Você está na página 1de 27
Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Milena Alexandre dos Santos Baesso

(Mestranda em Engenharia Elétrica)

Novembro/2004

M. Baesso

Agenda Agenda • Ciclo de Vida de um Sistema • A Fase de Análise •

AgendaAgenda

• Ciclo de Vida de um Sistema

• A Fase de Análise

• Análise Orientada à Objetos

• Diagramas UML

• Diagrama de Caso de Uso

• Diagrama de Sequência

• Referência

Novembro/2004

M. Baesso

Análise e Especificação de Requisitos Novembro/2004 Ciclo Ciclo de de Vida Vida Clássico Clássico Projeto

Análise e Especificação de Requisitos

Novembro/2004

CicloCiclo dede VidaVida ClássicoClássico

Projeto

Implementação e Teste Unitário

Integração e Teste do Sistema

Operação e Manutenção

M. Baesso

Fase Fase de de Análise Análise • Identificar objetivos e metas a ser atingidos; •

FaseFase dede AnáliseAnálise

• Identificar objetivos e metas a ser atingidos;

• Identificar restrições que devem ser respeitadas;

• Especificar quais os requisitos que o produto de software deverá possuir;

• Não especificar como os requisitos do produto de software serão obtidos;

• Resultado é um documento de especificação de requisitos

Novembro/2004

M. Baesso

Fase Fase de de Análise Análise • O documento de especificação de requisitos deve conter:

FaseFase dede AnáliseAnálise

• O documento de especificação de requisitos deve conter:

– Requisitos Funcionais;

– Requisitos Não-Funcionais;

– Requisitos Funcionais; – Requisitos Não-Funcionais; – Requisitos de Desenvolvimento e Manutenção; Descrevem

– Requisitos de Desenvolvimento e Manutenção;

Descrevem o que o produto de software faz, usando notações informais, semiformais, formais ou uma combinação delas.

Novembro/2004

M. Baesso

Fase Fase de de Análise Análise • O documento de especificação de requisitos deve conter:

FaseFase dede AnáliseAnálise

• O documento de especificação de requisitos deve conter:

– Requisitos Funcionais;

– Requisitos Não-Funcionais;

– Requisitos de Desenvolvimento e Manutenção;

– Requisitos de Desenvolvimento e Manutenção; Podem ser classificados nas categorias confiabilidade,
– Requisitos de Desenvolvimento e Manutenção; Podem ser classificados nas categorias confiabilidade,

Podem ser classificados nas categorias confiabilidade, acurácia dos resultados, desempenho, problemas de interface homem- computador, restrições físicas e operacionais, questões de portabilidade, etc.

Novembro/2004

M. Baesso

Fase Fase de de Análise Análise • O documento de especificação de requisitos deve conter:

FaseFase dede AnáliseAnálise

• O documento de especificação de requisitos deve conter:

– Requisitos Funcionais;

– Requisitos Não-Funcionais;

– Requisitos de Desenvolvimento e Manutenção;

– Requisitos de Desenvolvimento e Manutenção; Incluem procedimentos de controle de qualidade –

Incluem procedimentos de controle de qualidade – particularmente procedimentos de teste do sistema -, prioridades das funções desejadas e outros.

Novembro/2004

M. Baesso

Análise Análise OO OO • Passos: – Identificar os objetos; – Identificar hierarquias; – Identificar

AnáliseAnálise OOOO

Passos:

– Identificar os objetos;

– Identificar hierarquias;

– Identificar atributos;

– Identificar hierarquias; – Identificar atributos; •O sistema precisa manter informações sobre o objeto?

•O sistema precisa manter informações sobre o objeto?

•O sistema precisa de serviços do objeto?

•O objeto possui mais de um atributo?

– Identificar associações;

– Definir serviços

Novembro/2004

M. Baesso

Análise Análise OO OO • Passos: – Identificar os objetos; – Identificar hierarquias; – Identificar

AnáliseAnálise OOOO

Passos:

– Identificar os objetos;

– Identificar hierarquias;

– Identificar atributos;

– Identificar associações;

Identificar atributos; – Identificar associações; – •Generalização/Especialização; •Composição;

•Generalização/Especialização;

•Composição;

•Agregação.

Definir serviços

Novembro/2004

M. Baesso

Análise Análise OO OO • Passos: – Identificar os objetos; – Identificar hierarquias; – Identificar

AnáliseAnálise OOOO

Passos:

– Identificar os objetos;

– Identificar hierarquias;

– Identificar atributos;

– Identificar associações;

– Definir serviços

– Identificar associações; – Definir serviços •Substantivos qualificativos •Adjetivos indicam valores

•Substantivos qualificativos •Adjetivos indicam valores de atributos

Novembro/2004

M. Baesso

Análise Análise OO OO • Passos: – Identificar os objetos; – Identificar hierarquias; – Identificar

AnáliseAnálise OOOO

Passos:

– Identificar os objetos;

– Identificar hierarquias;

– Identificar atributos;

– Identificar associações;

– Definir serviços

– Identificar associações; – Definir serviços •Relacionamentos entre objetos; •Verbos ou expressões

•Relacionamentos entre objetos; •Verbos ou expressões verbais no enunciado do problema.

