Você está na página 1de 101

Laboratório de Engenharia de Angola

26 a 30 de Junho de 2017

Fundações Superficiais
(Módulo I)
João Candeias Portugal

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Organização
 Generalidades
 Resistência ao corte de solos
 Ensaio SPT
 Capacidade resistente
 Verificação da segurança
 Exemplos de dimensionamento
 Influência da água no terreno
 Considerações finais
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Organização
 Generalidades
 Resistência ao corte de solos
 Ensaio SPT
 Capacidade resistente
 Verificação da segurança
 Exemplos de dimensionamento
 Influência da água no terreno
 Considerações finais
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Generalidades

Fundação: Parte de uma construção


destinada a distribuir as cargas sobre o
terreno (Vocabulário de Estradas e
Aeródromos).
A fundação é portanto um elemento
estrutural que assegura a transferência
para o terreno das cargas associadas às
construções.
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Generalidades

Maciço de Fundação: volume do terreno que


é interessado no comportamento das
fundações.
Na prática o termo “fundação” é utilizado
indistintamente para significar, quer
“elemento estrutural de fundação”, quer
“maciço ou terreno de fundação”
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Generalidades

Capacidade resistente – carga máxima que


o terreno de fundação pode suportar em
segurança.
A capacidade resistente (do terreno)
depende das características do terreno e
do elemento de fundação, isto é, não é
uma característica intrínseca do terreno.
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Generalidades

O elemento estrutural de fundação não assegura


só por si a estabilidade. Para que isso se
verifique é também necessário que o maciço ou
terreno de fundação seja capaz de suportar as
cargas que lhe são transmitidas.
Entre maciço e elemento de fundação há
interacção, pelo que devem ambos ser
encarados como um sistema (de fundação) e
nunca podem ser dissociados, isto é, encarados
isoladamente.
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Generalidades

A capacidade resistente de uma fundação


depende das características mecânicas do
terreno, incluindo a presença da água, e
das características do elemento de
fundação – tamanho, profundidade, forma
geométrica, processo construtivo ou de
instalação.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Generalidades

As fundações classificam-se em 2 grandes grupos:


 Superficiais ou directas – aquelas em que a
profundidade do plano em contacto com o
terreno é menor ou igual que a sua menor
dimensão (D ≤ B)
 Profundas ou indirectas – aquelas em que a
profundidade do plano em contacto com o
terreno é maior que a sua menor dimensão
(D > B)
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Generalidades

Fundações superficiais (D ≤ B)
e profundas (D > B)
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Generalidades

As fundações classificam-se em 2 grandes


grupos:
 Superficiais ou directas (D ≤ B) – sapata
isolada (L, B); sapata corrida (L > 10 B);
ensoleiramento geral
 Profundas ou indirectas (D > B) – estacas,
pegões
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Generalidades

Sapatas isoladas

Sapatas corridas Ensoleiramentos


Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Generalidades

Sempre que o terreno perto da superfície exibe


características adequadas opta-se por fundações
superficiais (são mais baratas).
Só quando isto não acontece, isto é, quando o
terreno perto da superfície não tem essas
características adequadas, é que se opta por
fundações profundas (são mais caras).

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Organização
 Generalidades
 Resistência ao corte de solos
 Ensaio SPT
 Capacidade resistente
 Verificação da segurança
 Exemplos de dimensionamento
 Influência da água no terreno
 Considerações finais
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Resistência ao corte
A capacidade dos solos para suportar cargas e
conservar a sua estabilidade depende da sua
resistência ao corte. Toda a massa de solo se rompe
quando esta resistência é excedida.

No estudo das tensões, que actuam sobre um plano


que passa por um ponto de um corpo submetido a
um campo tridimensional de forças exteriores,
consideram-se, em geral, a componente normal ()
e as componentes tangenciais ou de corte ().

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte
Por outro lado sabe-se que por um ponto qualquer é
sempre possível encontrar três planos, ortogonais
entre si, tais que os esforços tangenciais a eles
aplicados sejam nulos. Esses planos denominam-se
planos principais de tensão e as tensões normais
que neles actuam, tensões principais.

Por ordem decrescente de valores, essas tensões são


conhecidas como tensão principal maior (1);
intermédia (2) e menor (3).

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte
Em muitos problemas envolvendo solos verifica-se
que se pode considerar 2 = 3, reduzindo-os assim
a problemas planos (estados planos).

