de trabalho não oferecer condições
seguras para o exercício profissional e/ou desrespeitar a legislação vigente, ressalvadas as situações de urgência e
emergência, devendo formalizar imediatamente sua decisão por escrito e/ou por meio de correio eletrônico à
instituição e ao Conselho Regional de Enfermagem.
Art. 14 Aplicar o processo de Enfermagem como instrumento metodológico para planejar, implementar, avaliar
e documentar o cuidado à pessoa, família e coletividade.
Art. 15 Exercer cargos de direção, gestão e coordenação, no âmbito da saúde ou de qualquer área direta ou
indiretamente relacionada ao exercício profissional da Enfermagem.
Art. 16 Conhecer as atividades de ensino, pesquisa e extensão que envolvam pessoas e/ou local de trabalho sob
sua responsabilidade profissional.
Art. 17 Realizar e participar de atividades de ensino, pesquisa e extensão, respeitando a legislação vigente.
Art. 18 Ter reconhecida sua autoria ou participação em pesquisa, extensão e produção técnico-científica.
Art. 19 Utilizar-se de veículos de comunicação, mídias sociais e meios eletrônicos para conceder entrevistas,
ministrar cursos, palestras, conferências, sobre assuntos de sua competência e/ou divulgar eventos com
finalidade educativa e de interesse social.
Art. 20 Anunciar a prestação de serviços para os quais detenha habilidades e competências técnico-científicas e
legais.
Art. 21 Negar-se a ser filmado, fotografado e exposto em mídias sociais durante o desempenho de suas
atividades profissionais.
Art. 22 Recusar-se a executar atividades que não sejam de sua competência técnica, científica, ética e legal ou
que não ofereçam segurança ao profissional, à pessoa, à família e à coletividade.
Art. 23 Requerer junto ao gestor a quebra de vínculo da relação profissional/usuários quando houver risco à sua
integridade física e moral, comunicando ao COREN e assegurando a continuidade da assistência de Enfermagem.

16 Professor Msc. Carlos Alberto


RESOLUÇÃO COFEN Nº 564/2017

DOS DEVERES DO PROFISSIONAL DE


ENFERMAGEM: Art 24 ao Art 60 (37 Artigos)

17 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 24 Exercer a profissão com justiça, compromisso, equidade, resolutividade, dignidade,
competência, responsabilidade, honestidade e lealdade.
Art. 25 Fundamentar suas relações no direito, na prudência, no respeito, na solidariedade e
na diversidade de opinião e posição ideológica.
Art. 26 Conhecer, cumprir e fazer cumprir o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem e
demais normativos do Sistema COFEN/Conselhos Regionais de Enfermagem.
Art. 27 Incentivar e apoiar a participação dos profissionais de Enfermagem no desempenho de
atividades em organizações da categoria.
Art. 28 Comunicar formalmente ao Conselho Regional de Enfermagem e aos órgãos competentes
fatos que infrinjam dispositivos éticos-legais e que possam prejudicar o exercício profissional e a
segurança à saúde da pessoa, família e coletividade.
Art. 29 Comunicar formalmente, ao Conselho Regional de Enfermagem, fatos que envolvam
recusa e/ou demissão de cargo, função ou emprego, motivado pela necessidade do
profissional em cumprir o presente Código e a legislação do exercício profissional.
Art. 30 Cumprir, no prazo estabelecido, determinações, notificações, citações, convocações e
intimações do Sistema COFEN/Conselhos Regionais de Enfermagem.
Art. 31 Colaborar com o processo de fiscalização do exercício profissional e prestar informações
fidedignas, permitindo o acesso a documentos e a área física institucional.
Art. 32 Manter inscrição no Conselho Regional de Enfermagem, com jurisdição na área onde
ocorrer o exercício profissional.
Art. 33 Manter os dados cadastrais atualizados junto ao Conselho Regional de Enfermagem de sua
jurisdição.
Art. 34 Manter regularizadas as obrigações financeiras junto ao Conselho Regional de Enfermagem
de sua jurisdição.

