Você está na página 1de 56

I n t ro d u çã o à Ca rt o g ra fia Te m á t ica

ENGENHARIA CARTOGRÁFICA E DE AGRIMENSURA

CARTOGRAFI A I I
Cartografia Tem ática
(m aterial de uso interno)

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira


Prof.ª Mayara Cobacho Ortega Caldeira

2018
O q u e é Ca r t o g r a fia ?
CARTOGRAFIA DE BAS E CARTOGRAFIA TEMÁTICA

SISTEMÁTICA AS S IS TEMÁTICA
(baseadas em normas técnicas) ( b a s e a d a s e m n o rm a s m e t o d oló g ica s )

BAS E CIENTÍFICA BAS E CIENTÍFICA


 Te oria d a in form a çã o e
 Geodésia (sistema de referência com u n ica çã o vis u a l
 S e m iologia grá fica
e projeções);  Me t odologia d e re p re s e n ta çã o
g rá fica
 Topografia;  Es t a t ís t ica
 S e n s oria m e n to Re m ot o
 Aerofotogrametria; e (cla s s ifica çã o )
 Sensoriamento Remoto.  Ps icologia d a Pe rce pçã o
( Ge s t a lt) , Cogn içã o e At e n çã o

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO
 Arte s grá fica s (ge ra çã o da im a ge m física )
 Té cn ica s a ss istida s por Com pu ta dor (a plica tivos
CAD e SIG)
 Re produ çã o digita l – Im press ora s e
plotte rs m a tricia l e ve toria l)

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
O q u e é Ca r t o g r a fia ?

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Ca t e g o r ia s d a a t iv id a d e ca r t o g r á fica

Cla s s ifica çã o d o s t ip o s d e m a p a s :

TIPOS DE MAPAS
*Tangível = impresso

Mental Tangível* Virtual

Referência Temático Animado / Interativo Áudio-Dinâmico Tátil

Qualitativo Quantitativo Obs.: Combinações de diferentes


mapas podem ser feitas usando os
recursos tecnológicos.

Fonte: Dent et al. (2009 );


Univariado Multivariado MacEachren (1995)

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Ca t e g o r ia s d a a t iv id a d e ca r t o g r á fica

Ca rt og ra fia d e Ba s e ( Re fe rê n cia )

 Na Cartografia de Base (ou Cartografia de Referência ou Cartografia de


Propósito Geral), a ênfase está na localização (x, y) do fenômeno geográfico.
 O propósito é mostrar uma variedade de feições da Terra ou de uma parte dela,
bem como onde ela se encontra.
Questões: O q u e ? On d e ?
y
Ma p a s :

 Cartas Topográficas
Cid a d e
 Mapas Geográficos
 Guia de referência (quadriculado)

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Ca t e g o r ia s d a a t iv id a d e ca r t o g r á fica

Cartografia de Base (Referência)

Ca rt a To p o g rá fica

Ma p a g e o g rá fico

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Ca t e g o r ia s d a a t iv id a d e ca r t o g r á fica

Ca rt og ra fia Te m á t ica

 Na Cartografia Temática (ou Cartografia de Propósito Especial) a ênfase está na


distribuição geográfica de um tema específico (z).

Questões: O q u e ? On d e ?
• Em que ordem?
y • Quanto?

S e d e re g io n a l
Ma p a s :

Ma p a s t e m á t ico s

At la s t e m á t ico s
x

Exemplo de ordem: ocupação dos territórios agrícolas ao longo do tempo.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Ca r t o g r a fia Te m á t ica

Definição de Cartografia Temática:

 Parte da cartografia que se ocupa em representar, a partir das bases


cartográficas existentes, os fenômenos qualitativos, ordenados ou quantitativos,
concretos ou abstratos, observados ou medidos em seu espaço geográfico,
transformados em grafismos específicos, oriundos de metodologia voltada para o
tratamento da informação espacial (DENT et al., 2009);
 Quanto ao nível de medida as representações cartográficas são
classificadas em:
 Qualitativas;
 Quantitativas;
 Ordenadas

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Re p r e s e n t a çõ e s Qu a lit a t iv a s

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Re p r e s e n t a çõ e s Qu a lit a t iv a s

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Re p r e s e n t a çõ e s Qu a lit a t iv a s

Mapa de Uso da Terra: Plano Diretor de Nashua (2000)

Co m a n d o m ilit a r n o s e s t a d o s d o Br a s il

http://large.stanford.edu/publications/coal/references/west /

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Re p r e s e n t a çõ e s Qu a ntitativas

Mapa quantitativo intervalar. Mapa quantitativo de figuras geométricas proporcionais.


