Você está na página 1de 18

CLIQUEAQUIPARA

Educação Profissional e Educação VIRARAPÁGINA

em Ambientes Não Escolares


Autor: Rita de Cassia Medeiros Gomes

Tema 01
Compreendendo a Educação
Não Formal
Tema 01
Compreendendo a Educação Não Formal

Como citar este material:


seções
GOMES, Rita de Cassia Medeiros. Educação
Profissional e Educação em Ambientes Não
Escolares: Compreendendo a Educação Não
Formal. Caderno de Atividades. Valinhos:
Anhanguera Educacional, 2014.
S e ç õ e s
Tema 01
Compreendendo a Educação Não Formal
Introdução ao Estudo da Disciplina

Caro(a) aluno(a).

Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no Livro-Texto: Educação não formal
e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais, da autora Maria da
Glória Gohn, editora Cortez, 2010.

Roteiro de Estudo:
Educação Profissional e
Rita de Cassia Medeiros
Educação em Ambientes
Gomes
Não Escolares

CONTEÚDOSEHABILIDADES
Conteúdo
Nessa aula você estudará:

• A educação não formal e suas concepções.

• A trajetória da educação não formal na literatura.

• A educação não formal e as práticas educativas.

5
CONTEÚDOSEHABILIDADES
Habilidades
Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

• O que se entende por educação não formal?

• O que se pode concluir da trajetória da educação não formal na literatura no que diz
respeito à sua evolução?

• Qual a relação entre a educação não formal e as práticas educativas?

LEITURAOBRIGATÓRIA
Compreendendo a Educação Não Formal
É possível verificar que a educação não formal é uma modalidade de educação que
vem se ampliando na sociedade atual. Entretanto, ainda é de difícil entendimento, pois não
há uma legislação específica que atribua sustentação para sua compreensão, o que abre
precedentes para algumas considerações do que se denomina modalidade de educação
não formal.

Assim, levando em consideração os diversos espaços que necessitam de conhecimentos e


práticas pedagógicas, percebe-se que a formação do profissional em Pedagogia ainda está
direcionada essencialmente para o contexto formal em espaços escolares. Em relação à
atuação profissional, conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN)
de 1996, a prática pedagógica está para além do espaço escolar, abrindo possibilidades
de inserção em diferentes campos do conhecimento. Pode-se constatar no Livro-Texto, de
autoria de Maria da Glória Gohn (2010, p. 11), que:

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN), de 1996, abriu


caminho institucional aos processos educativos que ocorrem em espaços não
formais ao definir a educação como aquela que abrange “processos formativos
que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas
instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da
sociedade civil e nas manifestações culturais” (art. 1 LDBEN, 1996), o termo foi
incorporado ao Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos em 2003.

6
LEITURAOBRIGATÓRIA
Para Trilla (1993), a Educação é uma realidade muito complexa, heterogênea e versátil. A
diversidade de processos, fenômenos, agentes ou instituições que vêm sendo consideradas
espaço educativo apresenta muitas variáveis, e pouco se pode falar de Educação de maneira
geral. Geralmente, adicionam-se adjetivos à palavra educação; às vezes, distinguem-se
tipos de Educação, segundo alguma especificidade do sujeito que se educa; outras vezes
refere-se ao aspecto ou dimensão da personalidade a quem se dirige a ação educadora ou
ao tipo de efeitos que se produz. Há de considerar o critério que se faz referência àquele
que educa, ao agente, à situação ou instituição que produz, ou na qual se produz a prática
educativa, considerada Educação não formal.

A Educação não formal costuma ser mais hábil, flexível, versátil e dinâmica
que a formal. Nasce como uma contribuição ao atendimento daqueles que se
encontram excluída de qualquer proteção necessária para seu desenvolvimento.
Não é uma solução, mas uma complementação às demais formas de Educação
(TRILLA, apud CARO, 2010, p. 151).