18 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 35 Apor nome completo e/ou nome social, ambos legíveis, número e categoria de inscrição no
Conselho Regional de Enfermagem, assinatura ou rubrica nos documentos, quando no exercício profissional.
§ 1º É facultado o uso do carimbo, com nome completo, número e categoria de inscrição no Coren, devendo
constar a assinatura ou rubrica do profissional.
§ 2º Quando se tratar de prontuário eletrônico, a assinatura deverá ser certificada, conforme legislação
vigente.
Art. 36 Registrar no prontuário e em outros documentos as informações inerentes e indispensáveis ao
processo de cuidar de forma clara, objetiva, cronológica, legível, completa e sem rasuras.
Art. 37 Documentar formalmente as etapas do processo de Enfermagem, em consonância com sua
competência legal.
Art. 38 Prestar informações escritas e/ou verbais, completas e fidedignas, necessárias à continuidade da
assistência e segurança do paciente.
Art. 39 Esclarecer à pessoa, família e coletividade, a respeito dos direitos, riscos, benefícios e intercorrências
acerca da assistência de Enfermagem.
Art. 40 Orientar à pessoa e família sobre preparo, benefícios, riscos e consequências decorrentes de exames
e de outros procedimentos, respeitando o direito de recusa da pessoa ou de seu representante legal.
Art. 41 Prestar assistência de Enfermagem sem discriminação de qualquer natureza.
Art. 42 Respeitar o direito do exercício da autonomia da pessoa ou de seu representante legal na tomada de
decisão, livre e esclarecida, sobre sua saúde, segurança, tratamento, conforto, bem-estar, realizando ações
necessárias, de acordo com os princípios éticos e legais.
Parágrafo único. Respeitar as diretivas antecipadas da pessoa no que concerne às decisões sobre cuidados e
tratamentos que deseja ou não receber no momento em que estiver incapacitado de expressar, livre e
autonomamente, suas vontades.

19 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 43 Respeitar o pudor, a privacidade e a intimidade da pessoa, em todo seu ciclo vital e nas situações de
morte e pós-morte.
Art. 44 Prestar assistência de Enfermagem em condições que ofereçam segurança, mesmo em caso de
suspensão das atividades profissionais decorrentes de movimentos reivindicatórios da categoria.
Parágrafo único. Será respeitado o direito de greve e, nos casos de movimentos reivindicatórios da categoria,
deverão ser prestados os cuidados mínimos que garantam uma assistência segura, conforme a complexidade
do paciente.
Art. 45 Prestar assistência de Enfermagem livre de danos decorrentes de imperícia, negligência ou
imprudência.
Art. 46 Recusar-se a executar prescrição de Enfermagem e Médica na qual não constem assinatura e número
de registro do profissional prescritor, exceto em situação de urgência e emergência.
§ 1º O profissional de Enfermagem deverá recusar-se a executar prescrição de Enfermagem e Médica em caso
de identificação de erro e/ou ilegibilidade da mesma, devendo esclarecer com o prescritor ou outro
profissional, registrando no prontuário.
§ 2º É vedado ao profissional de Enfermagem o cumprimento de prescrição à distância, exceto em casos de
urgência e emergência e regulação, conforme Resolução vigente.
Art. 47 Posicionar-se contra, e denunciar aos órgãos competentes, ações e procedimentos de membros da
equipe de saúde, quando houver risco de danos decorrentes de imperícia, negligência e imprudência ao
paciente, visando a proteção da pessoa, família e coletividade.
Art. 48 Prestar assistência de Enfermagem promovendo a qualidade de vida à pessoa e família no processo do
nascer, viver, morrer e luto.
Parágrafo único. Nos casos de doenças graves incuráveis e terminais com risco iminente de morte, em
consonância com a equipe multiprofissional, oferecer todos os cuidados paliativos disponíveis para assegurar
o conforto físico, psíquico, social e espiritual, respeitada a vontade da pessoa ou de seu representante legal.