É, por exemplo, o caso dos problemas envolvendo


fundações superficiais - tensão principal maior (1 -
vertical) aumenta; horizontais (2, 3) mantêm-se
praticamente iguais.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte
Nestas condições as condições de equilíbrio no ponto
O podem ser estudadas no plano. Considere-se
então o plano 1 3, passando pelo ponto O:

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte
Vejamos como determinar as tensões  e  sobre
qualquer plano normal à figura e definido pela
inclinação .

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte
Vamos considerar OAB um elemento infinitésimal e
escrever as equações de equilíbrio de forças para
esse elemento.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte
Na direcção tangencial,
 ds = 1 ds cos sen - 3 ds sen cos
 = (1 - 3) sen cos

Na direcção normal,
 ds = 1 ds cos2 + 3 ds sen2
 = 1 cos2 + 3 sen2

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte
através de algumas transformações trignométricas:

1   3 1   3
  cos2 (1)
2 2
1   3
 sen2 (2)
2
que são as expressões que permitem calcular, em
função de 1 e 3 os valores de  e  sobre qualquer
plano AB definido por .

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte
As expressões (1) e (2) têm uma correspondência directa no chamado
círculo de Mohr. Para traçá-lo tomam-se 2 eixos ortogonais ( em
abcissas e  em ordenadas).

1   3
para coordenadas do centro  1   3 ;0  e para o raio r =
 2  2

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Resistência ao corte
Este círculo goza da seguinte propriedade: todo o raio
que forma com o eixo das abcissas o ângulo 2,
corta o círculo num ponto D de coordenadas  e :

1   3 1   3
  cos2 (1)
2 2
1   3
 sen2 (2)
2

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Critério de rotura
Os critérios de rotura da Resistência dos Materiais
têm por objectivo estabelecer, com base em
informações experimentais, as condições para as
quais se verifica a rotura de um material.

Dos vários critérios que têm sido propostos o critério


de Coulomb é o que normalmente se utiliza para
solos.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Critério de rotura
Neste critério admite-se que a tensão de corte
correspondente à rotura (r) é função da tensão
normal () sobre o plano de rotura de acordo com a
seguinte expressão:
 = r = c +  tg 
em que,
r - é a resistência ao corte;
 - é a tensão normal no plano de corte;
c - é a coesão do solo, e;
 - é o ângulo de atrito do solo.
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Critério de rotura
A representação gráfica desta equação é uma recta,
 = r = c +  tg 

Caso geral c=0 =0

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Critério de rotura
Assim, para que uma massa de solo não rompa é
suficiente que o círculo de Mohr, correspondente às
tensões principais actuantes, se situe abaixo da
recta intrínseca de rotura.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Critério de rotura
Retomemos a equação de Coulomb, representando-a
graficamente pela recta NM, a qual, tangencia o
círculo de Mohr de centro C, que caracteriza o
estado de tensão de um ponto P dum maciço de
solo.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Critério de rotura
Sendo T o ponto de tangência, isto indica, que no
plano que forma o ângulo  com o plano principal
maior, a tensão de corte () atingiu a resistência ao
corte (r). Nestas condições a rotura do material
está iminente no ponto P e segundo o plano que
forma o ângulo .

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Tensão efectiva
Como se viu as tensões em qualquer secção de uma
massa de solo podem calcular-se a partir das
tensões principais totais 1, 2 e 3 que actuam
nesse ponto.

Se os vazios do solo estão cheios com água (solo


saturado), sob uma pressão u, as tensões principais
totais resultam da soma de duas parcelas.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Tensão efectiva
Nos solos saturados, sob uma pressão u, as tensões
principais totais resultam da soma de duas parcelas.
Uma parte, u, actua na água e nas partículas sólidas
em todas as direcções com igual intensidade. É a
chamada tensão intersticial (ou pressão da água nos
poros).
As resultantes: ’1 = 1 – u; ’2 = 2 – u; ’3 = 3 - u
são excessos de tensão sobre a tensão intersticial u e
actuam exclusivamente na fase sólida do solo.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Tensão efectiva
’1 = 1 – u; ’2 = 2 – u; ’3 = 3 - u
Estas parcelas das tensões principais totais chamam-
se tensões principais efectivas.

Uma variação de tensão intersticial u não produz


praticamente variação de volume e praticamente
não influência as condições de tensão na rotura.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Tensão efectiva
’1 = 1 – u; ’2 = 2 – u; ’3 = 3 - u

Todos os efeitos mensuráveis duma variação de


tensão, tal como assentamentos, distorções e
variação de resistências ao corte são exclusivamente
devidos a variações das tensões efectivas (’1; ’2;
’3).