Há de se considerar que a Educação não formal tem como intuito contribuir para a formação
integral do indivíduo, voltada aos interesses e necessidades dos educandos em ambiente
adaptado para a sua cultura e seu meio social. Logo, uma modalidade de Educação que era
pouco privilegiada desponta como alternativa de transformação e de atuação para parte da
sociedade. Segundo Trilla (1996), outro aspecto está relacionado à amplitude do conceito
de Educação e Educação não formal, pois ele está associado ao aspecto cultural que leva
a compreendê-la como processo que se constrói durante uma vida toda e não como algo
móvel, inerte, como é apresentado na maioria das instituições oficiais. Tal Educação ocorre
pelas iniciativas de movimentos populares, associações democráticas, organizações que
visam à mudança social, dentre outras e possui caráter transformador, pois possibilita que
os atendidos sejam conscientizados do seu valor e da importância de serem cidadãos
conscientes sobre as ações de sua realidade contextualizada. As práticas educativas
realizadas na educação não formal estão relacionadas nas experiências populares, de
projetos socioeducativos e, até mesmo, outras experiências educacionais de crianças e
adolescentes de baixa renda.

A prática educativa compõe-se de um conjunto de ações que determinam, tanto o caráter


preordenado de um ambiente de aprendizagem, como a sua dimensão de construção
social, constituindo, assim, um ambiente de aprendizagem desde a sua organização inicial,
fundada em certa concepção de aprendizagem, até a sua realização singular.

7
LEITURAOBRIGATÓRIA
Fica necessário destacar as próprias concepções de Educação formal e de Educação
não formal que atualmente merecem estudos aprofundados. Esta é uma discussão que
já está em curso na definição do conceito de Pedagogia Social, que não é acabado.
Por um lado questiona-se ainda se as vivências e concepções construídas a partir das
práticas educativas que acontecem fora da escola são não formais e, por outro, há o
questionamento se a negação ao formal fundamenta a área e se essa negação representa
avanços ou retrocessos, ou ainda, se a negação ao formal seria suficientemente para
explicar e fundamentar a concepção de Pedagogia Social.

Segundo Trilla (1996), citado por Caro (2010), a Educação formal se distingue da Educação
não formal por sua exclusão ou inclusão do sistema educativo regrado:

Por Educação formal entende-se o conjunto de processos, meios e instituições


específicas ou de instrução que estão diretamente dirigidas ao suprimento dos
graus próprios do sistema regrado. O formal é, então, o que se define em cada
país e cada momento em suas leis e outras disposições administrativas. O não
formal é o que fica à margem do organograma do sistema educativo graduado e
hierarquizado. Portanto, tais conceitos apresentam uma relatividade histórica e
política: o que antes era não formal pode passar a ser formal, do mesmo modo,
pode ser formal em um país e não o ser em outro. A Educação a distância e
a Educação de Jovens e Adultos em diferentes países são exemplos dessa
relatividade histórica e política que perpassa as intervenções socioeducacionais
da Pedagogia Social (TRILLA apud CAROL, 2010, p. 141).

Gohn (2010) procura apresentar a diferenciação entre Educação formal, não forma e
informal.

Em princípio podemos caracterizar a educação formal como aquela


desenvolvida nas escolas, com conteúdos previamente demarcados; a
educação não formal é aquela que se aprende “no mundo da vida”, via os
processos de compartilhamento de experiências, principalmente em espaços
e ações coletivos cotidianos; e a educação informal como aquela na qual os
indivíduos aprendem durante seu processo de socialização gerada nas relações
e relacionamentos intra e extrafamiliares (amigos, escola, religião, clube, etc). A
informal incorpora valores e culturas próprias, de pertencimento e sentimentos
herdados. Contrariamente, a educação não formal é nativa, ela é construída
por escolhas ou sob certas condicionalidades, há intencionalidades no seu
desenvolvimento, o aprendizado não é espontâneo, não é algo naturalizado.
(...) na educação não formal não é espontâneo porque os processos que o
produz têm intencionalidades e propostas (GOHN, 2012, p. 16).