20 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 49 Disponibilizar assistência de Enfermagem à coletividade em casos de emergência, epidemia, catástrofe
e desastre, sem pleitear vantagens pessoais, quando convocado.
Art. 50 Assegurar a prática profissional mediante consentimento prévio do paciente, representante ou
responsável legal, ou decisão judicial.
Parágrafo único. Ficam resguardados os casos em que não haja capacidade de decisão por parte da pessoa, ou
na ausência do representante ou responsável legal.
Art. 51 Responsabilizar-se por falta cometida em suas atividades profissionais, independentemente de ter
sido praticada individual ou em equipe, por imperícia, imprudência ou negligência, desde que tenha
participação e/ou conhecimento prévio do fato.
Parágrafo único. Quando a falta for praticada em equipe, a responsabilidade será atribuída na medida do(s)
ato(s) praticado(s) individualmente.
Art. 52 Manter sigilo sobre fato de que tenha conhecimento em razão da atividade profissional, exceto nos
casos previstos na legislação ou por determinação judicial, ou com o consentimento escrito da pessoa
envolvida ou de seu representante ou responsável legal.
§ 1º Permanece o dever mesmo quando o fato seja de conhecimento público e em caso de falecimento da
pessoa envolvida.
§ 2º O fato sigiloso deverá ser revelado em situações de ameaça à vida e à dignidade, na defesa própria ou em
atividade multiprofissional, quando necessário à prestação da assistência.
§ 3º O profissional de Enfermagem intimado como testemunha deverá comparecer perante a autoridade e, se
for o caso, declarar suas razões éticas para manutenção do sigilo profissional.
§ 4º É obrigatória a comunicação externa, para os órgãos de responsabilização criminal, independentemente
de autorização, de casos de violência contra: crianças e adolescentes; idosos; e pessoas incapacitadas ou sem
condições de firmar consentimento.
§ 5º A comunicação externa para os órgãos de responsabilização criminal em casos de violência doméstica e
familiar contra mulher adulta e capaz será devida, independentemente de autorização, em caso de risco à
comunidade ou à vítima, a juízo do profissional e com conhecimento prévio da vítima ou do seu responsável.

21 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 54 Estimular e apoiar a qualificação e o aperfeiçoamento técnico-científico, ético-
político, socioeducativo e cultural dos profissionais de Enfermagem sob sua supervisão e
coordenação.
Art. 55 Aprimorar os conhecimentos técnico-científicos, ético-políticos, socioeducativos e
culturais, em benefício da pessoa, família e coletividade e do desenvolvimento da
profissão.
Art. 56 Estimular, apoiar, colaborar e promover o desenvolvimento de atividades de ensino,
pesquisa e extensão, devidamente aprovados nas instâncias deliberativas.
Art. 57 Cumprir a legislação vigente para a pesquisa envolvendo seres humanos.
Art. 58 Respeitar os princípios éticos e os direitos autorais no processo de pesquisa, em
todas as etapas.
Art. 59 Somente aceitar encargos ou atribuições quando se julgar técnica, científica e
legalmente apto para o desempenho seguro para si e para outrem.
Art. 60 Respeitar, no exercício da profissão, a legislação vigente relativa à preservação do
meio ambiente no gerenciamento de resíduos de serviços de saúde.

22 Professor Msc. Carlos Alberto


RESOLUÇÃO COFEN Nº 564/2017
DAS PROIBIÇÕES DO PROFISSIONAL DE
ENFERMAGEM: Art 61 ao Art 102 (42 Artigos)