Fonte: http://personal.frostburg.edu/mtmaier0/maps.htm). Fonte: http://personal.frostburg.edu/mtmaier0/maps.htm).

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Re p r e s e n t a çõ e s Ordenadas
 Exemplo: Na legenda a ordem vai do mais baixo para o mais alto, ou vice-versa
(legenda sem o uso de números, somente textos – embora a classificação possa ser
determinada a partir de números).

Caracterização das áreas de risco para raiva


humana.
Minas Gerais – Brasil, 1991 - 1999

Exemplo de representação ordenada.


Fonte: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2003000100010).

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Re p r e s e n t a çõ e s Ordenadas

 Exemplo: Mapa de intensidade de fluxo, sem indicação da magnitude do


fenômeno.
 Exemplo: Variação no brilho da cor, variação de matiz, variação de saturação da
cor, etc.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Cartografia Temática

Mapa Temático e Classes

 Um mapa temático é elaborado com o objetivo de informar a


ocorrência de uma variável em uma determinada região e
revelar sua organização espacial, ou seja, revelar padrões
espaciais.

Onde? Ocorre o quê?, Em que ordem?, Quanto?

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Cartografia Temática

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Cartografia Temática

Mapa Temático e suas subdivisões

A cartografia temática pode ser dividida quanto à


complexidade da informação contida no mapeamento, em
três classes: inventário, analítica, síntese (MENEZES,
1996b).

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Classes da Cartografia Temática

Ca rt og ra fia d e In ve n t á rio
 Este tipo de mapa apresenta a distribuição espacial ou localização de
determinadas características da região mapeada. Também são chamados de
mapas nominais (mapas qualitativos). No mapa de inventário não se pode
determinar quantidades, tampouco ordem hierárquica de classes, já que não
existe qualquer valor numérico associado às diferentes categorias (CRUZ; PINA,
1999).
Exemplos desse tipo de mapeamento são:  Geológicos;
 Uso da terra;
 Vegetação;
 Indústria;
 Turístico e
outros.
Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II
Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Classes da Cartografia Temática

Cartografia Analítica

 É eminentemente quantitativa. Os mapas quantitativos apresentam espacialmente


dados numéricos, focalizando a distribuição de uma determinada variável (CRUZ;
PINA, 1999).
 Classifica, ordena e hierarquiza os fenômenos a representar, podendo ser ordinal
(mapa com diferentes níveis de impacto ambiental), intervalar (mapa hipsométrico) ou
razões (mapa de densidade populacional) (MENEZES, 1996b).

Exemplos de mapas quantitativos:


 Precipitação,
 Temperatura,
 População por setores censitários
ou administrativos, e outros.
Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II
Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Classes da Cartografia Temática

Cartografia de Síntese

 A Cartografia de Síntese é a mais complexa e a mais


elaborada de todas. É também integrativa, exigindo, assim,
um profundo conhecimento técnico dos assuntos a serem
mapeados (MENEZES, 1996b).

 Os Fenômenos, feições, fatos ou acontecimentos interligam-se através


da distribuição espacial. Com isso, permite-se o desenvolvimento de
estudos conclusivos sobre a integração e interligação das inúmeras
variáveis.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Classes da Cartografia Temática

Cartografia de Síntese

 Exemplos de Cartografia de Síntese é a obtenção de um mapa de


suscetibilidade a doenças em uma determinada área, obtida por
meio do cruzamento de informações, tais como: saneamento
urbano, uso do solo, classe social, escolaridade, proximidade de
focos de doenças e atendimento médico  usa ferramentas de SIG
(Sistema de Informação Geográfica)

 Potencial agrícola
 Erodibilidade potencial dos solos
 Alocação de áreas para aterro sanitário
Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II
Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapeamento Quantitativo

MAPA DE
REFERÊNCIA

MAPA TEMÁTICO

1. Ma p a d e S ím b olo s Prop o rcion a is


2. Ma p a d e Po n t o s d e Co n t a g e m
3. Ma p a Coro p lé t ico
4. Ma p a Is a rít m ico
5. Ma p a d e Flu xo

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapas de Símbolos Proporcionais

 Mostra valores absolutos que é possível contar, a partir das


figuras.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapas de Pontos de Contagem

 Mostra concentrações e dispersões.

