Você está na página 1de 4

WL RESUMOS RESIDÊNCIA MÉDICA

HEMORRAGIA DIGESTIVA

AVALIAÇÃO INICIAL DESCOBRIR FONTE


(1) Estabilização clínica Quem faz a divisão entre o duodeno e o jejuno é o
Nas primeiras 48h → não confiar no hematócrito! LIGAMENTO DE TREITZ. Hemorragias acima desse
Avaliar diurese (0,5ml/kg/h) ligamento serão denominadas de altas, e as
Desejável → PA > 100 / FC < 100 hemorragias abaixo desse ligamento, serão chamadas
(2) Descobrir fonte e tratar de baixas.
Sangramento alto ou baixo?
HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA
(3) Prevenir novos sangramentos: 
Drogas / endoscopia / cirurgia LIGAMENTO DE TREITZ

HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA

ALTA Clínica: hematêmese / melena


Mais comum SNG: sangue / borra de café
(80%) e mais Exame confirmatório e terapêutico: EDA nas primeiras 24 horas
grave (a EDA resolve até 98% dos casos de sangramento digestivo alto)
Clínica: hematoquesia / enterorragia
BAIXA Sonda nasogástrica: bile sem sangue
Exame confirmatório e terapêutico: colonoscopia + outros

 Enterorragia → sangramento vermelho-vivo em grande quantidade


 Hematoquesia → sangramento vermelho-vivo nas fezes em pequena quantidade
o Muitas vezes os termos são utilizados como sinônimos nas questões

O sangue para ser digerido no tubo digestivo demora cerca de 14h, assim, diante de grandes hemorragias altas, o
sangue não terá tempo para ser digerido e assim, o doente pode apresentar sangue vivo nas fezes – 10-20% das
hematoquesias tem origem alta!

HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA


CAUSAS Macete → ÚVULA
ÚLCERA (+ comum)
VARIZES ESOFAGO-GÁSTRICAS
LACERAÇÕES → MALLORY-WEIS (vômitos de repetição)

ÚLCERA PÉPTICA
 As principais complicações de uma UP são: sangramento, perfuração e obstrução. A que mais mata é o
sangramento!

Classificação de Forrest
Estima o risco de ressangramento de úlcera péptica
Sangramento ativo Ia – sangramento arterial
I
(Risco alto 90%) Ib – sangramento lento (babando)
IIa – vaso visível não-sangrante (risco alto 50%)
II Hemorragia recente IIb – coágulo aderido (risco médio 30%)
IIc – hematina (risco baixo 10%)
III Base clara, sem sangramento (risco baixo < 5%)
WL RESUMOS RESIDÊNCIA MÉDICA
CONDUTA
1) Terapia clínica e endoscópica
IBP / tratar H. pylori
Suspender AINES
I / IIA / Inibidor de bomba de próton IV +
IIB Endoscopia (química/térmica/mecânica) – o melhor é a combinação entre elas
2) Terapia cirúrgica
Falha endoscópica: 2 tentativas
Choque: refratário (> 6U hemácias) ou hemorragia recorrente
Hemorragia contínua: > 3U/dia
Qual a cirurgia?
ÚLCERA PILOROTOMIA + ULCERORRAFIA + VAGOTOMIA TRONCULAR +
DUODENAL PILOROPLASTIA (de HEINEKE-MIKULICZ)
ÚLCERA
GASTRECTOMIA + BI / BII / Y de ROUX
GÁSTRICA
Outras causas de HDA
Pressão portal > 12mmHg
Volume: reposição cautelosa
VARIZES Droga: terlipressina, octreotide
EDA: ligadura ou escleroterapia
Profilaxia: β-bloq + ligadura + ATB
VÔMITOS VIGOROSOS
MALLORY-WEISS ... junção esofagogástrica
90% dos casos são autolimitados
Sangue na via biliar
Trauma, cirurgia de via biliar
HEMOBILIA Tríade de Sandblom: hemorragia digestiva + dor em hipocôndrio
direito + icterícia
Diagnóstico e tratamento: arteriografia
ECTASIA VASCULAR Mulher, cirrose, colagenose
(ESTÔMAGO EM Clínica: anemia ferropriva
MELANCIA) Tratamento: ferro, transfusão
... no estômago: artéria dilatada na submucosa
Pequena curvatura gástrica / sangramento maciço
DIEULAFOY
Mais comum em homens
Tratamento: EDA
Aneurisma de aorta + prótese
FÍSTULA Sangramento de vulto / óbito (?)
AORTO-ENTÉRICA Tratamento: retirar prótese + fechamento da fístula + derivação
axilobifemoral

Escore Prognóstico de ROCKALL (R3*)


A Age (idade > 60 anos)
B Blood pressure (PA e FC)
C Comorbidades (IRA, hepatopatia…)
D Diagnóstico (neoplasia*)
E EDA (Forrest)
WL RESUMOS RESIDÊNCIA MÉDICA
WL RESUMOS RESIDÊNCIA MÉDICA

HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA


CAUSAS
DIVERTÍCULO
Causa + comum // Jovens → Divertículo de Meckel
ANGIODISPLASIA
Principal causa de sangramento obscuro (delgado)
CÂNCER
(Principal tipo → adenocarcinoma)

ABORDAGEM ESPECÍFICA
SE SANGRAMENTO GRAVE → EDA
EXCLUIR DOENÇA ANORRETAL → TOQUE / ANUSCOPIA
AVALIAR HEMORRAGIA BAIXA → COLONOSCOPIA
CINTILOGRAFIA
> 0,1 ml/min
ANGIO-TC
LESÃO NÃO VISUALIZADA →
> 0,3-0,5 ml/min
ARTERIOGRAFIA
> 0,5-1 ml/min
Se a arteriografia (diagnóstica e terapêutica) não resolver → colectomia!