23 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 61 Executar e/ou determinar atos contrários ao Código de Ética e à legislação que disciplina o
exercício da Enfermagem.
Art. 62 Executar atividades que não sejam de sua competência técnica, científica, ética e legal ou
que não ofereçam segurança ao profissional, à pessoa, à família e à coletividade.
Art. 63 Colaborar ou acumpliciar-se com pessoas físicas ou jurídicas que desrespeitem a legislação
e princípios que disciplinam o exercício profissional de Enfermagem.
Art. 64 Provocar, cooperar, ser conivente ou omisso diante de qualquer forma ou tipo de violência
contra a pessoa, família e coletividade, quando no exercício da profissão.
Art. 65 Aceitar cargo, função ou emprego vago em decorrência de fatos que envolvam recusa ou
demissão motivada pela necessidade do profissional em cumprir o presente código e a legislação
do exercício profissional; bem como pleitear cargo, função ou emprego ocupado por colega,
utilizando-se de concorrência desleal.
Art. 66 Permitir que seu nome conste no quadro de pessoal de qualquer instituição ou
estabelecimento congênere, quando, nestas, não exercer funções de enfermagem estabelecidas na
legislação.
Art. 67 Receber vantagens de instituição, empresa, pessoa, família e coletividade, além do que lhe
é devido, como forma de garantir assistência de Enfermagem diferenciada ou benefícios de
qualquer natureza para si ou para outrem.
Art. 68 Valer-se, quando no exercício da profissão, de mecanismos de coação, omissão ou suborno,
com pessoas físicas ou jurídicas, para conseguir qualquer tipo de vantagem.
Art. 69 Utilizar o poder que lhe confere a posição ou cargo, para impor ou induzir ordens, opiniões,
ideologias políticas ou qualquer tipo de conceito ou preconceito que atentem contra a dignidade da
pessoa humana, bem como dificultar o exercício profissional.
Art. 70 Utilizar dos conhecimentos de enfermagem para praticar atos tipificados como crime ou
contravenção penal, tanto em ambientes onde exerça a profissão, quanto naqueles em que não a
exerça, ou qualquer ato que infrinja os postulados éticos e legais.

24 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 71 Promover ou ser conivente com injúria, calúnia e difamação de pessoa e família, membros das equipes de
Enfermagem e de saúde, organizações da Enfermagem, trabalhadores de outras áreas e instituições em que
exerce sua atividade profissional.
Art. 72 Praticar ou ser conivente com crime, contravenção penal ou qualquer outro ato que infrinja postulados
éticos e legais, no exercício profissional.
Art. 73 Provocar aborto, ou cooperar em prática destinada a interromper a gestação, exceto nos casos permitidos
pela legislação vigente.
Parágrafo único. Nos casos permitidos pela legislação, o profissional deverá decidir de acordo com a sua
consciência sobre sua participação, desde que seja garantida a continuidade da assistência.
Art. 74 Promover ou participar de prática destinada a antecipar a morte da pessoa.
Art. 75 Praticar ato cirúrgico, exceto nas situações de emergência ou naquelas expressamente autorizadas na
legislação, desde que possua competência técnica-científica necessária.
Art. 76 Negar assistência de enfermagem em situações de urgência, emergência, epidemia, desastre e catástrofe,
desde que não ofereça risco a integridade física do profissional.
Art. 77 Executar procedimentos ou participar da assistência à saúde sem o consentimento formal da pessoa ou
de seu representante ou responsável legal, exceto em iminente risco de morte.
Art. 78 Administrar medicamentos sem conhecer indicação, ação da droga, via de administração e potenciais
riscos, respeitados os graus de formação do profissional.
Art. 79 Prescrever medicamentos que não estejam estabelecidos em programas de saúde pública e/ou em rotina
aprovada em instituição de saúde, exceto em situações de emergência.
Art. 80 Executar prescrições e procedimentos de qualquer natureza que comprometam a segurança da pessoa.
Art. 81 Prestar serviços que, por sua natureza, competem a outro profissional, exceto em caso de emergência, ou
que estiverem expressamente autorizados na legislação vigente.
Art. 82 Colaborar, direta ou indiretamente, com outros profissionais de saúde ou áreas vinculadas, no
descumprimento da legislação referente aos transplantes de órgãos, tecidos, esterilização humana, reprodução
assistida ou manipulação genética.