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Tensão efectiva
A máxima resistência ao corte em qualquer plano de
um solo é função das forças de atrito mobilizadas
durante o escorregamento nos contactos entre
partículas (’), não dependendo da tensão normal
total que actua nesse plano, mas sim, da diferença
entre a tensão total e a pressão nos poros. Assim a
equação de Coulomb para solos saturados deve ser
escrita nos seguintes moldes:
’r = c’ + ( - u) tg ’
ou seja, em tensões efectivas.
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Tensão efectiva
’r = c’ + ( - u) tg ’
em que,
c’ - é a coesão do solo em tensões efectivas e;
’ - é o ângulo de atrito do solo em tensões efectivas.

Repare-se que no caso de solos secos se tem: u = 0


donde ’ = .

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solos arenosos
Os solos arenosos são maioritariamente constituídos
por partículas provenientes da fragmentação de
rochas.
Têm por isso permeabilidade elevada, isto é, a água
nos poros pode-se movimentar facilmente.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solos argilosos
Os solos argilosos são maioritariamente constituídos
por partículas de pequenas dimensões, com
contactos viscosos e poros muito pequenos, onde a
água só consegue circular com lentidão.
Têm por isso permeabilidade baixa, isto é, a água nos
poros movimenta-se muito lentamente.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solo saturado (argiloso)
Se a um solo saturado se aplicar um acréscimo de
tensão () e se impedir a saída da água, esse
acréscimo de tensão é integralmente absorvido por
acréscimo na pressão intersticial (u), isto é: u =


Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solo saturado (argiloso)
Drenagem impedida
À profundidade D antes de se construir a sapata:
1i
ui
’1i = 1i – ui
À profundidade D depois de se construir a sapata:
1f = 1i + 
uf = ui + 
’1f = (1i + ) – (ui + ) = 1i – ui = ’1i

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solo saturado (argiloso)
Drenagem impedida
Então ’i = ’f antes e depois de se construir a sapata

Do critério de rotura
’r = c’ + ’ tg ’

Constata-se que a resistência ao corte não se altera


(drenagem impedida) pois a tensão efectiva
manteve-se (’) constante.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solos argilosos
Os solos argilosos são maioritariamente constituídos
por partículas de pequenas dimensões, com
contactos viscosos e poros muito pequenos, onde a
água só consegue circular com lentidão.
Têm por isso permeabilidade baixa, isto é, a água nos
poros movimenta-se muito lentamente.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solos argilosos
Então, a curto prazo, os solos argilosos comportam-se
como se a drenagem estivesse impedida – condição
de curto prazo ou não drenada.
A sua resistência ao corte depende exclusivamente das
tensões efectivas iniciais (antes da aplicação da
carga), uma vez que ainda não houve tempo para a
drenagem – as tensões efectivas mantêm-se
constantes.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solo saturado (arenoso)
Drenagem permitida
À profundidade D antes de se construir a sapata:
1i
ui
’1i = 1i – ui
À profundidade D depois de se construir a sapata:
1f = 1i + 
uf = ui
’1f = (1i + ) – ui = 1i – ui +  = ’1i + 

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solo saturado (arenoso)
Drenagem permitida
Então ’f (depois de construir a sapata) > ’i (antes )
de construir a sapata

Do critério de rotura
’r = c’ + ’ tg ’

