Você está na página 1de 3

Bula Sanctissima Christi Voluntas,

de 26 de março de 1956.

Pio, Bispo, Servo dos Servos Ad Perpetuam Rei Memoriam A Ssma.


Vontade do Cristo, apontando aos seus apóstolos “as regiões lourejantes
para a messe”, estimulou-os a prosseguir, ajudados pela sua onipotência,
a salvação dos homens, e também a Nós compeliu a que cuidemos, de
modo constante e ininterrupto, das Igrejas, a fim de que os fiéis sejam
prodigamente enriquecidos de luxuriantes frutos de santidade.
Ratificamos, pois, de coração, o parecer do venerável irmão Armando
Lombardi Arc. Tit. De Cesárea de Filipe e Núncio Apostólico do Brasil, que,
depois de ter ouvido os Ordinários responsáveis pela Província Eclesiástica
de Goiás, rogou a esta Sé Romana que a referida Província, para facilitar a
sua administração, fosse dividida e constituísse nova Metrópole aquela
que é capital da região chamada Goiás, por apresentar vasta superfície e
crescer dia a dia, em número de fiéis e em grandeza de empreendimentos.
Considerando benéficas às almas essas medidas, atendendo a um desejo
legítimo dos interessados nessa transformação; com anuência dos nossos
Irmãos, C. S. I. R., responsáveis pelas atividades consistoriais, e com todo o
nosso poder decretamos o que se segue. Extinguimos a Sede
Metropolitana de Goiás, e por outras cartas, desmembramos neste
mesmo dia, uma parte do território que descreveremos e criamos, a nova
metrópole de Goiânia, que se constituirá dos municípios limitados
conforme a lei civil e que tem os seguintes nomes: GOIÂNIA – ANICUNS –
ALOÂNDIA – ABADIÂNIA – ANÁPOLIS – BELA VISTA DE GOIÁS – BURITI
ALEGRE – CALDAS NOVAS – CAMPO ALEGRE DE GOIÁS – CATALÃO –
CORUMBA’ DE GOIÁS – CORUMBAÍBA – CRISTALINA – CRISTIANÓPOLIS –
CROMÍNIA – CUMARI – EDÉIA – GOIATUBA – GUAPÓ – GOIANDIRA –
HIDROLÂNDIA – IPAMERI – ITAUÇU – INHUMAS – JARAGUA’ – JANDAIA –
LEOPOLDO DE BULHÕES – LUZIÂNIA – MARZAGÃO – MARIPOTABA –
MORRINHOS – NAZÁRIO – NERÓPOLIS – NOVA AURORA – ORIZONA –
OUVIDOR – PALMEIRAS DE GOIÁS – PALMELO – PANAMÁ – PARANAÍBA
DE GOIÁS – PARAÚNA – PETROLINA DE GOIÁS – PIRACANJUBA – PIRES DO
RIO – PONTALINA – SANTA CRUZ de GOIÁS – SÃO FRANCISCO DE GOIÁS –
SILVÂNIA – TRINDADE – URUTAI – VIANÓPOLIS; e também a parte da
cidade de Pirenópolis que se estende do sul do Rio Forquilhas até onde
êste se encontra com o Rio Patos e do sul do mesmo Rio Patos até a sua
confluência com o Rio Maranhão; ainda a parte do Município de
Planaltina, que está na circunscrição do novo “Distrito Federal” e mais o
trecho da região de Formosa que se estende ao sul do mesmo Distrito, e
enfim tôda a zona que êste compreende. A cidade de Goiânia será séde e
domicílio do Metropolita, e a cátedra do poder pontifical funcionará no
templo dedicado à B. V. M. Auxiliadora, em fase final de construção, que
elevamos ao grau de Séde Metropolitana e à qual concedemos direitos,
honras, insígnias, privilégios, prerrogativas, concernentes a templos dessa
dignidade. O Arcebispo gozará de iguais direitos e assumirá as obrigações
relativas a tal investidura; terá também o direito de levar a Cruz diante de
si nos limites de sua Província Eclesiástica bem como de usar o Pálio,
depois de tê-lo requerido e obtido em Consistório Público. Serão
sufragâneas da Nova Metrópole de Goiânia a Igreja de Pôrto Nacional e as
Dioceses de Goiás, Jataí e Uruaçu; também as Prelazias “Nullius” quer de
Tocantinópolis que de Cristalândia ou de Formosa, ficando os seus Bispos
e prelados subordinados à Metrópole de Goiânia, de acordo com as
normas do direito. Os limites desta nova Província serão aqueles nos quais
tôdas as Igrejas a que nos referimos estão circunscritas e englobadas, e os
mesmos estabelecidos pelo Estado Civil de Goiás. No que se refere à
Arquidiocese, decretamos que, quanto antes, nela se constitua o Colégio
Metropolitano dos cônegos que ajudem o Arcebispo nos assuntos de
maior importância e abrilhantem o culto divino das cerimônias; êste
Colégio deliberamos constituí-lo por outras cartas apostólicas.
Concordamos que, enquanto na Metrópole não se organizar esta
assembléia de homens ilustres, façam as sua vezes os Consultores
Diocesanos. O Patrimônio do Arcebispo constará dos frutos da Cúria, dos
estipêndios e oblações dos fiéis e daqueles bens que lhe couberem após a
divisão “pro rata parte” da Arquidiocese de Goiás, conforme as normas do
Cânone 1.500 do C. I. C. Ordenamos também que o Seminário sediado na
cidade de Silvânia seja doravante propriedade da Nova Arquidiocese e que
os clérigos que já vivem no descrito Território de Goiânia se considerem
incardinados ao mesmo; e que por fim os documentos e atas que dizem
respeito à nova Metrópole, ao seu Clero, aos fiéis e aos bens temporais
sejam a essa enviados pela Cúria de Goiás e cuidadosamente arquivados;
e as prescrições estabelecidas pelo Cânone sagrado a respeito do regime e
administração das Igrejas, eleição do Vigário Capitular e assuntos
correlatos, sejam escrupulosamente observados. Queremos enfim que
nosso Venerável Irmão Armando Lombardi seja o executor dessas nossas
ordens que de sua efetivação se exarem documentos e se enviem
exemplares fidedignos a S. Cong. Consistorial. Queremos, pois, que esta
Carta seja e continui eficaz e o seu conteúdo religiosamente observado
por aqueles a quem isto cumpre, obtenha assim fôrça de lei. Derrogamos
tôdas as anteriores prescrições contrárias à eficácia desta carta. Por isso,
se alguém, investido de qualquer autoridade, consciente ou
inconscientemente agir contra as suas prescrições, o fará invàlidamente.
Além disso, a ninguém, é lícito cindir ou corromper os documentos que
expressam a nossa vontade. Se forem divulgados exemplares ou trechos
dos mesmos, quer impressos, quer manuscritos, devem trazer o selo da
autoridade eclesiástica e ser subscritos por um tabelião público, a fim de
que tenham o caráter de fidelidade imprescindível a documentação dessa
natureza. Aquele que, ou despresar ou deturpar, aquilo que decretamos
está sujeito às penalidades estabelecidas pelo direito aos que não prestam
obediência ao Sumo Pontífice.

Dado e passado no Palácio de São Pedro em Roma, no dia 26 do mês de


março do ano do Senhor de 1957, 18º do nosso Pontificado.

† J. Card. Piazza
S. C. Consist. A Secreto

† Celsus Card. Costantini


S. R. C. Cancellarius