25 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 83 Praticar, individual ou coletivamente, quando no exercício profissional, assédio moral, sexual ou de
qualquer natureza, contra pessoa, família, coletividade ou qualquer membro da equipe de saúde, seja por meio
de atos ou expressões que tenham por consequência atingir a dignidade ou criar condições humilhantes e
constrangedoras.
Art. 84 Anunciar formação profissional, qualificação e título que não possa comprovar.
Art. 85 Realizar ou facilitar ações que causem prejuízo ao patrimônio das organizações da categoria.
Art. 86 Produzir, inserir ou divulgar informação inverídica ou de conteúdo duvidoso sobre assunto de sua área
profissional.
Parágrafo único. Fazer referência a casos, situações ou fatos, e inserir imagens que possam identificar pessoas ou
instituições sem prévia autorização, em qualquer meio de comunicação.
Art. 87 Registrar informações incompletas, imprecisas ou inverídicas sobre a assistência de Enfermagem prestada
à pessoa, família ou coletividade.
Art. 88 Registrar e assinar as ações de Enfermagem que não executou, bem como permitir que suas ações sejam
assinadas por outro profissional.
Art. 89 Disponibilizar o acesso a informações e documentos a terceiros que não estão diretamente envolvidos na
prestação da assistência de saúde ao paciente, exceto quando autorizado pelo paciente, representante legal ou
responsável legal, por determinação judicial.
Art. 90 Negar, omitir informações ou emitir falsas declarações sobre o exercício profissional quando solicitado
pelo Conselho Regional de Enfermagem e/ou Comissão de Ética de Enfermagem.
Art. 91 Delegar atividades privativas do(a) Enfermeiro(a) a outro membro da equipe de Enfermagem, exceto nos
casos de emergência.
Parágrafo único. Fica proibido delegar atividades privativas a outros membros da equipe de saúde.
Art. 92 Delegar atribuições dos(as) profissionais de enfermagem, previstas na legislação, para acompanhantes
e/ou responsáveis pelo paciente.
Parágrafo único. O dispositivo no caput não se aplica nos casos da atenção domiciliar para o autocuidado
apoiado.

26 Professor Msc. Carlos Alberto


Art. 93 Eximir-se da responsabilidade legal da assistência prestada aos pacientes sob seus cuidados
realizados por alunos e/ou estagiários sob sua supervisão e/ou orientação.
Art. 94 Apropriar-se de dinheiro, valor, bem móvel ou imóvel, público ou particular, que esteja sob sua
responsabilidade em razão do cargo ou do exercício profissional, bem como desviá-lo em proveito próprio
ou de outrem.
Art. 95 Realizar ou participar de atividades de ensino, pesquisa e extensão, em que os direitos inalienáveis
da pessoa, família e coletividade sejam desrespeitados ou ofereçam quaisquer tipos de riscos ou danos
previsíveis aos envolvidos.
Art. 96 Sobrepor o interesse da ciência ao interesse e segurança da pessoa, família e coletividade.
Art. 97 Falsificar ou manipular resultados de pesquisa, bem como usá-los para fins diferentes dos
objetivos previamente estabelecidos.
Art. 98 Publicar resultados de pesquisas que identifiquem o participante do estudo e/ou instituição
envolvida, sem a autorização prévia.
Art. 99 Divulgar ou publicar, em seu nome, produção técnico-científica ou instrumento de organização
formal do qual não tenha participado ou omitir nomes de coautores e colaboradores.
Art. 100 Utilizar dados, informações, ou opiniões ainda não publicadas, sem referência do autor ou sem a
sua autorização.
Art. 101 Apropriar-se ou utilizar produções técnico-científicas, das quais tenha ou não participado como
autor, sem concordância ou concessão dos demais partícipes.
Art. 102 Aproveitar-se de posição hierárquica para fazer constar seu nome como autor ou coautor em
obra técnico-científica.

27 Professor Msc. Carlos Alberto