Novembro/2004

M. Baesso

Análise Análise OO OO • Passos: – Identificar os objetos; – Identificar hierarquias; – Identificar

AnáliseAnálise OOOO

Passos:

– Identificar os objetos;

– Identificar hierarquias;

– Identificar atributos;

– Identificar associações;

– Definir serviços

– Identificar associações; – Definir serviços •Responsabilidades do objeto; •Podem ser identificados

•Responsabilidades do objeto; •Podem ser identificados através de casos de uso

Novembro/2004

M. Baesso

Diagramas Diagramas UML UML • A UML – Unified Modeling Language – é uma linguagem

DiagramasDiagramas UMLUML

• A UML Unified Modeling Language é uma linguagem que

pode ser utilizada para especificar, visualizar, construir e documentar sistemas, através de modelos.

• Os diagramas UML incluem elementos gráficos que ilustram uma parte ou aspecto particular do sistema.

• Um modelo do sistema possui vários tipos de diagramas para descrevê-lo.

Novembro/2004

M. Baesso

Diagramas Diagramas UML UML • Modelos suportados pela UML: – Estáticos; – Dinâmicos; – F

DiagramasDiagramas UMLUML

• Modelos suportados pela UML:

– Estáticos;

– Dinâmicos;

Funcional

Estáticos; – Dinâmicos; – F u n c i o n a l •Diagrama de Classes;

•Diagrama de Classes; •Diagrama de Objetos; •Diagrama de Casos de Uso

Novembro/2004

M. Baesso

Diagramas Diagramas UML UML • Modelos suportados pela UML: – Estáticos; – Dinâmicos; – Funcional

DiagramasDiagramas UMLUML

• Modelos suportados pela UML:

– Estáticos;

– Dinâmicos;

– Funcional

pela UML: – Estáticos; – Dinâmicos; – Funcional •Diagrama de Estado •Diagrama de Sequência

•Diagrama de Estado •Diagrama de Sequência •Diagrama de Colaboração •Diagrama de Atividade

Novembro/2004

M. Baesso

Diagramas Diagramas UML UML • Modelos suportados pela UML: – Estáticos; – Dinâmicos; – Funcional

DiagramasDiagramas UMLUML

• Modelos suportados pela UML:

– Estáticos;

– Dinâmicos;

– Funcional

pela UML: – Estáticos; – Dinâmicos; – Funcional •Diagrama de Componente •Diagrama de Execução

•Diagrama de Componente •Diagrama de Execução

Novembro/2004

M. Baesso

Diagrama Diagrama de de Caso Caso de de Uso Uso • É uma forma do

DiagramaDiagrama dede CasoCaso dede UsoUso

• É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema;

• Permite:

– Que clientes e usuários validem o sistema;

– Que os desenvolvedores construam o que é esperado.

• Componentes:

– Atores;

– Casos de Uso.

Novembro/2004

M. Baesso

Diagrama Diagrama de de Caso Caso de de Uso Uso • Atores são papéis de

DiagramaDiagrama dede CasoCaso dede UsoUso

• Atores são papéis de elementos externos ao sistema e que interagem diretamente com o sistema.

• Exemplo de atores:

– Cliente;

– Secretária;

– Sistema de Vendas (desde que não seja o sistema em desenvolvimento)

– Glicosímetro (conectado ao computador por um cabo)

Novembro/2004

M. Baesso

Diagrama Diagrama de de Caso Caso de de Uso Uso • Casos de Uso são

DiagramaDiagrama dede CasoCaso dede UsoUso

• Casos de Uso são funcionalidades que o sistema realiza e que fornece um benefício a um ator específico;

• Características:

– Sempre iniciados por um ator;

– Sempre retornam um resultado ao ator;

– Especifica uma funcionalidade completa

Novembro/2004

M. Baesso

Diagrama Diagrama de de Caso Caso de de Uso Uso • Notação: Ator interação Caso

DiagramaDiagrama dede CasoCaso dede UsoUso

• Notação:

Diagrama Diagrama de de Caso Caso de de Uso Uso • Notação: Ator interação Caso de

Ator

interação

Diagrama Diagrama de de Caso Caso de de Uso Uso • Notação: Ator interação Caso de