Fonte: http://gothos.info/tag/united-states/

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapas de Pontos de Contagem

 Mostra concentrações e dispersões.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapa Coroplético

 Revela padrões espaciais, tendências – do menor para o maior.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapa Coroplético

 Revela padrões espaciais abaixo e acima de uma média.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapa Coroplético

 Revela padrões espaciais ao longo do tempo - tendências.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapa Isarítmico

 Utiliza métodos de interpolação para mostrar relevo, temperatura, etc.


 As isolinhas (linhas de mesmo valor, temperatura por exemplo) não dependem das
divisões político-administrativas..

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapa Isarítmico

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapa de Fluxo

 Revela a magnitude do fluxo de um fenômeno.

Exportação de carros Japoneses, Janeiro de 2010

http://www.d.umn.edu/~fiel0191/Flow%20map.pdf

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapa de Fluxo

 Revela a magnitude do fluxo de um fenômeno.

http://directorblue.blogspot.com.br/2013/12/disgusting-and-outrageous-criminality.html

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Mapa de Fluxo

 Revela a magnitude do fluxo de um fenômeno.

Fonte: http://ops.fhwa.dot.gov/freight/freight_analysis/faf/faf2_reports/reports7/c5_assign.htm, 2013

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
… in d o a lé m : Ca r t o g r a fia Mu lt im íd ia

 Globo digital em uma tela esférica – ensino-aprendizagem.

Fonte: http://www.nytimes.com/2013/01/08/science/digital-globes-a-new-way-to-view-the-world.html?_r=1

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
… in d o a lé m : Ca r t o g r a fia Mu lt im íd ia
 Globo digital em uma tela esférica – ensino-aprendizagem.

Fonte: http://www.sos.noaa.gov/What_is_SOS/index.html
Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II
Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
… in d o a lé m : Ca r t o g r a fia Mu lt im íd ia
 Globo digital em uma esfera luminosa usando diversos projetores –
para mostrar eventos na Terra, Lua, etc., usando animação e
interatividade.

Fonte: http:/ / www.nytimes.com/ 2013/ 01/ 08/science/ digital-globes-a-new-way-to-view-the-world.html?_r=1

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
… in d o a lé m : Ca r t o g r a fia Mu lt im íd ia

 Mapa áudio dinâmico que mostra a movimentação do dióxido de carbono


sobre a superfície terrestre ao longo do ano de 2006.

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=x1SgmFa0r04&feature=player_embedded

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
… in d o a lé m : Ca r t o g r a fia Mu lt im íd ia

 Ficção científica x realidade: mapa áudio-dinâmico com projeção no


parabrisa do automóvel.

Fonte: Capitão América – O Soldado Invernal

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
… in d o a lé m : Ca r t o g r a fia Mu lt im íd ia

 Ficção científica x realidade: mapa em papel eletrônico.

Fonte: Missão Babilônia

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Para que serve a
cartografia/carta?

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Usuário

Entendimento
interpretação

MAPA =
INFORMAÇÃO

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
História

 Os produtos cartográficos (mapas, globos, croquis, etc) ao longo de sua


história passaram a ser utilizados para diversos fins, seja para o planejamento
dos gestores territoriais, seja para o conhecimento da superfície terrestre
para as diversas disciplinas de ensino.

 Desta forma, o mapa é uma construção humana de simplificação do espaço


real e, como uma ferramenta de comunicação, possui modos de transmitir as
mensagens/informações que devem ser entendidas por seus elaboradores e
leitores.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
História

 O avanço das técnicas cartográficas e por meio do uso de recursos


modernos possibilitaram o Homem a ocupar os diversos lugares da Terra,
criando cidades, estados, e outros fenômenos e objetos.

 A representação espacial passou a ganhar formas mais precisas por


meio de representações cartográficas mais próximas do real.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
História

 A partir de convenções internacionais – principalmente nos últimos


séculos, as representações simbólicas foram aperfeiçoadas.