Constata-se que a resistência ao corte aumenta


(drenagem permitida) pois a tensão efectiva (’)
aumenta.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solos arenosos
Os solos arenosos são maioritariamente constituídos
por partículas provenientes da fragmentação de
rochas.
Têm por isso permeabilidade elevada, isto é, a água
nos poros pode-se movimentar facilmente.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solos arenosos
Dada esta facilidade de escoamento da água, os solos
arenosos comportam-se como se a drenagem
estivesse permitida – condição de longo prazo ou
drenada.
A sua resistência ao corte depende das tensões
efectivas finais (depois da aplicação da carga), uma
vez que a drenagem se processa muito rapidamente
– as tensões efectivas aumentam também muito
rapidamente.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solos argilosos
Dada a dificuldade de escoamento da água, os solos
argilosos, logo após o seu carregamento,
comportam-se como se a drenagem estivesse
impedida (condições não drenadas ou de curto
prazo).
À medida que o escoamento se vai processando –
muito lentamente - a sua resistência ao corte vai
aumentando, uma vez que as tensões efectivas
aumentam.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solo argiloso
Antes:
i
ui
’i = i – ui
A curto prazo (t = 0):
0 = i + 
u0 = ui + 
’0 = (i + ) – (ui + ) = i – ui = ’i
A longo prazo (t = ∞, final): Depois
f = i + 
uf = ui
’f = (i + ) – ui = i – ui +  = ’i + 
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Solos argilosos
As duas situações - curto e longo prazo – no caso de
solos argilosos estão separadas por um grande
intervalo de tempo (∞); no caso de solos arenosos
ocorrem logo uma a seguir à outra (permebilidade
elevada, drenagem rápida).
Assim, no dimensionamento, para solos argilosos a
situação mais desfavorável é a de curto prazo (não
drenada), porque a ela corresponde a resistência ao
corte mais baixa.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Solos arenosos
As duas situações - curto e longo prazo – no caso de
solos argilosos estão separadas por um grande
intervalo de tempo (∞); no caso de solos arenosos
ocorrem logo uma a seguir à outra (permebilidade
elevada, drenagem rápida).
Assim, para solos arenosos a situação de curto prazo
(não drenada) não existe na prática, e o
dimensionamento é efectuado tomando a situação
de longo prazo ou drenada a que corresponde a
resistência ao corte mais elevada.
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Solo argiloso
Antes:
’i = i – ui
’r = c’ + i’ tg ’
A curto prazo (t = 0):
’0 = (i + ) – (ui + ) = i – ui = ’i
’r = c’ + i’ tg ’ = cu
Resistência ao corte não drenado (cu)
Não depende do carregamento ()
A longo prazo (t = ∞, final): Depois
’f = (i + ) – ui = i – ui +  = ’i + 
’r = c’ + (i’+) tg ’
Resistência ao corte drenado (c’ ; ’)
Depende do carregamento ()
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Organização
 Generalidades
 Resistência ao corte de solos
 Ensaio SPT
 Capacidade resistente
 Verificação da segurança
 Exemplos de dimensionamento
 Influência da água no terreno
 Considerações finais
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Ensaio SPT
Standard Penetration Test
Número de pancadas para o amostrador penetrar 30cm

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Ensaio SPT
• Correcção devido às tensões geostáticas
N1 = CN N

v o1 100


CN = 
v o v o(kPa)
N cresce com a tensão efectiva geostática: o conceito
de N1 exprime o resultado que seria obtido para uma
tensão efectiva geostática de 'vo=1kgf/cm2 (100kPa)

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Ensaio SPT
Há outras propostas para avaliação de CN – Eurocódigo 7

Compacidade relativa
Tipo de areia CN
Dr (%)
2
Normalmente 40 a 60 1   v
3
consolidada 60 a 80 2   v
1,7
Sobreconsolidada 0,7   v
onde 'v é dado em kPa 10–2

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Ensaio SPT
Correlações
Ângulo de atrito de areias (Décourt, 1989)

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Ensaio SPT
Correlações
Argilas (solos coesivos)
N Consistência cu (kPa)
0—2 Muito mole <12
2—4 mole 12 — 25
4—8 Média 25 — 50
8 — 15 Dura 50 — 100
15 — 30 Muito dura 100 — 200
> 30 Rija 200 — 400

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Ensaio SPT
Correlações
Outras propostas

Solo cu (kPa)
Argila 12 N
Argila siltosa 10 N
Areia siltosa 7N

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Ensaio SPT
Terzaghi e Peck (1948) propuseram uma
correlação directa entre a tensão admissível
de sapatas fundadas em maciços arenosos
secos e o valor de N do SPT.

Tensão admissível – a máxima tensão que


aplicada à sapata provoca um assentamento
total da fundação inferior a 25 mm (1
polegada).
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Ensaio SPT

Correcção ao valor de N para determinar a


tensão admissível em sapatas
(Terzaghi e Peck, 1948)
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Tensão admissível - Areias secas (Terzaghi e Peck, 1948)

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Ensaio SPT
Se existir Nível Freático os valores propostos
devem ser divididos por 2.
Esta proposta não é válida para argilas
O conceito de tensão admissível é usado para
evitar simultanemente estados limite últimos
e de utilização.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Exemplo
Num solo granular obteve-se N = 15 a 3 m de profundidade. O Nível Freático ocorre a 1,5 m de profundidade.
O solo encontra-se saturado com um peso volúmico de 19 kN/m3. Pretende-se fundar com uma sapata corrida
com 3 m de largura a 3 m de profundidade. Determine a tensão admissível.