O que acontece na Educação não formal normalmente está fundamentado no que se chama
de Educação Social, que, por referência, é conteúdo e objeto da Pedagogia Social. Segundo
Caro (2010, p. 133), entende-se a Educação Social como um processo das relações

8
LEITURAOBRIGATÓRIA
proporcionadas na estrutura da Educação não formal e é justamente este ambiente de
relações educativas que a diferencia da atual estrutura da Educação não formal.

As mudanças repentinas, ocasionadas pela industrialização por volta da metade do século


XIX, propiciaram o nascimento de uma nova ciência social aplicada: a Pedagogia Social. A
questão socioeconômica e sociopolítica em que se encontrava a Alemanha, em 1850, foi o
determinante da aparição de uma nova perspectiva e maneira de solucionar as necessidades
sociais e de encomendar aos pedagogos a lenta formulação de um documento doutrinal
fundamentado e justificado.

No entanto, sem a mudança de mentalidade, não seria concebível o surgimento e aplicação desta
nova ciência, o que supunha, na época, substituir a velha concepção de caridade pela justiça.

Hoje, na Alemanha, a Pedagogia Social ocupa um lugar privilegiado, pois lá


desenvolveu-se grande parte do plano teórico, ainda que seja justo reconhecer
a influência do modelo anglo-saxão na realização do trabalho social, ou seja,
na práxis da Educação Social. Na França, o enfoque maior centralizou-se na
animação sociocultural e na Itália, nos meios de comunicação. Apesar dos
procedentes remotos da Pedagogia Social alemã datar dos meados do século
XIX, foi no primeiro terço do século XX que se consolidou o seu científico e
a evolução histórica da Educação Social se identificou com este novo saber
pedagógico (CARO, 2010, p. 153).

O trabalho social está envolvido no diálogo entre as diversas áreas do conhecimento


e a Educação, dentre elas: a Psicologia, a Sociologia e o Serviço Social como ciências
complementares na sua fundamentação.

Percebe-se, em fundamentos e pesquisas sobre a temática, que o conceito de Educação


não formal tem evoluído no transcorrer dos tempos de forma notável e que o ambiente
social criado merece destaque na relação entre Educação e educando, o que propicia maior
espontaneidade, expressão de sentimentos e emoções. Essa modalidade de Educação, se
assim pode-se considerar, normalmente vem embasada no que se chama de Educação
Social que, por referência, é conteúdo e objeto de estudo da Pedagogia Social. Enguita
(2009), citado por Gohn (2010), denomina a Educação não formal como:

aprendizagens e saberes produzidos por instituições, associações, movimentos,


via a educação não formal, são o foco de destaque, o entorno da escola. Toda
mudança social que a escola não pode seguir a reproduzir por si só está
ai, nos entes sociais do entorno com os quais terá de aprender a trabalhar
em redes de cooperação de estrutura e duração variável. Esta difusão e
presença do conhecimento fora das instituições dedicadas exclusiva a criação
e transmissão pode também ser considerada como uma característica da
sociedade informacional (GOHN, 2010, p.14).

9
LINKSIMPORTANTES
Quer saber mais sobre o assunto?
Então:
Sites
Acesse o artigo: PITON, Ivania Marini. A questão da Educação formal e não formal de
Moacir Gadotti.
Disponível em: <http://www.paulofreire.org.br/pdf/comunicacoes_orais/
EDUCA%C3%87%C3%83O%20N%C3%83O-FORMAL%20E%20CIDADANIA%20-%20
EDUCA%C3%87%C3%83O%20DE%20JOVENS%20%20ADULTOS%20E%20IDOSOS.
pdf>. Acesso em: 5 dez. 2013.