Caso de Uso

Novembro/2004

M. Baesso

Diagrama Diagrama de de Caso Caso de de Uso Uso • Cada caso de uso

DiagramaDiagrama dede CasoCaso dede UsoUso

• Cada caso de uso do diagrama deve ser detalhado na especificação de casos de uso;

• Exemplo - Diagrama:

Efetuar Login Imprimir Secretária Gerente Relatório Cadastrar Material Novembro/2004 M. Baesso
Efetuar Login
Imprimir
Secretária
Gerente
Relatório
Cadastrar
Material
Novembro/2004
M. Baesso
Diagrama Diagrama de de Caso Caso de de Uso Uso • Exemplo – Especificação do

DiagramaDiagrama dede CasoCaso dede UsoUso

• Exemplo – Especificação do Caso de Uso Efetuar Login:

Cenário Normal

• O sistema apresenta a tela de login

• O usuário digita seu username

• O usuário digita sua senha

• O sistema verifica as informações de login

• O sistema apresenta a tela inicial da aplicação

Cenário de Exceção - A partir do passo 4

• O sistema verifica que a senha e/ou username estão incorretos

• O sistema mostra mensagem de erro

• O usuário re-digita o username e a senha

Novembro/2004

M. Baesso

Diagrama Diagrama de de Sequência Sequência • Apresenta a colaboração dinâmica entre os vários objetos

DiagramaDiagrama dede SequênciaSequência

• Apresenta a colaboração dinâmica entre os vários objetos de um sistema;

• Através deste diagrama é possível perceber a sequência de mensagens enviadas entre os objetos;

• Mostra o que ocorre em pontos específicos da execução do sistema;

• Apresenta as interações entre atores e sistema.

Novembro/2004

M. Baesso

Diagrama Diagrama de de Sequência Sequência • Notação: O b j e t o Ator

DiagramaDiagrama dede SequênciaSequência

• Notação:

Diagrama de de Sequência Sequência • Notação: O b j e t o Ator Mensagens Tempo

Objeto

Diagrama de de Sequência Sequência • Notação: O b j e t o Ator Mensagens Tempo

Ator

Diagrama de de Sequência Sequência • Notação: O b j e t o Ator Mensagens Tempo
Diagrama de de Sequência Sequência • Notação: O b j e t o Ator Mensagens Tempo

Mensagens

Tempo

Novembro/2004

M. Baesso

Diagrama Diagrama de de Sequência Sequência • Exemplo – Cenário Normal do Caso de Uso

DiagramaDiagrama dede SequênciaSequência

• Exemplo – Cenário Normal do Caso de Uso Efetuar Login:

Novembro/2004

Cenário Normal do Caso de Uso Efetuar Login: Novembro/2004 Usuário Interface Usuários do Sistema Informar username

Usuário

Interface

Usuários do Sistema

Informar username e senha Verificar Acesso Permissão de Acesso Apresenta Tela Inicial
Informar username e senha
Verificar Acesso
Permissão de Acesso
Apresenta Tela Inicial

Validar

M. Baesso

Diagrama Diagrama de de Sequência Sequência Sistema da VideoLocadora Cliente Atendente Gerente Comunicar extravio

DiagramaDiagrama dede SequênciaSequência

Diagrama Diagrama de de Sequência Sequência Sistema da VideoLocadora Cliente Atendente Gerente Comunicar extravio

Sistema da VideoLocadora

Cliente Atendente Gerente Comunicar extravio de fita Solicitar registro de aluguel Buscar aluguel Retornar registro
Cliente
Atendente
Gerente
Comunicar extravio de fita
Solicitar registro de aluguel
Buscar aluguel
Retornar registro de aluguel
Solicitar conversa com gerente
Falar com Gerente
Solicitar registro da fita
Buscar fita
Retornar registro da fita
Negociar Multa
Pagar Multa
Novembro/2004
M. Baesso
Referências Referências • Pressman, Roger S. (2001) “Software Engineering: A practictioner’s approach”, 5th ed.

ReferênciasReferências

• Pressman, Roger S. (2001) “Software Engineering: A practictioner’s approach”, 5th ed. McGraw-Hill, ISBN 0-07-365578-3.

• Carvalho, Ariadne M. B. Rizzoni; Chiossi, Thelma C. S. "Introdução à Engenharia de Software", Campinas, SP; Editora da Unicamp, (2001).

• Martins, E. “Modelos OO”, Notas de Curso (2001)

• Fowler, M. “UML Distilled”, Addison-Wesley,1997.

• Sommerville, I. “Software Engineering”, 5ª Edição, 1995.

• Sommerville, I. “Software Engineering”, 5ª Edição, 1995. Novembro/2004 Dúvidas Dúvidas ? ? M. Baesso

Novembro/2004

DúvidasDúvidas??

M. Baesso