Tensão efectiva - ’ = 3x19 – 1,5x10 = 42 kN/m2

Correção de N - N’ = 2N = 2x15 = 30

Tensão admissível:
B = 3,0 m; N = 30
adm = 300 kPa (solo seco)

adm = 150 kPa (solo submerso)

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Organização
 Generalidades
 Resistência ao corte de solos
 Ensaio SPT
 Capacidade resistente
 Verificação da segurança
 Exemplos de dimensionamento
 Influência da água no terreno
 Considerações finais
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Capacidade resistente

eB = MB / V
B’ = B – 2 eB (largura efectiva)

eL = ML / V
L’ = L – 2 eL (comprimento efectivo)
A’ = B’ L’ (área efectiva)
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Condições não drenadas
O valor de cálculo da capacidade resistente do terreno ao
carregamento pode ser calculado através de:

qr  R / A '  2c u b c s c ic  q
com os coeficientes adimensionais seguintes,
– Para a inclinação da base da fundação ( em radianos):

b c  1  2 /   2

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições não drenadas

qr  R / A '  2c u b c s c ic  q
– Para a forma da fundação:

B'
s c  1 0,2 - sapata rectangular
L'

s c  1,2 - sapata quadrada ou circular

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições não drenadas

qr  R / A '  2c u b c s c ic  q
– Para a inclinação da carga, causada por uma carga
horizontal H:

 H 
ic  0,5 1 1  com, H  A 'c u
 A' c u 

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições drenadas
O valor de cálculo da capacidade resistente do terreno ao
carregamento pode ser calculado através de:
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 
com os coeficientes adimensionais seguintes,

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições drenadas
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 

Factores de capacidade resistente,


tan' 2 ' 
Nq  e tan  45  
 2

 
Nc  Nq  1 cot '

  '
N   2 Nq  1 tan ' , com   (base rugosa )
2

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições drenadas
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 

Factores de inclinação da base da fundação ( em


radianos),
,

b c  b q  1  b q / Nc tan  
'


b q  b   1   tan  
' 2

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições drenadas
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 

Factores de forma da fundação,

Rectangular -
s qNq  1  B'  B'
sc  s q  1   sen ' s   1 0,3
Nq  1  L'  L'
Quadrada ou circular -
s q Nq  1 s   0,7
sc  s q  1  sen '
Nq  1
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Condições drenadas
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 
Factores de inclinação da carga, causada por força
horizontal H,
 
ic  iq  1  iq / Nc tan  '

 
iq  1  H / V  A ' c ' cot  ' m

 
i   1  H / V  A ' c ' cot  
' m 1

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições drenadas
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 
Onde,
quando H actua na direcção de B′-

m  mB  2  B' / L' /1  B' / L'


quando H actua na direcção de L′-
m  mL  2  L' / B'/1  L' / B'

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições drenadas
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 
Quando H actua numa direcção formando um ângulo θ
com a direcção de L′, m é dado por,

m  m  mL cos2   mB sen2 

Deslizamento da sapata:
H < RHd = V tan ’
’ = ’ (betão moldadas no local)
’ = 2/3’ (pré-fabricadas de baixa rugosidade)

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Organização
 Generalidades
 Resistência ao corte de solos
 Ensaio SPT
 Capacidade resistente
 Verificação da segurança
 Exemplos de dimensionamento
 Influência da água no terreno
 Considerações finais
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Estados limite últimos

A estabilidade das fundações deve ser


verificada em relação a estados limite
últimos: rotura do terreno (GEO) e rotura
estrutural (STR).

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Abordagem Tradicional
Coeficiente GLOBAL de segurança:

R
FS   2 ou 3
A
R – é a tensão resistente
A – é a tensão aplicada
FS = 2 em condições não drenadas
FS = 3 em condições drenadas
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Organização
 Generalidades
 Resistência ao corte de solos
 Ensaio SPT
 Capacidade resistente
 Verificação da segurança
 Exemplos de dimensionamento
 Influência da água no terreno
 Considerações finais
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Exemplo 1
Verificar a segurança da sapata contínua relativamente ao estado limite último
de rotura do terreno de fundação

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Exemplo 2
Verificar a segurança da sapata isolada relativamente ao estado limite último
de rotura do terreno de fundação (VG inclui peso da sapata e terras)

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Exemplo 3
Verificar a segurança da sapata isolada relativamente ao estado limite último
de rotura do terreno de fundação

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Exemplo 4
Verificar a segurança da sapata isolada relativamente ao estado limite último
de rotura do terreno de fundação