O texto apresenta pesquisa educacional referente à Educação não formal com ênfase na
cidadania e utiliza a metodologia de Paulo Freire.

Acesse o artigo: GADOTI, Moacir. Perspectivas atuais da Educação.


Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n2/9782.pdf> Acesso em: 5 dez. 2013.
O artigo aborda as transformações que a Educação está sofrendo para se adequar ao novo
século.

Acesse o artigo: GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade


civil e estruturas colegiadas nas escolas.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/%0D/ensaio/v14n50/30405.pdf>. Acesso em: 5
dez. 2013.
O artigo apresenta um estudo sobre a educação não formal e seu papel no processo
educativo mais amplo.

10
LINKSIMPORTANTES
Vídeos
Assista a palestra: Educação formal, não formal e informal.
Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=QUpMsecdtpk&feature=related>.
Acesso em: 5 dez. 2013.

AGORAÉASUAVEZ
Instruções:
Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções
das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão
você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente
os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de
resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto
e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

Questão 1: Educação informal, a autora Maria da Gló-


ria Gohn, apresenta algumas considera-
Considerando o seu conhecimento prévio
ções. Verifique se estas considerações es-
sobre a temática acima desenvolvida, res-
tão de acordo, assinalando Verdadeiro (V)
ponda: qual a contribuição da Educação
ou Falso (F):
não formal para os indivíduos que dela fa-
zem parte? ( ) A educação formal pressupõe ambien-
tes normatizados, com regras, legislações
e padrões comportamentais definidos pre-
Questão 2: viamente. Perfil do corpo docente e meto-
Para demarcar melhor as diferenças entre dologias de trabalho são previamente nor-
Educação não formal, Educação formal e matizados.

11
AGORAÉASUAVEZ
( ) Na educação não formal os espaços ( ) A educação atua no campo das emo-
educativos localizam-se em territórios que ções e sentimentos. É um processo perma-
acompanham as trajetórias de vida dos nente e não organizado.
grupos e indivíduos fora das escolas, em
( ) O que ocorre na Educação, normal-
locais informais e locais onde há proces-
mente está fundamentado no que se cha-
sos interativos intencionais (a questão da
ma de Educação Social, que por referência
intencionalidade é um elemento importante
é conteúdo e objeto da Pedagogia Social.
de diferenciação).
( ) Ações educativas com elevados graus
( ) A educação informal opera em ambien-
de intencionalidade, sistematização e ins-
tes formais, onde as relações sociais se de-
titucionalização, como as que se realizam
senvolvem segundo gostos, preferências
nas escolas ou em outras instituições de
ou pertencimentos herdados. Os saberes
ensino.
adquiridos são absorvidos no processo de
vivência e socialização pelos laços cultu-
rais e de origem dos indivíduos e registra- Questão 4:
dos em documentos para avaliação.
Assinale em cada questão abaixo, (c) para
( ) A educação não formal, ao contrário da a questão certa e (e) para a questão errada:
formal, não é herdada, é adquirida.
( ) Deve-se levar em conta que a educa-
ção não formal é como um campo de co-
Questão 3: nhecimento em construção.

Quais são os principais atributos de cada ( ) Na educação não formal a cidadania


uma das modalidades educativas no que é o objetivo principal e ela é pensada em
se diferencia, assinalando o seu corres- termos de coletivo. Organizam-se proces-
pondente: (1) Educação não formal; (2) sos de acesso à escrita e à leitura por meio
Educação informal, (3) Educação formal e de métodos de alfabetização para coletivos
(4) Nenhuma das opções. específicos, a saber: grupos de trabalha-
dores, grupos de jovens, adultos. Ou orga-
( ) A educação requer tempo, local es-
nizam-se processos de reciclagem ou for-
pecífico, pessoal especializado. Requer a
mação, segundo determinadas demandas
normatização das formas de organização
sociais.
de vários tipos (inclusive a curricular), sis-
tematização sequencial das atividades, ( ) Ao estudar a educação não formal de-
tempos de progressão, disciplinamento, re- senvolvida junto a grupos sociais organiza-
gulamento de leis e órgãos superiores. dos, ou movimentos sociais, é necessário