 Com o surgimento das fotografias aéreas e posteriormente, com o


desenvolvimento de imagens de sensores remotos embarcados em
satélites o espaço foi mais bem explorado.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
História

Atualmente, a Cartografia pode contar com valiosos recursos como,


aerofotos, imagens orbitais, sistemas de posicionamento por satélites,
programas e computadores, que além de facilitar as atividades
cartográficas, também possibilitam a rápida disponibilização das
informações coletadas, assim como a sua mais eficiente atualização.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
História

Leitor da Mapa/Carta
Elaborador da Mapa/Carta

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Linguagem Cartográfica

 As características físicas, biológicas, econômicas, sociais,


culturais, políticas e outras que podem definir os diferentes
atributos existentes em um determinado espaço, podem ser
expressas através de uma Linguagem Cartográfica.
 De acordo com a escala da representação, que envolve o grau
ou nível de detalhamento com que se pretende abordar um
determinado assunto (ou tema) e suas características, a
representação no mapa será de três maneiras: em forma de ponto,
de linha ou de área.
Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II
Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Linguagem Cartográfica
Ponto
 O ponto é a primitiva gráfica básica para o desenho de
qualquer mapa. De acordo com a Geometria, o ponto resulta da
intersecção de duas linhas. Na Cartografia, é o cruzamento de um par
de coordenadas (x, y) sobre uma folha de papel materializando
espacialmente a sua localização.

 Na Cartografia, o ponto pode assumir outras configurações sendo


implantado, por exemplo, com variações de tamanho, forma, cor,
tonalidade, de acordo com as necessidades do tema que representa.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Linguagem Cartográfica
Ponto

 Na figura podemos ver diversas modalidades de implantação


pontuais elaboradas a partir de figuras geométricas básicas planas e de
figuras pictóricas.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Linguagem Cartográfica
Ponto
 São representados com pontos, fenômenos ou ocorrências espaciais
que podem ser ou estar associadas a um lugar, ou seja, a ocorrências
cuja identificação pode ser feita com um ponto.
 Nas escalas grandes como em plantas residenciais, o ponto
aproxima-se mais da realidade.
 Nas escalas pequenas como nos mapas do Brasil, ou do mundo, o
ponto é mais simbólico e muitas vezes é usado para representar apenas
a localização de grandes cidades, que, como sabemos, ocupam áreas, às
vezes, bem extensas.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Linguagem Cartográfica
Linha
 Derivada do ponto, a linha é a primitiva gráfica utilizada obviamente para
representar ocorrências espaciais que se distribuem linearmente, como
rios, rodovias e ferrovias, fronteiras territoriais ou limites políticos e
todos os fluxos que indicam descolamentos qualitativos ou quantitativos
de pessoas, bens, ideias e informações.

 Assim como o ponto, a forma de implantação linear serve tanto para


representar ocorrências espaciais oriundas do meio físico/natural, como as
curvas de nível e a hidrografia, quanto para ocorrências relativas ao quadro
humano/social.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Linguagem Cartográfica
Linha
 A figura mostra exemplos de implantação linear que, como no
caso do ponto, podem assumir formas, tamanhos (espessuras) cores,
tonalidades e orientações, variações utilizadas, quando necessário,
como possibilidades de enriquecimento da linguagem cartográfica.

 Além disso, para ampliar a capacidade de representação dos mapas,


as linhas podem ser contínuas, descontínuas, simples, duplas.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Linguagem Cartográfica
Área/Zona
 Os símbolos utilizados para representar áreas são formados por figuras
geométricas regulares, ou por polígonos de formas irregulares resultantes do
fechamento das linhas circundantes de um determinado espaço cuja extensão
pode ser visualizada de acordo com a escala do mapa.

 Em geral, os símbolos areais são usados para representar unidades do


relevo, bacias hidrográficas, formações vegetais, cidades, densidades, taxas,
índices e todas as temáticas cujos conteúdos possam ser mostrados com o
preenchimento de áreas.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Linguagem Cartográfica
Área/Zona

 São utilizadas cores, tonalidades, ou tramas de hachuras formadas


por linhas e por pontos de distribuição regular.

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Linguagem Cartográfica

 As primitivas gráficas são muito importantes na composição da imagem


cartográfica.

 A natureza do tema determina a maneira como essas primitivas são


inseridas no mapa, havendo em cada mapa, quase sempre, o predomínio de
uma ou outra dessas formas de implantação.

 Por exemplo, nas áreas urbanas, os quarteirões são representados por


áreas, mas isso não impede o uso de pontos para assinalar nesses quarteirões
prédios como pontos comerciais ou linhas que indiquem um roteiro a ser
seguido na área interna da cidade.
Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II
Prof. Mayara C. Ortega Caldeira
Dúvidas??????

Próxima Aula – Comunicação Visual e


Comunicação Cartográfica

Prof. Carlos Rodrigo Tanajura Caldeira Cartografia II


Prof. Mayara C. Ortega Caldeira