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Exemplo 5
Verificar a segurança da sapata isolada relativamente ao estado limite último
de rotura do terreno de fundação

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Exemplo 6
Verificar a segurança da sapata isolada relativamente ao estado limite último
de rotura do terreno de fundação

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Organização
 Generalidades
 Resistência ao corte de solos
 Ensaio SPT
 Capacidade resistente
 Verificação da segurança
 Exemplos de dimensionamento
 Influência da água no terreno
 Considerações finais
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Condições não drenadas

qr  R / A '  2c u b c s c ic  q
Se existir carga horizontal H, e no caso
de haver possibilidade de afluir água
à interface fundação/solo deve
verificar-se que:
A’ cU ≤ 0,4 V

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições drenadas
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 
q’ = ? ’ = ?
Caso I - Nível de água situado entre a superfície do terreno e a base da sapata

’ = sat – w

q’ = h (D – dw) + (sat – w) dw

V’d = Vd – w dw B L

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições drenadas
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 
q’ = ? ’ = ?
Caso II - Nível de água coincidente com a base da sapata

’ = sat – w

q’ = h D

V’d = Vd

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Condições drenadas
qr  R /A'  c'Nc b c s c ic  q'Nq b q s q iq  0,5  'B'N  b  s  i 
q’ = ? ’ = ?
Caso III - Nível de água situado abaixo do plano de fundação
Profundidade da figura de rotura:
H = 0,5 B tan (45 + ’/2)

q’ = h D
V’d = Vd
Se H ≤ dw Se H > dw
h dw  sat  w (H  dw )
’ = h ’ =
H
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Exemplo 7
Na sapata representada na figura está aplicada uma força vertical
permanente de 18000 kN. O terreno de fundação é uma areia com ’=
37º e h = 18 kN/m3. Verifique a segurança da fundação em relação ao
estado limite último nas seguintes condições:

a) Na ausência de nível freático


b) Nível freático na posição N1
c) Nível freático na posição N2
d) Nível freático na posição N3

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Exemplo 8
Na sapata representada na figura está aplicada uma carga
permanente Fg = 2500 kN e uma carga variável Fq = 1000 kN,
ambas inclinadas a 8º, e com uma excentricidade de 0,4 m.
Verifique a segurança da fundação em relação ao estado limite
último nas seguintes condições:
a) Condições não drenadas
b) Condições drenadas

Considere para a argila –


sat = 20 kN/m3
cu = 100 kPa
c’ = 10 kPa; ’ = 30º

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Organização
 Generalidades
 Resistência ao corte de solos
 Ensaio SPT
 Capacidade resistente
 Verificação da segurança
 Exemplos de dimensionamento
 Influência da água no terreno
 Considerações finais
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Considerações finais
Neste Módulo I do curso foram apenas tratados os
problemas da verificação da segurança de fundações
superficiais relativamente ao estado limite último de
rotura por insuficiência de capacidade resistente do
terreno ao carregamento e rotura por deslizamento.
Os outros estados limite a considerar são:

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Considerações finais

 perda de estabilidade global


 rotura conjunta do terreno e da estrutura
 rotura estrutural devida a movimentos da
fundação
 assentamentos excessivos
 empolamento excessivo
 vibrações inadmissíveis
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Considerações finais
Os 3 últimos são estados limite de utilização
(funcionalidade), não tratados no âmbito deste
Módulo I do curso.
A verificação da respectiva segurança envolve, em
geral, a necessidade de estimar os movimentos
experimentados pelas fundações, devidos aos
carregamentos que lhe são impostos.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Considerações finais
As estimativas de movimentos de fundação são um
assunto complexo, que envolve a definição do
campo de acréscimos de tensão no maciço de
fundação em causa.
Estes movimentos têm normalmente uma parcela não
reversível significativa, e, em geral, têm 3
componentes: movimentos imediatos, por
consolidação e por fluência.

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal
Considerações finais
Existem diversos métodos de avaliação de
assentamentos e que serão abordados no Módulo
III do curso.
Na prática tradicional a adopção de coeficientes de
segurança globais (2 - CND; 3 - CD) é utilizada para
evitar a verificação explícita da segurança a estados
limite de utilização.
Esta via serve os casos correntes, não podendo no
entanto ser adoptada no caso de fundações sobre
solos moles.
Fundações Superficiais Organização:
João Candeias Portugal
Muito obrigado…
João Candeias Portugal

Fundações Superficiais Organização:


João Candeias Portugal