12
AGORAÉASUAVEZ
atentar para as questões das metodologias Estão corretas:
e modos de funcionamento por serem um
dos aspectos mais relevantes do processo a) Somente as questões I e II.
de aprendizagem. Há a necessidade de es-
b) Somente as questões I, II e IV.
tudos aprofundados sobre as metodologias
de trabalho utilizadas na área da educação c) Somente a questão I.
não formal.
d) Todas as questões.
( ) Os procedimentos metodológicos utiliza-
dos nos processos da educação não formal
estão pouco codificados na palavra escrita e Questão 6:
bastante organizados ao redor da fala. Analisando as diferenças entre educação
formal, educação não formal e educação
informal estudadas, responda: como a edu-
Questão 5:
cação formal, a educação informal e a edu-
Analise as questões abaixo e assinale a al- cação não formal podem contribuir para a
ternativa correta: formação de indivíduos cidadãos?

I. São formas de educação do âmbito


do ensino não formal e extraescolar: a Questão 7:
profissional, a especial, a de jovens e
Pesquise em várias fontes de consulta (pá-
adultos e a realizada a distância.
ginas da web confiáveis; livros; documen-
II. As práticas educativas na Educação tos; revistas eletrônicas e impressas, den-
não formal estão voltadas para o fazer tre outras) a temática Educação não formal
bem feito. em vários espaços (campos de atuação).
De acordo com a sua pesquisa, quais são
III. A Pedagogia Social não está articulada os campos de atuação da educação não
com a educação não formal, mas, sim, formal?
com práticas de cidadania.

IV. A modalidade de Educação não formal Questão 8:


é uma ramificação da Educação a
Existe relação entre as práticas educativas
Distância.
e Educação não formal? Qual (is)?

13
AGORAÉASUAVEZ
Questão 9: Questão 10:
Analise a fala abaixo e responda a seguinte Como a Educação não formal pode con-
questão: qual é a contribuição da Educa- tribuir para a sua formação acadêmica no
ção não formal para o desenvolvimento de curso de Pedagogia?
aprendizagens e saberes?

Enguita (2009), citado por Gohn (2010),


denomina a Educação não formal como:
aprendizagens e saberes produzidos
por instituições, associações, movimen-
tos, via a educação não formal, são o
foco de destaque, o entorno da escola.
Toda mudança social que a escola não
pode seguir a reproduzir por si só está
ai, nos entes sociais do entorno com os
quais terá de aprender a trabalhar em
redes de cooperação de estrutura e du-
ração variável. Esta difusão e presença
do conhecimento fora das instituições
dedicadas exclusiva a criação e trans-
missão pode também ser considerada
como uma característica da sociedade
informacional (GOHN, 2010, p.14).

FINALIZANDO
Nessa temática, você obteve acesso a várias concepções sobre Educação não formal.
Teve contato inicial com o surgimento da Pedagogia Social, a trajetória da Educação na
literatura e a prática educativa nesta área.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar
sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

14
REFERÊNCIAS
CARO, Sueli Maria P. Educação Social: uma questão de relações. In: NETO, et al. (Orgs).
Pedagogia Social. São Paulo: Expressão e Arte, 2009.

GOHN, Maria da Glória. Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvi-
mento de projetos sociais. São Paulo: Cortez, 2010.

TRILLA, J. La educación fuera de la escuela: âmbitos no formales y educación social. Bar-


celona: Ariel, 1993.

GLOSSÁRIO
Educação não formal: é um processo sociopolítico, cultural e pedagógico de formação
para a cidadania, compreendendo o político como a formação do indivíduo para interagir
com o outro em sociedade.

Educação formal: em princípio é possível caracterizar a educação formal como aquela


desenvolvida nas escolas, com conteúdos previamente demarcados; a educação não
formal é aquela que se aprende “no mundo da vida”, via os processos de compartilhamento
de experiências, principalmente em espaços e ações coletivos cotidianos, e a educação
informal como aquela na qual os indivíduos aprendem durante seu processo de socialização
gerada nas relações e relacionamentos intra e extrafamiliares.

Práticas educativas na educação: ações educativas com elevados graus de


intencionalidade, sistematização e institucionalização, como as que se realizam nas escolas
ou em outras instituições de ensino, compreendendo o que se denomina educação formal.

15
GABARITO
Questão 1

Resposta: A Educação não formal tem como intuito contribuir para a formação integral do
indivíduo, voltada aos interesses e necessidades dos educandos, em ambiente adaptado
para a sua cultura e seu meio social.

Questão 2

Resposta: F, V, F, V.

Questão 3

Resposta: (3) Educação formal; (2) Educação informal; (1) Educação não formal; (4)
Nenhuma das opções.

Questão 4

Resposta: C, C, C, C.

Questão 5

Resposta: Alternativa C. Justificativa: são formas de educação do âmbito do ensino não


formal e extraescolar: a profissional, a especial, a de jovens e adultos e a realizada a distância.

Questão 6

Resposta: As três modalidades de educação, todas juntas, devem apresentar cada qual em
sua potencialidade o foco no desenvolvimento pleno dos indivíduos, ou seja, a educação
formal em seu processo educativo sistematizado, explorando todas as suas potencialidades;
a educação informal proporcionada os indivíduos aprendizagens durante o seu processo de
socialização gerada nas relações e relacionamentos intra e extrafamiliares, incorporando
os valores e culturas próprias e a educação não formal como aquela que proporciona
aprendizado “no mundo da vida”, via os processos de compartilhamento de experiências,
principalmente em espaços e ações coletivas cotidianas.

16
GABARITO
Questão 7

Resposta: Percebe-se que a Educação não formal possui vários campos de atuação e o
que em um espaço será considerado educação não formal em outros poderá não o ser,
pois a concepção de educação não formal está associada ao aspecto cultural, que leva
a compreendê-la como processo que se constrói durante uma vida toda e não como algo
móvel, inerte, como é apresentado na maioria das instituições oficiais. Tal Educação ocorre
pelas iniciativas de movimentos populares, associações democráticas, organizações que
visam à mudança social, dentre outras e possui caráter transformador, pois possibilita que
os atendidos sejam conscientizados do seu valor e da importância de serem cidadãos
conscientes sobre as ações de sua realidade contextualizada.

Questão 8

Resposta: Sim, existe. A prática educativa compõe-se de um conjunto de ações que


determinam tanto o caráter preordenado de um ambiente de aprendizagem como a sua
dimensão de construção social, constituindo, assim, um ambiente de aprendizagem, desde a
sua organização inicial, fundada em certa concepção de aprendizagem, até a sua realização
singular. As práticas educativas realizadas na educação não formal estão relacionadas nas
experiências populares, de projetos socioeducativos e, até mesmo, outras experiências
educacionais de crianças e adolescentes de baixa renda.

Questão 9

Resposta: A contribuição da educação não formal para o desenvolvimento da aquisição de


saberes e aprendizados está relacionada a socialização pelas vivências do cotidiano, via
dos processos de compartilhamento de experiências, principalmente em espaços e ações
coletivas cotidianas; e a educação informal, como aquela na qual os indivíduos aprendem
durante seu processo de socialização gerada nas relações e relacionamentos intra e
extrafamiliares

Questão 10

Resposta: A Educação não formal contribui para a formação do acadêmico do curso de


Pedagogia no momento que esta pode apresentar ao acadêmico possibilidades de atuação
em outros campos que não seja o escolar, desenvolvendo, neste, a visão de mundo em
situações diversas.

17